P. 1
Caderno CIMI - PEC215

Caderno CIMI - PEC215

|Views: 3|Likes:
Published by Osni Dias Guarani

More info:

Published by: Osni Dias Guarani on Jul 04, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/23/2014

pdf

text

original

PEC 215

AMEAÇA AOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS, QUILOMBOLAS E MEIO AMBIENTE

.

Desta vez. desrespeitando o parecer anterior que dizia que o mesmo era ilegal . O que foi aprovado é muito grave. É fundamental conhecer o que desejam e o que propõem os deputados e porquê querem fazer dessa maneira. quem defendeu a proposta foi o Deputado Osmar Serraglio. ou seja. os novos deputados federais que integravam a CCJC (eleitos em outubro de 2010) aprovaram o projeto. O deputado pediu o arquivamento do projeto por entender que este seria incons tucional. chamada Comissão de Cons tuição e Jus ça e Cidadania da Câmara dos Deputados . Conhecendo se torna possível lutar com mais empenho contra a PEC e impedir que ela seja aprovada. do estado de Pernambuco. subs tuir o que prescreve a Cons tuição sobre a demarcação das terras indígenas. a PEC 215 foi apresentada a uma comissão de deputados. do estado do Paraná. do Par do do Movimento Democrá co Brasileiro— PMDB. No entanto. É uma ameaça aos povos indígenas e pode significar a paralisação total das demarcações das terras. De acordo com a CCJC. O deputado queria que as demarcações das Terras Indígenas ficassem sob a responsabilidade do Congresso Nacional. do Pardo dos Trabalhadores—PT. o fundamental é buscar sempre mais informações e conversar bastante na comunidade e nas reuniões da organização indígena. foi escolhido para dar um parecer. o deputado federal Almir Moraes de Sá. N APRESENTAÇÃO o ano 2000. O Deputado Luiz Couto. Esse caderno quer contribuir para ampliar este conhecimento. Ele . o projeto não fere a Cons tuição Federal e por isso pode ser votado por todos os deputados e senadores para daí sim.CCJC. mas.3 passou a ser chamado de PEC 215. No mês de maio de 2004. do estado de Roraima. do Par do da República—PR. dos deputados federais e senadores. em 23 de maio de 2011. apresentou um Projeto de Emenda à Cons tuição – PEC e recebeu o número 215. incons tucional.

. Parágrafo 4º As terras de que trata este ar go são inalienáveis. e os direitos sobre elas imprescri veis.. compe ndo à União demarcá-las.4 O Projeto de Emenda Cons tucional quer modificar o Ar go 49 e o Ar go 231 da Cons tuição Federal: O ar go 49 trata das competências exclusivas do Congresso Naci- onal. ficará assim: . Se a PEC 215 for aprovada.. 49: É da competência exclusiva do Congresso Nacional . 231 São reconhecidos aos índios (. O novo ar go proposto acrescentaria que uma das competências do Congresso Nacional será aprovar a demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. . atualmente é assim: Art. proteger e fazer respeitar todos os seus bens. indisponíveis e os direitos sobre elas imprescri veis. são inalienáveis e indisponíveis.. após a respec va demarcação aprovada ou ra ficada pelo Congresso Nacional.As terras de que trata este ar go. O Ar go 231 da Cons tuição Federal trata das Terras Indígenas. Ficaria assim: Art.) e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam. XVIII – Aprovar a demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios e ra ficar as demarcações já homologadas.

ou seja. acrescentando: § 8º. A PEC 215 diz que essa mudança será feita através de uma Lei Ordinária. NESSA MESMA PEC ELES INCLUÍRAM O PODER PARA DEMARCAR TERRAS DE QUILOMBOLAS E CRIAR UNIDADES DE CONSERVAÇÃO – PARQUES.5 Essa proposta faz outra alteração no Ar go 231. que define a forma como uma terra indígena é demarcada. Isso significa que também vai ser alterado o Decreto 1775 de 1996. RESERVAS FLORESTAIS E ESTAÇÕES ECOLÓGICAS. S DEPUTADOS NÃO QUEREM TER O DIREITO DE DEMARCAR SOMENTE TERRAS INDÍGENAS. os próprios deputados vão fazer a lei dizendo como se deve demarcar uma terra indígena. Os critérios e procedimentos de demarcação das Áreas Indígenas deverão ser regulamentados por lei. .

