You are on page 1of 6

ETAPA 03 PROCESSO ADMINISTRATIVO: DIREÇÃO E CONTROLE DA AÇÃO

EMPRESARIAL.
PASSO 01
A IMPORTÂCIA DA APLICAÇÃO DA DIREÇÃO EMPRESARAIAL.
A Importância da Direção Para algumas pessoas, administrar significa planejar,
organizar, dirigir e controlar. E justamente essas são as mais importantes
funções de um administrador. Segundo Fayol, o trabalho do “ dirigente”
consiste em tomar decisões, estabelecer metas, definir diretrizes e atribuir
responsabilidades aos integrantes da organização, de modo que as atividades
de planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar estejam numa
sequência lógica. Para se obter sucesso alcançando os objetivos da
organização, o administrador define os objetivos e planeja quais os recursos
devem ser utilizados, determina as atividades a serem realizadas, distribui as
atividades, seleciona as pessoas responsáveis por cada tarefa e depois disso
tudo, otimiza todo o processo. Ou seja, lidera, incentiva, se comunica. Busca
promover uma relação de troca de informações para que ele como
administrador corrija falhas de planejamento ou acelere o processo de
execução das atividades caso haja necessidade. Fayol definiu vários deveres
do administrador para se obter um desempenho satisfatório nas suas ações: O
administrador acompanha o processo de criação de planejamento, analisa,
estabelece colaboradores, define obrigações, supervisiona, ou seja, controla e
direciona seus subordinados para que haja uma harmonia de interesses entre
organização e trabalhadores. Abrangência da Direção Dirigir significa
interpretar os planos para os outros e dar as instruções sobre como executá-los
em direção aos objetivos a atingir. A escala de direção começa pelos diretores
que dirigem os gerentes, os gerentes dirigem os supervisores e os
supervisores dirigem os funcionários ou operários. A direção se divide em três
níveis que são: Institucional, Intermediário e Operacional.
Enfim, a direção de uma empresa tem que ser democrática e deve ser exercida
através da comunicação, liderança e motivação das pessoas. Assim, os
objetivos da organização serão alcançados como também todas as pessoas
envolvidas com a organização, sendo esses trabalhadores, sentir-se-ão
recompensadas.

A IMPOTÂNCIA DO CONTROLE EMPRESARIAL.

A importância do controle empresarial ou controle estratégico tb chamado
como controle organizacional, é tratado no nível institucional da empresa e se
refere geralmente aos aspectos globais q envolvem a empresa como uma
totalidade. Sua dimensão de tempo é em longo prazo. Seu conteúdo é
geralmente genérico e sintético. Daí as três características básicas que
identificam o controle estratégico da empresa: Nível de decisão; é decidido no
nível institucional da empresa. Dimensão de tempo; é orientado para longo
prazo. Abrangência: devido a enorme complexidade e as multifaces atividades
da empresa, torna-se difícil abordar o controle em sua totalidade, uma vez que
existem muitos tipos de controles: financeiros, contábeis, de produção, de
qualidade, de inventários, de vendas, de pessoal, entre outros. Isso significa
que muitas pessoa a se adaptam dentro das empresas, de tarefas relacionadas
com o acompanhamento e avaliação das atividades correntes e passadas,
comparando-as com normas e padrões desejados pela empresa. Se os
resultados se afastam ou se desviam das normas prescritas, alguma ação
corretiva deve ser tomada. Todo o sistema depende de insumos ou entradas e
procedem de seu meio ambiente para podermos funcionar. Os insumos ou
entradas são processos pelos diversos subsistemas e transformados em
saídas ou resultados (produtos ou serviços) que retornam ao meio ambiente.
Como sistemas abertos, as empresas procuram continuamente controlar suas
atividades mantendo as sempre dentro dos parâmetros. E aí surge a noção de
controle. O controle estratégico visa a duas finalidades principais: A correção
de falhas ou erros existentes; o controle serve para detectar falhas ou erros,
seja no planejamento ou na execução, para apontar as medidas corretivas
adequadas para usa-las. A essência do controle reside em verificar se a
unidade controlada está ou não alcançando os resultados desejados. Os
controles organizacionais servem para; padronizar o desempenho, proteger os
bens organizacionais de abusos, padronizar a qualidade de produtos serviços
oferecidos pela empresa, limitar a quantidade de autoridade que esta sendo
exercida pelas varias posições ou níveis organizacionais, avaliar e dirigir o
desempenho das pessoas.
Tipos de controle estratégicos da mesma forma como existe uma hierarquia
nas atividades de planejamento, é evidente que há uma hierarquia de tipos de
controle. O importante é que, a medida que os planos vão descendo a escala
hierárquica e penetrando mais nos detalhes, o mecanismo do controle se torna
bem mais evidente. Os controles são mais vagos e amplos à medida que se
sobe na escala hierárquica da empresa. Existem vários tipos de controle
estratégico: o desempenho global da empresa no nível institucional são
desenhados e utilizados sistema de controle para medir o desempenho global
da empresa; relatórios contábeis o controle do desempenho global da empresa
geralmente toma a forma d relatórios contábeis; controle dos lucros e perdas o
demonstrativo de lucros e perdas que apresenta uma visão resumida da
posição de lucro ou de perda da empresa em um determinado período de
tempo; controle pela analise do retorno sobre o investimento (RSI) com análise
(RSI) a empresa pode avalias suas diferentes linhas de produtos e verificar
onde o capital esta sendo mais eficientemente empregado, entre outras tipos
de controle.


PASSO 03

O planejamento é muito importante dentro de uma empresa, é uma maneira
como a empresa irá utilizar melhor seus recursos ou melhorá-los para o
alcance dos objetivos da empresa. Muitas empresas tomam decisões imediatas
de momento, a falta de planejamento só será sentida a longo prazo e sua
existência no mercado poderá estar bem comprometida, por isso e por outras
diversas decisões feitas , se faz o planejamento, que tem como principio
diminuir incertezas e erros referente a decisões diante algum imprevisto ou ate
mesmo para o futuro, há três tipos de planejamento sendo eles Estratégico,
Tático e Operacional.
Em nossa empresa de pequeno porte na área de telefonia, podemos
considerar que o Planejamento estratégico: ele é elaborado pelos donos e
diretoria da empresa, que tomam decisões de longo prazo, o planejamento
estratégico define onde se pretende chegar e o que se deve ser feito para eles
conseguirem. Sendo assim conseguem diminuir a incertezas sobre
determinada coisa perante o futuro.
As etapas do Plano Estratégico são: Determinação dos objetivos, analise
ambiental externa, análise organizacional interna, formulação de alternativas,
elaboração do planejamento, implementação e execução, e, avaliação dos
resultados.
Há também uma ferramenta administrativa denominada APO que impõe uma
cultura participativa e aberta, tem empresas que assumem a mudança como
maneira básica de operar.
Planejamento Tático: ele é elaborado por gerentes (nível médio) , que tomam
decisões de médio prazo, o planejamento tático cria hipóteses a respeito da
realidade atual e futura, tendo que ter uma boa comunicação dentro da
empresa para ser possível criar o planejamento tático.
O Planejamento é a primeira função dentro do processo administrativo, esse
tipo de planejamento é decidido no nível hierárquico mais elevado na
organização. Para que o planejamento seja levado a diante, precisa ser
implementado nos níveis hierárquicos mais baixos das empresas nas quais as
tarefas são executadas. Conceituação do Planejamento Tático: É a função
administrativa que determina antecipadamente o que se deve fazer e quais
objetivos devem ser alcançados.

Planejamento Operacional: ele diz “o que fazer” e “como fazer” para cada
tarefa realizada usadas no dia-a-dia, estão submetidos a um processo de
sistema fechado, voltados a curtos prazos. Enfim para chegar ao planejamento
operacional passa-se pelo nível institucional, intermediário e operacional,
quase sempre trabalha dentro da lógica e máxima eficiência possível.
O planejamento operacional se preocupa basicamente com “o que fazer” e
com “como fazer”, refere-se às tarefas operacionais realizadas no dia à dia,
como está inserida na lógica, o planejamento operacional focaliza a otimização
e a maximização de resultados, ao passo que o planejamento tático está
voltado para resultados apenas satisfatórios, por meio do planejamento
operacional.



