You are on page 1of 43

SEPARATA DO BGBM Nº 011

DE 18 DE MARÇO DE 2010

Página 260

Belo Horizonte, 18 de março de 2010

Memorando nº 3071/2010-BM3
Assunto: Aprova a Instrução Técnica nº 21/10 – Aplicação das sanções administrativas referentes ao serviço de segurança contra incêndio e pânico. O CHEFE DO ESTADO MAIOR DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE MINAS GERAIS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Emenda Constitucional nº39, de 03 de julho de 1999, c/c a Lei Complementar nº 54, de 13 de dezembro de 1999, Resolução nº 78, de 25 de junho de 2002 e CONSIDERANDO: - a necessidade de adequações no texto da ITO nº 21, aprovada através do memorando nº 3063/09 – BM3; - as sugestões apresentadas pelo Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais durante o encontro da comunidade de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ECOSSCIP) ocorrido no período de 14 a 17 de dezembro de 2009; RESOLVE: Aprovar a Instrução Técnica Operacional nº 21 do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, versão 2010, que dispõe sobre a aplicação das sanções administrativas referentes ao Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico no Estado de Minas Gerais.
HERMES ANTÔNIO PEREIRA, CORONEL BM Sub Cmt Geral e Chefe do EMBM

SEPARATA DO BGBM Nº 011
DE 18 DE MARÇO DE 2010

Página 261

INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL

Nº 021

APLICAÇÃO DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS REFERENTES AO SERVIÇO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

2010

SEPARATA DO BGBM Nº 011
DE 18 DE MARÇO DE 2010

Página 262

ÍNDICE
Pág. 1. FINALIDADE............................................................................................................ 2. CONSIDERAÇÕES.................................................................................................. 3. ATRIBUIÇÕES......................................................................................................... 4. VISTORIAS............................................................................................................. 5. PROCEDIMENTOS.................................................................................................. 5.1 COMPORTAMENTO DO VISTORIADOR................................................................. 5.2 PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE VISTORIA DE FISCALIZAÇÃO – RVF....... 5.3 APLICAÇÃO DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS.................................................. 5.4 DOCUMENTOS DE AUTUAÇÕES.......................................................................... 5.5 PROCEDIMENTOS NA FISCALIZAÇÃO................................................................. 5.5.1 1ª VISTORIA................................................................................................ 5.5.2 2ª VISTORIA................................................................................................ 5.5.3 3ª VISTORIA............................................................................................... 03 03 05 05 06 06 06 07 07 09 09 11 13 13 13 17 18 19 19

5.5.4 4ª VISTORIA................................................................................................ 5.6 INTERDIÇÃO......................................................................................................... 5.7 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS RELATIVOS À APLICAÇÃO DE MULTAS.. 5.8 REVISÃO OU CANCELAMENTO DE SANÇÕES ADMINISTRATIVAS...................... 6. PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS........................................................................... 7. PROCEDIMENTOS GERAIS....................................................................................

APÊNDICES APENDICE A: MODELOS DE RELATÓRIOS DE VISTORIA.......................................... APENDICE B: MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO..................................................... APENDICE C: PREENCHIMENTO DA DAE ELETRÔNICO............................................ APENDICE D: MODELO DE RELATÓRIO AO MINISTÉRIO PÚBLICO........................... APENDICE E: MODELO DE RELATÓRIO PARA CONTROLE........................................ APENDICE F: MODELO DE AUTO DE DESINTERDIÇÃO........................................ 21 41 42 43 44 48

SEPARATA DO BGBM Nº 011
DE 18 DE MARÇO DE 2010

Página 263

INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL Nº 021, DE 18/03/2010
APLICAÇÃO DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS REFERENTES REFERENTES AO SERVIÇO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1 FINALIDADE Estabelecer os critérios e os procedimentos para aplicação das sanções administrativas, bem como normalizar as ações de fiscalização do CBMMG nas edificações e áreas de risco em conformidade com as legislações vigentes de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado de Minas Gerais. 2 CONSIDERAÇÕES A ação de vistoria é representada por um exame sistemático, minucioso e independente para determinar se as condições de segurança das edificações e áreas de risco estão em conformidade com as disposições estabelecidas na legislação pertinente, e se atendem adequadamente aos objetivos propostos de proteção à vida, meio ambiente e patrimônio. Tendo em vista que a filosofia do Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico visa à regularização das edificações e áreas de risco, a vistoria de fiscalização tem como procedência o caráter instrutivo e em última instância o caráter punitivo. Neste contexto, compete ao Bombeiro Militar exercer as funções de vistoriador com profissionalismo, imparcialidade, legalidade e transparência, demonstrando em seus atos ações sólidas, afim de emitir conclusões fundamentadas, consistentes. O resultado da ação de vistoria deverá ser sempre lavrado no Relatório de Vistoria de Fiscalização, para qualquer circunstância encontrada, o que representará o registro dos seguintes atos, de acordo com a peculiaridade de cada situação: a) auto de infração; b) advertência escrita; c) notificação de multa; d) auto de interdição; e) auto de desinterdição; f) notificação de início do procedimento de cassação. Diante destas premissas, o procedimento para aplicação das sanções administrativas, conforme art. 4º da Lei 14.130/01 e art. 11 do decreto 44.746/08, deve considerar preliminarmente: a) a necessidade de racionalização e padronização do sistema de sanções administrativas e efeitos decorrentes, de pessoas físicas ou jurídicas, por força de lei, ao escudo dos preceitos da legislação vigente de Segurança Contra Incêndio e Pânico - SCIP; b) os preceitos do inciso II, do art. 142, Carta Mineira, em sentido da delegação de competência ao CBMMG, no que couber (atos normativos e dilações programáticas) com vistas a estabelecimento de normas de segurança à incolumidade pública; c) a ratificação do mandamento de normalização em epígrafe, em consonância à Lei Complementar nº 54 - Lei de Organização Básica - LOB; além do inc. III, do art. 2º, da Lei 14130/01; d) os princípios que norteiam a conduta do militar estadual, insertos no caput do art. 37, da CF/88, e, art. 13, da CE/89, mormente o da “publicidade”, combinado com os ditames do art. 3º, do Decreto-lei n° 4657/42 – Lei de Introdução ao Código Civil - LICC; e) a proposição tácita acerca da temática, suplicando consolidação, no tocante à notificação ou autuação pessoal ou coletiva e efeitos jurídicos da responsabilidade civil, administrativa e penal;

especificamente. representantes legais. da Lei 14. g) a combinação dos preceitos de “solidariedade” e responsabilidade civil. da LICC. locatários. síndicos. eleição. i) a conveniente analogia e exegese suscitadas pelos arts.1 A realização de vistorias para fins de fiscalização nas edificações e áreas de risco é atribuição dos Batalhões. 932. 29.6 Na realização de vistorias de fiscalização.1 As vistorias mediante denúncia são aquelas requeridas acerca da falta ou ameaça às condições de segurança contra incêndio e pânico. 4.2 As vistorias nas edificações e áreas de risco deverão ser procedidas por profissionais credenciados pelo CBMMG. com devido embasamento legal. colocando o interesse público acima de quaisquer outros de natureza particular. senso comum ou que não possuam enquadramento técnico.4 As vistorias de Fiscalização devem sempre ser realizadas com base em parâmetros técnicos específicos. sem transigir. inc. 2º. Companhias e Pelotões do CBMMG. com trâmites conforme requer as esferas administrativas competentes. 4.1 Comportamento do vistoriador Como fiscais do cumprimento da legislação de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado de Minas Gerais. h) o aspecto oneroso ao Estado de notificação individual. em vinculação de única edificação ou complexo predial. 3. IV.2. inclusive pelo ato de subordinados – responsabilidade de fiscalização e vigilância (in vigilando).2.317 a 1. por no mínimo uma dupla de agentes fiscalizadores.2 As vistorias inopinadas ou de iniciativa são aquelas requeridas pela administração pública para levantamento das condições de segurança contra incêndio e pânico de uma determinada edificação ou área de risco. inciso III do Decreto 44746/08) 4 VISTORIAS 4.746/08.324 do Código Civil.1 As vistorias de fiscalização são inspeções.1. desnecessária. 3 ATRIBUIÇÕES ATRIBUIÇÕES 3.130/01) e atributos administrativos inerentes.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 264 f) os preceitos e ditames do poder de polícia (art.3 As vistorias de Fiscalização devem ser realizadas. devendo os agentes fiscalizadores se furtarem de análises empíricas. sob pena de nulidade das respectivas vistorias. os Bombeiros Militares desempenham o papel de exigir. em especial a de auto-executoriedade e coercibilidade. 4. 5 PROCEDIMENTOS 5.320 e 1. 4. proposto pelo arts. (art 4º. o exato cumprimento das normas. legitimando proprietários. dentre outras – art. recrutamento ou seleção (in eligendo).2 As vistorias de fiscalização referem-se. com base em parâmetros técnicos.5 As vistorias de Fiscalização resultam em documentos padronizados. 4. realizadas com ou sem o uso de equipamentos de mensuração com o objetivo de atestar as condições de segurança contra incêndio e pânico das edificações e áreas de risco. 4º e 5º. 4. dentre outros como “partes capazes” juridicamente. aos seguintes tipos de casos: 4. o agente fiscalizador não deve se ater somente ao sistema de segurança contra incêndio denunciado devendo ser verificada toda edificação. do Decreto 44. em sincronismo com o art. a todos os condôminos. .

visando padronizar comportamentos no Estado de Minas Gerais. Os campos do Relatório de Vistoria/Fiscalização deverão ser preenchidos conforme orientações contidas no Apêndice A desta Instrução. e) houver o descumprimento de quaisquer das determinações ou providências previstas no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico. deve ser acompanhada pelo proprietário. a) 1ª via – fiscalizado. b) 2ª via – arquivo. Deverá ser redigido em 2 vias.4 Documentos de autuações A autuação é o registro dos atos praticados pelo agente investido da autoridade e competência definidas na Constituição Estadual. desde uma advertência escrita em forma de notificação até o auto de interdição. evitando-se as surpresas e desgastes de ações mal planejadas. responsável pela edificação ou na falta destes. Todos os conceitos estão exemplificados no “apêndice A” desta Instrução. podendo haver. por uma pessoa responsável que possua condições de prestar informações relativas à edificação. 5. por meio de lavratura do Relatório de Vistoria de Fiscalização das irregularidades encontradas e demais atos previstos. uma terceira via para outros órgãos. d) deixar de fazer a manutenção dos instrumentos preventivos especificados em norma técnica. c) a edificação não possuir PSCIP aprovado pelo CBMMG ou AVCB. A prévia avaliação pressupõe prover recursos necessários para fazer face à situação real e iminente. 11 do Decreto 44746/08) a) deixar de instalar os instrumentos preventivos especificados em norma técnica regulamentar. Quando constatadas irregularidades constantes nas alíneas a) a e) desta subseção. inutilizá-los. b) instalar instrumentos preventivos em desacordo com as especificações do Processo de Segurança Contra Incêndio e Pânico aprovado pelo CBMMG.2 Preenchimento do Relatório de Vistoria de Fiscalização .4. preferencialmente. devem ser precedidas de um planejamento envolvendo estudo de ações que poderão ser desencadeadas. informando quanto aos procedimentos a serem adotados pelo fiscalizado.3 Aplicação das Sanções Administrativas As sanções administrativas serão aplicadas quando for caracterizada uma das seguintes situações: (§ 8º. alterar-lhes as características. nos casos necessários. A vistoria de fiscalização. obedecendo a uma situação hipotética de uma edificação que foi vistoriada e autuada numa seqüência lógica até o momento da desinterdição. art. removê-los. ocultá-los. destruí-los ou substituí-los por outros que não atendam às exigências das normas de prevenção. 5. Lei e Decreto vigentes do Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico. por circunstâncias alheias à vontade do agente fiscalizador. sempre que possível. Nos casos em que não forem constatadas irregularidades na edificação ou na impossibilidade de realizar a vistoria. 5.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 265 As atividades de Fiscalização em edificação e área de risco. 5. Companhia ou Pelotão. Apoios de órgãos do Sistema de Defesa Social. o Relatório de Vistoria de Fiscalização deve ser encaminhado ao proprietário ou responsável pelo uso.RVF O preenchimento do Relatório de Vistoria de Fiscalização deverá seguir as instruções contidas nesta Instrução. solicitando e prestando informações durante o andamento da vistoria. . tais fatos devem ser constados no Campo IX do Relatório de Vistoria de Fiscalização e encaminhado ao Comandante do Batalhão.1 Relatório de Vistoria de Fiscalização É o ato formal de registro da atuação do Bombeiro Militar no exercício de suas atribuições legais. supremacia de força e outras medidas antevistas e preparadas são exemplos de ações que são imprescindíveis em determinados casos.

