LICURI (Syagrus coronata

)
Cícera Izabel Ramalho

1. Introdução A caatinga, vegetação típica do semi-árido tem sido descrita na literatura como pobre e de pouca importância biológica. Porém, levantamentos mostram que este ecossistema possui um considerável número de espécies endêmicas que devem ser consideradas como um patrimônio biológico de valor incalculável. Além da grande importância biológica, a vegetação da caatinga apresenta um potencial econômico ainda pouco valorizado. Em termos de potencialidade frutífera, entre outras plantas, destaca-se o licuri que por ser uma palmeira totalmente aproveitável, vem sendo amplamente explorada desde os tempos coloniais (KILL, 2002). O licuri (Syagrus coronata) é uma palmeira bem adaptada às regiões secas e áridas da caatinga e possui grande potencial alimentício, ornamental e forrageiro, sendo o seu manejo de grande importância para essas regiões visto que as mesmas apresentam limitações para a agricultura. No entanto, essa cultura ainda é explorada de forma extrativista. A otimização do uso dessa palmeira, certamente contribuirá para melhoria da qualidade de vida da população, tanto com a utilização dos seus frutos na alimentação humana, pois estes apresentam um bom valor nutricional, como também para aumentar o desenvolvimento sócio-econômico do semi-árido gerando renda para a população pela utilização das folhas do licuri, para fabricação de artesanatos.

Taxonomia e origem O licuri (Syagrus coronata) (Martius) Beccari. sendo a maior entre as Arecaceae. estão arranjados em vários planos (LORENZI. até o sul de Pernambuco. Segundo Uhl et al. pinadas de pecíolo longo com bainha invaginante. 1992) (Figura 2A). (1995).2. Mede de 8 m a 11 m. Seu estipe é recoberto pela base das bainhas das folhas mais velhas. subfamília Arecoideae. Palmeira Licuri em meio à vegetação seca da caatinga . tendo folhas com mais ou menos 3 m de comprimento. É uma palmeira típica do semi-árido nordestino. protegida por uma bráctea . 1986). essa subfamília reúne atualmente 115 gêneros e 1500 espécies. ocupando toda a porção oriental e central da Bahia. apresentando inflorescência interfoliar. ALICURI E OURICURI. A palmeira é monóica. Descrição da Planta O licuri é uma planta reconhecida na composição da caatinga. 3. sendo conhecida ainda por ARICURI. a espécie tem uma nítida preferência pelas regiões secas e áridas das caatingas. e seus folíolos. tribo Cocoeae. pertence à família Arecaceae. Figura 1. arranjadas numa seqüência de espiral.Senhor do Bonfim – BA. muito ramificada. que caem após certo período de tempo. NICURI. de coloração verde-escura. incluindo também os Estados de Sergipe e Alagoas (NOBLICK. subtribo Butineae (Noblick. 1991). abrangendo o norte de Minas Gerais. deixando cicatrizes que formam um desenho muito atrativo (Figura 2B).

. . sendo. Flores femininas são mais curtas com ovário súpero. que se torna sólido no processo de amadurecimento. ovóide e carnoso. mas também dos indivíduos considerados (Figura 2D).4 cm. 2001). quando seco apresenta endoderme oleaginosa. 4. 2002) (Figura 2C). fornecidos por levantamentos fenológicos.. Desenvolvimento reprodutivo O conhecimento dos padrões de florescimento e de frutificação de uma espécie. com um óvulo em cada lóculo.357 frutos. Flores masculinas longas e coriacea com seis estames. com grande quantidade de flores amarelas pequenas com perianto não vistoso. respectivamente (CREPALDI et al. dando origem à amêndoa.0 cm e 1. Enquanto verdes. apenas um lóculo fértil (JOLLY. os frutos possuem o endosperma líquido. Inflorescência (C) e Frutos (D) do Licuri (Syagrus coronata). que têm comprimento e diâmetro médios de 2. 1985. trilocular. conhecida como cimba. 2005). Segundo Lojan (1968) algumas práticas de manejo dariam melhores resultados se fossem levados em consideração os conhecimentos fenológicos das espécies. quanto o seu sucesso reprodutivo.(espata) lenhosa. Caule (B). tricarpelar. em forma de cachos repetidos. REYS. O fruto é uma drupa com endosperma abundante. de até 1 m de comprimento. Detalhe da Folha (A). dependendo não apenas do seu estágio de maturação. é básico para compreender tanto o seu processo. Normalmente são levantamentos mais comuns para as espécies cultivadas em plantios do que para as populações naturais (FISCH et al. A B C D Figura 2. Quando maduros estes apresentam uma coloração que varia do amarelo-claro ao laranja. Os cachos de licuri têm em média 1.

MATTHES & CASTRO (1987) registraram 42 a 334 dias para que o processo de germinação ocorresse em sementes de licuri sob condições de viveiro. 1990).. CUNHA e JARDIM. Lorenzi (1992). Lorenzi (1992).. MERLO et al.Por ser o Licuri uma espécie de ocorrência natural. KOEBERNIK (1971) observou que para quatro espécies de Syagrus estudadas que as sementes levavam um período entre 35 a 77 dias para germinarem. afirma que são necessários mais de 4 meses para a germinação. 1995). Isto é importante porque garante a oferta de frutos durante todo o ano. o licuri. afirma que a safra do licuri ocorre no período de outubro a dezembro. A produção média anual em um hectare nativo de licuri é de 2. podendo este fato está relacionado a obstáculos mecânicos como espessura da testa e endocarpo (TOMLINSON. 1992. mesmo em condições adequadas de germinação. Como a maioria das espécies de Arecaceae. 1993. a produção diminui.000 Kg de coquinhos. porém sempre ocorre de maneira satisfatória. no entanto Bondar (1938). No entanto. obtenção das sementes e produção de mudas A propagação do licuri é feita exclusivamente de forma sexuada. mesmo sob condições adequadas (BROSCHAT e DONSELMAN. a frutificação do licuri ocorre durante um longo período do ano. Para Pitman (2000).000 quilos (SANTOS E SANTOS. no entanto parece ter o seu pico de floração definido em cada área específica. Broschat e . O licurizeiro começa a frutificar. os meses de março. não existe trabalhos sobre a sua fenologia. em um licurizal bem plantado e bem cultivado. apresenta dificuldades para germinar. Nos anos de pluviosidade abaixo da média. 1988. Do mesmo modo. DARLEEN et al. afirma que embora floresça e frutifique o ano todo. junho e julho apresentam maior frutificação. Segundo o autor. Para esses autores uma das características da germinação de sementes de palmeiras é apresentar uma variação quanto ao número de dias requeridos para germinarem. 5. a produção de coquinhos não deverá ser inferior a 4. visto que a chuva não cai igualmente sobre o semi-árido baiano. seis anos após o plantio. Segundo Carvalho et al. este fenômeno está relacionado aos índices pluviométricos. Por outro lado. (2005). o mecanismo de controle da germinação de sementes de palmeiras é pouco conhecido. É comum que sementes de palmeira não dêem respostas favoráveis. caracterizando o período da safra. Propagação. 2002).

Diversos autores realizaram trabalhos em que o despolpamento do fruto e a embebição possibilitam aumentar a porcentagem de germinação das sementes de palmeiras (BOVI. GUIMARÃES DUQUE. Os frutos devem ser coletados diretamente da árvore quando iniciam queda espontânea. afirmam que por ser a germinação de sementes de palmeiras bastante lenta. 1976.. 1940a. pouco se sabe a respeito podendo citar apenas como praga dessa cultura a Batrachedra nuciferae. torna-se necessário adotar mecanismos que acelerem esse processo. Quanto ao ataque de pragas e doenças ao licurizeiro. 1977. Figura 3. 1940b). 1938). 6. Apesar da grande utilidade que o licuri apresenta. Fazendo-se necessário a realização de pesquisas sistematizadas com a espécie. 1992). 2004). 1990. ainda que cascalhentos e secos (LORENZI. Por ser o licurizeiro de ocorrência natural. . que também ataca o coqueiro (BONDAR. ocorrendo em solos de boa fertilidade. faltam informações conclusivas sobre a germinação de suas sementes e o desenvolvimento inicial das plantas. para que se possa ter resultados conclusivos sobre o seu manejo.Donselman (1988). BOVI e CARDOSO. BOVI et al. O licurizeiro é também considerado padrão de terra boa. Manejo agronômico O licuri ocorre em solos silicosos de baixa e média fertilidade (GOMES. tratos culturais e outros. Germinação do Licuri. 1987). faltam estudos sobre seu cultivo. Deve-se despolpá-los e deixá-los secar (Bondar.

graxa para sapatos. Estas também são usadas para retirada da cera do licuri utilizada na fabricação de papel carbono. Representa ótima ração adicional para vacas leiteiras de bom padrão racial. origina-se uma torta também comercializada que serve como alimento para animais. A amêndoa é consumida in natura. 1977). sendo considerada equivalente a da carnaubeira (GOMES. Esta contém 55 a 61% de óleo comestível. Lin). (GOMES. As indústrias fabricavam óleo de licuri em Senhor do Bonfim com destino à produção de saponáceos (sabão em pó. e o leite de licuri.7. . no entanto a sua exploração ainda se dá de forma extrativista. espanadores. Recentemente. chapéus. 2002). Do resíduo obtido com a extração do óleo. detergentes. licores. vassouras. análogo ao coqueiro da praia (Cocus nucifera. 1977). Pesquisadores do CEFET-BA estudaram o uso do licuri na fabricação de barras de cereais devido o seu grande potencial para alimentação humana. Da amêndoa também é extraído um óleo usado em culinária da população do semi-árido (BONDAR. essa pesquisa foi concluída com resultados positivos o que fortalece a urgência de estudos sobre essa cultura. visto que o licuri é considerado o melhor óleo brasileiro para a produção de sabão (SANTOS e SANTOS. 1977). são confeccionados sacolas. sabão em barra e sabonetes finos) considerados de alta qualidade. 1938). 19% de proteínas. sendo também utilizada para fabricação de cocadas. para o desenvolvimento precoce de animais de corte e também para reprodutoras (GOMES. esta torta apresenta 41% de substâncias não azotadas. etc. móveis e pintura de automóveis. muito utilizado na culinária baiana. 16% de celulose e 11% a 12% de óleo. Potencialidades de uso O licurizeiro apresenta grande importância nos municípios onde se encontra. pois representa fonte de renda para a população. Das suas folhas.

Ainda segundo esses mesmos autores.5% (AGUIAR et al.6 kcal 100 g-1 para a polpa e 527. pouco se conhece sobre o valor nutricional dos seus frutos. a análise realizada nos frutos de licuri indica que a espécie apresenta frutos bastante energéticos (635.18 a 5. 1980). entretanto. Segundo Crepaldi et al.. na análise nutricional dos frutos do licuri. embora menos expressivo do que em outros vegetais. O teor de proteínas. como as dos gêneros Jessenia e Oenocarpus. . Mulher catando Licuri para fabricação de cocadas em Jaguarari . sendo estimado um valor calórico de 108. merece destaque o teor de lipídeos (49.2%) e de proteínas (11. que corresponde a apenas 8% do peso seco (BECKERMAN.3 kcal 100 g-1 para a amêndoa. 8. Valor nutricional O licuri é uma palmeira que apresenta importante papel sócio-econômico para as comunidades dos municípios onde se encontra.2%) da polpa dos frutos.Figura 4. ou em frutos de palmeiras de outras regiões.5%) da amêndoa e o teor de carboidratos totais (13. é maior do que o encontrado em frutos de espécies de palmeiras amazônicas.9 kcal 100 g-1).BA. (2001). 1977). como outras espécies exploradas ou subexploradas como alimento. que varia de 1.

5±0.2±0.8±0.4±0. a vegetação típica da região (xerófila) apresenta grande potencial forrageiro.2 traços traços 26.38 1.2±0. Com isso.4±0. e a partir daí buscar o resgate social e econômico da sua população.3 0.5±0.06 4.6 Amêndoa 28. conhecida por alguns como “o ouro verde do semi-árido” vem de encontro a tal objetivo.Tabela1: Composição nutricional de frutos de Licuri (Syagrus coronata) Parâmetros analisados Composição centesimal Umidade (%) Cinzas (%) Lipídeos (%) Nitrogênio (%) Proteínas (%) Carboidratos totais (%) Composição Vitaminica Xantofila α-caroteno β-caroteno (µg g-1) Valor Pró Vitamina A (ER) α-tocoferol (µg g-1) Ácido ascórbico Valor calórico (kcal 100g-1) Fonte: Crepaldi et al. palmeira de grande importância social.3 9.1 3. No entanto. (2001). frutífero e medicinal que pode ser explorado de maneira a garantir a sustentabilidade econômica da região.4±0.01 11.03 9.08 2. Cabe a pesquisa a identificação e estudo de espécies com esse potencial.2±0.5 3. Considerações finais A escassez ou a má distribuição das chuvas na região semi-árida torna difícil o desenvolvimento da agricultura. .7 4.16 1. Média e desvio padrão Polpa 77.4 traços 108. uma vez que pode melhorar a renda e qualidade de vida da população.2 13.7 nd nd nd nd nd nd 527.6±0.01 49. o cultivo do licuri.1±0.

