You are on page 1of 45

Escola da Magistratura Núcleo de Maringá

Prática Processual Penal Prof. Oswaldo Soares Neto

25/1/2012

Prática Processual Penal

1

Prática Processual Penal
Aula 2 - Sentença Dispositivo e dosimetria da pena  

25/1/2012

Prática Processual Penal

2

Sentença condenatória  



É a aceitação pelo julgador dos termos da denúncia ou queixa, acolhendo-a total ou parcialmente Princípio da correlação Três estágios para fixação completa da pena

25/1/2012

Prática Processual Penal

3

Sentença condenatória   

Estágio primário: envolve a aplicação do montante da pena através do sistema trifásico Estágio secundário: abrange a escolha do regime aplicável Estágio terciário: engloba a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos ou multa, bem como eventual suspensão condicional da pena
Prática Processual Penal 4

25/1/2012

59 do CP) Segunda fase .Das circunstâncias judiciais (art.Das causas de aumento e de diminuição da pena Prática Processual Penal 5 25/1/2012 .ases para aplicação da pena      1ª Etapa: escolha da pena quando ao fato for cominada mais de uma alternativamente 2ª Etapa: fixação da pena privativa de liberdade (critério trifásico) Primeira fase .Das agravantes e atenuantes Terceira fase .

ases para aplicação da pena     3ª Etapa: fixação da pena de multa 4ª Etapa: regime inicial de cumprimento da pena 5ª Etapa: aplicação de penas substitutivas (multa vicariante ou restritivas de direitos ou medida de segurança para o semi-imputável) 6ª Etapa: sursis Prática Processual Penal 6 25/1/2012 .

Prática Processual Penal 7 25/1/2012 .ases para aplicação da pena     7ª Etapa: direito de apelar em liberdade 8ª Etapa: fixação do valor mínimo para reparação dos danos 9ª Etapa: efeitos específicos da condenação 10ª Etapa: determinações finais da sentença condenatória (outros comandos da sentença).

detenção ou multa Prisão simples ou multa   25/1/2012 Prática Processual Penal 8 . 1ª Etapa: escolha da pena quando ao fato for cominada mais de uma alternativamente Ex.

59 2a. 68 do Código Penal Critério trifásico preconizado por Nelson Hungria 1a. Fase: aplicação das circunstâncias legais (atenuantes e agravantes) Prática Processual Penal 9 25/1/2012 .2ª Etapa: fixação da pena privativa de liberdade     Art. Fase: fixação da pena base de acordo com as circunstâncias judiciais do art.

Fase: causas de aumento e diminuição Deve haver motivação em cada estágio e em cada fase  25/1/2012 Prática Processual Penal 10 .Dosimetria  3a.

59.Pena base ² circunstâncias judiciais    Fixação da pena-base de acordo com as circunstâncias judiciais Juiz deve eleger o quantum dentro dos limites legais Conceito de circunstâncias judiciais: são as circunstâncias que envolvem o crime. constituindo efeito residual das circunstâncias legais Prática Processual Penal 11 25/1/2012 . extraídos da livre apreciação do juiz. respeitados os parâmetros do art. nos aspectos objetivos e subjetivos.

Circunstâncias judiciais      São oito circunstâncias Parte-se da pena mínima e a cada circunstância desfavorável aumentase 1/8 (um oitavo) da diferença entre a pena mínima e a máxima Apenas se todas as circunstâncias forem favoráveis tem cabimento a aplicação da pena mínima Política da pena mínima Possibilidade de aplicação da pena máxima Prática Processual Penal 12 25/1/2012 .

Circunstâncias judiciais         25/1/2012 1) Culpabilidade 2) Antecedentes 3) Conduta social 4) Personalidade do agente 5) Motivos 6) Circunstâncias 7) Conseqüências 8) Comportamento da vítima Prática Processual Penal 13 .

eis que a em sentido estrito é fundamento da pena É a reprovação social que o autor do fato e o crime merecem Grau de censurabilidade Capez afirma que deve-se levar em conta o ³grau de culpabilidade´ É o conjunto dos demais fatores unidos Prática Processual Penal 14 .Circunstâncias judiciais       25/1/2012 1) Culpabilidade É a culpabilidade em sentido amplo.