devidamente tipificadas. § 10º.130/01. 4º da Lei 14. §1º do art. § 6º. art. c) a edificação ou estabelecimento que após aplicação das multas e cassação do AVCB (caso exista). 11 do Decreto 44746/08). 11 do Decreto 44.4 Notificação de Multa (inciso II.4. não se tratando de evento temporário. 4º da Lei 14.130/01.4. 5º da Lei 14.1 Primeira Vistoria de Fiscalização Quando for constatado em vistoria que determinada edificação ou área de risco se encontra em desacordo com as normas de Segurança Contra Incêndio e Pânico.3 Advertência escrita (Inciso l. 4º da Lei 14. 5.4. determinando as correções das irregularidades no prazo de 60 dias. que poderá dar início ao processo de cassação do AVCB (caso exista) e ao processo de interdição. § 1º.7 Notificação de início do procedimento de cassação.4.4. (art. A advertência será aplicada na primeira vistoria quando for constatado o descumprimento do Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado de Minas Gerais e Normas Técnicas regulamentares. b) os locais de reunião de público das divisões F2. É obrigatória a sua confecção nas circunstâncias onde houver diligência de fiscalização e forem encontradas irregularidades.4. art. art.130/01.130/01. ocorrerá a 1ª reincidência e após mais 30 dias. 5. art. 3º e 4º art.1 Multa É a pena de caráter pecuniário aos infratores do Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico materializada através do Documento de Arrecadação Estadual (DAE). 5º da Lei 14.130/01) É o ato formal de registro de autuação do Bombeiro Militar impedindo a utilização parcial ou total de uma edificação ou área de risco quando: a) houver situação de Risco Iminente devidamente fundamentado.746/08) Será redigida em forma de notificação.6 Auto de desinterdição É a formalização do ato de desimpedimento da utilização parcial ou total de uma edificação ou área de risco quando verificado. 5. o .§ 4º da Lei 14. 4º c/c art. É o ato formal que cientifica o fiscalizado de que será iniciado o procedimento de cassação do AVCB. 5.5 Procedimentos na Fiscalização 5. (§ 4º. por parte do Corpo de Bombeiros. 11 do Decreto 44. 11 do Decreto 44. art. que as irregularidades que deram origem à interdição foram sanadas. § 15º. em virtude das irregularidades que não foram sanadas após a advertência escrita e a aplicação das multas previstas no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico.5 Auto de interdição (inciso III. 5. art.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 266 5.2 Auto de infração É o ato formal de registro de todas as irregularidades. poderá ser interditada mediante procedimento instaurado pelo Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico do CBMMG. (art.746/08).4. 4º. constatadas durante a vistoria na edificação ou área de risco.746/08) É o ato formal que cientifica o fiscalizado de que será multado em virtude das irregularidades que não foram sanadas após a advertência escrita.5. 5. § 2º. 5. art. ocorrerá a 2ª reincidência. 11 do Decreto 44746/08). F3. F5. no mínimo. O auto de desinterdição deve ser precedido do relatório de vistoria/fiscalização.130/01.4.4. 5. permanecer em situação de irregularidade.4.2 Multas por reincidências Persistindo as irregularidades após 30 dias da 1ª Multa. F6 e F7 não possuírem AVCB afixado na parte externa ou espaço destinado a uso coletivo.

deverá realizar a vistoria acompanhado do responsável pela edificação.6 Além da advertência escrita. o vistoriador deverá orientar ao interessado que o pedido de prorrogação de prazo. que para esse caso será a aplicação da multa de acordo com a área de responsabilidade. sempre que possível. Além dos referidos dados deverá constar neste a advertência.5 No Relatório de Vistoria de Fiscalização através do qual foi aplicada a advertência escrita deverá constar o período em que a equipe de fiscalização poderá retornar à edificação para verificar se foram sanadas as irregularidades.1.5. 933 e 934 do Código Civil Brasileiro) . a área total do condomínio irregular. endereçada ao responsável geral pela edificação. bem como os procedimentos a serem adotados para regularização da edificação.8.5. representante legal ou mesmo pessoa vinculada às autorizadas por força da responsabilidade in vigilando ou in elingendo.5. qualquer dos condôminos. tais como os prazos para interposição de recursos à autoridade que praticou o ato ou mesmo solicitação de prorrogação de prazo. deverá se apresentar aos responsáveis pela edificação e informá-los do motivo da vistoria a ser realizada. 15 do Decreto 44.5.1.746/08) 5.746/08. deverá ser confeccionado o Relatório de Vistoria de Fiscalização adotando-se os seguintes procedimentos: 5. respectivamente. deverá ser redigido um Relatório de Vistoria de Fiscalização para cada um. devidamente fundamentado. 5.746/08) e a solicitação de prorrogação de prazo (art.3.5.1.1. deverá constar no Relatório de Vistoria de Fiscalização a informação de que no caso do não cumprimento das exigências por parte do proprietário/responsável. por uma pessoa que possua condições de prestar informações relativas à edificação.7 Caso o solicitante deseje ser informado do valor da multa. quando da realização das vistorias de fiscalização. 5. Após o período de 60 dias corridos caberá ao Comandante do SSCIP definir o retorno da 2ª visita à edificação. exceto se outro prazo for estabelecido por autoridade superior. a razão social e as demais informações exigidas no Relatório em questão. na sua falta. constando as irregularidades encontradas no respectivo local.8 Realizada a vistoria de fiscalização e constatando situações especificadas na subseção 5. 5. O vistoriador deverá orientar o fiscalizado quanto aos seus direitos e legislação de referência. O prazo mínimo para retorno à edificação deverá ser de 60 dias ou quando solicitado pelo proprietário ou responsável pelo uso mediante Formulário de Atendimento Técnico informando que as irregularidades foram sanadas. b) caso o responsável pela edificação não esteja presente no momento da vistoria. é imprescindível e deverá ser apresentado nos prazos prescritos no regulamento do SSCIP. 44.1. 16 e 17 do Decreto 44. nos termos dos art. (art. especificando que a mesma se encontra notificada e o prazo para regularizar a situação. 932.746/08.5. 5. o vistoriador deverá orientá-lo a consultar o valor de acordo com §9º do art. 5. por escrito.4 Deverá ser informado ao fiscalizado o endereço do respectivo setor responsável pela aplicação da sanção administrativa (advertência escrita) bem como a qual autoridade o mesmo poderá encaminhar o recurso (art.746/2008.1.5. 11 do Dec. 5.5. ou. o mesmo incorrerá no § 2º do art. Neste caso deverão ser adotados os seguintes procedimentos: 5.1. poderá assinar o recibo do Relatório de Vistoria de Fiscalização.1 Edificações com Convenção de Condomínio a) quando verificado em vistoria que a edificação possui um ou mais condomínios. 11 do Decreto 44.5.1.2 A guarnição.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 267 responsável deverá ser autuado em advertência escrita.3 Caso todos os procedimentos de regularização (aprovação e execução do PSCIP) não ocorram no período de 60 dias.1 O profissional do SSCIP. 14 do Decreto 44.1. na forma de notificação.

contudo não possuindo um responsável direto. estando ele ciente das irregularidades. encaminhando o Relatório de Vistorias acostado. deverão ser precedidas de apreciação e orientações do Comandante da Unidade/Fração ou Chefe do Setor de Prevenção. este deverá repassar cópias do Relatório de Vistoria aos condôminos com as irregularidades que foram constatadas em suas respectivas áreas. o rol das irregularidades constatadas e advertência de que as irregularidades constatadas contrariam o disposto no regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico no Estado de Minas Gerais e Instruções Técnicas do CBMMG que regulam o assunto. com o responsável da edificação a ser vistoriada.2 Segunda Vistoria de Fiscalização Decorridos no mínimo 60 (sessenta) dias após a formalização da advertência escrita. (art. Sempre que possível o vistoriador deverá comparecer ao local da vistoria de posse da cópia do documento que originou a vistoria. 1317. 1318 e 1319 do Código Civil Brasileiro) 5. Deverão ser adotados os seguintes procedimentos: . devendo constar no ofício que a autoridade responsável pela(s) edificação(ões) vistoriada recebeu uma via da notificação e foi orientada quanto às ações que devem ser adotadas para regularização da edificação. Portanto. mediante denúncia. 5. d) No Relatório de Vistoria. a equipe de fiscalização retornará à edificação. além das informações de praxe nos campos próprios. deverá ser confeccionado Relatório de Vistoria de Fiscalização para cada um que possua irregularidades.1. a área de responsabilidade de cada um e demais informações previstas no relatório para fins de emissão da respectiva multa.8. c) A vistoria solicitada deverá ser feita através de ofício com timbre do órgão público. solicitação. endereço e telefone do órgão solicitante. devendo ser agendadas junto ao órgão fiscalizado. além do fato de que a inexistência e falta de manutenção dos sistemas e equipamentos de segurança contra incêndio e pânico constituem-se em situações graves que comprometem a segurança das pessoas e do patrimônio. b) Antecedendo a realização da vistoria. representante legal ou mesmo pessoa vinculada às autorizadas por força da responsabilidade in vigilando ou in elingendo.8. (art. o Comandante da Unidade/Fração deverá oficiar ao responsável pela(as) edificação(ões) vistoriada(as). deverá ser feito novo relatório notificando o proprietário ou responsável pelo uso a respeito da aplicação da multa. ordem de autoridade competente ou por iniciativa.5. 933 e 934 do Código Civil Brasileiro) c) o vistoriador deverá informar à pessoa que se apresentar como responsável pela edificação que. (art.3 Edificações sob a administração de Serviço Público a) As vistorias de fiscalização em edificações sob a administração de órgãos Federais.2 Edificações sem Convenção de Condomínio a) em se tratando de edificação com vários proprietários. é de bom alvitre que haja contato prévio do Comandante da Unidade/Fração ou Chefe do Setor de Prevenção que a determinou. 932. qualquer dos proprietários. Estaduais e Municipais. Se após nova vistoria for constatada que persiste a conduta infracional. e) Diante da situação de tais vistorias. deverão ser adotadas medidas corretivas com o intuito de sanar tais irregularidades. f) Quando se tratar de vistoria mediante requisição. este deverá cientificar aos demais proprietários ou responsáveis a respeito das irregularidades e do conteúdo do Relatório de Vistoria. b) caso o responsável pela edificação não se apresente no momento da vistoria. estando ele ciente das irregularidades.1. Cada relatório deverá ter um número de ocorrência específico.5. a fim de se evitar desgastes desnecessários. poderá assinar o recibo do Relatório de Vistoria de Fiscalização. 1317.5. deverá constar a natureza. o Cmt da Unidade/Fração deverá ainda oficiar à autoridade requisitante comunicando sobre as ações adotadas. motivação do pedido e identificação do funcionário público signatário. Na oportunidade deverá ser orientado sobre as medidas necessárias para a regularização da edificação. contendo endereço da edificação. sendo esta em toda ou parte da edificação. 1318 e 1319 do Código Civil Brasileiro) 5. constando os dados dos responsáveis.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 268 c) o vistoriador deverá informar ao responsável pela edificação que.

2. deverá ser confeccionado Relatório de Vistoria de Fiscalização constando a notificação de multa para cada um que possua irregularidades. 5.2. parte das irregularidades constantes do respectivo relatório foram sanadas. esta deverá cientificar aos demais proprietários ou responsáveis a respeito das irregularidades e do conteúdo do Relatório de Vistoria. 11 do Decreto 44. deverá ser notificado o condomínio responsável.5. conforme relatório (citar número de relatório).5. 932. não será emitida nova notificação de advertência escrita. Neste caso.2. Deverá constar na notificação a informação de que o responsável havia sido advertido anteriormente. 933 e 934 do Código Civil Brasileiro) b) o vistoriador deverá informar à pessoa que se apresentar como responsável pela edificação que. b) quando for constatado que as irregularidades relativas às áreas de responsabilidade de cada condômino citadas no relatório anterior não foram sanadas. 1318 e 1319 do Código Civil Brasileiro) 5.2 Edificações sem Convenção de Condomínio 5. contudo não possuindo um responsável direto.5. o arredondamento deverá ser para o menor número inteiro em m2. poderá assinar o recibo do Relatório de Vistoria de Fiscalização. no mesmo estabelecimento vistoriado. estando ela ciente das irregularidades.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 269 5. qualquer dos proprietários.5 Na confecção do Relatório de Vistoria de Fiscalização/notificação deverá ser informado que o não cumprimento das exigências por parte do responsável pela edificação ou por aquele que se apresentou . Cada relatório deverá ter um número de ocorrência específico.3 Verificado que. independentemente de haver ou não irregularidades na área comum. sendo estas relativas à instalação de medidas de segurança.2. deverá ser confeccionado relatório para cada responsável constando a área de responsabilidade de cada um. Cálculo para aplicação da multa Valor da receita Área em m2 2 Até 300 m 100 UFEMG 2 301 a 750 m 200 UFEMG 751 a 1500 m2 300 UFEMG 2 1501 a 5000 m 400 UFEMG 2 Acima de 5000 m 500 UFEMG Em casos de variações decimais de áreas. representante legal ou mesmo pessoa vinculada às autorizadas por força da responsabilidade in vigilando ou in elingendo. (art.2. observando-se a área construída ou área de risco de cada responsável: (§ 9º do art. caso não tenha sido solicitada pelo proprietário/responsável a prorrogação de prazo.1 Irregularidades na área comum a) caso o responsável pela edificação não se apresente no momento da vistoria. constando no referido documento o auto de infração especificando as irregularidades encontradas e a área de toda edificação para fins de cálculo da multa. 1317. 5.746/08). 5. 5.2.1 Edificações com Convenção de Condomínio a) se ao retornar à edificação for constatado que a área comum encontra-se irregular. Em se tratando de edificação com vários proprietários.4 Para fins de aplicação da multa deverá ser adotada a seguinte tabela. TAB. c) nos casos em que toda ou parte de uma determinada edificação estiver irregular e esta possuir apenas um condomínio ou proprietário.2.5.2. o vistoriador deverá confeccionar Relatório de Vistoria de Fiscalização com a notificação de multa ao respectivo responsável.2 Irregularidades nas áreas privativas.5. deverá ser aplicada a multa referente a toda área da edificação.2.5. bem como os dados necessários para confecção da multa.5. (art.

