You are on page 1of 38

Universidade Federal do Ceará

CONCEPÇÃO DE MONOGRAFIAS SOB O PRISMA DA NORMALIZAÇÃO: BREVE ESTUDO SOBRE OS PAPÉIS DO ORIENTADOR, DO ORIENTANDO E DO NORMALIZADOR

Denise Braga Sampaio Orientadora: Prof.ª Msc.ª Juliana Buse
Fortaleza, 12 dez. 2011

Introdução
 Escolha do tema;  Grupo Normalizadores;  Escolha da amostra;  Alunos de Biblioteconomia  Alunos da FEAAC (Faculdade de Economia, Administração, Atuariais, Contabilidade e Secretariado Executivo)  Problemática:  Até onde vai o papel do normalizador? Como se da a relação entre o normalizador e orientando e deste com o orientador? Qual a importância da normalização  Objetivos.  Geral: entender, na prática, a importância da normalização em meio acadêmico.  Específicos:  Visualizar a importância da normalização em meio acadêmico;  Entender como se configura a atuação do orientando, do orientador e do normalizador na elaboração de uma monografia;  Entender o verdadeiro papel do normalizador

Comunicação Científica
 Origem da comunicação;  Homem versus demais
O homem é um animal racional não porque pensa. Mas porque pensa que está pensando. Esta capacidade reflexiva, além de lhe dar A consciência de si num dado tempo e lugar Permite-lhe usar aquilo que o define como ser humano: A capacidade de comunicação. Com a palavra, com o gesto, com o desenho... Homem e mulher Comunicam seus momentos de dor e de prazer, Seus sonhos e frustrações, Interrogam a vida e se interrogam Materializam seus sentimentos e ideias, Tornam-se seres criativos, Transformam o mundo e a vida. (SARGENTIN apud SILVA, 200-, p. 2)

animais;  O que é comunicação Científica?  Para que serve?  Comunidade Científica

Limite simbólico versus limite cartesiano.

Modelos LE COADIC. 10 GUIMARÃES. p. 2004. .Comunicação Científica . 2011.

 Informação armazenada      de fácil recuperação Informação relativamente desatualizada.Canais de comunicação Canais Formais  Grande público.  Informação armazenada e   Canais Informais  Público restrito. Informação recente. p. 2010. 2000 apud OLIVEIRA.   e de difícil recuperação. Redundância quase sempre significativa. Feedback irrisório para o autor. 30 . TARGINO. Direção de fluxo definida pelo usuário. Feedback significativo para o autor. Redundância moderada Avaliação prévia. Direção de fluxo definida pelo produtor.

 As duas raízes: Biblioteconomia e Computação digital (CAPURRO.  Nascimento da Ciência da Informação  A ciência que estuda o conhecimento registrado e sua transferência.Ciência da Informação e Informação Científica  Segunda Guerra e a explosão informacional. 2007) .

Socialização da informação SILVA. MARINHO JUNIOR.489 . 1996 p.

 Crime de plágio.Direito Autoral  Direito a autoria.610/98 (Lei de Direito Autoral – LDA)  LDA e ABNT .  Lei 9.  Plágio Acadêmico.

 Reconhecimento.  Intercambialidade. .Normalização: o desejo de padronização  Tornar padrão.

7)  ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)   1940 – Normas para as engenharias.] elaborar padrões para especificações e métodos de trabalho [. p... COSTA.Entidades Normalizadoras  ISO (International Organization of Standardization)   Genebra (1947).] (CECCHETTO. Responsável pela criação das normas brasileiras. Normalização e Qualidade Industrial)  Fiscaliza a aplicação.  INMETRO (Instituto nacional de Metrologia. sendo órgão normatizador. [... sendo órgão fiscalizador . 2000.

2009. p.Normas Técnicas  O que são?  Para que servem?  Processo de elaboração (COSCARELLI. 33) .

Normalização de Trabalhos Acadêmicos  Comissão de Informação e Documentação (ABNTCB-14)  Por que?  Para quem? N0rmas de tipo de trabalho ABNT NBR 14724:2O11 – Trabalhos acadêmicos Normas complementares ABNT NBR 6034:2004 – Índice ABNT NBR 15287:2011 – Projeto de pesquisa ABNT NBR 6028 – Numeração progressiva de seções e de documentos escritos ABNT NBR 6022:2003 – Artigo de periódico científico ABNT NBR 6027 – Sumário ABNT NBR 10520:2002 – Citação ABNT NBR 6023 Referências .

