You are on page 1of 15

Identidade sacerdotal e santificação do ministério I

As virtudes do sacerdote

Identidade do sacerdote      Outro Cristo Imagem viva de Cristo Perfeito homem – virtudes humanas (e limitações) Perfeito Deus – virtudes sobrenaturais Queremos ver Cristo no sacerdote .

(falsa caridade) Fortaleza – garra e mansidão (coragem. serenidade Justiça – respeito aos direitos. serena ausência de respeitos humanos) Temperança – sóbrio. comedido .Virtudes humanas     Prudência – maturidade nas decisões. cumprimento pontual dos compromissos.

otimismo sem ingenuidade. com a medida do coração de Cristo .Virtudes sobrenaturais    Fé – visão sobrenatural – avaliar os acontecimentos sob a perspectiva da doutrina católica Esperança . amor a todos. confiança nas pessoas Caridade – amor a Deus.

de significado complexo O que significa exatamente ganhar virtude? O que é a virtude (humana)? . mas.Ganhar virtude    Frase simples de se enunciar.

de modo que se mantenha dentro de um padrão desejável. especificado por um conjunto de regras de conduta Dois inconvenientes sérios 1o – Não existe força de vontade capaz de um controle contínuo e universal (exemplo ordem) .Auto-controle?    Força de vontade para controlar o próprio comportamento.

. que determine totalmente uma conduta sacerdotal adequada Quem procurasse um controle desse tipo acabaria por ficar “neurótico” Tenderia a multiplicar ad infinitum as regras a que se submete – rigidez – dificuldade as decisões.Auto-controle?    2o – não é possível elaborar um conjunto de regras suficientemente abrangente.

mas não excelentes Ganhar virtude supõe mudar o próprio modo de ser Aristóteles: virtude torna o homem bom além de capaz de agir bem É preciso querer mudar modo de ser É preciso admirar a virtude para conquistá-la .Auto-controle?      Auto-controle leva a ações corretas.

Inclinação a agir bem   Disposição. um novo modo de ser Mas em que consiste essa disposição? .

Costume?    Lembrando que “as virtudes se conquistam pela repetição de atos” – costume – automatismo Mas essa maneira de enxergar a virtude também apresenta sérios inconvenientes Virtude deve levar a agir bem em quaisquer circunstâncias – e os automatismos são respostas a determinadas circunstâncias .

não virtuoso. tíbio Não meritório.Costume?     Se virtude fosse costume bastaria uma disciplina exigente nos seminários para que padres fossem virtuosos Além do mais. costume leva a agir rotineiro. A virtude deve levar a agir livre Repetição de atos – reiteração de atos virtuosos livres – na praxis .

nos equivocamos (erro do juízo prático. Bem (agir bem) é naturalmente apetecível) Noção perdida na modernidade Quando escolhemos o mal.Educação da afetividade e novos critérios práticos de atuação     Há uma inclinação natural profunda ao bem. mais ou menos culpável Virtude disposição que deve levar a acertar nos nossos juízos práticos .

Na inteligência (e na vontade) – critérios (princípios da razão prática acertados) que permitam “enxergar o bem Mudança em todas as faculdades envolvidas no agir livre .Dimensões da virtude       Dimensão afetiva: educação da agressividade e da afetividade Aprender a “gostar do que é bom” Bom gosto – Gadamer Cuidado com estoicismo Dimensão intelectual .

Dimensões da virtude   Cuidado com voluntarismo Mudança em todas as faculdades envolvidas no agir livre .

Possibilidade de se fazerem boas experiências Necessidade de que se submetam livremente à disciplina Importância da unidade de vida (férias) Formação da prudência. Conselho Fundamental: dos bons modelos (Amizade – Aristóteles) Ascética – luta determinada .Aquisição das virtudes       Papel da disciplina.