 A herança cultural ( patrimonialismo e

mentalidade conservadora) marcou profundamente o desenvolvimento posterior da sociedade brasileira – tanto no Império quanto na República.

em função deles. sobretudo . como .MODO DE PRODUÇÃO:  Nos primeiros séculos após o descobrimento . em função da Metrópole . refletiu os interesses econômicos da Metrópole e. o Brasil colonizado sob a inspiração doutrinária do mercantilismo e integrante do Império Português . existindo.  O país se edificou como uma sociedade agrária baseada no latifúndio. articulou-se.

em que o monopólio exercido opressivamente era fundamental para a burguesia mercantil lusitana. economia complementar . .  FORMAÇÃO SOCIAL:  Marcada pela polarização entre os imensos latifúndios e a massa de mão de obra escrava.

 A organização social defini-se .  Estrutura política:  Registra-se a consolidação de uma instância de poder que. índios. e de outro. de um lado. além de incorporar o aparato . por pequenos proprietários . mestiços e negros. pela existência de uma elite constituída por grandes proprietários rurais.

 Burocrático e profissional da administração lusitana.  Conforme Antônio C. completamente desvinculada dos objetivos de sua população de origem e da sociedade como um todo. a pulverização do poder na mão dos donos das terras e dos engenhos. de outra . Mendes: “ um cenário contraditório de dominação política: de um lado . surgiu sem identidade nacional .

no domínio privado ou público . . solidificando uma estrutura com tendência à perpetuação das situações de domínio estatal ”. o esforço centralizador que a Coroa impunha. A ordem jurídica vigente . parte. através dos governadores-gerais e da administração legalista. marchará decisivamente no sentido de preeminência do poder público sobre as comunidades.

advindas com o Capitalismo . da modernidade científica e filosófica. nos primórdios da colonização no Brasil. no apego . TIPO DE CULTURA QUE FOI PROPAGADA PELA METRÓPOLE:  Portugal . distanciava-se do ideário renascentista . do espírito crítico e das novas práticas do progresso material. fechando-se no dogma eclesiástico da fé e da revelação .

.  Tratava-se de uma cultura senhorial. jesuítica. católica . no servilismo e na disciplina. absolutista . à tradição estabelecida e na propagação de crenças religiosas pautadas na renúncia . autoritária e acrítica.

somente a do colonizador luso trouxe influência dominante e definitiva à nossa formação jurídica. A LEGISLAÇÃO COLONIZADORA E O DIREITO NATIVO:  Dos três grupos étnicos ( índios. que vai de 1520 a 1549. foi . negros e portugueses) que constituíram nossa nacionalidade .  O primeiro momento da colonização brasileira .

As primeiras disposições legais desse período eram compostas pela Legislação Eclesiástica . Surgiu.  Com o fracasso da grande maioria das capitanias. Marcada pela prática político-administrativa das Capitanias Hereditárias. . tratou a Metrópole de dar à Colônia outra orientação designada como sistema de gorvernadores-gerais. pelas Cartas de Doação e pelos Forais.

versando sobretudo sobre matérias comerciais. leis e.Régias. Alvarás . a utilização de um certo número de prescrições decretadas em Portugal. Regimento dos governadores gerais . finalmente . . assim. reunindo desde cartas de Doação e Forais das capitanias até Cartas. com complemento de várias “ Leis Extravagantes” . as Ordenações Reais.

 Cumpre ressaltar. a existência de uma tradição subjacente de práticas jurídicas informais não-oficiais presentes nas remotas comunidades de índios ( “ reduções indígenas” ) e de negros ( “ quilombos” ). .

. OS OPERADORES JURÍDICOS E A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA:  A administração da justiça . no período das capitanias hereditárias. exerciam as funções de administradores . como soberanos da terra. chefes militares e juízes. estava entregue aos senhores donatários que.

. evoluindo para a criação de uma justiça colonial e para a formação de uma pequena burocracia composta por um grupo de agentes profissionais. A situação modificou-se com o advento dos governadores-gerais.  A primeira autoridade da Justiça Colonial foi o cargo de ouvidor – subordinado e designado pelos donatários da capitanias.

 com competências sobre ações cíveis e criminais. . os primitivos ouvidores passaram a ser ouvidores-gerais com maiores poderes e com mais independência em relação à administração política.  Com a implantação do primeiro governogeral e com o alargamento das responsabilidade burocráticas e fiscais.

determinando o alargamento do quadro de funcionários e autoridades da justiça. formada por juízes singulares que eram distribuídos nas categorias de ouvidores. juízes ordinários e juízes especiais. . A segunda instância . O crescimento das cidades e da população aumentou os conflitos. teremos assim: uma primeira instância.  Quanto a organização judiciária.

uma espécie de tribunal de apelação. com sede na Metrópole . era representado pela Casa da Suplicação. Composta por desembargadores . . de terceira e última instância. teremos também um conselho chamado Desembargo do Paço . Já o Tribunal de Justiça Superior . Além desses órgãos . agrupava os chamados Tribunais de Relação que apreciavam os recursos e embargos.

promoção e avaliação do . a designação . De igual modo. Que não tinha função específica de julgamento. cabiam-se a elaboração e correção da legislação . mas sim de assessoria para todos os assuntos de justiça e administração legal. embora causas de mérito especial que houvessem exaurido todos os outros meios de acordo pudessem ser levados até esse órgão.

porém seguiram sendo sempre instituições remotas para a maioria dos brasileiros.  Havia ainda as Juntas de Justiça – pequenos tribunais compostos pelo ouvidor de uma capitania e de dois letrados adjuntos . os Tribunais superiores ( Desembargo do Paço e a Casa da Suplicação ) foram transferidos para o Brasil. que .  Em 1808 . Desempenho de magistrados.

ter exercido a profissão por dois anos e ter sido selecionado através do exame de ingresso ao serviço público pelo Desembargo do Paço em Lisboa. Sua atividade profissional começava como . além da origem social.  Para ingressar na carreira da magistratura. era condição indispensável ser graduado na Universidade de Coimbra. sentenciavam em certos pontos do país.

prosseguindo como ouvidor de comarca e corregedor. “juiz de fora” . podendo ser designado tanto para a Metrópole quanto para as colônias. Somente após uma boa experiência na administração judiciária é que o magistrado era promovido a desembargador. . A designação da função de desembargador para o Tribunal da Relação resultava de nomeação do Rei.

a Inquisição teve atuação marcante na Colônia com as chamadas Visitação do Santo Ofício. cabe ressaltar que apesar de nunca ter havido um Tribunal no Brasil. tendo ocorrido um aumento considerável das perseguições . Agentes inquisitoriais foram enviados para o Brasil para investigar e prender os suspeitos de heresia . durante toda a época colonial. Por fim .

 inquisitoriais na primeira metade do século XVIII. .