As rochas ígneas ou magmáticas formam-se a partir do arrefecimento e consequente cristalização de vários tipos de magmas.

Um magma pode ser caracterizado por ser uma substância líquida, constituída sobretudo por uma mistura de material rochoso em estado de fusão, formada por diversos elementos químicos, com uma percentagem variável de gases.

Existem vários tipos de magmas que, de acordo com a sua composição química em termos da quantidade de sílica (SiO2) e de gases dissolvidos, são designados por: magmas basálticos ± pobres em sílica (SiO2) e gases dissolvidos; são essencialmente expelidos ao longo dos riftes, na dorsal média oceânica, e dos pontos quentes, dando origem a rochas como o basalto e o gabro; magmas andesíticos ± quando têm uma composição intermédia em sílica (SiO2) e bastantes gases dissolvidos; são essencialmente expelidos ao longo das zonas de subducção, dando origem a rochas como o andesito e o diorito; magmas riolíticos ± ricos em sílica (SiO2) e gases dissolvidos; estão associados à fusão parcial das rochas constituintes da crosta continental que ocorre aquando da colisão entre duas placas continentais, dando origem a rochas como o riólito e o granito.

.

.As rochas sedimentares são o produto da transformação física e química. de rochas preexistentes. em ambientes exógenos (na interface litosfera-hidrosferacriosfera-biosfera-atmosfera).

sem que ocorram transformações que alterem a sua composição química.As rochas expostas na superfície terrestre são susceptíveis à meteorização ou alteração. inclui as alterações provocadas pela acção da água. pelo alívio da pressão. havendo destruição de alguns minerais e a formação de outros. podendo ser de dois tipos: meteorização física (ou mecânica). pela acção do calor (termoclastia). pela acção do gelo (crioclastia). . meteorização química. quando se verifica a alteração química e mineralógica das rochas. quando a rocha é fragmentada em porções mais pequenas. a hidratação/desidratação. a hidrólise e a oxidação-redução. A meteorização corresponde ao conjunto de processos que conduzem à alteração das características iniciais das rochas. pelo crescimento de sais (haloclastia) e pela acção dos seres vivos. tais como a dissolução. inclui diversos tipos de reacções químicas que ocorrem na presença de água e do ar atmosférico.

.

respectivamente.Tendo em conta a diversidade de sedimentos e a sua origem. estas rochas podem ser consolidadas ou não consolidadas. as rochas quimiogénicas formam-se devido a processos químicos (essencialmente de precipitação química). como quimiogénicas ou biogénicas. que resultam de sedimentos oriundos de outras rochas. rochas não detríticas. as rochas sedimentares podem dividir-se em dois grandes grupos: rochas detríticas. enquanto que as rochas biogénicas resultam da acumulação de materiais sedimentares de origem biológica (provenientes. a relação fundamental entre ambas reside no facto das primeiras resultarem da diagénese das segundas. são classificadas. principalmente. . de organismos marinhos). que resultam de processos quimiogénicos ou biogénicos.

de temperatura e/ou pressão. os fluidos e ainda o tempo. . a temperatura. e o ambiente sedimentar. A metamorfização de rochas preexistentes depende do tipo e da intensidade de certos factores ± factores de metamorfismo ± tais como a tensão. Os processos metamórficos ocorrem no intervalo termodinâmico entre o ambiente magmático. por alteração da composição mineralógica e/ou da textura de rochas preexistentes (magmáticas. sedimentares ou mesmo metamórficas). diferentes daquelas em que as rochas foram formadas.As rochas metamórficas formam-se no estado sólido. Essas alterações ± metamorfismo ± são provocadas pelo ajuste a condições termodinâmicas. em que a diagénese permite a formação de determinadas rochas sedimentares. em que a fusão dos materiais rochosos está na origem das rochas magmáticas.

.

.

.

.

