You are on page 1of 14

Fontes do Direito

Fonte – é onde brota a água, onde vamos buscar a origem de algo. Fonte do Direito é onde o Direito se origina. “Entendese por fontes do Direito o veio (à semel an!a de veio d"água# de onde o Direito surge. Fontes s$o os meios %ue servem de origem ao Direito, s$o as formas de manifesta!$o do Direito.& 'o (rasil, o ordenamento )ur*dico é originariamente legalista, ou se)a, sua fonte principal é a legisla!$o , mas...em alguns casos, é necessário utili+ar-se

de outras fontes, para solucionar algumas situa!,es %ue n$o est$o previstas na lei.

-egisla!$o - . o con)unto das normas escritas emanadas do poder estatal. -egisla!$o “advém do vocábulo “lei&. /s fontes do Direito s$o divididas em0 primárias e secundárias

Fontes primárias

- s$o as leis, as normas emanadas

pelo poder estatal. . 1onstitui!$o Federal . leis complementares . leis ordinárias . medidas provis2rias . leis delegadas . decretos legislativos . resolu!,es . decretos regulamentares, portarias, circulares /dministrativo Fontes primárias 'o caso do te3to %ue discutimos na primeira aula, o 4ui+ )amais poderia dei3ar de resolver a referida situa!$o, alegando n$o ter lei espec*fica para a solu!$o do problema %ue se refere à retirada e transplante de um dos rins do

comerciante, )á %ue, a legisla!$o vigente, admite a utili+a!$o de fontes secundárias. /demais, essas fontes e3istem )ustamente para solucionar lacunas e3istentes em nossa legisla!$o. 1umpre esclarecer ainda %ue o 5agistrado, n$o tendo uma lei espec*fica para solucionar o caso em tela, deveria ter recorrido às fontes secundárias, mesmo %ue contrárias ao pedido reali+ado pelo advogado do comerciante.
6 %ue fa+er %uando n$o e3iste lei espec*fica para solucionar uma situa!$o %ual%uer7

Fontes secundárias

– )urisprud8ncia, costumes, doutrina, analogia e princ*pios gerais do Direito. /s fontes secundárias poderemos facilmente visuali+ar, %uando solucionarmos o problema no te3to apresentado. Ent$o ve)amos0

9amos con ecer um pouco mais sobre as diferentes fontes secundárias7 . muito importante saber0
4urisprud8ncia – é o con)unto de decis,es do poder )udiciário a respeito de um mesmo assunto. 'ada impede %ue num caso isolado se)a utili+ado a mesma )urisprud8ncia. :odavia, é necessário esclarecer %ue os )u*+es n$o est$o subordinados às decis,es dos tribunais superiores, devendo decidir, pautado em provas e argumentos do caso concreto. 4urisprud8ncia Entenda esta situa!$o %ue ilustra um caso de )urisprud8ncia0 'este caso, apresentado como e3emplo, o empregador gan a em ;< inst=ncia o pedido de altera!$o da “demiss$o imotivada& do empregado, para “demiss$o por )usta causa&. 'o recurso apresentado pelo empregado, o :>: decide, por unanimidade, %ue a demiss$o n$o pode ser alterada para )usta causa, uma ve+ %ue o empregado n$o pertence mais ao %uadro da empresa, deferindo, ainda, o pagamento

ao recorrente dos créditos rescis2rios, com a libera!$o do F?:@, pagamento de multa do parágrafo AB do artigo CDD da 1-: e libera!$o das guias de seguro-desemprego. -eia a decis$o do :>: de EFFG 0 Demiss$o imotivada com posterior modifica!$o para )usta causa -impossibilidade material. / manifesta!$o da vontade do empregador representada pela dispensa imotivada do empregado, com rompimento imediato, como no caso presente, torna materialmente imposs*vel a transmuda!$o para )usta causa, uma ve+ %ue o trabal ador n$o mais pertence ao %uadro da empresa. (:>: – EF< >egi$oH >6 nB GFG GC-EFFE-F;C-EF-FF-; -agarto – @EH ac. 'B E;IGJFGH >el. 4u*+a >ita de 1ássia Kin eiro de 6liveira -imaH ). EGJLJEFFGHv.u#. 1ostumes – é a prática reiterada de atos, em uma dada regi$o, a respeito de um determinado assuntoH poderá ser alegada pelo profissional de direito para condu+ir a decis$o de um caso concreto.:rata-se , portanto, de uma norma n$o escrita, ou se)a, surge da prática reiterada de atos de uma determinada sociedade. :emos como e3emplo o c e%ue pré-datado (te3toMc e%uepredatado.doc#. Doutrina – s$o os estudos elaborados pelos )uristas a respeito do Direito. :rata-se de publica!,es especiali+adas sobre os diversos ramos do Direito. Funcionam como uma fonte de pes%uisa para o operador )ur*dico. 9e)a algumas doutrinas %ue poder$o enri%uecer ainda mais o tema da aula. /nalogia – a palavra significa “semel an!a, nivelamento&. Em resumo, analogia

é a adapta!$o de uma situa!$o )ur*dica %ue )á ten a sido ob)eto de decis$o do Koder 4udiciário, para a solu!$o de outra situa!$o )ur*dica semel ante. Krinc*pios gerais do Direito – “s$o e3ig8ncias do ideal de )usti!a a ser concreti+ado na aplica!$o do Direito&. (Nnstitui!,es de Direito Krivado e de Direito KOblico - >icardo :ei3eira (rancato#. 1omo e3emplo, temos o princ*pio da ampla defesa, de suma import=ncia no mundo 4ur*dico, pois, é com base nesse princ*pio %ue ninguém poderá ser processadoJcondenado, sem ter o direito de se defender.

/tividade
/gora %ue )á estudamos sobre as fontes do Direito, vamos fa+er uma atividade %ue servirá para resgatar os conceitos básicos apreendidos nesta aula. >esponda as %uest,es e envie-as pelo Kortf2lio. ; - Puais s$o as fontes do Direito7 E - Pual o significado da palavra legisla!$o7 G - Fa!a uma pes%uisa sobre o significado da palavra )urisprud8ncia. C - Puais s$o as espécies de normas e3istentes em nossa legisla!$o7 I - 1om refer8ncia ao te3to (te3toMga+etamercantil.doc#, se voc8 fosse administrador do ospital, %ual decis$o tomaria7 Fundamente sua resposta.

Kr23ima aula

Em nossa pr23ima aula 9amos refletir mais um pouco sobre as leis e sua ierar%uia, e, também, sobre as diferen!as e3istentes entre uma e outra norma )ur*dica.

9oc8 poderá conferir como é fácil e interessante a compreens$o das normas )ur*dicas %ue regem o comportamento umano em todos os aspectos de nossas vidas.

/ula FE - Qierar%uia das leis
6lá, o)e estudaremos os tipos de lei e3istentes e nossa 1onstitui!$o Federal. 1omo )á mencionado no nosso primeiro encontro, as normas )ur*dicas e3istentes em nossa legisla!$o t8m previs$o no artigo IL da 1onstitui!$o Federal. /rtigo IL da 1onstitui!$o Federal @ER/6 9NNN - D6 K>61E@@6 -E?N@-/:N96 @ubse!$o N - Disposi!$o geral /rt. IL. 6 processo legislativo compreende a elabora!$o de0 N - emendas constitucionaisH NN - leis complementaresH NNN- leis ordináriasH N9- leis delegadasH 9 - medidas provis2riasH 9N - decretos legislativosH 9NN- resolu!,es. Karágrafo Onico0 / lei complementar disporá sobre a elabora!$o, reda!$o, altera!$o e consolida!$o das leis. :empo da aula - apro3imadamente ;FF minutos

Desafio
9oc8 con ece o desdobramento dos diversos tipos de lei7

/ ierar%uia das leis é compreendida em nosso ordenamento )ur*dico como uma pir=mide. 1onstitui!$o Federal -eis complementares, leis ordináriasH medidas provis2rias, leis delegadasH decretos legislativos e resolu!,esH decretos regulamentaresH portarias e circulares.

