You are on page 1of 26

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO

PROCESSO DE BOLONHA

ANO LECTIVO 2007/2008


DEZEMBRO 2008
ÍNDICE

1. NOTA INTRODUTÓRIA ..................................................................................................................................5

2. LEGISLAÇÃO (PROCESSO DE BOLONHA) .....................................................................................................8

3. O INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA ..........................................................................................................9

4. O PROCESSO DE BOLONHA NO IPL...........................................................................................................12

4.1. Cursos adequados a bolonha.......................................................................................................................... 12


4.2. Competências a adquirir pelos estudantes...................................................................................................... 14
4.3. Indicadores de evolução e comparação .......................................................................................................... 15
4.4. Planos de estudo pré-adequação vs actuais ................................................................................................... 15
4.5. Medidas de apoio à promoção do sucesso escolar......................................................................................... 16
4.6. Desenvolvimento de competências extracurriculares...................................................................................... 19
4.7. Medidas de apoio à inserção na vida activa .................................................................................................... 19
4.8. Contributo dos estudantes e docentes ............................................................................................................ 22

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ...........................................................................................................................26


Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

1. NOTA INTRODUTÓRIA

O presente relatório dá cumprimento ao estipulado no artigo 66.º-A do Decreto-Lei n.º


74/2006, de 24 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º
107/2008, de 25 de Junho.

O chamado Processo de Bolonha tem a sua génese na Declaração da Sorbonne de


1998, a que se sucedeu a Declaração de Bolonha em Julho de 1999, aprofundada
pela Conferência de Praga de Maio de 2001 e pela Reunião de Berlim em 2003.

A Declaração de Bolonha tem como objectivo, entre outros, tornar inteligíveis e


comparáveis as formações ministradas no ensino superior nos diversos países que a
subscreveram.

Subscrita em 1999 por 29 estados europeus (hoje, 47 estados europeus já a


subscreveram), visa a constituição, até 2010 do Espaço Europeu de Ensino Superior
(EEES).

Numa perspectiva de política educativa, o Processo de Bolonha define um conjunto de


etapas e de passos a dar pelos sistemas de ensino superior europeus, resultantes da
Declaração de Bolonha, no sentido de construir, até ao final da presente década, um
espaço europeu de ensino superior globalmente harmonizado, em que as instituições
passem a funcionar de modo integrado, num espaço aberto, antecipadamente
delineado, e regido por mecanismos de formação e reconhecimento de graus
académicos previamente homogeneizados.

A ideia base é, salvaguardadas as especificidades nacionais, o estudante de qualquer


estabelecimento de ensino superior poder iniciar a sua formação académica, continuar
os seus estudos, concluir a sua formação superior e obter um diploma europeu
reconhecido em qualquer estabelecimento de ensino superior de qualquer Estado-
membro.

Em Portugal, a plena concretização do Processo de Bolonha traduz-se na adopção de


um sistema de ensino baseado no desenvolvimento das competências dos
estudantes, em que as componentes de trabalho experimental ou de projecto, bem
como a aquisição de competências transversais, desempenham um papel decisivo.

5
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Por outro lado, esse sistema consiste num modelo de organização do ensino superior
em três ciclos de estudo e do sistema europeu de transferência e acumulação de
créditos (“European Credit Transfer System" vulgarmente reconhecido pela sigla
ECTS) baseado no trabalho efectivo dos próprios estudantes.

Na legislação portuguesa, o 1.º ciclo de estudo corresponde ao grau de licenciado, o


2.º ciclo ao grau de mestre e o 3.º ciclo ao grau de doutor. Existe, também, o ciclo de
estudos integrado conducente ao grau de mestre que é um ciclo de estudos único que
inclui formação de 1.º e 2.º ciclo e que confere o grau de licenciado depois de
concluídos os 180 créditos correspondentes aos seis primeiros semestres de trabalho
do estudante e o grau de mestre concluído o 2.º ciclo de estudos.

No ano lectivo de 2006/2007, segundo um comunicado do Gabinete do Ministro da


Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, datado de 13 de Maio de 2007, cerca de 38%
da oferta de 1.º e 2.º ciclo (respectivamente, licenciatura e mestrado) era oferecida de
acordo com as regras introduzidas no âmbito do Processo de Bolonha. Em 2007/2008,
a oferta já representava cerca de 50%, o que totalizava 1.600 programas de ensino
superior adequados ao Processo de Bolonha, o que significa que a restante oferta de
12% se iria adequar no ano lectivo 2008/2009.

Decorridos dois anos sobre o funcionamento, no ano lectivo de 2006/2007, da


adequação dos primeiros cursos ao Processo de Bolonha em Portugal, pode
constatar-se um considerável desempenho com vista à modernização da oferta
educativa, à melhoria dos seus padrões de qualidade e à mobilidade de estudantes no
espaço europeu.

Assim sendo, encontra-se praticamente concluído a realização deste ambicioso


objectivo em que Portugal se poderá afirmar competitivamente na Europa e esta,
consequentemente, com outros parceiros a nível mundial, na área do ensino superior
e da ciência, enquanto espaço global, integrado e competitivo e, deste modo, ganhar
maior protagonismo na arquitectura dos modelos das sociedades do conhecimento do
século XXI.

