Secretaria de Ação Social e Cidadania Pato Branco - PR

A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS
Sarah Cristina Kusma – Psicóloga CRP/0814837

O QUE É O CREAS?

O Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) constitui-se numa unidade pública e estatal onde se ofertam serviços especializados e continuados a famílias e indivíduos nas diversas situações de violação de direitos. Como unidade de referência deve promover a integração de esforços, recursos e meios para enfrentar a dispersão dos serviços e potencializar ações para os (as) usuários (as).

programas e projetos. por exemplo. inserção e acolhida. eventuais e outras formas de tranferência de renda como. os benefícios pagos pelo Programa Bolsa Família. de convivência. aquisições e fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Nessa modalidade. locais de acolhimento. estão incluídos os serviços. voltadas prioritariamente para as famílias e indivíduos em situação de vulnerabilidade social. convivência e socialização e os benefícios de prestação continuada.Proteção Social Básica e Especial   A Proteção Social Básica engloba as ações preventivas. visando desenvolver potencialidades. . A realização dessas atenções se concretiza nos Centros de Referência de Assistência Social – CRAS. socialização.

dirigidos às famílias e indivíduos que se encontram em situação de risco pessoal e social. .Proteção Social Básica e Especial  A Proteção Social Especial refere-se a programas e serviços mais especializados. média complexidade e alta complexidade. Há duas modalidades de proteção social especial.

ameaças. maus tratos. abandono. .Serviços de Média e Alta Complexidade  Os serviços de média e alta complexidade devem ser oferecidos de forma continuada a cidadãos e famílias em situação de risco pessoal e social por ocorrência de negligência. discriminações sociais e infringência aos direitos humanos e sociais. violações físicas e psíquicas.

atendimento psicossocial a indivíduos. não foram rompidos.Proteção Especial de Média Complexidade   São considerados os serviços que ofertam atendimentos às famílias e indivíduos com seus direitos violados em maior grau que os de proteção básica. referência e contrareferência com a rede socioassistencial. cujos vínculos familiar e comunitário. . Os serviços de acolhida. com as demais políticas sociais e com as instituições que compõem o Sistema de Garantias de Direitos são realizados nos Centros de Referência Especializados de Assistência Social – CREAS. grupos e famílias. escuta. embora fragilizados.

alimentação.Proteção Especial de Alta Complexidade  Prevê assistência integral (moradia. 2004:37). necessitando a sua retirada do núcleo familiar ou comunitário. . higienização e trabalho protegido) a famílias e indivíduos que se encontram sem referência e/ou sob ameaça. (PNAS.

à profissionalização. (Artigo 4º . à dignidade.O que é direito violado? Os direitos assegurados às pessoas e usuários do CREAS estão previstos por lei. à cultura. como por exemplo: -Lei Universal dos Direitos Humanos -Constituição Federal -Estatuto da criança e do adolescente (ECA) -Estatuto do Idoso -Estatuto da Pessoa com deficiência -Lei Maria da Penha -Entre outros. à liberdade e à convivência familiar e comunitária”.ECA)  . ao lazer. à alimentação. à educação.  “É dever da família. da sociedade em geral e do poder público assegurar. ao esporte. ao respeito. da comunidade. à saúde. a efetivação dos direitos referentes à vida. com absoluta prioridade.

  - Fortalecer as redes sociais de apoio da família. .Prevenir a reincidência de violações de . .Processar a inclusão das famílias no sistema de proteção social e nos serviços públicos.Assegurar proteção social imediata e atendimento interdisciplinar às pessoas em situação de violência visando sua integridade física. . conforme necessidades. mental e social.OBJETIVOS DO CREAS  Ofertar serviços especializados e continuados que possam contribuir para: .Reparar danos da incidência de violação de direitos. - Fortalecer os vínculos familiares e a capacidade protetiva da família.

discriminações sociais e restrições a plena vida com autonomia e exercício de capacidades. adolescentes e suas famílias nas seguintes situações: . maus tratos. violência física/psicológica/sexual. prestando atendimento prioritário a crianças.PÚBLICO-ALVO DO CREAS  O CREAS deve ofertar atenções na ocorrência de situações de risco pessoal e social por ocorrência de negligência. ameaças. abandono.

crianças e adolescentes vítimas de violência doméstica (violência física. crianças e adolescentes em situação de mendicância. crianças e adolescentes que estejam sob “medida de proteção” ou “medida pertinente aos pais ou responsáveis”. famílias inseridas no Programa de Erradicação do Trabalho Infantil que apresentem dificuldades no cumprimento das condicionalidades. . psicológica.     crianças e adolescentes vítimas de abuso e exploração sexual. sexual. negligência).

adolescentes em cumprimento de medida sócio-educativa de Liberdade Assistida e de Prestação de Serviços à Comunidade.   crianças e adolescentes em cumprimento da medida de proteção em abrigo ou família acolhedora. e após o cumprimento da medida. quando necessário suporte à reinserção sóciofamiliar. adolescentes e jovens após cumprimento de medida sócio-educativa .

