You are on page 1of 5

O evento dos comuns

O ano de 2013 certamente ficará marcado como um ano de ruptura na história política brasileira. O irromper repentino de milhões de manifestantes nas ruas de todo o país nas chamadas ‘jornadas de junho’ determinou o fim de um ciclo histórico prolon ado de lutas sociais e políticas !ue" iniciado com os impulsos da redemocrati#a$%o" já se demonstra&a insuficiente diante da atuali#a$%o da a enda social e política das lutas no 'rasil do início do s(culo ))*. +m ciclo !ue foi capa# de promo&er con!uistas si nificati&as" principalmente na ,ltima d(cada" como a&an$os no combate - mis(ria e - desi ualdade social" mas !ue falhou diante do desafio de colocar em marcha um processo de radicali#a$%o democrática da sociedade brasileira. . democracia representati&a" uma con!uista importante da!uelas lutas de fins da d(cada de /0 e da d(cada de 00" mostrou1se cada &e# mais blo!ueada pelas conjura$ões de uma classe dominante racista e autoritária !ue cedeu sempre os an(is para preser&ar os dedos" a m%o e o bra$o forte da &iol2ncia estatal" mecanismo por e3cel2ncia da pacifica$%o social - brasileira" mistificada pela ima em do brasileiro pacífico. 4unho de 2013 iluminou o ne3o e3istente entre a manuten$%o de um imenso contin ente de de#enas de milhões de pobres" em sua maioria ne ros" sob um estado de e3ce$%o permanente e o blo!ueio - radicali#a$%o da democracia no 'rasil. 5omo um &erdadeiro rel6mpa o na noite" os acontecimentos de junho e a!ueles !ue tem se se uido a eles" iluminaram as en rena ens da produ$%o de subjeti&idades do consenso brasileiro7 a &iol2ncia policial" modulada em sua aplica$%o se undo hierar!uias espaciais !ue delineiam um espelho das hierar!uias da sociedade brasileira" confi urando fi uras sociais !ue se entrela$am na produ$%o do discurso securitário !ue 8 atra&(s de uma política do medo 8 opera como elemento promotor de sub1cidadania e desumani#a$%o9 a confi ura$%o oli opolista da midiati#a$%o práticas eral de nossa sociedade !ue conforma discursos e uma fictícia opini%o p,blica reacionária e

despotenciali#adora" redu#indo o espectro do possí&el da luta social9 demonstrou" ainda" !ue a mobili#a$%o social dos .ur!uia=" demonstrati&as da no&a .saciedade pelo alto rau de indiferencia$%o dos candidatos . .ssim" ( sobre os escombros da luta anterior !ue os homens e mulheres comuns !ue foram -s ruas em 2013" constroem sua própria luta" pois se na d(cada de 1@00 milhões foram -s ruas para e3i ir elei$ões diretas" a!ueles !ue marcharam em 2013 ritaram por mais" e3i indo participa$%o" e3i indo uma reor ani#a$%o da democracia" demandando democracia direta> .ltimos anos 8 promo&ida pelo produto mais representati&o do ciclo da redemocrati#a$%o" o :artido dos .presid2ncia em 201?= ilustram" de fato" a representa$%o como a ruína !ue ela" &erdadeiramente" (" modo de or ani#a$%o da política !ue relati&i#a a democracia" ao in&(s de lhe dar e3press%o." passando pelos mo&imentos europeus dos indi nados espanhóis <1FG=" dos trabalhadores re os na :ra$a HDnta ma e dos turcos mobili#ados pelo par!ue Ie#i na .rata1se" neste no&o momento" de ir al(m" das <elei$ões= diretas a <democracia= direta" as tentati&as de se resol&er a crise da representa$%o com mais representa$%o sendo" como asse&erou o filósofo italiano :aolo Airno" como pre ar sermões aos pássarosB.rabalhadores em coopera$%o com as lutas dos di&ersos mo&imentos sociais" no o&erno desde 2003 8 encontra1se em processo de ‘inte ra$%o unilateral’" cuja meta ( alimentar os mercados e as finan$as" ele&ados .condi$%o de no&a representa$%o9 e ressaltando" atra&(s do rito <!ue se tentou rotular por ‘fascista’ ou ‘co3inha’= de ‘sem partido>’" por fim" o modo como as ruínas da representa$%o <demonstradas . O e&ento de junho de 2013 ( um ad&ento7 o ad&ento dos comuns como comuns" sem mediadores nem representantes" na política. .ssinalam isso as di&ersas formas e or ani#a$ões de democracia direta" como assembleias populares e ocupa$ões <amplamente &istos nas mobili#a$ões multitudinárias !ue irromperam por todo o mundo" desde a :rima&era Crabe at( os mo&imentos OcuppD" nos E+.