a 2ª sanção não exime o responsável de arcar com a multa anterior (caráter cumulativo). Neste caso a ações do CBMMG estão limitadas à orientação aos responsáveis sobre as medidas a serem adotadas para regularização das edificações. contudo. contendo no mínimo os seguintes documentos: 1) relatórios de vistorias realizadas. acarretará na aplicação do § 3º do art.1 Ocorrendo uma 4ª visita e constatando que há persistência da conduta infracional. 5. 5.746/08).3 desta ITO.5.5. a equipe de fiscalização retornará à edificação.4. caso a edificação disponha de tal documento.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 270 como tal. c) Quando for o caso de complementação de informações à autoridade requisitante. poderá ser realizada a interdição.5. como é o caso de prédios e edifícios utilizados pelo próprio Estado de Minas Gerais. após aplicação das multas e cassação do AVCB (caso possua).3.949 de 09 de setembro de 2009. a área de responsabilidade de cada um e demais informações previstas no relatório. Deverão ser adotados os mesmos procedimentos previstos na subseção 5. 3) outros documentos que tenham sido produzidos ou recebidos. 2) notificações feitas ao proprietário ou responsável.1 A multa emitida na 2ª vistoria deverá ser dobrada para aquele responsável que não corrigiu as irregularidades.5.2. permanece em situação de irregularidade.4 Quarta Vistoria de Fiscalização (2ª reincidência) 5.8. 5. deverá ser feito novo relatório/notificação.2. Estaduais e Municipais.6 Edificações sob a administração de Serviço Público a) A segunda vistoria de fiscalização em edificações sob a administração de órgãos Federais.5.1 Procedimentos básicos para a ação de interdição: a) montagem de processo de interdição. Se após nova vistoria for constatada que persiste a conduta infracional. ou seja.746/08. no respectivo ofício.3 Terceira Vistoria de Fiscalização (1ª reincidência) Decorrido no mínimo trinta dias após a formalização da multa. mediante procedimento administrativo especificado na IT 01. a respeito da edificação em questão. b) Deverão ser adotados os mesmos procedimentos prescritos nas alíneas b) a f) da subseção 5. constando os dados dos responsáveis. a interdição deverá ocorrer somente quando não houver dúvidas quanto a existência do risco iminente.6. deverá ser esclarecido que. da Advocacia Geral do Estado de Minas Gerais. o CBMMG não possui competência para fiscalizar bens públicos de caráter especial. Neste caso. porém com valor duplicado.6 desta ITO. 5. (§ 15º do art. o mesmo será notificado e dar-se-á início ao processo de cassação do AVCB. . 5.6 Interdição Para aplicação de interdição torna-se necessário promover uma análise sistemática das condições de segurança contra incêndio e pânico das edificações ou áreas de risco.5. Nota: As multas aplicadas são independentes.2 Sendo verificado que a edificação ou estabelecimento. 11 do decreto 44.5. mediante procedimento instaurado pelo SSCIP do CBMMG. 5. b) acionamento dos Órgãos envolvidos para elaboração do PLANO DE AÇÃO CONJUNTA. Deve-se ter o cuidado para que situações de risco potencial não sejam confundidas com situações de risco iminente. em conforme Parecer nº 14. deverá ser precedida de apreciação e orientações do Comandante da Unidade/Fração ou Chefe do Setor de Prevenção. devendo ser agendada junto ao órgão fiscalizado. o responsável não será multado novamente. com a seguinte particularidade: 5. 11 do Decreto 44.4.5.1. adotando-se os procedimentos estabelecidos na subseção 5. para funcionamento de seus órgãos. Neste caso será confeccionada outra notificação de multa. sendo esta em toda ou parte da edificação.

5. o proprietário ou responsável pelo local e cientificá-lo da ação de INTERDIÇÃO. e) o comandante da Unidade/fração deverá sempre ser comunicado previamente da ação de interdição. 3) preleção sobre as ações de cada interdição. à medida do possível. a fim de instruir processos criminais cabíveis. demandas judiciais. que fundamentará mediante Relatório Técnico. . na impossibilidade da presença deste. 330. d) concluída a INTERDIÇÃO OU NÃO o processo deverá ser remetido à autoridade competente para providências subseqüentes. contendo as informações prescritas no apêndice “B”. etc.2 Medidas precípuas de segurança para ação de INTERDIÇÃO a) deve-se ter supremacia de força e estar seguro para agir. c) registro do fato em Relatório de Vistoria. deverão ser vistoriadas pelo oficial ou praça na função responsável pelo Serviço de Segurança contra Incêndio e Pânico da Unidade. deverá ser chamado. e) O Serviço de Segurança Contra Incêndio deve comunicar. 4) chegada simultânea dos representantes dos Órgãos envolvidos ao local a ser interditado.6.6. deverão ser adotados os procedimentos constantes da subseção 5. Obs. as ações de interdição deverão ser acompanhadas pelo Cmt da Cia PV ou responsável pelo SSCIP da Unidade/fração. b) deve-se evitar adoção de medidas radicais para interdição onde haja grande concentração de público. sempre que possível. à Prefeitura. tais como Ordem de Serviço.6. devendo-se optar por alternativas em conjunto com demais Órgãos de Defesa Social.1 As edificações ou áreas de risco em que durante a vistoria se verificar a possibilidade de interdição pela ausência de medidas de segurança contra incêndio e pânico e que comprometa a incolumidade das pessoas. por ofício. f) Caso haja descumprimento do AUTO DE INTERDIÇÃO. O relatório será objeto de análise e decisão por parte do Comandante da Unidade.4 Edificações ou áreas de risco utilizadas para atividades rotineiras 5. f) adoção das medidas possíveis para minimização do risco. o fato deverá ser comunicado às autoridades policial e judicial competentes. b) acionamento do chefe do SSCIP da Unidade/fração e do CBU ou Comandante da Fração para comparecimento ao local.3 Diante de constatação de edificações ou áreas que apresentem RISCO IMINENTE que exija INTERVENÇÃO IMEDIATA com a possibilidade de INTERDIÇÃO.3 desta ITO. à parte e em local seguro. PSCIP do evento. por praça em função de Oficial. que inclui: 1) acionamento prévio dos Órgãos envolvidos. 5. dentre outros impactos. 331 e 336. 2) medidas de segurança para atuação. c) a fim de se evitar tumulto. que poderá gerar. g) nos casos em que for constatado risco iminente. para conhecimento e adoção de outras providências que julgar necessárias. e) isolamento e lacre.6. 5. citando as situações comprobatórias do risco iminente. devem ser adotadas as seguintes providências: a) o Bombeiro Militar responsável pela adoção de providências atinentes à Segurança Contra Incêndio e Pânico deverá.: O descumprimento do Auto de Interdição sujeita o infrator às penalidades previstas no Código Penal Brasileiro nos artigos166. a fim de se obter harmonia e sintonia. 5) lavratura do Auto de Interdição. d) comunicação imediata ao SIDS (COBOM) para cientificação ao Comandante da UEOP ou Fração. comparecer ao local com documentação de origem do evento. f) Sempre que possível.4. a respeito da Interdição.6.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 271 c) realização de planejamento da ação. conforme o caso. a Operação de Interdição deverá ser Comandada prioritariamente por Oficial ou. d) considerando a responsabilidade e seriedade da situação.

4. contendo todos os documentos pertinentes ao evento.6. quando este estiver à frente do SSCIP) decidir pela aprovação das medidas propostas. 5. cujas medidas previstas no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico não tenham sido adotadas. cabendo ao responsável pelo local regularizar a situação para eventos futuros. 5.3 Nas vistorias. e que devido à impossibilidade de se promover a interdição. em face do risco de causar maiores transtornos em razão de presença de público dentre outros fatores: a) O Comandante do BBM. d) O relatório deverá ser encaminhado à Delegacia de Polícia Judiciária. c) O relatório de vistoria/fiscalização do Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico deverá ser preenchido. Caso seja realizado outro evento sem a devida regularização.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 272 5.6.2 Caberá ao Comandante da Cia PV (nas Sedes de BBM) e aos comandantes de Pelotão (nas Frações destacadas.5. Cia ou Pelotão de Bombeiros deverá avaliar a necessidade de alocar efetivo e viaturas para a garantia da segurança dos usuários.6 Quando forem verificados edificações ou eventos cuja desocupação seja inviável em função de sua ocupação ou situação momentânea no local.6. o vistoriador deverá acionar o CBU / Chefe de Serviço para avaliar a aprovação das medidas alternativas que poderão ser executadas.5 Eventos temporários 5. . sendo que em situações que este não puder comparecer ao local. devendo calcular o valor da TSP relativa ao período de empenho. sendo uma via entregue ao proprietário/responsável pelo evento. tipificando as irregularidades e relato circunstanciado dos motivos da não realização da interdição imediata do evento. No relatório deverá constar todas as informações e justificativa do empenho. constando no relatório da ocorrência. 5. 5. observando os preceitos de supremacia de força.1 Para Eventos Temporários Nos casos em que houver conhecimento por parte do CBMMG da realização de evento. deverão ser adotados os seguintes procedimentos: 5. Para os casos em que a edificação disponha de irregularidades que não ofereçam risco iminente ao público e forem propostas medidas de segurança alternativas que possam ser avaliadas no momento da vistoria. devendo ser inserida cópia no processo a ser encaminhado ao Ministério Público para efeitos decorrentes.6. para os atos decorrentes. o fato será tratado como reincidência. h) Deverá ser remetido ao COB e DAT. através de ofício. devendo ser arroladas testemunhas das ações realizadas.5. b) Em caso de flagrante delito o comandante da guarnição deverá acionar força policial. dentre elas a interdição.1 Nos eventos temporários.1.2 O Relatório Técnico deverá ser encaminhado ao Comando Operacional de Bombeiros e Diretoria de Atividades Técnicas. não se tratando de risco iminente. poderá o evento em questão ser realizado ou não ser interrompido.4. aplicar-se-á pena de interdição. para conhecimento. Neste caso o vistoriador lavrará o relatório de vistoria/fiscalização que deverá ser encaminhado à Delegacia de Polícia Judiciária. caso seja caracterizado risco iminente. cujo risco constatado necessite de uma intervenção imediata do CBMMG. caberá ao vistoriador acionar o Comando da Unidade com vistas a adotar providências imediatas que evitem ou minimizem a eclosão do sinistro.6. se for o caso. com todas as folhas numeradas e rubricadas.6. g) Cópia do processo deverá ser encaminhada ao Ministério Público para efeitos decorrentes. e) Deverá ser montado processo devidamente autuado com toda a documentação referente ao local de risco. constando todas as informações necessárias. f) O processo deverá conter um relatório circunstanciado contendo todas as informações referentes ao risco e relato dos procedimentos administrativos adotados além do relato detalhado dos motivos da não aplicação da interdição da edificação (efeitos indesejados da ação do CBMMG).6. cópia do relatório a que se refere a alínea d) para conhecimento e acompanhamento. ou na iminência de ocorrer.6.1.

com toda a documentação referente à edificação. d) O Serviço de Segurança Contra Incêndio deve comunicar. até que seja aprovado pelo CBMMG. deverá efetuar controle do referido documento mediante data de recebimento visando uma próxima visita à edificação. 5.7. O BBM. por ofício. caso seja regularizada a situação da edificação.4 O SSCIP deverá ter controle de dados de todo o procedimento efetuado nas edificações e áreas de risco. de sua responsabilidade sobre a segurança dos freqüentadores do evento.2 Para Edificações permanentes Após adotados todos os procedimentos e sanções administrativas previstas no Decreto 44. do encaminhamento do processo ao Ministério Público. Relatórios de Vistoria de Fiscalização bem como os avisos de recebimento. devendo cópias dos referidos documentos fazerem parte do PSCIP quando aprovado em vistoria final. j) A UEOp deverá manter um controle e acompanhamento dos processos remetidos ao Ministério Público.3 Para as edificações em que não haja a exigência normativa de PSCIP deverá ser montada pasta arquivo. 5.5 Será de responsabilidade de cada Batalhão. Cópias desses documentos deverão fazer parte do PSCIP durante todo o trâmite de regularização.1. Cia ou Pelotão. 5. à Prefeitura. mediante termo de juntada.1 Os Relatórios de Vistoria de Fiscalização deverão ser arquivados em locais distintos dos PSCIP. além do relato detalhado dos motivos da não aplicação da interdição da edificação (efeitos indesejados da ação do CBMMG). devendo cópias dos relatórios de vistoria para fins de emissão do AVCB serem arquivados com os referidos documentos quando aprovado em vistoria final.746/08. com todas as folhas numeradas e rubricadas. 4) outros documentos a respeito da edificação. se for o caso): a) Deverá ser montado processo devidamente autuado. desde a primeira visita à edificação até procedimentos posteriores.7. e) Deverá ser remetido ao COB e DAT. 2) notificações feitas ao proprietário ou responsável. Companhia e Pelotão emitir as multas para os respectivos proprietários ou responsável pelo uso.7. 5. multa por reincidência e cassação do AVCB. multa.6 As multas deverão ser entregues via correio mediante Aviso de Recebimento – AR. 3) processo de cassação do AVCB.7 As pastas arquivo referidas o item 5. 5. devendo ser aberta uma pasta arquivo destinada a conter toda a informação relativa às visitas à edificação. além da possibilidade da cobrança de TSP relativa ao empenho de efetivo e viaturas.7. contendo no mínimo os seguintes documentos: 1) relatórios de vistorias realizadas.1 deverão conter cópias das multas.7. 5.2 As edificações que não disponham de PSCIP deverão possuir pasta arquivo conforme item 5.7. devendo.7.6.6. a respeito das ações adotadas com relação à edificação em questão. ser comunicado ao COB e DAT para conhecimento. se for o caso.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 273 i) O proprietário ou responsável pelo evento deverá ser notificado no próprio relatório de vistoria/fiscalização das ações a serem realizadas. (Advertência escrita. através de oficio. 5.1. conforme item 5. b) Este processo deverá conter um relatório circunstanciado contendo todas as informações referentes à edificação e relato de todos os procedimentos administrativos adotados. c) Cópia deste processo deverá ser encaminhado ao Ministério Público para efeitos decorrentes. .7.7 Procedimentos Administrativos relativos à aplicação das multas 5. cópia do relatório a que se refere a “alínea b)” para conhecimento e acompanhamento.7.7. conforme prazos estipulados no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico. 5.

3 Casos de Desinterdição 5. a edificação deverá cumprir os preceitos da legislação estadual referente aos meios preventivos de combate a incêndio e pânico.130/01. conforme Parecer nº 14.1 Caso o DAE não seja pago dentro do mês em que foi emitido.8. .2 As sanções administrativas já aplicadas não serão revogadas.8.8. Lei 14.3. por ofício.1 A edificação será desinterditada através de processo administrativo.1 Por erro da administração Nos termos da Lei Estadual 14.mg. 5.2. 5. Este procedimento decorre do fato de que o DAE eletrônico tem validade somente dentro do mês de emissão. 5. 5.3.3 Tendo a edificação apresentado o PSCIP e estiver de acordo com as normas do Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico.7. a autoridade competente que promoveu a Interdição deverá lavrar o Auto de Desinterdição remetendo uma nota para publicação em Diário Oficial do município contendo nome. contudo as posteriores deverão ser aplicadas conforme Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico em vigor.8 Para preenchimento do DAE eletrônico.2 Quando houver discordância da autuação aplicada pelo CBMMG Mediante recurso do interessado às autoridades mencionadas no art. No entanto.9 As multas deverão ser emitidas até o 5º dia de cada mês. Neste caso.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 274 5.8 Revisão ou Cancelamento de Sanções Administrativas 5.1 Advertência escrita Sendo constatado vício na origem do Relatório de Vistoria de Fiscalização. não será realizada a aplicação de multa. 5.949 de 09 de setembro de 2009 da AGE/MG. para controle.7.8. o militar designado para este fim deverá acessar o site www. o interessado deverá.2 Multa 5. 14 do Decreto 44.3.8. Companhia ou Pelotão.746/08 e procedimento administrativo previsto na Instrução Técnica 01. apresentar o comprovante de pagamento na Unidade/Fração que emitiu a multa. Este procedimento será feito no âmbito do Serviço de Segurança Contra Incêndio do Batalhão. 5.2. O prazo reinicia-se com o Relatório feito de forma correta.10 Nas Edificações sob Administração do Serviço Público. a Administração poderá rever seus atos a qualquer tempo.br e seguir os passos descritos no apêndice “C”.2 O Serviço de Segurança Contra Incêndio deve comunicar.gov.7. considerado vinculante a esta legislação. Os códigos das receitas do SSCIP são as constantes do Anexo A da Instrução Técnica de Contabilidade e Finanças nº 10/06. 5. 5. após o pagamento do referido DAE. com vistas a sanar possíveis vícios ou irregularidades. parcial ou total. a respeito da Desinterdição.fazenda.9. endereço e CNPJ do estabelecimento desinterditado. este poderá ser refeito e tornar o anterior sem efeito.184/02 e das súmulas 346 e 473 do STF. No segundo caso. deverá ser emitido novo DAE. Após esta data deverão ser preenchidas no mês subseqüente.7.8.8. à Prefeitura. 6 Procedimentos Específicos 6. 6.1 Todo procedimento de fiscalização deverá obedecer aos prazos prescritos no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico em vigor. razão social. 5. O SSCIP deverá oficiar à parte prejudicada acerca da decisão tomada para os fins de direito. o notificado poderá procurar uma Unidade/Fração do Corpo de Bombeiros que deverá providenciar a emissão do novo DAE ou imprimir acessando o site da Secretaria da Fazenda ou através do link no site do CBMMG.8.

7.1 Efetuar o controle interno em planilhas. constando os seguintes dados: (apêndice “E”) a) data de realização da vistoria de fiscalização.1. devendo serem adotados os seguintes procedimentos: 7. b) número do relatório de ocorrência.4 Quando constatado em vistoria de fiscalização que a edificação se encontra dependendo apenas da vistoria de liberação. f) área da edificação sobre responsabilidade de cada condômino ou condomínio com seu respectivo CNPJ/CPF. quando for o caso.1 Cabeçalho Número: Número da ocorrência que foi gerada.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 275 7 Procedimentos Gerais 7.mg. c) endereço completo da edificação. deverá ser confeccionado relatório de fiscalização especificando que a edificação encontra-se na fase de regularização e encaminhado ao Cmt do SSCIP.1 As unidades deverão manter controle interno do andamento de todas as ações de fiscalização. Data da emissão Data da diligência (vistoria). g) número e valor do Documento de Arrecadação Estadual .3 Independentemente da vistoria de fiscalização ter gerado uma notificação ou não. 7. os dados da edificação ou área de risco deverão ser remetidos à Seção de Sanções Administrativas do CAT para que seja lançado no sistema visando manter controle da referida edificação. Coronel BM Chefe do EMBM APÊNDICE “A” A. multa. os dados devem ser enviados no 1º dia útil subseqüente.1.DAE. 7. h) número do PSCIP caso a edificação possua. até às 10h da manhã de cada dia útil posterior à realização da notificação. d) razão social/fantasia com respectivo CNPJ (Pessoa Jurídica) ou CPF (Pessoa Física). multa relativa à 1ª a reincidência. O proprietário/responsável deverá ser orientado a solicitar a vistoria final e regularizar a situação no prazo de 60 dias. no entanto aplicar qualquer sanção administrativa (falha administrativa). caso esta não tenha sido solicitada e o responsável deverá ser notificado em advertência escrita pela ausência do AVCB.br ou via malote. AVCB cassado em decorrência da 2 reincidência ou interdição). 7. e) situação em que a edificação se encontra (advertência escrita.6 O processo de regularização deve ter um acompanhamento efetivo do SSCIP para que não haja delongamento de tempo e nem a interrupção das correções. 18 de março de 2010 Hermes Antônio Pereira. 7.2 Para os casos em que as vistorias forem realizadas em finais de semana e em feriados. desde a advertência escrita até a interdição. seja na protocolização de PSCIP para análise ou prorrogação de prazo.2 Enviar informações do processo em forma de planilhas mediante meio eletrônico para o endereço catcontrole@cbmmg.5 Quando constatado em vistoria que a edificação se encontra em processo de regularização.gov. sem. 7. . Belo Horizonte.

A. avenida.: 01/03 .SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 276 Fl ___/____ No 1º espaço o número da folha utilizada e. A. rua. CEP Código de endereçamento postal da edificação na rua. Pelotão responsável pela Vistoria.significa que é a 1ª folha (1º espaço) de um total de 3 folhas (2º espaço). alameda ou outros em que a edificação se situa. Causa presumida Será sempre a Fiscalização. Local Avenida. no 2º espaço. Caso a edificação não tenha registro.2 Campo I – origem da comunicação Marcar com um “X” a forma em que se estabeleceu o contato entre o solicitante e o CBMMG. Número Número da edificação na rua. avenida.4 Campo III – dados da edificação Razão social Nome oficial de registro junto aos órgãos públicos (pessoa jurídica). Ex. o total de folhas contidas no Documento. etc. o proprietário/responsável pela edificação. Unidade/Setor Batalhão. etc. A. beco. Município Cidade em que está localizada a Unidade à qual pertence o Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico responsável pela vistoria. deve-se citar o nome fantasia mais o termo “sem registro”. Prefixo da VTR Prefixo da viatura empenhada. Destinatário Pessoa ou autoridade à qual o Relatório de Vistoria deverá ser enviado sendo. beco. beco. neste caso. Horário Preencher conforme horário de comunicação do fato. chegada ao local e encerramento da vistoria. Complemento . Cia Ind. Descrição Conceito de natureza da ocorrência.3 Campo II – dados da ocorrência Natureza Código da ocorrência. Complemento e tipo do local Preencher conforme tabela SIDS.

6 Campo V – informações primárias Processo de Segurança Contra Incêndio e Pânico . Data da aprovação Data de aprovação do Projeto. Número de pavimentos Número total de pavimentos existente na edificação. Lote e quarteirão Número do lote e quarteirão. Ocupação Tipo de edificação conforme tabela 01 do Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado de Minas Gerais. UF Sigla da unidade federativa onde está estabelecida a edificação fiscalizada.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 277 Citar se for apartamento (número). número do documento de identidade. caso o PSCIP não seja apresentado. (Desconsiderar os termos “3ª reincidência” e “4ª reincidência” . bem como descrever a data da ocorrência do preenchimento. constar data de protocolo. art. No mesmo campo deverá ser preenchida a idade. UF e endereço completo. CNPJ Número sob o qual a edificação foi registrada como pessoa jurídica.7 Campo VI – especificações dos documentos de vistoria Este campo é destinado à marcação com um “X” do(s) documento(s) que for(em) utilizado(s) para retratar(em) a situação da edificação perante a ação fiscalizadora. Observação Descrever qualquer situação que entender ser conveniente para melhor explicitar a situação do PSCIP. Não foi apresentado Assinalar com um “X”. Bairro/Vila Nome do bairro ou distrito de localização do endereço.PSCIP Número do PSCIP aprovado no CBMMG. órgão expedidor.§ 3º. A. onde se localiza a edificação. Município Nome do município onde está estabelecida a edificação. A. casa (número-letra) ou outra informação que julgar necessária. Data da concessão do AVCB Data da Vistoria em que foi concedido o AVCB para a edificação. A.746/08) . 11 do Decreto 44.5 Campo IV – qualificação dos envolvidos Enumerar à frente da palavra envolvido (exemplo: envolvido 01) e especificar a frente o tipo de envolvimento de acordo com a tabela do SIDS (solicitante proprietário ou representante legal. nome do qualificado. bem como datar à frente quando foi feita a diligência. responsável pelo uso ou testemunha). neste caso sempre MG. Em análise Caso o Projeto se encontre em análise.

5. número e posto/graduação do fiscalizador.12 Campo XI – dados do vistoriador/fiscalizador Assinatura. precedido pelo respectivo número. não podendo ser militares da Guarnição e descrever no Campo IX do Relatório de Vistoria de Fiscalização. constando também a área da edificação ou de responsabilidade de cada condomínio ou condômino. o vistoriador deverá colher 02 (duas) assinaturas de testemunhas. APÊNDICE “A” . Pode ser do Sistema de Defesa Social ou outros segmentos. A. Havendo recusa de recebimento por parte do fiscalizado.Especificações dos documentos de vistoria Deverá conter a descrição de irregularidades tipificando quais normas não foram atendidas. O recibo deverá ser preenchido em todas as folhas de continuação. 7. Este campo deverá ser preenchido em todas as folhas de continuação. 7.10 Campo IX .11 Campo X – recibo do responsável pela edificação/estabelecimento Campo destinado ao colhimento obrigatório dos dados do responsável pela edificação. A.6 desta ITO. posto/graduação. observando prescrito nas subseções 7.4.8 Campo VII – componentes da GU/BM Descrição dos nomes dos militares que compõem a GU/BM.9 Campo VIII – apoio a GU/BM Este campo é destinado ao preenchimento de qualquer tipo de apoio que a guarnição venha a obter. A. A.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 278 A.

etc): Rua Sem Nome NÚMERO: 211 COMPLEMENTO: Apto 210 BAIRRO: Cristina MUNICÍPIO: Nova Lima CEP:3015032 UF: MG FONE: 3721-1428 ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.....000..000.03 DESCRIÇÃO: Vistoria de fiscalização CAUSA PRESUMIDA: FINAL: 10:00 [ ] [X ] INICIATIVA Condomínio Residencial TIPO DE LOCAL: 05 Via Urbana COMUNICAÇÃO: 07:00 NO LOCAL: 08:00 III . ___/____/__ ___/____/__ ___/____/__ ___/____/__ Nr 008.000.000/0001-74 OCUPAÇÃO: Residencial – A2 IV – QUALIFICAÇÃO DOS ENVOLVIDOS CEP:30150321 UF: MG ENVOLVIDO IDADE: 49 TIPO DE ENVOLVIMENTO: 99 PROPRIETÁRIO NOME: Juscelino Kubtchek NATURALIDADE: Belo Vale CPF/CNPJ: 000............etc): Rua Carmopolis BAIRRO: São Pedro MUNICÍPIO: Belo Horizonte NATURALIDADE: Monte Carmelo ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF: SP NÚMERO: 743 COMPLEMENTO: Casa 02 CEP: 30150323 UF: MG FONE: 3210-4792 IDADE: 49 NATURALIDADE: Florianópolis ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF: RJ NÚMERO: 27 COMPLEMENTO: ===X=== CEP:30150324 UF: MG FONE: 9111-0000 TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.000-151 Nº DOC. 8 ..003-7 Não Houve P/G Subten 1º Sgt 3º Sgt VII – COMPONENTES DA GU/BM NOME Aristóteles De Nada Pedro Fulano Heralto Beltrano VIII – APOIO À GU / BM ..PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO (PSCIP) Nº PAVIMENTOS: 25 DATA..... etc.000..) Av.. 2–AUTO DE INFRAÇÃO DATA 3-1ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 4-2ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 28 / 07 /2008 28 / 07/ 2008 ___/__/____ ___/__/____ [ [ [ [ ] ] ] ] 5 – 3ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA ... 01 / 02 UNIDADE/SETOR: 1º BBM / 22ª Cia Pv MUNICÍPIO: Belo Horizonte DESTINATÁRIO: Condomínio do Edifício Exemplo PREFIXO VTR: APP I .. IDENTIDADE: M .....000-72 Nº DOC. San Rennauto NÚMERO: 1911 BAIRRO / VILA: Bairro Filadélfia COMPLEMENTO: MUNICÍPIO: Belo Horizonte CNPJ: 12..... DE LOCAL: 03.02 Presenciou os fatos IDADE: 22 NOME: Richard De Nada CPF/CNPJ: .....INTERDIÇÃO DATA ....... IDENTIDADE: 1..DADOS DA EDIFICAÇÃO Fiscalização RAZÃO SOCIAL: Condomínio do Edifício Exemplo LOCAL (av.000.. 6 –4ª REINCIDENCIA/CASSAÇÃO DO AVCB DATA 7 ..DADOS DA OCORRÊNCIA NATUREZA: P 13001 COMPL.. rua...000 ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF: MG ENDEREÇO (av..etc): Rua Crislaine Durães BAIRRO: Pedregulho MUNICÍPIO: Carmesia ENVOLVIDO NOME: Cristiane Maia CPF/CNPJ: 000...rua.002-5 002.DA APROVAÇÃO: 02 / 07 / 2005 DATA DA CONCESSÃO DO AVCB: 02 / 09 / 2005 NÃO FOI APRESENTADO ___/____/____ data QUARTEIRÃO 06 [ ] EM ANÁLISE ___/____/____ [ ] da diligência LOTE 02 OBSERVAÇÃO: VI – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA [X] [X] [ ] [ ] 1 – ADVERTENCIA DATA ....000.......000..312-5 004...000 ENDEREÇO (av....000-14 Nº DOC.rua.02 Presenciou os fatos V – INFORMAÇÃO PRIMARIA PSCIP: 341-05 1.3...RELATÓRIO DO SSCIP DATA .SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 279 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG DATA EMISSÃO: 28/ 07/2008 Nº: 0001 FL... IDENTIDADE: 3...ORIGEM DA COMUNICAÇÃO COMO FOI SOLICITADO O ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA: CENTRO DECOMUNICAÇÕES [ ] DENÚNCIA DIRETAMENTEAO ORGÃO [ ] II ........000 ENDEREÇO (av......000.000....rua..

2) escada de emergência sem condição antiderrapante no piso. conforme art.90 metro. nos termos do art.3.312-5 POSTO/GRADUAÇÃO Subten DATA 15 / 10 / 05 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG . foi verificado que a mesma possui 5000 m2 de área construída.746/08 e as normas e instruções técnicas específicas: a) Sistema de Hidrantes: (Instrução Técnica 17) 1) hidrante de recalque sem tampão e sem adaptador. 2) saída da prumada de incêndio da reserva técnica. fica este condomínio ciente de que deverá corrigi-las no prazo de 60 dias a contar da data de recebimento deste Relatório.000 XI – DADOS DO VISTORIADOR/FISCALIZADOR ASSINATURA: NÚMERO: 008. o responsável pela fiscalização deverá colher assinatura de duas testemunhas neste campo e complementar as informações no campo IV deste relatório.130/01.000. c) Iluminação de Emergência: (Instrução Técnica 13) 1) luz de emergência não funcionou durante o teste em nenhum ponto da edificação. os responsáveis estarão sujeitos às sanções previstas no Decreto 44. 15 do Decreto supracitado.: No caso de recusa de recebimento deste relatório. b) Saída de emergência: (Instrução Técnica 08) 1)Portas corta -fogo. junto com a prumada de consumo. assim.746/08 e Lei 14. bem como não possuem selos do fabricante e da ABNT. de forma lateral. contrariando a Lei 14. Conforme documento (guia de IPTU) fornecido pelo responsável pela edificação.ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO Auto de Infração Em ação fiscalizadora realizada na edificação qualificada no campo III constatamos as seguintes irregularidades. .SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 280 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº: 0001 DATA EMISSÃO: 28 / 07/ 2008 FL. em todos os pavimentos da edificação. 3) bomba de recalque não funcionou durante a realização do teste. não fecham automaticamente.746/08. 44. Advertência As irregularidades tipificadas no auto de infração contrariam as normas supracitadas. 14 e 16 do Decreto 44. de forma irregular. Obs. O interessado poderá interpor recurso no prazo máximo de 10 dias ao Comandante do Batalhão responsável pela aplicação da autuação. sem corrimão lateral e com o guarda corpo com 0.130/01. 02 / 02 UNIDADE/SETOR: 1º BBM / 22ª Cia Pv MUNICÍPIO: Belo Horizonte IX . Caso não sejam sanadas as irregularidades constantes deste relatório. ou seja. BEM COMO TOMEI CIÊNCIA DOS DISPOSITIVOS LEGAIS QUE O Juscelino FUNDAMENTAM NOME COMPLETO (LEGÍVEL): Kubtchek* FUNÇÃO: Proprietário ASSINATURA: RG: M. O interessado poderá ainda solicitar prorrogação de prazo para regularização da edificação. Decreto. X – RECIBO DO RESPONSÁVEL PELA EDIFICAÇÃO / ESTABELECIMENTO RECEBI CÓPIA DESTE DOCUMENTO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO NA ÍNTEGRA.

etc...000...rua..) Av.312-5 004.000..DADOS DA OCORRÊNCIA DESCRIÇÃO: Vistoria de fiscalização [ X] INICIATIVA NATUREZA: P 1301 COMPL.000.03 Condomínio Residencial TIPO DE LOCAL: COMUNICAÇÃO: 07:00 NO LOCAL: 08:00 III ..001 Nº DOC.002-5 002...SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 281 Nº:0002 DATA EMISSÃO: 28/ 09 /2008 FL.003-7 P/G Subten 1º Sgt 3º Sgt Aristóteles De Nada Pedro Fulano Heralto Beltrano VIII – APOIO À GU / BM Não Houve NOME .000.000. 6–4ªREINCIDENCIA/CASSAÇÃO DO AVCB DATA 7–INTERDIÇÃO DATA ... IDENTIDADE: 3.000-14 ENDEREÇO (av....DA APROVAÇÃO: 02 / 07 / 2005 DATA DA CONCESSÃO DO AVCB: 02 / 09 / 2005 [ ] NÃO FOI APRESENTADO ___/____/____ QUARTEIRÃO 06 [ ] EM ANÁLISE ___/____/____ LOTE 02 OBSERVAÇÃO: [ ] 1 – ADVERTENCIA DATA 2 – AUTO DE INFRAÇÃO DATA 3 .... San Rennauto NÚMERO: 1911 CEP: 30150321 COMPLEMENTO: BAIRRO / VILA: Bairro Filadélfia MUNICÍPIO: Belo Horizonte CNPJ: 12...A2 IV . IDENTIDADE:1.etc): Rua Carmopolis BAIRRO: São Pedro NATURALIDADE:Monte Carmelo ÓRGÃO EXPEDIDOR:SSP UF: SP NÚMERO: 743 COMPLEMENTO: Casa 02 CEP:3015 MUNICÍPIO: Carmesia UF: MG FONE: 3210-4792 0323 TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12..000/0001-74 OCUPAÇÃO: Residencial ..ORIGEM DA COMUNICAÇÃO COMO FOI SOLICITADO O ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA: [ ] [ ] CENTRO DE COMUNICAÇÕES DENÚNCIA DIRETAMENTE AO ORGÃO II .000.DADOS DA EDIFICAÇÃO CAUSA PRESUMIDA:Fiscalização FINAL: 10:00 RAZÃO SOCIAL: Condomínio do Edifício Exemplo LOCAL (av.000.. DE LOCAL: 03.000-72 ENDEREÇO (av.QUALIFICAÇÃO DOS ENVOLVIDOS UF: MG ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 99 PROPRIETÁRIO IDADE: 49 NOME: Juscelino Kubtchek NATURALIDADE: Belo Vale CPF/CNPJ: 000..02 Presenciou os fatos IDADE: 22 NOME: Richard De Nada CPF/CNPJ: 000. 8 – RELATÓRIO DO SSCIP DATA . rua. ____/____/__ ____/____/__ ____/____/__ [X] [X] [ ] VII – COMPONENTES DA GU/BM Nr 008.rua.02 Presenciou os fatos IDADE: 49 Nº DOC. 01 / 02 MUNICÍPIO: Belo Horizonte PREFIXO VTR: APP 2005 UNIDADE/SETOR: 1º BBM / 22ª Cia Pv DESTINATÁRIO: Condomínio do Edifício Exemplo [ ] I .000..PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO (PSCIP) Nº PAVIMENTOS: 25 DATA. IDENTIDADE: M-3..rua...000 ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF:MG ENDEREÇO (av.000-151 Nº DOC.etc): Rua Sem Nome NÚMERO: 211 COMPLEMENTO: Apto 210 CEP:3015 BAIRRO: Cristina MUNICÍPIO: Nova Lima UF: MG FONE: 3721-1428 032 ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.000 MUNICÍPIO: Belo Horizonte V – INFORMAÇÃO PRIMARIA PSCIP: 341-05 NATURALIDADE: Florianópolis ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF: RJ NÚMERO: 27 COMPLEMENTO: ===X=== CEP:3015 UF: MG FONE: 9111-0000 0324 1...2ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 28 / 07 /2008 28 / 07 / 2008 28 / 09 / 2008 ___/____/____ [ [ [ [ ] ] ] ] VI – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA 5 – 3ª REINCIDENCIA/MULTA DATA ..1ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 4 ..etc): Rua Crislaine Durães BAIRRO: Pedregulho ENVOLVIDO NOME: Cristiane Maia CPF/CNPJ: 000..

Decreto 44.000 XI – DADOS DO VISTORIADOR/FISCALIZADOR ASSINATURA: NÚMERO: 008.746/08. A multa será entregue via correio mediante DAE contendo o valor a ser pago . Notificação de Multa Considerando as irregularidades acima descritas e que a edificação persiste na conduta infracional.746/08 e as normas e instruções técnicas específicas. 02 / 02 UNIDADE/SETOR: 1º BBM / 22ª Cia Pv MUNICÍPIO: Belo Horizonte IX . conforme art.ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO Auto de Infração Em ação fiscalizadora realizada na edificação qualificada no campo III constatamos que as irregularidades notificadas no Relatório de Fiscalização do dia 28/07/08 de nº.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº: 0002 Página 282 DATA EMISSÃO: 28/ 09 / 2008 FL. Este responsável poderá interpor recurso no prazo de 10 dias a contar da data de recebimento deste relatório ao Comandante do Batalhão responsável pela aplicação da autuação. BEM COMO TOMEI CIÊNCIA DOS DISPOSITIVOS LEGAIS QUE O FUNDAMENTAM NOME COMPLETO (LEGÍVEL): Juscelino Kubtchek FUNÇÃO: Proprietário ASSINATURA: RG: M.3. 11 do Decreto 44. 001 persistem. Cientificamos o fiscalizado que as irregularidades deverão ser corrigidas no prazo de 30 dias sob pena de incorrer no disposto § 3º do artigo 11 do Decreto 44.746/08 e por isso está recebendo esta notificação de multa.312-5 POSTO/GRADUAÇÃO Subten DATA 28 / 09 / 2008 .000.14 e 16 do Decreto 44. X – RECIBO DO RESPONSÁVEL PELA EDIFICAÇÃO / ESTABELECIMENTO RECEBI CÓPIA DESTE DOCUMENTO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO NA ÍNTEGRA. fica o responsável ciente de que está incorrendo na penalidade prevista no art.130/01. contrariando a Lei 14.746/08.

NOME ____/____/___ ___/____/___ ____/____/___ ____/___ /____ [X] [X] VII – COMPONENTES DA GU/BM . etc. IDENTIDADE: 1.etc): Rua Crislaine Durães BAIRRO: Pedregulho MUNICÍPIO: Carmesia ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.rua.000.etc): Rua Sem Nome BAIRRO: Cristina MUNICÍPIO: Nova Lima ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.) Av.000-72 Nº DOC.000-151 Nº DOC.etc): Rua Carmopolis BAIRRO: São Pedro MUNICÍPIO: Belo Horizonte V – INFORMAÇÃO PRIMARIA PSCIP: 341-05 DATA. IDENTIDADE: M-3.000.DA APROVAÇÃO: 02 / / 07 / 09 / IDADE: 49 NATURALIDADE: Belo Vale ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF: MG NÚMERO: COMPLEMENTO: Apto 210 211 CEP:301503 UF: MG FONE: 3721-1428 2 IDADE: 22 NATURALIDADE:Monte Carmelo ÓRGÃO EXPEDIDOR:SSP UF: SP NÚMERO: COMPLEMENTO: Casa 02 743 CEP:301503 UF: MG FONE: 3210-4792 23 IDADE: 49 NATURALIDADE: Florianópolis ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF: RJ NÚMERO: COMPLEMENTO: ===X=== 27 CEP:301503 UF: MG FONE: 9111-0000 24 2005 2005 Nº PAVIMENTOS: 25 DATA DA CONCESSÃO DO AVCB: 02 [ ] EM ANÁLISE ___/____/____ [ ] NÃO FOI APRESENTADO ___/____/____ QUARTEIRÃO 06 LOTE 02 OBSERVAÇÃO: VI – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO [ [ ] ] 1 – ADVERTENCIA DATA 2 – AUTO DE INFRAÇÃO DATA 3 – 1ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 4 – 2ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA Nr 008. rua.02 Presenciou os fatos NOME: Richard De Nada CPF/CNPJ: 000.000/0001-74 OCUPAÇÃO: Residencial IV – QUALIFICAÇÃO DOS ENVOLVIDOS ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 99 PROPRIETÁRIO NOME: Juscelino Kubtchek CPF/CNPJ: 000.000.rua. IDENTIDADE:3.312-5 004. 8 – RELATÓRIO DO SSCIP DATA .001 ENDEREÇO (av.02 Presenciou os fatos NOME: Cristiane Maia CPF/CNPJ: 000. DE LOCAL: 03.000 ENDEREÇO (av.000.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 283 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº:0003 DATA EMISSÃO: 28/ 10 /2008 UNIDADE/SETOR:1º BBM / 22ª Cia Pv DESTINATÁRIO: Condomínio do Edifício Exemplo I – ORIGEM DA COMUNICAÇÃO COMO FOI SOLICITADO O ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA: [ ] CENTRO DE COMUNICAÇÕES [ ] DIRETAMENTE AO ORGÃO DENÚNCIA ] II – DADOS DA OCORRÊNCIA NATUREZA: P 13001 COMPL.002-5 Não Houve P/G Subten 1º Sgt Aristóteles De Nada Pedro Fulano VIII – APOIO À GU / BM 28 / 07 / 2008 28 / 07 / 2008 28 / 09 / 2008 28 / 10 / 2008 [ [ [ [ ] ] ] ] 5 – 3ª REINCIDENCIA/MULTA DATA 6–4ª REINCIDENCIA/CASSAÇÃO DO AVCB DATA 7 – INTERDIÇÃO DATA .000. San Rennauto NÚMERO: 1911 CEP:30150321 COMPLEMENTO: BAIRRO / VILA: Bairro Filadélfia MUNICÍPIO: Belo Horizonte UF: MG CNPJ: 12.000.000 ENDEREÇO (av.rua.000-14 Nº DOC.000.000.03 Condomínio Residencial TIPO DE LOCAL: 05 Via Urbana COMUNICAÇÃO: 07:00 DESCRIÇÃO: Vistoria de fiscalização FL. 01 / 02 MUNICÍPIO: Belo Horizonte PREFIXO VTR: APP 2005 [ X] INICIATIVA CAUSA PRESUMIDA: FISCALIZAÇÃO FINAL: 10:00 NO LOCAL: 08:00 III – DADOS DA EDIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL: Condomínio do Edifício Exemplo LOCAL (av.

746/08. do Decreto 44.000 XI – DADOS DO VISTORIADOR/FISCALIZADOR NÚMERO: 008.000.746/08 e as normas e instruções técnicas específicas. 02 / 02 UNIDADE/SETOR: 1º BBM / 22ª Cia Pv MUNICÍPIO: Belo Horizonte IX – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO Auto de Infração Em ação fiscalizadora realizada na edificação qualificada no campo III constatamos que as irregularidades descritas no auto de infração do dia 28/07/08 de nº. sob pena de nova autuação O responsável pela edificação poderá interpor recurso no prazo de10 dias a contar da data de recebimento desde relatório ao Comandante do pelotão responsável pela aplicação da autuação.130/01. 01 / 02 MUNICÍPIO: Belo Horizonte . motivo pelo qual Está sendo notificado a corrigir as irregularidades no prazo de 30 dias. 001 persistem. X – RECIBO DO RESPONSÁVEL PELA EDIFICAÇÃO / ESTABELECIMENTO RECEBI CÓPIA DESTE DOCUMENTO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO NA ÍNTEGRA.312-5 DATA 15 / 01 / 06 POSTO/GRADUAÇÃO Subten ASSINATURA: RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº:0004 DATA EMISSÃO: 30/ 11/2008 UNIDADE/SETOR:1º BBM / 22ª Cia Pv FL. contrariando a Lei 14. A multa será entregue via correio mediante DAE contendo o valor a ser pago. Decreto 44.3.fica o responsável ciente de que está incorrendo na penalidade prevista no § 3º do Artigo 11.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Página 284 Nº: 0003 DATA EMISSÃO: 28 / 10 / 2008 FL. BEM COMO TOMEI CIÊNCIA DOS NOME COMPLETO (LEGÍVEL): Juscelino Kubstchek ASSINATURA: FUNÇÃO: Proprietário RG: M. Notificação da 1ª Reincidência da Multa Considerando as irregularidades acima descritas e que a edificação persiste na conduta infracional.

.INTERDIÇÃO DATA .000/0001-74 OCUPAÇÃO: Residencial IV – QUALIFICAÇÃO DOS ENVOLVIDOS CEP:30150321 UF: MG ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 99 PROPRIETÁRIO IDADE: 49 NOME: Juscelino Kubtchek NATURALIDADE: Belo Vale CPF/CNPJ: 000... IDENTIDADE:3.02 Presenciou os fatos IDADE: 22 NOME: Richard De Nada CPF/CNPJ: 000. etc. 2 – AUTO DE INFRAÇÃO DATA .. DE LOCAL: 03.) Av...1ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 4 .312-5 004...rua.. IDENTIDADE: M-3..000........DADOS DA EDIFICAÇÃO FINAL: 10:00 RAZÃO SOCIAL: Condomínio do Edifício Exemplo LOCAL (av...rua......SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 DESTINATÁRIO: Condomínio do Edifício Exemplo Página 285 PREFIXO VTR: APP 2005 [ ] I ..001 ENDEREÇO (av.000-151 Nº DOC..000.rua.... rua.000-14 Nº DOC.......000..DA APROVAÇÃO: 02 / / 07 / 09 / 2005 2005 Nº PAVIMENTOS: 25 DATA DA CONCESSÃO DO AVCB: 02 [ ] EM ANÁLISE ___/____/____ [ ] NÃO FOI APRESENTADO ___/____/____ QUARTEIRÃO 06 LOTE 02 OBSERVAÇÃO: VI – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO [ ] [X] [ ] [ ] 1 – ADVERTENCIA DATA .000..02 Presenciou os fatos V – INFORMAÇÃO PRIMARIA 1....000...........PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO (PSCIP) PSCIP: 341-05 DATA.. 6–4ª REINCIDENCIA/CASSAÇÃO DO AVCB DATA 7 .........000-72 Nº DOC. IDENTIDADE:1.....03 Condomínio Residencial TIPO DE LOCAL: 05 Via Urbana COMUNICAÇÃO: 07:00 CAUSA PRESUMIDA: FISCALIZAÇÃO NO LOCAL: 08:00 III ...etc): Rua Sem Nome NÚMERO: 211 COMPLEMENTO: Apto 210 BAIRRO: Cristina MUNICÍPIO: Nova Lima CEP:3015032 UF: MG FONE: 3721-1428 ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.. NOME ____/____/_ 30/11 / 2008 ____/____/ __/____ /__ VII – COMPONENTES DA GU/BM RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº: 0004 DATA EMISSÃO: 30/ 11 / 2008 FL... 8 ..000.000 ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF: MG ENDEREÇO (av...000. 3 ....002-5 P/G Sub Ten 1º Sgt Aristóteles De Nada Pedro Fulano VIII – APOIO À GU / BM Não Houve ___/____/____ 30 / 11 / 2008 ___/____/____ ___/____/____ [ ] [X] [ ] [ ] 5 – 3ª REINCIDENCIA/MULTA DATA ....000.... San Rennauto NÚMERO: 1911 COMPLEMENTO: BAIRRO / VILA: Bairro Filadélfia MUNICÍPIO: Belo Horizonte CNPJ: 12... 02 / 02 UNIDADE/SETOR: 1º BBM / 22ª Cia Pv MUNICÍPIO: Belo Horizonte .etc): Rua Carmopolis BAIRRO: São Pedro MUNICÍPIO: Belo Horizonte NATURALIDADE:Monte Carmelo ÓRGÃO EXPEDIDOR:SSP UF: SP NÚMERO: 743 COMPLEMENTO: Casa 02 CEP:30150323 UF: MG FONE: 3210-4792 IDADE: 49 NATURALIDADE: Florianópolis ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP UF: RJ NÚMERO: 27 COMPLEMENTO: ===X=== CEP:30150324 UF: MG FONE: 9111-0000 TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12..etc): Rua Crislaine Durães BAIRRO: Pedregulho MUNICÍPIO: Carmesia ENVOLVIDO NOME: Cristiane Maia CPF/CNPJ: 000........RELATÓRIO DO SSCIP DATA .....000 ENDEREÇO (av...ORIGEM DA COMUNICAÇÃO COMO FOI SOLICITADO O ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA: [ ] [ ] CENTRO DE COMUNICAÇÕES DENÚNCIA DIRETAMENTE AO ORGÃO II – DADOS DA OCORRÊNCIA DESCRIÇÃO: Vistoria de fiscalização [X ] INICIATIVA NATUREZA: P 15001 COMPL.2ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA Nr 008.

ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO Auto de Infração Em ação fiscalizadora realizada na edificação qualificada no campo III constatamos que as irregularidades descritas no auto de infração do dia 28/07/08 de nº. X . Notificação de início do procedimento de cassação Nos termos do § do 3° artigo 11 do Decreto 44.000.746/08. fica o responsável notificado de que será iniciado o processo de cassação do AVCB da edificação em tela.3. contrariando a Lei 14.1.7 da IT – 01 sobre a cassação do AVCB.10. 01 / 02 MUNICÍPIO: Belo Horizonte PREFIXO VIATURA: APP 2005 . O responsável será informado conforme item 6.746/08 e as normas e Instruções técnicas específicas. BEM COMO TOMEI CIÊNCIA DOS DISPOSITIVOS LEGAIS QUE O FUNDAMENTAM.000 DATA 30 / 11 / 2008 XI – DADOS DO VISTORIADOR/FISCALIZADOR ASSINATURA: NÚMERO: 008. tendo em vista que persiste a conduta infracional.RECIBO DO RESPONSÁVEL PELA EDIFICAÇÃO / ESTABELECIMENTO RECEBI CÓPIA DESTE DOCUMENTO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO NA ÍNTEGRA.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 286 IX . 0001 persistem.312-5 POSTO/GRADUAÇÃO: Subten RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº:0005 DATA EMISSÃO: 05 / 01 /2009 UNIDADE/SETOR:1º BBM / 22ª Cia Pv DESTINATÁRIO: Condomínio do Edifício Exemplo FL. Decreto 44.130/01. NOME COMPLETO Kubstchek ASSINATURA: (LEGÍVEL): Juscelino FUNÇÃO: Proprietário RG: M.

000...... NOME ____/____/____ ____/____/____ 05/ 01/ 2009 ___/____ /____ [X] [ [ ] ] [X] [ ] VII – COMPONENTES DA GU/BM RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº: 0005 DATA EMISSÃO: 05 / 01 / 2009 FL... etc. DE LOCAL: 03....DADOS DA EDIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL: Condomínio do Edifício Exemplo LOCAL (av..2ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA Nr 008..03 Condomínio Residencial TIPO DE LOCAL: 05 Via Urbana COMUNICAÇÃO: 07:00 NO LOCAL: 08:00 III ... IDENTIDADE:3.312-5 004........000. 2 – AUTO DE INFRAÇÃO DATA ....... IDENTIDADE: M-3...rua. 02 / 02 MUNICÍPIO: Belo Horizonte UNIDADE/SETOR: 1º BBM / 22ª Cia Pv .......000/0001-74 BAIRRO / VILA: Bairro Filadélfia NÚMERO: 1911 MUNICÍPIO: Belo Horizonte OCUPAÇÃO: Residencial IV .02 Presenciou os fatos NATURALIDADE: Florianópolis ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP NÚMERO: 27 CEP:30150324 UF: MG COMPLEMENTO: ===X=== FONE: 9111-0000 UF: RJ Nº DOC.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 287 I ....etc): Rua Carmopolis BAIRRO: São Pedro MUNICÍPIO: Belo Horizonte V – INFORMAÇÃO PRIMARIA 1...DADOS DA OCORRÊNCIA NATUREZA: P 15001 COMPL..1ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 4 .rua.02 Presenciou os fatos ÓRGÃO EXPEDIDOR:SSP NÚMERO: 743 CEP:30150323 UF: MG COMPLEMENTO: Casa 02 FONE: 3210-4792 IDADE: 49 Nº DOC....000..000-151 ENDEREÇO (av.etc): Rua Crislaine Durães BAIRRO: Pedregulho ENVOLVIDO NOME: Cristiane Maia CPF/CNPJ: 000.....000.000-14 ENDEREÇO (av....000....000...... San Rennauto COMPLEMENTO: CNPJ: 12.. rua.. 3 ... IDENTIDADE:1.DA APROVAÇÃO: DATA DA CONCESSÃO DO AVCB: 02 [ ] EM ANÁLISE ___/____/____ [ ] NÃO FOI APRESENTADO ___/____/____ QUARTEIRÃO 06 LOTE 02 OBSERVAÇÃO: VI – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO [ ] 1 – ADVERTENCIA DATA ..000 MUNICÍPIO: Carmesia TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.000....000-72 ENDEREÇO (av......) Av....ORIGEM DA COMUNICAÇÃO [ ] CENTRO DE COMUNICAÇÕES COMO FOI SOLICITADO O ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA: [ ] [ ] DENÚNCIA DDIRETAMENTE AO ORGÃO II ....000 TIPO DE ENVOLVIMENTO: 99 PROPRIETÁRIO NATURALIDADE: Belo Vale ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP NÚMERO: 211 CEP:3015032 UF: MG COMPLEMENTO: Apto 210 FONE: 3721-1428 IDADE: 22 NATURALIDADE:Monte Carmelo UF: SP UF: MG IDADE: 49 CEP: 30150321 UF: MG CAUSA PRESUMIDA: FISCALIZAÇÃO FINAL: 10:00 DESCRIÇÃO: Vistoria de fiscalização [X ] INICIATIVA PSCIP: 341-05 DATA..rua...RELATÓRIO DO SSCIP DATA ..QUALIFICAÇÃO DOS ENVOLVIDOS ENVOLVIDO NOME: Juscelino Kubtchek CPF/CNPJ: 000.PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO (PSCIP) Nº PAVIMENTOS: 25 02 / 07 / 2005 / 09 / 2005 Nº DOC....etc): Rua Sem Nome BAIRRO: Cristina ENVOLVIDO NOME: Richard De Nada CPF/CNPJ: 000..... 8 .. 6 – 4ª REINCIDENCIA/CASSAÇÃO DO AVCB DATA 7 ......000..INTERDIÇÃO DATA ....002-5 Subten 1º Sgt P/G Aristóteles De Nada Pedro Fulano VIII – APOIO À GU / BM Não Houve 28 / 07 /2008 28/ 07/ 2008 28/ 09/ 2008 28/ 10/ 2008 [ [ ] ] 5 – 3ª REINCIDENCIA/MULTA DATA ............001 MUNICÍPIO: Nova Lima TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.

SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 IX -ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA Página 288 Auto de Interdição Nos termos do art.746/08 foi apurado. NOME COMPLETO (LEGÍVEL): Juscelino Kubstchek ASSINATURA: FUNÇÃO: Proprietário RG: M.312-5 POSTO/GRADUAÇÃO Subten DATA 05 / 01/ 2009 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº:0006 DATA EMISSÃO: 13/ 02/2009 FL.000.000 XI – DADOS DO VISTORIADOR/FISCALIZADOR ASSINATURA: NÚMERO: 008.3.RECIBO DO RESPONSÁVEL PELA EDIFICAÇÃO / ESTABELECIMENTO RECEBI CÓPIA DESTE DOCUMENTO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO NA ÍNTEGRA. e que a situação configura risco para as pessoas e patrimônio alheio. 11 do Decreto 44. conforme Relatório Técnico devidamente fundamentado. que o Condomínio do Edifício Exemplo encontra-se com as medidas de segurança contra Incêndio e pânico em desacordo com as normas de. 01 / 02 UNIDADE/SETOR:1º BBM / 22ª Cia Pv MUNICÍPIO: Belo Horizonte DESTINATÁRIO: Condomínio do Edifício PREFIXO VIATURA: APP 2005 Exemplo . mediante procedimento instaurado pelo Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico do CBMMG de Nº0001/ 08. fica a edificação INTERDITADA totalmente. Considerando que houve descumprimento de reiteradas notificações relativas às irregularidades constatadas durante ação fiscalizadora do CBMMG. BEM COMO TOMEI CIÊNCIA DOS DISPOSITIVOS LEGAIS QUE O FUNDAMENTAM.130 / 01 combinado com o § 15 do art. o X . 5 da lei 14. Segurança contra incêndio e pânico.