/ 1onstitui!$o Federal é a nossa lei maiorH é ela %ue irá estabelecer %ual a norma )ur*dica ade%uada para cada assunto, bem como será reali+ada a aprova!$o de determinada lei. :odo ordenamento )ur*dico deve estar em conformidade com a 1onstitui!$o Federal, ou se)a, se alguma lei for aprovada pelo 1ongresso 'acional e n$o estiver de acordo com as normas da 1onstitui!$o Federal, poderá ser declarada inconstitucional, portanto, n$o produ+irá nen um efeito. Dessa forma, ten o certe+a, %ue voc8 )á pSde perceber %ue a 1onstitui!$o Federal é o ponto de partida de todo o ordenamento )ur*dico e de todas as demais normas, %ue est$o abai3o da 1onstitui!$o Federal, consideradas normas infraconstitucionais.
1onstitui!$o Federal0 ponto de partida para o ordenamento 4ur*dico.

/ntes de iniciarmos a %uest$o das normas infraconstitucionais, vamos saber um pouco mais sobre a 1onstitui!$o Federal.

/:N9ND/DE ; em /T-/
Fa!a uma pes%uisa do significado da palavra “1onstitui!$o& E para enri%uecer ainda mais o nosso estudo sobre a 1onstitui!$o Federal, gostaria %ue voc8 soubesse um pou%uin o da ist2ria de todas as 1onstitui!,es Federais e3istentes até o)e.
9oc8 sabe %uantas 1onstitui!,es Federais o (rasil )á teve7

/compan e o %uadro da evolu!$o cronol2gica %ue relaciona grandes marcos ist2ricos e as 1onstitui!,es do (rasil.

/p2s ter visuali+ado o %uadro da evolu!$o cronol2gica, é importante salientar %ue o (rasil, durante toda a sua ist2ria, )á teve oito constitui!,es, %uatro elaboradas de forma democrática (;AL;, ;LGC, ;LCU, ;LAA# e as demais, impostas, ou se)a, elaboradas de forma autoritária (;AEC, ;LGD, ;LUD, ;LUL#. 9oc8 percebeu %ue, sempre %ue acontecia uma mudan!a na estrutura do poder pol*tico na ist2ria do (rasil, era elaborada uma nova constitui!$o7 Tma nova lei era editada para organi+ar e delimitar os poderes do Estado, de acordo com as novas mudan!as.

. importante lembrar %ue as normas infra-constitucionais n$o s$o superiores entre si.

/tividade
; - Puais s$o as normas )ur*dicas e3istentes em nossa 1onstitui!$o7 E - /s leis infra-constitucionais s$o superiores à 1onstitui!$o Federal7 Kor %u87 G - Pual é a import=ncia do artigo IL da 1onstitui!$o Federal7

/ula G - 'ormas infraconstitucionais
6lá, o)e voc8 irá con ecer %uais s$o as normas infraconstitucionais e %uais as suas caracter*sticas. Kara prosseguir com a aula, temos %ue relembrar o artigo IL da 1onstitui!$o Federal, ilustrado por uma pir=mide na aula E. / constitui!$o federal está no topo, todas as demais normas s$o normas infraconstitucionais. 4á lembrou7 9e)a novamente o artigo IL da 1F. Esta aula terá uma dura!$o apro3imada de ;FF minutos @ER/6 9NNN - D6 K>61E@@6 -E?N@-/:N96 @ubse!$o N - Disposi!$o geral /rt. IL. 6 processo legislativo compreende a elabora!$o de0 N - Emendas constitucionaisH NN - -eis complementaresH NNN- -eis ordináriasH N9- -eis delegadasH 9 -5edidas provis2riasH 9N -Decretos legislativosH 9NN ->esolu!,es. Karágrafo Onico. -ei complementar disporá sobre a elabora!$o, reda!$o, altera!$o e

consolida!$o das leis. /gora %ue )á lembrou %uais s$o as normas infraconstitucionais, vamos estudar cada uma delas. Emenda 1onstitucional - é a possibilidade de alterar dispositivos da 1onstitui!$o Federal. :rata-se de uma manifesta!$o do Koder 1onstituinte, %ue foi atribu*do ao Koder -egislativo, para efetuar altera!,es na 1onstitui!$o Federal, porém, essas emendas s$o limitadas. 9e)a o artigo UF, parágrafo CB da 1onstitui!$o Federal. @T(@ERV6 NN - D/ E5E'D/ à 16'@:N:TNRV6 /rtigo UF - / constitui!$o poderá ser emendada mediante proposta0 N - de um ter!o, no m*nimo, dos membros da 1=mara dos Deputados ou do @enado FederalH NN - do presidente da >epOblicaH NNN - de mais da metade das /ssembléias -egislativas das unidades da Federa!$o, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa deseus membros. Karágrafo ;B ... Karágrafo EB... Karágrafo GB ... Karágrafo CB '$o será ob)eto de delibera!$o a proposta de emenda tendente a abolir0 N - forma federativa de EstadoH NN- o voto direto, secreto, universal e peri2dicoH NNN- a separa!$o dos KoderesH N9- os direitos e garantias individuais. -eis 1omplementares - @$o leis %ue complementam a 1onstitui!$o Federal e est$o previstas para dar efetividade às suas regrasH o pr2prio legislador disporá %ue

situa!$o será regulamentada pela lei complementar. /s leis complementares ser$o aprovadas mediante maioria absoluta, ou se)a, s2 ser$o aprovadas se tiverem aprova!$o da metade e mais um da totalidade dos integrantes de um 2rg$o colegiado. 9e)a o artigo UL da 1F. @T(@ERV6 NNN - D/@ -EN@ />:N?6 UL - /s leis complementares ser$o aprovadas por maioria absoluta -eis 6rdinárias - s$o as leis comuns, como por e3emplo0 o 12digo 1ivil e o 12digo Kenal. :em previs$o constitucional no artigo CDH a sua vota!$o se dá mediante maioria simples, ou se)a, a metade mais um dos membros do 1ongresso 'acional. / maioria simples, ao contrário da maioria absoluta, é calculada em rela!$o aos membros de um 2rg$o colegiado %ue efetivamente este)am presentes em uma sess$o legislativa. 9e)a o %ue di+ o artigo CD da 1F. :W:T-6 N9 - D/ 6>?/'NX/RV6 D6@ K6DE>E@ 1ap*tulo N Do poder legislativo @e!$o N - Do 1ongresso 'acional /rtigo CD - @alvo disposi!$o constitucional em contrário, as delibera!,es de cada casa e de suas comiss,es ser$o tomadas por maioria dos votos, presente a maioria absoluta de seus membros. -eis Delegadas - /s leis delegadas ser$o elaboradas pelo Kresidente da >epOblica, %ue deverá solicitar a delega!$o para o 1ongresso 'acional, essa delega!$o %ue o 1ongresso 'acional dá ao Kresidente da >epOblica é feita mediante

resolu!$o. Kara mel or entendimento podemos di+er %ue, o Koder -egislativo está delegando poderes ao 1 efe do Koder E3ecutivo (Kresidente da >epOblica# para elaborar determinada lei. 9e)a o artigo UA da 1F. @T(@ERV6 NNN - Das leis /rtigo UA - /s -eis delegadas ser$o elaboradas pelo Kresidente da >epOblica, %ue deverá solicitar a delega!$o ao 1ongresso 'acional. Karágrafo ;B ... N ... NN ... NNN ... Karágrafo EB - / delega!$o ao Kresidente da >epOblica terá forma de resolu!$o do 1ongresso 'acional, %ue especificará seu conteOdo e os termos de seu e3erc*cio. 5edidas Krovis2rias - @$o atos editados pelo Kresidente da >epOblica, com for!a de lei, em casos de urg8ncia e relev=ncia, devendo ser submetidos de imediato ao 1ongresso 'acional, sob pena de perda da eficácia se n$o forem convertidas em lei no pra+o de UF dias, %ue podem ser prorrogadas por uma Onica ve+ por igual per*odo. (emenda constitucional GE#. / medida provis2ria substituiu o antigo decreto lei, %ue tin a validade por CI dias, e eram aprovados pelo transcurso do pra+o, diferentemente da medida provis2ria, %ue se n$o forem apreciadas pelo 1ongresso nacional pelo pra+o acima previsto,ser$o re)eitadas e n$o ter$o nen um efeito. 1on e!a o artigo UE da 1F. @T(@ERV6 NNN - Das -eis /rtigo UE - Em caso de relev=ncia e urg8ncia, o Kresidente da >epOblica poderá adotar medidas provis2rias, com for!a de lei, devem

submet8-las de imediato ao 1ongresso 'acional %ue, estando em recesso, será convocado e3traordinariamente para se reunir no pra+o má3imo de cinco dias. Decretos -egislativos - essa espécie normativa tem como conteOdo as matérias de compet8ncia e3clusiva do 1ongresso 'acional. . por decreto legislativo %ue se referendam os atos do Kresidente da >epOblica. Em algumas situa!,es, o Kresidente da >epOblica necessita de prévia autori+a!$o do 1ongresso 'acional para editar alguma norma estabelecida na 1onstitui!$o Federal. 1on e!a o artigo CL da 1F. @ERV6 NN - D/@ /:>N(TNRYE@ D6 16'?>E@@6 '/1N6'//rtigo CL - é da compet8ncia e3clusiva do 1ongresso 'acional0 N - resolver definitivamente sobre tratados, acordos internacionais %ue acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimSnio nacionalH NN - autori+ar o Kresidente da >epOblica a declarar guerra, a celebrar a pa+, a permitir %ue for!as estrangeiras transitem pelo territ2rio nacional ou nele permane!am temporariamente, ressalvados os casos previstos em lei complementarH NNN- autori+ar o Kresidente e o 9ice-Kresidente da >epOblica a se ausentarem do Ka*s, %uando a aus8ncia e3ceder a %uin+e diasH N9 ........... Decretos >egulamentares - é o ve*culo de manifesta!$o do Kresidente da >epOblica, pois, por meio desse instrumento, o 1 efe do Koder E3ecutivo e3ercita suas fun!,es )ur*dicas. 9e)a como e3emplo o artigo AC, inciso N9 da 1F. @ERV6 NN - D/@ /:>N(TNRYE@ D6 K>E@NDE':E D/ >EKZ(-N1/ /rtigo AC - 1ompete privativamente ao Kresidente da

>epOblica0 N - ... NN- ... NNN - ... N9 - sancionar, promulgar e fa+er publicar as leis, bem como e3pedir decretos e regulamentos para sua fiel e3ecu!$oH 9 - .......... >esolu!,es - [s$o os atos de compet8ncia privativa do 1ongresso 'acional, @enado Federal e 1=mara dos Deputados e, geralmente com efeitos internos, utili+ados nos demais casos previstos na 1onstitui!$o Federal[. 9e)a o artigo UA, parágrafo EB da 1F como e3emplo. @T(@ERV6 NNN - Das leis /rtigo UA - /s -eis delegadas ser$o elaboradas pelo Kresidente da >epOblica, %ue deverá solicitar a delega!$o ao 1ongresso 'acional. Karágrafo ;B ... N ... NN ... NNN ... Karágrafo EB - / delega!$o ao Kresidente da >epOblica terá forma de resolu!$o do 1ongresso 'acional, %ue especificará seu conteOdo e os termos de seu e3erc*cio. Kortarias, 1irculares - s$o normas bai3adas pelos 2rg$os da /dministra!$o pOblica. 9iu como é fácil7

/tividade ;
9oc8 entendeu a diferen!a %ue e3iste entre uma lei complementar e uma lei ordinária7 Favor escrever em fol a destacável e entregar na pr23ima aula.

/tividade E
; - Puais s$o as normas )ur*dicas e3istentes em nossa 1onstitui!$o7 E - /s leis infraconstitucionais s$o superiores à 1onstitui!$o Federal7 Kor %u87 @*ntese0 @em dOvida a 1onstitui!$o Federal é important*ssima para todos os brasileiros, é nela %ue est$o assegurados todos os direitos sociais e individuais, a liberdade, a seguran!a, a igualdade de )usti!a entre outros. / 1onsitui!$o Federal é o ponto de partida de todo o ordenamento )ur*dico, todas as normas infraconstitucionais %ue o)e estudamos, s2 ter$o validade se elaboradas de acordo com a 1onstitui!$o. Em outras palavras, a 1onstitui!$o Federal contém normas %ue, além de organi+ar o nosso pa*s, delimitam a conduta do comportamento umano, para %ue todos vivam em perfeita armonia.

Foco
6 artigo IL 1F, por meio das normas infraconstitucionais, regulamenta todas as normas )ur*dicas e3istentes em nossa legisla!$o.