Escrituração: Dos livros obrigatórios Livro 1 (protocolo) Livro 2 (Registro Geral

)

Livro protocolo

Livro Protocolo

Livro protocolo

Livro protocolo

Conceitos básicos prioridade ‡ Prioridade. Art. 186 (do latim prior ± o primeiro, qualidade do que está em primeiro lugar, primazia, precessão) ‡ Objetivo: fixação da preferência dos direitos reais ‡ Sustentação dos caracteres gerais dos direitos reais ± imediatividade, oponibilidade, preferência, exclusividade.

Conceitos básicos preferência ‡ Preferência (latim præfero, præfers, prætuli, prælatum, præferre). pôr em primeiro lugar, preferir; ³primazia ou vantagem reconhecida a determinado credor, em virtude da natureza de seu crédito, não só de haver a coisa, com exclusão dos demais, como de receber, preterindo aos concorrentes´ (C. Santos)

Conceitos básicos privilégio ‡ Privilégio (do latim privilegium, de privus, particular, próprio, especial, individual e Lex, lei), apontava, originariamente, para a lei excepcional concernente a um particular ou a poucas pessoas. Prerrogativa, regalia, direito exclusivo ou qualquer medida de exceção, prescrita em lei, em benefício de alguém.

Conceitos básicos privilégio

‡ O privilégio é um direito de prelação, que a lei confere, em atenção à causa do crédito e não existe senão ex legis auctoritate. Não é direito real!

Conceitos básicos PRECEDÊNCIA

‡ ordem de precedência (art. 11 da LRP): controle geral distinto do número de ordem do protocolo que consagra a prioridade.

Prioridade

prenotação
‡ Todos os títulos devem ser prenotados (exceto exame e cálculo art. 12, § único). ‡ Exame e cálculo é excepcional e sempre dependerá de requerimento escrito e expresso do interessado. ‡ É vedado o protocolo e prenotação de títulos apresentados exclusivamente para exame e cálculo.

prenotação
‡ O prazo (exame, qualificação e devolução do título) 15 dias; prazo para registro 30 dias ‡ Contam-se os prazos a partir da data da prenotação. ‡ Prazo da prenotação: regra especial art. 205 LRP, (conta-se o prazo do lançamento no protocolo. Não se aplica o artigo 132 do Código Civil.

Todos os títulos devem ser prenotados?
‡ O art. 182 deve ser lido em cotejo com o art. 174, combinando-se, ambos, com o § único, art. 12: ³Independem de apontamento no Protocolo os títulos apresentados apenas para exame e cálculo dos respectivos emolumentos´.

A prioridade é da pessoa ou do título?
‡ A precedência (ordem geral do art. 11), não se confunde com a prioridade prevista no art. 186. ‡ A prioridade dos títulos coexiste e se aperfeiçoa exatamente com apoio no direito de precedência garantido às partes. ‡ A prioridade do título somente se alcança, lógica e efetivamente, se forem observadas regras rígidas para o controle de precedência´.

Prioridade do título
‡ Os efeitos de prioridade se consagram a partir da prenotação do título ± ainda que uma mesma pessoa apresente vários instrumentos a registro e ainda que no mesmo instrumento sejam vários os negócios jurídicos pactuados, hipótese em que receberá apenas um número de ordem (art. 187)

Prioridade e idosos
‡ O idoso goza de privilégio na consecução da prioridade registral, em face dos art. 3º, § único, I, c.c. art. 71 e seus parágrafos, do Estatuto do Idoso (Lei n. 10.741, de 1.10.2003)? ‡ A prioridade é do título, não da pessoa. Atendimento preferencial, imediato e individualizado nas várias demandas que endereça ao Registro de Imóveis.

Livro 2 - MATRÍCULA

MATRÍCULA
‡ Na sua formulação substantiva, o termo matrícula acena para o sentido já registrado nos bons dicionários latinos, cuja raiz aponta para a idéia de rol e, mais amplamente, de registro público. (SARAIVA, F.R. dos Santos. Novíssimo Diccionario Latino Portuguez. TORRINHA, Francisco. Dicionário Latino Português. SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico).

MATRÍCULA
‡ Matrícula pôde significar tanto a inscrição necessária para o exercício do comércio (Código Comercial, Lei 556, de 25/6/1850), quanto o registro de navios e embarcações; podia indicar o procedimento para estabelecimento de empresas de armazéns gerais, (Decreto 1102, de 21/11/1903) ou o cadastro do leiloeiro, atividade que se exerce mediante prévia matrícula no órgão respectivo.

MATRÍCULA
‡ O registro Torrens, (1890): matrícula nos procedimentos de registração. (Cfr. Dec. 451-B, de 31/5/1890 e seu regulamento, Dec. 955-A, de 5/11/1890). ‡ Matrícula de oficinas impressoras, jornais, periódicos, empresas de radiodifusão e agências de notícias. (Cfr. art. 116, 123, 124, 125 e 126 da Lei 6015/73).

MATRÍCULA
‡ Com o sentido de fólio real, a matrícula é a própria folha, a base - continente registral - sobre a qual vão aportar os assentos relativos ao domínio e às demais mutações jurídicas - conteúdo registral que tenham por objeto o imóvel matriculado

MATRÍCULA
CONCEITO: ‡ "um ato de registro, no sentido lato, que dá origem à individualidade do imóvel na sistemática registral brasileira, possuindo um atributo dominial derivado da transcrição da qual se originou" (Maria Helena Leonel Gandolfo).

MATRÍCULA
‡ A inscrição significa tanto o ato de inscrever quanto o seu resultado (o inscrito). ‡ A matrícula pode ser decomposta: ato jurídico de matrícula - no sentido de inscrição inaugural no sistema de fólio real - e a matrícula como sinônimo de fólio real, que encerra as inscrições a ele endereçadas relativamente à unidade predial. ‡

MATRÍCULA
A matrícula, com o sentido lato de registro, é a primeira inscrição no fólio real. Subentende-se: (a) que se trata de um registro jurídico - para afastar a idéia de que a matrícula seria tão-só um ato cadastral (b) que estamos diante de um ato jurídico cuja conseqüência imediata é fixar o atributo de dominialidade, enunciando a situação jurídica do imóvel e (c) que a matrícula, entendida como ato jurídico de inscrição, pode apresentar nítida distinção em relação ao fólio real, que é o suporte da inscrição.

MATRÍCULA
É um ato de registro.
‡ art. 167: ³No Registro de imóveis, além da matrícula, serão feitos... I ± o registro (...) e II a averbação´. ‡ art. 176: ³O livro n. 2 - Registro Geral - será destinado à matrícula dos imóveis e ao registro ou averbação dos atos relacionados no artigo 167 e não atribuídos ao Livro nº 3´. ‡ Art. 195: ³Se o imóvel não estiver matriculado ou registrado em nome do outorgante, o oficial exigirá a prévia matrícula e o registro do título anterior, qualquer que seja a sua natureza, para manter a continuidade do registro.

MATRÍCULA
Matrícula X cadastro ± distinções.
‡ ³A matrícula é um ato cadastral, é a forma pela qual se caracteriza e individualiza um imóvel e se lhe confere um número de ordem pelo qual será prontamente identificado. A matrícula vem a ser, também, um lançamento de transporte do imóvel, do sistema antigo de registro para o novo. Por isso, é ato da economia interna da serventia, praticado de ofício, obrigatoriamente, e não depende de qualquer requerimento´ (OLIVEIRA. Edison Josué Campos. Registro Imobiliário, Ed. Rev. dos Tribunais, São Paulo, 1976, págs. 34/35).

MATRÍCULA
‡ Requisitos da matrícula (art. 176, II, Lei 6.015/73) ‡ o número de ordem, que seguirá ao infinito; ‡ Data; ‡ a identificação do imóvel, que será feita com indicação: ‡ o nome, domicílio e nacionalidade do proprietário, bem como: ‡ o número do registro anterior.

MATRÍCULA
‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Problemas mais comuns Casuística Bloqueio de matrícula Registros Eletrônicos ± fólio real eletrônico Forma narrativa ou tabular? (art. 231, I) Unitariedade Conservação