GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO DIRETORIA PARA EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, INCLUSÃO E CIDADANIA

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO

OFICINA BÁSICA DE RÁDIO I

Belém – Pará 2010

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO DIRETORIA PARA EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, INCLUSÃO E CIDADANIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO

Ana Júlia Carepa Governadora do Estado do Pará

Luiz Cavalcante Secretário de Educação

Ana Lúcia de Lima Santos Secretária Adjunta de Ensino

Conceição Passos Diretoria de Educação para Diversidade, Inclusão e Cidadania

Áurea Albuquerque Coordenadoria de Tecnologia Aplicada à Educação e Coordenadora Estadual do PROINFO Vânia de Castro Jornalista responsável pela Assessoria Pedagógica

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO DIRETORIA PARA EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, INCLUSÃO E CIDADANIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO

PROGRAMA RÁDIO ESCOLA
COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO - CTAE.

Parcerias: DITEC - DIRETORIA DE TECNOLOGIA. ASCOM- ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO.

O QUE É O PROGRAMA RÁDIO ESCOLA? Projeto criado pela CTAE (2008) inspirado no programa nacional de rádio escola do MEC para incentivar educadores a utilizar a mídia de rádio (mini estúdio) em suas práticas didático-pedagógicas.

OBJETIVO: Implementar e difundir o uso de recursos tecnológicos modernos (rádios webs) e técnicas de comunicação, como instrumento pedagógico nas escolas do Estado.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

Valorizar a utilização das linguagens oral e escrita padrão.

Desenvolver a capacidade crítica e uma atuação mais responsável como cidadão atuante da comunidade. Planejar e executar ações educativas, culturais e sociais que promovam a interrelação dos sujeitos, da escola e da comunidade. Estimular nas escolas a criação de sua própria rádio web, com apoio logístico/pedagógico da CTAE/ASCOM e suporte técnico da DITEC.

Acompanhar e avaliar o processo de funcionalidade das rádios webs e adequação aos princípios norteadores que regem o funcionamento da rádio padrão -RÁDIO WEB SEDUC- estabelecidos em seu regimento interno.

Busca a interrelação dos sujeitos, escola/comunidade, educador/educando no planejamento e execução das ações escolares. Apoio: DEDIC/ DITEC.

Divulgar e valorizar a cultura amazônica e suas expressões artísticas.

PÚBLICO ALVO DIRETO: professores da rede estadual ( Belém e interior) e dos Núcleos de Tecnologias Educacionais. INDIRETO: comunidade escolar.

GOVERNO DO ESTADO DO PARA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO DIRETORIA PARA EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, INCLUSÃO E CIDADANIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO

NORMATIZAÇÃO
NORMATIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DAS RÁDIOS ESCOLARES ESTABELECIDA PELA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO - CTAE .

1- É PRÉ-REQUISITO BÁSICO ESSENCIAL QUE A RÁDIO SEJA VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO EXCLUSIVAMENTE SEM FINS LUCRATIVOS: SEM PROPAGANDAS DE ESTABELECIMENTO COMERCIAL E POLÍTICO, NEM RECEBER PAGAMENTO POR QUALQUER OUTRO SERVIÇO PRESTADO. 2- DEVE SER IMPARCIAL SOB TODOS OS ASPECTOS ( POLÍTICA PARTIDÁRIA, POLÍTICA INTERNA DA ESCOLA ETC): SEM PARTICIPAR DE CAMPANHAS NEM FAZER DIVULGAÇÃO DE AÇÕES PROMOVIDAS POR PARTIDOS POLÍTICOS. 3- DEVE PARTICIPAR DE CAMPANHAS DE UTILIDADE PÚBLICA QUE SEJAM EDUCATIVAS E QUE TRAGAM BENEFÍCIOS À COMUNIDADE ESCOLAR. 4- ALUNOS, PROFESSORES OU PESSOAS DA COMUNIDADE ESCOLAR A SERVIÇO DA RÁDIO WEB ESCOLAR SERÃO VOLUNTÁRIOS, NÃO PODENDO RECEBER, NENHUMA REMUNERAÇÃO POR ESSE SERVIÇO. 5- DEVE ESTAR ABERTA À CONTRIBUIÇÃO DO CORPO DOCENTE, DISCENTE E DA COMUNIDADE, SEM RESTRIÇÕES DE RAÇA, CREDO, SEXO OU PROFISSÃO. 6 -DEVE PRIORIZAR PROGRAMAÇÃO VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO, ARTE E CULTURA. 7- DEVE MANTER LINGUAGEM CORRETA E DE BOM NÍVEL (USAR A LÍNGUA PORTUGUESA PADRÃO) NA APRESENTAÇÃO DE SEUS PROGRAMAS E OUTROS RECURSOS (VINHETAS, CHAMADAS, SPOTS,ETC)), EVITANDO O USO DE LINGUAGEM DE BAIXO NÍVEL COMO PALAVRÕES OU GÍRIAS DEPRECIATIVAS.

8- DEVE TER POSTURA ÉTICA: NÃO USAR A RÁDIO PARA AGREDIR OU DENEGRIR A IMAGEM DE OUTROS.

GOVERNO DO ESTADO DO PARA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO DIRETORIA PARA EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, INCLUSÃO E CIDADANIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO

OFICINA BÁSICA DE RÁDIO I 1-O RÁDIO NA EDUCAÇÃO: HISTÓRICO E FUNÇÕES. 2-USO DA LINGUAGEM RADIOFÔNICA: LOCUÇÃO DE RÁDIO GÊNEROS DE PROGRAMAS PRODUÇÃO DE RÁDIO PRINCIPIOS NORTEADORES DE FUNCIONAMENTO 3- EQUIPAMENTOS BÁSICOS DE RÁDIO: CONHECENDO OS EQUIPAMENTOS

OFICINA BÁSICA DE RÁDIO II 1-RÁDIO JORNALISMO. A PAUTA/ A NOTÍCIA TEXTO DE JORNAL PRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO. . 4- EQUIPAMENTOS BÁSICOS DE RÁDIO: EQUIPAMENTOS E SUA OPERACIONALIDADE

GOVERNO DO ESTADO DO PARA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO DIRETORIA PARA EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, INCLUSÃO E CIDADANIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO

OFICINA DE RÁDIO I

O RÁDIO NA EDUCAÇÃO A HISTÓRIA DO RÁDIO: Final do séc. XIX: confinado ao ambiente militar (arma de guerra). Até 1919, as emissões particulares eram proibidas em toda parte. 1ª guerra mundial (1914-1917): primeiro laboratório de utilização do rádio para fins militares. Inglaterra: Sucesso nas operações navais dominando a tecnologia da comunicação sem fio, com transmissões de mensagens que cruzavam o oceano Atlântico através das ondas do rádio. EUA investem na comunicação de massa. Nos anos 20 acreditavam que serviria para elevar o nível cultural de toda a população. BRASIL: em 7 de Setembro de 1922 o rádio chega ao Brasil na festa de centenário da independência.
ROQUETTE PINTO

20/04/1923- Rádio Sociedade do Rio de Janeiro e a instalação definitiva da radiodifusão no Brasil. Acreditava na propagação da Ciência e da Arte. A primeira função do rádio brasileiro foi, principalmente educativa. A elite dominava: óperas, conferências, palestras bilíngües. COMERCIAIS: produtos de ideologias e pastas de dentes. BRASIL (1937): Getúlio Vargas e a “Hora do Brasil” (divulgador oficial do governo). ANOS 40: música popular brasileira, os programas humorísticos, as radionovelas, criaram e aperfeiçoaram a linguagem do rádio brasileiro. ANOS 70: democratização do rádio com as ondas hertzianas patrimônio da humanidade, todos têm o direito de emitir opiniões, participar da construção das notícias, ser sujeito de comunicação. Hoje o rádio é o veículo de massa mais democrático e eficaz para se fazer uma mobilização social, pois fala para a comunidade. O RÁDIO VIA INTERNET: Setembro de 1995 (Texas) KLF de Dallas. Primeira emissora comercial transmitida de forma contínua e ao vivo pela internet. Pioneirismo no Brasil: Rádio Web Itatiaia (1997)

