You are on page 1of 36

24capa 18/07/01 15:30 Page 2

Ano III • Nº 24 • Julho 2001 • R$ 6,00

www.embalagemmarca.com.br

CARTONADAS ASSÉPTICAS AVANÇAM SOBRE NOVOS MERCADOS
24editorial 18/07/01 15:02 Page 3

De piruetas e trapalhadas
E mbora o presidente
da República consi-
dere o Brasil “fácil de go-
Em épocas pré-eleitorais,
tudo é possível.
Agora mesmo nós, que de-
vas para que os custos de
distribuição de EMBALA-
GEMMARCA não venham a
vernar” (porque o faz à sua pendemos dos correios prejudicar sua qualidade
maneira), para os governa- para a distribuição da re- final. Ao mesmo tempo es-
dos este é um país no míni- vista, somos surpreendidos peramos que tal alternativa
mo difícil. É complicado, com a informação de que o resulte na chegada da re-
por exemplo, saber se as aumento médio das tarifas, vista às suas mãos com
piruetas e trapalhadas dos em torno de 26%, chegou maior rapidez que a conse-
ocupantes de postos deci- a 145% em nosso caso es- guida hoje pelos correios.
sórios sobre os destinos da pecífico. O que se quer Em países sérios, esse ser-
nação nascem da incompe- com isso? Fazer caixa? viço é plenamente confiá-
tência ou da má intenção. Não somos tão entendidos vel, pois, estatizado ou pri-
Há, por exemplo, quem quanto a equipe econômi- vado, os governos mantêm
diga que, na crise energéti- ca, mas achamos que é rígido controle sobre ele.
ca, a ameaça de apagão faz muito para um país em que Inclusive o controle das ta-
as vezes do bode que o ra- a inflação, segundo se rifas, em geral compatíveis
bino mandou colocar na ouve, está sob controle. com a renda per capita das
casa do homem queixoso Ante tal situação, informa- populações. Até agosto.
de tê-la cheia demais. Reti- mos aos leitores que já es-
rado o bode, alívio geral. tamos buscando alternati- Wilson Palhares
24cartas 17/07/01 19:24 Page 1

P arabéns à equipe de EMBALAGEM-
MARCA pelo belíssimo trabalho edito-
uma revista japonesa de propaganda.
De qualquer forma, isso em nada tira
rial e gráfico da publicação. Para o mérito da revista e da reportagem
quem milita há vinte anos na área de citada.
jornalismo empresarial é sempre uma Takashi Yamamoto
grande alegria descobrir projetos com São Paulo, SP
este grau de profissionalismo e serie-
dade. Parabéns também para os seto- Agradecemos o elogio e o “toque”.
res que apóiam esta proposta arrojada Mas, realmente, não conhecíamos a
que valoriza a imagem e a competên- versão japonesa.
cia das empresas do segmento.
Vania Absalão
Diretora da VTN Comunicação
L eio na reportagem de capa sobre
sucos prontos para beber (maio/2001)
P arabéns pelas matérias de EMBA- Rio de Janeiro, RJ que a palavra Kapo, marca do recém-
lançado produto da Coca-Cola para
LAGEMMARCA, que são bem elucida-
tivas. Estou no ramo de auto-adesivos
(rótulos e etiquetas) desde 1965 e
F oi com imensa satisfação que re-
cebi os exemplares da sua excelente
esse segmento, significa “o melhor”
em espanhol. Pelo que sei, o idioma
acredito ter participado dos primeiros revista, editada com grande compe- de Cervantes tem raríssimas palavras
negócios no Brasil ligados à rotula- tência e profissionalismo. Produzir começadas com essa letra, e nenhuma
gem auto-adesiva. Sugiro matéria li- uma publicação como essa em tem- delas é “kapo”. Seria adaptação de al-
gada à evolução desse produto. pos de não raras adversidades é tarefa guma expressão idiomática? Ou a
Leon Levy hercúlea. Parabéns a toda a equipe. Coca-Cola teria grafado com K a pa-
Tecnoformas Rótulos Auto-adesivos Luiz Cláudio Reis lavra italiana “capo”, que significa
Barueri, SP Editor assistente da revista Rumos “cabeça”, ou ainda “chefe”, ou “líder”
Rio de Janeiro, RJ – por analogia “o melhor”?
P arabéns pelos dois anos de quali-
dade e excelentes informações. N a reportagem “Mais rotuladoras
Erik Teichner
Diretor Comercial e de Marketing da
Plácida Kazama para o mercado” (maio/2001), se Tapon Corona Metal Plásticos Ltda.
Analista de Marketing da Cisper menciona que a velocidade máxima São Paulo, SP
São Paulo, SP das rotuladoras RF (Roll-Fed) para
garrafas PET da KHS é de até 42 000 A assessoria de imprensa da Coca-
P or considerar esta revista uma das
mais importantes publicações de nos-
garrafas por minuto, enquanto o cor-
reto é 42 000 garrafas por hora.
Cola esclarece que realmente “Kapo
é uma expressão idiomática, em espa-
so segmento, pela qualidade e utilida- Josef Pflügl nhol, que se usa no Chile e que signi-
de de seus artigos, não poderia deixar Gerente de Vendas da KHS Anker fica ‘o melhor’”.
de observar que, na reportagem sobre São Paulo, SP
o mercado de biscoitos (junho/01),
faltou informar que a Votocel também
é fornecedora do filme especialmente
G ostaria de parabenizá-los pela ex-
celente reportagem sobre sucos
MENSAGENS PARA EMBALAGEMMARCA
Redação: Rua Arcílio Martins, 53
CEP 04718-040 • São Paulo, SP
desenvolvido para embalagens mo- (maio/01). Há, porém, um ponto ne- Tel (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
nocada tipo portfólio dos biscoitos gativo. É sobre a capa em que apare- redacao@embalagemmarca.com.br
LU-Danone. ce uma maçã com dois canudinhos. É As mensagens recebidas poderão ter
Adriana Collares muito bonita, porém nada original. A trechos não essenciais eliminados, e
Consultora de Marketing da Votocel versão original que eu já tinha visto há poderão ser inseridas no site da revista
(www.embalagemmarca.com.br).
Votorantim, SP muito tempo (mais de dez anos) é de
EM24
24sumario 18/07/01 15:11 Page 1

julho 2001
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

8 ENTREVISTA:
30 NOVOS MERCADOS Reportagem
PEDRO NEGRINI Fabricantes de redacao@embalagemmarca.com.br
Flávio Palhares
Especialista em embalagens assépticas flavio@embalagemmarca.com.br
prevenção de roubos tentam ganhar espaço Guilherme Kamio
de cargas diz como no mercado de guma@embalagemmarca.com.br
Thays Freitas
combater as quadrilhas alimentos sólidos thays@embalagemmarca.com.br

Colaboradores

14 CAPA
Uma análise da Fispal
com critério,
Josué Machado
Luiz Antonio Maciel

mostrando Diretor de Arte
Carlos Gustavo Curado
novidades
e o que de Administração
fato interessa Marcos Palhares (Diretor de Marketing)
Eunice Fruet (Diretora Financeira)
ao setor
Departamento Comercial
comercial@embalagemmarca.com.br
Wagner Ferreira

Circulação e Assinaturas
Claudia Regina Salomão
assinaturas@embalagemmarca.com.br

34 MAKING OF
Como foi desenvolvida
a embalagem “for
Assinatura anual (11 exemplares):
R$ 60,00

export” da cachaça
premium Veritas Público-Alvo
EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais que
ocupam cargos técnicos, de direção, gerência
IMAGEM
26
e supervisão em empresas fornecedoras, con-
vertedoras e usuárias de embalagens para ali-
Como o papel cartão
conseguiu tornar-se um
material de embalagem
38 CONVENIÊNCIA
Ketchup e mostarda
em embalagens
mentos, bebidas, cosméticos, medicamentos,
materiais de limpeza e home service, bem
como prestadores de serviços relacionados
com a cadeia de embalagem.
conhecido e aprovado sem complicações

Tiragem desta edição
3 Editorial 40 Amostragem 7 500 exemplares

Um ponto de vista sobre O jeito made in Brazil de
governar e ser governado agarrar o consumidor pelo olfato Filiada ao

4 Cartas 41 Transporte
A opinião, as sugestões e Um sistema que substitui
os comentários dos leitores papelão por plásticos
32 Materiais 42 Panorama
EMBALAGEMMARCA
é uma publicação mensal da
Bloco de Comunicação Ltda.
Papel cartão extrusado na Movimentação na indústria de Rua Arcílio Martins, 53 – Chácara Santo
origem é novidade no mercado embalagens e seus lançamentos Antonio - CEP 04718-040 - São Paulo, SP
Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
36 Setor 44 Display
www.embalagemmarca.com.br
Dois eventos da Abre Lançamentos e novidades
O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
movimentam a área no mercado de consumo resguardado por direitos autorais. Não é permi-
tida a reprodução de matérias editoriais publi-
50 Almanaque cadas nesta revista sem autorização da Bloco
de Comunicação Ltda. Opiniões expressas em
Fatos e curiosidades não muito conhecidos matérias assinadas não refletem necessaria-
do universo das embalagens mente a opinião da revista.
24entrevista 17/07/01 19:31 Page 8

entrevista

“Para salvar cargas, organização” egundo diferentes estimativas, o

S
roubo de cargas rodoviárias pro-
voca prejuízos de aproximada-
mente 500 milhões de reais por
ano no Brasil. Só no Estado de
São Paulo, no ano 2000, as qua-
drilhas levaram 195,4 milhões de reais –
um roubo a cada quatro horas.
Isso tem pesadas implicações no custo fi-
nal dos produtos, pois os prejuízos aca-
bam sendo debitados à cadeia produtiva e
arrebentando na parte mais fraca, o consu-
midor. Para quem se ilude acreditando
que, dessa forma, a conta estará paga,
convém lembrar que esse já sacrificado
personagem só tem uma alternativa ante
as faturas que vão além de seu poder de
pagamento: deixar de comprar.
Não sendo prudente aguardar soluções a
curto prazo de parte das autoridades, o
melhor é prevenir os roubos. Como? Para
responder, EMBALAGEMMARCA entrevis-
tou Pedro Paulo Negrini, diretor do Ca-
DIVULGAÇÃO

dastro Nacional de Informações e Servi-
ços, empresa atuante no mercado segura-
dor. Por cerca de dez anos, ele foi sócio-
PEDRO PAULO NEGRINI, diretor da Salvacarga, empresa de escolta
armada para cargas valiosas.
presidente do Cadastro Apesar dessa experiência, Negrini ressal-
ta que organização, planejamento e infor-
Nacional de Informações mação são mais eficazes do que as armas
na luta contra o que classifica de os verda-
e Serviços, empresa da deiros ladrões, isto é, os receptadores, que
planejam as ações criminosas. Dentro
área de seguros com dessa perspectiva, surgem oportunidades
larga experiência em para a indústria de embalagens, especial-
mente na área de etiquetas inteligentes.
prevenção anti-roubos
O seguro é uma proteção eficaz contra os
de cargas, diz que as roubos de carga no Brasil?
Não. É preciso ver por que a situação che-
quadrilhas se organizam gou aos números alarmantes de hoje. Tal-
vez seja porque o roubo de cargas tenha
cada vez mais, enquanto sido a atividade que recebeu menos prote-
ção nos últimos anos. Ao longo do tempo
as vítimas ficam paradas. deixaram de ser tomadas medidas de pre-
Usar o computador e a venção e de repressão aos roubos. Em vir-
tude disso a criminalidade nesse setor
inteligência é a saída cresceu de maneira incontrolável, os la-

8 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24entrevista 17/07/01 19:31 Page 9

drões passaram a agir organizadamente, afeta todos os setores. Não há como os ór-
enquanto as vítimas jamais se organiza- gãos de repressão conhecerem os mean-
ram. Quando digo ladrões não me refiro dros das atividades dos segmentos econô-
àqueles que executam o assalto, seja no micos, o que acaba possibilitando os
ambiente onde a carga esteja guardada ou crimes. É burrice e utopia dizer: “Eu pago
na estrada. O ladrão não é aquele que in- imposto e o governo que me proteja; se eu
vade a transportadora ou a empresa, ou for assaltado, o governo que investigue e
que ataca o caminhão. É uma organização prenda”. Vivemos num país pobre, em
muito maior, aquela que vai receber a car- que parte da polícia trabalha para o bandi-
ga roubada, que encomendou o roubo e do, e não para a vítima. Mesmo se fosse
vai comercializar a mercadoria. absolutamente honesta, a polícia não tem
recursos humanos, recursos estruturais
A que nível de organização chegam? nem dinheiro para investigar.
O ataque à carga começa com o planeja-
mento. Aquele que acaba empunhando a Como então se defender?
arma e executando a ação, se for Na prática, cada segmento econô-
pego, é punido. Mas o cabeça do mico deve se preparar para montar
negócio, que pensou e planejou, no É burrice e seus mecanismos de autodefesa.
fim vai figurar só como receptador, utopia dizer: Em matéria de roubo de cargas,
como se tivesse sido um compra- houve um total “jogo de empurra”
dor de boa fé ou um receptador
“Eu pago imposto e entre o produtor do bem, o transpor-
culposo, não o receptador doloso, o governo que me tador e o segurador. Dava-se como
que sabe que a carga é roubada. proteja, ele que lógico que o transportador, que é a
Ele vai fazer de conta que não ava- vítima final, deveria executar todas
liou a desproporção entre o valor e
investigue e prenda as medidas para evitar o roubo das
o preço, que “não sabia” que a se eu for assalta- cargas. O transportador, quando faz
carga era roubada. O receptador é do”, pois vivemos o preço do frete, inclui o desgaste
co-autor da ação, mas geralmente
num país pobre, em do caminhão, o combustível, a mão-
sua punição é muito branda. de-obra, a tributação que incide so-
que parte da polícia bre isso e ainda o seu lucro. Nesse
Qual o nível de organização das trabalha para o preço também está incluído o custo
vítimas? bandido, e não do seguro, em seus variados tipos. É
A falta de organização que afeta a um quadro confuso e, dentro dele,
vítima, seja o dono da carga ou o para a vítima na ponta da linha, quem paga tudo é
transportador, impede os segmen- o consumidor.
tos afetados pelo roubo de mostra-
rem para o ministério público e para a po- Qual o papel do segurador nessa cadeia?
lícia que o sujeito não é apenas um recep- Para complicar a indefinição de quem de-
tador, e sim um participante da atividade veria recolher o seguro, havia uma confu-
desde o seu planejamento. são ainda maior: achar que cabia ao segu-
rador, que recebia um dinheiro para pagar
Qual o grau dessas entidades para conse- as indenizações, gerenciar os riscos do
guir informações? proprietário da carga, do embarcador e do
Como a criminalidade cresceu muito, ela transportador contra os riscos de roubos.
24entrevista 17/07/01 19:31 Page 10

Ora, o segurador tem a sua própria plani- deve-se montar no sindicato, na associa-
lha para fazer a tarifa do seguro. Essa pla- ção, o seu próprio banco de dados. Nele,
nilha, que gera o prêmio que qualquer se- primeiramente vão ser colocados dois da-
gurado vai pagar ao segurador, leva em dos básicos: 1) dos sinistros já ocorridos,
conta o montante do valor de bens segu- qual foi a característica de cada um, que
rados e a perspectiva de sinistralidade. elementos se repetem; 2) nos poucos si-
nistros que foram solucionados, a carga
Que, do jeito que a coisa anda no país, foi parar na mão de quem? Toda carga é
deve estar perto de 100%… roubada para ser vendida no mercado pa-
Para que a atividade do seguro seja possí- ralelo. O ladrão que rendeu o motorista
vel, não é viável que toda carga segurada transportando medicamentos não tem ne-
seja sinistrada, porque não há prêmio nhuma condição de colocar o produto no
pago pelo segurado que suporte esse vo- mercado. Há uma rede de receptadores es-
lume de indenizações. Na planilha do se- pecializados. Se é receptador de medica-
gurador, obviamente, não é suportável in- mento, não tem condições de ser distribui-
cluir preços de escolta armada, essa dor de jeans. Se for receptador de
coisa toda, que são medidas de ge- eletrônicos, não venderá gasolina
renciamento. Na cadeia de respon- É complicado roubada.
sabilidades, todo mundo acha que
fazer uma
está coberto. O senhor tem exemplos concretos?
investigação, pois a Em minha experiência pessoal, o
E a criminalidade crescendo… responsabilidade do que não deu certo foi a vez em que
Sim, e sem repressão, até porque é fomos contratados por transporta-
receptador se dilui
um crime difícil de reprimir. Na dores rodoviários de carga, pois nas
hora em que é comunicado um rou- através de notas suas planilhas de custos não cabe o
bo à polícia, é complicado fazer fiscais frias, que custo da repressão e da segurança.
uma investigação. Essa atividade vão mostrar que ele Tivemos grandes resultados quan-
se complica ainda mais porque a do fomos contratados pelo dono do
responsabilidade do receptador se comprou o produto bem. Isso ocorreu no transporte de
dilui através de notas fiscais frias, de boa fé, e daquele minérios. No começo dos anos 80,
que vão mostrar que ele comprou o que assaltou, e o quilo da cassiterita saltou de 4 dó-
produto de boa fé, e aquele que lares para 14 dólares no mercado
executou o assalto – a pessoa me-
não sabe quem é internacional, e um caminhão trans-
nos importante no contexto, porque o mandante portava 30 toneladas. Ou seja,
só executou uma ação para a qual 420 000 dólares sobre um caminhão
não precisa de nenhuma inteligên- vindo de Rondônia ou do Pará. Na
cia – não sabe quem mandou executá-lo. época, algumas estradas não eram asfalta-
Ele acabou de roubar a mercadoria e a en- das, e a viagem, dependendo de chuvas,
trega para uma terceira pessoa, e os dois podia demorar até quinze dias. Havia as-
não conhecem a rede inteira da ação. Te- saltos, simulações de assaltos, perda par-
mos de um lado uma vítima completa- cial de carga – que o caminhoneiro permi-
mente despreparada, que deveria ser pro- tia. Com o transporte de 420 000 dólares,
tegida por uma estrutura de repressão que imagine o lucro de qualquer atividade que
é nenhuma, e muitas vezes mais interes- tirasse a carga do caminhão.
sada em trabalhar para o bandido. De ou-
tro, um sistema judiciário lento, arcaico. Que medida concreta foi adotada?
Nesse quadro, não é surpresa que a crimi- Para aquele caso específico – não quer di-
nalidade chegou ao ponto que chegou. zer que seja a solução geral – foram feitas
escoltas armadas, com o agente de segu-
Como as vítimas podem organizar-se? rança viajando dentro da cabina do cami-
Essa guerra se ganha com inteligência. nhão. Não tinha cabimento, numa viagem
Não adianta dizer que vai dar revólver, tão longa, fazer a escolta num carro. Era
viatura, computador para a polícia. Antes, mais fácil mandar os vigilantes de avião e

10 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24entrevista 17/07/01 19:31 Page 12

eles voltarem nos comboios. Os cami- que o sindicato dos caminhoneiros e os
nhões sempre viajavam em grupos de importadores se entenderam, com a
dez, com um homem dentro de cada um. promessa do fim das irregularidades.
O difícil não era nem resistir aos assaltos,
mas sim às “cantadas” dos caminhonei- Nos dois exemplos citados, sobressai a
ros para que os vigilantes permitissem o presença de armas. Não seria mais dese-
roubo de parte da carga. Fizemos esse jável utilizar recursos de inteligência e
serviço durante oito anos. Sabíamos de alta tecnologia, como a monitoração
quem seriam os receptadores, que foram por satélite?
avisados: “Se a nossa carga for roubada, A solução de escolta armada foi para um
no dia seguinte vamos aí”. Depois disso, transporte que vinha de Rondônia e do
os mineradores que nos contrataram tive- Pará para São Paulo. Se X por cento de
ram um índice zero de sinistralidade. Um todo transporte nacional são feitos na Via
minerador não nos contratou, e os roubos Dutra, não é preciso escolta armada para
se concentraram nele. Escoltamos 5 bi- cada caminhão. Basta proteger a Via Du-
lhões de dólares em minério duran- tra. Os exemplos que dei foram so-
te oito anos sem perder um tostão. luções para determinados casos na-
Um espantalho quelas épocas. Hoje a solução tem
Esse é um exemplo de força. Não
na horta já espanta de ser para cada segmento, para
há meios, digamos predominante- cada caso, com os recursos novos,
mente administrativos de enfrentar o passarinho. inclusive dessa tecnologia de ras-
a situação? A vítima tem de ter treamento. Mas nada disso resolve
Outro exemplo que posso dar é o um mínimo de o problema sozinho. O que solucio-
de um contrato de proteção à des- na mesmo é inibir a ação dos recep-
carga de matéria-prima importada atuação de inibição, tadores, que, como já dissemos,
pelos fabricantes de fertilizantes, porque, se não tiver, não são só receptadores.
no Porto de Santos, e de acompa- o roubo começa a
nhamento dos caminhões na distri- Na área de embalagens, entre ou-
buição a partir do cais. As indús-
partir dos próprios tros instrumentos e acessórios que
trias de fertilizantes sofriam uma funcionários, permitem a identificação do bem,
perda de 10% de cada navio, por- do setor de existem as chamadas etiquetas in-
que alguns caminhoneiros corrom- teligentes, dotadas de chips que
piam o fiscal da entrada: carrega-
expedição de permitem o rastreamento dos pro-
vam 30 toneladas em seus cami- mercadorias dutos. Embora tenham custo alto,
nhões sem contabilizar e fugiam, não seriam boas alternativas?
ou o caminhão recebia 30 tonela- Não há dúvida de que isso seria
das e o balanceiro punha uma chave de muito interessante, mas é preciso compa-
fenda na balança, que acusava o peso que tibilizar a relação custo-benefício. Há
ele quisesse. Assim, no fim da descarga rastreadores de automóveis muito bons,
de um navio, 10% da mercadoria tinham mas se eles custam 4 000 dólares e o car-
sumido. Fizemos uma operação que ini- ro custa 8 000, não compensa. Se custa
ciava com o cadastramento de todos os 4 000 dólares e o seguro custa 200, tam-
www.embalagemmarca.com.br

caminhoneiros do sindicato dos transpor- bém não. Os segmentos interessados têm
tadores de adubo. Quem tinha quaisquer de avaliar as medidas. Mas uma coisa é
antecedentes criminais foi vetado e dei- certa: um espantalho na horta já espanta o
xou de ter acesso ao porto. Depois, des- passarinho. A vítima tem de ter um míni-
cemos para Santos com 100 homens ar- mo de atuação de inibição, porque, se não
mados. Fazíamos um corredor polonês tiver, o roubo começa a partir dos pró-
em que o caminhão que carregava na área prios funcionários, do setor de expedição
primária do cais tinha de pesar tudo de de mercadorias. O ladrão chega sempre
novo numa balança contratada por nós. na mercadoria certa e na mercadoria cara.
Na primeira fiscalização, sobrou produto Não se vê um caminhão de papel higiêni-
no navio. Ficamos lá dois, três anos, até co sendo roubado.

12 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24panorama 17/07/01 19:47 Page 14

Alvo certo: Provedores de bens
e serviços querem
falar direto com

embalagem seus públicos
Por Guilherme Kamio

preocupação de atingir de maneira mais direta e tação não diminuiu o número de visitantes da feira ou os

A qualificada o público-alvo do negócio não é
exclusiva de quem fabrica produtos expostos em
pontos-de-venda tradicionais. Provedores de
bens de capital, serviços e insumos também procuram meios
volumes de negócios e de contatos esperados.
Aproximadamente 55 000 profissionais visitaram o Pavilhão
do Anhembi, e a feira movimentou negócios da ordem de 3
bilhões de reais, avaliam os organizadores. No entanto,
mais eficazes para apresentar ao mercado o que fazem, colo- vários participantes entendem que há necessidade de alguns
cando em pauta a discussão sobre a necessidade de utiliza- aperfeiçoamentos, como uma maior segmentação por áreas
ção integrada das diferentes formas de comunicação (ver físicas e maior periodicidade.
quadro), como ficou claro pelo caráter da Fispal 2001. Entre as coqueluches do evento estavam as embalagens
Em sua 17ª edição, o evento, que aconteceu entre 19 e 22 de acabadas, principalmente plásticas e de alumínio, para o
junho em São Paulo, pela primeira vez foi realizado em dois crescente negócio do catering e das refeições expressas;
locais separados. No Pavilhão do Anhembi ficou hospedada a filmes plásticos para envolver alimentos e para paletização;
Fispal Tecnologia & Embalagem, enquanto o ITM Expo rece- empacotadoras automáticas de alta velocidade de produção,
beu a Fispal Alimentos e Bebidas. “O uso de dois espaços tanto para embalagens primárias como para as de transporte;
físicos diferentes permite melhor segmentação, direcionando soluções mais práticas em fechamentos e em lacres de segu-
a exposição para os seus mercados-alvo em cada um dos rança; e equipamentos e processos para rotulagem e codifi-
pavilhões”, justifica Luiz Fernando Pereira, diretor da feira. cação. A seguir, EMBALAGEMMARCA mostra o que algumas
Assim, equipamentos, materiais e serviços para embalagem, empresas apresentaram de mais significativo na feira.
além de recipientes acabados, ganharam espaço próprio e
amplo: os 35 000 metros quadrados do local foram tomados
por 1 926 expositores, 366 deles de outros países.
Comunicação integrada
Antonio Alberto Prado (*)
A separação evidencia que a Fispal está saindo cada vez
mais do âmbito de feira relacionada somente à alimentação A revista EMBALAGEMMARCA me consulta sobre o que chama
para atingir o status de evento voltado à embalagem e à tec- de “obsessão das empresas por participar de feiras de negó-
cios” e se essa seria a melhor política de comunicação. Digo
nologia, de forma mais ampla. Um indicador é a junção que
que continua válida a velha sabedoria popular segundo a
houve este ano da Fispal Tecnologia e Embalagem com a
qual é imprudente colocar todos os ovos num único cesto. É
Techno Plus – Feira Internacional de Tecnologia para as
comum empresas reservarem toda sua verba de comuni-
Indústrias Farmacêutica, Química e Cosmética, mudança cação para participar de tais eventos. Sem dúvida, por
incentivada pela Abimaq – Associação Brasileira das serem especializadas e dirigidas a públicos específicos, as
Indústrias de Máquinas e Equipamentos. feiras são um meio eficaz de mostrar produtos e serviços,
permitindo a interação com clientes e possíveis clientes.
Sensação de melhora Mas, para reforçar o valor da marca e ter o produto – seja
Ao final da feira, a sensação geral era a de que a cisão em um sabonete, um serviço, uma embalagem ou uma máquina
dois endereços foi positiva. “Brigávamos há muito tempo por – sempre lembrado é preciso usar o maior número de meios
um espaço só para tecnologia e embalagem, pois havia a de comunicação que se puder, ocupando o máximo de
confluência de públicos bastante diferentes no evento”, conta espaço e de tempo. Trata-se de pensar em comunicação de
forma integrada, com a marca presente em todos os veículos
Nilson Cruz Jr., coordenador de vendas e marketing da
possíveis. Do cartão de visita e da placa da empresa até o
Fabrima. “Pudemos aproveitar um ambiente técnico, sem a
outdoor, o anúncio impresso, o comunicado à imprensa, a
grande presença de curiosos das edições passadas”, diz.
mala direta, a internet, o atendimento telefônico, tudo é
Ricardo Vaz, gerente de negócios PET da Alcoa, corrobora a mídia. Inclusive o estande na feira de negócios. Mas não só.
avaliação. “Houve um grande salto na qualidade do evento
por causa da setorização.” (*) Diretor da A A Prado Associados Comunicação Empresarial
Tel. (11) 3052-1743 • e-mail: aa.prado@terra.com.br
Segundo a opinião de vários profissionais ouvidos, a segmen-

14 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24panorama 17/07/01 19:48 Page 16

Prontas para viajar Novas tampas
O momento anterior à etapa de distri-
buição não pode virar um gargalo no
processo produtivo. Por isso, a Day
Brasil oferece máquinas para empaco-
tamento em vários modelos. A 850, au-
tomática (foto), fecha até 700 caixas
de diversos tipos por hora. Pneumática,
a máquina dispensa operador e está
disponível para venda ou comodato. Já A Alcoa divulgou novidades no cam-
os modelos 550 e 750, semi-automáti- po de tampas plásticas para merca-
cos, fecham até 1 200 caixas por dos em ascensão, como o de águas
hora, mas exigem regulagens. A Day minerais. Um dos destaques é a tam-
também lançou uma linha de fitas ade- pa Sports Lok, fabricada na matriz
sivas com 1 500 metros de comprimen- americana e que a empresa passa a
to, para processos de empacotamento. distribuir no país. Bem conhecida por
(11) 3613-7744 viajantes e esportistas, ela é formada
www.daybrasil.com.br por uma válvula e uma sobretampa,
Três em um fabricadas em peças de polietileno e
polipropileno. Outra tampa mostrada
Uma variante criativa dos hang
pela Alcoa foi a 30.25, que está sen-
tabs, ganchos plásticos para expo-
do produzida no Brasil. Ela traz um
sição em displays, foi mostrada
novo padrão de bocal de garrafa,
pela Do-It. Um exemplo é dado pe-
no estilo europeu, no qual o gargalo
las PrinTabs, que podem incorporar
tem diâmetro de 30 mm contra o de
o gancho e uma face adesiva im-
28 mm utilizado no mercado brasilei-
pressa, o que dispensa o uso de ró-
ro. Segundo a Alcoa, a 30.25 ajuda
tulos em embalagens. Como são
reduzir o peso das garrafas de PET e
grudados nos dois lados do reci-
é mais prática, pois facilita a abertu-
piente, também servem como lacre
ra, feita com uma única rotação.
contra violações.
(11) 4195-3727
(11) 3082-9993
Comando eletrônico www.hangtab.com
www.alcoa.com.br

A dosagem e a selagem térmica das
tampas de potes e copos plásticos O canudinho vai dentro
são as tarefas que cumpre a Chelle
A máquina B-2000 STU/D-P, da fa- como opcional uma unidade auto-
2000, envasadora pneumática da Tri-
bricante argentina Bossar, esteve mática para colocação de canudos
nac. De acordo com a empresa, ela
sendo exposta no estande da Car- no interior das próprias embala-
se ajusta eficientemente às necessi-
los A. Wanderley e Filhos. Trata-se gens, para facilitar o momento do
dades de empresas médias e grandes
de uma envasadora horizontal auto- consumo.
– no trabalho com produtos líquidos,
mática para líquidos em stand-up (11) 3812-2577
a máquina pode
pouches, do tipo doy pack. Há cawefilh@uol.com.br
envasar até 2 000
embalagens de 300
mililitros por hora.
O comando do
equipamento é ele-
trônico, o que pro-
porciona economia
com mão-de-obra.
(11) 3832-4882
www.trinac.com.br

16 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24panorama 17/07/01 19:48 Page 18

Sólidos, líquidos ou pastosos
Versatilidade é a principal virtude da
MZ-140, equipamento que a São Cae-
tano Envasadoras Automáticas esteve
apresentando na Fispal. Permite o en-
vase de produtos sólidos, líquidos ou
pastosos, numa velocidade de até 70
frascos por minuto. Rotuladoras, sela-
doras e dosadores volumétricos po-
dem ser acoplados ao equipamento,
que, segundo a empresa, ainda tem a
vantagem de ser de fácil operação.
(11) 4238-2612
sceomz@uol.com.br
Termoencolhíveis:
Ovos e sushis quatro velocidades
Mix ampliado
A Propack Embalagens, especializada em
com parceria As linhas Food Pack Oriental –
rótulos termoencolhíveis, acaba de adqui-
FPO, de embalagens plásticas para
rir uma participação na Pluralmack, que
pratos orientais, e Ovoplast, para em conseqüência mudou de Santo André
acondicionamento de ovos, foram para o Embu (SP), onde fica a sede da
mostrados no estande da Plásticos primeira. Com a parceria, começou a ser
Formar na Fispal. A primeira, fabri- fabricada a Rotterm, máquina aplicadora
cada em poliestireno de alto impac- daqueles rótulos e de lacres termoenco-
to (PSAI), possui decoração típica lhíveis, apresentada na Fispal.
com impressão atóxica e é compos- O equipamento tem quatro versões, que
ta por cinco itens. Já a segunda variam de 60 a 500 aplicações por minu-
A 3M mostrou novas soluções em
possui modelos para ovos de gali- to. Segundo Carlos Rosa, diretor da Pro-
seu mix de produtos para embala-
pack, a máquina apresenta uma série de
gens primárias. São quatro famílias nha ou de codorna, com fechamen-
vantagens em relação a equipamentos si-
de etiquetas e rótulos com apelo mul- to por trava. Há a possibilidade de
milares, entre as quais se destacam a re-
tifuncional. Entre elas há o fecho res- impressão em quatro cores no topo,
dução dos gastos com manutenção, a di-
selável (foto), cuja função é lacrar o que pode dispensar rótulos para minuição de paradas, o aumento da pro-
embalagens já abertas pelos consu- identificação da marca ou fabrican- dutividade e o acesso a financiamento,
midores, e o lacre destrutível, que evi- te do produto. por ser equipamento nacional.
dencia a violação do produto ao se (11) 4056-3655 Segundo o executivo, nos rótulos ter-
romper em qualquer tentativa de www.formar.com.br moencolhíveis a resolução gráfica e o bri-
abertura, podendo ainda deixar uma lho “são superiores ao obtido pelo siste-
ma de litografia, utilizado nas embalagens
mensagem impressa na embalagem
metálicas, resultando assim em maior im-
em caso de sua remoção. Esses pro-
pacto no ponto-de-venda”. Além disso,
dutos são fruto de uma parceria com
“permitem decorar quantidades menores,
a Novelprint. “A Novelprint oferece a custos compatíveis, abrindo campo
produtos que complementam a nossa para promoções e para a viabilização de
linha de soluções para embalagens”, produções limitadas de fabricantes
diz Nicolai Bessa Krogh, gerente de regionais de refrigerantes, por exemplo”.
marketing e vendas da divisão de Ao mesmo tempo em que estimula a apli-
embalagens primárias da 3M. A em- cação mecanizada de termo-encolhíveis,
presa também está investindo em al- a Propack incentiva a rotulagem manual.
ças adesivas, para multipacks do tipo Nessa linha, reforçou a parceria que man-
shrink e caixas de papelão, forneci- tinha há cinco anos com a Mitri, fabricante
de esteiras e túneis de encolhimento de
das em blocos, dispensando aplica-
filmes, de Pederneiras (SP).
dores.
(11) 4781-1700
(11) 3838-7938 / www.3M.com.br
www.propack.com.br

18 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24panorama 17/07/01 19:48 Page 20

Potes oitavados Selos para vários mercados
A Neoform Embalagens Inteligentes
lançou na Fispal duas novas linhas.
Para acomodar alimentos, a empresa
criou bandejas plásticas com acaba-
mento que simula com eficiência a
aparência de similares metálicas
(foto). Já a outra novidade foi a linha
de potes plásticos transparentes com A Poli-Paper está apresentando ao batoque reciclável. A empresa tam-
formato oitavado, com maior resistên- mercado uma série de soluções origi- bém dispõe de selos para potes de
cia mecânica e “apta a acondicionar nais para o fechamento de recipien- café, aplicados por indução e que eli-
uma extensa gama de produtos”, tes. Entre elas estão o PP S-Cristal, minam riscos de contaminação do
como descreve a gerente de vendas selo plástico transparente para fechar produto com a cola; para frascos em
Cristiane Cucco Andritsakis. copos de água ou de iogurte, potes e PET de boca larga, que os deixam
(51) 470-6789 bandejas de alimentos. Selado por com o formato de uma lata; para po-
www.neoform.com.br condução, ele tem sistema de abertu- tes de maionese, que dispensam o
ra fácil e proporciona barreiras. “É cartão (batoque); e para conservas e
possível uma redução de custos de garrafas de água natural ou gasosa –
até 30% em relação às tampas de alu- utilizados em conjunto com tampas
mínio”, diz Edson Rios, diretor da em- tipo sport cap. No mix de produtos da
presa. Já o PP-Tamp é uma película empresa também há selos metálicos
para garrafas plásticas, com aba, sela- do tipo pull-off, para latas, e uma tec-
da por indução. Tem estrutura dupla: nologia exclusiva de selagem para
na selagem, uma parte fica na boca embalagens de vidro.
do frasco e a de cima se funde à tam- (11) 6412-3550
pa, o que torna o conjunto tampa e polipaper@uol.com.br
Detector inteligente
O Icelander Tech DSP é o novo detec- Fim das caixas pré-impressas
tor de metais da Brapenta para linhas O sistema multilinhas de impres- podem ser instalados para impressão
de embalagem. Suas principais carac- são Patrion, da Marconi, para lateral, no topo ou no fundo de
terísticas são a compensação e o caixas de transporte, é a novi- qualquer embalagem. Para a apli-
auto-aprendizado inteligente do efeito dade da Embamark. Ele é ca- cação de etiquetas, a Embamark
do produto, o que elimina diversos paz de imprimir até dezesseis li- mostrou o dispensador de mesa
processos de ajustes, a possibilidade nhas de informação simultâneas, semi-automático Etipack Ready,
do painel remoto a até 1 200 metros com até 1 015 caracteres de com- que aplica até 1 500 etiquetas
do equipamento e a integração em primento, e armazenar 1 500 mensa- por hora em recipientes cilíndri-
rede de até 32 equipamentos a um PC gens, permitindo dispensar caixas pré- cos ou retangulares (foto).
através do software Brapenta-Net, que impressas. Os cabeçotes de impressão (11) 4352-4300 • www.embamark.com
permite a comunicação via web para
diagnósticos e auxílio remoto. Criatividade para promoções
(11) 5641-3410 Rótulos auto-adesivos promocionais Hang Tag Booklet Label, um
www.brapenta.com.br são o forte da Edwards do Brasil. No hang tab (gancho auto-adesi-
portfólio da empresa destacam-se o vo) com folheto multipágina
Booklet, rótulo com folheto multipá- acoplado.
gina para superfícies planas ou irre- (11) 4124-7819
gulares (foto), o Dangler Booklet La- www.edwardslabel.com
bel, que parece flutuar quando cola-
do em frascos e potes, e o Double-
Sided Label, que agrega um cupom
removível ao rótulo – ele pode ser
impresso dos dois lados em até oito
cores. A empresa também fornece o

20 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24panorama 17/07/01 19:49 Page 21

Saco com chaminé Para biscoitos e comprimidos
Chaminé não é acessório Fabricante italiana de cado alimentício, já que
exclusivo de lareiras. A Em- máquinas para embala- suas máquinas têm gran-
baquim lançou um saco gem, a Cam, representa- de receptividade entre in-
plástico de 1 000 litros, cu- da no mercado nacional dústria farmacêutica e de
jas paredes são compostas pela Campak Brasil, cosméticos, que respon-
por quatro folhas de polieti- expôs a envolvedora au- dem por 70% do fatura-
leno, com um tubo em for- tomática de biscoitos mento da empresa.
mato de chaminé em seu
KG, para processar em- (11) 5575-4455
topo. O produto foi desen-
balagens flexíveis do tipo www.campak.com.br
volvido para ser usado no
portfólio. Ela en-
sistema de palete bin, ou A Embaquim também ga-
volve tanto pro-
seja, um palete acoplado a nhou recentemente uma
dutos de formato
uma caixa de transporte. empresa “irmã”, a Plastla-
poligonal como
Segundo Ronaldo Lopes cre, especializada no forne-
redondo. Com
Canteiro, presidente da cimento de rótulos e lacres
construção ro-
Embaquim, “a solução pos- plásticos de PVC encolhí-
busta, a KG tem
sibilita ganhar 10% ou mais vel. Os mercados atendi-
em volume total acondicio- dos são os de água mine- velocidade de
nado na caixa”. Após o en- ral, gases, conservas e até 120 aplica-
chimento externo, o saco é compotas. ções por minuto.
amarrado com um lacre (11) 6161-2333 A Campak quer
plástico. www.embaquim.com.br crescer no mer-
24panorama 17/07/01 19:49 Page 22

Envolvimento veloz e versátil
Representada no Brasil pela Enge- toque (touch screen) e troca rápida
tech, a B&H Labeling Systems tem de tamanhos de recipientes através
Rapidez para candies
como lançamento a rotuladora do exclusivo sistema RCO, que per- A GD do Brasil expôs a Acma 860,
BH1600, para processos de aplicação mite ajustes em até 20 minutos. máquina de embalagem horizontal
de rótulos do tipo roll fed (fornecidos (11) 3746-0306 para candies – balas, caramelos e
em bobinas) com cola quente. O equi- www.bhlabelingsystems.com confeitos. “Ela produz flow packs com
pamento pode operar com rótulos qualquer material termicamente soldá-
dos mais diversos substratos, vel, como celofane, polipropileno ou
como polietileno, polipropile- alumínio, numa velocidade de até
no, PET e papel, numa velocida- 1 000 aplicações por minuto”, diz An-
de de até 200 aplicações por tônio Rene de Pádua Ostam, enge-
minuto utilizando um cortador de nheiro de vendas da GD. No evento, a
duas estações. Tem sistema de regis- empresa mostrou vantagens da má-
tro computadorizado, tela sensível ao quina para embalar pirulitos. Há confi-
gurações da 860 com alimentador
para pacotes de chicles com até seis
Transparência sem embaço sabores diferentes e com alimentador
vertical para caramelos de formato po-
Segundo a Alpes, seu filme ter- contato com alimentos; é mais
ligonal ou redondo.
moencolhível Flexpacking, lançado transparente que os concorrentes e
(11) 6095-2000 • www.gdbr.com.br
na Fispal, traz vantagens considerá- pode ser produzido em folha sim-
veis: é atóxico e pode entrar em ples ou dupla; a abertura das folhas Laser inteligente
é feita com maior facilidade, o que
torna mais rápido e prático o mo-
mento de embalar; é mais resistente
e, ao ser soldado, não solta fumaça
e possui baixo odor; tem melhor fu-
são na soldagem; resiste a tempera-
turas abaixo de 0º C e possui siste-
ma anti-fog, para a embalagem não
embaçar.
(11) 6694-7263
Fabricada pela Markem, a codificado-
alpes@uol.com.br
ra a laser Smartlase foi lançada pela
Union Wrap durante a feira. Ela pode
imprimir em diversos substratos, como
Rótulos protegidos e brilhantes polietileno, papel, papelão e vidro e,
Overtape é a película plástica pro- 2 500 metros lineares e o sistema por ser compacta, não requer a colo-
tetora que a Adelbras fornece de corte não cria rugas nem bo- cação de um PC no chão de fábrica,
para acabamento de rótulos e eti- lhas no bobinamento. podendo ser facilmente integrada ao
quetas auto-adesivas no sistema de (19) 3881-2388 processo de codificação já existente
overlamination. Ela impermeabili- www.adelbras.com na indústria. A codificação é perma-
za, protege e dá maior resistência nente, eliminando qualquer possibili-
mecânica aos rótulos, além de lhes dade de informações serem apagadas
conferir um aspecto brilhante. e, de acordo com Luiz Roberto Cor-
De acordo com a Adelbras, a apli- rêa, diretor comercial da Union Wrap,
cação da película se dá no pró- a Smartlase tem a vantagem do “pre-
prio equipamento disponível no ço de aquisição ser muito menor que
cliente, sem a necessidade de in- o das demais codificadoras a laser do
vestimentos em novo maquinário mercado”.
ou de alteração do substrato. (11) 3865-2155
Há rolos da película com até www.unionwrap.com.br

22 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24panorama 17/07/01 19:49 Page 23

a

Berço esplêndido
19 edição
Feira Internacional de Máquinas para Enologia e Embalagens

Bakerypack é o nome da que os corrugados “são
linha de corrugados para certificados para ter conta- SIMEI, que acontece na
acondicionamento de ali- to com alimentos e podem Itália, é a maior feira
mentos que a Lingraf está ter barreira antigordura, im-
mundial bienal especiali-
disponibilizando ao merca- permeabilidade e resistên-
do. Através desses papéis cia a altas temperaturas”. zada em equipamentos e
especiais, que possuem (11) 6525-9800 produtos para a produção,
ondas menores que os www.lingraf.com.br
corrugados convencionais,
o enchimento e o acondi-
é possível desenvolver cionamento de bebidas
embalagens para bolos, (água mineral, bebidas
panetones, berços para
torradas e outras. João Él- carbonatadas, cervejas, sucos, vinho,
cio Longo Júnior, diretor bebidas alcoólicas, vinagre, óleo vegetal etc.)
comercial da empresa, diz

Agora feita aqui mesmo
De 28 de Novembro a
Completando 30 anos de
vida em 2001, a Fabrima
paulista Medley, por exem-
plo, encomendou três uni-
2 de Dezembro de 2001
mostrou na Fispal suas dades do equipamento na
formadoras horizontais feira. Outra novidade da Fiera Milano (Itália)
automáticas de cartuchos Fabrima é que a linha Fle- FIERA
Cartopac, que agora têm xibag de empacotadoras
pavilhões 14, 15 e 16 MILANO

fabricação nacional – an- verticais agora conta com Entrada: Viale Scarampo
tes, elas eram importadas um sistema opcional de
Horários: 9h30 - 18h00
da Alemanha. Isso possi- aplicador de zíperes, para
bilitou uma redução de formação de embalagens
> 70.000 m2 de área ocupada
35% no preço da máqui- resseláveis. Segundo
na. “Após analise de mer- Cruz Jr., empresas de pro- > 46.000 visitantes de 102 países
cado, detectamos uma dutos lácteos, congelados > 652 expositores de 18 países
crescente demanda no e de rações, entre outras,
Brasil para esse tipo de manifestaram interesse
equipamento, principal- em adaptar o acessório TUDO PARA A PRODUÇÃO,
mente na indústria farma-
cêutica”, conta Nilson
em seus equipamentos.
(11) 6465-2500
O ENCHIMENTO E O
Cruz Jr., coordenador de
vendas e marketing da
www.fabrima.com.br
ACONDICIONAMENTO
empresa. O laboratório DE BEBIDAS
CREDENCIAMENTO ANTECIPADO
Visite o site: www.simei.it

Informações: SIMEI Via S. Vittore al Teatro, 3 - I-20123 Milan (Italy)
Phone +39/02/7222281 Fax +39/02/866226
Internet: www.simei.it E-mail: info@simei.it

Viagens e hotéis: UVET Viaggi Turismo spa
L.go Domodossola, 1 - I-20145 Milan (Italy)
Phone +39/02/48027093 Fax +39/02/4390337
E-mail: fiera@uvet.com

Visitantes de fora da Itália podem beneficiar-se
de desconto especial em vôos da Alitalia Official Carrier
24panorama 17/07/01 19:50 Page 24

Mais codificadoras Potes de polietileno multiuso
A Comprint lançou as máquinas de im- Fornecedora de embalagens plásticas do com Paulo César Pinto Tavares, dire-
pressão e codificação Videojet IPro e rígidas, a Emplas lançou na Fispal uma tor de vendas da empresa, tais potes
Videojet Focus 1000, da Marconi. A nova linha de potes em polietileno de estão sendo largamente utilizados por
primeira, que imprime em sistema de alta densidade (PEAD), que, além de fabricantes de vitaminas e complemen-
jato de tinta, traz um software para alimentos, podem acondicionar produ- tos alimentares, que antes importavam
ambiente Windows e novas fontes de tos químicos e farmacêuticos. De acor- embalagens similares. Há potes de
impressão. Já a segunda apresenta 280 mililitros a 7,5 litros, para os
um custo reduzido no comparativo quais a Emplas disponibiliza tampas
com outros sistemas a laser, de acor- e lacres.
do com a empresa. A Comprint mos- (11) 5521-6693
trou também a impressora por termo- www.emplas.com.br
transferência Jaguar II, da Norwood,
nova fabricante representada no Brasil Nova gama para sleeves
pela empresa. O equipamento é indi-
Em seu estande, a Sleever Inter- ção dos rótulos é de 36 000 gol-
cado para processos de codificação
national mostrou o desempenho pes por hora. Outros pontos po-
de embalagens flexíveis em linhas de
de uma máquina PowerSleeve, sitivos da máquina são a estrutu-
ciclo contínuo ou intermitente, poden-
nova série de equipamentos para ra monobloco, as mudanças de
do imprimir dados variáveis como nú-
aplicação dos rótulos encolhíveis bobina sem parada e o setup rá-
meros de produção e lote, código de
(sleeves, ou mangas) que a em- pido – os formatos de rótulos
barras, data de validade e logotipos e
presa fornece. De acordo com são trocados em menos de 10
gráficos. Outra nova representada pela
Marina André, do marketing glo- minutos.
Comprint é a Cicrespi, fabricante italia-
bal da empresa, a linha PowerS- (11) 5641-3356
na de equipamentos geradores e apli-
leeve é adequada às necessida- sleever@sleever.com.br
cadores de etiquetas sob a marca Ter-
des de produtores de ali-
mostabile.
mentos, bebidas e cos-
(11) 3168-7077
méticos de grande públi-
www.comprint.com.br
co, pois “trabalha em ve-
locidades elevadas, o
que é ideal para produ-
ções non-stop”. Há confi-
gurações da máquina
com uma ou duas cabe-
ças, sendo que a veloci-
dade máxima de aplica-

Sindusfarma premia os melhores fornecedores
Na Fispal foi divulgado o resultado do prêmio de excelên- to. Nas categorias Blistadoras e Enchedoras de Líquidos
cia que o Sindusfarma – Sindicato da Indústria de Produ- foram premiadas duas empresas, que empataram na so-
tos Farmacêuticos no Estado de São Paulo, junto aos or- matória de pontos. Os premiados foram:
ganizadores da Techno Plus, distribui há dois anos aos
fornecedores de máquinas para a indústria farmacêutica. Blistadora: Cam Pak e Uhmann
São oito categorias, cujos participantes foram avaliados Enchedora de Líquidos: Wada e Comas
pela Fipfarma – Fundação Instituto de Pesquisas Farma- Enchedora de ampolas: Bausch & Stroebel
cêuticas, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Encartuchadeira Horizontal: IWKA
USP. Os parâmetros utilizados na avaliação foram a ca- Dosadora de pós por microdosagem: Macofar
pacitação e atendimento às especificações de um projeto Envelopadora de strips: Siebler
industrial, o atendimento dos prazos, o grau de confiança Misturador de emulsões, cremes e pomadas: Koruma
no fornecedor e o desempenho esperado do equipamen- Revisora de ampolas: Eisai

24 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24papelcartão 18/07/01 15:05 Page 26

imagem

Mostrando a cara
Campanha faz papel cartão tornar-se mais familiar ao consumidor

mbora sempre tenha acondi-

E cionado incontáveis produtos
de consumo, o papel cartão
nem sempre era visto como
embalagem primária, mas secundária, em
Premiando os futuros
designers de embalagens
Criado pela Bracelpa em parce-
ria com a Universidade Anhem-
A novidade da segunda edição
do prêmio é a escolha do seg-
geral na forma de cartuchos de medica-
bi Morumbi, o Prêmio Brasileiro mento de embalagens para ali-
mentos e cosméticos. Além disso, de de Embalagem Papelcartão, mentos como tema para o de-
modo geral os consumidores viam as em- agora em sua segunda edição, senvolvimento dos trabalhos.
balagens feitas daquele material como visa incentivar e difundir expe- Os participantes deverão apre-
fonte de poluição e de geração de lixo. riências para o desenvolvimen- sentar propostas de embala-
Há pouco mais de dois anos, um grupo de to do setor de embalagens fei- gens para produtos como arroz,
produtores de papel cartão, reunidos em tas com aquele material, incre- cereais, massas, doces, hortali-
comitê na Bracelpa – Associação Brasi- mentar o mercado de embala- ças, caldos/sopas/leite em pó,
leira de Celulose e Papel (*), decidiu mu- gens e ajudar a ampliar o cam- pães, gelatinas, caixas secundá-
dar essa incômoda imagem. po de trabalho para os novos rias para bebidas etc. e até em-
profissionais. balagens para fast food e deli-
Assim, em maio de 1999, deram iní-
No início de julho, o Comitê Pa- very.
cio a uma campanha institucional desti-
pelcartão da entidade distribuiu Cada um dos primeiros coloca-
nada a conscientizar a população e o tra-
cerca de 1300 kits de inscrições dos em cada categoria ganha-
de das vantagens comerciais e ambientais para estudantes universitários rão um computador iMac, equi-
do papel cartão. Os fabricantes partiam de áreas relacionadas com o pado com softwares gráficos, e
de um princípio elementar: do ponto de desenvolvimento os segundos, um
vista dos negócios, pouco valia apenas de embalagens, computador iMac.
eles próprios conhecerem os atributos como design, de- Os melhores tra-
técnicos insuperáveis do material e o fato senho industrial, balhos serão apre-
de ser não só reciclável, mas também re- artes plásticas, sentados numa ex-
ciclado, dupla propriedade cada vez mais arquitetura, mar- posição e incluí-
presente nas preocupações e nas exigên- keting, artes gráficas e comuni- dos numa publicação. Todos os
cação social de diversos locais concorrentes classificados re-
cias dos consumidores.
do país inteiro. ceberão certificado de participa-
Era essencial mostrar aquele conjunto
Como no ano passado, os estu- ção. O kit de inscrição pode ser
dantes concorrerão em duas retirado, até 17 de agosto próxi-
categorias: uma contemplará as mo, na Universidade Anhembi
novas propostas de embala- Morumbi Campus Centro (rua
gens para produtos que já uti- Dr. Almeida Lima, 1134, São
lizam papel cartão, e a outra Paulo, SP), na Bracelpa (rua
premiará as embalagens para Afonso de Freitas, 499, São
produtos que ainda não utili- Paulo, SP) ou solicitado pelo te-
zam o material. Em ambos os lefone 0800 102131 e pelo site
casos, os projetos deverão uti- www.papelcartao.com.br. A en-
lizar a matéria-prima em pelo trega dos trabalhos deverá ser
IMAGENS: DIVULGAÇÃO

menos 60% de sua área e con- feita entre 1º e 30 de agosto de
ter o selo “Papelcartão para 2001, na Universidade Anhembi
Embalagem – Aprovado pela Morumbi. A premiação aconte-
* A campanha tem o apoio das seguintes empre-
Natureza”, símbolo da campa- cerá na segunda quinzena de
sas: Suzano, Papirus, Ripasa, Madeireira Miguel
nha institucional do produto. setembro.
Forte, Ibema, Nobrecel, Klabin e Riverwood.

26 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24papelcartão 18/07/01 15:05 Page 27

de virtudes ao maior número possível de empresas que consomem mais de 50% de
profissionais que decidem sobre embala- papéis reciclados como matéria-prima
gens nos diferentes segmentos da indús- para sua produção.
tria usuária, varejistas, consumidores fi-
nais, designers e multiplicadores de opi- Apelo ambiental
nião. Por isso, trataram de atingi-los de Na verdade, a campanha do papel cartão
todas as formas possíveis: com publicida- tem no aspecto ambiental um de seus
de, materiais de divulgação, promoções mais fortes apelos. A publicidade, que fi-
em pontos-de-venda, sorteios de prêmios, cou a cargo da agência The Group, de
eventos e assessoria de imprensa. Consi- São Paulo, enfatiza em todas as peças e
derando as verbas relativamente modes- materiais de comunicação, como folhe-
tas aplicadas – 1 milhão de reais no pri- tos, cartilhas e manuais de reciclagem, o
meiro ano, 2 milhões no segundo –, a fato de o material ser reciclável, biode-
campanha foi considerada plenamente gradável e o único produzido a partir de
bem sucedida, em recente balanço feito recursos renováveis.
pelo Comitê Papelcartão (grafado dessa O impacto refletiu-se em dois tipos de
forma, como marca registrada em cartório adesão: inúmeras empresas usuárias de
pela Bracelpa). papel cartão adotaram o selo da campa-
nha em suas embalagens, os meios de co-
Todos os elos municação responderam com expressiva
Segundo Edgard Avezum Jr., presidente cobertura ao esforço de assessoria de im-
daquele comitê, “a diversificação das ati- prensa, de responsabilidade da R. P. Con-
vidades tem permitido que a campanha sult, também de São Paulo, e o público
sensibilize todos e cada um dos elos da consumidor apoiou o movimento em fa-
cadeia de valor da embalagem”. Ele des- vor do meio ambiente.
taca que “até os futuros participantes des- Por sua vez, este último reflexo ficou
sa cadeia, que são os alunos das áreas li- evidenciado em promoção realizada no
gadas à embalagem, estão sendo alcança- final de 2000 em parceria com os super-
dos”. Avezum refere-se ao Prêmio Brasi- mercados Carrefour para coletar cartu-
leiro de Embalagem Papelcartão, que no
início de julho teve as inscrições abertas
para sua segunda edição (ver página ao
lado), dentro de verba ainda não definida
para o terceiro ano da campanha.
Os resultados obtidos até aqui são vis-
tos com mais otimismo pelas empresas
participantes da campanha, pelo fato de
que, como lembra o presidente do comitê,
ela é pioneira. “Historicamente, é a pri-
meira vez que o setor de celulose e papel
promove ações públicas de cunho infor-
FONTE: REVISTA PULP AND PAPER INTERNATIONAL - JUL/2000

mativo, educacional e comercial”, ele re-
gistra. Um dos efeitos desse esforço, con-
sidera Avezum, é que “a imprensa tem
aberto espaço para notícias favoráveis ao
papel cartão, ajudando assim a mudar o
falso conceito difundido de que se des-
troem árvores para produzir papel”. Ele
destaca que, dos 184 fabricantes de papel
registrados em 1999, 184 se enquadram
como indústrias recicladoras, conceito es-
tabelecido pela Bracelpa para definir as

jul 2001 • EMBALAGEMMARCA – 27
24papelcartão 18/07/01 15:05 Page 28

chos. Em cerca de 100 dias, a população,
concorrendo a um automóvel, descartou
nas lojas da rede 136 toneladas de emba-
lagens usadas. Os 50 000 reais arrecada-
dos com a venda do material foram doa-
dos a uma entidade de assistência a crian-
ças vítimas de câncer.
Essa ação, lembra Alberto Fabiano Pi-
res, consultor de assuntos de reciclagem
da Bracelpa, serviu para reforçar a ima-
gem do Brasil como um dos países que
mais reciclam embalagens celulósicas no
mundo (ver a tabela). “O nível de reci-
clagem de papel no Brasil não se afasta
muito da média mundial, tendo atingido

FONTE: BRACELPA - JUL/2001
38,4% da produção total em 2000”, ele
informa. “Nesse ano, foram recuperadas
2.611.800 toneladas de papéis.” O volu-
me total é referente ao papel que serve de
matéria-prima para todas as embalagens Gráfico 1
celulósicas, ou seja, o utilizado direta-
mente como envoltório (comum, kraft e sempre com a presença de especialistas
“para embalagem”), o papel cartão e o de outros países – que, evidentemente,
papelão ondulado. demonstram as vantagens do papel cartão
Desconsiderando o papelão ondula- sobre os outros materiais de embalagem.
do, que se destina a embalagens de O fato é que, levando em conta que, para
transporte, é interessante observar que, um material de embalagem que pouco
na composição do consumo específico menos de três anos atrás era praticamente
de papéis como embalagens primárias desconhecido, pelo menos com o nome Bracelpa – Associação
Brasileira de Celulose e Papel
no Brasil em 2000, o papel cartão se que virou marca, o papel cartão já voou (11) 3885-1845
destaca muito (gráfico 1). Essa presença bem alto. www.bracelpa.com.br
ganha destaque, ainda, quando se obser-
va a composição do quadro de consumo
de embalagens por tipo de material (grá-
fico 2).

Fórum internacional
Dentro da estratégia da campanha do pa-
pelcartão, o comitê costuma apresentar
dados sobre reciclagem e sobre as princi-
pais tendências de design e marketing
ambiental, no Brasil e no mundo, para
profissionais das diversas áreas envolvi-
das na cadeia de embalagem, num Fórum
Internacional da Embalagem de Papel-
cartão. Os palcos para esse evento, que já
teve duas edições realizadas, foram os
auditórios dos hotéis Maksoud Plaza, em
abril de 2000, e Renaissance, em maio úl-
FONTE: ABRE, 1999

timo, ambos em São Paulo. Além de pro-
fissionais de diferentes segmentos do se-
tor de embalagem, esses eventos contam Gráfico 2

28 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24tetrapak 17/07/01 19:40 Page 30

cartonadas

Longa vida quer ma i
Tetra Pak introduz cartonadas no mercado de alimentos sólidos

á tempos as embalagens carto- aptas a uma migração instantânea”, conta

H nadas assépticas vêm obtendo
ótima aceitação em produtos lí-
qüidos e pastosos. Agora, a Te-
tra Pak, a maior fornecedora desses reci-
Lucimar Molina, gerente geral de marketing
da Tetra Pak para a categoria de alimentos.
A executiva revela que a intenção é associar
as cartonadas a produtos com posiciona-
pientes, quer conquistar mercados bem dife- mento premium, descartando a competição
rentes dos de bebidas e de produtos lácteos: com as embalagens flexíveis em nichos de
a gigante sueca volta os olhos para a área de combate.
alimentos sólidos. A empresa está investin- Entre os argumentos brandidos pela Te-
do para fazer dessa migração um de seus tra Pak a favor da cartonada asséptica para
principais projetos mundiais em 2001. No alimentos sólidos há desde o ganho em re-
Brasil, a estratégia foi anunciada oficial- sistência da embalagem ao aumento do shelf
mente durante a 19a edição da feira Fispal life do produto, pelas amplas barreiras que
Tecnologia e Embalagem, ocorrida em sua estrutura multicamada proporciona. É
meados de junho em São Paulo. possível, inclusive, trabalhar com processos
Inicialmente, a idéia será apresentada de atmosfera modificada, um ponto que
aos fabricantes de salgadinhos (snacks), ce- conta bastante quando se lida com a preser-
reais, confeitos e pet food, para os quais a vação de alimentos.
Tetra Pak está disponibilizando suas conhe-
cidas embalagens Tetra Rex em volumes Nas gôndolas – Lucimar dá alguns
que vão de 250 mililitros a 2 litros. “Estas exemplos práticos de vantagens de migrar-
categorias estão recebendo atenção inicial se para a Tetra Rex para alimentos: “Em
porque, em pesquisas que fizemos com con- snacks, ela evita que o produto se esmiga-
sumidores finais, foram apontadas como lhe; nos cereais matinais, pode substituir o
sistema bag-in-box, que combina pacote
plástico com cartucho.” As máquinas de
embalagem, do tipo form-
fill-seal, são as DIVULGAÇÃO

30 – EMBALAGEMMARCA • jun 2001
24tetrapak 17/07/01 19:40 Page 31

a is espaço Suprimento
mais que suficiente
De olho no crescimento da demanda
mesmas utilizadas para acondicionar produ- por embalagens assépticas cartonadas,
empresas do ramo de alumínio estão
tos líquidos, só que com dosadores usados
investindo para suprir as necessidades
nas linhas de empacotamento de alimentos.
dos fabricantes dessas embalagens, já
Como a Tetra Pak mostrou na Fispal, as má-
que o metal compõe, ao lado do papel
quinas permitem adaptar unidades para in- e do polietileno, a estrutura das caixi-
serção de figurinhas e brindes nas caixinhas. nhas longa vida.
A expectativa é de que as gôndolas rece- A Alcan e a CBA – Companhia Brasilei-
bam a novidade dentro de poucos meses, Tetra Pak
ra de Alumínio, empresa do grupo Vo-
(11) 5501-3262
pois já existem projetos em andamento. Em www.tetrapak.com.br torantim, anunciaram a intenção de in-
breve, revela Lucimar, a empresa pretende vestir em novas unidades laminadoras
aproximar a embalagem de outros produtos, SIG Combibloc para processar folhas de alumínio com
(11) 3168-4029
como açúcar, café, massas e arroz, sempre 2 metros de largura. Hoje, o material,
www.combibloc.com.br
em nichos de valor agregado. “Temos tec- usado na fabricação das embalagens
Alcan cartonadas, não é fabricado no Brasil.
nologia para atender a todos esses merca-
(11) 5503-0809 Ele seria fornecido à Tetra Pak e possi-
dos.” Para os interessados, a Tetra Pak man- www.alcan.com.br
velmente à SIG Combibloc, que está
tém em exposição uma máquina para ali-
Companhia Brasileira de Alumínio preparando a instalação de uma fábrica
mentos, na sua fábrica de Monte Mor (SP), (11) 224-7000 no Brasil (veja quadro abaixo).
para eventuais testes e consultas. www.cia-brasileira-aluminio.com.br

SIG Combibloc também com novidades
Outras novidades estão sendo anunciadas gem CombiblocPremium de 1 litro, com tam-
no campo das embalagens cartonadas as- pa plástica CombiLift. A mesma solução foi
sépticas. A SIG Combibloc, concorrente da adotada na Argentina pela Peñaflor, consi-
Tetra Pak, marcou presença na Fispal mos- derada a segunda maior produtora mundial
trando seus modelos de caixinhas mais re- de vinhos e líder de mercado no país do tan-
centes, entre elas o Combifit, e os atributos go, em seu vinho Termidor.
da sua terceira geração de máquinas de en- No Brasil, as caixinhas da SIG Combibloc
chimento, que trabalham em altas velocida- podem ser vistas em produtos como o chá
des. É o caso da CFA 112, capaz de formar Lipton Ice Tea, da Unilever, e no suco Izzy,
caixinhas do modelo CombiblocMini, de 125 da Pomar. O diretor
mililitros e de 250 mililitros, numa velocida- geral da SIG Combi-
de de até 12 000 embalagens por hora. Os bloc para a América
novos equipamentos permitem o envase as- do Sul, Raul Faria,
séptico de produtos com pedaços, tecnolo- comenta que está
gia que a empresa dispõe ao mercado desde tudo praticamente
1985. Um dos mercados potenciais para certo para que o
essa aplicação é o de alimentos para bebês Brasil abrigue, em
(baby food). breve, a primeira fá-
Também foram mostrados, no estande da brica da empresa
SIG Combibloc na Fispal, alguns vinhos do continente. Se-
acondicionados em caixinhas. Entre os gundo ele, a deman-
SIG COMBIBLOC GMBH & CO. KG

clientes dessa área está a vinícola chilena da tem crescido, ge-
Viña San Pedro, que chegou ao segundo lu- rando na empresa a
gar no mercado local de vinhos de mesa expectativa de, até
acondicionando sua marca Gato em cartona- 2003, estar forne-
das assépticas. Para o segmento premium, a cendo aos clientes
empresa lançou o primeiro vinho fino em embalagens fabrica-
caixinha, o Gato Export (foto), em embala- das no país.

jun 2001 • EMBALAGEMMARCA – 31
24ripasa/CBL 18/07/01 15:08 Page 32

materiais

Qualidade desde o i n
Papel cartão com extrusão na origem é o diferencial da Ripasa para acondi c

xtrusão na origem. Através Mas um apelo que já está sendo traba- Ripasa

E desta tecnologia, exclusiva
no mercado nacional e lança-
da oficialmente durante a fei-
ra Fispal Tecnologia e Embalagem, ocor-
lhado com força pela Ripasa, conforme
explica o gerente de negócios da divisão
gráfica da empresa, Amando Varella, é
que a tecnologia permite que alimentos fi-
(11) 3315-5000
www.ripasa.com.br

rida em junho, a Ripasa passa a oferecer quem em contato direto com a parede ex-
um diferencial sensível no fornecimento trudada do cartão, dispensando outros en-
de papel cartão para embalagens de ali- voltórios – a Ripasa pode fornecer o pa-
mentos, principalmente para produtos re- pel cartão com as duas faces revestidas.
frigerados e congelados, nichos nos quais “O acondicionamento direto foi aprovado
sua marca de cartões frigorificados Ice- em estudos realizados
card sempre obteve boa penetração. pelo Cetea (Centro de
Trata-se de um processo no qual o pa- Tecnologia de Emba-
pel cartão recebe um revestimento de po- lagens Para Alimen-
lietileno de baixa densidade (PEBD) ime- tos) e abre campo
diatamente após sua fabricação. Fundida para se pensar novas
e moldada ao cartão num movimento estruturas de embala-
contínuo a 320o C por calandras refrige- gem”, ele afirma. Um
radas, a resina termoplástica confere ao
material resistência e barreiras em níveis
superiores aos oferecidos pelos processos
de laminação tradicionalmente encontra-
dos no mercado. Também evita a delami-
nação e a formação de bolhas no cartão
revestido, que podem manchar a reputa-
ção de qualquer cartucho, e permite uma
impressão de qualidade sobre o substrato.

Caixas de amostra
feitas sem uso de
cola ou dobra com
fecho, distribuídas
FOTOS: DIVULGAÇÃO

com bombons e
sorvetes da
Kopenhägen na
Fispal 2001

32 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24ripasa/CBL 18/07/01 15:08 Page 33

i nício
di cionar alimentos

exemplo pôde ser visto durante a Fispal.
A Ripasa esteve oferecendo aos visitantes
de seu estande sorvetes e doces da marca
Kopenhägen embalados unicamente em
caixinhas de cartão extrudado na origem,
concebidas sem ponto de cola ou dobra
com fecho, obra da agência Packing De-
sign de Embalagens (foto).

Menor manuseio
De acordo com Varella, as vantagens
também se estendem às gráficas. “Ganha-
se agilidade na produção, já que o proces-
so intermediário de revestimento, geral-
mente um serviço terceirizado, é elimina-
do”, diz. Isso acaba revertendo em outro
ponto favorável ao trabalho com alimen-
tos, pois “há um manuseio muito menor
do cartão, o que evita possíveis contami-
nações do material”. Outra possibilidade
ao alcance do convertedor: a compra do
cartão revestido somente de um lado,
para revestir o outro com processo con-
vencional, também gerando um produto
diferenciado.
Com fins mercadológicos, a empresa
resolveu denominar a tecnologia como
PEX, para a qual criou um selo de identi-
ficação seguido dos números 1 ou 2, que
representam a quantidade de faces que
recebeu a extrusão. Todas as famílias de
papel cartão normalmente comercializa-
das pela empresa receberão a rubrica
caso apresentem essa nova solução em
barreira. Varella frisa que a Sadia e a Per-
digão já vêm utilizando os cartões PEX
para embalar grande parte de seus produ-
tos e, agora, espera que fabricantes, de-
signers e agências de publicidade sugi-
ram novas formas de se trabalhar com a
extrusão na origem. “Estamos abertos a
estudos e à criatividade, pois acreditamos
que há um universo enorme a ser explo-
rado com os cartões PEX”, arremata.
24makingof 18/07/01 14:35 Page 34

O

making of

m
s
-
Mudança de planos
a
m
z Embalagem leva Agrivale a lançar cachaça for export no Brasil
a
-
oncebida para ser exportada, avançada e rigoroso controle de qualida-

C a Cachaça Veritas, produzida
pela Agrivale – Agro Indus-
trial Vale Azul S/A, de Ma-
caé (RJ), resultou num produto de tal
de. O resultado foi a Cachaça Veritas, que
chega ao mercado em duas versões: Sil-
ver, incolor, e Gold, dourada com gotas de
caramelo, sem adição de produtos quími-
qualidade, com uma embalagem tão re- cos. Futuramente será lançada a Veritas
quintada, que a empresa decidiu lançá-la Old, envelhecida por dois anos.
também no mercado interno, “para preen- Engenheira de profissão, Renata Crespo
cher um espaço vazio que pode ser ocu- conta que dá extremo valor à profissionali-
pado por uma aguardente de alta catego- zação das coisas. Assim, “para ter uma em-
ria”, segundo Renata Crespo, superinten- balagem que estivesse à altura do produto”,
dente da empresa. recorreu aos serviços de uma agência espe-
Para chegar à categoria premium de cializada, a Packing Design, a quem enco-
sua aguardente, a Agrivale, que produz mendou um sistema de acondicionamento
cachaça desde sua fundação há dezoito “de padrão internacional”. Renata diz estar
anos, em terras pertencentes à família “superfeliz” com o resultado e com o pro-
Crespo há mais de sessenta, decidiu dar cesso de criação que o antecedeu.
um up-grade tecnológico ao processo in- Fábio Mestriner, diretor da agência,
dustrial. Investiu fortemente em equipa- Cachaça ganhou relata que, para cumprir a tarefa, sua equi-
visual sofisticado
mentos e processos e, em 1999, contratou recorrendo ao
pe começou por identificar exatamente o
nove consultores, incumbidos de elaborar padrão de conceito de uma cachaça de qualidade,
os princípios para a obtenção de uma comunicação das concluindo tratar-se um destilado que se
embalagens dos
aguardente “for export”, com tecnologia insere no rol das bebidas finas. “A bebida
grandes spirits

Tampa pilfer-proof Monograma de
e neck label: família serviu de
segurança e base para a criação
elegância de um brasão
FOTOS: DIVULGAÇÃO

A presença de As bordas nos rótu-
medalhas é comum los também são
em outras bebidas características de
“globalizadas” bebidas mundiais

34 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24makingof 18/07/01 14:35 Page 35

nacional precisa deixar de ser vista como
uma coisa exótica, folclórica, para ser en-
carada como um produto de primeiríssi-
ma qualidade”, ele diz. O passo seguinte
foi identificar os padrões básicos da co-
municação, a “linguagem” das embala-
gens dos grandes spirits.

Elementos característicos
Foram mapeados os componentes visuais
básicos das embalagens de marcas mun-
diais de uísque, vodca, conhaque, tequila
e rum. Detectou-se então que, além de
garrafas bonitas, os elementos caracterís-
ticos mais constantes dessas bebidas são:
1) rótulos com bordas; 2) uso de neck la-
bel; 3) brasões, emblemas e símbolos he-
ráldicos; 4) medalhas; 5) fechamentos se-
guros. Ficou definido, também, que o
Brasil tem larga tradição na produção de
cachaça. Todos esses elementos foram in-
corporados à embalagem da Veritas.
Para sorte da Agrivale, a vidraria Saint- Caixa de papelão
Gobain (ex-Santa Marina) acabara de co- ondulado para seis na marca. Finalmente, não havendo meda-
unidades: “Para
locar no mercado uma garrafa cônica inco- arrasar”
lhas conquistadas em premiações, já que o
lor de 750ml, com fechamento pilfer- produto sequer estava lançado, a Packing
proof em substituição à boca adequada criou uma coleção de fantasia, com ima-
para tampas Guala. Embora standard, o re- gens que remetem ao reconhecimento do
cipiente tem perfil bem diferenciado. Foi produto, à sua tradição e à sua origem: um
imediatamente adotado, com tampa de bandeirante, um cortador de cana, um ve-
alumínio fornecida pela Altec, de São Pau- lho engenho e o Pão de Açúcar.
lo. Obviamente, não foi difícil decorar Para valorizar o conjunto, explica Fá-
com bordas o rótulo e o contra-rótulo bio Mestriner, foi criado um cartucho de
auto-adesivos, impressos pela Baumgar- papel cartão com janela de acetato, im-
ten, de Blumenau (SC), em papel com ver- pressão em alto relevo e hot-stamping,

www.embalagemmarca.com.br
niz protetor e detalhes em ouro ou prata. prateado para a variedade Silver e doura-
Igualmente, foi simples adicionar elemen- do para a Gold. São fornecidos também
tos de referência do produto, isto é, canas pela Baumgarten, assim como as caixas
de açúcar. No contra-rótulo há informa- de transporte de papelão ondulado, para
ções sobre a cachaça e receitas de drinques Agrivale seis unidades. “Para arrasar de uma vez”,
(24) 2762-8375
(na versão em inglês, a receita é de caipi- agrivale@agrivale.com.br diz o diretor da Packing Design, “está em
rinha, que se tornou uma vedete mundial). desenvolvimento um estojo cilíndrico de
Altec
O monograma da família Crespo, que aço, litografado, como se usa nos melho-
(11) 6422-0143
já existia, serviu como item principal para www.altectampas.com.br res uísques”. A distribuição, que será ter-
a criação de um brasão, juntamente com a ceirizada, começará por São Paulo, Rio
Baumgarten
imagem de dois barris e a expressão “bra- (47) 321-6666
de Janeiro e Estados do Sul.
zilian spirit”, inscrita numa faixa (e, ainda, www.baumgarten.com.br
Todas as agências (inclusive os departamentos
no rótulo do gargalo e, em relevo, na tam- internos das empresas) e todos os designers
Packing Design
pa, junto com o monograma familiar). Im- (11) 3064-9822 interessados em colaborar com esta seção da
presso em tom rebaixado, ampliado, o bra- www.packing.com.br revista estão convidados a participar. Para
são contribui para dar ao rótulo um aspec- obter detalhes, entre em contato com a reda-
Saint-Gobain Embalagens
to de produto tradicional, sensação que é (11) 3874-7482 ção, por telefone (11) 5181-6533 ou por e-mail
reforçada pelo uso de tipologia “de época” www.saint-gobain.com.br (redacao@embalagemmarca.com.br).

jul 2001 • EMBALAGEMMARCA – 35
24premioABRE 17/07/01 20:03 Page 22

setor

Eventos prometem
3ª Semana de Design e Prêmio Abre de Design prenunciam êxito

ois eventos promovidos pela “A embalagem é a marca”

D Abre – Associação Brasileira
de Embalagem, a realizar-se
em breve, caminham para o
êxito, na previsão de seus organizadores.
Marcada para o período de 28 a 31 de agos-
to, tendo como tema principal “A embala-
gem é a marca”, a 3ª Semana Abre do De-
sign de Embalagem tem, a exemplo do
Um é o Prêmio Abre de Design de Em- que aconteceu nos anos anteriores, o
balagem, que estréia com o objetivo objetivo de criar um fórum para o
de valorizar o design de embala- debate de temas importantes para
gem no Brasil. Outro é a Semana o setor. Em 1999 e 2000, o even-
Abre de Design de Embalagem, to contou com, respectivamente,
cuja terceira edição transcorrerá 400 e 450 participantes, na sua
entre 28 e 31 de agosto, na Casa maioria profissionais clientes
Rhodia, em São Paulo, sob o das indústrias de embalagem
tema “A embalagem é a marca”. (alimentos, bebidas, produtos far-
Já em sua primeira edição, o macêuticos, cosméticos e de higie-
Prêmio, cujos vencedores serão ne pessoal), interessados em enten-
anunciados em setembro próximo, re- der e reciclar seus conhecimentos sobre
velou-se “um sucesso total”, segundo Lu- design de embalagem.
ciana Pellegrino, diretora executiva da Este ano, o tema central das discussões
Abre: foram inscritas 281 embalagens, “nú- será a importância da embalagem na consti-
mero muito expressivo, já que a premiação tuição das marcas dos produtos. Estão pro-
contempla apenas nove categorias, incluin- gramadas duas palestras por dia, apenas no
do a de Voto Popular”. período da manhã (das 9h00 às 10h30 e das
A receptividade desta é, do ponto de vis- 11h00 às 12h30). Alguns assuntos já confir-
ta da Abre, outro indício de sucesso. Em mados são:
apenas quatro dias o total de votos do públi- • papel da embalagem na construção da
co colhidos durante a Fispal, no stand da marca
Abre no Anhembi, em São Paulo, onde fo- • valor do design e como ele se incorpora ao
ram expostas as embalagens inscritas até a patrimônio da empresa
data, chegou próximo a 2 000. Ela ressalta • a extensão do aval de grandes marcas para
o “aspecto didático do voto popular”: a vo- outros produtos
tação exigia respostas que implicavam ana- • quando a embalagem é a marca
lisar os atributos de uma boa embalagem, • uso da embalagem na propaganda
como design, praticidade de uso e qualida- • exportando o Brasil através da embalagem
de (conservação das propriedades do pro- ABRE - Associação • a embalagem como identidade da marca
Brasileira de Embalagem
duto, estrutura, segurança, respeito ao meio (11) 3082-9722 • marca própria: uma ameaça ao futuro das
ambiente e qualidade de impressão). www.abre.org.br marcas de mercado

A 3ª Semana Abre do Design de Embalagem e o Sua empresa, seu produto e sua marca não po-
Prêmio Abre do Design de Embalagem terão am- dem ficar de fora. Participe. Fale com o nosso De-
pla cobertura em documentos especiais de EMBA- partamento Comercial.
LAGEMMARCA, a exemplo do que ocorreu nas
Tel.: (11) 5181-6533
edições anteriores. Serão documentos de referên-
cia e consulta permanente. Fax: (11) 5182-9463

1999 2000 e-mail: comercial@embalagemmarca.com.br
24easypack 17/07/01 19:28 Page 38

conveniência

Na direção certa
Embalagem para food service promete mudar conceitos

FOTOS: DIVULGAÇÃO
uem já utilizou temperos, cre-

Q mes ou mesmo leite em peque-
nas porções, acondicionados
em embalagens termoforma-
das ou em sachês, sabe o quanto é difícil
despejar o conteúdo exatamente sobre o lu-
gar desejado, e a quantidade que se perde
nos cantos “inacessíveis” da embalagem
quando o produto é mais viscoso.
Pressionadas por margens estreitas e,
muitas vezes, por limitações para investir
em novos maquinários, as empresas usuá-
rias desses tipos de embalagem às vezes fe-
cham os olhos para as dificuldades enfren-
tadas pelo consumidor. É bem verdade que
inovações nessa área surgiram e foram in-
corporadas, tais como colas que garantem
selagem perfeita e maior facilidade de aber-
tura, no caso das termoformadas, e filmes
com “rasgo dirigido”, no caso dos sachês.
Mas as estruturas das embalagens perma-
A embalagem sanfonada tem um sistema de abertura
neciam inalteradas. que direciona o jato do produto, facilitando a aplicação.
Recentemente, porém, a empresa holan- No detalhe, esquema do Easycup
desa Weasypack resolveu mudar o conceito
vigente, de forma a facilitar o manuseio produtos porcionados – ou até mesmo por
pelo consumidor. Estava criado o Easycup, condições de transporte.
um recipiente que, com as laterais sanfona- A estrutura sanfonada permite que o Ea-
das, permite que o conteúdo seja expelido sycup tenha redução de até 30% na largura
da embalagem por pressão, em jatos razoa- das paredes, sem comprometimento da vida
velmente controláveis. Segundo o fabrican- de prateleira. A empresa afirma que, nas
te, mesmo os produtos mais cremosos, aplicações em que comumente se utilizam
como maionese e ketchup, podem ser total- potes de 630 ou 700 micra em PS ou PS/PE,
mente aproveitados, pois a embalagem o Easycup pode ter paredes de 450 micra em
pode ser literalmente espremida até que es- PS/EVOH/PE. A explicação para isso é que
teja vazia. Quando a pressão cessa, o exce- os anéis criados para dar elasticidade à em-
dente de produto é novamente sugado para balagem aumentam a sua resistência.
o interior da embalagem, eliminando res- Para que a sua invenção pudesse ser in-
pingos indesejáveis. corporada pelos envasadores sem grandes
Outra vantagem da estrutura flexível do custos adicionais, a Weasypack desenvol-
Easycup, na argumentação do fabricante, é veu, em conjunto com a fabricante de mol-
a sua adaptabilidade a ambientes com dife- des Bosch Sprang, também da Holanda,
rentes pressões, causadas por variações na projetos para moldes adaptáveis a qualquer Great Foods Brasil
www.greatfoodsbrasil.com
temperatura, pela pressurização das aerona- enchedora. No Brasil, a Weasypack é repre- info@greatfoodsbrasil.com
ves – local em que é comum o consumo de sentada pela Great Foods Brasil. (11) 5539-0682

38 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24encapsulados 18/07/01 14:59 Page 40

amostragem

Cheiro de vendas
Impressão com aroma é boa alternativa para ações de amostragem

possibilidade de atrair a aten- fornecê-las em bombonas, em aromas bá-

A ção do consumidor pelo olfa-
to, especialmente em ações
de amostragem, está cada vez
mais acessível no Brasil, apesar da pro-
sicos (laranja, limão, canela, entre ou-
tros), a gráficas que necessitem produzir
para seus clientes amostras, anúncios e
peças promocionais com cheiro. “A redu-
gressiva desvalorização do real, que vem ção de custo é muito expressiva em rela-
tornando quase proibitiva a importação ção ao material importado, e os prazos de
de matérias-primas necessárias a tal apli- entrega são mínimos”, diz Sidney Anver-
cação. Essa possibilidade havia se torna- sa Victor, diretor da empresa.
do mais viável no país depois que, há cer- Segundo ele, a Congraf foi pioneira tan-
ca de dois anos, a Congraf Gráfica e Fo- to no processo de obtenção das cápsulas
tolito, de São Paulo, desenvolveu a tec- quanto no processo de microencapsula-
DIVULGAÇÃO

nologia que permite a impressão de pa- mento. Antes, era necessário enviar para os
péis com aromas, a partir de substâncias Estados Unidos ou para a Alemanha as es-
microencapsuladas. sências a serem microencapsuladas e veicu-
Trata-se de uma técnica que, basica- ladas no verniz. A devolução passava por
mente, consiste em fragmentar as essên- todas as implicações burocráticas e alfande-
cias em gotículas microscópicas e, sobre gárias envolvidas na operação. A Congraf
elas, aplicar um verniz protetor, que se decidiu então contratar uma empresa espe-
rompe, por exemplo, com o atrito da mão cializada, a P&D Consultoria Química,
sobre a superfície em que foi aplicado. para desenvolver a tecnologia. Depois de
Com isso, é exalado o aroma – de perfu- quase um ano de pesquisas, chegou-se à
me, cosmético, alimento, remédio ou ou- técnica de dispersão das microcápsulas em
tros que se queira. verniz, fornecido pela Heliocolor, que já su-
pria a empresa com vernizes.
Redução expressiva de custos A aplicação do verniz – à base de água,
Até dois anos atrás, essa tecnologia só era e patenteado pela Congraf – é feita on-line
disponível com produtos importados e, na máquina de impressão e não exige tem-
depois, também localmente, mas neste po adicional para secagem. Os testes-pilo-
caso apenas em peças produzidas pela to e a produção em escala limitada foram
Congraf, que fabricava os insumos para feitos no Grupamento de Processos Quí-
uso próprio. Agora, a empresa está enca- micos do IPT – Instituto de Pesquisas Tec-
minhando parceria com um fabricante nológicas, de São Paulo. Foi para produzir
de São Paulo para produzir as micro- em escala industrial, de modo a poder ofe-
cápsulas em quantidades industriais e recer preços atraentes aos interessados,
que a Congraf está fechando parceria com
um fornecedor industrial.

Congraf
www.congraf.com.br
(11) 5563-3466

40 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24termopack 18/07/01 14:47 Page 41

transporte

Inteiros até o lar
Sistema TermoPack usa shrink para substituir papelão

pesar de os eletrodomésti- É formada, assim,

A cos e os aparelhos eletrôni-
cos surpreenderem pelas
freqüentes inovações tecno-
lógicas, suas embalagens nunca mos-
uma espécie de cápsu-
la protetora, segundo
a empresa uma solu-
ção mais moderna,
traram o mesmo vigor de renovação. protetora e atraente
Esse paradoxo, contudo, está sendo que as caixas de pape-
quebrado com novidades do mercado. lão ou de madeira. “O
Uma delas é o TermoPack, sistema de TermoPack protege o
embalagem idealizado pela empresa ca- produto contra poeira, umi-
tarinense Termotécnica com a proposta dade e sujeiras nos processos Impressão no
filme plástico traz
de acondicionar bens de consumo durá- de transporte e armazenamento, facili-
maior apelo visual
veis, tanto da linha branca, como refri- tando a logística e o controle de quali-
geradores e fogões, como da linha mar- dade” explica Luiz Antonio Ziele, dire-
rom, na qual se incluem televisores e tor comercial e de marketing da Termo-
aparelhos de som, entre outros. técnica. “Ademais, além da impermea-
bilidade, ele permite maior nível de em-
EPS com shrink pilhamento, transporte em qualquer po-
Trata-se da combinação de uma estrutura sição, facilidade para desembalar e
de poliestireno expandido (EPS), mate- maior proteção contra impactos e vibra-
rial popularmente conhecido pela marca ções.” O produto permite impressão da
isopor, com filme plástico termicamente marca e de outras informações e é tam-
retrátil, do tipo shrink. No sistema, os bém reciclável.
produtos, depois de envolvidos em peças
de EPS projetadas de maneira personali- Projetos personalizados
zada, passam por um equipamento espe- Os clientes são atendidos através de pro-
cial que os envolve com o filme plástico jetos personalizados, nos quais há a cria-
termoencolhível. ção de protótipos e etapas de estudos até a
confecção final dos “casulos”. Testes de
impacto e pesquisas logísticas são feitos
Maior proteção
para assegurar a adequação da
no transporte
embalagem ao produto. De
acordo com Ziele, a preocupa-
ção de sua empresa é comunicar
ao mercado que o TermoPack
não se restringe a um serviço de
shrink convencional – a idéia de
FOTOS: DIVULGAÇÃO

lançar uma marca exclusiva e
transformá-lo em produto faz
parte dessa intenção. “Queremos
dar personalidade ao sistema de
shrink, investindo em conceito,
Termotécnica
marca e expressão de solução in- www.termopack.com.br
dustrial”, esclarece. (11) 5641-2122

jul 2001 • EMBALAGEMMARCA – 41
24panoramab 18/07/01 15:26 Page 42

Peres continua à frente da ABPO
A atual diretoria da ABPO ondulado, como sua ver-
– Associação Brasileira satilidade, facilidade de
de Papelão Ondulado, en- estocagem, custos com-
cabeçada pelo presidente petitivos, aparência e,
Paulo Sérgio Peres, aca- principalmente, o fato de
ba de ser reeleita para o ser um produto 100% re-
terceiro mandato conse- ciclavel e não agressor
cutivo, que abrange o do meio ambiente. “A
triênio 2001/2004. Com 27 ABPO permanecerá fiel
anos, a entidade pretende ao seu compromisso de
continuar esforços na di- promover e difundir o uso
vulgação de atributos da do papelão ondulado no
embalagem de papelão Brasil”, resume Peres.

Brasil fatura 44 prêmios no
Premier Print Award 2001
Dos 5 555 trabalhos inscritos na 51ª edição do Premier
Print Award, um dos mais renomados concursos interna-
cionais da indústria gráfica, 135 foram produzidos por
gráficas brasileiras, e nada menos que 44 foram premia-
Novas máquinas na Espírito Santo
dos. Três receberam o Benny, o prêmio máximo do con- A Gráfica Espírito Santo das na bobina. Ela possui
curso, nove receberam menções honrosas (Award Of Re- anunciou a aquisição de ainda sistema de alinha-
cognition, ou AOR) e 32 levaram certificados de mérito. uma rebobinadeira cana- mento automático e con-
Foi o melhor desempenho brasileiro desde 1998, quando dense Rotoflex VSI, repre- trole de melhoria de ten-
as empresas brasileiras começaram a participar do prê- sentada no Brasil pela sionamento. Para a divi-
mio, que é promovido pela entidade americana Printing Comprint, para a sua divi- são offset, a Espírito San-
Industries Of America. Das gráficas brasileiras, a Takano são de flexografia. De to trouxe dois novos equi-
foi a mais bem colocada, levando dois Benny (o outro foi acordo com Paula Seixas, pamentos, incluindo um
para a Escala 7), três AOR e onze certificados de mérito. gerente do setor de flexo- forno ultravioleta, adquiri-
As outras gráficas premiadas com o AOR foram a Cle- grafia da empresa, um do da Bally Equipamen-
mente e Germani Editora e Comunicações, a Imprensa dos principais diferenciais tos, e uma Processadora
Oficial do Estado, a Makro Kolor e a Stilgraf. Mais infor- da nova máquina é um Automática de Chapas R-
mações sobre o prêmio na ABTG – Associação Brasileira sensor que pára o equipa- 84, comprada da Lipati do
de Tecnologia Gráfica. mento quando faltam eti- Brasil.
(11) 6693 9535 quetas e quando são de- (27) 3223-7811
www.abtg.org.br tectadas marcas e emen- www.graficaes.com.br

Preço da nafta atormenta a indústria plástica
Em 17 meses, o preço da reais, motivado por um au- Estado de São Paulo, em mentar o déficit da balan-
nafta sofreu acréscimo de mento de 18% no dia 1o. coletiva organizada pela ça comercial do setor pe-
75,9%, o que vem tirando “O preço da nafta no Brasil entidade. “Os reflexos são troquímico brasileiro – 6,5
do sério as empresas da é um dos principais fatores desastrosos para toda a bilhões de dólares negati-
cadeia do plástico. Para se que têm comprometido a cadeia do plástico, que não vos em 2000, segundo a
ter idéia, em janeiro de competitividade do nosso pode repassar esses cus- Associação Brasileira da
2000 a tonelada da matéria- setor”, disse Jean Daniel tos aos preços finais de Indústria Química (Abi-
prima custava 361 reais. Peter, presidente do Siresp seus produtos.” De acordo quim) –, já que as empre-
No mês de junho de 2001, – Sindicato das Indústrias com Peter, tais reajustes sas não têm conseguido
atingiu o patamar de 635 de Resinas Sintéticas do têm contribuído para au- competir nas exportações.

42 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24panoramab 18/07/01 15:26 Page 43

GERENCIAMENTO ÁGIL PARA ETIQUETAS LARGAS Allez le bain!
A francesa L’Oréal comprou a Colo-
A Zebra está lançando a
rama da americana Revlon por
impressora térmica de eti-
R$ 126 milhões. Em 2000 a Colora-
quetas Z6M, para proces-
ma faturou R$ 80 milhões com as
sos de codificação e mar-
linhas de esmaltes, batons, xampus
cação. Ela é pronta para
e condicionadores. A marca Bozza-
conexão à Web e à rede
no não foi incluída no negócio.
e aceita etiquetas indivi-
duais ou múltiplas, com
50 anos de Krones
até 168 mm de largura. A
Tradicional fornecedora de equipa-
Z6M inclui o ZebraLink,
mentos de embalagem, a Krones
software para controle re-
comemorou no dia 21 de junho 50
moto e em tempo real de
anos de atividades no mundo. Em
redes de impressoras. O
São Paulo, festejou com os clientes
programa também capa-
na casa de eventos Tom Brasil.
cita a Z6M a emular a lin-
guagem de outras im-
Melhor e maior...
pressoras e possui o recurso Zebra- realimentar a impressora, reduzindo
A CSN foi eleita a empresa do ano
Link Alert que possibilita o envio de o tempo ocioso entre os trabalhos”,
pela revista Exame, que destacou o
avisos de erro por meio de e-mail, diz Diego Rojas, gerente regional de
trabalho da atual presidente da
pager, telefone celular, PDA ou qual- negócios para a América Latina da
empresa, Maria Silvia Bastos Mar-
quer outro dispositivo móvel que dis- Zebra.
ques. A reportagem diz que “com
ponha de recursos de texto. “Ele no- (800) 423-0442
as folhas-de-flandres que já saí-
tifica, por exemplo, quando é preciso www.zebra.com/z6m
ram de suas linhas seria possível
mimar cada habitante do planeta

Comprint e Gi Due firmam parceria com 120 latas de óleo”.

A Comprint firmou acordo com a das na Argentina ainda este ano.
...em busca de tecnologia
empresa italiana Gi Due S.r.l para O principal produto da empresa é
Engenheiros da CSN vão ao exterior
representar suas impressoras flexo- a impressora Combat, que impri-
para trazer ao Brasil um laborató-
gráficas no Brasil. A Gi Due vem se me em filme e em papel auto-ade-
rio capaz de simular a produção de
destacando no mercado europeu sivo nas larguras de 280mm a
latas de duas peças – corpo de aço
onde vendeu 25 impressoras nos 530mm.
e tampa de alumínio – para bebi-
últimos 12 meses. Na América Lati- 3371-3389
das, a ser instalado no centro de
na, duas impressoras serão instala- www.comprint.com.br
pesquisa de Volta Redonda (RJ).

Gráfica 43 aumenta produtividade com software 100% fashion
Embora ainda não seja comerciali-
A Gráfica 43, empresa catarinense e das características do seu siste- zada, a fibra de poliéster Alya Eco,
especializada na produção de emba- ma, as soluções Preactor atendem a feita em 100% com PET reciclado e
lagens, que está no mercado há 54 todas as necessidades. Sob a orien- lançada pela Rhodia-ster em janei-
anos e atende a clientes como Nes- tação da empresa capixaba Tecma- ro, foi destaque no 2º Prêmio Abit
tlé, Parmalat, Danone e L’Oréal, ran, que distribui e comercializa o Fashion Brasil. Levou o prêmio na
adotou o Preactor para gerenciar a Preactor no Brasil, o sistema foi im- categoria inovação tecnológica.
sua programação de produção e já plantado em cerca de seis meses.
conseguiu diminuir seus prazos mé- Hoje, com aproximadamente um ano Solvay com ISO 9002
dios de entrega de 20 para 5 dias. O de utilização, a solução está propor- A companhia petroquímica Solvay
Preactor é uma ferramenta que au- cionando, além do retorno financei- Indupa obteve certificação ISO
menta a eficácia do gerenciamento ro, uma série de outros benefícios, 9002 de seu complexo industrial de
de sistemas produtivos e auxilia na diz Marlo Germer, diretor da gráfica. Baía Blanca, na Argentina. A fábrica
tomada de decisões estratégicas. In- (47) 328-1200 de Santo André (SP) já é certificada.
dependente do tamanho da empresa 43sa@braznet.com.br

jul 2001 • EMBALAGEMMARCA – 43
24display 18/07/01 15:14 Page 44

SALAME EM PORÇÃO Balas Valda em embalagem flip-top
PARA SINGLES Com investimentos de 400 mil dóla-
res, o laboratório francês Canonne
lançou no mercado brasileiro as balas
Valda Sugar Free & Fibras, sortidas
em seis sabores: abacaxi, cereja, la-
ranja, limão, morango e maracujá. A
embalagem flip-top, de 24 gramas,
produzida em papelão, foi desenvolvi-
da pelo setor de marketing do labora-
tório, que pesquisou um material ade-
quado para manter o produto com o
mesmo sabor durante um certo tem-
po. As cores e o design também fo-
O crescimento do segmento single le- ram desenvolvidos pela empresa. O
vou a Sadia a lançar o Mini Salame, diretor de marketing da Valda, André
em peças com 130g. Outra caracterís- Golebiovski, diz que “a nova embala-
tica do produto é o fato de não preci- gem segue a tendência mundial de se
sar de refrigeração, podendo ser con- optar por produtos recicláveis”. A em-
servado em temperatura ambiente. A presa não informa quem é o fabrican-
embalagem é da Unipack. te da caixinha flip-top.

Casamento perfeito
Canecão padroniza linha de produtos Agências e clientes que criam promo-
ções conjugadas no ponto-de-venda
sempre se depararam com um grande
problema: como expor os produtos de
forma conjugada oferecendo praticida-
de para o consumidor e segurança
para o cliente. Os idealizadores da
campanha “Casório”, realizada recente-
mente no Nordeste, resolveram a
questão. A promoção conjunta de
Coca-Cola e Yoki apresentou uma em-
balagem com duas garrafas de Coca-
Cola PET de dois litros e produtos Yoki
voltados para as festas juninas. A No-
belplast desenvolveu então o Pack-Lock,
uma sacola de polietilieno de baixa
A indústria Café Canecão, de Cam- 5 Kg), Canecão Café Expresso, densidade, com a segurança de um en-
pinas, (SP), modernizou seu visual. com blend Cerrado, torrado em velope com fechamento inviolável.
As novas embalagens foram desen- grãos (em embalagem de 1 Kg) e
volvidas para dar total garantia de torrado e moído (em pote de plásti-
preservação ao produto, e a cor co de 500 g), Cappuccino (em latas
vermelha ganhou destaque. Com de 200 g) e Café Padroeiro (torrado
as mudanças, foi padronizada toda e moído, em embalagem de 500 g).
a linha de cafés da marca , que O layout foi criado pela Spaço Publi-
compreende o Café Canecão Tradi- cidade, e as embalagens são pro-
cional (em almofada, torrado e moí- duzidas pela Shellmar Embalagem
do em embalagens de 500 e 250 g Moderna e pela Santa Rosa Emba-
e torrado em grãos em pacotes de lagens.

44 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24display 18/07/01 15:15 Page 46

20% mais café e display inteligente
O Café 3 Corações, de gens dos cafés Tradicional produzida pela Empax.
Minas Gerais, quer au- e Extra Forte. Além de Outra novidade da empre-
mentar em 50% as suas uma limpeza no design, a sa é a criação de uma cai-
vendas, e para isso fez empresa “espichou” as xa-display. A caixa de pa-
mudanças nas embala- embalagens, que passa- pelão para transporte dos
ram a ter 20% mais con- pacotes, desenvolvida em
teúdo e ganharam uma conjunto pelo departamen-
tarja verde e amarela, que to de marketing da empre-
contrasta com o logotipo sa e pela Inpa, de Pirape-
vermelho e bege. A nova tinga (MG), tem um picote
embalagem flexível, em na diagonal, pode ser em-
poliéster metalizado com pilhada, e depois de aber-
uma camada de polietile- ta torna-se display, que
no, foi desenvolvida pelo permite a montagem de
departamento de marke- “ilhas” em locais estratégi-
ting da 3 Corações e é cos de pontos-de-venda.

TAMPA FACILITA Embalagem Rodeio animado
TRANSPORTE para presente Para o chamado público O rótulo do Cane House,
Os condicionadores de ca- country, como freqüenta- com apelos visuais que
belos Skala Salon, da Ska- dores de rodeios e festi- remetem ao imaginário
la, em embalagens econô- vais sertanejos, casas country, como botas de
micas de dois quilos, ga- noturnas e lojas típicas, cowboy e ferraduras, foi
nharam um layout prático e a Indústria de Bebidas desenvolvido pela WBA
moderno. Os potes, fabrica- Paris, de Rio das Pedras Comunicação e Propa-
dos pela Bandeirante, são (SP), lançou nacional- ganda, de São Paulo. Se-
em PET transparente e a mente o destilado alcoó- gundo Wallace Belo de
tampa em polipropileno A linha premium de ca- lico Cane House (Cow- Araújo, diretor de arte da
(PP) colorido vem com uma fés Gourmet (Orgânico, boy Spirit). Com o objeti- agência, “o
alça, que facilita o transpor- Savory e Export), novida- vo de diferenciar e agre- rótulo é pio-
te e o manuseio. O rótulo, de da São Braz, da Pa- gar valor ao produto, a neiro em
em papel couché, é impres- raíba, ganhou invólucros empresa recorreu a um policromia
so pela Gráfica Espírito inspirados em embala- rótulo de PVC Packlabel na Pro-
Santo, em flexografia. O de- gens para presente. da Propack, só que apli- pack”.
sign foi criado pelo departa- O design foi desenvolvi- cado sobre garrafa cilín-
mento de marketing da drica de PET, de 500ml,
do pela Extra Comunica-
Skala. A linha Skala Salon, com tampa de rosca.
ção. Para diferenciar os
para o uso em salões de Trata-se da primeira be-
sabores foram desenha-
cabeleireiros, tem uma for- bida alcoólica com rótulo
das fitas com cores espe-
mulação com óleos vege- termoencolhível aplicado
ciais, que também desta-
tais em cinco opções: man- sobre aquele material e
cam a marca. A embala-
teiga de carité, ceramidas, direcionado àquele seg-
gem, que é fabricada
hidratante nutritivo, leite de mento. Anteriormente, a
pela IGB, é feita em pa-
cabra e colesterol. mesma empresa havia
pel cartão, e dentro dela
lançado as aguardentes
vem um pacote alumini-
Caninha da Roça e Pe-
zado dourado, onde o
dra 90, também em gar-
café é acondicionado
rafas de PET de 500ml.
por alto vácuo.

46 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
24display 18/07/01 15:15 Page 48

Lata com termoencolhível
Latas de bebidas com ró- bricante dos vinhos Natal e
tulos termoencolhíveis, em San Tomé, acaba de lançar
substituição à decoração li- em todo o território nacional
tografada, já fazem parte o primeiro produto frisante,
da realidade diária do mer- nas duas versões, em lata
cado brasileiro, deixando do Brasil. Direcionado ao
de aparecer apenas em mercado de dose, principal-
ocasiões promocionais, mente danceterias, os vi-
como ocorreu recentemen- nhos utilizam rótulos de PVC
te com o lançamento do Packlabel, fornecidos pela
energético On Line, da Elf, Propack Embalagens. O vi-
em embalagem de alumí- sual foi criado pela Factu Pu-
nio de 250ml, durante o blicidade, de São Paulo. O
Rock in Rio. Utilizando produto foi envasado pela
aquele sistema de embala- New Age, que acondicionou
gem, a Alberto Belesso, fa- também o On Line.

ORGANICS REDUZ PESO DA EMBALAGEM Óleo Salada com
Os novos frascos do xampu Organics,
da Unilever, estão chegando ao mer-
nova roupagem
cado mais leves, o que vai representar A tradicional marca de óleo Salada –
uma redução aproximada de 45 tone- da empresa Ceval –, com 75 anos de
ladas ao ano no consumo de plástico. mercado, ganhou novo posicionamen-
As novas embalagens vão para o mer- to pelo incremento da linha, agora
cado com o selo “Contribuindo para composta por óleos de soja, milho, ca-
um meio ambiente melhor”. nola, girassol e azeite de oliva. A
“Para conseguir a redução foram ne- MDesign foi responsável pela criação
cessários vários testes para avaliar se do novo visual. No rótulo, a utilização
a mudança não iria interferir na quali- do dourado e o fundo amarelo texturi-
dade da embalagem”, explica Ailton zado apresentam a fusão das imagens
Fernandes Cavallini, gerente de enge- dos ingredientes na sua forma natural.
nharia de embalagens da Unilever. O logotipo manteve a forma elíptica e
As embalagens dos xampus Organics, a cor preta. As embalagens são de pet
em polietileno de alta densidade transparente, produzidas pela Empax.
(PEAD) e em polipropileno (PP), são A lata de aço do óleo de soja, emba-
produzidas pela Finimplast, de São lagem tradicional, foi mantida. No ró-
Paulo, que segue as especificações tulo, de BOPP laminado, também pro-
determinadas pela Unilever. duzido pela Empax e impresso em ro-
togravura, foi agregado um selo refe-
Omo, nova fórmula, nova embalagem rente aos 75 anos da marca.

Líder em vendas no segmento nacional de detergentes em pó,
a Unilever Brasil investiu 50 milhões de reais no relançamento
de um de seus principais produtos, o Omo MultiAção, com
nova fórmula.
A embalagem também mudou: o novo layout destaca mudança
de fórmula e traz a imagem de uma criança com a mãe, refor-
çando o conceito de que “Não há aprendizado sem manchas”. As
embalagens em papel cartão e impressas em rotogravura foram
desenvolvidas pela Oz Design e são fabricadas pela Dixie Toga.

48 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001
11553port.qxd 17/07/01 20:12 Page 1

Os líderes de mercado tomam conta de seus “filhotes”.

Nós os protegemos
da luz UV.
ShelfplusTM UV da Ciba Especialidades Químicas - uma família de filtros de luz ultravioleta
desenvolvidos especificamente para proteger o conteúdo de sua embalagem.
O melhor de seu conhecimento vai para o seu produto. O conceito, a estratégia de mercado, a engenharia, a
produção e a distribuição, nada é negligenciado. Porém é preciso lembrar que a luz solar UV e a iluminação de
lojas podem causar danos à cor e ao odor, e influir no gosto e no valor nutricional de seu produto, resultando
no comprometimento da qualidade e na redução do prazo de validade.
Sem a devida proteção, o nome e a reputação de sua marca podem sofrer danos irreparáveis. Com filtros
ShelfplusTM UV você protege o conteúdo de sua embalagem dos danos causados pela luz ultra-violeta, ao
mesmo tempo que a mantém transparente. É a tecnologia mais recente, oferecendo o bloqueio de uma ampla
faixa de luz ultra-violeta. Filtros ShelfplusTM UV permitem expor o seu produto sem danificá-lo.

Ciba® Shelfplus™ para embalagem.
Protege seu produto. Protege sua marca.

Acesso pelo site www.cibasc.com/packaging
ShelfplusTM UV 1100. Recomendado para embalagem de PET
PLASTIC ADDITIVES
Fone: (11) 5532.7411 / 5532.7406 Value beyond chemistry
Fax: (11) 5532.4294
24almanaque 18/07/01 14:43 Page 1

Almanaque
Mais de um século de tampas e garrafas
2

3

1

Antes do sistema Crown interna da garrafa e a Garrafa Relâmpago (3) - Águas Gazozas Dore, da
(“coroa”) de fechamento, pressão atmosférica. Ainda em uso em alguns Paraíba, cujo guaraná até
patenteado em 1892 nos países da Europa, tem hoje é um dos mais con-
EUA por William Pain- Garrafa Hutchinson uma rolha de porcelana sumidos no Estado.
ter, fundador da Crown ou “Pop” (2) – Possuía que fica presa ao pescoço
Cork & Seal, usavam-se uma alça de arame que da garrafa por meio de (Colaboração de Erik
os seguintes tipos de gar- era comprimida e na qual uma articulação de ara- Teichner, diretor comer-
rafa para refrigerantes: estava preso um disco de mes. Essa rolha possui cial e de marketing da
borracha. O disco vedava uma arruela de borracha, Tapon Corona)
Garrafa COBB (1) – Foi a garrafa também graças que é responsável Garrafas das Águas Gazozas Dore,
a primeira a ser empre- ao diferencial de pressão pela vedação. Ser- do início do século até hoje
gada com êxito. Era ve- existente no interior e a ve para vedar tanto
dada por um anel de bor- do exterior à garrafa. bebida com gás
racha embutido no lado Para abri-la, bastava le- como sem gás. Foi
interno do bocal, contra vantar a alça de arame. apelidada de “Gar-
o qual ficava pressionada Ouvia-se então um baru- rafa Relâmpago”.
uma bolinha de vidro. lho inconfundível, o que Era largamente
Isso ocorria devido à di- lhe valeu o apelido de usada no Brasil
ferença entre a pressão “Garrafa Pop”. pela Fábrica de

loiRa espacial Capa portuguesa e sombrero
Uma equipe da Universidade A silhueta que há mais de ses- “sombrero” espanhol, home-
de Delft, na Holanda, de-
senta anos identifica o vinho nagem aos cavaleiros de Jerez
senvolveu uma membrana
do porto e o xerez Sandeman de la Frontera, onde é fabri-
flexível que servirá para
foi criada em 1928 por um ar- cado o xerez da marca.
envolver líquidos, em do-
ses, ao retirá-los dos re-
tista pouco conhecido, cha-
cipientes em que estiverem mado George Massiot-Brown.
acondicionados. Foi criada Desde 1935, aparece em to-
visando ao uso em ambien- dos os rótulos e na publicida-
tes sem gravidade. Já há de da marca. Apesar do ar
quem pense em utilizar a misterioso, o personagem, co-
conquista tecnológica para nhecido como “Don”, é a ino-
envolver cerveja em vôos cente representação de um es-
espaciais: bastará injetar tudante universitário portu-
ar entre a membrana e o guês, com sua tradicional
barril para obter uma bola
capa preta. O chapéu é um
flutuante da bebida.

50 – EMBALAGEMMARCA • jul 2001