P. 1
BIBLIOGRAFIA SOBRE POLÍTICAS CULTURAIS NO BRASIL

BIBLIOGRAFIA SOBRE POLÍTICAS CULTURAIS NO BRASIL

|Views: 21|Likes:
Published by Gil Vicente

More info:

Published by: Gil Vicente on Jul 28, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/16/2014

pdf

text

original

1 BIBLIOGRAFIA SOBRE POLÍTICAS CULTURAIS NO BRASIL Organizada por: Antonio Albino Canelas Rubim Atualizada em 06 de março de 2006 APRESENTAÇÃO

Organizar e dar visibilidade à bibliografia existente acerca das Políticas Culturais no Brasil é o objetivo deste trabalho. Ele foi realizado originalmente como parte de um projeto de pesquisa intitulado Mapa Analítico dos Estudos de Políticas Culturais no Brasil, cuja primeira etapa aconteceu de março de 2003 a fevereiro de 2004. Uma segunda etapa foi desenvolvida desde março de 2004. Em 2005 uma primeira versão da bibliografia foi então organizada e utilizada em dois cursos sobre Políticas Culturais no Brasil: um acontecido no Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (PÓSCULTURA – www.poscultura.ufba.br) e outro voltado para a graduação em Comunicação (habilitações de Produção em Cultura e Comunicação e de Jornalismo). Para 2006, o Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura CULT resolveu que seu site (www.cult.ufba.br) passaria a hospedar bibliografias em temas culturais, visando estimular a pesquisa na área da cultura e prestar um serviço aos pesquisadores, ao disponibilizar levantamentos sistemáticos e ao divulgar trabalhos realizados. A bibliografia sobre Políticas Culturais no Brasil é a primeira destas bibliografias que devem habitar o site do CULT e ser difundidas pela Rede de Estudos em Cultura – REDECULT. A confecção desta versão inicial da bibliografia, agora disponibilizada, foi marcada por algumas dificuldades, apesar de todo o esforço e dedicação empreendidos. A maior delas foi, sem dúvida, a dispersão dos estudos em diferentes áreas de conhecimento, dada a configuração eminentemente multidisciplinar do tema das políticas culturais. Em conseqüência disto, cabe reconhecer o caráter ainda inconcluso e, mais que isto, processual do produto disponibilizado. Assim, torna-se necessário esclarecer que esta bibliografia encontra-se em construção, por conseguinte, aberta a novas contribuições de pesquisadores. Tais colaborações, muito bem aceitas, devem ser enviadas, sob a forma de novas indicações bibliográficas, para Antonio Albino Canelas Rubim e Taiane Fernandes (cult@ufba.br).

2

BIBLIOGRAFIA ABDANUR, Elizabeth França. Os “Ilustrados” e a política cultural em São Paulo. O Departamento de Cultura na Gestão Mário de Andrade (1935-1938). Campinas, UNICAMP (História), 1992 (dissertação de mestrado). ABREU, Regina e CHAGAS, Mário (orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro, FAPERJ / DP&A / UNI-RIO, 2003. ABREU, Ricardo Cravo. O Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro. In: LEITÃO, Cláudia (org.) Gestão cultural: significados e dilemas na contemporaneidade. Fortaleza, Banco do Nordeste do Brasil, 2003, p. 195211. ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. A invenção do Nordeste e outras artes . Recife, Massangana, São Paulo, Cortez, 1999. ALONSO, Arlete de Lourdes. Marketing cultural. Um estudo sobre a produção cultural a partir das leis de incentivo em uma sociedade de mercado . São Paulo, Escola de Comunicação e Artes da USP, 2002 (dissertação de mestrado). ALMEIDA, Candido J. M. de. A arte é capital. Visão aplicada do marketing cultural. Rio de Janeiro, Rocco, 1993. ALMEIDA, Candido J. M. de e DA-RIN, Sílvio (orgs.). Marketing cultural ao vivo. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1992. ALMEIDA, Maria Christina Barbosa de. A construção do sonho: implantação e desenvolvimento do sistema de bibliotecas públicas do Estado de São Paulo – 1983-1986. São Paulo, Escola de Comunicações e Artes da USP, 1989 (dissertação de mestrado) ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Bibliotecas populares: características e confrontos. São Paulo, Escola de Comunicações e Artes da USP, 1992 (dissertação de mestrado) ALVES, Gilberto da Silva. Pesquisa de consumo de bens culturais: desenvolvimento de um modelo. São Paulo, Escola de Comunicações e Artes da USP, 1993 (tese de doutorado) ALVES, Luiz Roberto. Culturas do trabalho. Comunicação para a cidadania . Santo André, Alpharrabio, 1999. ALVES, Luiz Roberto. Cultura e ação cultural: transversalidade em busca de superar o Macunaíma. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT . Salvador, Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa

BARBALHO. Brasília. Cultura e política. BARBALHO. Escola de Comunicações e Artes da USP. 1984. BARBALHO. ASHTON. Revista PréTextos para Discussão. Mary Sandra Guerra (org. 1991 (publicação do Senador Darcy Ribeiro). 1987 – 1998) . Brasiliense. In: BARREIRA. 2000. p. O Estado pós-64: intervenção planejada na cultura. BARBALHO. Alexandre. ALVIM. São Paulo. AMÂNCIO. Theresa Cesário e outros. Adriana Facina Gurgel do. Políticas de cultura. 1997 (dissertação de mestrado) AMARAL. Artes e manhas da Embrafilme. Estudo comparativo e perfil do agente cultural no Brasil e no México . cultura nacional. 19. Cinema estatal brasileiro na sua época de ouro (1977-1981). 77-98. 1999. VI (11): 55-68.) Turismo: sinais de cultura. VIEIRA. Tunico. 14 e 15 de abril de 2005. São Paulo. Salvador. BARBALHO. In: Carta. 2004 (Tese de doutorado).) Produzindo o passado. Alexandre. Artífices da reconciliação. A modernização da cultura. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Alexandre. Intelectuais e vida pública no pensamento de Mário de Andrade. Relações entre Estado e cultura no Brasil . Sulamita (orgs). Dois momentos paradigmáticos. 2001. João Pessoa. Estado nacional. Editora FEEVALE. Tecidos do cotidiano brasileiro. n. . 1993 (tese de doutorado) ARANTES. Rio de Janeiro. Marília Gomes dos Reis. Irlys. 1999. UFC. (15): 63-78. 2001. Porto Alegre.3 Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. 1998. 71-82. Editora UNIJUÍ. Política de desenvolvimento da esfera de lazer cultural: estudo de caso no Centro Cultural Jabaquara . Antonio Augusto (org. AMARAL. ANSARAH. Salvador. Políticas para o audiovisual nos Governos das Mudanças (Ceará. p. Marília Gomes dos Reis. políticas de identidade. 1981 (mimeografado). MEC. EdUFF. Estado autoritário brasileiro e cultura nacional: Entre a tradição e a modernidade. In: Política e Trabalho. São Paulo. Rio de Janeiro. Márcio Tavares d’. 1980 (dissertação de mestrado) ANSARAH. Senado Federal. Escola de Comunicações e Artes da USP. Novo Hamburgo. Os intelectuais e o golpe (entrevista). 2000. Alexandre. BARBALHO. Ijuí. Niterói. Universidade Federal da Bahia (Comunicação) . Sociedade brasileira e política cultural. Fortaleza. Departamento de História da PUC. Alexandre. Alexandre.

Maria Helena Toledo Costa de. IPHAN. Massangana / Fundação Joaquim Nabuco. BARBOSA. CPC-UNE. 2003. . BOLOGNESI. Marcelo e ROLLAND. Helena. Mário de Andrade hoje. BENI. BERRIEL.). RIDENTI. O patrimônio de Mário de Andrade. Laan Mendes de. São Paulo. Escola de Comunicações e Artes da USP. Política cultural: uma experiência em questão – São Bernardo do Campo. São Paulo. Mário Fernando. Maria do Rosário Negreiros e BIZERRA. Política cultural. 2004 (Tese de doutoramento) BASTOS. Linda (org. p. 1995. Elide Rugai. Papirus. Roberto. Os intelectuais e o Departamento de Cultura de São Paulo .. 1994. O espelho da nação: a cultura como objeto de política no governo Fernando Henrique Cardoso. Escola de Comunicações e Artes da USP. Nova Fronteira. 33-52. Rio de Janeiro. Consumo da canção de consumo: uma análise dos processos de recepção da canção popular brasileira por jovens universitários. Idéias e conceitos. 2004. BARBATO JR. Centro Popular de Cultura da UNE . Helena. Ensaio. 2003.) Organização e produção da cultura. Escola de Comunicações e Artes da USP. Manoel T. São Paulo. BARROS. 1984. 1994 (tese de doutorado) BASTOS. p. Mônica Rugai. São Paulo. 1989-1992 .4 BARBALHO. 1990. Alexandre. Maria da Conceição (orgs. Salvador. BARCELOS. In: CHUVA. Jalusa. São Paulo. In: RUBIM. 1983 (dissertação de mestrado) BERLINK. Uma história de paixão e consciência . Lúcia Machado. A invenção do patrimônio. São Paulo.). Denis (orgs. Recife. 1996 (tese de doutorado) BOMENY. Campinas. BARROS. 2002. BOMENY. 2005. Carlos Eduardo Ornelas (org.). Reconstituição da memória da festa de São Vito de Mártir na cidade de São Paulo: do culto religioso familial ao programa de animação da cidade. Márcia (org. 1995 (tese de doutorado) BARROS. EDUFBA. Leitura de adolescente: uma interpretação pelas bibliotecas públicas do Estado de São Paulo . Missionários de uma utopia nacional-popular. São Paulo. Annablume / Fapesp. Cortez. Jorge Zahar Editores. Os intelectuais da cultura . Rio de Janeiro. 11-26.) Ação cultural. Sônia Maria Alves. Intelectuais: sociedade e política (Brasil – França). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo. Escola de Comunicações e Artes da USP. Rio de Janeiro.

São Paulo. São Paulo. p. Dimensões da cultura e políticas públicas. 2005. São Paulo. Marta. São Paulo. Isaura.208-217. Editoras universitárias no Brasil: uma crítica para reformulação da prática. CAMPOS. Porto Alegre. Normas básicas da atividade cultural. Leonardo (org.9-21. 1997. Rio de Janeiro. Antonio e outros. In: São Paulo em Perspectiva. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT. Fortaleza. O caso Nordeste. Isaura. BOTELHO. BUFREM. O uso do tempo livre e as práticas culturais na Região Metropolitana de São Paulo. Edições Casa de Rui Barbosa. Escola de Comunicações e Artes da USP. Ática.). Alfredo. Lia (org. Civilização Brasileira. Artur e CUNHA FILHO. Rio de Janeiro. São Paulo. 2001. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. Dinâmica do folclore. Humberto. Política cultural no Brasil: um histórico. In: CALABRE. Romance de formação: FUNARTE e política cultural 19761990. . Quártica. Fernando (orgs. Fortaleza. Celso e SCHÜLER. Isaura. 1992. os artistas. BRUNO. BRANDT. abril / junho de 2001. Alfredo (org. Rio de Janeiro.) Políticas culturais: diálogo indispensável. 14 e 15 de abril de 2005. Banco do Nordeste. São Paulo. Maria das Graças Conde. São Paulo. O latifúndio do ar (mídia e poder na Nova República). 2003. 2002. Edison. Leilah Santiago. Casa de Rui Barbosa. Política cultural. 1991 (tese de doutorado) CALABRE. 15(2): 73-83.5 BOSI. 1992. Isaura e FIORE. CALDAS. Manole. BOTELHO. 1995 (tese de doutorado) CALLONI. Escola de Comunicações e Artes da USP. CANDIDO. CARNEIRO. Por artes da memória: a crônica de uma instituição – Funarte. 1986. p. Colonialismo cultural interno. BRANT. 1965. Lia. Secretaria Municipal de Cultura. Salvador.) Cultura brasileira. Escrituras. Maurício. Com a palavra. A educação e a cultura nas constituições brasileiras. 1996 (tese de doutorado) BOTELHO. INESP. Mercado cultural. Escola de Comunicações e Artes da USP. Leonardo. 1998. Temas e situações . Rio de Janeiro. BOTELHO.) Políticas culturais. In: BOSI.

Renovar. CHAUÍ. . In: LAMOUNIER. p. Salvador. Conformismo e resistência. Cortez. Mito fundador e sociedade autoritária . Mário (orgs. Petrópolis. São Paulo. São Paulo. Débora. Marilena. 2000. CHAUI. Políticas culturais em Salvador: Gestão Lídice da Mata (1993-1996). 2003. Escola de Comunicações e Artes da USP. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. São Paulo. 1991 (dissertação de mestrado) CHAGAS. 14 e 15 de abril de 2005. Roberto. Mário. 4. Rio de Janeiro. Seminários. CENNI. A ótica museológica de Mário de Andrade. Mário. novembro – dezembro de 1994. Marilena. Rio de Janeiro. São Paulo. cultura política – reflexões sobre a política governamental na cidade de São Paulo – 1989/1992. FAPERJ / DP&A / UNI-RIO. 2002. Cultura e democracia. 88 (6): 69-82. 1989. UNICAMP (Educação). Rubens (orgs. São Paulo. UNI-RIO (Memória Social e Documento). O nacional e o popular na cultura brasileira . Regina e CHAGAS. Aspectos da cultura popular no Brasil. 1987 (dissertação de mestrado). Política cultural: reflexão sobre a separação entre educação e a cultura no Brasil . In: ABREU. Secção memória: política cultural. Brasiliense. CHAGAS. 1997 (dissertação de mestrado). CASTELLO.6 CARVALHO. 95-108. S. Marilena. CHAUÍ. R. Estado na preservação de bens culturais. In: Revista de Cultura Vozes. 1991. CHAUI. 627-656.). Marilena. Fundação Perseu Abramo. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT. CASTRO. CHAUI. Marilena. Sérgio Eduardo Montes. Campinas. Brasil. Cultura.) A Era FHC: um balanço. Três centros culturais da cidade de São Paulo . José. Ana Paula e ALCÂNTARA. 1983. O pai de Macunaíma e o patrimônio espiritual. Há uma gota de sangue em cada museu. ed. São Paulo. Rio de Janeiro. Bolívar e FIGUEIREDO. Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. CASTANHO. Cultura. Brasiliense. 1986. p.

Políticas de ação cultural . A invenção do patrimônio. integração supranacional. 2001. Global. Lelia e MOSTAÇO. Rio de Janeiro. São Paulo. Teixeira. 2000. 117-142. CANDIDO. (19): 06-15. Brasília. Da política cultural à cultura política. Inúbia. Do marketing ao desenvolvimento cultural. COELHO. Cultura e Desporto . 1997. Teixeira. Adriana Teixeira da. Carlos Nelson. 2000. Ciclo de debates do Teatro Casa Grande. Rio de Janeiro. Usos da cultura. Turismo cultural e comunicação interpretativa: contribuição para uma proposta brasileira . In: Revista USP. São Paulo. p. Flávia Roberta. Iluminuras. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. Teixeira. O intelectual brasileiro: dogmatismos e outras confusões . PUC (História Social). Fátima Maria Dantas. Para não ser alternativo no próprio país. Antonio. Cultura e sociedade na Brasil. 1976. Teixeira. IPHAN. 1992 (dissertação de mestrado) COSTA. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo. COSTA. CFC. Escola de Comunicações e Artes da USP. Rio de Janeiro. 1984. COSTA. Mercado Aberto / Fundação Wilson Pinheiro. Belo Horizonte. .). Ler (n)a cidade: políticas de popularização da leitura em São Paulo (1935-1938) . Rio de Janeiro. 1986. COELHO. 2004. Rio de Janeiro. Indústria das imagens. DP&A. COELHO. CHUVA. In: ___. 1995. Coletânea de textos da I Conferência Nacional de Educação. Desafios para o século XXI. Produção universitária do livro: cultura de elite ou indústria cultural? São Paulo. ABRAMO. São Paulo. Márcia (org. 1978. Edélcio.7 CHAUÍ. Câmara dos Deputados. Teixeira. Guerras culturais. 1993. política cultural. CORRÊA. COELHO. COELHO. São Paulo. Aspectos da política cultural brasileira. 1997 (dissertação de mestrado). CONSELHO FEDERAL DE CULTURA. COLEÇÃO OPINIÃO. Paz e Terra. Marilena. Política cultural. CULTURA E DESPORTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. Escola de Comunicações e Artes da USP. Marcos Barreto. São Paulo. Porto Alegre. 1976. 2001 (dissertação de mestrado) COUTINHO. Fapesp / Iluminuras.

São Paulo. Maria Helena Melo da. 1982. Pedro. 2000. Pedro. 1997 (dissertação de mestrado) DÓRIA. 2004. p. In: LEITÃO. Brasília Jurídica. Cultura como objeto de políticas públicas. Carlos Alberto. Francisco Humberto. Biruta. Mário de Andrade por ele mesmo . São Paulo. 180-209.) Gestão cultural: significados e dilemas na contemporaneidade. Canção popular: propaganda ideológica e a Era Vargas. . 1985. Artes plásticas. Escola de Comunicações e Artes da USP. Recife. Dimensão cultural da política social. Francisco Humberto. CUNHA. Políticas culturais e processo político brasileiro. Patrimônio cultural: proteção legal e constitucional. Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. In: São Paulo em Perspectiva. Carlos Eduardo de Moraes. DASSIN. Direitos culturais como direitos fundamentais no ordenamento jurídico brasileiro . Rio de Janeiro. ESTEVAM. 105114. Cláudia (org. Os princípios constitucionais culturais. Paulo. Letra Legal.8 CUNHA. 1985. 2003. Tempo Brasileiro. Teoria e prática da gestão cultural. Gestão cultural: profissão em formação. DURAND. Belo Horizonte. Brasília. Intelectuais e vivaldinos. CUNHA FILHO. Política e poesia em Mário de Andrade . 1963. 1982. 2005. Unifor. Perspectiva. Porto Alegre. DEMO. Rio de Janeiro. 1855/1985. Anamaria. São Paulo. José Marques de (org. José Carlos. Almed. Fortaleza. A questão da cultura popular . CUNHA FILHO. Fortaleza. Massangana. Arte. 2002. Banco do Nordeste do Brasil. José Carlos. Francisco Humberto. In: MELO. Joan. Danilo Fontenele Sampaio. Comunicação e transição democrática .). Mercado Aberto. DIAS. Hucitec / Secretaria Municipal de Cultura. Os federais da cultura. Carlos. DUARTE. 1989. Cultura e democratização na Constituição Federal de 1988. 2003. 15(2): 66-72. p. São Paulo. privilégio e distinção. CUNHA FILHO. São Paulo. Rio de Janeiro. arquitetura e classe dirigente no Brasil. abril / junho de 2001. CUNHA FILHO. DURAND. Francisco Humberto. A representação de interesses e sua aplicação ao Programa de apoio à Cultura. 2004. Duas Cidades. DEMO. Da crítica acrítica. São Paulo. São Paulo. Letra Legal. FADUL. 1978.

2001. In: Pólis. Hamilton e FERRON. Hamilton. 1993. São Paulo. FARIA. In: Pólis. Cultura e governança: um olhar transversal de futuro para o município. FARIA. (28): 01115. São Paulo. 2005.26-31. Fernanda (orgs. Escola de Comunicações e Artes da USP. São Paulo. Valmir de (orgs). São Paulo. FARIA. Projeto cultural para um governo sustentável. Sergio (org. In: MICELI. FARIA. FERNANDES. 1983. Francisco (orgs. Altair José e VERSOLATO. (48):1-122.) Estado e cultura no Brasil. 1997.147-168. 2001 (Cadernos Polis n º 3). Martin Cezar. Boitempo.) Você quer um bom conselho? Conselhos Municipais de Cultura e Cidadania Cultural. São Paulo. Brasiliense. O revolucionário cordial. Hamilton e SOUZA. Hucitec. 1978. Joaquim Arruda. Experiências de gestão cultural democrática. Altair. 2003. 2003 (Cadernos Polis n º6).) Cidadania cultural em São Paulo 1989-1992. p. Polis. Instituto Polis. São Paulo. 2004 (número especial: Territórios urbanos e políticas culturais). 2005. MOREIRA.) Cadernos PPG-FAUFBA.9 FALCÃO. São Paulo. Leituras de uma política pública. Sônia (orgs. Valmir de (orgs. São Paulo. FARIA. 2003 (Cadernos Polis n º7). Martin Cezar. São Paulo. Política cultural e democracia: a preservação do patrimônio histórico e artístico nacional. Hamilton e GARCIA. Florestan. In: Pólis. São Paulo. Hamilton. FERNANDES. Ivete Pieruccini. PPG-FAUFBA. número especial para o Fórum Social Mundial. . Salvador. FEIJÓ. O folclore em questão. FARIA. Difel. Valmir de (orgs. Agenda cultural para o Brasil no presente . Astrogildo Pereira e as origens de uma política cultural. FARIA. 1994. (12): 01-107.) Laboratório de desenvolvimento cultural. FARIA. O que é política cultural. São Paulo. 21-40. Paola Berenstein (orgs. Hamilton e MOREIRA. In: Pólis. p. p. Pedro. 1984. Pólis. São Paulo.) Cartas de cultura. Hamilton e OLIVEIRA. In: ___. São Paulo. Arte e identidade cultural na construção de um mundo solidário. In: Pólis. (17): 01-131. Pólis. 1999 (dissertação de mestrado) FEIJÓ. Estação Memória: lembrar como projeto – Contribuição ao estudo da mediação cultural . Hamilton e SOUZA. Mário de Andrade e o folclore brasileiro. Hamilton e SOUZA.). FARIA. São Paulo. Ana e JACQUES. FARIA.

Universidade Federal do Ceará (Direito). Juca. São Paulo. São Paulo. Jaime (orgs. 1(2): . Sete teses para a cultura brasileira. 1983 (dissertação de mestrado) FERREIRA. . Arte e cidade: perspectivas estáticas. Encontro Nacional de Política Cultural. ANCINAV: omissão ou missão? In: Teoria e Debate. Imprensa Oficial.. FÓRUM NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE CULTURA. Escola de Comunicações e Artes da USP. Bruno. A indústria cultural no quadro da economia brasileira. FUSER. A proteção jurídica ao patrimônio histórico-cultural brasileiro . Brasília. FRANCESCHI. FERRAZ.10 FERNANDES. Nelson Jahr. FONSECA. FURTADO. Sicília Calado. São Paulo. O direito à cultura como um direito fundamental ao cidadão brasileiro. 1982. Celso. Antônio de e outros. FREITAS. Rio de Janeiro. São Paulo. José Ricardo Oriá. Pedro Paulo e PINSKY. 1995 (dissertação de mestrado). FUNARI. 1998. FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Estado Novo: Ideologia e Propaganda Política. 1984. Faculdade de Direito. Direito à memória. Contexto. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de PósGraduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. Maria Heloisa Corrêa de Toledo. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT . Trajetória da política federal de preservação no Brasil. O patrimônio em processo. Jairdes Carvalho. Identidade cultural brasileira e latinoamericana no período colonial: o caso das igrejas jesuíticas de Salvador e Cuzco. Informações Culturais. Ciências Administrativas e Econômicas da Universidade Vale do Rio Doce. Um investimento com qualidade. Governador Valadares. 1987. Belo Horizonte. In: Revista do Brasil. 2004 (Monografia de final de curso) GARCIA.) Turismo e patrimônio cultural. (60): 64-67. 14 e 15 de abril de 2005. Fortaleza. UFRJ/IPHAN. São Paulo. Marketing cultural. Salvador. 2002. Rio de Janeiro. Loyola. Políticas de comunicação do Governo Erundina: do agitprop ao Jack Palance. 1992 (dissertação de mestrado) GARCIA. Escola de Comunicações e Artes da USP. A legitimação do Estado autoritário perante as classes subalternas . históricas e sociais. novembro/dezembro de 2004. MINC. São Paulo. 1984. Maria Cecília Londres. 1997.

Discursos do Ministro da Cultura Gilberto Gil . GOMES. Rio de Janeiro.). 1991 (dissertação de mestrado) HERRERA. (35): 123. O contexto latino-americano e o desafio cultural . Escola de Comunicações e Artes da USP. Mulheres entre linhas: imagens da leitora brasileira no século XX. 1996. In: Nossa História. Fundação Getúlio Vargas. GONÇALVES. GONÇALVES. Felipe e outros. 1988 (dissertação de mestrado) HOLLANDA. Ministério da Cultura. Escola de Comunicações e Artes da USP. HELLER. (6):45-49. Nelson Jahr. André Piero. Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira. GULLAR. Rio de Janeiro. 1989. Sadismo. Discussão para uma proposta poética educacional da Divisão de Ação Educativa do Museu Lasar Segall . Felipe. Rio de Janeiro. Gilberto. São Paulo. José Reginaldo Santos. HOBASHI. GRINSPUM. 2003. 1989 (tese de doutorado) GATTI. futebol. 1983. In: Papéis Avulsos. História e historiadores: a política cultural do Estado Novo. Escola de Comunicações e Artes da USP. Fundação Getúlio Vargas. Ângela de Castro. Indagações de hoje. 1977. O consumo e o comércio cinematográficos no Brasil visto através da distribuição de filmes nacionais: empresa distribuidoras e filmes de longa-metragem (1966-1990) . Escola de Comunicações e Artes da USP. 1991 (dissertação de mestrado) GULLAR. 1991 (Centro Interdisciplinar de Estudos Contemporâneos). 1984. Editora da UFRJ / IPHAN. GOMES. Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro. A retórica da perda. Música. Política científica e tecnológica: da análise do discurso à análise documentária. Discurso nacionalista e patrimônio cultural no Brasil. 1996. Denise. 1999 (dissertação de mestrado) GIL. cultura. Os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Bernardo Buarque de. HERRERA. Novas frentes de promoção da cultura. Ferreira. 2000. Letras e escritas. São Paulo. Rio de Janeiro. Ferreira. sedução e silêncio: propaganda e controle ideológico no Brasil (1964-1980) . José Reginaldo Santos. Bárbara. abril de 2004. Vanguarda e subdesenvolvimento. . Ângela de Castro (org. São Paulo. Escola de Comunicações e Artes da USP. Brasília.11 GARCIA. São Paulo. Capanema: o ministro e o ministério . José Olympio Editora. Rio de Janeiro. São Paulo. Rio de Janeiro. A retórica da perda. Rio de Janeiro. Nair Yumiko.

Cláudia. Jane Brito de. populismo: os intelectuais na transição dos anos 40. Campinas. KUSTNER. LAHUERTA. KÖPP. Heloísa Buarque de e GONÇALVES. Salvador. Banco do Nordeste do Brasil. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. Políticas culturais em Salvador: Gestão Mário Kértesz (1986-1988). Banco do Nordeste do Brasil. A. HOLLANDA. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. na . 2003. Fortaleza. Impressões de viagem. Intelectuais brasileiros e marxismo. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT .) Gestão cultural: significados e dilemas na contemporaneidade. Milton. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. KONDER. Marcos participação nos anos 60. Brasiliense. Brasiliense. Mariana. Cláudia (org. Cultura e dilemas da participação para o desenvolvimento sustentável na periferia de Salvador / BA.) Palavra e poder.12 HOLLANDA. 1991 (dissertação de mestrado) KAUARK. Heloísa Buarque de. Vervuert. Rocio Castro. Oficina de Livros. Fortaleza. Leandro. Salvador. 2003. 1991. 1982. 14 e 15 de abril de 2005. 14 e 15 de abril de 2005. São Paulo. Cláudia (org. São Paulo. Giuliana. 115-135 LEITÃO. Salvador. Comunicação alternativa: necessidade ou utopia? Estudo de caso: Casa de Cultura de Bauru . A gestão estratégica e os novos significados da cultura no novo século. Karl (org. LEITÃO. p. Elitismo. autonomia. São Paulo. Frankfurt. 1980. KOHUT. Políticas culturais em Salvador: Gestão Antonio Imbassahy (1997-2004) In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT .) Gestão cultural: significados e dilemas contemporaneidade. Escola de Comunicações e Artes da USP. Os intelectuais na sociedade brasileira . 1992 (dissertação de mestrado). In: LEITÃO. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT. Juliana Borges e ALBINATI. Cultura e JESUS. Belo Horizonte. vanguarda e desbunde: 1960/70. CPC. UNICAMP (Ciência Política). 14 e 15 de abril de 2005. 1991.

239-253. Mário. Manoel Marcondes. São Paulo. Fortaleza. PORTELLA. Claudia. Aloísio. Escola de Comunicações e Artes da USP. 1989 (tese de doutorado) . EDUSP: de co-editora a Editora – Um projeto editorial . Lília e LEAL. Estratégias de marketing cultural. Paz e Terra. Escola de Comunicações e Artes da USP. São Paulo. Cláudio. 2(3):77-82. Summus. modalidades e seu uso como política de comunicação institucional . MATOS. Heloiza Helena Gomes de. 2003. LOBO. Planejamento e implementação de projetos em bibliotecas universitárias: um estudo sobre a biblioteca da Universidade de São Paulo. Acertei no milhar: samba e malandragem no tempo de Getúlio. Rio de Janeiro. São Paulo. Narciso Júlio Freire. MARGUTTI. Elisa Campos. 1999 (Tese de doutorado). Manaus. p. Sebrae/BA. Rio de Janeiro / Brasília. 1998 (dissertação de mestrado) MACHADO NETO. Nova Fronteira / Fundação Nacional Pró-Memória. Plínio. Escola de Comunicação e Artes da USP. anos sessenta: a política através do cinema. MARTINS. Escola de Comunicações e Artes da USP.13 LINDOSO. Eliany Salvatierra. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. MAGALHÃES.) Gestão cultural: significados e dilemas na contemporaneidade. Escola de Comunicações e Artes da USP. Modos de olhar o discurso autoritário no Brasil (1969-1974): o noticiário de primeira página na imprensa e a propaganda governamental da televisão . 1985. Carlos Estevam. Política para o livro. 1987 (dissertação de mestrado) LOUREIRO. Políticas culturais em Salvador: Gestão Fernando José (1989-1992). Salvador. março de 1980. O gosto cultural de jovens: estudo sobre o papel dos meios e dos valores culturais na construção do gosto . MARTINS FILHO. São Paulo. Marketing cultural: características. História do CPC. Fernando. Cultura e Estado: a experiência do Instituto de Artes do Pará. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT . 14 e 15 de abril de 2005. 1982. São Paulo. São Paulo. Banco do Nordeste do Brasil. MAGALHÃES. 2002 (dissertação de mestrado) MACHADO. MACHADO. São Paulo. In: Arte em Revista. São Paulo. 2004. E Triunfo? A questão dos bens culturais no Brasil . Felipe. 1999. Escola de Comunicações e Artes da USP. Salvador. In: LEITÃO. João de Jesus Paes. 1991 (dissertação de mestrado) MATOS. Cláudia (org. O Brasil pode ser um país de leitores? Política para a cultura.

maio/junho de 2004. s/d (tese de doutorado). São Paulo. Siciliano. São Paulo. SPHAN. In: Marketing. MICELI. MEC. 1979. 1988 (tese de doutorado) MELLO. 1991. outubro de 1997 (publicação do Observatório de Atividades Culturais). Antonio Firmino da. São Paulo. Espaço e Tempo. Intelectuais à brasileira. Paulo. 1986. In: OBS. São Paulo. Maria Alice. na Bahia . p. MICELI. Alternativas da cultura no Regime Militar. Reflexões para uma política cultural. Proteção e revitalização do patrimônio cultural no Brasil: uma trajetória. Difel. Carthago & Forte. MICELI. (58): 60-65. PRÓ-MEMÓRIA. São Paulo. Sociedade civil. Maria Amélia (org. São Paulo. Marketing na cultura x cultura no marketing. In: In: JELÍN. Política cultural comparada. O papel da cultura no desenvolvimento local: a experiência da Rede Pintadas.) 20 anos de resistência. Uma saída para a arte. Incentivo à cultura. Brasília. Osvaldo Ferreira de. 2000.) Estado e cultura no Brasil. desenvolvimento e cultura. 1986. In: Teoria e Debate. MILANI. Intelectuais e classe dirigente no Brasil (1920-1945) . (2): 08-14. Rio de Janeiro.14 MATTA. Alexandre e COSTA. São Paulo. 1985. Cultura e desenvolvimento. Sérgio. 1980. Companhia das Letras. Sérgio. Difel. Maria Terezinha Ferraz Negrão de. 2001. A casa da invenção. Florianópolis. . Lisboa. Scheilla. O espetáculo dos moradores do símbolo: a mobilização por Diretas Já da perspectiva de Brasília / 1984. Sérgio e GOUVEIA. Salvador. 1994. 1982. FUNARTE / FINEP / IDESP. MELLO.45-59. Sérgio (org. MEDEIROS. UFBA MILANESI. (148):43-44. Fundo Nacional de Cultura. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT . Rio de Janeiro. Roberto da. São Paulo. MICELI. Marcos. MELLO. Carlos e CUNHA. MENDONÇA. Luis. Uma política republicana. MEIRA. Roberto. Rio de Janeiro. 1984. Organização da cultura (Comunicação). Centros de cultura: um perfil . Elizabth e outros. Editora da UFSC / Editora Movimento. Escola de Comunicações e Artes da USP. MIGUEZ. Equívocos e complexidade na definição de políticas culturais. Márcio. MELO.

O Ministério da Cultura em 1986. 2003. MINISTÉRIO DA CULTURA. 421-444. Cultura é um bom negócio. MINC. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. MINC. Dossiê final das atividades da comissão e do grupo de trabalho Patrimônio Imaterial . Edições Fundão Nacional de Cultura. 1975. Política nacional e desenvolvimento. Brasília. Carlos Guilherme da. Ação cultural: uma experiência no município de São José dos Campos. 2005. O registro do patrimônio imaterial. Francisco (orgs. Política Nacional de Museus. São Paulo. Brasília. MILIONI. MINISTÉRIO DA CULTURA. 14 e 15 de abril de 2005. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. Brasília. Ideologia da cultura brasileira. sem data. Priscila Cristina Custódio Vidal. Atividades culturais: realizações da área cultural do MEC no período 1974/1978. FUNARTE. 1979. Seminário Nacional de Políticas Públicas para as Culturas Populares. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Brasília. José Álvaro e outros. MOTA. 1997.15 Salvador. Escola de Comunicações e Artes da USP. p. . 2001. MINISTÉRIO DA CULTURA. MEC. São Paulo. Brasília. MINISTÉRIO DA CULTURA. Legislação cultural brasileira. MOISÉS. In: SOUZA. Brasília. Rio de Janeiro. Brasília. José Álvaro. 1986. Brasília. Brasília. 2000 (dissertação de mestrado) MINISTÉRIO DA CULTURA. 1998. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Estrutura institucional do setor cultural no Brasil. Política cultural. Memória e cidadania .). Os efeitos das leis de incentivo. MINISTÉRIO DA CULTURA.13-55. MINISTÉRIO DA CULTURA. MINC. sem data (Eduardo Portella) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. MINC. Rio de Janeiro. 1977. Diretrizes para operacionalização da política cultural do MEC. Ática. p. Rio de Janeiro. 1995. MOISÉS. Cultura e democracia. Cultura em novos tempos. José Álvaro. Volume I. Brasília. 1981. Brasília. IPHAN. MINISTÉRIO DA CULTURA. Um olhar sobre a cultura brasileira. In: MOISÉS. Márcio e WEFFORT. Política Nacional de Cultura . 1986. 2000.

NUSSBAUMER. 2001. José Álvaro e SOSNOWSKI. Estado e Departamento de Cultura do Município de São Paulo (1933-1938) . NEGRÃO. Marketing cultural & comunicação dirigida . Bens invisíveis. 2000. Breve esboço histórico . Ângela Maria Castro (orgs. José Olympio. In: Cadernos de Memória Cultural. 1997. Rio de Janeiro. João Emanuel Evangelista de. Mônica Pimenta e GOMES. Rita. Os casos do Brasil. Contexto.16 MOISÉS. Isaura (orgs. 2000 (tese de doutorado) OLIVEIRA. In: Nossa História.07-10. INTERCOM. São Paulo. Estados Unidos e Portugal . Rio de Janeiro. Tangolomango. In: Anais do XXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (CD-ROM). Biblioteca Pública Municipal de São Paulo: da criação à consolidação (1926-1951). 1994 (tese de doutorado) . Saul. Rio de Janeiro. São Paulo. 1994.). Santa Maria. OLIVEIRA. São Paulo. OLIVEIRA. A imprensa comunista e o realismo socialista no Brasil (1947-53). MUYLAERT. OLIVEIRA. José Álvaro e outros. Escola de Comunicações e Artes da USP. França. Cultura brasileira. Zahar Editores. NOVAES. p. Zita Catarina Prates de. Rio de Janeiro. s/d. Inglaterra. 1993. Rio de Janeiro. 1999. Roberto. Regina e outros. São Paulo. USP (Comunicação e Artes). Lúcia Lippi. Modelos de financiamento da cultura. Uma cultura para a democratização no Brasil. Carlos. Dênis de. OLIVEIRA. Edições Fundão Nacional de Cultura. Volume I. São Paulo. 1982. José Álvaro e BOTELHO. Utopia e massificação (1950-1980) . novembro de 2004. Política e cultura pós-moderna: um estudo dos cadernos culturais do jornal Folha de São Paulo . VELLOSO. In: MOISÉS. Escola de Comunicações e Artes da USP. Globo. O imaginário vigiado. MOISÉS. Ideologia e poder . A biblioteca “fora do tempo”: políticas governamentais de bibliotecas públicas no Brasil. May Brooking. UFSM. Rio de Janeiro. 1994. Museu da República. 1993 (dissertação de mestrado). Carla. NAPOLITANO. (13): 62-67. 1937-1989 . MORAES. Cultura e democracia. Gisele. MüHLAUS. Rio de Janeiro. PUC (Ciências Sociais). Colonizadores do futuro: cultura. Rita de Cássia Alves.) Estado Novo. FUNARTE. Comunicação. prática cultural e hegemonia: uma proposta de análise da produção cultural. 2001. O mercado da cultura em tempos (pós) modernos . São Paulo.

A imaginação a serviço do Brasil. 1990. Ipojuca. Escola de Comunicações e Artes da USP. Enor. Edições Casa de Rui Barbosa. Os intelectuais e a política no Brasil. Leitor da cultura: a promoção da leitura infantil e juvenil . Cultura brasileira e identidade nacional. 1980. Lia (org. Escola de Comunicações e Artes da USP. Cultura neoliberal. 1997. Edmir. 1997 (tese de doutorado). 1985. Sérgio Luiz Dias. O berimbau e o som universal: lutas culturais e indústria fonográfica nos anos sessenta. 2004.22. PERRONI. Rio de Janeiro. São Paulo. Eduardo. Rejane Ferreira de. PORTELLA. São Paulo. p. 1999 (dissertação de mestrado) POERNER. Rio de Janeiro. São Paulo. . São Paulo. Escola de Comunicações e Artes da USP. PT. Rio de Janeiro. PORTELLA. Escola Superior de Guerra. atores e ação . 2005. São Paulo. A moderna tradição brasileira . Política federal de cultura no Brasil. Beltrina da Purificação da Corte.17 OLIVIERI. São Paulo. Renato. Tempo Brasileiro. O intelectual e o poder. 1991. PORTELLA. Brasília. PÉCAUT. Escola de Comunicações e Artes da USP. 1989 (tese de doutorado) PIOVESAN. Ática. fevereiro de 2004. PEREIRA. 1999 (dissertação de mestrado) PARANHOS. Adalberto. Brasiliense. Carlos Alberto Messeder e HOLLANDA. Ode à malandragem. Arthur José. Identidade cultural na era da globalização.) Políticas culturais: diálogo indispensável. Cultura brasileira e indústria cultural. Heloísa Buarque de (orgs. São Paulo. Escrituras / Instituto Pensarte. Eduardo. São Paulo. Brasiliense. Cultura e modernidade. In: CALABRE. 2003. São Paulo. 1983. Rio de Janeiro. Cristiane Garcia. Sala de leitura: atos. PAIANO. PEREIRA. Política de Educação e Cultura . ORTIZ. São Paulo. ORTIZ. São Paulo. Laís Serafin Raso. Rio de Janeiro. Cidade misturada / cidade inconclusa (zapeando a metrópole metalizada) . (4): 16. Leis de incentivo como política pública de cultura. 1994 (dissertação de mestrado) PAIVA. PONTES. Renato. Daniel. Brasiliense. 1989. Escola de Comunicações e Artes da USP. 1979.21-58. Patrimônio antropofágico: AM reflete MA. Coro cênico como ação cultural. PARTIDO DOS TRABALHADORES. Secretaria de Cultura. São Paulo. In: Nossa História. Editora Revan.) Patrulhas ideológicas.

