ANATOMIA BUCAL E ANATOMIA DENTÁRIA PARA O ASB/TSB

Habilitação Profissional para Auxiliar em Saúde Bucal Disciplina de Especialidades Odontológicas I – Módulo II Prof. Rogério Spínola

SISTEMA DIGESTÓRIO
Função:

Metabolização dos alimentos ingeridos, sua absorção e eliminação de produtos sólidos do catabolismo. Composição:Úvula, Faringe, Esôfago , Cárdia (Válvula Gastro-esofágica), Estômago, Piloro, Pâncreas, Fígado, Vesícula, Biliar, Duodeno, Jejuno, Íleo, Válvula ileocecal, Apêndice vermiforme, Cecun, Colon ascendente, Colon transverso, Colon descendente, Colon sigmóide, Reto, Esfíncter anal.

BOCA OU CAVIDADE BUCAL
 

 

Primeiro segmento do aparelho digestório, delimitado por seis paredes: Lábios (parede anterior): pregas musculomembranosas constituídas pelos músculos orbiculares labiais que formam o contorno do orifício bucal. Bochechas (paredes laterais): constituídas por músculos da mímica e mastigadores. Palato mole (parede posterior): situado na parte posterior da boca, delimita uma abertura (istmo da garganta), comunicando-a com a faringe. É formado pela úvula que divide o istmo em duas partes, aos lados das quais estão situados dois pilares; cada par destes últimos contém uma amídala palatina.

. Palato duro (parede superior): de forma côncava é formado por um septo osteomembranoso separando-o da cavidade nasal.  Função: Abrigar a língua. inserida na sua porção posterior através do freio lingual.  Assoalho bucal (parede inferior): é a parte sobre a qual se apóia a língua. os dentes. a úvula e as glândulas salivares.

.  Cavidade bucal propriamente dita é limitada lateral e ventralmente pelos processos alveolares com respectivos dentes e dorsalmente comunica-se com a faringe por uma abertura estreitada denominada istmo da fauce.DIVISÃO DA CAVIDADE BUCAL  Externamente pelos lábios e as bochechas e internamente pelas gengivas e dentes.

.

formação e movimentação do bolo alimentar.  Função: Indução à salivação. Inicia a quebra e processa a deglutição. impar.LÍNGUA  Órgão muscular. situado na cavidade bucal entre as arcadas dentárias. . revestido por mucosa. de forma cônica.

.

.

.

De sua combinação resultam centenas de sabores distintos. cujas células sensoriais percebem os quatro sabores primários: amargo (A). salgado (C) e doce (D). na superfície da língua. . não é homogênea.Na superfície da língua existem dezenas de papilas gustativas. azedo ou ácido (B). A distribuição dos quatro tipos de receptores gustativos.

PALATO DURO .

PALATO DURO .

PALATO MOLE .

Função: Sendo que os dentes incisivos cortam. Cada dente possui 3 partes: coroa. com auxilio da língua. o alimento e a saliva. Os dentes tem como função a desintegração mecânica dos alimentos e desempenham também papel relevante na dicção das palavras e na estética da face. os caninos rasgam. inseridos nas arcadas alveolares dos maxilares e da mandíbula. raiz e colo. .DENTES    São órgãos duros de estrutura calcaria. e os pré-molares e molares trituram. Os dentes misturam.

.

esmalte dentina gengiva Polpa dentária coroa colo Ligamento periodontal raíz cemento alvéolo Ápice dental .

São 2 por arcada.Intermediários entre caninos e molares.Logo atrás dos incisivos.Função de corte.São os dentes mais volumosos e posteriores das arcadas dentárias. Pré-molares: 2 pares em cada arcada. Molares: podem variar de 2 a 4 pares por arcada. Trituram os alimentos. Caninos: são pontiagudos e robustos.De acordo com as características dividem-se em quatro grupos: Incisivos: são os 4 dentes mais anteriores situados nas arcadas. .Centrais e laterais.Fragmentam os alimentos.

