You are on page 1of 35

AAltelte rnati

rnati vas

vas para

para

ggeerencia

rencia mento

mento dede

pneus ususaaddosos ee

pneus

iinserví

nserví vei

vei ss

 Produzidos há mais de um século.  Aumento da produção de veículos automotores = crescimento

Produzidos há mais de um século.

Aumento da produção de veículos automotores = crescimento da indústria de pneus

Apresentam difícil compactação, coleta e eliminação, por isso, os pneus ocupam muito espaço físico se tornando um grave problema ambiental já que seu tempo de decomposição é indeterminado.

 Produto essencial à segurança dos usuários.  É fabricado para atender os hábitos de consumo,

Produto essencial à segurança dos usuários.

É fabricado para atender os hábitos de consumo, assim como as condições climáticas e as características do sistema viário existente em cada país.

O peso de um pneu de automóvel varia entre 5,5 e 7,0 kg e um pneu de caminhão pesa entre 55 e 80 kg.

Fonte: ANIP- Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos
Fonte: ANIP- Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos
Fonte: ANIP- Associação
Nacional da Indústria de
Pneumáticos
 Pneu convencional – é formado de lonas cruzadas e sobrepostas uma com relação com as

Pneu convencional – é formado de lonas cruzadas e sobrepostas uma com relação com as outras.

Desgaste rápido da banda de rodagem Maior consumo de combustível

 Pneu convencional – é formado de lonas cruzadas e sobrepostas uma com relação com as
 Pneu radial – é formado de cordonéis de aço dispostos paralelamente e no sentido radial.

Pneu radial – é formado de cordonéis de aço dispostos paralelamente e no sentido radial.

Maior quilometragem Redução do consumo de combustível Melhor controle em curvas Maior tração, menor espaço de frenagem Resposta mais rápida ao volante Maior resistência a furos Mais seguro

 Pneu radial – é formado de cordonéis de aço dispostos paralelamente e no sentido radial.
 Pneu radial – é formado de cordonéis de aço dispostos paralelamente e no sentido radial.
 36%: derivados de petróleo e produtos químicos  36%: borracha natural  18%: material metálico

36%: derivados de petróleo e produtos químicos

36%: borracha natural 18%: material metálico (aço) 10%: outros materiais

 36%: derivados de petróleo e produtos químicos  36%: borracha natural  18%: material metálico
P P neu Usado Pn Pn eu eu Inserv Inserv í í v v el el

PPneu

neu Usado

Usado

P P neu Usado Pn Pn eu eu Inserv Inserv í í v v el el

PnPneueu Inserv

Inservíívvel

el

Probblleemmáti

Pro

áticcaa

AAmmbi

bieenntatall

 Aumento da produção gerou problemas de disposição final  Difícil compactação, coleta e eliminação 

Aumento da produção gerou problemas de disposição final

Difícil compactação, coleta e eliminação

Tempo de decomposição indeterminado

Proliferação de vetores (Mosquito da dengue)

 Carcaças queimadas a céu aberto liberam monóxido de carbono  Jogados na água, formam barreiras

Carcaças queimadas a céu aberto liberam monóxido de carbono

Jogados na água, formam barreiras provocando enchentes

Armazenamento ocupa muito espaço e gera riscos de incêndio e proliferação de vetores

Disposição em aterros é inadequada dado o tempo de decomposição e o espaço ocupado

 União Européia quer obrigar o Brasil junto a OMC a importar seus pneus reformados porque

União Européia quer obrigar o Brasil junto a OMC a importar seus pneus reformados porque a própria UE, mediante norma técnica, proibiu o depósito de pneus

Detentor da maior frota de veículos dos países em desenvolvimento, o Brasil é um destino em potencial para os pneus usados europeus.

ReReggulam

ulameentaçõ

ntaçõ

eess leleggais

ais

   I - a partir de 1 de janeiro de 2002: para cada quatro

I - a partir de 1 o de janeiro de 2002: para cada quatro pneus novos fabricados no País ou pneus importados, inclusive aqueles que acompanham os veículos importados, as empresas fabricantes e as importadoras deverão dar destinação final a um pneu inservível;

II - a partir de 1 o de janeiro de 2003: para cada dois pneus novos fabricados no País ou pneus importados, inclusive aqueles que acompanham os veículos importados, as empresas fabricantes e as importadoras deverão dar destinação final a um pneu inservível;

III - a partir de 1 o de janeiro de 2004:

a) para cada um pneu novo fabricado no País ou pneu novo importado, inclusive aqueles que acompanham os veículos importados, as empresas fabricantes e as importadoras deverão dar destinação final a um pneu inservível;

b) para cada quatro pneus reformados importados, de qualquer tipo, as empresas importadoras deverão dar destinação final a cinco pneus inservíveis;

 IV - a partir de 1 de janeiro de 2005:  a) para cada quatro

IV - a partir de 1 o de janeiro de 2005:

a) para cada quatro pneus novos fabricados no País ou pneus novos importados, inclusive aqueles que acompanham os veículos importados, as empresas fabricantes e as importadoras deverão dar destinação final a cinco pneus inservíveis; b) para cada três pneus reformados importados, de qualquer tipo, as empresas importadoras deverão dar destinação final a quatro pneus inservíveis.

 Criado pela ANIP em 1999  Os fabricantes de pneus, através da ANIP, promovem a

Criado pela ANIP em 1999

Os fabricantes de pneus, através da ANIP, promovem a coleta e destinação ambientalmente correta aos pneus inservíveis.

instalação de 245 centros de recepção de pneus nas 5 regiões do Brasil

Aproximadamente 100 milhões de reais já foram investidos pelos fabricantes

 Pneus usados (ainda não inservíveis):  Podem ser levados para casa pelo cliente, podem ser

Pneus usados (ainda não inservíveis):

Podem ser levados para casa pelo cliente, podem ser vendidos no comércio de pneus usados ou podem ser reformados. Este segmento prolonga a vida do pneu usado, impedindo a disponibilidade para a destinação final.

Pneus inservíveis:

Centrais de recepção (Ecopontos) recebem pneus inservíveis das revendas, dos borracheiros, dos sucateiros, dos laminadores e dos circuitos de coleta urbana. Todo pneu que entra neste circuito tem uma destinação final ambientalmente correta.

 Pneus usados (ainda não inservíveis):  Podem ser levados para casa pelo cliente, podem ser
 Pneus usados (ainda não inservíveis):  Podem ser levados para casa pelo cliente, podem ser

Reciicl clagageemm ee

Rec

DDesestitinnãoão ddosos

Pneuss UUsados

Pneu

sados ee

IInnseserví

rvívei

veiss

1. Inspeção inicial 2. O pneu é raspado para dar condições de processamento 3. São feitos
  • 1. Inspeção inicial

  • 2. O pneu é raspado para dar condições de processamento

  • 3. São feitos os reparos necessários antes da reconstrução

  • 4. É aplicada a banda de rodagem

  • 5. Pneu passa pelo processo de vulcanização para fixação da banda de rodagem

  • 6. Inspeção final

 O processo de pirólise pode ser genericamente definido como sendo o de decomposição química por

O processo de pirólise pode ser genericamente definido como sendo o de decomposição química por calor na ausência de oxigênio.

Pneus podem ser transformados em óleo, gás e enxofre.

Uma tonelada de pneus rende cerca de 530kg de óleo, 40 kg de gás, 300 kg de negro de fumo e 100 kg de aço

 O processo, em termos ambientais, é considerado limpo onde são reaproveitados mais de 90% dos

O processo, em termos ambientais, é considerado limpo onde são reaproveitados mais de 90% dos materiais componentes do pneu.

Recupera resíduos que seriam extraídos da natureza de fontes não renováveis

 Solução mais promissora para os pneus inservíveis  Constituído de 20% de pó de pneu

Solução mais promissora para os pneus inservíveis Constituído de 20% de pó de pneu velho Preço de mercado 30% maior que convencional Chega a durar até 3 vezes mais Cada Km de asfalto, utiliza 4200 carcaças de pneus usados Aço é retirado anteriormente e também reciclado

 A borracha é separada dos demais componentes e desvulcanizada, passando por modificações que a torna

A borracha é separada dos demais componentes e desvulcanizada, passando por modificações que a torna mais plástica e apta a receber nova vulcanização, sem as mesmas propriedades da borracha crua.