. Guito mais do !ue se apresentar como ‘&o# das ruas’ a ser ou&ida no interior dos abinetes e palan!ues" a multid%o" !ue mais do !ue e3press%o da crise da representa$%o" (" de fato" o lu ar de onde se pode propor as solu$ões para a mesma 8 n%o como recondu$%o a um patamar anterior" mas como pot2ncia capa# de erar no&as formas de <auto1= o&erno 8 pode atuar incisi&amente como a ente politi#ador de um pleito de a enda pr(1concebida e espectro de possí&eis bastante redu#ido" !ue pro&a&elmente se limitará a debater" unicamente" a capacidade de est%o do consórcio estado1mercado no 'rasil" sem lhe discutir as bases.ltima d(cada condu#iu o debate político1representati&o no 'rasil" a uma #ona de indistin$%o !ue confi urou uma representa$%o .ais e3perimentos democráticos radicais s%o potentes usinas produtoras de no&os ‘&alores e3istenciais’ !ue" como enunciou J(li3 Iuattari" n%o se apresentar%o como ‘alternati&as sinais de ‘um deslocamento lobais’" mas s%o enerali#ado dos atuais sistemas de &alor’K e a prefi ura$%o de no&as formas de o&ernan$a democrática" laboratórios de uma institucionalidade do comum.composi$%o social do trabalho metropolitano contempor6neo7 uma multid%o politi#ada <e" no 'rasil" at( ent%o interpretada como despoliti#ada por n%o corresponder em suas formas de a$%o política -s rades interpretati&as tradicionais= pelas suas próprias características formati&as" pela sua própria e3peri2ncia social em um mundo onde os elementos da a$%o política encontram1se imersas nas características do trabalho" cada &e# mais comunicati&o e e3i ente" portanto" de uma estrutura" por assim di#er" p.nica <a face política do consenso= 8 ra#%o pela !ual !ual!uer !ue seja o operador do consórcio" pouca seja a mar em de manobra para condu#ir uma . .ratar1se1á" ent%o" de politi#ar as elei$ões para deseleitorali#ar a própria política" amarra !ue na . O mo&imento dos mo&imentos !ue se pLs em marcha desde junho de 2013" impulsionado" certamente" pelas di&ersas lutas !ue lhe precederam" certamente desempenhará um papel importante nas elei$ões de outubro de 201?" mas n%o pelas &ias !ue a tradi$%o analítica eleitoralista e representati&a pretende ou deseja.blica n%o1estatal" comum.

M%o cabe" ent%o" nem o ape o ao petismoNlulismo como arante da mobili#a$%o social da .ltima d(cada" nem a elei$%o desses .ssim" nas demonstra$ões multitudinárias" !ue 201? certamente &erá" tratar1se1á muito mais de eletrificar os circuitos da política representati&a n%o para influir nos seus resultados <o !u2 pode ou n%o acontecer" mas como conse!u2ncia inesperada=" mas para anunciar um no&o tempo no !ual a política n%o seja ref(m dos pleitos" mas se desen&ol&a se undo a participa$%o ati&a dos homens e mulheres comuns !ue foram -s ruas em 2013" reali#ando o ‘estupendo lance enial’ !ue Air inia Roolf" num dos mais belos te3tos sobre a democracia" os comuns <enfim" o comum=" ima inou .rabalhadores" ironicamente" mobili#a uma d(cada após ser o a ente da &itória da esperan$a sobre o medo. O trabalho de luto !ue os militantes democráticos de&em fa#er relati&amente ao :. E" ao mesmo tempo" ter em mente !ue o :. e a Oula implica" acima de tudo" a cria$%o política num tempo di&erso" no tempo da contin 2ncia absoluta" no PairQs" !ue junho inau urou. . *mplica" portanto" um 23odo !ue fa$a1os se mo&er do terreno de lutas anterior para uma no&a terra na !ual poder%o construir uma no&a democracia.ltimos como principais ad&ersários.ltimo brilho pálido do &elho diante da claridade resplandecente do no&o. M%o por!ue ainda apresente al um potencial de composi$%o diante da multid%o" mas por !ue ele ( o na mesma medida em !ue compõe o arranjo institucional da representa$%o.real reforma da sociedade brasileira. Messe sentido" cabe afastar" de uma &e# por todas" o discurso do medo !ue o :artido dos . Messe sentido" tanto lulismo !uanto anti1lulismo" tanto petismo" !uanto anti1petismo" s%o momentos de uma dial(tica !ue n%o se liberta da tradi$%o política cujo tempo" por e3cel2ncia" a multid%o de junho encerrou" tornando o partido e Oula" seu principal representante" apenas fantasmas de uma ordem anterior !ue" certamente" ainda desempenhar%o pap(is de monta no cenário" mas !ue s%o o . n%o ( ‘o inimi o’.

Mo seu ‘Airtuosismo e Se&olu$%o’ *n7 Virtuosismo e Revolução" Sio de 4aneiro" 5i&ili#a$%o 'rasileira" 2000 T1@@?U" p. 2.ser capa# de combinar o ‘&asto recinto e o ser humano pe!ueno" particular" indi&idual’" de e3primir a pot2ncia do comum do sin ular. . 13@. 1. F2. J(li3 Iuattari" As três ecologias" 5ampinas" :apirus" 1@@1 T1@0@U" p.