Os seres humanos possuem 2 conjuntos de dentes. Dentes Decíduos ou Dentes de Leite: surgem dos 6 meses aos 2 anos.DENTES  1. dois caninos e quatro molares em cada maxilar. . São 20 dentes: quatro incisivos.

DENTES DECÍDUOS .

São 32 dentes: quatro incisivos. quatro pré-molares e seis molares em cada maxilar.DENTES 2. dois caninos. Dentes Permanentes: surgem dos 6 anos aos 18 anos. .

DENTES PERMANENTES .

FUNÇÃO DOS GRUPOS DENTAIS .

além das pequenas glândulas. que se divide em dois tipos: simpática (espessa e escassa) e parassimpática (fluida e abundante). Função: elaborar a saliva. Composição da saliva: água. mediante a presença da Amilase Salivar. Saliva: Liquido inodoro.º de 6. sais minerais. quebrar o amido através da amilase (fermento) e estimular o suco gástrico. Seus nomes: parótidas. o suco gástrico. estão localizadas ao redor da cavidade bucal. submandibulares e sublinguais. Função: aglutinar e amolecer os alimentos ingeridos. Quando parassimpática ativa.GLÂNDULAS SALIVARES      Em n. contribuir para a formação do bolo alimentar. mucina e fermento (ptialina ou amilase) .

como as glândulas labiais. Glândulas salivares maiores: são representadas por 3 pares que são as parótidas. Glândulas salivares menores: constituem pequenos corpúsculos ou nódulos disseminados nas paredes da boca. . palatinas linguais e molares.GLÂNDULAS SALIVARES    As glândulas salivares são divididas em 2 grandes grupos: glândulas salivares menores e glândulas salivares maiores. submandibulares e sublinguais.

a maior das três e situa-se na parte lateral da face.  Glândula Submandibular é arredondada e situa-se no triângulo submandibular. . abaixo e adiante do pavilhão da orelha.GLÂNDULAS SALIVARES MAIORES  Glândula Parótida . Glândula Sublingual é a menor das três e localiza-se abaixo da mucosa do assoalho da boca.

.

.

.

ANATOMIA DENTÁRIA Profº Rogério Spínola .

O compartimento. A parte do dente que fica exposta na cavidade bucal é chamada coroa e a que fica contida no osso é a raiz.      Os dentes são estruturas de tamanho e formas variadas que desempenham papel importante na mastigação dos alimentos (corte e trituração). por um tecido conjuntivo especializado. A região entre a coroa e a raiz é chamada colo do dente. mineralizado. chama-se alvéolo. Em sua parte central interna. São formados em sua maior parte. a polpa dentária. . contribuem para a estética facial das pessoas. no osso que contém a raiz. para a articulação das palavras e para a sustentação dos lábios e bochechas. os dentes possuem um tecido rico em nervos e vasos sangüíneos.

esmalte dentina gengiva Polpa dentária coroa colo Ligamento periodontal raíz cemento alvéolo Ápice dental .

Longo eixo do dente Terço incisal/oclusal Terço médio Terço cervical Terço cervical Terço médio Terço apical .

A segunda. Os dentes permanentes são divididos em quatro grupos: incisivos. caninos. molares. Os seres humanos possuem duas dentições: a primeira é a decídua ou temporária (dentes de leite) com 10 dentes em cada arco dentário. num total de 32 dentes. pré-molares. com 16 dentes em cada arco. num total de 20 dentes. que corresponde ao osso maxila e arco inferior. .       •    Os dentes estão dispostos nas arcadas dentárias: arco superior. que corresponde ao osso mandibula. Os dentes decíduos são divididos em três grupos: incisivos. é a dentição permanente. molares. caninos.

DENTES PERMANENTES .

DENTES DECÍDUOS .

