You are on page 1of 1

História da Trigonometria

Egito - 1650 A.C Papiro Rhind. No século XIV, Purbach, na Inglaterra, retomou a obra de Ptolomeu e computou uma nova tábua de senos

Regiomontanus (14361475), estabeleceu trigonometria como uma ciência independente da Astronomia.

Atualmente, as funções trigonométricas são definidas usando o círculo trigonométrico unitário, obviamente, isso não diminui o uso de frações, mas a nossa notação decimal, diferente da dos gregos, torna o seu uso mais simples.

Fibonacci (1170-1250) China - 1110 A.C Uso do triângulo para realizar medições Sua obra Prática Geometriae, de 1220, é uma aplicação da trigonometria árabe na Agrimensura.

Rhaeticus (1514-1576) retomou, um século depois, as tábuas de Regiomontanus de 1464, com maior rigor nos cálculos. Ele foi o primeiro a adotar a organização das tábuas em semiquadrantes, dando os valores dos senos, cossenos e tangentes de ângulos até 45º e completando a tabela com o uso da igualdade sen. x = cos (π/2-x). Deve-se também a Rhaeticus a introdução das secantes na trigonometria europeia e os cálculos do sen n θ em termos de sen θ , que foram retomados e aprimorados por Jacques Bernoulli, em 1702.

O tratamento analítico das funções trigonométricas está no livro Introductio in Analysin Infinitorum, de 1748, considerado a obra chave da Análise Matemática. Nele, o seno deixou de ser uma grandeza e adquiriu o status de número obtido pela ordenada de um ponto de um círculo unitário.

Grécia Thales (625 - 546 A.C.), Pitágoras (570 - 495 A.C.).

Al-Battani (aproximadamente 850 a 929 D.C.), introduziu o círculo de raio unitário e com isso demonstrar que a razão jiva é válida para qualquer triângulo retângulo, independentemente do valor da medida da hipotenusa. O astrônomo Persa Nasîr ed-dên al-Tûsî autor, em 1250, do primeiro trabalho no qual a trigonometria plana apareceu como uma ciência por ela própria, desvinculada da Astronomia.

Viète (1540-1603) adicionou um tratamento analítico à trigonometria, em 1580. Foi o primeiro matemático a usar letras para representar coeficientes gerais, o que representou grande progresso no campo da Álgebra. Também construiu tábuas trigonométricas e calculou o sen 1’ com treze casas decimais.

A trigonometria toma a sua forma atual quando Euler (1707-1783) adota a medida do raio de um círculo como unidade e define funções aplicadas a um número e não mais a um ângulo como era feito até então, em 1748.

Hiparco de Nicéia (180-125 A.C. construiu o que foi presumivelmente a primeira tabela trigonométrica com os valores das cordas de uma série de ângulos de 0º a 180º.

Bhaskara I produziu uma fórmula para calcular o seno de um ângulo agudo sem o uso de tabelas.

Pitiscus que publicou um tratado, em 1595, no qual corrigiu as tábuas de Rhaeticus e modernizou o tratamento do assunto. A palavra trigonometria aparece pela primeira vez, como título de um livro seu.

O primeiro indício do tratamento funcional da Trigonometria sur-giu em 1635, quando Gilles Personne de Roberval (1602 – 1675) fez o primeiro esboço de uma curva do seno.

Ptolomeu Escreveu o Almagesto (coleção de Livros Matemáticos) – formulou uma tabela trigonométrica desenvolvendo a ideia de ângulos de meio em meio grau, de 0º a 180º e o uso da base 60, com a circunferência dividida em 360 graus e o raio em 60 partes e frações sexagesimais, não só para expressar ângulos e sim para qualquer tipo de cálculo, com exceção dos de medida de tempo.

Por volta de 500 D.C., o matemático hindu Aryabhata já calculava semi cordas e usava também o sistema decimal, desenvolvido aproximadamente em 600 D.C.

John Wallis (1616-1703) utilizou fórmulas expressas por equações em vez de proporções e por trabalhou com séries infinitas.

Sir Isaac Newton (1642-1727) também deu sua contribuição à trigonometria pois, paralelamente aos seus estudos de cálculo infinitesimal apoiados fortemente na geometria do movimento, trabalhou com séries infinitas, abrindo a perspectiva para o sen x e o cos x surgirem como números e não como grandezas.

Grupo: Débora Eliza, Débora Oliveira, Indira, Marcos, Matheus David, Mayra, Thabata Professora: Gilmara 2º B

9f½°  -¾xnOI 9 fn °f °–f f  ¯f f  9¯  n¯½¯f °fh f ¾ °¾  –¯°f°¾% %  ¾f  n  –°¯ fn¯¯f ny°nf° ½ ° °  f ¾°¯f f¯ ° f¾€°sµ ¾ –°¯xnf¾ ¾j €° f¾ ¾f° nn–°¯xn °h  f¯ ° ¾¾°j ¯°¾ €fsµ ¾ ¯f¾f °¾¾f°fsj n¯f  €  °  f ¾– –¾ °f¾ ¾¯f¾ ¾¯½ ¾  °fnn% % .

°f  .

f ¯hnf  -  ¾ °  ¾ ¯f–f° f f  ¾f¾ °¯   ½ f  °f f ¯½° ¯nn °h xnf @f ¾%  . D¾ i°–½ff  ff¯ sµ ¾ f f9hnf  ¯ f   x ¯ff½nfsj f –°¯ fhf °f –¯ °¾f f n¾% % ¯ ¯¾xn ½¾ f¾h f¾  –¯°f°¾   n¯¯f–°¾nhn¾  € ½¯ ff ff–f°fsj f¾h f¾ ¯¾ ¯f f° ¾  f° ¾f ¾ ¾ ¾ °¾ n¾¾ °¾ f°– ° ¾ i°–¾fx  n¯½ f° ff fn¯¾ f –f f ¾ °  n¾%$ %   ¾  f¯ x¯ff n¾f° sj f¾ ¾ nf° ¾°f–°¯ f ½ f ¾ nhn¾ ¾ °° ¯ ¯¾ ¾ °   €f¯ ¯f ¾ f½¯f ¾½ fn ¾ °  ¯  ff¯ °f°fn f¾€°sµ ¾ –°¯xnf¾ ¾h° ° n°°f¾°°€°¯    n°¾ f f fnf  f °h¾ .

%  9h–f¾%  .

%   ff°%f½¯f f¯ ° f .

%  ° nn f°h n¯¾¾ ¯°¾f ffj©f xh f½ff f i°– i°–  ° ½ ° ° ¯ °  f f¯  f f ½ °¾f f¾´°¯9 ¾f-f¾  y°f @¾ f  ¯  ½¯ f f°ff –°¯ f½f°ff½f n n¯¯f ny°nf½ f½½f  ¾°nf f f ¾°¯f  I  % %f n°¯ ff¯ °f°fng–°¯ f  ¯  ½¯ ¯f ¯hnf¾f  f¾½ff ½ ¾ °fn €n ° ¾– f¾    ½ ¾ °–f° ½– ¾¾° nf¯½ f– f @f¯ x¯n°¾ h f¾–°¯xnf¾ nfn¾ °# n¯  nf¾f¾ n¯f¾ –°¯ f ¯ff¾f€¯f fff°  % % f ff¯  f f ¯ nnn¯° f   €°  €°sµ ¾f½nf f¾f¯°¯   °j¯f¾f¯i°–n¯ f € fx °j  ¯  ½fn -nxf%   .

0:42.402 5./0 90254 9f  ./03:48/0204022047.:3107H3.:80 47.057088.7908017.E.4.70.8 348O5.42.04/48/020//.404/0 . 9.48  1472:4::2..08 80.082.420.80 .-0.:4 .  n°¾ € ½ ¾¯ ¯ ° f½¯ f f f–°¯xnfn¯¾ f ¾ f¾n f¾ ¯f ¾x  i°–¾ f f¾ff½ ¯f €¯f½ffnfnf¾ °  ¯i°–f– ¾ ¯¾  f f¾  9¾n¾ ½ n¯ff   ¯ °fn– f¾h f¾ f n¾ ¯ °  ff¯ ° f¾¾° ½fff –°¯ f f½f n ½ f ½¯ f  n¯ ¯ ¾  ½¯  ° n ff¯ ° €°n°f f@–°¯ f ¾ – ¯ f°  ¾9 ¾°°  f % %€  ½¯  ¾ s ¯fnf  ¾ ° !94420: 8.7.748. .:  /0 . /0.7 3:480825.0894 .974342F97.6:.03/4./.7.902E9.7.02 7..-.//. 04:84/.6:07954/0 ./0803.

¯f ¯hn ° f ff©hnfnff¾ ¯ n f¾ ¾fff¯ x¯¾¾ ¯f n¯f  ¾ °  f½¯f f¯ °  ¯ .

ff @f ff 9€ ¾¾f ¯ff  .  °Jf¾% % €¯f¾ ½ ¾¾f¾ ½ fsµ ¾ ¯   ½½sµ ¾ ½f f n¯¾x ¾°€°f¾ ¾ffn- °% % f¯ x¯ ¾fn° sjg–°¯ f ½¾ ½ff f¯ °  f¾¾ ¾ ¾ ¾ nhn°€° ¾¯ff½f ¾ € ¯ ° °f– ¯ f  ¯¯ ° f fn¯¾x ¾ °€°f¾ f ° f½ ¾½ nf½ff ¾ ° n¾¾– ¯n¯ °¯ ¾ °jn¯–f° f¾ ½ x ff x f f ° f .f ¾f .fn¾ .