Ministério Público. Conselhos Tutelares e outras Organizações de Defesa de Direitos.  . O atendimento é prestado no CREAS. com os demais serviços socioassistenciais e de outras políticas públicas.COMO O CREAS FUNCIONA?   O CREAS oferta acompanhamento técnico especializado desenvolvido por uma equipe multiprofissional. de modo a potencializar a capacidade de proteção da família e favorecer a reparação da situação de violência vivida. e os serviços devem funcionar em estreita articulação com o Poder Judiciário. ou pelo deslocamento de equipes em territórios e domicílios. no intuito de estruturar uma rede efetiva de proteção social. Defensoria Pública.

c) Orientação e encaminhamentos para a rede socioassistencial e de serviços especializados. e) Realização de encontros e articulações com Conselhos Tutelares. garantindo a análise e atendimento de requisições de órgãos do Poder Judiciário e dos Conselhos Tutelares. inclusive a crianças e adolescentes. Ministério Público.     a) Referenciamento e encaminhamento de situações de violação de direitos. vitimizações e agressões. d) Produção de materiais educativos como suporte aos serviços. Varas da Infância e da Juventude e com toda a rede de garantia de direitos. . b) Acolhida e escuta individual voltada para a identificação de necessidades de indivíduos e famílias. Varas de Família.

mediante abordagem de agentes institucionais em vias públicas e locais identificados pela existência de situações de risco. inclusive com orientação jurídico-social em casos de ameaça ou violação de direitos individuais e coletivos. l) Atendimento psicossocial individual e em grupos de usuários e suas famílias. h) Deslocamento da equipe técnica do serviço especializado dentro da área referenciada. abuso e exploração. i) Acompanhamento e controle da efetividade dos encaminhamentos realizados. j) Realização de visitas domiciliares. m) Monitoramento da presença do trabalho infantil e das diversas formas de negligência.      g) Realização de cursos de capacitação para equipes multiprofissionais. .

Equipe Técnica – conforme manual Profissional Municípios em Gestão Básica Municípios em Gestão Plena e Serviços Regionais 1 2 2 4 2 Coordenador Assistente Social Psicólogo Educador Social 1 1 1 2 Auxiliar Administrativo 1 Estagiários Conforme as atividades desenvolvidas e (preferencialmente das definição da equipe técnica áreas de psicologia serviço social e direito) Advogado 1 1 .

Equipe Técnica – Pato Branco Profissional Coordenador Assistente Social Psicólogo Educador Social Auxiliar Administrativo Estagiários (preferencialmente das áreas de psicologia serviço social e direito) Advogado 0 1 1 2 1 0 Medidas Protetivas Medidas Socioeducativas 1 1 1 1 1 .

MEDIDAS DE PROTEÇÃO E SOCIOEDUCAÇÃO .

dentre outras. 101.Art.MEDIDAS DE PROTEÇÃO  ECA . 98. as seguintes medidas: . Verificada qualquer das hipóteses previstas no art. a autoridade competente poderá determinar.

à criança e ao adolescente.matrícula e freqüência obrigatórias em estabelecimento oficial de ensino fundamental.        I .inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio. psicológico ou psiquiátrico. VII . em regime hospitalar ou ambulatorial. II orientação. III . apoio e acompanhamento temporários.inclusão em programa comunitário ou oficial de auxílio à família. orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos.inclusão em programa de acolhimento .encaminhamento aos pais ou responsável. IV . mediante termo de responsabilidade.requisição de tratamento médico. V .acolhimento institucional. VI .  VIII .

a autoridade competente poderá aplicar ao adolescente as seguintes medidas: . 112. Verificada a prática de ato infracional.MEDIDAS DE SOCIOEDUCAÇÃO  Art.

101.obrigação de reparar o dano. II . as circunstâncias e a gravidade da infração.liberdade assistida. § 3º Os adolescentes portadores de doença ou deficiência mental receberão tratamento .          I . V . III . I a VI. § 1º A medida aplicada ao adolescente levará em conta a sua capacidade de cumpri-la.advertência. VII .inserção em regime de semi-liberdade. § 2º Em hipótese alguma e sob pretexto algum.prestação de serviços à comunidade. será admitida a prestação de trabalho forçado. IV .qualquer uma das previstas no art. VI internação em estabelecimento educacional.

CREAS PATO BRANCO Endereço: Rua Iguaçu.gov.br  Horário de funcionamento: Segunda a Sexta das 8:00–12:00. 1991 – Centro – Anexo à Secretaria de Ação Social e Cidadania  Telefone(s): 3902-1282/3902-1285  E-mail: fps@patobranco.pr. 13:00– 17:30  .

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Guia do Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS. .Referências    Norma Operacional Básica – NOB/SUAS.069. 2005. Lei Federal 8. aprovada pelo Conselho Nacional de Assistência Social por intermédio da Resolução nº 130. de 15/07/05. Brasília. de 13/07/90. Estatuto da Criança e do adolescente – ECA. Brasil.

OBRIGADA!   Sarah Cristina Kusma Contato: sarahkusma@hotmail.com .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful