MECANISMOS PROPULSORES

E DINÂMICA DOS FLUIDOS
PROPULSÃO EM NATAÇÃO – É a capacidade que um corpo tem de se locomover
dentro d’água com seus próprios recursos (Machado, 2004). propuls!o do nadador depende do
tra"alho de movimentos coordenados de pernas e "ra#os.
1ª LEI DE NEWTON – INÉRCIA: $ropriedade que todo corpo tem de manter seu estado
de repouso ou movimento. %m corpo só pode sair do seu estado de repouso ou movimento se
so&rer uma &or#a e'terna.

2ª LEI DE NEWTON – PRINCIPIO FUNDAMENTAL DA DINÂMICA: %m corpo
necessita de uma &or#a para se movimentar e outra para parar.
3ª LEI DE NEWTON – AÇÃO E REAÇÃO. (oda a#!o provoca uma rea#!o de mesma
intensidade, dire#!o e sentido contrário. )a água, quanto maior a &or#a e'ercida so"re ela, maior
será o seu deslocamento (acelera#!o).
di&eren#a de massa pode resultar em &or#a de rea#!o di&erente, ou se*a, corpos mais
&rágeis rece"em um impacto (estrago) maior. +'emplo de aplica#!o de &or#a propulsiva, poiar
o p- em uma super&.cie, se esta &or móvel, será deslocada, se &or sólida, - o corpo que será
pro*etado.
A MELHOR POSIÇÃO DO CORPO
%m corpo imerso se desloca melhor que na super&.cie da água, porque a resist/ncia &rontal -
menor e o &luido escorre igualmente pelo o corpo.
posi#!o do corpo deve ser a mais hi!"i#$%i&' (hori0ontal) poss.vel em rela#!o 1 água.
PROPULSÃO DE PERNAS
2epresenta 20 a 304 da propuls!o de nado. 5ua principal &un#!o - de sustentar o corpo
equili"rando6o na posi#!o hori0ontal.
Movimento vertical e alternado com uma &ase ascendente e outra descendente, sendo esta
mais propulsiva.
s pernas devem estar estendidas com uma pequena &le'!o de *oelhos para descontrair a
musculatura, p-s soltos e em &le'!o plantar.
O N(MERO DE )ATIMENTOS DA PERNADA
$ernada 7 ' 2 (7 tempos de pernas para 2 "ra#adas alternadas 8 velocistas), 4 ' 2 e 2 ' 2
(&undistas), em"ora alguns &undistas utili0em pernada 7 tempos e velocistas 4 tempos.
PROPULSÃO DE )RAÇOS
$ossui duas &ases, uma quática tam"-m chamada de &ase propulsiva ou positiva e outra
-rea 8 &ase n!o propulsiva, negativa ou de recupera#!o.
9 Movimento sinuoso ( :5; ) da "ra#ada, ao contrário da "ra#ada reta, aumenta a dist<ncia
percorrida dentro d’água, tornando6a mais longa e propulsiva.
=imens>es da "ra#ada, $ro&undidade, largura e comprimento. 9timi0am o movimento com
maior e&ici/ncia e menor gasto energ-tico.
FLU*O LAMINAR E TUR)ULENTO
água - composta por mol-culas de hidrog/nio e o'ig/nio que &lutuam em correntes
cont.nuas at- encontrarem um o"*eto que interrompe seu &lu'o. ?uando essas correntes
compactadas umas so"re as outras se movem na mesma velocidade, denomina6se +,-./"
-'%i#'!+.
T.!0.-1#&i' da água nada mais - do que a interrup#!o do &lu'o. ?uando o corpo avan#a,
a"re6se um @"uraco:, separando as mol-culas dos &lu'os laminares, &a0endo6as repicarem em
várias dire#>es ("or"ulhas), devido a &ric#!o da água no corpo. s mol-culas separam6se das
suas correntes laminares, repicando umas nas outras em movimentos aleatórios ("or"ulhas).
2ISCOSIDADE
9s l.quidos possuem uma propriedade chamada 3i4&"4i'5, que se re&ere ao atrito interno.
Aiscosidade caracteri0a6se pelas &or#as de atrito que impedem o &luido de se mover ou
escorregar. +la mede a resist/ncia de movimento do &luido de acordo com a capacidade que ele
tem de :grudar;. água 1 temperatura am"iente - um &luido de "ai'a viscosidade.
Bluidos como shampoo e óleo possuem densidades maiores e variam com a temperatura. 9
óleo de motor do carro, - menos viscoso (grudento) em temperatura alta do que quando está &rio.
ARRASTO
É a &or#a que resiste o movimento de um corpo atrav-s de um &luido (l.quido ou gasoso)
para &rente. 9 arrasto - &eito de &or#as de &ric#!o (atrito), que agem em dire#!o paralela 1
super&.cie do o"*eto. (odo o"*eto que se desloca num meio l.quido so&re os e&eitos resistivos
desse l.quido. r e água s!o &luidos que e'ercem &or#as so"re o corpo humano.
F"!6' 5 A!!'47" 8 R54i471#&i' " F-.9"
os o"*etos e as &ormas destinados a produ0ir o m.nimo de arrasto dá6se o nome de
aerodin<micos ou hidrodin<micos.
F"!6' 5 '7!i7" hi!"i#$%i&' C Dgua ou F-.i"i#$%i&' C ?ualquer outro &luido
F"!6' 5 '7!i7" A5!"i#$%i&' C r
)o s-culo EAFFF, =aniel Gernoulli pu"licou os primeiros estudos so"re
&luidos em movimento. O P!i#&i:i" 5 )5!#".--i 8 +'plica a &or#a de
sustenta#!o. ?uando a velocidade de um &luido aumenta ocorre uma
diminui#!o na press!o.
9 ar desloca6se com maior velocidade na parte superior
diminuindo a press!o, enquanto na parte in&erior da asa a
velocidade do ar - menor ocasionando um aumento da press!o.
+ssa di&eren#a de press!o na asa resulta numa &or#a de "ai'o para
cima que sustenta o avi!o no ar.
+'istem 3 tipos de arrasto, ,"!%'; "#' 5 ,!i&&i"#'-.
ARRASTO DE FORMA < Hausado pelo porte e pela &orma dos corpos dos nadadores em
seu deslocamento propulsivo na água. $ara redu0ir o arrasto, o corpo deve &icar o mais hori0ontal
poss.vel em rela#!o 1 água, sem diminui#!o da &or#a propulsiva.
ca"e#a - a parte do corpo do nadador que so&re maior &onte de arrasto. pernada deve
ser su&icientemente pro&unda para uma "oa propuls!o, mas n!o t!o pro&unda a ponto de aumentar
a área do corpo na água. )os nados de peito e "or"oleta - importante que ao respirar, o nadador
n!o &a#a movimentos verticais e'cessivos. Movimentos laterais e'cessivos (serpenteantes)
aumentam o arrasto, movimentando mol-culas que rompem as l<minas de água.
PELE DE TU)ARÃO
s escamas dos tu"ar>es evolu.ram ao longo de milh>es de anos para permitir que eles
nadem muito rápido, diminuindo a resist/ncia da água.
Gati0ada de &astsIin (pele rápida), a roupa inspirada na pele do "icho &oi desenvolvida para
diminuir o atrito com a água.
ARRASTO DE ONDA 6 É a causado pelas ondas (tur"ul/ncia) geradas pelos nadadores na
super&.cie da água. &orma mais comum de arrasto de onda - a criada pelas ondas de proa
(&rente) que &a0em press!o contra os corpos dos nadadores e diminuem sua velocidade de
progress!o.
velocidade na nata#!o in&luencia diretamente este tipo de arrasto devido 1 parede de água
que se &orma 1 &rente do nadador. +ssas paredes e'ercem um e&eito de conten#!o t!o poderoso
que o arrasto aumenta em J ve0es quando se do"ra a velocidade.
9 arrasto de onda se &orma tanto 1 &rente como nas laterais do corpo do nadador, "em como
no plano vertical e hori0ontal. Gater, arrastar o "ra#o, entrar com a m!o de &orma errada ou
recuperar o "ra#o em "ai'o da água, tam"-m aumentam o arrasto de onda.
$iscinas antigas e com sistemas anti6marolas pouco e&icientes pioram o arrasto de onda
quando n!o eliminam as marolas provocadas pelo deslocamento dos nadadores.
ARRASTO FRICCIONAL < Hausado pela &ric#!o entre a pele e as mol-culas de água que
entram em contato com os nadadores 1 medida que se deslocam. )o deslocamento, mol-culas de
água acompanham o corpo, "atem em outras mol-culas rompendo o &lu'o laminar at- uma certa
dist<ncia da pele.
9s principais &atores que in&luenciam o arrasto &riccional s!o, (K) área da super&.cie do
o"*eto, (2) velocidade do o"*eto e (3) te'tura de super&.cie.
%tili0a6se a raspagem do corpo para se redu0ir o atrito. 9s supermaiLs in&luenciaram o
controle de 2 aspectos,
5uper&.cie, atrav-s da compress!o do tecido no corpo do nadador e (e'tura, tecidos mais
lisos que diminuem o atrito com a água.
E*ERC=CIOS DE PROPULSÃO
D54-i>5
0K. Fmpuls!o contra a paredeM
02. Hanguru, impuls!o do ch!oM
03. (orpedo (2'2), impulsionar o companheiro pelos p-sM
P!":.-4?" 5 P5!#'4
0K. Aisuali0a#!o da pernada &ora d’água, sentado e deitado na "ordaM
02. Gatimento de pernas com m!os apoiadas na "orda da piscina, com corre#!o do movimento
pelo companheiroM
03. Fdem anterior, "atendo as pernas individualmente com respira#!o &rontal, lateral e "ilateralM
04. $u'ado pelo companheiro (carreta) com respira#!o &rontal, lateral e "ilateral.
P5!#'' &"% :!'#&h'
0K. %tili0a#!o da prancha em grande, m-dia e pequena tomadaM
02. Hom o au'ilio do companheiro, segurando a prancha em grande tomada, "ater pernas com
respira#!o &rontal, lateral e "ilateralM
03. 5em au'.lio, "atimento segurando a prancha em grande, m-dia e pequena tomadaM
04. +m pequena tomada e'ecutando a respira#!o &rontal, lateral e "ilateralM
0N. Hompeti#!o de "atimento de pernas.
P!":.-4?" 5 )!'6"4
0K. Aisuali0a#!o &ora d’água com e'plica#!o da tra*etória do "ra#oM
02. Aisuali0a#!o dentro d’água, e'ecutando o movimento em p- com o G.=, G.+, depois am"os
alternadamenteM
03. Fdem o anterior, andando pra &rente com o rosto dentro d’águaM
04. Hom a prancha em pequena tomada e'ecutando o movimento de um "ra#o com respira#!o
lateralM
0N. Fdem anterior, com movimentos alternados dos "ra#os. inspirando pela "oca na &ase a-rea e
e'pirando na &ase aquática, pela "oca e pelo nari0 simultaneamenteM
07. Fdem anterior, reali0ando a respira#!o "ilateral 3'K (3 "ra#adas e K respira#!o)M
0O. 5em a prancha, e'ecutar o nado completo, reali0ando a respira#!o "ilateral, progredindo em
curtas dist<ncias.