A demarcação compete ao execu vo—executar—a União. É como se fosse um objeto roubado de uma pessoa que vai ser devolvido. seja um parque florestal. A demarcação da TI é semelhante. Ela garan u direitos fundamentais. Porque os deputados iriam fazer negociações em cada demarcação. não importa o que exista sobre a área. Isso quer dizer que o direito dos povos indígenas sobre a terra já existe. ao provar que um lugar é tradicionalmente ocupado por uma comunidade indígena. basta provar que a terra pertence a um povo indígena para que a mesma seja devolvida. Além de não ter a função de legislar o Congresso Nacional não tem corpo técnico. seja uma propriedade par cular. A terra é demarcada a um povo e/ou comunidade indígena. que trata do direito originário. Isso quer dizer também que. etno-históricos. estes deixam de exis r e a terra é devolvida a comunidade ou povo indígena. por isso não jus fica a falácia de que todo Brasil poderá ser demarcado como Terra Indígena A . Todos sabemos que direitos não se negociam. dizer se uma terra pode ou não ser demarcada. A demarcação é apenas o reconhecimento desse direito. especialmente. ambientais e cartográficos necessário para reconhecer o direito indígena sobre as terras.6 A Cons tuição Federal de 1988 é uma importante conquista dos povos indígenas. ela é feita pelo governo – UNIÃO executada pela FUNAI. o direito às terras e ao uso delas pelos povos indígenas. que representa a UNIÃO. pessoas habilitadas para fazer estudos antropológicos. Por isso. Sobre o direito à terra. se cumprem. Ao demonstrar que aquele objeto pertenceu à pessoa. os deputados cabe fazer leis—legislar—e não executar. o mesmo será devolvido a ela. ele vem em primeiro lugar. a Cons tuição resgatou uma interpretação que já exis a desde 1680. Passar a responsabilidade da demarcação das terras aos deputados seria o mesmo que dizer que os indígenas não possuem o direito originário.

sendo colocados em prá ca. Como exemplo posi vo temos o reconhecimento da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho – OIT em 2003. eles dizem que os indígenas têm muita terra e que está na hora de parar as demarcações. Se os deputados têm tanto interesse em decidir sobre a demarcação das terras indígenas não é porque eles querem ajudar os povos indígenas. os direitos indígenas foram. esses deputados. fazendeiros e donos de empresas mineradoras começaram a se manifestar contra. lentamente. suas organizações e aliados e parceiros da sociedade brasileira impediram que seus direitos fossem reduzidos. empresas e. por outro veram poucas conquistas de novos direitos. são em grande número no Congresso Nacional. Na medida em que as demarcações avançavam. com muito luta e mobilização. . querem rever as terras já demarcadas. É exatamente o contrário. Como exemplo temos o novo Estatuto dos Povos Indígenas que connua paralisado na Câmara dos Deputados desde 1994. A questão é que esses grupos econômicos ajudaram a eleger muitos deputados e assim. irão defender os interesses dos fazendeiros e mineradoras contra os indígenas. Algumas poucas terras foram sendo demarcadas. Inclusive. foram crescendo as manifestações contrárias aos direitos indígenas. os povos indígenas. em troca. eles se unem e se ar culam para defender apenas seus interesses. Se por um lado a luta indígena impediu a redução dos direitos. especialmente.7 POR QUE OS DEPUTADOS QUEREM PARTICIPAR NA DEMARCAÇÃO DAS TERRAS? pós a aprovação da Cons tuição Federal em 05 de outubro de 1988. a chamada bancada ruralista. Desde 1988. Os deputados que defendem os fazendeiros ou que também são fazendeiros. Pessoas.

2—Se aprovada pelo Senado Federal a PEC é promulgada em sessão. a PEC está pronta para ser votada em plenário por todos os deputados federais.: Caso a PEC que saiu da Câmara sofra alteração no Senado. No Senado Federal. Esta comissão deve ser criada pelo presidente da Câmara dos Deputados. A Votação será em dois turnos (duas votações). Ou seja. com votação favorável mínima de 49 dos 81 senadores. pelas mesas da Câmara e do Senado e entra em vigor. o movimento indígena conseguiu impedir a criação dessa Comissão Especial. no mínimo. cinco dias. três quintos do número total de deputados da Câmara em cada turno da votação. para que se faça a redação final. Para ser aprovada precisa dos votos de. 1—Se a PEC for rejeitada pelo plenário da Câmara dos Deputados. com espaço de pelo menos cinco sessões entre um turno e outro. deverá voltar a Câmara dos Deputados . esta segue para uma Comissão Especial. OBS. dos 513 deputados. no Congresso. que abre prazo de cinco sessões para discussão e votação. 2—Ser a PEC for aprovada pela Câmara dos Deputados ela vai para o Senado Federal. aprovação de 308. O intervalo entre as votações é de. Se aprovada pela CCJ ela segue diretamente para o plenário. no mínimo. Aprovada a redação final na Comissão Especial. a PEC passa também pela Comissão de Cons tuição e Jus ça—CCJ. ela é arquivada. A aprovação também ocorrerá em dois turnos. 1—Se rejeitada pelo Senado Federal a PEC é mandada para o arquivo e não poderá mais ser apresentada na mesma Legislatura. Até o momento.8 C om a aprovação da PEC na CCJC.

de amigos e aliados para que engajem nessa luta em defesa dos direitos dos povos indígenas. Organizar protestos e mobilizações. Manter presença permanente no Congresso Nacional—transformar o Congresso Nacional numa grande aldeia— conversar com todos os deputados e senadores. Organizar manifestações em conjunto com Quilombolas e ambientalistas.9 IMPORTANTE: No caso de Projeto de Emenda Constitucional não pode haver veto presidencial. telefonar. é preciso conhecer profundamente essa proposta. Enviar mensagens—cartas. uma vez que a PEC também afeta os direitos desses setores. E m primeiro lugar. mandar mensagem no celular— aos deputados federais solicitando votar contra a PEC. e-mail. O veto presidencial só ocorre quando se tratar de um Projeto de Lei. . saber exatamente as consequências nega vas para os povos indígenas. Buscar apoio da sociedade. entre os povos indígenas e também com outros movimentos sociais afins e apoiadores.

br dep.br dep.br dep.br . SÉRGIO DE OLIVEIRA ROSANE FERREIRA SANDRO ALEX TAKAYAMA ZECA DIRCEU PARTIDO DEM PTB PSDB PT PMDB PT PP PP PT PSC PSD PEN PR PMDB PMDB PSB PSDB PP PSC PMDB PRB PMDB PSC PV PPS PSC PT EMAIL dep.leopoldomeyer@camara.gov.nelsonmeurer@camara.luiznishimori@camara.cidaborghe @camara.giacobo@camara.hermesparcianello@camara.andrezacharow@camara.osmarserraglio@camara.br dep.andrevargas@camara.br dep.gov.gov.br dep.alexcanziani@camara.br dep.gov.br dep. ROSINHA EDMAR ARRUDA EDUARDO SCIARRA FERNANDO FRANCISCHINI GIACOBO HERMES PARCIANELLO JOÃO ARRUDA LEOPOLDO MEYER LUIZ NISHIMORI NELSON MEURER NELSON PADOVANI ODÍLIO BALBINOTTI OLIVEIRA FILHO OSMAR SERRAGLIO PROF.br dep.assisdocouto@camara.gov.oliveirafilho@camara.gov.gov.takayama@camara.gov.br dep.gov.br dep.gov.br dep.br dep.br dep.br dep.abelardolupion@camara.odiliobalbino @camara.eduardosciarra@camara.dilceusperafico@camara.gov.edmararruda@camara.gov.gov.br dep.rosaneferreira@camara.gov.br dep.br dep.gov.gov.gov.gov.gov.br dep.gov.fernandofrancischini@ camara.gov.gov.nelsonpadovani@camara.gov.10 DEPUTADOS FEDERAIS— ESTADO DO PARANÁ DEPUTADOS ABELARDO LUPION ALEX CANZIANI ALFREDO KAEFER ANDRE VARGAS ANDRÉ ZACHAROW ASSIS DO COUTO CIDA BORGHETTI DILCEU SPERAFICO DR.joaoarruda@camara.professorsergiodeoliveira@ camara.br dep.zecadirceu@camara.br dep.gov.gov.br dep.br dep.gov.rosinha@camara.alfredokaefer@camara.sandroalex@camara.gov.dr.br dep.br dep.br dep.

