You are on page 1of 7

O caso Tennynson

O mundo parecia desmoronar, flash’s atravessavam o céu e a chuva dava a entender que queria inundar a cidade. O táxi estacionou na frente de um prédio imponente, Um guarda-chuva se abriu, este protegia com dificuldade um ser divino por sua beleza. Era Mary Ann, vinte e sete anos. O taxista, um velho tarado, após suas cantadas inúteis, cobrou da moça a metade da corrida e sumira na chuva. Mary tinha os homens aos pés, sabia e aproveitava-se disso. Subiu as escadas do prédio procurando pelo apartamento numero 513. Ao bater na porta um homem mãos grandes, olhos fortes e penetrantes e boca igualmente grande, abriu a porta. Este era Benjamin Wolf, vice-presidente das empresas Tennynson, a maior no ramo imobiliário dos EUA. Benjamin não se aguentara ao ver Mary Ann. Ela, loira, usava um vestido vermelho e nos lábios um batom de mesma cor. Seu perfume infestara o prédio. O anfitrião estava em êxtase e ousara brincar – Veja se não é a minha menina – comentário que Mary Ann ignorou entrando vorazmente no apartamento. – Estou faminta e toda molhada! – exclamou a jovem jogando um pouco do seu charme sobre o homem que lhe fitava com desejo explicito nos olhos. Benjamin que não era nem um pouco inocente percebeu o que a moça queria, e era o mesmo que seus instintos gritavam. Jogou seu blazer no chão e avançou na direção de Ann, como um vampiro em abstinência de sangue avança no pescoço de sua presa. Agarrou Mary e beijou-lhe os lábios carnudos e avermelhados. Sem perder tempo, Benjamin arrancou o vestido de Ann e jogou-a no amplo sofá que servira de cama m muitas ocasiões. Os gritos de prazer dos dois foram abafados pelo barulho da chuva intensa e das trovoadas. A noite foi longa e cheia de gemidos, arranhões, tapas e beijos. Pareciam conhecer todas as posições do Kama Sutra de cor. Ann sabia perfeitamente como controlar os homens e fizera isso desde seus 15 anos. Seu corpo parecia ter sido esculpido por anjos, sua pele era lisa e clara; seus peitos perfeitamente sob medida, pernas longas e definidas. Era um metro e setenta e um de puro sex appeal . Os muitos anos de domínio sobre os homens, despertou em Ann um apreço em ser dominada na cama. Talvez esse desejo venha de sua juventude, pois perdera a virgindade com 16 anos em um episodio lamentável. Ao voltar pra casa de um cursinho que fazia na época, foi atacada por homem alto, asqueroso, que cheirava a cigarro e bebida. O brutamonte de quase dois metros a estuprou sem dó. Ann aos 16 anos já possuía um corpo de causar inveja a qualquer mulher com 22 anos, este deixava os homens loucos. Desde esse acontecimento, Ann aprendeu a se cuidar dos lobos da floresta chamada vida. Quando Benjamin acordou na manha seguinte deu por si semi-nu, jogado no sofá. Mary estava sentada em uma mesa que ficava frente a uma Tv de quarenta polegadas assistindo o noticiário matinal vestida apenas com roupas intimas. Ao perceber que Benjamin estava despertando, comentou – O dólar valorizou, mas as ações da Tennynson estão em queda livre. Temos que salvar o nosso império. Benjamin colocando a calça jeans respondeu. – Sabes que isso é culpa dos escândalos em que Sarah esta metida.

querido. Mary Ann morava em um apartamento luxuoso porem discretíssimo.estão no guarda roupa. Ainda sentada na mesa Ann dava seguimento na conversa. era na verdade um amor incondicional. as ruas secavam em rítimo acelerado. Do outro lado da linha Benjamin imaginava mil cenas com Ann. Ann apressou-se em responder.. A Velha de 59 anos se envolvera em casos de corrupção e presidira a empresa atravez de métodos sórdidos. já que mal se falavam na empresa e não se deixavam ser vistos em publico juntos. Bem estudava os desenhos da casa de Sarah e calculava friamente serviço. Dizia Ann mexendo o seu café que Bem nunca acertava o açúcar.Certo – disse Bem.Plantas. arquiteto – esboçando um sorriso infernal no rosto. O sol tremia.Ela esta passando suas férias na casa de campo que comprou ano passado. Ann levantou-se e juntou o vestido que estava amarrotado. na divisa do estado. A dupla planejava tirar Sarah da jogada de uma vez por todas.Sim – retrucou Bem. . Bem tirava seu Mercedes novinho que ainda possuía cheiro de fabrica. . Respondeu ele tentando se concentrar. .Oi querido. Do outro lado da cidade. La havia 23 mensagens não lidas onde uma delas era de George Gale.Mais alguma coisa? – Perguntou a moça. . Benjamin era preciso com armas.É!?Darei um jeitinho nisso mais tarde.Ainda estão aqui aquelas roupas que trouxe no mês passado? Perguntou Ann com ar de desconfiança. Abriu a mensagem que dizia: . Pediu uma água mineral para a garçonete que se aproximou rapidamente da mesa. A moça entrou no carroe ordenou ao motorista que se dirigisse a zona norte. fica a 200 kilometros daqui. Sabe que esta lingerie lhe deixa muito sexy. Será la o serviço. Disse Bem em um tom serio. Ele sabia que Sarah odiava seguranças. o que lhe proporcionava uma vista privilegiada dobre o seu Mercedes pelo qual possuía grande sentimento. peruca negra e óculos escuros. . Tirou o Celular do bolso e discou o numero de Ann. . . Mary respondeu sensualmente se dirigindo ao quarto. Galé era um ambicioso e inescrupuloso arquiteto que mesmo sendo rico não perdia a hance de ganhar um dinheirinho fácil. Esta demorara a atender. estava no banho. Dizia Mary enrolada em uma toalha branca.Sarah Tennynson era sócia majoritária da companhia. o que tornaria o trabalho muito mais fácil. Benjamin calmamente foi checar sua caixa de email. blusa branca. Bem acenou negativamente com a cabeça e ligou seu computador. do mesmo jeito que você as deixou. já que a sarjeta estava completamente alagada. Conheceram-se na empresa. Estou insaciável esta semana. – por isso temos que por em pratica nosso plano. pois Ann e acionista nas empresas Tennynson.Eu é que as deixo sexy. George Galé. Entrou no lugar carregando um computador portatil e se sentou em uma mesa perto da janela. mas te liguei pra falar que o serviço será hoje a noite.eu mesmo farei o serviço para evitar futuras chantagens. . pois trabalhara na SWAT durante dois anos ate ser posto para fora da corporação por envolvimento com uma colega de trabalho. Mary deixou o apartamento de Ben trajado em uma calça jeans. porem ninguém jamais supeitara do envolvimento dos dois. eu estava pensando em você no banho. Circulara pelo bairro Eastwood até parar em um barzinho que ficavade esquina. Mary e Benjamin matinham um relacionamento de um ano. Acenara para um táxi que estacionou com cautela. – Sei – continuou Ann.Todo o cuidado era pouco. . atirado ao chão. . querida.

. – Provavelmente ela esteja no quarto ou na sala assistindo aqueles programas de humor ridículos que ela comenta nas reuniões. Pos as luvas e a jaqueta que estava no banco de trás antes que colocasse a toca Ann lhe advertiu: . Ann prestava atenção em cada palavra que seu cúmplice dizia.. começou a explicar os detalhes do serviço: .Tudo bem.Tome cuidado. Uma batida no vidro do carona deu um susto tremento no motorista.. Por causa dos 13 graus que fazia naquela noite de domingo.. Era uma da madrugada quando avistaram a casa.Certo – disse Mary – Até mais tarde.Aluguei um carro – continuou Bem – É um Dodge Charger preto. O porteiro estranhou o fato de ver Bem sair do prédio caminhando. O carro parou debaixo de um arvoredo a mais ou menos cinqüenta metros da casa.Dizia o homem sem tirar os olhos da estrada. Já liguei duas vezes pra casa para ter certeza que ela estará lá. . Benjamin desligou o telefone sem desperdir. você sabe né!? . Benjamin obedeceu a jovem autoritária sem perguntas. Susan fora assassinada a cinco anos em um assalto a mão armada.Peruca ruiva? Serio? – Ann fez que não ouviu. Acredito que não.Eu sei . O carro estava estacionado em uma rua pouco movimentada.. O tempo voou ate as 19 horas. Benjamin. Bem guardou a arma em uma maleta junto a luvas e toca ninja. O Batom era o mesmo de sempre. Saira vestido em um suéter preto. certo?. . quando começara algo sempre concluía e na maioria das vezes com êxito. que fica no caminho da casa de campo. O novo visual de Mary a deixou ainda mais sexy.. Depois da viagem até o local combinado estacionou do lado de um orelhão. vermelho. seu idiota. Talvez estivesse pensando em desistir. Ann vestia um sobretudo preto. A volta pra casa foi rápida. mas se eu não voltar em 30 minutos va embora e nem pense em ir atrás de mim. Já no seu apartamento procurou pela sua automática com silenciador que contrabandiara nos seus tempo de SWAT. presente de sua mãe Susan. ao qual revidara já que era faixa preta em artes marciais. mas as coisas podem mudar. .replicou Ann – E não é peruca. ela mesmo me atendeu em ambas as vezes. calça jeans escura. Entrou no carro e partiu em direção da estação que ficava a meia hora do ponto que se encontrava. Depois de três quadras percorridas Benjamin comentou: . . eu pintei e alisei o cabelo. ou talvez um filmezinho infantil sobre contos de fadas. Esteja la as 20 horas. Ben abriu a porta e Ann adentrou o carro com uma expressão seria e logo ordenou que Ben desse partida no automóvel e saísse dali o mais rápido possível. Estarei lá no horário combinado.A viagem será longa.Não se preocupe. querido essa velha é esperta e traiçoeira. Engoliu o que restava na garrafa d’agua e deixou 10 dólares de gorjeta para a garçonete. mas não fazia o tipo dela desistir das coisas. Nisso Ann agarrou Bem e o beijou longamente.. – concluiu Ben. estava quieta o caminho todo.Ann acenou que sim com a cabeça sem dizer nada. entrarei pela porta dos fundos. Ben caminhou seis quarteirões ate o Charger r/t que alugara a dois dias. Ben então identificou Ann pela corrente de ouro que a moça carregava consigo desde seus dezoito anos. então.se. vou lhe esperar na estação de trem Noxiville. Eram 19:50 e Bem apesar de ser calmo por natureza estava no momento uma pilha de nervos. Benjamin preparava-se para o trabalho.

Completou Ben. Os animais não estavam nos planos do vice-presidente.Um dia achei que isso fosse acontecer. O alarme na parede ao lado da porta acionara a contagem regressiva de quinze segundos. A velha quase teve um infarto quando viu um homem de preto em sua sala. A porta do cômodo estava entreaberta e Sarah parecia concentrada em alguns papeis. invadi o seu computador e lá tinha um email da companhia de segurança com a confimação de senha. . O movimento foi rápido e logo estava dentro da casa.Como passou pelos cães? – Perguntou Sarah já com a resposta em mente.Isso é pra trazer umas lembranças. pois sabia ela que não seria prudente fazer tal movimento em tal situação e que Bem era um exmembro da SWAT . Pulou e logo sacou a automática. . . A casa era cercada por muros de dois metros e meio de altura o qual Ben burlou sem problemas.Disse Ben.para quem enfrentou assassinos armados com metralhadoras dois cães era ate um insulto a sua habilidade com armas. Acha que não sei sobre vocês dois? Poupe-me! A burrinha acha que foi eu que mandei matar a mãe dela. Sei que és uma velha corrupta e que adora garotões. Acha mesmo que mandaria matar a minha própria filha? Discursou a velha que foi abruptadamente interrompida pelo invasor. Sarah . assim seria fácil controlar a empresa. Bem sorriu quando ouviu Sarah dizer que compraria outros cães. semana que vem compro outros. pois em menos de três segundos estavam mortos. . Simples.E não duvido que tenha sido você a mandante do assassinato de Susan. Nada tive a ver com o que acontecera a Susan.Qualquer programinha barato conseguiria invadir o seu computador. – com um sorriso diabólico no rosto o homem deixou o carro. Bem gesticulou com a arma em resposta a Sarah.continuando seu relatório sobre a vida da velha. . A Senha. sua velha tarada. Benjamin digitou os código de 8 números no aparelho. mas o movimento seria um suicídio. Acha que é só você que sabe sobre a vida dos outros? Também sei coisas sobre você. Benjamin conseguira ao invadir um dos computadores pessoais de Sarah que ficava na empresa. eram tão mancinhos. Os cães mal poderam latir. entrou em pânico. Bem como se pudesse ler mentes explicou . .indignou-se Ben. tirou um clips e um canivete do bolso da calça com os quais pretendia abrir a porta. Ann ao ver o saco preto ficou se perguntando pra serviria a sacola. Correu até a porta dos fundos. Bem percebeu movimento no escritório.Benjamin pegou a arma de dentro da maleta e um saco que estava no porta luvas.Cale-se. já que não sobraria ninguém para contar a história. Bem.E o alarme? – Concluiu ela. E o falecido Henry? Sei que foi você que mandou desligar os aparelhos do coitado. Ao andar sorrateiramente pela casa. – disse Bem tirando a toca ninja a qual julgara inútil depois de entrar na sala. Ann com os 20 por cento de Susan e você no controle dos 51 por cento do exmarido. só não pensei que seria agora e nem você. Criei muitos inimigos. tempo destinado a confirmação do código de segurança. – Disse a velha com esperança de ver o sol nascer no dia seguinte. . Sarah. estirados no chão.Quando estava encima do muro avistou dói cães da raça pitbull que circulavam pelo pátio. mesmo assim não disse uma palavra. fazendo com que o dispositivo fosse desligado. A velha rapidamente pensou em pegar a arma que ficava na gaveta. Sarah ao ver o sorriso do homem. sua velha rabugenta.Coitados.Olá. mas você? Garanto que aquela vagabunda da Mary Ann esta metida nisso.. . Mas agora acabou o seu legado. Estava muito escuro.

O meliante. A moça cumpriu a ordem sem fazer perguntas. estou perdendo a paciência. Benjamin Wolf era extremamente sarcástico. Depois de alguns kilômetros Ann não se conteve: .ordenou Benjamin. sei a senha. – Disse o invasor gesticulando com a arma dando a entender que atiraria se não fosse obedecido – ande rápido com isso! No fundo do cofre havia uma Colt. jogada ao chão com um grande circulo de sangue em sua volta. estava tudo lá no seu computador. na tentativa de acertar o meliante que ousara invadir a sua casa e matar seus cães. viu que Bem estava bufando de raiva e que qualquer coisa que dissesse poderia ser fatal. Mesmo assim esperou pelo fim do tempo. A velha digitou o código no display do cofre e este se abrira.ia me deixar? Eu ainda tinha algum tempo. –Brincou o vicepresidente com sorriso no rosto. acredita? Mas foi em vão. . quando foi surpreendido pelo disparo não teve outra escolha a não ser alvejar a vitima com três balas nas costas. correu até o carro e sentou no banco do carona. O disparo de Sarah passou longe de Ben e acertara um quadro valiosíssimo que ficava na parede da sala. A velha me repentinamente tirou uma Colt de dentro do cofre. Bem jogou o saco que tirara do bolso interno da jaqueta perto da vitima e mandou que esta colocasse tudo que havia no cofre dentro da sacola. No escritório. – respondeu Benjamin com tranqüilidade. A velha hesitou em levantar-se da cadeira e não entendia o porque de Ben querer uns míseros dólares e algumas jóias de família até se dar de contra que o que ele queria era armar um falso latrocínio. considerava seu senso de humor uma qualidade incrível dentre as muitas que julgava ter. retribuindo a Ann o susto que levara na estação de trem. – concluiu Mary Ann. o tiro passou longe. .Mesmo que me acertasse não adiantaria muito. A viagem prosseguiu em silencio. – Eu poderia abrir. jóias e alguns papeis de dentro do cofre e jogou tudo dentro do saco preto. . Pegou a arma com cuidado e de costas disparou para trás por debaixo do braço. Sarah estava de bruços. arma que Sarah guardara lá para emergências como a que se encontrava.Ande de uma vez. Retirou cinco livros da prateleira e o cofre se pos diante dos olhos do homem que sustentava a arma em punho. sorrindo. Tennynson em atirar em um ex-membro da SWAT muito bem treinado.Indignou-se Mary . também sei onde fica. que instintivamente pulou para o banco do motorista girando a chave que estava na ignição. Benjamin já estava ficando impaciente.Falo serio. O tempo estava se esgotando. lhe restavam quinze minutos. Ainda faltavam sete minutos mas no pensamento de Ann o tiro que ouvira anulava o tempo que restava.O que foi aquele disparo?. Ben estava de pé.Sua arma não estava com silenciador? Eu quase que deixo você para trás. Bem não esperava que a velha tirasse uma arma de dentro do cofre. a não ser que fosse treinada para atirar de costas sob pressão. o que espera? . . Mesmo assim não me acertaria no rosto. . . sua velha! – Disse o “assaltante”. O barulho que a arma fizera pode ser ouvido por Mary. . mas não me darei esse trabalho. estou de colete. Bem olhou o relógio na parede da sala. admirando a coragem da Sra.não respondeu.O assaltante teve apenas fôlego para ordenar a garota a dirigir. Ande. com sentimento de satisfação. levantou da e foi em direção da estante na parede localizada a direta da sala. seu idiota! Reclamou Mary. O homem apressou-se em pegar o saco com os objetos e deixar a casa. Sarah tirou alguns dólares. Sarah com relutância obedeceu as ordens que recebeu. O carro sumiu entre as arvores.Indagou o homem.Abra o cofre! .Sarah.

O lugar era realmente discreto. manipulador e irônico. Ainda esta com desejo? . louca de desejo jogou o sobretudo que vestia no chão. Frio. Ben estava extremamente excitado. pegou a primeira que viu e logo avistou o motelzinho com letreiro em néon. ficou apenas com uma blusa coladíssima e uma calcinha branca. Ann não pensou duas vezes. Depois de satisfeito. .. Eram cinco e meia quando Benjamin deixou o motel. Jogou a jaqueta em uma poltrona azul que ficava no canto do quarto e partiu pra cima da jovem que exalava seu perfume por todo o lugar. não conseguia resistir diante de tanta beleza e sensualidade. na passada pela poltrona pegou sua jaqueta e juntou suas roupas do chão. . ao meio dia já estava de pé em plena forma. conheço um motelzinho muito discreto. essas três palavras definiam Benjamin Wolf perfeitamente. dono do lugar .O que achas? – Retrucou a moça pondo a mão de Ben entre as suas pernas. Para o velho. A moça sentiu-se mais excitada ainda.Fez bem em por o colete. Disse a motorista concordando com seu amado. A fachada do motel e seu dono não faziam jus a qualidade do lugar.Adeus. Como um lobo. que comprara há três anos. mas confiava em seu plano cegamente. Com as Tennynson fora do caminho seria fácil assumir o controle da empresa. – completou Ann.Virou as costas e saiu levando as chaves do carro e do quarto que estavam no bidê ao lado de Ann. Ben Sabia que seria investiga e que as ações da Tennynson Corp sofreriam uma forte queda. . A noite seguiu entre caricias. posicionou-se frente a cama e disparou contra Mary. Benjamin tinha o costume de dormir pouco. A viagem de volta foi perfeitamente tranqüila. O quarto era grande com cama redonda e frigobar cheio. – A adrenalina me deixou excitada. . arrancou a blusa de Mary com força. pois estava com o sobretudo entreaberto. Ben resolveu ir ao banheiro. Ben sorria diabolicamente enquanto procurava sua carteira. Mary encontrava-se coberta com um cobertor. Ligou a tv. O homem dirigia como se nada tivesse acontecido. pouco lhe importava o que fariam ou quem eram. vai que a velha estivesse com um de seus namoradinhos. O carro parou na vaga indicada. Ann. pois a bota de cano longo e as meias já tinham sido jogadas perto da porta logo que adentrara o quarto. Mary Ann alcançou uma nota de cem dólares ao homem e adentrou o pátio do motel rapidamente. O carro parou na entrada do lugar e um velho barbudo entregou as chaves a moça que estava no banco do motorista. No andar subterrâneo do prédio avistou sua Mercedes Benz modelo Mc Laren ano 2003. onde até menores de idade entram sem problemas. Não seremos reconhecidos. tapas violentos e xingamentos. Pegou seu blazer e desceu até o estacionamento pensando nas possibilidades de ser ligado aos crimes.Entre na próxima saída. camisinhas e brinquedinhos para dar asas a imaginação dos casais que freqüentavam o lugar. desacordada. O homem premeditara tudo. O dia estava quente. o frio da noite passada parecia ter ido embora definitivamente. queria saber apenas do pagamento avista. O carro seguiu pela estrada de chão e logo alcançou a auto-estrada. pois sentia-se exausta e com um pouco de frio. tendo em mente o controle das empresas Tennynson. Ben voltou do banheiro vestido. Na estante. o que aumentava a excitação do casal. Mary Ann Tennynson. . Os noticiários só falavam da morte de Sarah Tennynson. informavam que se tratava de um latrocínio.Perguntou Ben olhando Ann dirigir e tentando adivinhar que lingerie ela estava usando. O casal desceu do veiculo alugado ao mesmo tempo.

o lobo aqui acabou com a chapeuzinho e com a vovozinha tarada. e o melhor de tudo é que não tem caçador nessa história. sabia quem estava no telefone. Metodicamente Ben estacionou no mesmo lugar de sempre. Sentou-se e pediu um café.Alo. Mais uma coisa.. . Atendeu. odeio carros americanos. Desconheceu o numero que o celular lhe mostrava.Oi. Quer dizer. Que como de costume estava vazia. até tem. querido. Vamos dar uma volta? Disse Ben com os olhos brilhando. Laura. não? Benjamin ria alto pensando no conto dos irmãos Grimm.O maníaco nomeara a Mercedes de Laura. quebrando a vidraça do local. senti sua falta. querida. quem fala? . Entrou no veiculo de mais de 600 mil dolares e continuou a conversa enquanto dirigia-se ao barzinho que freqüentava diariamente.” O celular vibrou no bolso interno do blazer de Benjamin. na sua capa a seguinte manchete: “Sarah Tennynson é assassinada em casa de campo. mas são muito idiotas e se contentam com qualquer suborno. Hilário..Perguntou desconfiado. viu apenas os destroços de sua amada Laura em chamas. . Quando conseguiu se levantar. Uma explosão ensurdeceu a todos no bar. como vai a Laura? Benjamin congelou. Uma voz doce e familiar surgiu do outro lado do telefone. Do outro lado da avenida avistara uma moça de cabelos vermelhos. . Parece que você ficou um pouco enferrujado depois de tanto tempo longe da corporação. Este era apaixonado pela marca alemã e morria de amor pelo seu carro. No banco ao lado encontrava-se um jornal.Olá.. que sumira na multidão agitada pelo incêndio. . Entrou no estabelecimento já de olho em sua mesa.Pois é. Benjamin fora jogado ao chão em meio a cacos de vidro.