1900 apud MEADOWS. XX. 1999 apud CRESPO. (HUXLEY.Prática Certo autor que remete ao artigo de Schmidt. tenho de pesquisar em inúmeros índices a fim de encontrar o resumo. porém. de que sou assinante. vol. Como não possuo esta revista. como não tenho noção alguma do ano em que foi publicado o vol. p. nutro a esperança de conseguir encontrar um resumo do artigo em questão no Journal da Chemical Society. 39) .Importância do uso da norma . nos Berichte da sociedade alemã de química. RODRIGUES. XX dos Berichte. 2011.

menos gasto de tempo e dinheiro [. 2006. Facilitar a divulgação de seu trabalho acadêmico. bibliotecas. provavelmente..). Aumento de confiabilidade em seu trabalho. atende aos moldes científicos. “Seguir uma norma técnica implica em atender a especificações que foram analisadas e ensaiadas por especialistas. uma vez normalizado. 5). 1) “O atendimento às normas aumentará sua reputação”. Quando o usuário descobre que você utiliza normas há o aumento da confiança em seu trabalho acadêmico. unidades de informação. p. Isso significa que você terá.. maior aceitação por parte de editoras e revistas científicas. um trabalho normalizado é visto com bons olhos pela comunidade a que é submetido. p. Como diz o site da ABNT (2006.. Agregar confiança ao seu negócio 4 5 Diminuir a possibilidade de erros Reduzir seus custos de negócio 6 7 8 9 10 Aumentar suas chances de sucesso Tornar seus produtos compatíveis Atender a regulamentos técnicos Facilitar a exportação de seus produtos . permitindo uma padronização”. “Evitar a duplicidade de fontes. Atender ao que recomenda a comunidade científica.10 motivos para se normalizar As 10 razões para se utilizar normas em negócios 1 Melhorar seus produtos e serviços Atrair novos consumidores 2 Aumentar sua margem de competitividade 3 10 razões para utilizar normas em trabalhos acadêmicos Dar confiabilidade ao trabalho acadêmico.d. s. dessa forma. Propicia a recuperação facilitada do documento no meio científico (repositórios. Facilitar o intercâmbio e a comunicação científica... p. evita também gasto de papel e tempo (SANTOS.]” (ABNT. 1).

nos deparamos também com um ilícito criminal gravíssimo. uma vez que afronta direito de personalidade do autor.” (FURTADO. constitucionalmente garantido. p. 2002.] plagiador que pratica a violação em proveito de si mesmo ou de outrem. comercializando trabalhos acadêmicos prontos.Grupo Normalizadores  Experiência. coberto ainda pela inteira reprovação moral a que se sujeita aquele que pratica o plágio. maquiados pela leviandade de quem assim age. atingindo a sua criação intelectual. sob encomenda..  Plágio. “[.. Mais do que um ilícito civil. 2) .  Coautoria.

 República – Liberdade e crescimento sem qualidade .Aspectos do Ensino Superior no Brasil  Período Colonial – Catequese  Período Monárquico – Subserviência ao Estado  Ditadura militar – Repressão e punição.

MAKENZIE. Preparar-se para as conversas com o orientador. Comparecer pontualmente às reuniões acertadas com o orientador. 2011.Os papéis dos orientadores e dos orientandos O orientando deve Expor suas dificuldades para o orientador. Acompanhar e dar um feedback periódico sobre seu trabalho. . Seguir o cronograma estabelecido. Sinalizar claramente sobre a viabilidade do tema escolhido para a monografia. 8 O orientador deve Ler e discutir seu material. avisando-o antecipadamente caso tenha problemas. Avisar. p. Indicar caminhos e avisar sobre possíveis armadilhas. justificando ausências mais prolongadas.

Relação orientador .orientando .

sobre a ausência de elementos que identifiquem os conteúdos. 2011. Adaptado de MAKENZIE. Preparar-se para as conversas com o orientador. Acompanhar e dar um feedback periódico sobre seu trabalho. Seguir o cronograma estabelecido. Sinalizar. Avisar. Comparecer pontualmente às reuniões acertadas com o orientador.Os papéis do orientador. avisando-o antecipadamente caso tenha problemas. quando necessário. 8 . p. Indicar caminhos e avisar sobre possíveis armadilhas. do orientando e do normalizador Orientando Expor suas dificuldades para o orientador. Normalizador Estruturar layout do trabalho de acordo com as normas vigentes. Tornar o trabalho recuperável à comunidade científica. Orientador Ler e discutir seu material. justificando ausências mais prolongadas. Sinalizar claramente sobre a viabilidade do tema escolhido para a monografia.