207-279. Cinema. cultura e política cultural. José Álvaro e outros. dezembro de 2004. 3(2):191-199. Santos. Escola de Comunicações e Artes da USP.18 POZENATO. 1988. 1992 (dissertação de mestrado) RIBEIRO. Gabriel. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. O Museu Doméstico: São Paulo. Patrícia Tavares. Estado e lutas culturais . O poder público ausente: a TV nas mãos do mercado. Fundação Gregório de Mattos: roteiro de uma intervenção político-cultural. EDUCS. Rio de Janeiro. São Paulo. Escola de Comunicações e Artes da USP. 1987 (tese de doutorado). Santos ano 450: cultura. RISÉRIO. RIDENTI. 1980 (dissertação de mestrado) RODRIGUES. José Clemente. Maria Izabel Meirelles Reis Branco. p. Thomson. Processos culturais. Rio de Janeiro. RUBIM. Marcelo. 1999). Gilberto. Humanitas. 2003. PRIOLLI. Marco Antônio. p. Marketing cultural e financiamento da cultura . Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. In: MOISÉS. Antonio e GIL. Aloísio da Franca. Record. José Mário Ortiz. Volume II . Gilberto. 2001. José Álvaro e outros. 2003. Rio de Janeiro. RIBEIRO. ROCHA. São Paulo. Televisão e cultura democrática. Antonio e GIL. Paz e Terra. São Paulo. 1890-1920. s/d. USP (Ciências Sociais). São Paulo. O poético e o político e outros ensaios. Paz e Terra. Partido Comunista. São Paulo. 2001. Edições Fundo Nacional de Cultura. Reflexões sobre a dinâmica cultural. RAFFAINI. Secretaria de Cultura de Santos. Eduardo Peloso. RAJOY. Em busca do povo brasileiro. . (Dissertação de mestrado em História . Ana Carla Fonseca. São Paulo. Esculpindo a cultura na forma Brasil: o Departamento de Cultura de São Paulo (1935-1938) . Políticas públicas de lazer: um olhar sobre a realidade brasileira. Antonio Albino Canelas. ROCHA FILHO. Edições Fundo Nacional de Cultura. In: RISÉRIO. 2001 . o acesso ao prazer .233-262. In: Diálogos possíveis.167-205. Luiz Carlos. Salvador. Cultura e democracia. Renato Janine. Volume II. Produção de arte e relações de marcado: a pintura em São Paulo de 1970 a 1985. 1990 (dissertação de mestrado) RAMOS.Faculdade de Filosofia. Cultura e democracia. 2000. 1983. p. Anos 50/60/70. In: MOISÉS. Escola de Comunicações e Artes da USP. Caixias do Sul. Comunicação de massa e Estado: televisão e política de telecomunicações 1950-1975 . REIS.

SANDRONI. 89 – 104. 27 de março de 2004. Antonio Albino Canelas. 1988. Universidade Estadual do Ceará (Gestão de Produtos e Serviços Culturais – Administração). Salvador. Centro Editorial e Didático da Universidade Federal da Bahia. Iuri e VIEIRA. Salvador. Antonio Albino Canelas.53-77. 2005. 14 e 15 de abril de 2005. Políticas e redes de intercâmbio e cooperação em cultura no âmbito iberoamericano. Fortaleza.19 RUBIM. SABADIA. São Paulo / Rio de Janeiro. Antonio Albino Canelas.129-170. 2005. EDUFBA. RUBIM. Bogotá. RUBIM. São Paulo. Vértice / IUPERJ. RUBIM. p. In: LEITÃO. (61): 16-28. Antonio Albino Canelas. Antonio Albino Canelas e RUBIM. In: CONVÊNIO ANDRÉS BELLO. p. Adalberto Silva. Dilemas para uma política cultural na contemporaneidade. Mário contra Macunaíma: cultura e política em Mário de Andrade. Rita de Cássia Giraldi. In: Cadernos Museológicos. W. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT. In: Revista USP. Marketing cultural. RUSSIO. Políticas culturais na Brasil e na Espanha: (re)significações de campos de produção simbólica. cultura e mídia: o cruel e o persistente. Conceito de cultura e sua inter-relação com o patrimônio cultural e preservação. RUBIM. RUBIM. IBPC. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. . 2005. 1995 (também publicado na História do marxismo no Brasil – volume III). Antonio Albino Canelas. In: RUBIM. (Monografia de Especialização). EDUFBA. p. Cláudia (org.) Organização e produção da cultura. março / abril / maio de 2004. In: A Tarde Cultural. Lindinalva. O aproveitamento dos espaços livres urbanos para os lazeres: estudo de caso. RUBIM. Escola de Comunicações e Artes da USP. 2001. Linda (org. Rio de Janeiro. São Paulo.2 e 3. Mariella Pitombo. Salvador. Fortaleza. cultura e intelectuais no Brasil. Salvador. SANTINI.) Organização e produção da cultura. Marxismo. (3):7-11. Linda (org. RUBIM. Salvador. Carlos.) Gestão cultural: significados e dilemas na contemporaneidade. Ditadura. 2003. Luis Carlos. 1987 (dissertação de mestrado) SANTOS. Siete cátedras para la integración. 1990. Organizações sociais: O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Televisão e políticas culturais no Brasil. CAB. Banco do Nordeste do Brasil. p.

