Educação e sociedade no pensamento de APARELHOS Althusser Louis

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

IDEOLÓGICOS DE ESTADO

4/29/12

§

Sobre a reprodução das condições de A reprodução dos meios de produção; Reprodução da força de trabalho; Reprodução da qualificação da força de

produção;
§

§

§

trabalho.
4/29/12

Existe uma reprodução da submissão dos operários à ideologia dominante por parte dos operários e uma reprodução da capacidade de perfeito domínio da ideologia dominante por parte dos agentes da exploração e repressão, de modo que eles assegurem também “pela palavra’’ o predomínio da classe dominante.
§

A reprodução da qualificação da força de trabalho se assegura em e sob as formas de submissão ideológica.
§

4/29/12

Infraestrutura e Superestrutura
Estrutura da sociedade em “níveis” ou “instâncias” (Marx):
Infraestrutura (base econômica): “unidade” de forças produtivas e relações de produção. Superestrutura a) jurídico – político: o direito e o Estado; b) ideológico: as distintas ideologias.

A superestrutura é determinada pela infraestrutura (base).
4/29/12

1) a existência de uma “autonomia relativa” da superestrutura em relação à base;

Índice de eficácia da superestrutura (tradição marxista):

2) a existência de uma “ação retorno” Vantagem x da superestrutura sobre a base

Desvantagem:

§

§

A grande vantagem teórica do tipo de eficácia “derivada” próprio à base e superestrutura é mostrar, ao mesmo tempo, que as questões de determinação são fundamentais e que é a base que determina em última instância todo o edifício. O maior inconveniente dessa representação é justamente o fato dela ser metafórica (descritiva).
4/29/12  Tese fundamental: só é possível levantar estas questões,

O Estad oMáquina de repressão
§ §

Classe dominante x Classe operária

Aparelho de Estado = aparelho especializado (a política e as prisões) + exército; Acima desse conjunto: o Chefe de Estado, o Governo e Administração;
§

Função Fundamental”: força de educação e de intervenção repressiva a serviço das classes dominantes (visão marxista-lenista).
§

4/29/12

Da Teoria Descritiva à Teoria Propriamente Dita
Teoria Descritiva:
§

primeira etapa de toda teoria (no campo da ciência das formações sociais); § etapa transitória, necessária ao desenvolvimento da teoria Utilização de uma teoria marxista descritiva do Estado (princípio decisivo de todo desenvolvimento posterior da teoria).
O essencial da Teoria Marxista do Estado
§

Toda luta política das classes gira em torno do Estado, em torno da posse; § O aparelho de Estado pode manter-se de pé mesmo sob acontecimentos políticos que afetem a posse de poder do Estado; § “O Estado é o aparelho repressivo do Estado”. 4/29/12

“Deve-se distinguir o poder de estado do aparelho de Estado”.
§

“O objetivo da luta de classes diz respeito ao poder de Estado e consequentemente à utilização do aparelho de Estado pelas classes que detêm o poder de Estado em função de seus objetivos de classe”.
§

“O proletariado deve tomar o poder do Estado para destruir o aparelho burguês existente, substituí-lo em uma primeira etapa por um aparelho de Estado completamente diferente, proletário, e elaborar, nas etapas posteriores, um processo radical, o da destruição do Estado”.
§

4/29/12

§

administração, o exército, a polícia, os tribunais, as prisões. “Repressivo” → “funciona através da violência” ( física ou não)
§

Aparelho do Estado x Aparelho Ideológico do Estado Aparelho (repressivo) de Estado (AE) → o governo, a

Aparelhos Ideológicos do Estado → “realidades que se apresentam ao observador imediato sob a forma 4/29/12 de instituições distintas e especializadas.”
§

Instituições consideradas como AIE
AIE religiosos (sistema das diferentes Igrejas). AIE escolar (sistema das diferentes “escolas” públicas e privadas). AIE familiar (Intervenção na reprodução da força de trabalho, unidade de produção/ de consumo). AIE jurídico ( “Direito” pertence tanto ao AE como ao AIE) AIE político (sistema dos diferentes Partidos). AIE sindical. AIE de informação (imprensa, rádio, televisão). AIE cultural (Letras, esportes, Belas Artes). 4/29/12

Constatações prévias
“se existe um Aparelho (repressivo) do Estado, existe uma pluralidade de Aparelhos Ideológicos do Estado.”
§

Os AE pertencem inteiramente ao domínio público; os AIE remetem em grande parte ao domínio privado.
§

4/29/12

Pensamento marxista acerca do público e do privado
“A distinção entre o público e o privado é... intrínseca ao direito burguês, e válida nos domínios(subordinados) aonde o direito burguês exerce seus “poderes”.
§

O domínio do Estado, no entanto, está “além do Direito”... “ o Estado, que é o Estado da classe dominante, não é nem público nem privado...”
§

Pouco importa se as instituições que constituem os AIE sejam “públicas” ou “privadas”... e sim seu funcionamento.
§

4/29/12

A distinção essencial entre os AIE e o AE seria que o Aparelho repressivo do Estado “funcionaria através da violência” enquanto os Aparelhos Ideológicos do Estado “ funcionariam através da ideologia”.
§

Percebe-se, contudo, que “todo Aparelho do Estado, seja ele repressivo ou ideológico, ‘funciona’ tanto através da violência como através da ideologia” (de forma predominante ou secundária).
§

Não existe aparelho unicamente repressivo ou puramente ideológico
§

Constatações posteriores
O predomínio da ideologia nos AIE unifica a sua diversidade... a ideologia está sempre unificada à ideologia dominante (“classe dominante”)
§

4/29/12

Como é assegurada a reprodução das relações de produção? 4/29/12

O AEI escolar “se encarrega das crianças de todas as classes sociais desde o Maternal, e desde o maternal ela lhes inculca... os saberes contidos na ideologia dominante (o francês, o calculo, a história natural, as ciências, a literatura), ou simplesmente a ideologia dominante em estado puro (moral, educação cívica, filosofia)”. Por volta dos 16 anos, algumas crianças entram “na produção”: operários ou pequenos camponeses. E a outra parte prossegue.
§

Cada grupo dispõe da ideologia que convém ao papel que ele deve preencher na sociedade de classe: papel de explorado, papel de agente da exploração , de agentes da repressão ou de profissionais da ideologia.
§

4/29/12

A Ideologia não tem história
Na Ideologia Alemã, é concebida como pura ilusão, ou seja, nada;
§

É pensada como uma construção imaginária, cujo estatuto é o mesmo do sonho nos autores anteriores a Freud;
§

Dizer que ideologia não tem história significa que a transformação das ideias não depende delas mesmas, mas da transformação das relações sociais e, portanto, econômicas e políticas;
§

A ideologia não tem histórias, mas fabrica histórias imaginárias que nada mais são do que uma forma de legitimar a dominação da classe dominante.
§

4/29/12

Conceito de ideologia a partir de duas grandes teses: a imaginária e a material
A primeira tese é a imaginária e refere-se à ideologia enquanto “representação imaginária dos indivíduos com as suas condições reais de existência”;
§

Essa concepção ilusória parte de uma alusão da realidade, como demonstra a seguir:
§

[...]toda a ideologia representa, na sua deformação necessariamente imaginária, não as relações de produção existentes (e as outras relações que delas derivam), mas antes de mais a relação (imaginária) dos indivíduos com as relações de produção e com as relações que delas derivam. Na ideologia, o que é representado não é o sistema das relações reais que governam a existência dos indivíduos, mas a relação imaginária destes indivíduos com as relações reais que vivem.(ALTHUSSER, 1970, p.82)
4/29/12

A segunda tese, a material, busca defender a materialidade da ideologia
§

As ideias que em conjunto compõem a ideologia, não tem uma existência ideal, espiritual, mas material.
§

Uma ideologia existe sempre em uma aparelho e em sua prática ou práticas. Esta existência é material.
§

A representação ideológica da ideologia é, ela mesma, forçada a reconhecer que todo “sujeito” dotado de uma “consciência” e crendo nas “ideias” que sua “consciência” lhe inspira, aceitandoas livremente, deve “agir segundo suas ideias”, imprimindo nos atos de sua prática material as suas próprias ideia enquanto sujeito livre. Se ele não o faz, “algo vai mal”.
§

4/29/12

“... A ideologia da ideologia reconhece, apesar de sua deformação imaginária, que as ideias de uma sujeito humano existem em seus atos, ou devem existir em seus atos, e se isso não ocorre, ela lhe confere ideias correspondentes ao atos que ele realiza”
§

“... a existência das ideias de sua crença é material, pois suas ideias são seus atos materiais inseridos em práticas materiais, reguladas por rituais materiais, eles mesmos definidos pelo aparelho ideológico material de onde provêm as ideias do dito sujeito...”
§

1. só há prática através de e sob uma ideologia; 2. só há ideologia pelo sujeito e para o sujeito. 4/29/12