 Amostra  Alunos de Biblioteconomia (4%). .  Método hipotético-dedutivo.  Lacuna – hipóteses – inferência dedutiva.  Coleta de Dados  Questionário misto.  Análise do Discurso  Busca nas entrelinhas o cerne do discurso.Metodologia  Pesquisa exploratória.  Alunos da FEAAC (2% de cada curso).

Questão 3 – Importância da normalização em meio acadêmico  A grande maioria dos alunos afirma que a normalização é importante ferramenta na impulsão do desenvolvimento da ciência.  Carro-chefe para a padronização dos trabalhos – sinônimo de confiabilidade. .

Questão 2 – O que entendem. . os alunos. concebida por órgão competentes. tanto FEAAC quanto Biblioteconomia. por normalização? A maioria dos alunos. entenderam a normalização como ferramenta de padronização de trabalhos acadêmicos.

Maioria significativa dos alunos de Biblioteconomia se diz apto a normalizar .Questão 9 – Alunos que se acham aptos a normalizar Pequena parcela de alunos da FEAAC se diz apta.

buscaram bem mais que os anteriores. onde a maioria se disse apta. enquanto os alunos da Biblioteconomia. . os alunos da FEAAC procuraram muito pouco a ajuda de um normalizador.Questão 7 – Alunos que já tiveram seus trabalhos normalizados Mesmo não sabendo normalizar e tendo a normalização como importante.

. através da busca de uma melhor técnica de investigação. [.”   Normalizador enquanto corretor de erros da monografia “[. como falam S18 e S3  informações. que provavelmente demorou meses ou anos para concluir.  Preventor de plágio.] suas ações envolvem preceitos morais. para a estruturação dando um valor informacional e estético. éticos e profissionais. já que está lidando com uma pesquisa ou trabalho que de outra pessoa. e para o respeito e ética.. coleta de dados e escrita desses dados.  Facilitador da recuperação das normalizador como padronizador.] deve atentar para o que é pedido pelas normas.] preparar o aluno na pesquisa.  Alunos da FEAAC tem a visão do normalizador como coorientador.. [. a exemplo de S10:  “[...” .] tem como função padronizar o trabalho segundo as normas exigem...Questão 6 – O papel do normalizador Alunos da FEAAC  Quase totalidade entende o Alunos da Biblioteconomia  Conhecedor das normas..” “É um papel que permite uma base para que os escritores não se percam.

Questão 8 – Normalização e Direito Autoral Grande maioria acredita que a normalização previne plágio. mas são poucos os que justificam suas respostas. como a conscientização de cada um por exemplo.” . S11 discorda e afirma: “Pois isso depende de vários fatores.

Questão 4 – O papel do orientador IDEIAS CONVERGENTES FEAAC BIBLIOTECONOMIA Orienta em relação ao conteúdo Orienta em relação a forma e conteúdo Direcionador Tem noção mínima de normalização Relação do orientador com o orientando 50% 9% 41% - 35% 13% 26% 17% 4% Coautor - 4% .

.  Seguir recomendações  Pesquisar.Questão 5 – O papel do orientando Aluno .FEAAC Aluno – Biblioteconomia  Pesquisar. recomendações do orientador.  Seguir as do orientador.  Desenvolver o texto.

é pouco conhecida e utilizada na rotina acadêmica. no entanto. cabendo ao orientador fiscalizar e ao orientando a consciência de que este é um ato criminoso e passível de punição. Outro ponto também considerável é que a normalização não previne o plágio. a normalização tem importância relevante no processo de comunicação científica. . apenas ajuda a identificá-lo.Considerações finais Como percebemos. Vimos também que há uma confusão iminente entre os três papéis. onde o normalizador é confundido com o orientador e procurado para criação de trabalhos alheios.

1998. Evandro Nicomedes.php/ciinf/article/view/1122/1335>. R. Acesso em: 22 maio.9-20. 2003. PUEHRINGER./dez. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). set. 3.Referências ARAÚJO.d.br/ccivil_03/leis/l9610. Disponível em: < https://www.unifra. Daniele S...ibict. Acesso em: 12 ago. Rev. v. 2011. SILVA. Trajetória da Sociedade da Informação no Brasil: proposta de mensuração por meio de um indicador sintético. Iza N. Disponível em: <http://www. NAIRDOF.. p. Brasília. Ciência da Informação. Brasília. . Histórico ABNT: 65 anos. Disponível em: <http://revista. 38.gov.br/index. 2009. Altera. Belo Horizonte: Escola de Ciência da Informação da UFMG. Lei nº 9610.planalto. Epistemologia e Ciência da informação. 2003. Janaina Orso. BRASIL. BOHRER. Elisa Maria Pinto da. s. ROCHA... Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Acesso em: 6 nov.pdf>. Belo Horizonte. de 19 de fevereiro de 1998. n. 2011. DF. autoriza e atualiza a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências.htm>.. Buenos Aires. São Paulo: 2006. Judith. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação.br/eventos/jne2008/Trabalhos/114. 19 fev. CAPURRO. DF. 5. Anais. 2011. A história das Universidades: o despertar do conhecimento.

Disponível em: < http://www. 2011.cefet-rj.br%2Fwpcontent%2Fuploads%2F2011%2F11%2FPrograma%25C3%25A7%25C3%25A3o-daAvalia%25C3%25A7%25C3%25A3o-de-Conformidade-8-e-911.com. Xerém: 2009. COSCARELLI. Disponível em: < http://www. Acesso em: 29 maio. CARNEIRO. Acesso em: 22 ago.duplipensar.normalizacao. In: ____.google. . 2011.net/artigos/2007s1/notas-introdutorias-analise-do-discursofundamentos.br/url?sa=t&rct=j&q=curso%20avalia%C3%A7%C3%A3o%20da%20conformid ade%3A%20contextos%2C%20fundamentos%20e%20pr%C3%A1ticas%3A%20normaliza%C3%A7%C3% A3o%20e%20regulamenta%C3%A7%C3%A3o&source=web&cd=2&ved=0CCUQFjAB&url=http%3A%2F %2Fnoticias. Curso Avaliação da conformidade: contextos. Acesso em: 29 maio.CARNEIRO. Notas introdutórias sobre a Análise do Discurso. Normas nacionais.htm>. S. 2011.cni.html >. CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Parte 4: fundamentos da Análise do Discurso. Disponível em: <http://www. 2007.br/normas_tecnicas_nacionais. fundamentos e práticas: normalização e regulamentação.org.doc&ei=8fnQTrC4J4GFtgfDlLS4DQ&usg=AFQjCNFTuiL2GqAucnnbqjc8l3nCXivHQg>. Paulo.l. Egina Carli de Araújo Rodrigues. Eduardo de Araújo.

2011.reocities. Acesso em: 10 jul. Isabel Merlo. Sely M. 2011. n.bce. CRESPO. Jucimara Almeida.com/claudiaad/comunica.reocities. Ci.unb. Rev.php/ies/article/view/1761/2124>. v. Ana Vera Finard.COSTA.unicamp. maio/ago. v.com/claudiaad/pesquisacientifica. Disponível em: <http://repositorio.pdf>. .. Disponível em: < http://www. Bibl. Normas Técnicas e Comunicação Científica: enfoque no meio acadêmico. Rev.br/bitstream/10482/1443/1/ CAPITULO_MudancaProcessoComunicacao. Comunicação científica. DIAS.9.18. 2010. Acesso em: 10 abr. 2011. João Pessoa. Cláudia Augusto.2. Pesquisa e método científicos.ufpb. Campinas.php/sbu_rci/article/viewFile/478/pdf_2>. Acesso em: 27 mar. Informação e Sociedade: estudos./dez.br/seer/ojs/index.pdf >. DIAS. 2010. MONN. ELUAN. Christiane Fabíola. p. Brasília. S.sbu. FERNANDES. 2010. 2011.1.ies. A sistemática do uso de fontes de informação para a pesquisa científica. Andrenizia Aquino. Mudanças no processo de comunicação científica: o impacto do uso de novas tecnologias. n. Disponível em: <http://www. 2008. Denise. Acesso em: 18 set. RODRIGUES.br/ojs2/index. Disponível em: <http://www. Inf. p. Acesso em: 18 set. jul.36-55. Cláudia.pdf>. Dig. NASCIMENTO. Disponível em: <http://www. 111-119.

2011./dez. Ditadura Militar: professores punidos pela congregação. São Paulo. São Paulo: UNESP. Trabalhos acadêmicos em Direito e a violação de direitos autorais através de plágio. Cad.org. GUIMARÃES.adusp. 333-355. Florestan. (Depoimento). ano 7. n.br/url?sa=t&rct=j&q=instrumenta%C3%A7%C3%A3o%3A%20sistemas%20de%20m edida%20e%20normaliza%C3%A7%C3%A3o%20fernandes&source=web&cd=1&ved=0CCcQFjAA&url=http%3 A%2F%2Fwwwp. Marisa. O plágio é crime. 2011. Disponível em: <http://jus. Jus Navigandi.br/revista/04/r04a03.br/revista/texto/3493>. FURTADO. 60. Acesso em: 30 mar.infoseg.FERREIRA JUNIOR. Cedes.com. José Augusto Paz Ximenes.br/pdf/ccedes/v28n76/a04v2876>. BITTAR. s.scielo. Organização e uso da informação: perspectivas de ensino e pesquisa.feb.google. set. 2010 . 2011. 2008. Acesso em: 4 dez.d. 8. Disponível em: <http://www. 1 nov. Campinas. Acesso em: 28 abr. FERNANDES. 76.gov. João Cândido. 1995.com. 2011.DOC&ei=vvQTqPkMI-Ftgfur8GqDQ&usg=AFQjCNH-flHyoqkrcB0iJKmOEfZXOA7uNA>. Semana de Humanidades. 2006.br%2Fjcandido%2Finstrumentacao%2Fapostilas%2FNORMALIZ. 2011 [Palestra] INFOSEG. Disponível em: < http://www. Disponível em: < http://www. A Gazeta. Acesso em: 25 mar. José Augusto Chaves.pdf >.unesp. Teresina. n. Instrumentação: sistemas de medida e normalização. p. Amarilio. 28. Disponível em: < http://www. Educação e ideologia tecnocrática na Ditadura Militar. São Paulo: Adusp. Acesso em: 25 maio. vol.br/arquivos/o-plagio-e-crime >. 2002. Fortaleza: UFC-UECE. FERNANDES.

teses. Vivianne. Brasília: Brinquet de Lemos. OLIVEIRA. João Pessoa.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-29012005-165626/pt-br. PIMENTEL.br/trabalhos/ anais/15-57-c3-1. Acesso em: 30 mar.. LEITE FILHO. Luís Otávio. Lucila. João Pessoa. Ana Maria. Dissertação (Programa de PósGraduação em Ciências Contábeis) – Faculdade de Economia. Ciberética: Simpósio de Propriedade Intelectual. Direitos autorais: estudos e considerações. 2011. 2009. 2011. Administração e Contabilidade. Disponível em: <>. 2004. Acesso em: 30 mar. 8. 22. Disponível em: <http://www. A relação orientador . Universidade Federal da Paraíba. Questionário como técnica e instrumento de coleta de dados. 2. 2.LE COADIC. 121 f. Sônia. Disponível em: < http://www. 2003. São Paulo: PUC-SP. PESCE.php >. A Ciência da Informação. Florianópolis. IGNÁCIO. Periódico Científico Eletrônico: os recursos web enquanto proposta para a potencialização da comunicação científica. São Paulo.ciberetica.pdf>. Informação e Ética.usp. 2004. ed. São Paulo.orientando e suas influências no processo de elaboração de teses e dissertações dos programas de pós-graduação em contabilidade da cidade de São Paulo. PEREIRA. Yves-Fraçois.. Anais. Acesso em: 24 mar. MEHLAN. Painel de Biblioteconomia em Santa Catarina. 2010. 2011. Universidade de São Paulo. . Encontro Nacional de Informação e Documentação Jurídica.org. 119 f. Geraldo Alemandro. Juliana Buse de. 2004. Dissertação (Pós-Graduação em Ciência da Informação) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas.