. superfície vestibular: é a face voltada para o vestíbulo da boca.Como é a coroa do dente?      A coroa de cada dente possui lados ou superfícies. quando está voltada para a linha média. esta superfície é muito pequena e recebe o nome de bordo incisal ou face incisal. superfície palatina: é a face voltada para a cavidade bucal propriamente dita. quando a mandíbula está fechada. Nos dentes incisivos. e distal quando está afastada da linha média. Pode ser mesial. assim chamadas: superfície oclusal: é a face cortante ou mastigadora que fica em contato com os dentes opostos. Nos dentes inferiores é denominada superfície lingual. superfície proximal: é a face que está em contato com os dentes vizinhos.

VESTIBULAR OC LU SA L MESIAL DISTAL (PROXIMAIS) LINGUAL OU PALATINA VESTIBULAR O CL US AL .

FACES OCLUSAIS (PRÉ-MOLARES E MOLARES) FACES INCISAIS (INCISIVOS E CANINOS) .

Face mesial Face distal .

que são as cúspides. . as fóssulas. Além destas superfícies. os sulcos. Estes elementos variam de tamanho conforme o grupo dental e nem sempre estão presentes em todas as coroas. a coroa de um dente apresenta alguns elementos. as cristas e os tubérculos.

.

C Ú S P I D E S CANINO .1 CÚSPIDE .

SULCO FÓSSULA SULCO TUBÉRCULO .

 .  Os dentes humanos. duas ou três raízes e por isso podem ser uni. transmitindo ao osso as forças que incidem sobre ela. apresentam o seguinte número de raízes: unirradiculados: incisivos. sendo que as raízes de um dente multirradicular podem se apresentar fusionadas. caninos. Um dente pode apresentar uma.As raízes dentárias A raiz fixa o dente no osso e sustenta a coroa. birradiculados: primeiro pré-molar superior e molares inferiores. trirradiculados: molares superiores. pré-molares inferiores e segundo pré-molar superior. no geral. bi ou trirradiculares.

UNIRRADICULARES BIRRADICULARES TRIRRADICULARES

UNIRRADICULARES

BIRRADICULARES

A cavidade pulpar
 Os

dentes possuem, internamente, um espaço que é ocupado pela polpa dentária, chamado cavidade pulpar. A cavidade pulpar é dividida em duas porções: câmara pulpar e canal radicular. A câmara pulpar está na coroa do dente e o canal radicular, na raiz.

CAMARA PULPAR

CANAIS RADICULARES

A IDENTIFICAÇÃO DOS DENTES PERMANENTES ATRAVÉS DE NÚMEROS
 Para

facilitar a identificação (notação gráfica) dos dentes, convencionou-se dividir a boca em quatro partes, chamadas quadrantes ou hemi-arcos. Assim, tem-se: quadrante superior direito, superior esquerdo, inferior esquerdo e inferior direito. Cada quadrante recebe os números 1, 2, 3 e 4, respectivamente.

SUPERIOR 1 2 ESQUERDO DIREITO 4 INFERIOR 3 .

da seguinte forma: incisivos centrais 1 incisivos laterais 2 caninos 3 primeiros pré-molares 4 segundos pré-molares 5 primeiros molares 6 segundos molares 7 terceiros molares 8 . em cada quadrante.         Os dentes permanentes. são representados por números de 1 a 8.

42 incisivo lateral inferior direito. . 12 incisivo lateral superior direito. Exemplo: 11 incisivo central superior direito. Assim     sendo. a notação gráfica dos dentes permanentes é realizada assinalando-se o número do quadrante seguido do número do dente. 31 incisivo central inferior esquerdo.

Dentes Permanentes SUPERIO R 18 17 16 15 14 13 12 11 21 22 23 24 25 26 27 28 48 47 46 45 44 43 42 41 31 32 33 34 35 36 37 38 DIREITO INFERIOR ESQUERD O .

com algarismos romanos de I a V.Notação gráfica dos dentes decíduos       Os dentes decíduos podem ser representados numericamente. tem-se: incisivos centrais: I incisivos laterais: II caninos: III primeiros molares: IV segundos molares: V . Assim.

     Os quadrantes ou hemi-arcos que representam os dentes decíduos recebem os números de 5 a 8. Exemplos: 51 incisivo central decíduo superior direito. 62 incisivo lateral decíduo superior esquerdo. 82 incisivo lateral decíduo inferior direito. Neste caso. . Os dentes podem então ser representados assinalandose o número do quadrante seguido do número do dente. são utilizados algarismos arábicos para designar o dente desejado. 71 incisivo central decíduo inferior esquerdo.

Dentes Decíduos SUPERIO R 55 54 53 52 51 61 62 63 64 65 85 84 83 82 81 71 72 73 74 75 DIREITO INFERIOR ESQUERD O .

esfoliação dos dentes decíduos e cronologia da erupção .Erupção dentária.

Erupção dentária: Seu conceito inclui os movimentos eruptivos do germes dentários até atingirem a posição de oclusão e movimentos posteriores de erupção compensadora dos desgastes oclusais e de mesialização. .

. iniciam os movimentos axiais de erupção.Início da formação das raízes: Quando a raíz começa e ser formada. A bainha de Hertwig vai guiar a formação radicular determinando o número e a forma das raízes. o movimento eruptivo axial se acelera. A medida que as raízes vão sendo formadas.

Os germes mais anteriores deslocam-se para mesial e os mais posteriores para distal e todos movimentam-se para oclusal.Períodos da erupção ativa:  Período pré-eruptivo: movimentos de translação e circunvolução devido ao crescimento do germe. .

Folículo dentário .

. Período eruptivo: movimento axial do dente aproximando-se da mucosa gengival. exteriorização na cavidade bucal e deslocamento até a posição de oclusão.

MOVIMENTOS DE MESIALIZAÇÃO surgem por alterações das faces proximais com perda de contato ou perda do vizinho da mesial. .Também pode ocorrer uma ATIVAÇÃO ERUPTIVA com a perda de antagonistas. Período pós eruptivo: movimentos dos dentes em oclusão que estendem-se por toda a vida dos dentes. cáries e defeitos restauradores.

Períodos da erupção ativa: Movimentos pré-eruptivos Eruptivos Pós eruptivos .

.

Decíduos 4 anos de idade Períodos eruptivos completos Raízes completas Processos de reabsorção radicular Épocas variáveis Reduzem o dente à porção coronária Polpa coronária se degenera Levam à esfoliação ou queda fisiológica Esfoliação-geralmente por ação mecânica da mastigação Movimento eruptivo do sucessor permanente=>ação mecânica de pressão=>reabsorção .

Período eruptivo completo: .

Possivelmente. Pode surgir uma proliferação epitelial gengival subjacente à porção coronária do dente decíduo em época próxima à queda. provocando ulceração mucosa que dificulta ou impede a erupção do sucessor permanente. o estresse mastigatório sobre o folículo do permanente+seus movimentos de erupção=reabsorção radicular dos decíduos Isso explica o retardo na esfoliação dos decíduos fora de oclusão ou sujeitos a forças mastigatórias reduzidas. ULOTOMIA .

INÍCIO E DURAÇÃO VARIÁVEIS  Aparecimento  Momento . dos dentes atingirem suas posições de articulação com os antagonistas. dos dentes na cavidade bucal.Cronologia da erupção:  Desenvolvimento dos germes dentários.

Estágios de NOLLA: Dividiu o desenvolvimento dos dentes em 10 estágios Ápice radicular completo Raíz quase completa 2/3 da raíz completos 1/3 da raíz completo Coroa completa Coroa quase completa 2/3 da coroa completos 1/3 da coroa completo Calcificação inicial Presença da cripta Ausência da cripta .

mas na sua maioria. observa-se que as substituições dos dentes inferiores procedem ligeiramente os superiores.Também chamado período de transição. . segundo SCHWAZ e se encerra com a esfoliação dos molares decíduos.SOB O PONTO DE VISTA CLÍNICO DISTINGUEM-SE DUAS DENTIÇÕES HUMANAS: •DECÍDUA •PERMANENTE PERÍODO DE DENTIÇÃO MISTA: Dentes decíduos ainda não esfoliados e dentes permanentes que já erupcionaram.Inicia com a erupção dos primeiros molares permanentes. Este período sofre variações quanto a sua ordem.

Tabela de erupção dos decíduos: Época 6 meses 7 meses 8 meses 9 meses 12 meses 14 meses 16 meses 18 meses 20 meses 24 meses Dentes IC Inferiores IL Inferiores IC Superiores IL Superiores Primeiros Molares Inferiores Primeiros Molares Superiores Caninos Inferiores Caninos Superiores Segundos Molares Inferiores Segundos Molares Superiores .

tornando a erupção mais difícil e lenta. o dente permanente irromperá precocemente. de NOLLA). Se o dente decíduo for extraído antes do início dos movimentos eruptivos do permanente (antes do estágio 6 de NOLLA).Fatores que podem alterar a erupção:     processos patológicos localizados(lesões periapicais). fibrose gengival. ou posteriores. fatores estes que atrasam a erupção dos dentes. . hematoma de erupção. dente decíduo anquilosado. pois o processo alveolar pode voltar a formar-se sobre o dente sucessor.pulpotomia de um molar decíduo. aceleram a erupção do pré-molar sucessor. Se o dente decíduo for extraído após o sucessor permanente ter iniciado os movimentos ativos de erupção (estágio 6. é bem provável que o dente permanente atrase sua erupção.

Hipopituitarismo ->atraso na erupção dos dentes.Fatores que podem alterar a erupção:       Síndrome de trissomia do 21 (Síndrome de Down) -> causa atraso na erupção dentária. A extração dos decíduos não é indicada pois não se pode assegurar a erupção dos permanentes. sendo muito comum a dentição decídua ainda estar completa aos 15 anos de idade. os dentes decíduos não sofrem reabsorção. Hipotireoidismo-> atraso na erupção. Disostose Cleido-craniana -> desenvolvimento está sempre retardado. . Hipertireoidismo -> acelera a erupção provocando apinhamento (o indivíduo tem dentes grande em base óssea pequena). podendo permanecer durante toda a vida do indivíduo. e. Raquitismo -> atraso na erupção. Nos casos mais graves.

A partir da erupção do 1ºdente: Antes da erupção: .

.

coserp.ronet.br www.www.super-congresso.br www.com.br www.clubedobebe.com.sopape.br .coserp.com.com.br www.br www.com.com.

Tabela de erupção dos permanentes: Época 6-7 anos 7-8 anos Dentes ICInferiores 1ºMInferiores e Superiores ILInferiores ICSuperiores 8-9 anos 9-10 anos 10-11 anos 11-12 anos ILSuperiores CInferiores CSuperiores 1º e 2º PMSuperiores 2ºMInferiores 12-13 anos 2ºMSuperiores .

.

ortoestetica.www.com .

Fontes:  www.htm  FUNDAMENTOS DE EMBRIOLOGIA BUCODENTÁRIA.EDIPUCRS.forp.br/mef/embriologia/index. . BRITO.JORGE HONÓRIO M.usp.1ªEdição 1998.

.

com .rogeriospinola@hotmail.

34831074708  310747080$:5074708  .34831074708  ./007:54/48 5072.%.03908  ..348 0 !$:5074708  31074708  .348$:5074708  .348 $:5074708  .303908 A54.348$:5074708   .34831074708 $:5074708  .-0.348 $:50747080.

4:31074708 .

.

 479408909. .42 ..

43908   1475 :85 -7.

201.

02-744.

3/0 92 &% $#   & % #  #  #   #%  /4 !&#$   .

.

740748534. .492.42 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful