P. 1
ENEM2013 - comentário - prova azul

ENEM2013 - comentário - prova azul

|Views: 243|Likes:
Published by Luciana Rodrigues

More info:

Published by: Luciana Rodrigues on Oct 28, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/26/2015

pdf

text

original

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 26
QUESTÃO 75 ------------------------------------------------------------------------------------------------------As grandezas físicas citadas foram a POTÊNCIA ELÉTRICA (P), a D.D.P. (U) e a RESISTÊNCIA ELÉTRICA (R). A relação matemática entre elas é e, se P = cte, então = 2 cte, ou seja, neste caso, U e R estão diretamente proporcionais. Logo, se U é multiplicado por 2, U2 ficará multiplicado por 4. Logo, R também precisa ser quadruplicado (R x 4)! Acontece que, para uma resistência em forma de fio (filiforme), vale a 2a lei de Ohm, , que mostra a relação entre o valor da RESISTÊNCIA (R), a RESISTIVIDADE ( , o COMPRIMENTO (L) e a ÁREA DA SEÇÃO RETA (A) do fio.

O enunciado garante que a nova resistência será “de mesmo material”, logo, pode-se entender que a RESISTIVIDADE ( não muda. As alternativas propõe a alteração apenas de uma das grandezas, COMPRIMENTO (L) ou ÁREA DA SEÇÃO RETA (A). Assim, há duas possibilidades de cumprir o que se pede (quadruplicar a resistência, no caso): I – quadruplicar o comprimento, o que invalida as alternativas (A) e (B); II – reduzir a área da seção reta quatro vezes, o que invalida as alternativas (C) e (D) e torna a alternativa E a resposta correta!

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 26
QUESTÃO 76 ------------------------------------------------------------------------------------------------------

Para que a pessoa ande para a frente, seus pés empurram o chão para trás. Assim, o chão empurra os pés para a frente. ESSA É A FORÇA DE ATRITO QUE O CHÃO EXERCE SOBRE OS PÉS! Logo, “o sentido da força de atrito” é “no mesmo sentido do movimento”! Isto já invalida as alternativas (B) e (E).

Outra característica da força de atrito é ser tangente às superfícies que se friccionam. Logo, se a pessoa “sobe uma rampa”, entende -se que a força de atrito é “paralela ao plano”. Com isto, a alternativa (C) é a correta.
OBS.: I – Se a questão se referisse a uma pessoa andando no solo plano e horizontal, a alternativa (D) serviria como resposta. II – Cuidado com a alternativa (B)!!! A força de atrito tem por característica ter sentido contrário ao do movimento. Por isso, algumas pessoas acham que pelo fato de o corpo da pessoa estar indo para a frente, o atrito deveria ser para trás. Entretanto, o atrito referese às superfícies que se friccionam, neste caso, o pé e o solo. E, como disse no início, para que o corpo vá para a frente, o pé precisa empurrar o chão para trás!

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 31
QUESTÃO 89 ------------------------------------------------------------------------------------------------------

Considerando o sistema como termicamente isolado:

Qágua quente + Qágua fria = 0 Sendo Q = m . c . T:
mágua quente . cágua . (Tideal banho – Tágua quente) + mágua fria . cágua . (Tideal banho – Tágua fria) = 0

mágua quente . cágua . (30 – 70) + mágua fria . cágua . (30 – 25) = 0 mágua quente . cágua . (–40) + mágua fria . cágua . (5) = 0 mágua quente . cágua . (–40) = mágua fria . cágua . (–5) 40 . mágua quente = 5 . mágua fria mágua quente/mágua fria = 5/40 = 1/8 = 0,125