.

como por exemplo a opala. Na identificação dos minerais recorre-se a um conjunto mais amplo de propriedades físicas e químicas. O seu conhecimento.Os minerais são substâncias sólidas. . Tais substâncias são designadas mineralóides. naturais e inorgânicas com uma estrutura cristalina e composição química característica. permitindo distingui-los uns dos outros. naturais e inorgânicas que não possuem estrutura cristalina. Os minerais são os constituintes básicos das rochas. A composição química e a estrutura cristalina são as duas propriedades mais importantes de um mineral. bem como a forma prática de as identificar é bastante útil no reconhecimento dos minerais. Na natureza existem igualmente substâncias sólidas.

sílica. as anfíbolas. a calcite. Exemplos: calcite. halite e gesso. etc.Minerais herdados ± minerais que fazem parte de rochas sedimentares e que provieram de rochas preexistentes. tendo sido modificados fisicamente devido ao transporte. dolomite. feldspatos e micas. que fazem parte de rocha sedimentar e originados devido a reacções químicas ocorridas na fase de sedimentogénese ou de diagénese. Minerais de neoformação ± minerais novos. as piroxenas. . especialmente a moscovite. minerais de argila. Exemplos: quartzo.

de algum modo. por vezes sofisticado.A composição química e o arranjo estrutural das partículas constituintes dos minerais são próprias de cada mineral. nem sempre acessível à maioria das pessoas. . reflectem a sua composição e estrutura. A determinação destas características requer o uso de equipamento de laboratório. fazendo ensaios simples que não implicam equipamento complexo. Pode fazer-se a identificação de minerais recorrendo a determinadas propriedades físicas ou químicas que. enquanto que outras devem ser realizadas em laboratório. É possível fazer a observação de algumas dessas propriedades no campo.

Estudo das propriedades ópticas com o microscópio petrográfico. Estudos por raios X. Ensaios químicos para determinar a sua composição.Para identificar um mineral podem utilizar-se quatro tipos de técnicas: Análise dos caracteres físicos macroscópicos. .

fractura. podem destacar-se: Propriedades ópticas ± cor. risca e brilho.Propriedades físicas Entre as propriedades físicas mais utilizadas na identificação de minerais. Densidade. clivagem. Propriedades mecânicas ± dureza. .

Cor dos minerais Idiocromático ± mineral que apresenta cor constante. . amarelo ou negro. Exemplos: ‡Verde para a malaquite. Exemplos: ‡Quartzo ± incolor. Alocromático ± mineral que apresenta cor variável. branco. ‡Amarelo de latão para a pirite. róseo. violeta. ‡Cinzento para a galenite.

 devido a variações na composição química. em que certos elementos são substituídos na rede cristalina por outros diferentes. esta característica não constitui uma propriedade muito fiável na identificação de minerais. . Como a cor raramente é única para cada mineral e porque a verdadeira cor pode ser alterada.A diversidade da cor pode ser:  devido à mistura de pequenas quantidades de certos pigmentos.

. Exemplo: a pirite tem cor amarelo ± latão e a risca é negra. .a cor do traço de um mineral não coincide sempre com a sua cor. .Risca ou Traço .diferentes variedades da mesma espécie mineral exibem sempre o traço com a mesma cor.o traço é uma propriedade constante.cor do mineral reduzido a pó . enquanto que a cor pode ser uma propriedade variável.

Para se determinar a cor do traço. risca-se com o mineral a superfície despolida de uma porcelana. . Método aplicável nos minerais com dureza inferior à da porcelana.

Brilho ou Lustre O brilho consiste no efeito produzido pela qualidade e intensidade da luz reflectida numa superfície de fractura recente do mineral. .

característico dos minerais transparentes ou translúcidos. . brilho não metálico ou vulgar.Os minerais podem ter brilho metálico. brilho intenso semelhante ao observado nos metais e.

o brilho é o do tipo metálico. designando-se por brilho submetálico. mas sensivelmente mais fraco. Exemplos de brilhos: A: Brilho metálico (pirite B: Brilho submetálico (volframite) C: Brilho adamantino (diamante) D: Brilho vítreo (quartzo) .Em certos casos.

A calcite divide-se facilmente segundo superfícies planas e brilhantes que. se repetem paralelamente a si mesmas. . . de direcções bem definidas e constantes. .segundo superfícies planas e brilhantes.tendência de alguns minerais fragmentarem.devido à aplicação de uma força mecânica. pelo choque continuado. Clivagem .

O quartzo não apresenta clivagem visível e. quando percutido. Fractura . qualquer que seja a direcção considerada.revela que todas as ligações são igualmente fortes.as superfícies de fractura não se repetem paralelamente a si mesmas e podem apresentar diferentes aspectos. . desagrega-se em fragmentos com superfícies mais ou menos irregulares. sem direcção privilegiada. .

Dureza . por isso.é condicionada pela estrutura e pelo tipo de ligações entre as partículas e. . pode variar com a direcção considerada. .resistência que o mineral oferece ao ser riscado (sulcado) por outro mineral ou por determinados objectos.

qualquer mineral da escala risca todos os que estão abaixo dele. o talco.esta escala é constituída por 10 termos. . não sendo riscado por eles. . até ao diamante. desde o menos duro.. colocados por ordem crescente de dureza.a determinação da dureza dos minerais é feita em relação aos termos de uma escala de dureza . em homenagem ao mineralogista Friedrich von Mohs. que é o corpo natural mais duro que se conhece. .uma das escalas de dureza relativa mais conhecidas é a escala de Mohs.

determina-se seleccionando-se uma aresta viva. o riscar. sem se deixar riscar por ele. como: . podem utilizar-se diferentes materiais. . . com a qual se experimenta riscar os sucessivos termos da escala de Mohs. .quando não se dispõe de uma escala de Mohs.um mineral é mais duro que outro se.os termos da escala devem ser percorridos no sentido decrescente de dureza. e só se.. .dois minerais têm a mesma dureza se se riscam ou não se riscam mutuamente. para se evitar o constante desgaste dos minerais menos duros.

. fazendo-se de um modo descontínuo. A determinação de valores absolutos de dureza é complexa e implica a utilização de aparelhos muito especializados. Uma desvantagem da utilização da escala de Mohs é que o aumento da dureza absoluta entre os diferentes termos não é sempre o mesmo.A utilização da escala de Mohs apenas proporciona valores relativos e não valores absolutos.

Escala de Mohs comparada com uma escala de dureza absoluta A diferença de dureza absoluta entre o corindo e o diamante é muito maior do que aquela que existe entre o topázio e o corindo. .

ou massa volúmica. podendo utilizar-se qualquer dos métodos usados em física. . recorre-se à densidade relativa. de uma substância traduz a massa por unidade de volume. Para a identificação dos minerais. A densidade depende da dureza das partículas (átomos ou iões) que constituem o mineral e do tipo de arranjo dessas partículas.Densidade A densidade absoluta.

A densidade relativa é calculada através da seguinte fórmula: . A diferença P .P¶ dá o valor da impulsão (I). o valor do peso de um volume de água igual ao volume do mineral mergulhado. ‡ O peso do mineral mergulhado na água ± P¶. ou seja.Um dos métodos possíveis para avaliar a densidade consiste em determinar: ‡ O peso do mineral no ar ± P.

. A densidade do mineral. Funciona como um dinamómetro. permitindo determinar o peso de uma amostra de mineral pela deformação de uma mola. consiste na relação entre o peso de um determinado volume do mineral e o peso de igual volume de água a 4 ºC. balança de Jolly.No laboratório de Mineralogia recorre-se muitas vezes a um instrumento.

É o caso do teste do sabor salgado para a halite (NaCl) ou da efervescência produzida por acção do ácido clorídrico sobre a calcite. .Propriedades químicas Alguns testes podem ser utilizados para fazer o diagnóstico de minerais.

A calcite e outros carbonatos reagem com o ácido clorídrico. . a efervescência só se verifica a quente ou quando o mineral é reduzido a pó. com efervescência abundante. .Na dolomite. reagem a frio de forma evidente. O calcário faz efervescência com os ácidos.A calcite e a aragonite. fazendo efervescência devido à libertação de CO2 durante a reacção. .

a sua identificação é possível utilizando chaves dicotómicas ou por consulta de tabelas em que estão registadas as principais características dos diferentes minerais.Determinadas as propriedades dos minerais. Actualmente existem também programas de software que permitem a identificação de minerais. . tendo em consideração as suas propriedades.