BOVI. A. RODRIGUES. BOVI. R. I. BONDAR. GODOY-JÚNIOR. The use of palms by the barí indians of the Maracaibo basin.) BECC). MURADIAN... C.. SALATINO. S. v. 1987. 1940a. L. DONSELMAN. p. G. v. BROSCHAT. Insetos nocivos e moléstias do coqueiro (Cocos nucifera) no Brasil. R. 1976... P. Uso de substâncias reguladoras e não-específicas na germinação de sementes de licuri (Syagrus coronata (MART. Composição nutricional do fruto de licuri ( Syagrus coronata (Martius) Beccari). Germinação de sementes de açaizeiro ( Euterpe oleraceae Mart. 1988. BONDAR. G. RIOS. G. Y. A. CARVALHO. . SHRIMPTOM. M.. G. 2. CREPALDI. CAMARGO PENTEADO. M. 2001. A. MARINHO.10. São Paulo. Referências bibliográficas AGUIAR. M. M. de. S. Revista Brasileira de Botânica. C. L. H. 1977. CARDOSO... Sitientibus Série Ciências Biológicas 5 (1): 28-32. 160p. Bragantia 35: 91-97. Revista de Entomologia. 2005. G.11.. Bahia: Tipografia Naval. PELACANI.. Palm seed storage and germination studies. Licurizeiro e suas potencialidades na economia brasileira. Principes 21:143-154... Instituto Central de Fomento Econômico da Bahia 2:18. A. Bragantia 49(1): 11-22. Pré-embebição em água e porcentagem e velocidade de emergência de sementes de palmiteiro. 199-214. REBÊLO. de. T. V. Pesquisas com os gêneros Euterpe e Bactris no Instituto Agronômico de Campinas.24 n. Notas entomológicas da Bahia. S. Principes 32(1): 3-12. 1990.. N. Acta amazônica 10:755-758. 1938. A. O. H. O. O. O Agronômico 39(2): 129-174. L. C. BECKERMAN. D.. L. Aspectos nutritivos de alguns frutos da Amazônia. L. A. A. L. CREPALDI. L. 1980. BOVI. V. M. S. I. M. SÁEZ. C. BONDAR. 1940b.). B. J. M. de.

W.Fundação Guimarães Duque.705-706. E. O Nordeste e as lavouras xerófilas. KILL. F. NOGUEIRA J.agroline. Caatinga: Patrimônio Brasileiro ameaçado. RN. 1971. B. 1986. Botânica: Introdução à taxonomia vegetal. 1992. PENAS. n. 1985. R.com. ALEMAN.. Fenologia reprodutiva de Euterpe edulis mart. STILLMAN. São Paulo: Nacional.br/prppg/publica/biocienc> Acesso em: [10/06/2005]. L. branco e espada.. In vitro and transplantation experiments with germination of date embryos. p. L. p. G. Simpósio sobre a Caatinga e sua Exploração Racional. JOLY. São Paulo. Pindamonhangaba–SP). CABELLO & J. MATTHES. R. S.CUNHA. M. P. Principes 37 (3): 151-158. p. A.. DARLEEN. LOJAN. C. ESAM . p. O Agronômico 39(3): 267-277 1987. DF..br>. Tendencias del crescimento radial de 23 especies florestales del tropico. H. D. M. V.3. A. 1995. 2p. 2002.. G. 8. . MERLO. Brasilia. H. FISCH.275-281.99-115. 7 ed. Nova Odessa. v. LORENZI. T. Mossoró. F. NOBLICK. CASTRO. KOEBERNICK. A. MANTOVANI. na Mata Atlântica (Reserva Ecológica do Trabiju. L. Canadian Journal of Botany 70: 965-974. J. 1968. Editora Platarum. Acesso em: [28/05/2005]. JARDIM. J. Disponível em: <www. EMBRAPA..unitau. 1993. Turrialba. Palmeiras das caatingas da Bahia e as potencialidades econômicas. Germinação de sementes de palmeiras. C. I. E.) variedades preto. I. L. M. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. On the me-diterranean fan palm (Chamaerops humilis). Principes 15 (14): 134-137. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. DUQUE. Germination of palms seed. 316p. 3 ed. R. Disponível em: < www. & C. A. M.287. WIDNEY. 11(1): 55-60. 1992. Avaliação do potencial germinativo em açaí (Euterpe oleracea Mart. A. 2001. L. J..

Bahia.htm. T. University of Illinois..theparrotsocietyuk. PITTMAN. M. CUTLEr. D. Phylogenetic relationships among palms: cladistic analyses of morphological and chloroplast DNA restriction site variation. SANTOS. S. I.. J. 477 p.. P. [on line]. HUMPHRIEs. de J. & DOYLE. The indigenous palms of the State of Bahia. 2002.. Brazil. V. DRANSFIELD. R.htm> Acesso em: [18 de agosto de 2002]. C. The parrots societyuk. P. V. . 1991. SANTOS. Kew.. PhD Thesis. J.ubbihp. p. F. Estudo etnobotânico do licuri Syagrus coronata (Martius) Beccari em Senhor do Bonfim.br/pages/resultados2. The structural biology of palms. W.. CRIBB.NOBLICK. H.623-661. E. LUCKOV. J. K. Clarendon Press. Chicago. J. N. A. Disponível em: http://projetolicuri. Royal Botanic Gardens. 06/2000. Disponível em: <www. HANSEN. In Monocotyledons: systematics & evolution (RUDALL. B. L. Oxford.. Acesso em: [10/08/05] TOMLINSON. J. 1990. J.com. M. UHL. 1995.). DAVIS.org/clm.