Circunstâncias judiciais    2) Antecedentes É a vida pregressa do acusado na esfera criminal Duas posições: Considera-se tudo que consta da folha de antecedentes  São apenas as condenações com trânsito em julgado que não são aptas a gerar a reincidência  25/1/2012 Prática Processual Penal 15 .

 A Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou súmula proibindo que inquéritos policiais e ações penais ainda em andamento sejam usados para aumentar a pena do acusado acima do mínimo legal. 444. como por exemplo o habeas corpus n. 106. Prática Processual Penal 16 25/1/2012 .089. de Mato Grosso do Sul. Esse entendimento já vinha sendo adotado pelo STJ e são vários os precedentes que embasaram a aprovação da Súmula n.

após a publicação. 444 foi aprovada nos seguintes termos: ³É vedada a utilização de inquéritos policiais e ações penais em curso para agravar a penabase´. os processos que se enquadrem na mesma situação vão ser analisados de acordo com o entendimento fixado. Assim.1. A súmula é o resumo de um entendimento tomado repetidas vezes no Tribunal. A redação da Súmula n. Prática Processual Penal 17 25/1/2012 .

no ambiente de trabalho e na convivência com outros indivíduos 25/1/2012 Prática Processual Penal 18 .Circunstâncias judiciais   3) Conduta social Segundo Damásio é o comportamento do sujeito no meio familiar.

a síntese das qualidades morais do indivíduo. É a psique individual. no seu modo permanente É imprescindível uma análise do meio e das condições onde o agente se formou e vive Prática Processual Penal 19 25/1/2012 .Circunstâncias judiciais    4) Personalidade Nelson Hungria afirma que é antes de tudo o caráter.

soberba. coragem.Circunstâncias judiciais  Nucci elenca as seguintes características como fatores da personalidade: Fatores positivos: bondade. amabilidade. maturidade. bom-humor. cobiça. desprendimento material. imaturidade. intolerância. inveja. responsabilidade. egoísmo Prática Processual Penal 20   25/1/2012 . insensibilidade. mau-humor. paciência. desonestidades. sensibilidade. hostilidade. impaciência. rispidez. frieza. simplicidade. calma. agressividade. irresponsabilidade. covardia. solidariedade Fatores negativos: maldade. tolerância. honestidade.

O dolo e a culpa se ligam a figura abstrata do crime.Circunstâncias judiciais      5) Motivos do crime São os precedentes que levam a ação criminosa O motivo é dinâmico. O motivo muda dentro de cada figura concreta Exemplo: Homicídio qualificado pelo motivo e homicídio privilegiado. Prática Processual Penal 21 25/1/2012 .

para dificultar a descoberta do crime 25/1/2012 Prática Processual Penal 22 . com premeditação.Circunstâncias judiciais    6) Circunstâncias São elementos acidentais não participantes da estrutura do tipo. embora envolvendo o delito Ex: em local ermo.

Circunstâncias judiciais     7) Conseqüências É o mal causado pelo crime. pois é conseqüência própria do tipo penal Prática Processual Penal 23 25/1/2012 . Exemplo: Indivíduo que assassina a esposa na frente dos filhos menores Não recuperação de parte do produto do roubo não pode ser caracterizado. que transcende ao resultado típico.

o mundano crimes sexuais. o velhaco que gosta de viver levando vantagem. o homicídio e as lesões corporais Prática Processual Penal 24 25/1/2012 . atrai o estelionato.Circunstâncias judiciais     8) Comportamento da vítima É o modo de agir da vítima que pode levar ao crime Sem incorrer em injusta provocação estimula a prática do crime Exemplos: exibicionista atrai crimes contra o patrimônio. o agressivo.

Circunstâncias judiciais  Fixação da pena base Cautela para não incidir em bis in idem Limites mínimo e máximo   25/1/2012 Prática Processual Penal 25 .

da personalidade e da reincidência Prática Processual Penal 26    25/1/2012 . 65 e 66 Concurso de agravantes e atenuantes (art.Atenuantes e Agravantes  2a. 67): prevalece as que resultem dos motivos. 61 a 64 Atenuantes: art. fase de fixação da pena Agravantes: art.

Atenuantes e Agravantes    Quantum para agravante e atenuantes Maioria entende que deve considerar 1/6 Evitar patamares quantitativos fixos 25/1/2012 Prática Processual Penal 27 .

agravante ou não é valorada Concurso entre causas de aumento e diminuição:    da parte geral: são sempre aplicadas.Causas de aumento e diminuição de pena  Existência de duas ou mais qualificadoras: circunstância judicial. da parte especial: aplicam-se todas ou a mais ampla 25/1/2012 Prática Processual Penal 28 .

Delmanto) 25/1/2012 Prática Processual Penal 29 .Critério para aplicação do aumento e diminuição   Código não traz previsão Três posições    Todas as causas incidem sobre a pena base Todas as causas incidem umas sobre as outras As causas de aumento incidem sobre a pena base e as de diminuição umas sobre as outras (Gilberto Ferreira.

mas divergindo na forma do cálculo na primeira fase Critério bifásico  1a etapa: fixa quantidade seguindo segue critério trifásico do art. 68  2a etapa: fixa valor do dia-multa de acordo com as condições econômicas do denunciado Prática Processual Penal 30  25/1/2012 .3ª Etapa: fixação da pena de multa  2 posições: ambas adotando o critério bifásico.

Prática Processual Penal 31 25/1/2012 . p. 59. ensina Guilherme de Souza Nucci que deve ser obedecido o critério bifásico previsto pelo art. do Código Penal. 59 do Código Penal. 2007.3ª Etapa: fixação da pena de multa  Sobre a fixação da pena de multa... valendose das circunstâncias do art.) a) firma-se o número de dias-multa (mínimo de 10 e máximo de 360). conforme a situação econômica do réu´ (In: Código Penal Comentado. b) estabelece-se o valor do diamulta (piso de 1/30 do salário mínimo e teto de 5 vezes esse salário). 249). segundo o qual ³(.

91. p.264SP. 25/1/2012 Prática Processual Penal 32 . DJU de 02/03/98. 128).3ª Etapa: fixação da pena de multa  Deve o valor do dias-multa ser atualizado monetariamente a partir da data do fato (STJ ± Resp.

33 e 59 § 2º . poderá. observados os seguintes critérios e ressalvadas as hipóteses de transferência a regime mais rigoroso: a) o condenado a pena superior a 8 (oito) anos deverá começar a cumpri-la em regime fechado. Prática Processual Penal 33    25/1/2012 . segundo o mérito do condenado.4ª Etapa: fixação do regime de cumprimento   Art. cumpri-la em regime aberto.As penas privativas de liberdade deverão ser executadas em forma progressiva. c) o condenado não reincidente. desde o princípio. cumpri-la em regime semi-aberto. poderá. cuja pena seja superior a 4 (quatro) anos e não exceda a 8 (oito). cuja pena seja igual ou inferior a 4 (quatro) anos. b) o condenado não reincidente. desde o início.

Réu reincidente Súmula 269 STJ: É admissível a adoção do regime prisional semi-aberto aos reincidentes condenados a pena igual ou inferior a quatro anos se favoráveis as circunstâncias judiciais. Prática Processual Penal 34   25/1/2012 .Fixação do regime de cumprimento  § 3º .A determinação do regime inicial de cumprimento da pena far-se-á com observância dos critérios previstos no art. 59 deste Código.

fixada a pena-base no mínimo legal. A orientação está contida na Súmula n. A Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) editou súmula segundo a qual. com base apenas na gravidade abstrata do delito. 25/1/2012 Prática Processual Penal 35 . O relator é o ministro Felix Fischer. 440. é vedado o estabelecimento de regime prisional mais gravoso do que o cabível em razão da sanção imposta.

60 Verifica possibilidade de substituição pela pena restritiva de direitos Requisitos previstos no art. 44   25/1/2012 Prática Processual Penal 36 .5ª Etapa: análise da possibilidade de substituição   Verifica possibilidade de substituição pela pena de multa Requisitos previstos no art.

6ª Etapa: análise da possibilidade de suspensão condicional da pena   Verifica possibilidade de suspensão condicional da pena Requisitos previstos no art. 77 25/1/2012 Prática Processual Penal 37 .

312 do CPP.Inexiste motivação convincente se não foi indicado qualquer fato novo que justificasse a expedição de mandado de prisão. se por outro motivo não estiver preso. quando da prolação da r. (HC n.833-SP .O direito do réu de apelar em liberdade não lhe pode ser denegado. a fim de que o paciente possa aguardar o julgamento do recurso de apelação em liberdade.º 42. Felix Fischer) Prática Processual Penal 38     25/1/2012 . (Precedentes). II . Writ concedido. decisão condenatória (Precedentes).Rel. se permaneceu solto durante a instrução criminal e não restaram evidenciadas quaisquer das hipóteses previstas no art.: Min.Possibilidade de apelar em liberdade  Primeira análise: se o acusado está preso ou solto ³I .

7ª Etapa: possibilidade de apelar em liberdade   Se estiver preso Deve ser analisado: fundamento da prisão  quantidade da pena e regime fixado  25/1/2012 Prática Processual Penal 39 .

do Código de Processo Penal com redação pela Lei nº 11719/08 que ³o juiz ao proferir sentença condenatória: IVfixará valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração. Prática Processual Penal 25/1/2012 40 . considerando os prejuízos sofridos pelo ofendido. inciso IV.8ª Etapa: da reparação dos danos  Dispõe o artigo 387.

tutela ou curatela. 92 . nos crimes praticados com abuso de poder ou violação de dever para com a Administração Pública. Parágrafo único . cometidos contra filho. tutelado ou curatelado. quando utilizado como meio para a prática de crime doloso. III .Os efeitos de que trata este artigo não são automáticos. nos crimes dolosos.9ª etapa: Efeitos específicos da condenação        Art.a inabilitação para dirigir veículo.268-1996) a) quando aplicada pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano. Prática Processual Penal 25/1/2012 41 . b) quando for aplicada pena privativa de liberdade por tempo superior a 4 (quatro) anos nos demais casos.São também efeitos da condenação: I .a perda de cargo. sujeitos à pena de reclusão.a incapacidade para o exercício do pátrio poder. função pública ou mandato eletivo: (Alterado pela L-009. devendo ser motivadamente declarados na sentença. II .

5.10ª Etapa: Disposições finais   Se o réu for mantido preso deve-se determinar a expedição de guia de recolhimento provisória ³Antes do trânsito em julgado desta decisão.1 do Código de Normas da Corregedoria Geral da Justiça. expeça-se guia de recolhimento provisória. nos termos do artigo 2º da Lei de Execução Penal e do item 7.´ 25/1/2012 Prática Processual Penal 42 .

e) expeça-se guia de recolhimento. da CF/88.10ª Etapa: Disposições finais  Após o trânsito em julgado: a) lance-se o nome do réu no rol de culpados. Intimem-se. f) cumpram-se as demais disposições pertinentes do Código de Normas da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado do Paraná. III. 15. inc. c) Intime-se para efetuar o pagamento das custas e despesas processuais e pagamento integral da multa no prazo de 10 (dez) dias. Registre-se. d) comunique-se a Justiça Eleitoral para fins do disposto no art. b) remetam-se os autos ao contador judicial para cálculo da pena de multa e custas processuais. Publique-se. Prática Processual Penal 43 25/1/2012 .

Trabalho Prático Elaboração de dispositivo e dosimetria de pena 25/1/2012 Prática Processual Penal 44 .

com.Dúvidas neto.soares@ig.br 25/1/2012 Prática Processual Penal 45 .