Resposta correta: alternativa B

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 30
QUESTÃO 87 -----------------------------------------------------------------------------------------------------Parte I: Lendo o texto, perceba que o paraquedista “cai... até atingir a velocidade limite” e depois, no instante em que o paraquedas é aberto, ocorre a “diminuição de sua velocidade”. Fisicamente, isso significa que o movimento passa de acelerado para retardado. Em termos de força resultante, significa que, inicialmente, ela tem o mesmo sentido do movimento (para baixo) e depois inverte o sentido (para cima). Lembre-se que sentidos opostos de uma grandeza vetorial são interpretados, algebricamente, como sinais contrários. Sendo assim, as alternativas (C), (D) e (E), já podem ser descartadas como gráficos representativos da força resultante durante o movimento; afinal, eles mostram a força resultante positiva durante toda a queda! Parte I: São duas as forças atuantes durante a queda do paraquedista: a força de resistência do ar e a força peso. O peso é constante durante todo o movimento. A força de resistência do ar, entretanto, é uma força cujo valor depende (do quadrado) da velocidade ( ) do movimento e, também, da área ( ) da seção transversal do corpo (em contato com o ar): . Assim, o aumento da velocidade (no início da queda, quando o movimento é acelerado), provoca o aumento da força de resistência do ar. Em certo instante, a força de resistência do ar iguala seu valor ao do peso e a força resultante torna-se nula (anulando, também, a aceleração do movimento e a velocidade para de aumentar, chegando ao valor limite). No instante TA, a abertura do paraquedas – e o consequente aumento da área A – faz com que a força de resistência do ar aumente ainda mais, tornando-se maior do que o peso. Isto provoca a inversão no sentido da força resultante (daí a troca de sinal, no gráfico). Provoca também a desaceleração da queda. E essa diminuição da velocidade faz com que a força de resistência do ar (e a força resultante, por consequência) tenha nova diminuição! Comparando os gráficos das alternativas (A) e (B), vê-se que o primeiro (A) mostra a inversão do sentido da força (a troca de sinal, positivo-negativo), mas afirma que seu valor aumenta continuamente. Isso descarta a alternativa (A). RESPOSTA CORRETA: ALTERNATIVA (B). facebook.com/FisicaMarginal facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia caderno 1 – AZUL – página 29
QUESTÃO 85 -----------------------------------------------------------------------------------------------------Antes do acionamento do botão, não há corrente, logo não há, também, força magnética sobre a barra. E também não há força elástica, visto que a mola não está tracionada. Por isso mesmo o texto diz que “quando acionado o botão, a barra sairá da POSIÇÃO DE EQUILÍBRIO”. Ao acionar o botão, e gerar a corrente elétrica na barra, surge uma força magnética (constante) sobre ela, visto que está imersa em um campo magnético. A partir daí, com o deslocamento da barra, a mola distende-se, e a força elástica (crescente) que surge opõe-se à força magnética (e ao movimento da barra). Segundo o texto, a barra desloca-se durante “6 milisegundos” (t = 6 . 10-3 s) com uma “velocidade MÉDIA de 5 m/s”, ou seja, afastando-se 3 cm da sua “posição de equilíbrio”. Perceba que este deslocamento da barra corresponde, exatamente, à distensão da mola. Logo, pode-se calcular o valor da força elástica que ela exerce sobre a barra no exato instante em que atingir a catraca: Sendo assim, pode-se entender que se a força magnética tiver um valor menor do que esse não será possível a barra atingir a catraca (e a porta não poderá ser aberta, ou seja, o mecanismo não funcionaria corretamente). Logo, o enunciado correto seria “a intensidade MÍNIMA do campo magnético, para que o dispositivo funcione corretamente”! Neste caso, seria

o que faria com que a alternativa A fosse a resposta correta. Entretanto, as alternativas (C) e (E), apresentam valores (50 T e 2 T, respectivamente) que são maiores do que o mínimo calculado!
facebook.com/FisicaMarginal facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 28
QUESTÃO 83 -----------------------------------------------------------------------------------------------------A primeira coisa a se fazer, sempre, num circuito, é calcular as correntes elétricas circulantes em seus trechos. Sem elas, nada se faz! Neste caso, considerando que a resistência do voltímetro seja muito maior do que as demais resistências do circuito, ou seja, que ele opere em condições “ideais” e não haja corrente nele: Trecho ACB: UAB = RACB . iC Trecho ADB: UAB = RADB . iD 10 V = (470 + 120)  . iC 10 V = (470 + 100)  . iD iC = 1/59 A iD = 1/57 A