No presente relatório descrevem-se, portanto, as mudanças operadas na oferta


formativa do Instituto Politécnico de Leiria, uma vez introduzidas as regras de
adequação ao Processo de Bolonha, nomeadamente as alterações introduzidas pelo

6
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho, face ao já anteriormente definido no


Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de Março.

7
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

2. LEGISLAÇÃO (PROCESSO DE BOLONHA)

A legislação relevante para a adequação a Bolonha é: o Decreto-Lei n.º 42/2005, de


22 de Fevereiro, que aprova os princípios reguladores para a implementação de um
espaço europeu de ensino superior; a Lei n.º 46/86, de 14 de Outubro definida como a
Lei de Bases do Sistema Educativo, com redacção dada pelas Leis n.os 115/97, de 19
de Setembro e 49/2005, de 30 de Agosto; a Lei n.º 37/2003, de 22 de Agosto que
estabelece as bases do financiamento do ensino superior; o Decreto-Lei n.º 74/2006,
de 24 de Março, que aprova o regime jurídico dos graus de ensino superior, alterado
pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho.

O referido Decreto-Lei n.º 107/2008 promove o aprofundamento do Processo de


Bolonha no ensino superior, assim como uma maior simplificação e desburocratização
de procedimentos no âmbito da autorização de funcionamento de cursos, introduzindo
medidas que garantem maior flexibilidade no acesso à formação superior, criando o
regime legal de estudante a tempo parcial, permitindo a frequência de disciplinas
avulsas por estudantes e não estudantes, apoiando os diplomados estagiários e
simplificando o processo de comprovação da titularidade dos graus e diplomas.

De forma a preparar a adequação dos cursos a Bolonha, cumprindo o estipulado no


Decreto-Lei n.º 74/2006, o IPL aprovou, em 6 de Junho de 2007, o Regulamento Geral
da Formação Graduada e Pós-graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes
Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais. Trata-se de um documento com uma
estrutura simplificada, agregando muitos dos regulamentos avulsos existentes
anteriormente no IPL e que introduz algumas alterações na estrutura do ensino nas
Escolas do IPL, nomeadamente define as normas relativas à adequação ao Processo
de Bolonha (regime de transição e regime de creditação).

Com vista à adequação ao Decreto-Lei n.º 107/2008, aos novos Estatutos do IPL e à
Deliberação do Conselho Geral do Instituto de 23 de Julho de 2008, o IPL alterou o
Regulamento interno acima referido por Despacho do seu Presidente, n.º 70/2008, de
4 de Setembro, com entrada em vigor no dia 5 de Setembro de 2008.

8
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

3. O INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

“O Instituto Politécnico de Leiria, adiante designado por IPL, é uma instituição de ensino
superior de direito público, ao serviço da sociedade, destinada à produção e difusão do
conhecimento, criação, transmissão e difusão da cultura, da ciência, da tecnologia e das artes,
da investigação orientada e do desenvolvimento experimental.”
(art. 1.º dos novos Estatutos do IPL)

Criado em 1980, pelo Decreto-Lei n.º 303/80, de 16 de Agosto, iniciou a sua actividade
em 1987, com a nomeação da primeira Comissão Instaladora, integrando a Escola
Superior de Educação de Leiria (ESE).

Actualmente, e na sequência da recente revisão estatutária1 decorrente do novo


Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (Lei n.º 62/2007, de 10 de
Setembro), a instituição é composta pelas seguintes unidades orgânicas de ensino e
investigação:
• Escola Superior de Educação, de Leiria, que passa a denominar-se Escola
Superior de Educação e Ciências Sociais, de Leiria (ESECS);
• Escola Superior de Tecnologia e Gestão, de Leiria (ESTG);
• Escola Superior de Artes e Design, de Caldas da Rainha (ESAD.CR);
• Escola Superior de Tecnologia do Mar, de Peniche, que passa a denominar-se
Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar, de Peniche (ESTM);
• Escola Superior de Saúde, de Leiria (ESSLei);
• Instituto de Investigação, Desenvolvimento e Estudos Avançados (INDEA).

O IPL integra igualmente três unidades orgânicas de formação, a saber:


• UED — Unidade de Ensino a Distância;
• FOR.CET — Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica;
• FOR.ACTIVOS — Centro de Formação de Activos.

O IPL integra ainda uma unidade orgânica de apoio à actividade pedagógica e de


promoção à transferência e valorização do conhecimento científico e
tecnológico – o Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento (CTC) – e
unidades funcionais de apoio à actividade académica e de serviços à comunidade

1
Os novos Estatutos do IPL constam do Despacho Normativo n.º 35/2008, publicado na 2.ª Série do Diário da
República n.º 139, de 21 de Julho de 2008.

9
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

académica – os Serviços de Acção Social (SAS) e o Serviço de Apoio ao Estudante


(SAPE)2.

Através das suas unidades orgânicas, o IPL desenvolve actividades nos domínios do
ensino e formação (formação graduada conferente do grau de licenciado e mestre,
formação pós-graduada, formação pós-secundária não superior, formação contínua,
formação a distância, curso preparatório de acesso ao ensino superior, curso
preparatório de acesso ao ensino superior para maiores de 23 anos), da investigação
(quer nas Escolas, quer nas unidades de I&D existentes no seio do INDEA), da
transferência e valorização do conhecimento científico e tecnológico (apoiado pelo
CTC), da prestação de serviços à comunidade, de apoio ao desenvolvimento e da
cooperação em áreas de extensão educativa, cultural e técnica.

Uma das características marcantes do IPL é o facto de estar presente em quase todo
o distrito de Leiria. A instituição tem Escolas Superiores em Leiria – onde se situam os
campus 1 (ESECS), campus 2 (ESTG e ESSLei) e campus 5 (FOR.CET, UED, CTC
e unidades de I&D), Caldas da Rainha – onde se situa o campus 3 (ESAD.CR), e
Peniche – o campus 4 (ESTM). Através das delegações do FOR.CET está ainda
presente em Alcobaça, Nazaré, Figueiró dos Vinhos e Vila de Rei e, desenvolve
actividades noutras localidades, nomeadamente em Avelar, Alvaiázere, Ourém,
Pombal, Soure e Rio Maior.

O IPL dispõe ainda de nove unidades de I&D formalmente constituídas, a saber: o


Centro de Investigação Identidades & Diversidades (CIID), o Centro para o
Desenvolvimento Rápido e Sustentado do Produto (CDRSP), o globAdvantage -
Center of Research on International Business & Strategy, o Grupo de Investigação em
Recursos Marinhos (GIRM), o Núcleo de Investigação e Desenvolvimento em
Educação (NIDE), o Grupo de Investigação em Artes e Estudos Cénicos (GIAE/C), o
Centro de Investigação em Informática e Comunicações, o Grupo de Investigação e
Turismo (GITUR) e o Centro de Investigação em Gestão e Sustentabilidade (CIGS).

Para além disso, coordena as delegações de Leiria do Instituto de Engenharia de


Sistemas e Computadores de Coimbra (INESCC) e do Instituto de Telecomunicações
(IT).
2
De referir que, nos termos do art.º 153 dos novos Estatutos, o novo sistema de órgãos apenas entra em
funcionamento com a tomada de posse do novo Presidente, decorrente de eleição efectuada em conformidade com a
nova legislação. Deste modo, a estrutura orgânica previamente indicada e as competências atribuídas estão
dependentes da vigência do novo sistema de órgãos.

10
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Inserido numa região de grande dinamismo económico, o IPL posiciona-se num lugar
de excelência ao nível das parcerias com entidades externas e empresas,
concentrando em si esforços capazes de caminhar a par da inovação tecnológica
indispensável no mercado de trabalho.

A instituição colabora com o tecido empresarial da região, quer através de projectos de


investigação que envolvem os seus docentes e estudantes, quer através das
prestações de serviços que tem vindo a desenvolver. Neste contexto, o instituto tem
assumido um papel pró-activo enquanto agente dinamizador e impulsionador do
empreendedorismo e da transferência de conhecimento, nomeadamente através da
criação da Oficina de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento (OTIC), a qual
deu origem à nova unidade orgânica designada CTC e do Centro Empreendedor.

11
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

4. O PROCESSO DE BOLONHA NO IPL

4.1. CURSOS ADEQUADOS A BOLONHA

A estrutura de graus de Bolonha manteve as designações Licenciatura, Mestrado e


Doutoramento que as instituições de ensino superior usavam na estrutura de graus
anterior a Bolonha. Porém, a duração das licenciaturas de Bolonha é, em regra, mais
curta do que a duração das licenciaturas existentes antes de Bolonha e os mestrados
de Bolonha têm uma duração mais flexível consoante o nível de especialização do
curso.

De acordo com a legislação em vigor, a adequação dos cursos deve ser realizada até
ao final do ano lectivo de 2008/2009, para que no ano lectivo de 2009/2010 todos os
ciclos de estudos estejam organizados de acordo com o novo modelo.

A implementação do Processo de Bolonha no IPL teve uma primeira fase no ano


lectivo de 2006/2007, com a entrada em funcionamento de todos os cursos da ESTM
adequados a Bolonha, assim como a nova licenciatura de “Tradução e Interpretação:
Português/Chinês – Chinês/Português” ministrada na ESECS.

O ano lectivo seguinte, 2007/2008, assinala a adequação dos restantes cursos de 1.º
ciclo (licenciaturas) do IPL a Bolonha, entrando em vigor os novos planos de estudos
nesse mesmo ano lectivo.

Assim, e atendendo apenas aos cursos adequados que concluíram pelo menos um
ano lectivo de funcionamento no ano lectivo de 2007/2008 e não considerando os
cursos extintos ou em processo de extinção, enumeram-se de seguida os cursos
objecto de análise ao longo deste relatório.

12
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Quadro 1 – Cursos do IPL objecto de análise

Adequação a Bolonha
Cursos IPL Grau Duração Regime 2006/2007 2007/2008
Escola Superior de Educação e Ciências
Sociais
Licenciatura
Animação Cultural
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Comunicação Social e Educação Licenciatura Diurno e Pós-
Multimédia (180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Licenciatura
Desporto e Bem-Estar
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Educação Básica
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Educação Social
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Relações Humanas e Comunicação Licenciatura
Organizacional (180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Serviço Social
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Tradução e Interpretação: Português/Chinês Licenciatura
– Chinês/Português (240 ECTS)
4 anos Diurno  

Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Licenciatura
Administração Pública
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Biomecânica
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Contabilidade e Finanças
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Licenciatura
Energia e Ambiente
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Engenharia Automóvel
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Engenharia Civil
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Engenharia Electrotécnica
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Engenharia Informática
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Engenharia Mecânica
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Gestão
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Licenciatura
Informática para a Saúde
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Marketing
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Protecção Civil
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura Diurno e Pós-
Solicitadoria
(180 ECTS)
3 anos
laboral
--- 
Licenciatura
Tecnologia dos Equipamentos de Saúde
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 

Escola Superior de Artes e Design

Licenciatura
Artes Plásticas
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Design de Ambientes
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Design de Cerâmica e Vidro
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 

13
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Adequação a Bolonha
Cursos IPL Grau Duração Regime 2006/2007 2007/2008
Licenciatura
Design Gráfico e Multimédia
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Design Industrial
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Som e Imagem
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Teatro
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Escola Superior de Turismo e
Tecnologia do Mar
Licenciatura
Animação Turística
(180 ECTS)
3 anos Diurno --- 
Licenciatura
Biologia Marinha e Biotecnologia
(180 ECTS)
3 anos Diurno  
Licenciatura
Engenharia Alimentar
(180 ECTS)
3 anos Diurno  

Gestão Turística e Hoteleira


Licenciatura
3 anos
Diurno e  
(180 ECTS) Pós-laboral (Diurno)

Marketing Turístico
Licenciatura
3 anos
Diurno e  
(180 ECTS) Pós-laboral (Diurno)
Licenciatura
Restauração e Catering
(180 ECTS)
3 anos Diurno  
Licenciatura
Turismo
(180 ECTS)
3 anos Diurno  

Escola Superior de Saúde

Licenciatura
Enfermagem
(240 ECTS)
4 anos Diurno --- 
Licenciatura
Enfermagem – entrada no 2.º semestre
(240 ECTS)
4 anos Diurno --- 

4.2. COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS ESTUDANTES

O Processo de Bolonha significa reorganizar o processo formativo em torno de novos


valores: as competências e não só os conteúdos, as aprendizagens e não
simplesmente o ensino, a participação e o envolvimento de todos os agentes
implicados e não apenas a participação de professores nas aulas e de estudantes no
estudo e nos exames.

Os estudantes são um dos elementos centrais do Processo de Bolonha. A mudança


de paradigma do ensino para aprendizagem assenta no desenvolvimento de
competências (o que é que o estudante é capaz de ou sabe fazer) face aos objectivos
de aprendizagem (o que é que o estudante deve ser capaz de fazer). As componentes
de trabalho experimental ou de projecto, entre outras, e a aquisição de competências
transversais, devem desempenhar um papel decisivo. Esta centralidade no estudante

14
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

torna-o elemento activo no processo de aprendizagem que se pressupõe acontecer ao


longo da vida.

O ANEXO I deste relatório inclui informação sobre as competências a adquirir em cada


uma das unidades curriculares que constituem os cursos do IPL em análise, bem
como a indicação se inclui componente de trabalho experimental ou de projecto.

4.3. INDICADORES DE EVOLUÇÃO E COMPARAÇÃO

Nos termos do disposto na alínea f) do n.º 2 do artigo 63.º do Decreto-Lei n.º 74/2006,
de 24 de Março, na adequação de um ciclo de estudos foi instruída uma análise
comparativa entre a organização fixada para o ciclo de estudos e a de cursos de
referência com objectivos similares ministrados no espaço europeu. No n.º 3 do artigo
66.º-A do mesmo diploma legal, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 107/2008,
de 25 de Junho, diz que “o relatório deve incluir informação e indicadores que
evidenciem o progresso das mudanças realizadas na instituição e em cada curso e
que o permita comparar com a evolução realizada em outras instituições que se
constituam como referência”.

Na sequência da análise efectuada às diferentes instituições que se constituem como


referência a cada um dos cursos do IPL que são objecto de análise, não se encontrou
qualquer estudo que evidenciasse o progresso das mudanças operadas com a
implementação do Processo de Bolonha e que permitisse estabelecer qualquer análise
comparativa.

4.4. PLANOS DE ESTUDO PRÉ-ADEQUAÇÃO VS ACTUAIS

Sob o ponto de vista formal, o processo de transição da organização tradicional das


formações para a organização das mesmas de acordo com a Declaração de Bolonha
não é, no essencial, diferente da transição que se faz quando se alteram os planos
curriculares de um curso.

15
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Contudo, de acordo com a linguagem e o espírito de Bolonha não há um processo de


equivalências, mas sim um processo de creditação com base em competências
adquiridas numa determinada área científica que integra o plano de estudos do curso
(as unidades curriculares encontram-se agrupadas em áreas científicas) e não num
conjunto de conteúdos (que em teoria podem ser diferentes).

De salientar ainda que nas anteriores transições curriculares, quando uma unidade
curricular não tinha equivalência podia considerar-se mais ou menos perdida - ficava o
conhecimento adquirido, mas não certificado. Agora, mesmo que uma determinada
unidade curricular deixe de constar de um plano de estudo ela é sempre certificada
através do Suplemento ao Diploma, e os créditos que lhe forem atribuídos constituem
um valor por si mesmos.

A utilização dos ECTS não é, também, propriamente uma novidade nacional. Este
sistema é já utilizado. A sua utilização limitava-se muitas das vezes aos programas de
mobilidade de estudantes, como o Programa SOCRATES/ERASMUS, no âmbito dos
quais era um instrumento importante para o reconhecimento académico dos estudos
efectuados no estrangeiro. Agora este passa a ser o único sistema de creditação em
vigor.

No ANEXO III deste relatório encontram-se as tabelas comparativas, para cada curso
em análise, entre os planos de estudo pré-adequação e os actuais. De salientar, que
as licenciaturas no IPL tinham a duração de 4 ou 5 anos, consoante o curso, e que
com a adequação a Bolonha passaram a ter uma duração de 3 anos, com excepção
do curso de “Tradução e Interpretação: Português/Chinês – Chinês/Português”
ministrado na ESECS e “Enfermagem” da ESSLei que são de 4 anos. Assim sendo,
não deverá ser feita uma observação quanto ao total de horas do curso, pois dada a
redução do número de anos do curso, obviamente diminuiu, mas sim ao peso que
cada componente (experimental ou de projecto) tem sobre o total de horas.

4.5. MEDIDAS DE APOIO À PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

O IPL desenvolveu nas suas Escolas Superiores um projecto de promoção do sucesso


escolar e combate ao abandono, o qual foi denominado por “Trajectos… com Sucesso
no IPL”.

16
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Este projecto foi objecto de uma candidatura ao Programa Operacional Ciência e


Inovação 2010, tendo iniciado em Abril de 2007 e terminado em Julho de 2008.

O “Trajectos … com Sucesso no IPL” consistiu no desenvolvimento de duas grandes


acções:
1) Serviço de Apoio ao Estudante (SAPE);
2) Formação Pedagógica de Docentes.

1) SERVIÇO DE APOIO AO ESTUDANTE (SAPE)


Com o SAPE pretendeu-se promover e desenvolver actividades em 3 eixos principais:
a) Apoio psicopedagógico;
b) Orientação e acompanhamento pessoal e social;
c) Apoio psicológico e orientação vocacional.

a) No que se refere ao apoio psicopedagógico, as actividades implementadas foram


as seguintes:
− Criação dos Grupos de Apoio a Dificuldades Académicas Específicas (GADAE).
O principal objectivo desta actividade prendeu-se com o reforço das horas de
estudo e o desenvolvimento de competências científicas que o estudante, por si
só, teve dificuldades em apreender, nomeadamente em duas áreas consideradas
prioritárias: Matemática e Contabilidade e Finanças.
− Promoção de Programas de Competências de Estratégias de Estudo. Este
programa teve como principal objectivo identificar e desenvolver estratégias que
permitissem melhorar e optimizar o trabalho e desempenho académicos,
ultrapassar algumas das dificuldades mais sentidas no estudo e fomentar a
importância da auto-regulação para o sucesso do estudante do IPL.
− Promoção de Programas de Competências de Comunicação e Relação. Com
este programa pretendeu-se desenvolver e implementar nos estudantes do IPL
um conjunto de competências de natureza intra e interpessoal importantes para a
promoção do seu desenvolvimento global e harmonioso.

b) No contexto da orientação e acompanhamento pessoal e social, o SAPE, em


articulação com as Associações de Estudantes, promoveu o desenvolvimento de
actividades no âmbito do acolhimento do aluno recém-chegado, utilizando
mecanismos facilitadores da sua rápida integração e adaptação à instituição e à

17
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

cidade, bem como da sua orientação e acompanhamento. Uma das actividades


implementadas foi a criação de um sistema de Mentorado, com o qual se pretendia
que os estudantes mais experientes assumissem um papel central no acolhimento e
acompanhamento dos novos estudantes.

c) No que diz respeito ao eixo do apoio psicológico e orientação vocacional, o


objectivo essencial do projecto prendeu-se com o desenvolvimento de uma
intervenção que permitisse, entre outros aspectos, ajudar os alunos a optimizar
recursos de diferentes fontes de suporte social, a evitar situações de crise e de
ruptura, a diminuir vulnerabilidades, a desenvolver formas de lidar com o stress e a
retirar o máximo proveito das suas opções vocacionais.
Neste sentido, os psicólogos do SAPE desenvolveram actividades de atendimento
psicológico/acompanhamento e encaminhamento junto dos estudantes das
Escolas do IPL.

2) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES.


Com o intuito de favorecer o ajustamento dos docentes da instituição à nova realidade
do ensino superior, o projecto contemplou ainda uma acção de Formação Pedagógica
de Docentes desenvolvida nas cinco Escolas do Instituto, sendo composta por três
módulos: Docência e Sucesso Académico no Ensino Superior; Docência e
Investigação no Ensino Superior e Desenho Curricular no Ensino Superior.

De referir ainda que, para além das actividades previstas inicialmente, foram
desenvolvidas no âmbito do projecto outras actividades igualmente importantes,
nomeadamente:
• Workshop dirigido aos docentes das várias Escolas do IPL subordinado à
temática “Competências de Estudo e Auto-Regulação da Aprendizagem
no Ensino Superior”;
• Workshops “SOS Avaliações” e “SOS Exames”, dirigidos aos estudantes
das diferentes Escolas do IPL;
• Relatório sobre o Ensino Pós-laboral na instituição;
• Seminário “Dar o salto”;
• Blogue do SAPE.

18
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

4.6. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EXTRACURRICULARES

A formação extracurricular, se aliada a uma formação curricular sólida e adequada e a


um bom aproveitamento curricular, traz importantes vantagens aos estudantes,
nomeadamente:
• o desenvolvimento aprofundado de competências adquiridas curricularmente a
um nível mais superficial e que se percebem como úteis ou até determinantes
do sucesso, quando se opta por dado percurso de especialização;
• a diversificação de competências, contribuindo para a construção de um
currículo diferenciado e personalizado, revelador de curiosidade, dinamismo
pessoal e capacidade de trabalho;
• a promoção e desenvolvimento de competências ao nível do relacionamento
interpessoal com colegas, superiores hierárquicos, clientes.

Importa garantir que, para além da robustez da configuração curricular e da


adequação da metodologia de ensino-aprendizagem, os estudantes possuem as
competências adequadas para poderem melhor beneficiar do que é central ao
processo: a capacidade de aprendizagem autónoma e de construção sobre o
conhecimento adquirido, cada vez mais necessário no percurso académico, e mais
tarde, no futuro profissional dos estudantes.

Assim, foram preparadas acções de formação extracurriculares que constituem um


elemento facilitador para a adaptação dos alunos, conferindo-lhes as competências
necessárias para uma aprendizagem de qualidade.

No ANEXO II deste relatório encontram-se detalhadas as acções desenvolvidas com


este objectivo, por cada uma das Escolas do IPL bem como pela Unidade de Ensino a
Distância (UED).

4.7. MEDIDAS DE APOIO À INSERÇÃO NA VIDA ACTIVA

a) Bolsa de Emprego
Desde Dezembro de 2006 que o IPL disponibiliza uma Bolsa de Emprego online.

19
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Este serviço tem como objectivo principal dinamizar a empregabilidade dos seus
diplomados, procurando a sua integração no mercado de trabalho. Procura gerir, quer
o fluxo de procura de emprego por parte dos seus licenciados, quer a oferta de
trabalho por parte de entidades empregadoras da região, do país e até estrangeiras.

Dados estatísticos sobre a Bolsa de Emprego:


− N.º estudantes inscritos em 2007: 547;
− N.º de ofertas de emprego em 2007: 337;

Para além disso, existe uma forte preocupação por parte do IPL em promover uma
boa ligação entre cada Escola e o mercado de trabalho, existindo Gabinetes
específicos ou pessoas responsáveis, consoante as Escolas, por apoiarem os
estudantes, finalistas e recém-licenciados, na ligação entre a vida académica e o
mundo do trabalho, divulgando informação sobre ofertas de emprego, de estágios, de
formações que permitam aos estudantes uma melhor integração na nova fase e que
permita também às empresas/instituições empregadoras terem informações sobre os
alunos finalistas e recém-licenciados.

b) Oficina de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento (OTIC/CTC)


A criação de uma cultura empreendedora no seio do IPL permite gerar um ambiente
favorável ao surgimento de ideias criativas que possam gerar novos negócios que
promovam o desenvolvimento da região, bem como de manter os jovens e as pessoas
criativas e talentosas na região.

O IPL, no seu papel promotor da cultura empreendedora, nomeadamente através da


actividade da Oficina de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento (OTIC/CTC),
do Centro Empreendedor (resultante do projecto VPE - Leiria Oeste NEOTEC) e da
incubadora de empresas do IPL, tem procurado incorporar práticas empreendedoras
no dia-a-dia da Instituição, através da participação em projectos, organização de
eventos, congressos, workshops entre outros, visando proporcionar uma maior
interacção entre comunidade académica e sociedade civil, e estimular o espírito de
criatividade e inovação. A introdução da temática do empreendedorismo nos seus
planos curriculares, a promoção de cursos que incidam sobre esta temática, o apoio à
criação de projectos interdisciplinares, dos quais possam resultar na criação de
empresas de base tecnológica, são apenas alguns exemplos dos mecanismos
utilizados pelo IPL.

20
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

OTIC - Marcos importantes (em parceria com o Centro Empreendedor):

 Celebração de um Protocolo de Cooperação com a ANJE (Associação Nacional de


Jovens Empresários)/Academia dos Empreendedores, com o objectivo de
incentivar a capacidade empreendedora dos estudantes. Ao abrigo do protocolo
foram realizadas as seguintes iniciativas:
o Iniciativas de Sensibilização: dois Road-Show’s, que contaram com a
participação de cerca de 1000 pessoas;
o Iniciativas de apoio à Criação de Empresas: dois Concursos de Ideias -
10ª e 11ª Edição do Concurso de Ideias da Cabeça para o Papel –
donde resultaram 35 candidaturas, 5 projectos seleccionados via
Comissão de Análise IPL, 5 projectos entre os 5 melhores a nível
nacional e um projecto vencedor a nível nacional; 1ª Edição da Escola
de Empreendedores onde participaram 18 estudantes do IPL e donde
resultaram 3 ideias/projecto com plano de negócios. Destes três
projectos, dois estão a ser implementados, um com a criação da
empresa e outro que foi vencedor a nível nacional do LenaBusiness.
 Celebração de um Protocolo no âmbito do FINICIA, com o objectivo de facilitar o
acesso ao financiamento pelas empresas de menor dimensão, que habitualmente
apresentam maiores dificuldades na sua relação com o sistema financeiro. Ao
abrigo do protocolo, o IPL como entidade dinamizadora, promoveu o Programa
FINICIA, tendo sido submetidos dois projectos a financiamento, dos quais um está
aprovado e o outro está em fase de análise. Foram promovidos Concursos para
Financiamento dos Planos de Negócio, donde resultaram 22 ideias/projecto e
financiados 6 planos de negócio.
 IPL como parceiro universitário do Concurso AUDAX Negócios à Prova, onde
foram submetidos 13 projectos, e seleccionados 3 projectos em 30 pré-
seleccionados para os programas televisivos. Em resultado dos três projectos, um
ocupou o segundo lugar no programa televisivo e restantes o terceiro lugar.
 IPL parceiro do Concurso LenaBusiness, onde das 10 candidaturas do IPL
submetidas uma foi vencedora a nível nacional.
 IPL associou-se à 5.ª Edição do Poliempreende, donde resultaram: 15 inscritos na
Oficina E; 18 candidaturas ao Concurso de Ideias, 3 seleccionados; 35 inscritos na
Oficina E2; 4 candidaturas ao Concurso de Planos de Negócio, donde a nível
regional foram premiados 3 projectos do IPL e a nível nacional um projecto do IPL
ocupou o segundo lugar.

21
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

 Submissão de 5 candidaturas à Incubadora de Empresas do IPL, donde resultaram


de momento 4 incubações físicas e 1 incubação virtual.
 Dos projectos acompanhados pelo Centro Empreendedor, resultaram 6 patentes e
1 registo de marca.
 1ª Edição do Curso de Empreendedorismo on-line que contou com a participação
de 60 formandos a nível nacional.
 Introdução de uma disciplina de Empreendedorismo e Inovação em cerca de 40%
dos cursos ministrados pelo IPL no ano lectivo de 2007/2008.

c) Incubadora de Empresas
Ao nível de incubadora de empresas, para além do IPL possuir uma incubadora de
empresas, é um dos associados da Incubadora D. Dinis (IDD).

Sedeada em Leiria, a IDD é uma entidade de direito privado sem fins lucrativos,
constituída em Julho de 2004 por iniciativa do IPL, da Associação Empresarial da
Região de Leiria (NERLEI) e da Câmara Municipal de Leiria, com a colaboração do
Instituto Pedro Nunes. Tem por objectivo promover o empreendedorismo, a inovação e
as novas tecnologias e de contribuir para a criação de novos projectos empresariais.

4.8. CONTRIBUTO DOS ESTUDANTES E DOCENTES

Uma das competências do Conselho Pedagógico de cada Escola do IPL é promover a


realização de inquéritos regulares ao desempenho pedagógico dos docentes e ao
funcionamento das unidades curriculares (UC) dos Cursos, e a sua respectiva análise
e divulgação.

Assim, e com uma periodicidade semestral, é distribuído um questionário aos


estudantes para preenchimento. No ano lectivo de 2007/2008, face à adequação dos
Cursos a Bolonha, o questionário que vinha sendo usado ficou desajustado.

Adicionalmente, à luz do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES),


Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro, os Conselhos Pedagógicos das Unidades
Orgânicas possuem novas competências, no que diz respeito ao processo de
avaliação, pelo que, o questionário carece de novo enquadramento.

22
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

Deste modo, foi estabelecido que o questionário deveria ser substituído por um outro,
com questões mais orientadas para a adequação dos Cursos a Bolonha e as novas
metodologias de ensino-aprendizagem, com particular enfoque nas sessões de
orientação tutorial (OT).

Na sequência do preenchimento dos mesmos, o Conselho Pedagógico de cada Escola


elaborou um relatório contendo o resultado do tratamento das respostas, relativo a
cada curso, agregadas num relatório geral que dando conta das percepções dos
estudantes ao nível de:
(i) Avaliação geral do desempenho pedagógico (desempenho pedagógico dos
docentes, adequação da quantidade de trabalho, articulação entre os
programas, adequação dos métodos pedagógicos, adequação dos
métodos de avaliação, benefícios da avaliação contínua e disponibilidade
dos docentes);
(ii) Avaliação específica relativa ao funcionamento da Orientação Tutorial
(assiduidade dos estudantes, benefícios na progressão da aprendizagem e
envolvimento e disponibilidade dos docentes);
(iii) Avaliação específica relativa a outros aspectos em particular;
(iv) Sugestões para melhorar o desempenho pedagógico.

De salientar que os aspectos considerados nos tópicos (i) e (ii) dizem respeito a
questões de campo fechado, enquanto os restantes a uma questão de campo aberto.

Da análise conjunta dos referidos relatórios, e para efeitos do presente, podem ser
realçados alguns aspectos relacionados por um lado com o novo regime de tutorias e,
por outro, com as alterações provocadas pelo processo de transição para Bolonha.

Implementação da Orientação Tutorial (OT)

Entre os aspectos positivos salienta-se:


• A possibilidade de esclarecimento de dúvidas relacionadas com os conteúdos
programáticos;
• O desenvolvimento de competências para a elaboração de trabalhos,
resolução de exercícios e análise de casos práticos;
• A manutenção em simultâneo das sessões de orientação tutorial com o mais
tradicional modelo de atendimento em gabinete mostrou-se uma vantagem

23
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

complementar e necessária (há opiniões expressas acerca da preferência do


atendimento em gabinete, visto por vezes como mais personalizado) em
particular no caso dos trabalhadores-estudantes, sendo isso considerado
facilitador do processo de ensino-aprendizagem;
• Maior envolvimento e disponibilidade dos docentes nas sessões de OT
relativamente ao anterior modelo de atendimento que era disponibilizado aos
estudantes.

Entre os aspectos menos positivos e algumas sugestões, são de salientar os


seguintes:
• Deverá ser avaliada a pertinência da existência de OT em todas as unidades
curriculares (nalgumas os estudantes consideram que as tutorias são
desnecessárias);
• Deverá haver uma maior flexibilização das OT em termos de horário e à
calendarização;
• A utilização das OT enquanto exposição de conteúdos só se deve verificar
quando estes conteúdos interessam especificamente aos estudantes de uma
determinada OT;

Como conclusão pode retirar-se que esta modalidade de trabalho apresenta bastantes
aspectos positivos embora ainda não se tenha conseguido retirar dela todas as
potencialidades que aparentemente encerra.

Alterações provocadas pelo Processo de Transição

Entre os aspectos positivos salientam-se os seguintes:


• Aumento do ensino teórico-prático;
• Aumento do trabalho prático-laboratorial nos cursos;
• Aplicação de estratégias que facilitam o processo de aprendizagem e a
promoção do sucesso escolar (as mais referidas são as constantes nas duas
alíneas anteriores);
• A avaliação por módulos na maioria das unidades curriculares.

Os aspectos negativos mais referenciados foram:


• Dificuldades na transição entre planos de estudos;
• Diminuição do número de anos dos cursos;

24
Relatório de Concretização do Processo de Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

• Aumento significativo da carga de trabalho (em particular trabalho autónomo e


de grupo) e dos conteúdos curriculares nas unidades curriculares;
• Extinção dos estágios curriculares na maioria dos cursos;
• Desadequação dos ECTS nalgumas unidades curriculares.

25
Relatório Concretização Processo Bolonha
Ano lectivo 2007/2008

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os dados recolhidos e agora apresentados permitem concluir que no IPL e nas suas
Escolas a implementação das alterações decorrentes do Processo de Bolonha foram
globalmente positivas, aceitando como certo de que todo o processo de mudança
acarreta sempre perturbação.

A implementação das alterações decorrentes do Processo de Bolonha são complexas


e não se limitam aos aspectos formais da redução do número de anos dos cursos. A
implementação do sistema de créditos ECTS, por um lado, e a mudança do paradigma
formativo por outro, com todas as consequências metodológicas, em sentido lato, que
implicam, demoram tempo a implementar. Além disso carecem de um processo de
refinamento inicial que não se consegue na duração de um ciclo de estudos de
licenciatura. Obriga a um processo de formação pedagógica do pessoal docente e não
docente (em especial o pessoal afecto ao apoio ao ensino e aos laboratórios).

O IPL iniciou esse processo. Estamos conscientes de que ainda há muito trabalho a
fazer mas resolvemos encarar a implementação das alterações decorrentes do
Processo de Bolonha como uma janela de oportunidades que nos permitirá passar de
espectadores a actores na construção do Espaço Europeu do Ensino Superior.

De todos os aspectos relacionados com este processo, a organização da


aprendizagem em torno do conceito de competências, a introdução de novas
metodologias e a constituição de um sistema de garantia de qualidade capaz de
monitorizar todos estes aspectos que estamos a alterar são, talvez, os maiores
desafios que temos pela frente neste domínio.

26