PASSO 04
Após o planejamento e a organização da ação empresarial, o próximo passo é
a função de direção. As pessoas precisam ser admitidas, aplicadas em seus
cargos, doutrinadas e treinadas: elas precisam conhecer aquilo que se espera
delas e como elas devem desempenhar seus cargos; precisam ser guiadas e
motivadas para alcançarem os resultados que delas se espera.
Dirigir é a função administrativa que se refere às relações interpessoais dos
administradores com seus subordinados, ou seja, significa dizer às pessoas o
que fazer e conseguir que elas o façam da melhor forma possível e para isso o
administrador precisa comunicar liderar e motivar.
A função da direção é exercida nos diferentes níveis hierárquicos e assume
aspectos diferenciados. Apesar de o exercício de função ser o mesmo, a forma
de exercê-la dependerá das características específicas das tarefas
desempenhadas nos diferentes níveis.
A função de direção exercida no nível institucional é influenciada pelo impacto
direto que a empresa enfrenta com o ambiente externo. Neste nível
hierárquico, os administradores traçam a estratégia empresarial e representam
a empresa junto aos acionistas, governo, órgãos reguladores, fornecedores,
clientes e público em geral. São responsáveis também pela sintonia entre
políticas internas e estratégias e pela direção da ação empresarial global.
A função de direção exercida no nível operacional é, usualmente, chamada de
Supervisão. O supervisor lida com o pessoal não administrativo que executam
tarefas especializadas, eles são responsáveis pelas operações diárias,
imediatas.
Os Participantes de uma Organização são:
Empregados: São as pessoas que contribuem com seu tempo e esforço para a
organização, fornecendo habilidades e conhecimentos em troca de salários e
de outros incentivos que a organização proporciona.
Investidores: são as pessoas ou instituições que contribuem com os
investimentos financeiros que proporcionam a estrutura de capital e os meios
para o financiamento das operações da empresa e esperam um retorno para o
seu investimento.
Fornecedores: são as pessoas ou instituições que contribuem com recursos
para a produção, sejam matérias primas, tecnologia, serviços (como
consultorias, assessoria, propaganda, manutenção etc.), energia elétrica,
componentes etc, em troca da remuneração de seus produtos/serviços e
condições de continuidade de suas operações.
Distribuidores: são as pessoas ou instituições que adquirem os produtos ou
serviços produzidos pela organização e os distribuem para o mercado de
clientes ou consumidores em troca da remuneração de suas atividades e
continuidade de suas operações.
Consumidores: são as pessoas ou instituições que adquirem os produtos ou
serviços produzidos pela organização para utilizá-los e consumi-los na
expectativa de satisfação de suas necessidades.
A direção está intimamente relacionada com a autoridade e o poder, ou seja,
para a empresa realizar o que foi planejado e dentro do esquema organizado a
fim de alcançar seus objetivos, as pessoas devem ser dirigidas com o objetivo
de desenvolver suas atividades e colaborar para esta ser bem sucedida em
seus negócios. Isso envolve um processo de influenciarão de pessoas. A
autoridade e o poder constituem meios de influência. A influência se refere ao
comportamento de uma pessoa, capaz de alterar atitudes e sentimentos. A
influência pode ser feita por vários meios, entre persuasão, coação, sanções e
recompensas.
Dirigir significa interpretar os planos para os outros e dar as instruções sobre
como executá-los. Como tempo é dinheiro quando se fala em negócio, a má
interpretação de solicitações, relatórios ou más instruções podem provocar
elevados custos.
Enfim, podemos concluir que para ser um empreendedor de sucesso é preciso
muito planejamento com: estratégias, táticas e operacionais. A partir daí, com
uma visão geral o indivíduo tão somente será bem sucedido como elevará a
empresa a qual representa, pois no fundo ele é um empreendedor de sim
mesmo.