Em seguida, considerando que VB = 0, dado o aterramento mostrado, pode-se calcular os potenciais nos pontos D e C: Trecho DB: UDB = VD – VB = RDB . iD VD – 0 = 100  . 1/57 A VD = 100/57 V Trecho CB: UCB = VC – VB = RCB . iC VC – 0 = 120  . 1/59 A VC = 120/59 V Aqueles sinais (+) e (–) na figura dão a impressão de que o voltímetro medirá a diferença VD – VC = 100/57 V – 120/59 V – 0,3 V (alternativa D).
OBS.: Para os que acharam a conta “difícil” – observe que 100/57 é um pouquinho menor do que 2 e que 120 > 59 é um pouquinho maior do que 2. Assim, a diferença não tem como ser maior do que 1, o que excluiria as alternativas (A), (B) e (E)!

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 27
QUESTÃO 82 ------------------------------------------------------------------------------------------------------

Na primeira figura, do “Dó central”, vê -se que o intervalo de tempo (T) corresponde, exatamente, a um ciclo da onda. Neste caso, pode-se dizer que o período da onda correspondente ao “Dó central”, TDó central = T. Na segunda figura, do “Dó maior’, vê -se que o mesmo intervalo de tempo (T) corresponde, exatamente, a dois ciclos da onda. Neste caso, pode-se dizer que o período da onda correspondente ao “Dó maior”, TDó maior = T/2. A correspondencia entre os períodos é, portanto, TDó central/TDó maior = 2. CUIDADO COM A ALTERNATIVA (B)!!! O enunciado pede a “razão entre as FREQUÊNCIAS”! E, lem brando que f = 1/T, ou seja, que a frequência e o período são inversamente proporcionais, teremos: fDó central/fDó maior = 1/2. RESPOSTA CORRETA: ALTERNATIVA (A).

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 27
QUESTÃO 79 ------------------------------------------------------------------------------------------------------

Os condutores elétricos metálicos que compõem o circuito possuem portadores de carga elétrica, os elétrons-livres. “Ligar a chave” significa estabelecer uma diferença de potencial no circuito. Essa diferença de potencial provoca um campo elétrico no interior do condutor. Logo, aquelas cargas elétricas livres ficam sob a ação de força elétrica. Com isso, ocorre o fluxo ordenado de elétrons-livres, que constitui a corrente elétrica – que faz a lâmpada acender (isto invalida a alternativa (E), que fala de movimento de cargas positivas, e a alternativa (A), que menciona um “fluido” elétrico). Ora, como o campo elétrico é estabelecido em todo o interior do condutor, entre seus terminais – entre os quais foi estabelecida voltagem –, todos os elétrons-livres do circuito iniciam seu movimento (praticamente) simultaneamente! Sendo assim, não é necessário que uma carga elétrica saia do circuito, atravessando-o inteiro, até chegar à lâmpada e fazê-la brilhar. Na verdade, a carga que faz a lâmpada acender – “quase instantaneamente” – é aquela que já está na própria lâmpada (isto invalida a alternativa (B), que fala na travessia das cargas móveis e, também, a alternativa (C), que fala de cargas indo da bateria à lâmpada)! Sendo assim, a alternativa D é a resposta correta. facebook.com/FisicaMarginal facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 16
QUESTÃO 48 ------------------------------------------------------------------------------------------------------

A energia irradiada pela lâmpada incide, igualmente, sobre as duas garrafas (visto que está “no ponto médio da distância entre as garrafas”) . Do total de energia incidente sobre a garrafa, uma porcentagem é absorvida e a porcentagem restante, refletida. A garrafa pinta de branco absorve pouco e reflete muito. A garrafa pintada de preto absorve muito e reflete pouco. Assim, comparando as temperaturas, a garrafa pintada de preto eleva sua temperatura mais a cada instante. A sua “taxa de variação de temperatura” no aquecimento é maior do que a da garrafa branca (isto já elimina as alternativas (A) e (C) das opções). Sabendo que bons absorvedores são, também, bons emissores, pode-se entender que, ao desligar a lâmpada, a garrafa pintada de preto emite mais radiação por segundo do que a garrafa pintada de preto, resfriando mais rapidamente. Daí, sua “taxa de variação de temperatura” no resfriamento é (também) maior do que a da garrafa branca. Isto confirma a alternativa E como resposta correta. facebook.com/FisicaMarginal facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 17
QUESTÃO 52 -----------------------------------------------------------------------------------------------------O texto fala na “emissão ou a recepção de ondas eletromagnéticas”. A alternativa (B) fala em “audíveis”, qualidade que só pode se referir a ondas sonoras (mecânicas). Portanto, essa alternativa é impossível fisicamente! O texto fala também em “radiação que possa interferir nas comunicações”. O fenômeno (ondulatório) de interferência refere -se a ondas (de mesma natureza, mecânicas ou eletromagnéticas) cujas frequências sejam iguais ou, pelo menos, bem próximas. Isto valida a alternativa (E) como a resposta correta. A interferência pode ser construtiva ou destrutiva dependendo dos pontos da onda que se superpõem. Destrutiva para pontos em oposição de fase. Construtiva para pontos em concordância de fase. Isto invalida a alternativa (A). A alternativa (C) fala em “intensidades inversas”. Isso nem é possível física ou matematicamente. Intensidade é uma grandeza escalar que se refere à quantidade de energia transportada pela onda. É uma grandeza sempre positiva e não possui sentido, visto não ser vetor. Não consigo justificar uma “intensidade inversa”. Finalmente, a alternativa (D) fala sobre a amplitude. Se duas ondas de mesma natureza tiverem amplitudes iguais, mas frequências muito diferentes (não existe uma relação de dependências entre estas grandezas), não há interferência alguma!

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 19
QUESTÃO 57 -----------------------------------------------------------------------------------------------------O texto diz que “com a garrafa tampada, a água não vazou por nenhum dos orifícios”. Ora, no interior da garrafa, na altura de cada furo, atua, internamente, a pressão hidrostática da coluna de água e, externamente, a pressão atmosférica. Sabe-se que a pressão maior ganha da pressão maior. Logo, se a água não sai, é porque a pressão atmosférica (externa) é maior do que a pressão hidrostática (interna). Assim, as alternativas (C) e (E) já estão excluídas da lista de possíveis respostas. O texto também diz que “com a garrafa destampada, observou-se o escoamento da água”. Ora, sem a tampa, em cada furo passa a atuar, internamente, a mesma pressão hidrostática anterior, mais a pressão atmosférica, agora atuante. Externamente, continua apenas a pressão atmosférica. Assim, a pressão interna passa a ser superior à externa e, por isso, há saída de água. Dois detalhes: a pressão atmosférica não varia praticamente nada entre um furo e outro, visto que a variação de altitude entre eles é muito pequena. (Isto elimina as alternativas (B) e (D), que tratam de uma suposta relação entre a velocidade de escoamento e a pressão atmosférica). Outra coisa importante, a pressão hidrostática é sensivelmente maior no furo mais baixo do que no mais alto. E é por isso que a água tem diferentes alcances quando lançada num jato. Entenda-se diferentes velocidades. Sendo maior a velocidade da água que sai no furo mais baixo, por conta da maior pressão HIDROSTÁTICA (não atmosférica)! Sendo assim, a alternativa (A) é a resposta correta.

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 20
QUESTÃO 61 -----------------------------------------------------------------------------------------------------Um “elevador hidráulico” é como uma prensa hidráulica, onde a pressão aplicada em um ponto do fluido é transmitida, integralmente, para todos os outros pontos. Assim, usando tubulações com áreas diferentes, consegue-se um sistema multiplicador de forças!

Portanto, Lembrando que P = F / A, teremos

.

Sabendo que a força aplicada sobre a plataforma equivale aos pesos da pessoa, da cadeira de rodas e da plataforma, somados.

Resposta correta: alternativa C.

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 21
QUESTÃO 65 ------------------------------------------------------------------------------------------------------

O texto diz “a velocidade de propagação dessa “onda humana” é 45 km/h”. E continua: “cada período de oscilação contém 16 pessoas... distanciadas entre si por 80 cm.” E o enunciado pede “a frequência da onda, em hertz”. Ora, sabendo que , que é preciso ter a velocidade em metros por segundo e o comprimento em metros para que a frequência seja calculada em hertz, como se pede e que há 15 espaços entre 16 pessoas:

Resposta correta: alternativa C.

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 22
QUESTÃO 66 -----------------------------------------------------------------------------------------------------Em ambas as montagens, a velocidade de rotação da polia 1 é dada pelo motor, que é o mesmo nos dois casos. Na montagem P, a polia 2 é conectada à polia 1 por uma correia. Logo, a velocidade linear da polia 2 é igual à velocidade linear da polia 1 (nos pontos periféricos), que é a mesma velocidade dada pelo motor, portanto. Já a polia 3 e a polia 2 são coaxiais. Logo, suas velocidade angulares (e as frequências de rotação) são iguais, mas a velocidade linear da polia 3 é maior do que a velocidade linear da polia 2, pois a polia 3 tem maior raio. Assim, conclui-se que, nessa montagem P, a velocidade linear da polia 3 (e, consequentemente, da serra que está ligada nela) é maior do que a velocidade dada pelo motor. Na montagem Q, a polia 3 é conectada à polia 1 por uma correia. Logo, a velocidade linear da polia 3 é igual à velocidade linear da polia 1 (nos pontos periféricos), que é a mesma velocidade dada pelo motor, portanto. Já a polia 2 e a polia 3 são coaxiais. Logo, as velocidades angulares (e as frequências de rotação) são iguais, mas a velocidade linear da polia 2 é menor do que a velocidade linear da polia 3, pois a polia 2 tem menor raio. Assim, conclui-se que, nessa montagem Q, a velocidade linear da polia 2 (e, consetemente, da serra que está ligada nela) é menor do que a velocidade dada pelo motor. Ora, visto que o enunciado pede que “a serra possua menor velocidade linear”, deve-se escolher a montagem Q . Isto elimina asa alternativas (C) E (D), que optam pela montagem. A alternativa (B), entretanto, está incorreta pois afirma que, na montagem Q, “as polias 1 e 3 giram com frequências iguais”, o que é impossível, visto que estão ligadas por uma correia. A alternativa (E) também está incorreta, pois afirma que, nesta mesma montagem Q, entre as polias 2 e 3, “a que tiver maior raio terá menor frequência”, quando ambas têm a mesma frequência, independentemente de seus raios, pois são coaxiais. Logo, a resposta correta é a alternativa A. facebook.com/FisicaMarginal facebook.com/toenemai

Professor Idelfranio Sousa

ENEM 2013 – 1o dia – caderno 1 – AZUL – página 24
QUESTÃO 72 -----------------------------------------------------------------------------------------------------Para “medir a tensão elétrica aplicada à geladeira”, o eletricista precisa colocar o voltímetro (V) em paralelo com a mesma (G) (veja a figura). Para medir “a corrente total”, o eletricista precisa colocar um amperímetro (A) em série com o circuito da residência, na entrada ou na saída da corrente, ou seja, no fio “fase” ou no fio “neutro”. Finalmente, para medir “a corrente na lâmpada” (L), o eletricista precisa colocar um amperímetro (A) em série com ela. Comparando a figura acima com as alternativas dadas, vê-se que a alternativa E é a resposta correta.
Lembrando que amperímetros têm resistência elétrica bem mais baixa do que as resistências do circuito – e, por isso, devem ser ligados em série – e que amperímetros têm resistência elétrica bem mais alta do que as resistências do circuito – e, por isso, devem ser ligados em paralelo, verifiquemos o que há de errado nas alternativas (A), (B), (C) e (D):

Alternativa A: mostra o voltímetro (V) em série com a geladeira (G) – o que faria com que a geladeira não funcionasse. Alternativa B: mostra os dois amperímetros (A) em paralelo no circuito e o voltímetro (V) em série com a geladeira (G) – exatamente o contrário do que deveria ser! Alternativa C: mostra os dois amperímetros em paralelo no circuito – o que provocaria curto-circuito.

Alternativa D: mostra um dos amperímetros em paralelo no circuito – o que provocaria curto-circuito.

facebook.com/FisicaMarginal

facebook.com/toenemai

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->