Usada para produzir artefatos de borracha

 A borracha é separada dos demais componentes e desvulcanizada, passando por modificações que a torna
 A borracha é separada dos demais componentes e desvulcanizada, passando por modificações que a torna
 Nesse processo, os pneus não radiais são cortados em lâminas que servem para a fabricação

Nesse processo, os pneus não radiais são cortados em lâminas que servem para a fabricação solas de calçados, dutos de águas pluviais, câmaras de ar, etc ..

 Nesse processo, os pneus não radiais são cortados em lâminas que servem para a fabricação
 Nesse processo, os pneus não radiais são cortados em lâminas que servem para a fabricação
 Pelo seu alto poder calorífico, os pneus inservíveis são largamente utilizados como combustível alternativo em

Pelo seu alto poder calorífico, os pneus inservíveis são largamente utilizados como combustível alternativo em fornos de cimenteiras, em substituição ao coque de petróleo.

 Pelo seu alto poder calorífico, os pneus inservíveis são largamente utilizados como combustível alternativo em

Uma parte significativa dos pneus usados e inservíveis tem destinação não reconhecida, embora ecologicamente correta

Muros de arrimo Aplicações na agricultura Proteções em ancoradouros e embarcações Parques de diversões

Segundo o IPT essas ações equivalem a 26,7% do mercado de reposição

 Uma parte significativa dos pneus usados e inservíveis tem destinação não reconhecida, embora ecologicamente correta
 Uma parte significativa dos pneus usados e inservíveis tem destinação não reconhecida, embora ecologicamente correta
 Uma parte significativa dos pneus usados e inservíveis tem destinação não reconhecida, embora ecologicamente correta
 Produção de concreto  Produção de cerâmica

Produção de concreto Produção de cerâmica

 Produção de concreto  Produção de cerâmica
 Produção de concreto  Produção de cerâmica
 Após a realização deste trabalho pudemos observar que existem várias alternativas possíveis com relação a

Após a realização deste trabalho pudemos observar que existem várias alternativas possíveis com relação a reciclagem de pneus usados, algumas até sendo empregadas com sucesso econômico

Porém, alternativas ainda são de pequeno volume em relação a quantidade de pneus descartados atualmente

 As empresas ainda tem dificuldades para cumprir a resolução do CONAMA  Existe ainda um

As empresas ainda tem dificuldades para cumprir a resolução do CONAMA

Existe ainda um pouco de “preconceito” do consumidor em relação a pneus recauchutados

Entre as alternativas de destinação, a que se mostrou mais eficaz é a da utilização no asfalto, que além de retirar os pneus do meio-ambiente, ainda produz um asfalto de melhor qualidade

 Porém, essa alternativa só foi adotada até agora pelo setor privado  Com incentivo do

Porém, essa alternativa só foi adotada até agora pelo setor privado

Com incentivo do estado, esta tecnologia poderia ser impulsionada

O processo da pirólise também é uma boa alternativa pois reutiliza resíduos que seriam extraídos da natureza de fontes não renováveis.

 http://www.bscolway.com.br/portal/materia/  http://www.abepro.org.br  http://www.terrazul.m2014.net/spip.php?article407  http://ibps.com.br/index.asp?idnoticia=3316  http://www.anip.com.br/  http://invertia.terra.com.br/  http://www.dep.fem.unicamp.br/  http://www.centrovegetariano.org

http://www.bscolway.com.br/portal/materia/ http://www.abepro.org.br http://www.terrazul.m2014.net/spip.php?article407 http://ibps.com.br/index.asp?idnoticia=3316 http://www.anip.com.br/ http://invertia.terra.com.br/ http://www.dep.fem.unicamp.br/ http://www.centrovegetariano.org http://www.reciclarepreciso.hpg.ig.com.br/recipneus.htm http://www.reciclanip.com.br