You are on page 1of 24

A permanência do autoritarismo

K4 e a luta contra a ditadura

Trabalho realizado por:


Carlos Moreira
Carolina Vitorino
Catarina Duarte
Leandro Ribeiro
1
O difícil desenvolvimento
Em 1945, Portugal era um dos países menos desenvolvidos da Europa.

+ de ½ da população No sul do pais (onde O resto do país era


portuguesa, trabalhava no predominavam principalmente constituido principalmente
sector primário latifundios, a escassa por pequenos terrenos
(principalmente na maquinizaçao e o absentismo agriculas, chamados de
agricultura) o que revelava dos propriatários) mantinham pequenas propriedades que
o grande atraso na uma baixa produtividade. não eram muito produtivas.
economia.

Portugal importava grandes


quantidades de produtos
agricolas.
As exportações de matérias-primas e de alguns produtos industriais durante a guerra,
tinham permitido obter uma balança comercial positiva e acumular importantes capitais,
mas sem os insentivos monetários da politica salazarista a economia mantinha-se
2
estagnada.
 No inicio dos anos 50, alguns responsáveis governamentais passaram a defender que
o crescimento industrial era o verdadeiro motor de todo o sistema económico
nacional, por isso adoptaram um modelo de desenvolvimento que valorizava a
industrialização mesmo estando sobre a lei do condicionamento industrial.

 Para establecer as bases fundamentais da lei do condicionamento industrial, o


governo passou a defenir planos de fomento.

 Com os 1º planos surgiram novas industrias, em especial quimicas e metalúrgicas, o


Estado apostou no lançamento de um plano hidroelétrico nacional.

 Entre 1968 e 1973, aplicou-se o III plano de fomento que era caracterizado pela
concretização de gandes projectos .

3
Portugal pôs fim ao isolamento integrando-se num comercio europeu EFTA.

 A partir dos anos 60 aceitou-se a entrada de investimentos estrangeiros, e portugal


abriu-se ao turismo, tirando partido das excelentes condições naturais o que premitiu a
entrada de divisas estrangeiras.

4
A emigração

O crescimento económico que foi proporcionado pela industrializaçao não era suficiente
para reparar o atraso que o separava dos países mais desenvolvidos. O rendimento per
capita de 408 dólares ( o da Suécia era de 2740 dólares).

O atraso afectava sobretudo as populações rurais.

A produtividade agricola era baixissima. O campesinato deu origem a um excepcional


movimento migratório, quer para os principais centros urbanisticos quer para outros
paises estrangeiros.

Nos anos 60 as periferias de Lisboa e do Porto cresceram rapidamente e


desordenadamente, dando origem ao nascimento de verdadeiras cidades- satélite.
5
O maior sorvedouro da população rural portuguesa seria, porém a emigração para os
paises desenvolvidos.

Embora a emigração fosse uma constante de longa data, em 1960, ocoreu um grande
aumento na população portuguesa.

O grande destino deste surto migratorio era França ,o que levou muita gente a
chama-la de «A segunda cidade portuguesa».

6
Como consequencia deste surto de emigração a população portuguesa estagnou, pensa-se
que sairam de Portugal cerca de 1600000 habitantes, em especial do interior norte e centro.

Os beneficios dete surto foram:

As remessas
em divisas Receitas do
estrangeiras; turismo;

Isto
fez com que a
balança
comercial se
equilibra-se

7
Recusa da democratização

Portugal e Espanha foram dois paises que continuaram com regimes autoritários após
a 2º Guerra Mundial.

Em 1945 Salazar organizou eleições para a assembleia nacional, que prometia serem
«tão livres como as da livre Inglaterra», o problema e que não foram assim tão livres
como se pensava, porque havia muito poucas pessoas inscritas e os resultados eram
manipolados pelo governo.

O regime ditatorial fingia-se democrático só para efeitos de propaganda.

8
A grande
burguesia

O salazarismo
contava com o
poderoso apoio
de algumas
elites sociais

Oficiais
Maior parte do
superiores das
clero católico
forças armadas

9
O regime salazarista, o anticomunismo do estado novo não desagradava ás grandes
potências ocidentais.

No inicio da guerra fria, salazar recebia um apoio indiscreto por parte dos EUA e da
Inglaterra.

Portugal foi adimitido, em 1949, como pais fundador da NATO, em 1955, como
membro da ONU.

10
A manutenção do regime salazarista era feita pela censura e pela PIDE (policia
politica).

A censura vigiava sobretudo a imprensa, o cinema , o teatro, a rádio e a televisão,


eram proíbidas todas as criticas ao regime e aos governantes, bem como a difusão de
ideias conotadas com o socialismo e com os ideais democráticos.

A PIDE exercia uma vigilancia constante e uma represão violenta,todas as


manifestações populares eram proibidas, qualquer um que fosse preso pela PIDE e
acusado de actividades contra o estado era torturado e ficava muitos anos na prisão.

11
A oposição democrática

•Apesar da repressão, o salazarismo nunca deixou de ser contestado. A principal força politica
(PCP: partido comunista) era organizada, na clandestinidade e foi activa pela luta da liberdade,
assim como os democratas republicanos e os socialistas.

•Nas eleições de 1945, as forças politicas como a MUD (movimento de unidade democrática)
reclamaram a democratização do país, mas o MUD acabou por recomendar a abstenção dos
seus eleitores tendo a União Nacional elegendo todos os seus candidatos.

12
• A acção da MUD teve maior impacto sobre a opinião pública, mas Salazar
apercebeu-se disso e a PIDE persegui os opositores ao regime e o governo demitiu a
maior parte dos funcionários públicos que tinham apoiado a MUD.

•Um novo movimento de grande contestação contra o regime surgiu nas eleições
presidências de 1949. O candidato general Norton de Matos, foi forçado a desistir
depois de ter conseguido grande adesão popular.

13
•O maior sobressalto ao regime salazarista aconteceu com a candidatura do
general Humberto Delgado, à presidência da república em 1958.

• Humberto Delgado, um militar no activo, concentrou todas as forças


contrárias ao regime de Salazar e um enorme entusiasmo popular.

• Este general teria ganho as eleições se o governo de Salazar não tivesse


manipulado os resultados em favor do almirante Américo Tomás que se
manteve até 1974.

•Estas eleições provocaram um grande


abalo no regime, pouco tempo depois Salazar
acabou com a eleição directa ao presidente
da república, que passou a ser eleito por colégio
eleitoral, formado por elementos da Assembleia
Nacional e da Camara Corporativa.

14
•O general Delgado exilou-se no Brasil sendo assasinado em Espanha em 1965 pela
PIDE.

•A actuação da PIDE foi mais violenta e arbitrária o que revelou um endurecimento


do regime, cada vez mais ameaçado e contestado.

•Muitos intelectuais prestigiados opunham-se energicamente ao regime de Salazar,


querendo que o país se democratiza-se mas o regime respondia com exílio e prisão.

15
A questão colonial

•Depois da 2ª guerra mundial quase todas as colonias se tornaram independentes.


Portugal, nos meados dos anos 60, constituía uma excepção, possuindo um enorme
Império colonial.

•Este império muito extenso territorialmente, era constituído por regiões pouco
desenvolvidas, apesar de serem territorios ricos em matérias-primas. O próprio atraso
tecnológico e económico de Portugal não permitiu promover o desenvolvimento dessas
potencialidades.

16
•Até 1961 o estado dos indígenas não reconhecia a maior parte dos habitantes
africanos como cidadãos nacionais. Poucos eram os que conheciam a língua
portuguesa e depois de aprenderem português, saberem ler e escrever e serem
cristãos, obtinham o estatuto de assimilados e só depois a categoria de cidadãos
portugueses.

•Apenas 30 mil habitantes de Angola eram assimilados num total de 5 milhões de


habitantes numa população negra.

17
•Em 1955, quando Portugal se tornou membro da ONU, foi-lhe exigido que
concedesse a independência aos seus territórios utramarinos.

•O governo português recusou-se a descolonizar afirmando que Portugal é um


Estado Pluricontinental e Multirracial.

•As colónias foram designadas de províncias ultramarinas e todos os seus


habitantes foram declarados cidadãos portugueses.

•Esta decisão do governo português não


foi aceite internacionalmente, tendo a
Assembleia-Geral da ONU aprovado
sucessivas resoluções para Portugal
descolonizar. O governo português
ignorou sucessivamente a posição das
Nações Unidas, afirmando Salazar que os
portugueses preferiam estar
‘‘orgulhosamente sós’’.

18
•A intransigência do regime de Salazar levou a imensos conflitos nas colónias. Desde
1953 que a união indiana, exigia a entrega de territórios portugueses de Goa, Diu e
Damão.

•À recusa persistente de Salazar, levou á invasão daqueles territórios, em 1961, e a sua


anexação à força.

•A partir de 1961 iniciou-se a luta pelas independências das colónias africanas.

19
1963
Guiné
1961 Angola (PAIGC)
(MPLA; 1964
UNITA ; Moçambique
UPA/FNLA )
movimentos
defensores da
independência
que surgiram
no inicio dos
anos 60

20
•Salazar lutou pelas colonias e pouco a pouco Portugal viu-se envolvido numa longa
guerra colonial em 3 frentes (Angola, Moçambique, Guiné) que se prolongou ate
1974.

•Foi para Portugal um enorme esforço humano e económico sendo as perdas


humanas calculadas do lado português em cerca de 9000 mortos e mais de 15000
feridos.

21
O Marcelismo

•Em Setembro de 1968 Salazar adoeceu e foi substituído por Marcelo Caetano.
Inicialmente este governo deu aos portugueses a esperança de voltarem a viver em
liberdade uma vez que houve um abrandamento na actuação da censura e da P.I.D.E. e a
possibilidade de alguns exilados políticos regressarem ao país.

•A este período em que o Marcelo Caetano esteve no poder (1968 – 1974) chamou-se a
Primavera Marcelista que se caracterizou por um aligeiramento da censura, remoção de
instituições salazaristas, melhoramentos sociais e reformas no ensino. Contudo, as
reformas foram superficiais e cedo se perderam as ilusões de evolução do regime.

•A guerra colonial mantinha-se, recusava-se a liberdade de associação e a polícia politica


apenas mudara de nome passando a chamar-se Direcção-Geral de Segurança (D.G.S.).

22
O regime ditatorial caracterizava-se pelo reforço da industrialização e
da abertura ao investimento estrangeiro.

Maiores
realizações de
Marcelismo

Alargamento da Lançamento de
segurança social às uma reforma
populações rurais educativa

O declinio do regime conduziu um beco sem saída pois a guerra colonial


continuava por resolver.

23
Bibliografia e Webgrafia

• Manual de História de 9º ano, Parte 2 , Editora Lisboa, ISBN 978-972-680-716-2,


paginas 84 a 99.

•Imagens Google

24