............000-72 ENDEREÇO (av. 8 ...A2 IV . ____/____/____ ____/____/____ 05/ 01/ 2009 13 /02 /09 [ x] VII – COMPONENTES DA GU/BM Nr 008...rua........000.... 3 ..) Av...000-151 ENDEREÇO (av.000-14 ENDEREÇO (av..000...000.......etc): Rua Sem Nome BAIRRO: Cristina ENVOLVIDO NOME: Richard De Nada CPF/CNPJ: 000... DE LOCAL: 03.. San Rennauto COMPLEMENTO: CNPJ: 12....2ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 28 / 07 /2008 28/ 07/ 2008 28/ 09/ 2008 28/ 10/ 2008 [ [ [ ] ] ] 5 – 3ª REINCIDENCIA/MULTA DATA ..rua...000 TIPO DE ENVOLVIMENTO: 99 PROPRIETÁRIO NATURALIDADE: Belo Vale ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP NÚMERO: 211 CEP:3015032 UF: MG COMPLEMENTO: Apto 210 FONE: 3721-1428 IDADE: 22 NATURALIDADE:Monte Carmelo UF: SP UF: MG IDADE: 49 NÚMERO: 1911 MUNICÍPIO: Belo Horizonte CEP: 301503321 UF: MG CAUSA PRESUMIDA: FISCALIZAÇÃO FINAL: 10:00 DESCRIÇÃO: Vistoria de fiscalização [X ] INICIATIVA PSCIP: 341-05 DATA... IDENTIDADE:3. etc.03 Condomínio Residencial TIPO DE LOCAL: 05 Via Urbana COMUNICAÇÃO: 07:00 NO LOCAL: 08:00 III – DADOS DA EDIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL: Condomínio do Edifício Exemplo LOCAL (av.........02 Presenciou os fatos NATURALIDADE: Florianópolis ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP NÚMERO: 27 CEP:30150324 UF: MG COMPLEMENTO: ===X=== FONE: 9111-0000 UF: RJ Nº DOC.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 289 I – ORIGEM DA COMUNICAÇÃO [ ] CENTRO DE COMUNICAÇÕES COMO FOI SOLICITADO O ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA: [ ] [ ] DENÚNCIA DIRETAMENTE AO ORGÃO II – DADOS DA OCORRÊNCIA NATUREZA: P 15001 COMPL.etc): Rua Carmopolis BAIRRO: São Pedro MUNICÍPIO: Belo Horizonte V – INFORMAÇÃO PRIMARIA 1...02 Presenciou os fatos ÓRGÃO EXPEDIDOR:SSP NÚMERO: 743 CEP:30150323 UF: MG COMPLEMENTO: Casa 02 FONE: 3210-4792 IDADE: 49 Nº DOC..RELATÓRIO DO SSCIP DATA ...001 MUNICÍPIO: Nova Lima TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.. 2 – AUTO DE INFRAÇÃO DATA ........000 MUNICÍPIO: Carmesia TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.. IDENTIDADE:1.......000..002-5 P/G Subten 1º Sgt Aristóteles De Nada Pedro Fulano VIII – APOIO À GU / BM Não Houve NOME RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº: 0006 DATA EMISSÃO: 13 /02/ 2009 FL.DA APROVAÇÃO: DATA DA CONCESSÃO DO AVCB: 02 / 09 / 2005 [ ] EM ANÁLISE ___/____/____ [ ] NÃO FOI APRESENTADO ___/____/____ QUARTEIRÃO 06 LOTE 02 OBSERVAÇÃO: VI – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO [ [ [ [ ] ] ] ] 1 – ADVERTENCIA DATA ........QUALIFICAÇÃO DOS ENVOLVIDOS ENVOLVIDO NOME: Juscelino Kubtchek CPF/CNPJ: 000.. IDENTIDADE: M-3. 02 / 02 IX -ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA .000/0001-74 BAIRRO / VILA: Bairro Filadélfia OCUPAÇÃO: Residencial ....000.PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO (PSCIP) Nº PAVIMENTOS: 25 02 / 07 / 2005 Nº DOC.312-5 004... 6–4ªREINCIDENCIA/CASSAÇÃODO AVCB DATA 7 – INTERDIÇÃO DATA ..etc): Rua Crislaine Durães BAIRRO: Pedregulho ENVOLVIDO NOME: Cristiane Maia CPF/CNPJ: 000...000...rua....000....000.1ª REINCIDÊNCIA/MULTA DATA 4 . rua..

000. No ensejo. informamos ao Proprietário/Responsável pelo uso que deverá manter o Sistema de Prevenção Contra Incêndio e Pânico em perfeitas condições de utilização.3. que culminou na interdição da edificação Qualificada no campo III deste relatório. que foi entregue ao proprietário/responsável pelo uso da edificação.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 290 Relatório de Desinterdição Em vistoria realizada no condomínio Edifício Exemplo. BEM COMO TOMEI CIÊNCIA DOS DISPOSITIVOS LEGAIS QUE O FUNDAMENTAM.RECIBO DO RESPONSÁVEL PELA EDIFICAÇÃO / ESTABELECIMENTO RECEBI CÓPIA DESTE DOCUMENTO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO NA ÍNTEGRA. X . conforme preconiza o Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado de Minas Gerais. Pelo exposto. registrada no Relatório de Vistoria No 0005 de 05 / 01/ 2008. foi lavrado o auto de desinterdição.000 DATA 13 / 02/ 2009 XI – DADOS DO VISTORIADOR/FISCALIZADOR ASSINATURA: NÚMERO: 008.312-5 POSTO/GRADUAÇÃO Subten . foi verificado que foram corrigidas as irregularidades constatadas na fiscalização anterior. sob pena de sujeitar-se às sanções administrativas previstas neste diploma legal. NOME COMPLETO (LEGÍVEL): Juscelino Kubstchek ASSINATURA: FUNÇÃO: Proprietário RG: M.

.000....02 Presenciou os fatos NATURALIDADE:Monte Carmelo Nº DOC.) Av.etc): Rua Crislaine Durães ENDEREÇO (av...............DA APROVAÇÃO: DATA DA CONCESSÃO DO AVCB: 02 [ ] EM ANÁLISE ___/____/____ LOTE 02 OBSERVAÇÃO: VI – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO [ ] [x] [ ] [ ] Nr 008................000... IDENTIDADE:1..... San Rennauto COMPLEMENTO: CNPJ: 12...000.03 Condomínio Residencial TIPO DE LOCAL: 05 Via Urbana COMUNICAÇÃO: 07:00 NO LOCAL: 08:00 III – DADOS DA EDIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL: Condomínio do Edifício Exemplo LOCAL (av.PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO (PSCIP) Nº PAVIMENTOS: 25 02 / 07 / 2005 / [ 09 / ] 2005 NÃO FOI APRESENTADO ___/____/____ QUARTEIRÃO 06 UF: MG COMPLEMENTO: ===X=== FONE: 9111-0000 UF: RJ ÓRGÃO EXPEDIDOR:SSP NÚMERO: 743 CEP:30150323 UF: MG COMPLEMENTO: Casa 02 FONE: 3210-4792 IDADE: 49 UF: SP ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP NÚMERO: 211 CEP:3015032 UF: MG FONE: 3721-1428 IDADE: 22 UF: MG COMPLEMENTO: Apto 210 IDADE: 49 NÚMERO: 1911 MUNICÍPIO: Belo Horizonte CEP:30150321 UF: MG CAUSA PRESUMIDA: FISCALIZAÇÃO FINAL: 10:00 DESCRIÇÃO: Vistoria de fiscalização [X ] INICIATIVA NOME: Juscelino Kubtchek CPF/CNPJ: 000.000....000/0001-74 BAIRRO / VILA: Bairro Filadélfia OCUPAÇÃO: Residencial .002-5 1 – ADVERTENCIA DATA ....000.000..000...INTERDIÇÃO DATA .... 6 – 4ª REINCIDENCIA/CASSAÇÃO DO AVCB DATA 7 .312-5 004. IDENTIDADE:3..rua.A2 IV – QUALIFICAÇÃO DOS ENVOLVIDOS ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 99 PROPRIETÁRIO NATURALIDADE: Belo Vale Nº DOC.rua.000-72 BAIRRO: Pedregulho ENVOLVIDO NOME: Cristiane Maia CPF/CNPJ: 000.. 8 – RELATÓRIO DO SSCIP DATA .rua.......SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 291 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº:0007 DATA EMISSÃO:20/ 10/2009 FL..... NOME ___/____/____ ___/____/____ 20 / 10 /2009 __ / ___ / ____ [x] [ ] VII – COMPONENTES DA GU/BM .. 2 – AUTO DE INFRAÇÃO DATA .etc): Rua Carmopolis ENDEREÇO (av.000-14 BAIRRO: São Pedro ENDEREÇO (av.000 MUNICÍPIO: Nova Lima TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12. etc. 3-1ªREINCIDÊNCIA/MULTA DATA 4-2ªREINCIDÊNCIA/MULTA DATA P/G Subten 1º Sgt Aristóteles De Nada Pedro Fulano VIII – APOIO À GU / BM Não Houve ___/____/____ 20 / 10 / 2009 ___/____/____ ___/____/____ [ [ ] ] 5 – 3ª REINCIDENCIA/MULTA DATA ......02 Presenciou os fatos NATURALIDADE: Florianópolis Nº DOC........000 MUNICÍPIO: Belo Horizonte ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP NÚMERO: 27 CEP:30150324 V – INFORMAÇÃO PRIMARIA 1..000-151 BAIRRO: Cristina ENVOLVIDO NOME: Richard De Nada CPF/CNPJ: 000.....etc): Rua Sem Nome PSCIP: 341-05 DATA.........000.001 MUNICÍPIO: Carmesia TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12............. IDENTIDADE: M-3. rua.DADOS DA OCORRÊNCIA NATUREZA: P 15001 COMPL.... 01 / 02 UNIDADE/SETOR:1º BBM / 22ª Cia Pv MUNICÍPIO: Belo Horizonte DESTINATÁRIO: Condomínio do Edifício Exemplo PREFIXO VIATURA: APP2005 I – ORIGEM DA COMUNICAÇÃO [ ] CENTRO DE COMUNICAÇÕES COMO FOI SOLICITADO O ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA: [ ] [ ] DENÚNCIA DIRETAMENTE AO ORGÃO II . DE LOCAL: 03.

SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 292 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº: 0007 DATA EMISSÃO: 20 / 10 / 2009 IX .000. d) Central de GLP (Instrução Técnica 23) 1)Central de GLP com capacidade de 3m3 instalada sob a edificação.ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA FL.270/06 e as normas e instruções técnicas específicas: a) – Não foi apresentado o PSCIP referente à edificação. o bemestar e a saúde das pessoas.RECIBO DO RESPONSÁVEL PELA EDIFICAÇÃO / ESTABELECIMENTO RECEBI CÓPIA DESTE DOCUMENTO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO NA ÍNTEGRA.312-5 POSTO/GRADUAÇÃOSubten RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG . X . contrariando a Lei 14.746/08 e em virtude de terem sido constatadas irregularidades no sistema de segurança contra incêndio e pânico da edificação em questão. 2) escada de emergência sem condição antiderrapante no piso. BEM COMO TOMEI CIÊNCIA DOS DISPOSITIVOS LEGAIS QUE O FUNDAMENTAM. Auto de Interdição Nos ternos do § 40 do Artigo 4 da lei 14. 44. NOME COMPLETO (LEGÍVEL): Juscelino Kubstchek FUNÇÃO: Proprietário RG:M.3.considerando estar o mesmo infringindo as normas do regulamento de segurança contra incêndio e pânico estadual. e o patrimônio próprio e/ou alheio. 02 / 02 Auto de Infração Em ação fiscalizadora realizada na edificação retro qualificada constatamos as seguintes irregularidades.130/2001. combinado com o § 6o do Artigo 11 do Decreto 44. sem corrimão lateral e com o guarda corpo com 0. fica o condomínio do Edifício Exemplo totalmente interditado. Decreto.000 XI – DADOS DO VISTORIADOR/FISCALIZADOR DATA: 20 / 10/ 2009 ASSINATURA: ASSINATURA: NÚMERO:008. bem como não possuem selos do fabricante e da ABNT. c) Iluminação de Emergência: (Instrução Técnica 13) 1) luz de emergência não funcionou durante o teste em nenhum ponto da edificação.130/01. em todos os pavimentos da edificação.90 metro. b) Saída de emergência: (Instrução Técnica 08) 1)Portas corta fogo não fecham automaticamente. a integridade física. o que caracterizou risco iminente devido a possibilidade de pânico em caso de deflagração de incêndio. bem como colocando em risco a vida.

000...000...02 Presenciou os fatos NATURALIDADE:Monte Carmelo Nº DOC.etc): Rua Carmopolis ENDEREÇO (av...PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO (PSCIP) Nº PAVIMENTOS: 25 02 / 07 / 2005 / [ 09 / ] 2005 NÃO FOI APRESENTADO ___/____/____ QUARTEIRÃO 06 UF: MG COMPLEMENTO: ===X=== FONE: 9111-0000 UF: RJ ÓRGÃO EXPEDIDOR:SSP NÚMERO: 743 CEP:30150323 UF: MG COMPLEMENTO: Casa 02 FONE: 3210-4792 IDADE: 49 UF: SP ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP NÚMERO: 211 CEP:3015032 UF: MG FONE: 3721-1428 IDADE: 22 UF: MG COMPLEMENTO: Apto 210 IDADE: 49 NÚMERO: 1911 MUNICÍPIO: Belo Horizonte CEP:30150321 UF: MG CAUSA PRESUMIDA: FISCALIZAÇÃO FINAL: 10:00 DESCRIÇÃO: Vistoria de fiscalização [X ] INICIATIVA NOME: Juscelino Kubtchek CPF/CNPJ: 000...03 Condomínio Residencial TIPO DE LOCAL: 05 Via Urbana COMUNICAÇÃO: 07:00 NO LOCAL: 08:00 III – DADOS DA EDIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL: Condomínio do Edifício Exemplo LOCAL (av...DA APROVAÇÃO: DATA DA CONCESSÃO DO AVCB: 02 [ ] EM ANÁLISE ___/____/____ LOTE 02 OBSERVAÇÃO: VI – ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO [ ] [ ] [ ] [ ] Nr 008.000-14 BAIRRO: São Pedro ENDEREÇO (av.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 293 Nº:0008 DATA EMISSÃO: 25/ 02/2010 FL.002-5 1 – ADVERTENCIA DATA ......rua..............INTERDIÇÃO DATA .. 01 / 02 UNIDADE/SETOR:1º BBM / 22ª Cia Pv MUNICÍPIO: Belo Horizonte DESTINATÁRIO: Condomínio do Edifício Exemplo PREFIXO VIATURA: APP2005 I – ORIGEM DA COMUNICAÇÃO [ ] CENTRO DE COMUNICAÇÕES COMO FOI SOLICITADO O ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA: [ ] [ ] DENÚNCIA DIRETAMENTE AO ORGÃO II .....000.......rua.......DADOS DA OCORRÊNCIA NATUREZA: P 15001 COMPL. IDENTIDADE:3. 3-1ªREINCIDÊNCIA/MULTA DATA 4-2ªREINCIDÊNCIA/MULTA DATA P/G Subten 1º Sgt Aristóteles De Nada Pedro Fulano VIII – APOIO À GU / BM Não Houve ___/____/____ ___/____/____ ___/____/____ [ [ [ ] [ x] ] ] 5 – 3ª REINCIDENCIA/MULTA DATA ....000/0001-74 BAIRRO / VILA: Bairro Filadélfia OCUPAÇÃO: Residencial .001 MUNICÍPIO: Carmesia TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.. NOME 25 / 02 / 2010 ___/____/____ ___/____/____ VII – COMPONENTES DA GU/BM .A2 IV – QUALIFICAÇÃO DOS ENVOLVIDOS ENVOLVIDO TIPO DE ENVOLVIMENTO: 99 PROPRIETÁRIO NATURALIDADE: Belo Vale Nº DOC. DE LOCAL: 03. 6 – 4ª REINCIDENCIA/CASSAÇÃO DO AVCB DATA 7 ..... rua..000-151 BAIRRO: Cristina ENVOLVIDO NOME: Richard De Nada CPF/CNPJ: 000...02 Presenciou os fatos NATURALIDADE: Florianópolis Nº DOC.000................ etc..000-72 BAIRRO: Pedregulho ENVOLVIDO NOME: Cristiane Maia CPF/CNPJ: 000.000.....000 MUNICÍPIO: Belo Horizonte ÓRGÃO EXPEDIDOR: SSP NÚMERO: 27 CEP:30150324 V – INFORMAÇÃO PRIMARIA 1.312-5 004.. San Rennauto COMPLEMENTO: CNPJ: 12..000....etc): Rua Sem Nome PSCIP: 341-05 DATA.) Av..... IDENTIDADE:1. 2 – AUTO DE INFRAÇÃO DATA .............etc): Rua Crislaine Durães ENDEREÇO (av. 8 – RELATÓRIO DO SSCIP DATA ...000 MUNICÍPIO: Nova Lima TIPO DE ENVOLVIMENTO: 12.. IDENTIDADE: M-3.000.....000...rua.

312-5 POSTO/GRADUAÇÃO Subten .SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 294 RELATÓRIO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO-CBMMG Nº: 0008 DATA EMISSÃO: 25/ 02/2010 IX . BEM COMO TOMEI CIÊNCIA DOS DISPOSITIVOS LEGAIS QUE O FUNDAMENTAM.000 XI – DADOS DO VISTORIADOR/FISCALIZADOR DATA: 25 / 02/ 2010 ASSINATURA: NÚMERO:008. 02 / 02 Relatório Não foi possível realizar vistoria de fiscalização tendo em vista que no presente momento a edificação se encontrava fechada e não foi localizado o proprietário/ responsável pela edificação. NOME COMPLETO (LEGÍVEL): ASSINATURA: FUNÇÃO: RG:M.000. X .RECIBO DO RESPONSÁVEL PELA EDIFICAÇÃO / ESTABELECIMENTO RECEBI CÓPIA DESTE DOCUMENTO DE VISTORIA/FISCALIZAÇÃO NA ÍNTEGRA.3.ESPECIFICAÇÕES DOS DOCUMENTOS DE VISTORIA FL.

e outros. 4 Sistema preventivo da edificação Projeto de Segurança contra incêndio e pânico (hidrante. ventilação. pânico). e outros. denúncia. 6 Análise do risco x medidas de segurança Análise comparativa dos riscos encontrados na edificação e as medidas de segurança contra incêndio e pânico existentes. e outros. b)informações sobre sistema de ventilação. através de ofício do Ministério público. funcionamento. 5 Riscos evidentes São as irregularidades constatadas. que poderão levar à ocorrência de um acidente (incêndio. e outros. c)documentos de notificações anteriores do CBMMG. conforme a natureza da edificação a ser vistoriada. constando os resultados de danos à vida humana e patrimônio (da edificação e áreas adjacentes). proprietário. perícias técnicas oficiais ou contratada pela parte interessada. e outros. saída de emergência. d)informações sobre o público. devendo o oficial encarregado da análise do risco acrescentar as informações necessárias para o bom entendimento do processo e decisão final. f)outras. carga incêndio. 7 Parecer conclusivo Fundamentado no item 6. idade. ponto de fulgor dos materiais. 3 Dados da edificação Endereço citando lote e quadra – itens indispensáveis à verificação de existência do PPCIP -. e)informações cedidas pela prefeitura municipal. classificação da natureza da atividade. Citamos como exemplo: a)fotos. 8 Outras informações Os itens acima são apenas sugestivos. costumes.. fluxo. alertando ao proprietário sobre o cumprimento da legislação e os riscos encontrados durante as vistorias. edificações e áreas de risco adjacentes. extintor. sinalização. o oficial fará um parecer conclusivo da situação analisada. ocorrência de sinistro. e outros). APÊNDICE “C” Procedimentos para Emissão do DAE Eletrônico . 2 Origem Mandada proceder. características construtivas. filmes. mesmo com medidas mitigadoras para fazer face ao risco.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 295 APÊNDICE “B” Modelo de Relatório Técnico 1 Evento Vistoria Técnica na Edificação denominada. croqui. e outros. cálculos.. falha no sistema.

. Outras informações: (Informações complementares poderá ser o Nº do Decreto utilizado. Clicar no botão EMITIR GUIA. Marcar a opção de serviço da prevenção desejado: Análise de projetos Multa por inobservância de legislação de prevenção contra incêndio e pânico Multa por inobservância de legislação de prevenção contra incêndio e pânico 1ª reincidência 2ª Via de documentos – outros administrativos Taxa de Segurança Pública – cadastramento Pessoa Física Taxa de Segurança Pública – cadastramento Pessoa Jurídica Taxa de Segurança Pública – Vistoria AVCB Após escolher o SERVIÇO. . . o militar poderá preencher. . endereço. . Para escolher o SERVIÇO clicar na setinha.mg. Aparecerá então o DAE completamente preenchido inclusive com o código de barras para ser pago. aparecerá todos os serviços em ordem alfabética. Marcar a opção CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MG. OBS: manter atualizado quanto às possíveis modificações no site da SEF – Secretaria Estadual da Fazenda. clicar no botão CONTINUAR. município e telefone) se não aparecer já preenchido. Após preencher todos os campos. aparecerá todos os órgãos em ordem alfabética.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 296 www. nome.br EMPRESAS Documentos de Arrecadação Receita órgãos estaduais Documento de Arrecadação Estadual – Marcar o tipo de identificação ( )CNPJ ( ) CPF Digitar o número da identificação marcada Para escolher o ÓRGÃO clicar na setinha. Dados da Receita: (será necessário digitar o período de referencia que será o dia da emissão até o ultimo dia do mês vigente). . Aparecerá uma terceira tela com o título PAGAMENTO DE DOCUMENTO DE ARRECADAÇÃO. . . – 44.746/08).fazenda. Valores a recolher: (será calculado e digitado pelo militar).gov. . . clicar no botão CONTINUAR Aparecerá uma segunda tela do Documento de Arrecadação estadual descrevendo: Identificação do Contribuinte: (CPF. APÊNDICE “D” . .

.....1 Edificação: (Detalhar características) 2.... conforme abaixo) 2...4 Características Construtivas: (relatar detalhes de construção) 3. ANÁLISE (Relatar detalhadamente as ações realizadas na edificação.... ........3 Repercussão (Avaliar a repercussão do ato de interdição da edificação ) 5........ 2) O parecer apesar de ser a opinião pessoal do relator e deve estar coerente com os documentos juntados aos autos...... HISTÓRICO 2..2 Deslocamentos 4...... de ....SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 297 (unidade operacional) RELATÓRIO INFORMATIVO DE SITUAÇÃO DE RISCO AO MINISTÉRIO PÚBLICO 1................... PARECER Diante dos aspectos apontados neste relatório e considerando a impossibilidade de interdição da edificação face aos fatores sociais e técnicos existentes somos pelo encaminhamento deste processo ao Ministério Público Estadual para adoção de outras medidas...2 Impedimentos (Relatar a inviabilidade da interrupção dos trabalhos desenvolvidos na edificação) 4... a situação da edificação e os motivos da não interdição) 6..... objetivo e retratar o que de importante existe nos autos.. de . preciso.1 Documentos juntados 3............... posto/graduação) RELATOR Observações: 1) O relatório/parecer deve ser claro..... ... DILIGÊNCIAS REALIZADAS 3.....1 Aspectos Sociais (Relatar a importância e a necessidade da edificação para o desenvolvimento da atividade nela executada) 4....2 Projeto:( Relatar situação se aprovado/existente/notificado/inexistente/outros) 2... Quartel em. EFEITOS INDESEJADOS DA AÇÃO DE INTERDIÇÃO 4........ (nome..... enumerando-as...... DADOS DA EDIFICAÇÃO: a) Endereço completo: b) Proprietário: c) Ocupação: d) Área existente: à Construir: Total: e) Altura: nº pavimentos: f) Outros: 2...3 Vistorias: (Citar as vistorias realizadas na edificação. APÊNDICE “E” .

PS) Nº BO Data da vistoria Endereço Cidade Tempo Situação gasto para (Regular/ realização Irregular) da vistoria CONTROLE DE VISTORIAS DE VERIFICAÇÃO Tipo PSCIP Nº Data da (PT. Nº BO Endereço PSCIP vistoria PET. Data Nº ofício Solução da resposta (def. PTS. PET. PS) Cidade Situação (Regular/ Irregular) Tempo gasto para realização da vistoria PRORROGAÇÃO DE PRAZO Data do pedido Razão Social Endereço Nº dias concedidos Nº Ofício resposta ao solicitante PEDIDOS DE RECONSIDERAÇÃO DE ATO DECORRENTES DE VISTORIA DE FISCALIZAÇÃO Data do Nº BO pedido Nº PSCIP Data do Razão Social Vistoriador recebimento (vistoriador) Prazo Máx.) solicitante ção SANÇÕES ADMINISTRATIVAS/ Advertência escrita Nº Data da PSCIP notificação Nº BO Endereço Cidade Identificação de quem recebeu notificação (nome/função) OBS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS/ Multa .) entrega solicitante RECURSOS DECORRENTES DE VISTORIA DE FISCALIZAÇÃO Data Nº Presi Data do Nº Data de envio Prazo PSCI Instância den entre recurParecer à Comissão Máx./ind. PTS. ano. MÊS VIGENTE: UNIDADE: CONTROLE DE VISTORIAS DE FISCALIZAÇÃO Nº PSCIP Tipo PSCIP (PT. P te ga so Data da homologa ção Solução Nº ofício Nº BI (def. mês./ resposta ao publica ind.SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 298 Modelo de relatório para controle de Vistoria de Fiscalização/ Sanções Administrativas Cidade.

SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 299 Nº PSCIP Data da notificação Nº BO Endereço Cidade Identificação de quem recebeu Valor da AR nº notificação Multa (nome/função) OBS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS/ 1ª reincidência de Multa Nº PSCIP Data da notificação Nº BO Endereço Identificação de quem recebeu Valor da Cidade AR nº notificação Multa (nome/função) OBS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS/ Interdição Nº Data da Nº Proc. reconsiderações de ato e recursos Recebido Analisado Deferido Indeferido . Adm PSCIP notificação Nº BO Endereço Cidade Identificação de quem recebeu notificação (nome/função) OBS DESINTERDIÇÃO Nº PSCIP Nº Proc. Adm Nº BO Endereço Cidade Identificação de quem acompanhou (nome/função) OBS MINISTÉRIO PÚBLICO/PODER JUDICIÁRIO E ÓRGÃOS AFINS Nº Nº Ofício PSCIP solicitação Data da vistoria Nº BO Endereço Cidade Identificação de quem acompanhou (nome/função) Situação (Regular/ Irregular) OBS RESUMO Vistorias Vistorias Fiscalização Verificação TOTAL Planejadas/ Decorrentes MP/ PJ/ outros Realizadas Regulares Irregulares Prorrogações de prazo.

SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Prorrogação de prazo Pedido de Reconsideração de Ato Recursos TOTAL Página 300 Sanções administrativas Sanções Advertência escrita Multa 1ª Reincidência de Multa Interdição TOTAL Quantidade TSP Sanções Multa 1ª Reincidência de Multa TOTAL Aplicadas ($) Pagas .

SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 301 .

SEPARATA DO BGBM Nº 011 DE 18 DE MARÇO DE 2010 Página 302 (a) GILVAM ALMEIDA SÁ – CEL BM COMANDANTE GERAL Confere com o Original. CAP BM SUBAJUDANTE GERAL . JUDERCI ALVES RODRIGUES – MAJ BM AJUDANTE GERAL LUIZ HENRIQUE DOS SANTOS.