gov.fernandomarroni@camara.gov.b dep.gov.br . dep.HINTERHOLZ ELISEU PADILHA ENIO BACCI FERNANDO MARRONI GIOVANI CHERINI HENRIQUE FONTANA JERÔNIMO GOERGEN JOSÉ OTÁVIO GERMANO JOSE STÉDILE LUIS CARLOS HEINZE MANUELA D'ÁVILA MARCO MAIA MARCON NELSON MARCHEZAN JR.gov.br dep.afonsohamm@camara.marcon@camara. ONYX LORENZONI OSMAR TERRA PAULO FERREIRA PAULO PIMENTA RENATO MOLLING RONALDO NOGUEIRA RUBENS BUENO RONALDO ZULKE SÉRGIO MORAES VIEIRA DA CUNHA VILSON COVATTI PARTIDO PP PMDB PSB PCdoB PSB PT PMDB PSD PMDB PDT PT PDT PT PP PP PSB PP PCdoB PT PT PSDB DEM PMDB PT PT PP PTB PPS PT PTB PDT PP EMAIL dep.br dep.darcisioperondi@camara.gov.bohngass@camara.gov.br dep. dep.giovanicherini@camara.br dep.gov.gov.ronaldonogueira@camara.jeronimogoergen@camara.sergiomoraes@camara.osmarterra@camara.gov.paulopimenta@camara.assismelo@camara.br dep.br dep.gov.gov.br dep.br dep.alceumoreira@camara.br dep.nelsonmarchezanjunior@camara.11 RELAÇÃO DOS DEPUTADOS FEDERAIS— ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPUTADO AFONSO HAMM ALCEU MOREIRA ALEXANDRE ROSO ASSIS MELO BETO ALBUQUERQUE BOHN GASS DARCÍSIO PERONDI DANRLEI D.betoalbuquerque@camara.gov.marcomaia@camara.gov.br dep.gov.br dep.br dep.gov.gov.br dep.gov.br dep.gov.gov.br dep.gov.eniobacci@camara.gov.joseotaviogermano@camara.br dep.eliseupadilha@camara.alexandreroso@camara.gov.gov.br dep.gov.onyxlorenzoni@camara.br dep.br dep.br dep.manueladavila@camara.rubensbueno@camara.gov.br dep.gov.gov.vieiradacunha@camara.gov.br dep.danrleidedeushinterholz@camara.gov.br dep.br dep.br dep.renatomolling@camara.gov.ronaldozulke@camara.br dep.br dep.vilsoncova @camara.gov.gov.henriquefontana@camara.pauloferreira@camara.luiscarlosheinze@camara.josestedile@camara.br dep.

gov.gov.gov.carmenzano o@camara.esperidiaoamin@camara.gov.br dep.br dep.onofresantoagos ni@camara.br dep.gov.marcotebaldi@camara.br dep.br dep.gov.gov.gov.br dep.br dep.celsomaldaner@camara.mauromariani@camara.deciolima@camara.ronaldobenedet@camara.gov.br dep.jorgeboeira@camara.b dep.edinhobez@camara.gov.br .br dep.gov.gov.valdircola o@camara.br dep.12 RELAÇÃO DOS DEPUTADOS FEDERAIS— ESTADO DE SANTA CATARINA DEPUTADO CARMEN ZANOTTO CELSO MALDANER DÉCIO LIMA EDINHO BEZ ESPERIDIÃO AMIN JOÃO PIZZOLATTI JORGE BOEIRA JORGINHO MELLO LUCI CHOINACKI MARCO TEBALDI MAURO MARIANI ONOFRE SANTO AGOSTIN PEDRO UCZAI ROGÉRIO PENINHA MENDONÇA RONALDO BENEDET VALDIR COLATTO PARTIDO PPS PMDB PT PMDB PP PP PSD PR PT PSDB PMDB PSD PT PMDB PMDB PMDB EMAIL dep.pedrouczai@camara.gov.br dep.rogeriopeninhamendonca@ camara.br dep.gov.jorginhomello@camara.br dep.gov.gov.br dep.lucichoinacki@camara.joaopizzola @camara.

231 da Cons tuição Federal. Essa xo a relação propostas apresentas que foram juntadas PEC 2015.13 RELAÇÃO DAS 11 PROPOSIÇÕES LEGISLATIVA QUE FORAM ACRESCENTADAS NA PEC 215 Vários outros deputados deputados também também haviam haviam apresentado apresentadopropostas propostasde de Vários outros Emenda Emenda a a Cons Cons tuição tuição para para reduzir reduzir os os direitos direitos indígenas. relação demonstra o quanto há deputados contrários aos direitos indígenas. PEC 319/2004 Autor: Zequinha Marinho—PSC/PA Ementa: Dá nova redação ao art. 231 da Cons tuição Federal e dá nova redação ao § 7º (renumerado) do mesmo ar go. Explicação da Ementa: Preserva os direitos do pequeno produtor rural que ocupe terras indígenas e que detenha tulos havidos e benfeitorias erigidas. submetendo ao Congresso Nacional a demarcação de terras indígenas. PEC 156/2003 Autor: Odacir Zonta -PP/SC Ementa: Acrescenta um parágrafo ao art. indígenas. 231 da Cons tuição Federal. caput. submetendo a demarcação de terras indígenas à aprovação do Congresso Nacional. PEC 275/2004 Autor: Lindberg Farias—PT/RJ Ementa: Dá nova redação aos arts. da Cons tuição Federal. XVI e 231. Segue Segue abaixo abaia relação de de propostas apresentas que foram juntadas nana PEC 215. 49. Explicação da Ementa: Dispõe que a demarcação das terras indígenas deverá ser subme da à aprovação do Congresso Nacional. PEC 579/2002 Autor: Ricarte de Freitas—PSDB/MT Ementa: Dá nova redação ao parágrafo 1º do Ar go 231 da Cons tuição Federal. devendo a demarcação de terras indígenas ser subme da à audiência das Assembleias Legisla vas dos Estados em cujos territórios incidam. PEC 257/2004 Autor: Carlos Souza—PL/AM Ementa: Dá nova redação ao § 1º art. .

PEC 415/2009 Autor: Gervásio Silva—PSDB/SC Ementa: Dá nova redação ao § 4º do art. 225 da Cons tuição Federal. Altera a Cons tuição Federal de 1988. caput. e art. Explicação da Ementa: Estabelece que a criação de espaços territoriais a serem especialmente protegidos. da Cons tuição Federal. 231. submetendo ao Congresso Nacional a demarcação de terras indígenas. . 68 do Ato das Disposições Cons tucionais Transitórias. a demarcação de terras indígenas e o reconhecimento das áreas remanescentes das comunidades dos quilombos deverão ser feitos por lei. 231. Explicação da Ementa: Determina que as unidades de conservação da natureza sejam criadas por lei federal. Explicação da Ementa: Estabelece a competência do Execu vo para inicia va de lei sobre demarcação de terras indígenas. desde que as terras estejam em processo de demarcação li giosa. da Cons tuição Federal. PEC 117/2007 Autor: Édio Lopes— PMDB/RR Ementa: Dá nova redação ao Art. PEC 161/2007 Autor: Celso Maldaner—PMDB/SC Ementa: Altera o inciso III do art. Explicação da Ementa: Autoriza a permuta de terras tradicionalmente ocupadas pelos índios por outras áreas de idên co tamanho. PEC 411/2009 Autor: Abelardo Lupion—DEM/PR Ementa: Acrescenta § 8º ao art. não possuam ocupação regular de índios e haja solicitação das comunidades silvícolas envolvidas. 231 da Cons tuição Federal. Explicação da Ementa: Estabelece a competência da União para demarcar as terras indígenas através de lei. 231 da Cons tuição Federal. PEC 291/2008 Autor: Ernandes Amorim—PTB/RO Ementa: Altera o inciso III do § 1º do art. 231.14 PEC 37/2007 Autor: Eliene Lima—PP/MT Ementa: Dá nova redação ao art. 225 e o § 4º do art.

floripa@terra.Fax: 49-33247555 E-mail: cimisulcoordena@desbrava.SC .Equipe Florianópolis Telefone: 48 3233 5866 E-mail: cimisul.com. ORGANIZAÇÃO APOIO Conselho Indigenista Missionário Cáritas Brasileira Fundo Nacional de Solidariedade . Brighen e Osmarina de Oliveira Diagramação eletrônica: Osmarina de Oliveira Imagens: Arte do povo Guarani Ano: Março de 2013.br Tiragem: 1000 exemplares Esse caderno não pode ser vendido. distribuição gratuita.15 CRÉDITOS Esse caderno é um trabalho do Conselho Indigenista Missionário Regional Sul – Equipe Florianópolis Textos: Clovis A.89801-971 Telefone: 49-33247555 .br Cimi Sul. Contato: Cimi Sul Rua São João 106 D Caixa Postal 601 Chapecó .com.

Jeci Makuxi. da TI Raposa Serra do Sol (RR) . Sofremos e vamos sofrer mais com essa PEC. Volto para Roraima para mobilizar o meu povo”.16 “Esse é um crime para nós.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->