USO DA LINGUAGEM RADIOFÔNICA I- A LINGUAGEM
O processo de produção em rádio vai da pauta à locução e compreende o uso da linguagem escrita e a construção de textos. Falar no rádio deve ser a mesma coisa que falar com amigos, a fala supõe uma linguagem mais leve e informal, assim como um bate papo com amigos, com muita descontração. Usam-se palavras concretas, que transmitem uma imagem, que possam ser vistas, tocadas, sentidas, que tenham peso e medida. A linguagem radiofônica é fundamentalmente DESCRITIVA, NARRATIVA E SEDUTORA. Descrição / Narração: trabalhar com sua fala e a imagem que o ouvinte cria. Sedutora: Fazer rádio é seduzir o ouvinte. E como acontece? È preciso entrar na magia do rádio, gostar do que faz e desfrutar do programa. O rádio é um meio produzido para o sentido da audição e não para os olhos, ou seja, as palavras devem sugerir “ imagens” para que o ouvinte”enxergue” pela voz do locutor. Todas as mensagens ao serem lidas devem estar condicionadas a um ritmo. O locutor dá a harmonia do programa. Toda essa produção deve reter a atenção do ouvinte. PREPARAÇÃO: Antes de ir para o ar, precisamos preparar o que vamos falar, prestar muita atenção no que falamos e nunca deixar de lado algo fundamental que é o respeito ao ouvinte. USO DA PALAVRA 1- É preciso dosar bem o uso da linguagem oral, tanto quantitativa quanto qualitativa. 2- A mensagem deve ser concreta, verdadeira, importante e atraente. 3- Usamos palavras simples para que todos possam entender (frases curtas e claras), evitando expressões negativas. 4- O texto deve ser escrito como se fala. Ao ser lido sairá com naturalidade e vai parecer que o fato está sendo contado. LINGUAGEM RADIOFÔNICA: CLARA, SIMPLES, DIRETA E AMIGÁVEL.
  

CLARA: não colocar muitas idéias num só parágrafo e não usar palavras difíceis do ouvinte entender. SIMPLES: Em rádio, usamos palavras fáceis. Não complique. Não abuse de palavras técnicas, abstratas, estrangeiras, pouco usuais. DIRETA: (OBJETIVIDADE) diga o que tem que dizer sem rodeios. Evite abusar de comparações difíceis e da construção de frases rebuscadas. Quando escrever para o rádio, primeiro escreva, depois leia em voz alta e, então, sinta se soa como linguagem oral. Seja objetivo, seja breve. AMIGÁVEL: conversa radiofônica é íntima, se fala ao ouvido das pessoas. Não faça discurso. Converse com o ouvinte falando sempre para uma pessoa, no singular. Nunca imagine falar para uma multidão, mesmo supondo que sejam muitos os seus ouvintes. Use sempre o “você” e não o vocês. Fale diretamente com ele, o ouvinte.

II- A LOCUÇÃO É dever do locutor estar sempre “bem informado” sobre o que acontece na comunidade escolar, no Estado, no país e no mundo e, evidentemente, sobre o que vai apresentar no programa. Quem trabalha com locução deve ter o hábito da leitura, precisa ler, ler ontem, hoje, amanhã e sempre. Ao colocar a informação no ar, o locutor deve causar a sensação de que ele está “ falando a notícia” e não “lendo a notícia”. Antes de abrir o microfone, o locutor deve:  ler o texto (esclarecendo dúvidas sobre pronúncias de nomes de pessoas e lugares).  Marcar as palavras que devem ser lidas com ênfase.  Assinalar as pausas de respiração.  Checar a pronúncia correta de nomes e lugares.  Ler sem pressa.  Interpretar ( e não despejar) o texto.  Ser natural – alegre, triste ou irônico – sempre respeitando o tom da notícia.  Acreditar no que está lendo.  Pronunciar bem as palavras (ter boa dicção).  Ter boa postura: não ser moralista, autoritário, professoral, arrogante.Deve ter seriedade e respeito com o ouvinte. O QUE DIZER NA ABERTURA DO PROGRAMA: Diga só o necessário, mas o suficiente para transmitir sua mensagem. 1-Faça a saudação incluindo hora e data. 2-Nome do rádio. 3-Nome do programa e conteúdo do programa. 4-Diga seu nome. 5-convide o ouvinte a participar através de telefone, e-mail, bilhete, carta. 6-Anuncie a primeira música. EXEMPLO DE TEXTO DE ABERTURA DE UM PROGRAMA: BOM DIA. SÃO 8 HORAS EM BELÉM DO PARÁ. HOJE DIA 21 DE JULHO DE 2010 É DIA DO AMIGO. ESTÁ ENTRANDO NO AR ATRAVÉS DA SUA RÁDIO WEB SEDUC MAIS UMA “MANHÃ POÉTICA”, COM MÚSICA DE BOM GOSTO, DICAS, POESIAS E INFORMAÇÕES DO NOSSO UNIVERSO LITERÁRIO PARA PESSOAS DE BOM GOSTO COMO VOCÊ. EU SOU ________________ E VOU FICAR EM SUA COMPANHIA ATÉ ÁS 10 HORAS. E PARA DEIXAR O NOSSO PROGRAMA MAIS AGRADÁVEL, VOCÊ PODE PARTICIPAR FAZENDO O SEU PEDIDO MUSICAL, MANDANDO AQUELA MENSAGEM PARA SUA FAMILIA, PROFESSORES, COLEGAS DE TRABALHO E AMIGOS. É MUITO FÁCIL, BASTA LIGAR___________ OU ESCREVER PARA RODOVIA AUGUSTO MONTEGRO – K10 ICOARACI. BELÉM – PARÁ - BRASIL. SE PREFERIR MANDAR UM E-MAIL, NOSSO ENDEREÇO ELETRÔNICO ESTÁ A SUA DISPOSIÇÃO DIGITE RADIOWEB @ SEDUC. PA. GOV. BR. MANDE O SEU RECADO. SERÁ UM PRAZER ATENDER VOCÊ. QUE TAL COMEÇARMOS COM UMA HOMENAGEM ESPECIAL AO AÇAÍ NOSSO DE CADA DIA, QUE SÓ AS MÃOS DE TOQUE ABENÇOADO SABEM FAZÊ-LO: NILSON CHAVES - SABOR AÇAI. TEC: MÚSICA SABOR AÇAÍ

III-GÊNEROS DE PROGRAMAS ENTREVISTA, NOTICIÁRIO, MUSICAL, FICÇÃO, ESPORTIVO, RELIGIOSO, EDUCATIVO, HUMORÍSTICO E DE VARIEDADES. RADIONOVELA,

JORNALÍSTICO: tem notícias, debates, acontecimentos, informações gerais. EDUCATIVO: específico sobre determinado assunto, com apoio técnico-científico de um profissional que domine o assunto. VARIEDADES: tem músicas, serviços, notícias, utilidade pública, novidades em geral. IV-COMO FAZER UM PROGRAMA DE RÁDIO CARACTERÍSTICAS: O programa de rádio possui blocos (divisões/seções) que compõem uma programação. Elementos que constituem um programa ou bloco: Aberturas, Vinhetas, Comerciais, Chamadas etc. Ex: Programa de gênero Informativo / Musical tem: Abertura Música e/ou propaganda da comunidade escolar. Bloco informativo (entrevista/apresentação de um tema). Música e/ou propaganda da escola. Bloco informativo (dicas culturais; informe interno e da comunidade) Música(s) Encerramento V - PRODUÇÃO DE TEXTO E SONORAS ETAPAS DA PRODUÇÃO: 1-Construção da pauta: planejamento. Produção: tem roteiro, produção dos textos, dos intervalos, de vinhetas e dos sons de fundo (BG). Ensaio e gravação. 2-Duração do programa: avalie seus objetivos e a realidade da turma. Qual é a duração do programa? Que tipo de produção se vai fazer? Produção simples ou trabalhada? 3-Dividir os alunos em equipes e distribuir os temas a serem trabalhados nos programas que serão feitos (programas adiantados). Rádio é trabalho de equipe. a) PRODUÇÃO DE TEXTOS: 1- envolve a construção de textos de apresentação, reportagem, notícias, perguntas para o entrevistado, textos publicitários sobre a escola e outros. b) PRODUÇÃO SONORA: 1- envolve a construção de vinhetas, dos jingles, a busca por efeitos sonoros e musicais. c) GRAVAÇÃO Explorar as ferramentas de multimídias, do software, de edição, como baixar e copiar o Aldacity (software de edição de som). http:// audacity. Sourceforge.net

VI - A PAUTA A pauta é o roteiro dos principais assuntos ou temas que merecem cobertura de um programa de rádio. Ela contém resumo do que deve ser apurado na reportagem e indicações básicas como:  Pessoas a serem ouvidas;  Meio de contato com elas (telefone, endereço etc).  Sugere as perguntas básicas, os pontos que serão tratados na reportagem e mostrar as possibilidades de abordagem do tema pelo repórter ou locutor entrevistador.

A CONSTRUÇÃO DA PAUTA DE TRABALHO DEFINIR A PAUTA: planejar um roteiro de trabalho. O grupo vai definir: haverá vinheta da rádio e de abertura do programa? Qual a duração do programa? Como será cada bloco? Qual a equipe envolvida e qual a função de cada um? Com esse planejamento as equipes poderão se dividir em tarefas como produção de vinhetas, locução, edição, pesquisa, entrevista (aluno-repórter), redação, produção de efeitos sonoros. SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA ORGANIZAÇÃO DE PAUTA Nome da rádio: Nome do programa: Material a ser usado para a elaboração do programa de rádio: Divisão de tarefas: Sinopse do programa: COMO FUNCIONA CADA BLOCO: BLOCO 01 Duração total do bloco ? O que vai compor esse bloco? (entrevistas? músicas? informação? leitura de um poema? E respectiva duração de cada parte. INTERVALO BLOCO 2 Duração total do bloco? O que vai compor esse bloco? (entrevista, música, informação, cultura) e respectiva duração de cada parte. Encerramento do programa Vinheta do programa. Vinheta da Rádio (assinatura da rádio). VII- SONOPLASTIA RECURSOS SONOROS Todo programa deve começar e terminar com trechos de música. Isso permite que, já na abertura, o programa seja identificado imediatamente pelo ouvinte. Músicas, sons e efeitos especiais são importantes no rádio. Compensa a limitação do veículo, que utiliza apenas um dos nossos sentidos. Os recursos sonoros no rádio colaboram para a criação de “imagens” auditivas. CORTINA: quando se usa uma música para começar algum programa. EFEITOS: usados para dar mais realidade à programação. É a repetição de um som que foi feito (gravado) no estúdio.

VINHETAS: são usadas em varias situações. Vinheta de abertura e encerramento de um programa; passagem de bloco; mudanças de ambientes e outros. FUNDO MUSICAL (BG): usado durante um bate papo, conversa com o ouvinte ou qualquer outra programação, para ficar mais animado ou destacar o tema. Deve-se ter cuidado para não utilizar como fundo musical, composições com letras ou em altura que dificulte a compreensão da conversa ou da voz do apresentador. VIII- - A PROGRAMAÇÃO MUSICAL Este é um assunto importantíssimo, pois a programação musical de uma rádio está atrelada diretamente ao gosto do ouvinte e não ao gosto do locutor. Quem fica responsável pela programação das músicas (DJ) deve estar atento para tocar as músicas que o ouvinte quer, pois o que se toca é para agradar aos ouvintes e não ao um grupo ou a uma determinada pessoa. As músicas tocadas devem pertencer a todos os gêneros e o DJ deve tocar um pouco de tudo, mas como estamos falando de rádio na educação deve-se ter cuidado com as músicas de sentido duplo, de gosto duvidoso, preconceituoso, de frases chulas e que nada acrescentam para o enriquecimento cultural da comunidade escolar. Nada de direcionar uma tendência musical, por que está na moda ou por que é do gosto de quem está por trás do microfone. Não esqueça: Rádio se faz para o ouvinte. IX- AVALIAÇÃO ‘O QUE APRENDI COM ESSE PROJETO?” Questionário; reuniões semanais ou por quinzena; registro de pontos positivos e negativos do trabalho da equipe, de cada apresentação, de falhas, dificuldades encontradas, propostas e sugestões para os próximos trabalhos. Verificar se os alunos foram capazes de: -vivenciar a produção de um programa de rádio? -elaborar uma pauta? -produzir textos para os programas? -trabalhar em equipe? -selecionar informações relevantes? -editar informações? -explorar as ferramentas tecnológicas para a produção de programas de rádio? -trabalhar a habilidade de comunicação oral e escrita? DICAS DE RÁDIO: Antes de usar o microfone, deve-se testá-lo e direcioná-lo a pessoa que vai falar. Não fale em cima do microfone, mantenha-o afastado pelo menos um palmo da boca, se ficar muito perto teremos os famosos”pufs” no ar (saturação na captação). Cuidado com a respiração, o microfone capta tudo e amplia. Sabe-se quando o locutor é iniciante pela respiração. Não vire a folha se estiver lendo diante do microfone. Você deve se identificar com ouvinte, e não ouvinte com você. Quando no ar o locutor precisa ser agradável, pois são muitos os ouvintes presenciando sua forma de se comunicar. Quando for ler algo, interprete corretamente o texto (leia antes de abrir o microfone) para não dar mancada e ser alegre em notícias tristes e vice-versa. Ao ler seu tom precisa ser convincente, você tem que acreditar naquilo que está lendo.

• • • • • • •

• • • •

• •

Pronuncie bem as palavras ( não esqueça dos finais com “s” e “r” e articule bem as palavras, os finais das frases. Não se desconcentre. Não permita barulho no estúdio e nem outras pessoas que possam lhe tirar a atenção. Evite tossir, espirrar ou bater com a caneta na mesa. A voz é o instrumento de trabalho do locutor, por que é ela que cria a magia do programa. A bela voz não é só aquela aveludada, grave, mas sim a com boa dicção, articulação e interpretação diante do microfone. Quando estiver falando não se distraia para não esquecer o microfone aberto. Capriche na abertura do programa. Para que o bom orador realize com êxito o seu discurso, ele tem que caprichar na introdução. O teor das primeiras palavras é fundamental para se ganhar a atenção do ouvinte desde o início. Portanto, capriche na abertura do programa é regra entre os bons locutores. Realizar a abertura de um programa com sucesso vai dar ao locutor satisfação, tranqüilidade e segurança.

EXERCÍCIOS 1-O prestidigitador prestativo e prestatário está prestes a prestar a prestigitação prodigiosa. 2-A prática da padaria está na pradaria prateando prados prateados. 3-Branca branqueia escrabras brabas das bruacas e bruxas branquejantes. 4-Trovas e trovões trovejam trocando quadros trocados entre os trovadores esquadrinhados nos quatro cantos. 5-As pedras pretas da pedreira de Pedro Pedreiras são os pedregulhos com que Pedro apedrejou três pretas prenhas. 6-O grude da gruta gruda a grua da gringa que grita e, gritando, grimpa a grade da grota grandiosa. 7-No quarto do Crato eu cato quatro cravos cravados no crânio da caveira do craveiro. 8-O lavrador é livre na palavra e na lavra, mas não pode ler o livro que o livreiro quer vender. 9-Fraga deflagra um drible, franco franqueia o campo, o povo se inflama e enfrenta o preclaro júri, que declara grave os problemas. 10-Quero que o clero proclame, aclare o caso de Clara e declare que clama e reclama claro. 11-A flâmula flexível no florete do flibusteiro flutuava fluorescente na floresta de flandres. 12-Na réplica a peble pleiteia planos de pluralidade plausíveis na plataforma do plenipotenciário. 13- No tablado os emblemas das blusas dos oblatas estavam obliterados pela neblina oblíqua. 14- A hidra, a dríade e o dragão ladrões do dromedário do druida foram apedrejados. 15-O lavrador lavrense estudou as livrilhas e as lavrascas no livro do livreiro de livralascas.

16-O gato cruel cravou as garras no cangote do camundongo que comia crosta de cará na cumbuca quebrada. O cão que cochilava acordou com o conflito e correu com o gato de Croelândia. 1- TEXTO PUBLICITÁRIO: A VITÓRIA DE UM LIDER, É UMA CONQUISTA DIÁRIA,// FEITA DE PEQUENOS GESTOS E ATITUDES.// A ESCOLA X REAFIRMA ESTA VERDADE A CADA DIA, / SE EMPENHANDO AO MÁXIMO/ PARA QUE VOCÊ POSSA USUFRUIR DE NOSSA COMPANHIA E LIDERANÇA/ COM TODA A TRANQUILIDADE QUE SUA VIDA DE ESTUDANTE MERECE.// ESCOLA X PRIMEIRO LUGAR EM EDUCAÇÃO.

2 - TEXTO DE UTILIDADE PÚBLICA: PEDE-SE A QUEM ENCONTROU UMA BOLSA DE COR PRATA, CONTENDO UMA ESCOVA DE CABELO, UMA AGENDA TELEFÔNICA E UMA CARTERIA DE ESTUDANTE EM NOME DE ROSA MARIA DA SILVA, ENTREGAR NA SALA F01-DA 8ª SÉRIE OU PARA A PROFESSORA ANA CLAUDIA, NA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA.

3 - TEXTO DE SERVIÇOS: A PROFESSORA SILVANA DA BIBLIOTECA, ESTÁ LEMBRANDO A VOCÊ QUE SOLICITOU EMPRÉSTIMO DE LIVROS NO INICÍO DO MÊS E AINDA NÃO FEZ A DEVOLUÇÃO DOS MESMOS, QUE COMPAREÇA A SALA DE LEITURA LEVANDO O QUE EMPRESTOU. DESTA FORMA, VOCÊ PODE CONTRIBUIR PARA QUE OUTROS ALUNOS POSSAM TER ACESSO AOS LIVROS DA ESCOLA E ATÉ MESMO SOLICITAR NOVOS LIVROS.

REFERẼNCIAS BARBOSA, Najla & MOTA, Carlos. Currículo e diversidade cultural. In. Curso PIE/FE/UnB, Brasilia, 2002. BRAGA, José Luiz & CALAZANS, Maria Regina. Comunicação e Educação: questões delicadas na interface, São Paulo, Hacker Editores, 2001. CESAR, Cyro. Como falar no rádio – Prática de locução AM e FM. São.Paulo: Summus Editorial,2003. CALABRE, Lia. A era do rádio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2002. CITELLI, Adilson. Comunicação e Educação. A linguagem em movimento. São Paulo:Senac, 2000. FREIRE, Paulo. Pedagogia e Autonomia - Saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Brasil:Paz e Terra,1997 . GREEWFIELD, Patricia M. O desenvolvimento do raciocínio na era eletrônica: os efeitos da TV, computadores e videogames.S. Paulo: Summus, 1988. MOREIRA, Sônia Virginia. O rádio no Brasil. Rio de Janeiro, Rio Fundo,1991. Zara Rádio – http://www.zararadio.com www.radios.com.br Ipod http://pt.wikipedia.org/wiki/Ipod WEB Rádio – http://pt.wikipedia.org/wiki/radio_web Pesquisa se sons: http://www.usp/educomradio/download/downloads.asp Streaming –http://pt.wikipedia.org/wiki/streaming

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful