1

Momento de Inércia de Área
Os momentos de inércia de área do elemento dA, em
relação aos eixos x e y são, respectivamente:
2
2
x
y
dI y dA
dI x dA
=
=
Os momentos de inércia de A em relação aos mesmos eixos
x e y são, respectivamente:
2
2
x
y
I y dA
I x dA
=
=
}
}
Momentos (retangulares) de
inércia de área
o
2
O momento de inércia de dA em relação ao eixo z (eixo
passando pela origem ‘o’) é, por definição:
2
z
I r dA =
}
2 2 2
x y r + =
Logo, o momento de inércia da área A em relação ao eixo z é:
z x y
I I I = +
2
z
dI r dA =
Momento polar de
inércia de área
Como
3
Momento de Inércia de Massa
Em Mecânica, o momento de inércia de massa mede a
distribuição da massa de um corpo em torno de um eixo de
rotação.
Um momento de inércia elevado significa que é preciso
aplicar uma boa força de frenagem para que o corpo pare
de girar.
Contribui mais para isso a porção de massa que está
afastada do eixo de giro.
Um eixo girante fino e comprido, com a mesma massa de
um disco que gira em relação ao seu centro, terá um
momento de inércia menor que este.
Sua unidade de medida, no SI, é quilograma vezes metro
ao quadrado (kg· m²).
4
A massa inercial mede a dificuldade em se alterar o estado
de movimento de uma partícula.
Analogamente, o momento de inércia de massa mede a
dificuldade em se alterar o estado de rotação de um corpo
rígido.
Considere uma pequena massa Am presa a uma haste de
massa desprezível que gira em torno do eixo AA’:
Define-se (r
2
Am) o momento
de inércia da massa Am em
relação ao eixo AA’.
5
Considere agora um corpo de massa m girando em torno do
eixo AA’.
O momento de inércia da massa m em relação ao eixo AA’ é
igual a:
2
' AA i i
J r m = A
¿
2
' AA
J r dm =
}
No limite, quando i÷·
6
Exemplo: Placa fina
2
' CC
J r dm =
}
' ' BB BB
J eI µ =
/ m V m V eA dm edA µ µ µ µ = ¬ = = ¬ =
2
'
( )
CC
J r e dA µ =
}
' ' ZZ ZZ
J eI µ =
' ' ' ZZ CC BB
J J J = +
2
' CC
J e r dA µ =
}
' ' CC CC
J e I µ =
Momento polar de inércia
Exemplo: Disco fino
4
'
(1/4)
CC
J e R µ t =
2 2
'
(1/4)
CC
J e R R µ t =
2
'
(1/4)
CC
J MR =
2
'
(1/4)
BB
J MR =
' ' ' ZZ CC BB
J J J = +
2
'
(1/2)
ZZ
J MR =
7
Momentos de Inércia de alguns sólidos:
2
'
(1/2)
ZZ
J MR =
2
'
(2/5)
ZZ
J MR =
Cilindro sólido ou disco Esfera sólida
Placa retangular
2 2
'
(1/12) ( )
ZZ
J M a b = +
Haste delgada com
rotação em torno de
seu centro
Haste delgada com
rotação em torno de
uma de suas
extremidades
2
'
(1/12)
CC
J ML =
2
'
(1/3)
AA
J ML =
Cilindro vazado
2 2
' 1 2
(1/2) ( )
ZZ
J M R R = +
8
Teorema dos Eixos Paralelos – Teorema de Steiner
Este teorema nos permite relacionar momentos de inércia em
relação a eixos quaisquer com momentos de inércia
relativos a eixos baricêntricos, desde que eles sejam
paralelos.
2
2
2



x xG
y yG
o G
J J M dy
J J M dx
J J M r
= +
= +
= +
M
9
Exercício 1: Para o sistema de pêndulo composto da Figura 1
abaixo, obter a expressão da freqüência natural do movimento.
Dados L, M e J
o
.
Exercício 2: Determine a freqüência natural, em Hz, da haste
delgada e rígida de massa m, que é suspensa verticalmente por
uma de suas extremidades e que oscila em um plano, como um
pêndulo (Figura 2).
Figura 1
Figura 2
10
Exercício 3: Para a biela apoiada em um prisma no ponto O da
Figura 3, determinar o momento de inércia em relação ao centro de
gravidade CG da mesma. São dados: o peso da biela (P=30,436 N)
e a posição do centro de gravidade. Sabe-se também que a biela
oscila em torno do prisma 59 vezes por minuto
185 mm