IMPORTÂNCIA DA QUEDA DE OMBRO PARA QUALIDADE DE VIDA APÓS O ESVAZIAMENTO CERVICAL

Ali Amar, Luciana P. Lima, Carlos N. Lehn

Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço - Hospital Heliópolis - São Paulo BRAZIL
INTRODUÇÃO
A avaliação da qualidade de vida tem sido objeto de estudo crescente nos últimos 15 anos, pois o tratamento dos pacientes com tumores de cabeça e pescoço geralmente causa significativo comprometimento estético e funcional. A disfunção do ombro associada ao esvaziamento cervical (EC) é reconhecida, sendo um importante aspecto na qualidade de vida destes pacientes. Este estudo avalia a morbidade relacionada à função do ombro em pacientes submetidos ao EC e o papel da fisioterapia precoce na prevenção destas seqüelas.
ESCALA DA INABILIDADE (O quanto de dificuldade você teve) 1. para lavar seu cabelo. Nenhuma dificuldade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 necessidade de ajuda 2. para lavar suas costas. Nenhuma dificuldade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 necessidade de ajuda 3. para vestir uma camisa ou camiseta sem botão. Nenhuma dificuldade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 necessidade de ajuda 4. para vestir uma camisa com botões na parte dianteira. Nenhuma dificuldade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 necessidade de ajuda 5. para vestir suas calças. Nenhuma dificuldade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 necessidade de ajuda 6. para colocar um objeto em uma prateleira alta. Nenhuma dificuldade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 necessidade de ajuda 7. para carregam um objeto pesado acima de 4.5 kg. Nenhuma dificuldade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 necessidade de ajuda 8. para remover algo de seu bolso traseiro. Nenhuma dificuldade 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 necessidade de ajuda O método avalia a morbidade do ombro em patologias músculoesqueléticas através de uma escala análogo-visual de dor e outra de inabilidade

MATERIAL E MÉTODO
Estudo clínico prospectivo com 65 pacientes submetidos ao esvaziamento cervical, incluindo os níveis V e/ou IIb, com preservação do XI par. Ao todo foram realizados 88 esvaziamentos. Os pacientes responderam a um questionário de qualidade de vida para disfunção de ombro, pelo menos três meses após o esvaziamento, avaliando separadamente ambos os lados. Os pacientes foram agrupados pelo tipo de esvaziamento, realização de radioterapia e fisioterapia pósoperatória. Na avaliação da qualidade de vida, empregou-se o teste de abdução do braço (adaptado) e o SPADI (The Shoulder Pain and Disability Index).
Fig 1. Teste de Abdução do Braço Levante por favor, seu braço, e avalie o procedimento com a seguinte escala: Eu posso levantar meu braço: Até 180° sem dor ou esforço [5] Até 180°, porém com dor ou esforço [4] Acima de 150°, porém abaixo de 180° [3] Acima de 90°, porém abaixo de 150° [2] Até aproximadamente 90° [1] Inferior a 90° [0] O teste avalia a abdução ativa do movimento de abdução do ombro de acordo com os sintomas Fig 2. SPADI (OMBRO) ESCALA DA DOR (O quão grave é sua dor) 1. quantifique a sua dor. Nenhuma dor 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 máxima dor imaginável 2. ao movimentar o lado envolvido. Nenhuma dor 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 máxima dor imaginável 3. para alcançar algo em uma prateleira elevada. Nenhuma dor 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 máxima dor imaginável 4. para tocar em sua região cervical posterior Nenhuma dor 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 máxima dor imaginável 5. ao empurrar com o braço envolvido. Nenhuma dor 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 máxima dor imaginável

RESULTADOS
Na avaliação da dor e da inabilidade, 26 pacientes (38 esvaziamentos) apresentaram queixa, a pontuação alcançada de 2914 e 4222 (média  DP), respectivamente. Em relação à fisioterapia, 0% e 92% dos esvaziamentos com e sem fisioterapia, apresentaram queixas (p<0,01). A abdução inferior a 90º foi observada em 52% dos esvaziamentos do nível V e em 27% nos demais (p=0,05).
Fig 3. Pontuação relacionada a queixa de dor no questionário SPADI

Fig 4. Pontuação relacionada a queixa de inabilidade no SPADI

CONCLUSÕES
O esvaziamento do nível V acrescenta importante morbidade em relação ao ombro e a fisioterapia no pósoperatório contribui para diminuir as seqüelas e acelera a recuperação da função em pacientes submetidos ao esvaziamento cervical, com significativa melhora em sua qualidade de vida.

MATERIAL E MÉTODO Estudo clínico prospectivo com 65 pacientes submetidos ao esvaziamento cervical. Carlos N. 26 pacientes (38 esvaziamentos) apresentaram queixa. SPADI (OMBRO) Fig 5. Os pacientes foram agrupados pelo tipo de esvaziamento. respectivamente. Teste de Abdução do Braço Levante por favor. Fig 3. com preservação do XI par. incluindo os níveis V e/ou IIb. . realização de radioterapia e fisioterapia pósoperatória. Luciana P. Este estudo avalia a morbidade relacionada à função do ombro em pacientes submetidos ao EC e o papel da fisioterapia precoce na prevenção destas seqüelas. sendo um importante aspecto na qualidade de vida destes pacientes. A abdução inferior a 90º foi observada em 52% dos esvaziamentos do nível V e em 27% nos demais (p=0. a pontuação alcançada de 2914 e 4222 (média  DP). Pontuação relacionada a abdução do braço > 90° CONCLUSÕES O esvaziamento do nível V acrescenta importante morbidade em relação ao ombro e a fisioterapia no pósoperatório contribui para diminuir as seqüelas e acelera a recuperação da função em pacientes submetidos ao esvaziamento cervical. empregou-se o teste de abdução do braço (adaptado) e o SPADI (The Shoulder Pain and Disability Index). com significativa melhora em sua qualidade de vida. Pontuação relacionada a queixa de dor e/ou inabilidade no ombro RESULTADOS Na avaliação da dor e da inabilidade. Em relação à fisioterapia.01). seu braço. e avalie o procedimento com a seguinte escala: Eu posso levantar meu braço: Até 180° sem dor ou esforço [5] Até 180°. pelo menos três meses após o esvaziamento. Na avaliação da qualidade de vida. Os pacientes responderam a um questionário de qualidade de vida para disfunção de ombro. porém com dor ou esforço [4] Acima de 150°. Lima. porém abaixo de 180° [3] Acima de 90°. A disfunção do ombro associada ao esvaziamento cervical (EC) é reconhecida. porém abaixo de 150° [2] Até aproximadamente 90° [1] Inferior a 90° [0] Fig 2.Hospital Heliópolis . avaliando separadamente ambos os lados. Pontuação relacionada a abdução do braço e o esvaziamento do nível V Fig 4. pois o tratamento dos pacientes com tumores de cabeça e pescoço geralmente causa significativo comprometimento estético e funcional. Ao todo foram realizados 88 esvaziamentos.05). Lehn Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço .IMPORTÂNCIA DA QUEDA DE OMBRO PARA QUALIDADE DE VIDA APÓS O ESVAZIAMENTO CERVICAL Ali Amar. Fig 1. apresentaram queixas (p<0. 0% e 92% dos esvaziamentos com e sem fisioterapia.São Paulo BRAZIL INTRODUÇÃO A avaliação da qualidade de vida tem sido objeto de estudo crescente nos últimos 15 anos.