br/index. Brasília. Denise Braga. Disponível em: <http://ridi.ufrj.php/ciinf/article/view/531/483>. . Maria José Veloso da Costa. Rev. Disponível em: <http://revista. v. 1995.pdf>.br/trab_mariza_ago2001. 2010. 2010. BENEVIDES. número 1. 24. Disponível em: < www. Traçados e limites da Ciência da Informação. Normalização e orientação bibliográfica. Produção Científica Brasileira: da comunicação à recuperação via Web.PINHEIRO.bibli.d. SANTOS.ibict.br/bitstream/123456789/10/1/pbciblena. Fontes ou recursos de informação: categorias e evolução conceitual. 2011. LOUREIRO. Disponível em: <http://www. 2011. s. RUSSO. Acesso em: 19 set. Mara Roxanne. SAMPAIO.sibi. 4. Romero da Silva.ibict. SANTOS. Acesso em: out. SANTOS. PINHEIRO.br/download/NOB2006.unicamp. Encontro de Experiências Estudantis. Eliana Taborda Garcia.ppt >. Lena Vania Ribeiro. 2010.pdf>. Fortaleza. José Mauro Matheus. Mariza. Acesso em: 19 set. SANTOS. Francisco Edvander Pires. Ciência da Informação.fae. Normalização na Prática: um breve estudo sobre a normalização e a experiência Normalizadores. SANTOS. Gildenir Carolino. Acesso em: 27 mar. Campinas. Lena Vânia Ribeiro.

Rita Marques.SARACEVIC. 1. 25.php/ciinf/article/view/475/434>. 466-472. 2000. A linguagem humana e a necessidade de domínio em um espaço sócio-cultural.br/semiosis/textos/2/alessandra.. evolução e relações. Inaldo Barbosa.google. n. Ciência da Informação: origem. José Gustavo. Tefko. Disponível em: <http://www.br%2Findex.pdf>. Acesso em: 23 mar. jan. Francisco L. 1. MARINHO JUNIOR. Belo Horizonte. Inf.unisuam.l. Qualidade./dez. 1996.eci. Disponível em: <http://apl. v. L.php%2Fpci%2Farticle%2 Fdownload%2F235%2F22&ei=RwDRTpy0FZGUtwfBx5SrDQ&usg=AFQjCNEHbDXliGrzMMMFHHslF8 vYt7obEw>. n. Ciência da Informação. São Paulo: Faculdade Integrada Campos Salles.: 200-]. 2011. p. p.br/index. Junia Guimarães e. SILVA.ufmg. 3./jun.ibict. .com. v. 1996. da. COSTA. Rev. [S. Alessandra Garrido Sotero da. Brasília. Perspec. SILVA. Acesso em: 19 mar. set. 2011. 2011.edu. CECCHETTO. Acesso em: 17 maio. Ci.br/url?sa=t&rct=j&q=ci%C3%AAncia%20da%20informa%C3%A7%C3%A3o%3 A%20origem%2C%20evolu%C3%A7%C3%A3o%20e%20rela%C3%A7%C3%B5es&source=web&cd=2&ve d=0CC4QFjAB&url=http%3A%2F%2Fportaldeperiodicos. 41-62. SILVA. Disponível em: <http://revista. Socialização da informação: aportes da teoria da ação comunicativa.

cgu.TARGINO. Acesso em: 24 maio 2011. Brasília.scribd. Disponível em: < http://www.Acesso em: 15 abr. .pdf>. Disponível em: <http://pt.com/doc/72808527/ Artigo-Maria-das-Gracas-Targino>. São Paulo. Acesso em: 7 nov. ULHOA. Comunicação Científica: uma revisão de seus elementos básicos. O plágio é crime. Maria das Graças. 1998. Paulo Roberto.mackenzie.br/bitstream/123456789/2726/1/o_plagio_e_crime. 2011. 2006.pdf >. Manual de elaboração da monografia.br/fileadmin/Graduacao/CCSA/Economia/monografia/manual. 2011. 2010.gov. Disponível em: <https://bvc. UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MAKENZIE. Vitória: A Gazeta.

E a única maneira de fazer um ótimo trabalho é fazendo o que você ama fazer. continue procurando. E. Assim como com as coisas do coração. fica melhor e melhor com o passar dos anos. Não se contente. Não se contente. Então continue procurando e você vai encontrar.Obrigada a todos!!! “Você tem que encontrar o que você gosta.” STEVE JOBS . e a única maneira de estar verdadeiramente satisfeito é fazendo aquilo que você acredita ser um ótimo trabalho. E isso é verdade tanto para o seu trabalho quanto para seus companheiros. Seu trabalho vai ocupar uma grande parte da sua vida. como qualquer ótimo relacionamento. Se você ainda não encontrou. você saberá quando encontrar.