SEGALL. Tempos de Capanema. abril / maio de 2005.13-28. Rio de Janeiro / São Paulo. Roberto. O incentivo fiscal no Brasil. Campinas. José. Ao vencedor as batatas. 14 e 15 de abril de 2005. (62)58-62. 1978. Rio de Janeiro. São Paulo. Cultura e política: 1964 – 1969. Tereza Cristina. O Museu Lassar Segall da década de setenta: da contemplação à casa de cultura e resistência . São Paulo. SANTOVITO. SERRA. O pai de família e outros estudos. In: CD-Rom dos trabalhos apresentados no I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – I ENECULT . Universalidade e “alogeneidade” na produção cultural dos grupos marginalizados. Editora da UNICAMP. 1990 (dissertação de mestrado) SEIDEL. Joel Rufino dos.61-92. As idéias fora do lugar. 2002 (Cadernos de Nosso Tempo número 08).). Salvador. Incentivo à cultura e sociedade industrial. . 27-44. SCHWARZ. Roberto. São Paulo. Maria Lúcia Alexandrino. Vanda Maria Ribeiro (orgs. SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA. 1991. 2001. São Paulo. p. In: ___. BOMERY. Paz e Terra / EDUSP. 1977. Rio de Janeiro. Roberto. São Paulo. Escola de Comunicações e Artes da USP. In: ___. SCHWARZ. Elizabth e outros. O simbolismo da cultura. Prefeitura do Recife. 2000. Prefeitura do Município de São Paulo. Duas Cidades. Paz e Terra. Recife. Nova política cultural para a cidade do Recife . Cultura e desenvolvimento. Missão do Ministério da Cultura. 1991. Fundo Nacional de Cultura. p. 1992. Cidadania cultural em ação (1989-1992) . SECRETARIA DE CULTURA E FUNDAÇÃO DE CULTURA CIDADE DE RECIFE DA PREFEITURA DO RECIFE.20 SANTOS. Rio de Janeiro. SCHELLING. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – CULT e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – PÓS-CULTURA da Universidade Federal da Bahia. Vivian. SCHWARTZMAN. Ordep José Trindade. Edições Fundo Nacional de Cultura. A eficácia da administração pública frente ao lazer: o caso de São Paulo. Yacoff. Escola de Comunicações e Artes da USP. Centro Editorial e Didático da Universidade Federal da Bahia. 1989 (dissertação de mestrado) SARCOVAS. In: Teoria & Debate. Salvador. A presença do povo na cultura brasileira. In: JELÍN. Ensaio sobre o pensamento de Mário de Andrade e Paulo Freire . Simon. p. SARNEY. Helena Maria Bousquet e COSTA. 1984.

São Paulo.). Edições Fundo Nacional de Cultura. SILVA. Escola de Comunicações e Artes da USP. Antônio Carlos Amâncio da. 1998 (dissertação de mestrado) SIMIS. José Inácio de Melo. Luiz. Wilsa Carla Freire da. Gestores e mediadores: profissionais da cultura. 1996 (tese de doutorado) SOUZA. Cultura em pauta: um estudo sobre o jornalismo cultural. Carga da brigada ligeira: intelectuais e crítica cinematográfica. Estado. 2001 (dissertação de mestrado) . 2003. TAVARES. Fascínio e repulsa. Ação e imaginário de uma ditadura: controle. Continuidade define linha: 75 anos de produção editorial da Imprensa Oficial da Bahia . 1996. cultura e sociedade no Brasil . O público e o privado: a política cultural brasileira no caso dos institutos Moreira Salles e Itaú Cultural . Peirópolis / Edusp.21 SIGNATES. Rio de Janeiro. Escola de Comunicações e Artes da USP. Fernando Fernandes da. Belo Horizonte.. Os intelectuais nos processos políticos da América Latina. São Paulo. SOARES. Anais. SOUZA. STARLING. 1991 (dissertação de mestrado) TATSCH. coerção e propaganda política nos meios de comunicação durante o Estado Novo. Annablume. Alguns referenciais teóricos e práticos de um problema mais amplo do que se pensa. São Paulo. In: XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO. UFRGS. s/d. Escola de Comunicações e Artes da USP. São Paulo. Luís Guilherme. Escola de Comunicações e Artes da USP. São Paulo. Estado e cinema no Brasil. São Paulo. (org. Escola de Comunicações e Artes da USP. Márcio. Políticas públicas de comunicação. Porto Alegre. 1991 (dissertação de mestrado) SOUZA. Liliana Sousa e. As cidades brasileiras e o patrimônio cultural da humanidade. Belo Horizonte. Mônica. 1985. 2003. Agentes de transformação.. CD-ROM. São Paulo. SILVA. 1990 (dissertação de mestrado) SILVA. Anita. Fundação João Pinheiro (Centro de Estudos Históricos e Culturais). 1941-1945. 2000 (Cadernos de Nosso Tempo número 02). Escola de Comunicações e Artes da USP. Flávia Galli. Escola de Comunicações e Artes da USP. Nícia Raies Moreira e PESSOA. SOUZA. Sylvana. Maria Susana A. SILVA. São Paulo. São Paulo. Incentivo fiscal à cultura. 2000 (dissertação de mestrado). Limites e potencialidades . Produção cinematográfica na vertente estatal: Embrafilme – Gestão Roberto Farias .. José Inácio de Melo.

Brasília. Estado de São Paulo. Ministério da Educação e Cultura/Fundação Nacional Pró-Memória. Cultura em trânsito. Editora FGV. Rio de Janeiro. 1984. Os intelectuais e a política cultural do Estado Novo . 1979. Universidade Federal da Bahia. In: GOMES. Por uma política nacional de cultura . Rio de Janeiro. Problemas de difusão cultural. VIEIRA. São Paulo. Brasília. Francisco. Márcio (orgs. Da repressão à abertura. 1987.). VIEIRA. Política cultural na Bahia: o caso do FAZCULTURA .59-80. 2000 (Cadernos de Nosso Tempo número 1).) Políticas culturais: diálogo indispensável. Elaine Marques. UNB. Lia (org. WANDERLEY. Luiz Renato. Ministro da Cultura. Thesaurus. Brasília. 2004. 1998. Ação cultural: uma análise de experiência de implantação da Coordenadoria de Ação Cultural na cidade de Piracicaba. Ministério da Cultura. 1977. Mônica Pimenta. Aeroplano. Gustavo Capanema. Salvador. Marcus Vinicius Carvalho e GUSMÃO. ZANATA. Sônia. Brasil (1977-1979) . Brasília. João Gabriel. ISEB: fábrica de ideologias. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil – Fundação Getúlio Vargas. VENTURA. Rio de Janeiro.) Um olhar sobre a cultura brasileira. WEFFORT. Ernst. Daryle. 2004 (dissertação de mestrado). p. Escola de Comunicações e Artes da USP. Doutrina de Segurança Nacional: políticas públicas de cultura e televisão nos anos 70. Rio de Janeiro. Edições Fundo Nacional de Cultura.251-269. Francisco e SOUZA. Rita (orgs. In: Cadernos de Difusão Cultural da UFBA. WILLIAMS. Ângela de Castro (org.) Capanema: o ministro e seu ministério. WEFFORT. Patrimônio imaterial. performance cultural e (re)tradicionalização . A cultura e as revoluções da modernização . In: CALABRE. 2000. TOLEDO. Caio Navarro de. Ática.22 TEIXEIRA. p. 1996 (dissertação de mestrado) . GARCIA. VILLAÇA. 2000. Zuenir. Marcos Vinicius. VELLOSO. Mariella Pitombo. Rio de Janeiro. 1998. Edições Casa de Rui Barbosa. Os intelectuais e a Editora Civilização Brasileira. São Paulo. WIDMER. 2005. UFBA (Comunicação). Consagrados e malditos. Salvador.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->