1

Autor: Sávio Laet de Barros Campos

Cristologia, Pneumatologia e Eclesiologia
– Uma primeira aproximação

Sávio Laet é Bacharel-Licenciado e PósGraduado em Filosofia pela Universidade
Federal de Mato Grosso [UFMT], cursou ainda
algumas disciplinas teológicas [Revelação e Fé;
Transmissão da Revelação e Teologia do Direito
Canônico] no SEDAC [Studium Eclesiástico D.
Aquino Corrêa]. Foi pesquisador do Grupo de
Estudos Polis-Éthos [registrado no CNPq] da
UFMT. Também participou como estudioso da
filosofia medieval no grupo de “Pesquisas em
Filosofia Antiga e Medieval” [com registro no
CNPq] vinculado à mesma instituição.

A unção é um mistério. Cristo, do grego χριστός (khristós), significa ungido. Por isso,
no começo do cristianismo, dizia-se cristão, não propriamente aquele que “seguia” a Cristo.
Na verdade, muitos “seguiram” Jesus: Judas e toda uma multidão que depois pediu a sua
crucificação. No princípio do cristianismo, dizia-se cristão, quem participava da unção de
Cristo. Neste sentido, já no século III, São Cirilo, Bispo de Jerusalém, afirmava aos recémbatizados e crismados: “Feitos, pois, partícipes de Cristo, não sem razão, sois chamados
cristos (...) vós vos tornastes cristos (...)”1. Antes dele ainda, no século II, São Teófilo, Bispo
de Antioquia, explicava a um pagão: “Nós nos chamamos cristãos porque nos ungimos com o
óleo de Deus”2. A bem da verdade, os cristãos não recebem uma unção diversa da de Cristo.
Eles participam da Unção do próprio Cristo. Tentemos entender este pensamento dos
primeiros padres. O Salmo 133 (132) fala de como é bom a irmãos viverem juntos. E quando
quer descrever esta união, fá-lo da seguinte forma: “É como óleo fino sobre a cabeça,
descendo pela barba, a barba de Aarão, descendo sobre a gola de suas vestes” (Sl 133 [132],
2). Pois bem, Orígenes, grande escritor cristão que viveu no século III, aproveitando este
Salmo, afirma que o cristianismo nasce da unção que desce de Cristo Cabeça para o seu
Corpo, constituindo-o e vivificando-o, enquanto pelo “bom odor” (II Cor 2, 15) desta unção,
pelo “seu perfume” (II Cor 2, 14), torna agradável aos irmãos viverem juntos:

1

CIRILO DE JERUSALÉM. Catequeses Mistagógicas. 2ª ed. Trad. Frederico Vier. Rio de Janeiro: Editora
Vozes, 2004. III, 1.
2
TEÓFILO DE ANTIOQUIA. Primeiro Livro a Autólico. 2ª ed. Trad. Ivo Storniolo e Euclides M. Balancin.
Rev. Honório Dalbosco. São Paulo: Paulus, 1995. 12.

2). tipo do homem perfeito. Contra as Heresias. indica alguém que ungiu. temos que quem nos faz cristãos e igreja é o Espírito Santo.4 Destarte. De fato. tornados membros de Cristo pelo Batismo. afirma que quando dizemos. quem diz Cristo. Como diz o Verbo pela boca de Isaías: ‘O Espírito de Deus está sobre mim. o sacerdote Aarão representa Cristo. que nos torna cristos e. Rev. o ‘óleo fino derramado sobre a cabeça’. Orlando Reis. que nos insere na comunhão trinitária. porque Cristo é inseparável da Trindade. E afirma ainda: quem ungiu é o Pai. nomear a Cristo é confessar a todos. é esta Unção que faz a Igreja. 2ª ed. quem foi ungido é o Filho. 18. ao Filho que foi ungido. Para isso já apontava São Basílio. a barba de Aarão’. que é a unção. não sendo esta Unção outra que não a de Cristo. Cristo. Com efeito. VI. Deus o ungiu com o Espírito Santo”. aquele que foi ungido e a própria unção. que é a Igreja.2 Autor: Sávio Laet de Barros Campos Por isso. Como a unção do Senhor é um evento trinitário. H. porque me ungiu’. indicando ao mesmo tempo o Pai que ungiu. Lourenço Costa. sua gola. no século II. desceu ‘pela barba. São Paulo: Paulus. pois designa a Deus que unge. esta palavra nos remete a três realidades: aquele que ungiu. porque quem unge é o Pai. Trad. a ponto de Cristo e a Igreja formarem um só corpo. e a barba de Aarão.5 3 ORÍGENES. 18). suas vestes representam. de tão bom odor. Nas suas palavras: O nome de Cristo. 18) na qual Nosso Senhor retoma um texto do profeta Isaías. que nos une. IRENEU DE LIÃO. E há mais. Dalbosco. Trad. no século IV: Ora. Bispo de Cesaréia. 79. nosso Sumo Sacerdote. o ungido é o Filho e a unção é o próprio Espírito Santo. Contra Celso. uma vez que a Unção de Cristo é o próprio Espírito Santo. Assim ensinou Pedro. ao explicar a passagem do Evangelho de São Lucas (Lc 4. de perfume sem igual. São Paulo: Paulus. 2004. e este óleo chegou descendo ‘sobre a gola de suas vestes’ (Sl 133. e a unção que é o Espírito Santo. que nos torna cristãos. aquele que foi ungido e a própria unção: quem ungiu é o Pai. Mas o que é esta unção. a Unção de Cristo descendo sobre o Seu Corpo Místico. o ungido é o Filho e a unção é o próprio Espírito Santo. o Filho que foi ungido e a própria Unção que é o Espírito. 3. somos inseridos no mistério da Trindade. nos congrega e nos faz Igreja? Santo Ireneu. com efeito. de algum modo. que nos une a Cristo. III. 1995. segundo os Atos: “Jesus de Nazaré. finalmente.3 Ora. que o foi no Espírito. 4 . diz toda a Trindade. sendo Cristo ‘cabeça da Igreja’ (Cl 1.

se vês a caridade”7. seus frutos (Gal 5. VIII. É um conhecimento essencialmente trinitário. 15-16). invisível. Por isso também Ele subsiste. Ele subsiste. isto é. Tratado Sobre o Espírito Santo. incomunicável. amar o Pai que O gera. Comentário ao Evangelho de São João: Médico e Alimento. a saber. Rev. sim. De sorte que o Pai não pode deixar de ser Pai. só há um modo de “ver” a Trindade. 6. pois. ser Pai. portanto. o espírito perfeitíssimo. o Filho não pode deixar de ser Filho. 1-2). nesta vida. é uma pessoa. imutável. Por outro lado. 12. Trad. 28. 1999. Sabélio estava deveras enganado. gerando-O. Rev. 2ª ed.. que o cristão não é aquele que admira a Cristo. São Paulo: Paulus. 6 AGOSTINHO. Por isso. Ora. Trad. São Paulo: Paulus.. 5 BÁSILIO MAGNO.3 Autor: Sávio Laet de Barros Campos Esta teologia já estava presente nos padres latinos. nem pode considerar-se Filho se não tem Pai. porque nos insere no mistério Do Deus Trino. Lopes. amar o Filho. v. tem de se considerar também o Filho. um evento trinitário desde a sua origem. o Pai só sabe fazer uma coisa. José Augusto Rodrigues Amado. Mas quem é o Espírito Santo? São seus dons (Is 11. 7 AGOSTINHO. VIII). A Trindade. seus carismas (I Cor 12). Quando considerais Deus enquanto Deus. De sorte que nem o Filho pode ser o Pai e nem o Pai pode ser o Filho. deste toda a eternidade o Filho só sabe ser Filho.) recebestes um espírito de filhos adotivos.. 22-23)? Não! Para tentarmos vislumbrar quem é esta pessoa. e outra é considerar Deus enquanto Pai. é uma pessoa. considerais o criador. o onipotente. 1995. vale dizer. Di-lo-á o Apóstolo: “(. . Quando considerais Deus enquanto Pai. De sorte que o conhecimento que temos de Deus pelo Espírito Santo é distinto do conhecimento natural e mesmo teológico que podemos alcançar do Altíssimo. Monjas Beneditinas. a Sua paternidade. tu a vês. 12. mister é que nos adentremos no seio da Trindade. ou seja. se não tem o Filho. a Trindade. pelo qual clamamos Abba! Pai! O próprio Espírito se une ao nosso espírito para testemunhar que somos filhos de Deus” (Rm 8. 1954. assim. XIX. A Igreja é um acontecimento trinitário desde a sua fundação. É muito importante notar. Nair de Assis Oliveira. São Paulo dizia aos cristãos de Roma: “(. então. algo no Pai que é incomunicável. eterno.. 8. Coimbra: Gráfica de Coimbra. II. Desde toda a eternidade.) quem não tem o Espírito de Cristo não pertence a ele” (Rm 8. Honório Dalbosco. Ela é obra da Trindade. Deus não pode considerar-se Pai. Outrossim. Celebra Agostinho: Uma coisa é considerar Deus enquanto Deus.6 O cristianismo é. Dilo-á Santo Agostinho: “Pois bem. Iranildo B. que tenta imitá-lo enquanto “humanista”. filial e amoroso. Há. Trad. mas sim quem tem o Espírito de Cristo. A Sua filiação é. 2ª ed.

De fato. o qual. Ele é o Amor do Pai pelo Filho e do Filho pelo Pai. portanto. 11 Idem. Nosso Senhor diz algo inaudito: “(. Todavia. Ora. qual seja... esteja nos seus.) a fim de que o amor com que me amaste esteja neles (. Ibidem. onde se lê: ‘Deus é Amor’”11. o amor que procede do Pai e do Filho? As Sagradas Letras dizem por duas vezes: “Deus caritas est (Deus é amor)” (I Jo 4.. 13). 17. No término de sua Oração Sacerdotal. Ibidem. 14. o evangelista refere-se propriamente ao Espírito Santo: “Refere-se. já sabemos que quem ama é o Pai e que o amado é o Filho..)” (Rm 5. senão uma certa vida que enlaça dois seres (. 5). E este Amor incriado cria em nós um amor criado. numa pergunta retórica: “O que é. a virtude infusa da caridade. o Amor em pessoa. Ibidem. em nossos corações. portanto.)?”12. 12 Idem. XV. Em outras palavras. E ratifica que. o principal efeito da caridade que o Espírito Santo difunde em nossos corações.. Ora.) o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado (. faz Deus habitar em nós e faz com que nós participemos daquele vínculo inefável da Trindade: 8 Idem.. une-nos a Deus. o Pai) O ama. o Espírito Santo. enlaça-nos ao Deus Trino. Pelo que conclui o Bispo de Hipona: “Pode-se concluir. Ibidem.. Ibidem. quem é o amor subsistente? Não há que se negar: é o Espírito Santo. o que é o amor e qual o seu efeito próprio? Responde o santo Bispo. e do Filho. o que é amado e o amor”9. Mas demos um passo a mais. que o Espírito Santo é o Deus-Amor”10. quem é.) o que ama.. o que é amado e o mesmo amor”8. isto realmente ocorreu.. Idem.é. vale lembrar. 2. Pois bem. obviamente. Nosso Senhor pede ao Pai para que o Amor com que Ele (i. que procede do Pai. Agora bem. o amor. este Amor. que é gerado. 10 Idem. a ponto de sabermos que temos o Espírito se permanecemos em Deus e Deus em nós: “Nisto reconhecemos que permanecemos nele e ele em nós: ele nos deu seu Espírito” (I Jo 4.. então. E ainda: “São portanto três os elementos: o que ama. por assim dizer. 14. 10. De modo que o Espírito Santo. sobrenatural. 8 e 16). porém. VIII. É ele aquele “terceiro elemento” que faltava. 2... agora está em nós. ao Espírito. e é claro que isto se aplica às três pessoas. Entretanto. Celebra São Paulo: “(. mais propriamente. que gera. então.)” (Jo 17. 10. IX. na passagem de São João. também ama o Pai enquanto Filho. 9 . 26).4 Autor: Sávio Laet de Barros Campos Mas em todo amor – assevera o Doutor de Hipona – precisamos distinguir três realidades: “(. pela qual livremente amamos a Deus por Deus e ao próximo por Deus. por meio do hábito infuso da caridade. VIII. este é.. 31.

Bispo de Lião. 17.) pareceu bem ao Espírito Santo e a nós (. 6 e 7).) impedidos pelo Espírito Santo de anunciar a Palavra na Ásia.. enquanto unção.) Em seguida.. num Sermão sobre o Evangelho de São João. 32... no século IV. 1.. para a obra à qual os destinei’... Tratado Sobre o Espírito Santo.. é propriamente o Espírito Santo. que vem de Deus é Deus. Mas como era o relacionamento entre Cristo e o Espírito Santo? Santo Ireneu. no século II. Ibidem. a habitar nas criaturas de Deus (. E amamo-la se persistirmos na sua união e caridade”14. temos o Espírito Santo. Estava também por ocasião da tentação do diabo. III.. diz ele: “Eis a razão por que ele desceu também no Filho de Deus.. é este Amor que nos une uns com os outros. e dele sendo inseparável (. o Espírito Santo. quando todos estamos em comunhão com a Trindade.) Mantinha-se inseparável de Jesus quando este fazia os milagres. feito filho do homem. mediante o qual. estava junto da carne do Senhor.” (At 16. mas o Espírito de Jesus não permitiu. por sua vez. 15 IRENEU DE LIÃO.)” (At 15.) O Espírito não o deixou após a sua ressurreição. em toda a atividade de Cristo o Espírito estava presente. um enlace de amor..13 Ademais. Do Espírito. Paulo e Timóteo foram “(... tentaram penetrar na Bitínia. O Espírito estava presente em tudo e atuante. portanto. 8. O Espírito separava os missionários: “Disselhe o Espírito Santo: ‘Separai para mim Barnabé e Saulo. (.. Tanto é assim. que o Doutor de Hipona.. Idem. dizia que o Espírito Santo desceu sobre o Filho do Homem para acostumar-se a viver entre os homens.5 Autor: Sávio Laet de Barros Campos A caridade. É o Espírito Santo quem faz a Igreja.” (At 13 Idem. não é que a Igreja possua uma unidade. São Basílio. 18. pelo qual é difundido em nossos corações o amor de Deus. acostumando-se com ele a habitar nos homens e repousar entre eles. XV. (. Nos Atos. diz com meridiana clareza: “Se amamos a Igreja. 16. a Igreja é uma unidade. participou das decisões do Concílio de Jerusalém: “(. uma união vital entre Deus e os homens e os homens e Deus.). (. Op. afirmava que o Espírito Santo era o companheiro inseparável de Nosso Senhor: Em primeiro lugar. Comentário ao Evangelho de São João: Médico e Alimento. XXXII. Chegando aos confins da Mísia.16 Na Igreja primitiva não foi diferente.. 28). e o autor desta comunhão é Deus mesmo.)”15. para familiarizar-se a habitar neles. 39 14 . Destarte. 16 BÁSILIO MAGNO. Cit. toda a Trindade habita em nós. ao nos tornar partícipes do enlace indizível do amor trinitário.

De modo que hoje o Cristo total é: Nosso Senhor. uma vez que Cristo significa ungido. só somos cristãos na medida em que somos ungidos. Aliás. e onde está o Espírito de Deus ali está a Igreja e toda a graça”17.. É a mesma Unção. Sua Igreja. 27). Seus membros. temos que compreender que a Igreja é um prolongamento de Cristo. a promessa desta assistência perene é do próprio Senhor: Ele (i. São inseparáveis! Por isso.. 1. 24. partícipe da Sua Unção. porque todos somos ungidos (quia omnes ungimur). II. 29). e nós. aí está o Espírito de Deus. Como o foi de Nosso Senhor e dos primeiros cristãos. a Igreja nascente era uma Igreja guiada pelo Espírito Santo.. E como não há outra unção senão a Unção de Cristo. só somos Igreja na medida em que temos o Espírito de Cristo. uma vez que São João no-lo afirma: “(. 2. Esta realidade mudou? Certamente não. 26. O Ungido. Celebra Santo Agostinho: Daí se vê que somos o corpo de Cristo (Christi corpus nos esse). por ela e nela o Espírito continua acostumando-se a habitar em cada homem e a repousar entre eles. Cit. De fato.) permanecerá convosco para sempre” (Jo 14.18 17 IRENEU DE LIÃO. I. de Cristo) permanece em vós” (I Jo 2. Com efeito. O Ungido total é: Nosso Senhor. v. e a Sua Igreja. De sorte que é pela e na Igreja que Deus nos dá o Espírito Santo. 16). No entanto.é. Com efeito. o Espírito Santo) “(. 2ª ed. Portanto. estar em comunhão com o Espírito é estar em comunhão com a Igreja e estar em comunhão com a Igreja é estar em comunhão com o Espírito. III.. o Espírito prossegue sendo o companheiro inseparável da Igreja pelos séculos. Conduzia cada fiel: “Disse então o Espírito a Filipe: ‘Adianta-te e aproxima-te da carruagem’”. Monjas Beneditinas. como em Cristo o Espírito Se sentiu à vontade entre os homens.é. nossa Cabeça. São Paulo: Paulus. que é o Espírito Santo. porque de certo modo o Cristo total é Cabeça e corpo (totus Christus caput et corpus est). Trad. E todos nele somos de Cristo. 2). Já no século II. Comentário aos Salmos. 18 . Em outras palavras. AGOSTINHO. Santo Ireneu afirmava sem pestanejar: “Onde está a Igreja.) a unção que recebestes dele (i. nós recebemos a Unção de Cristo. Em uma palavra.. para entendermos melhor esta estreita solidariedade entre a Igreja e o Espírito. (At 8. assim na Igreja de Cristo. o mesmo Espírito Santo que esteve em e com Nosso Senhor é o que está em nós e conosco. e somos Cristo (Christus sumus). 2005. Op.6 Autor: Sávio Laet de Barros Campos 13.. a Igreja continua sendo conduzida pelo Espírito Santo como outrora. o Espírito habita na Igreja e a Igreja habita no Espírito. Sim. De fato.

a não ser no Corpo de Cristo [non quaerant Spiritum sanctum. Entendei o que eu disse.. 11. Santo Agostinho volta-se para o seu rebanho e afirma a mesma coisa valendo-se duma analogia forte: assim como o homem resulta da união de alma e corpo. Como a edição é bilíngue. 659. pois. assim como o homem não é um espírito puro e o espírito do homem. Fora deste corpo. não é Cristão (Qui in Christo non est. Não têm. e não deixa de estar também no corpo. a ninguém vivifica o Espírito Santo [Extra hoc corpus neminem vivificat Spiritus sanctus] (. não seria mais o Corpo de Cristo. o Santo Doutor é ainda mais claro: (.. nisi in Christi corpore]. In: Obras de San Agustin Tomo XI: Cartas (2. christianus non est)”19. Quereis também viver do 19 AGOSTINHO. Trad.. Tendes espírito a que se chama alma. . v. Numa Carta endereçada a Bonifácio. é o meu corpo que vive do meu espírito. 1.). para o português. ao menos neste mundo. que é o Corpo de Cristo. Mas. 21 AGOSTINHO. Sois compostos de alma e corpo. faça-se corpo de Cristo. Trad. Neste sentido.º). 50. meus irmãos.. 1953. Só a Igreja Católica é o Corpo de Cristo [Ecclesia catholica sola corpus est Christi]. Neste sentido. Lope Cilleruelo. Carta 185. José Augusto Rodrigues Amado. Biblioteca de Autores Cristianos.7 Autor: Sávio Laet de Barros Campos Agora faz todo sentido: como pode haver Unção. Daí o Doutor de Hipona dizer noutro Sermão: “Cristo é a cabeça do corpo místico. XXVIII. se fosse possível imaginá-lo sem o Espírito de Cristo.21 Noutro Sermão. 20 Idem. senão a Igreja? Num Sermão sobre o Evangelho de São João. qui sunt extra Ecclesiam]. o Espírito de Cristo não habita a não ser na Igreja de Cristo. não pode viver senão animando um corpo humano. Comentário ao Evangelho de São João: A Ceia do Senhor. É uma analogia.. assim o Espírito Santo não age e não vivifica senão o Corpo de Cristo. assim o Corpo de Cristo. Cristo está todo na cabeça e no corpo”20. o Espírito Santo.. e um corpo sem alma não é mais um corpo e sim um cadáver. (.) não busquem o Espírito Santo. Coimbra: Gráfica de Coimbra. tendes o espírito e tendes corpo. é nossa. se diz com razão que a Igreja vive do Espírito Santo. os que estão fora da Igreja [Non habent itaque Spiritum sanctum. Mas estar em Cristo é estar na Igreja. Santo Agostinho é taxativo: “Quem não está em Cristo. 1952. que é o Corpo de Cristo.) Que responde o que vive? Sim. o mais das vezes preferimos ir direto ao original latino). (A tradução. mas diz algo do mistério: Quem quiser viver do espírito de Cristo. que estava preocupado com a influência dos hereges donatistas. LXXXI. Só o corpo de Cristo pode viver do espírito de Cristo. e é por esta que sois homens. Madrid. por outro lado. IV. p. 2. Vós sois homens. Comentário ao Evangelho de São João: Médico e Alimento. se não estamos inseridos no Corpo místico do UNGIDO? E o que é este Corpo.

.. já este não é vivificado pela vossa alma.. nenhum “fiel” pode dizer-se propriamente cristão. não é seu membro. é claro que o fato de estarmos na Igreja não nos desobriga de buscarmos estar mais unidos a Cristo e de estarmos.. “Não extingais o Espírito (. não é animado pelo seu Espírito. Esta só vivifica os membros que estão na vossa carne. Se chega a separar-se do corpo de Cristo. incorpore-se para ser vivificado. Idem. também nenhum membro separado do corpo pode ser vivificado pela alma que anima aquele corpo do qual se separou.)” (Ef 4. (. Sempre o Bispo de Hipona nos socorre. pois só se é cristão quando se participa da Unção de Nosso Senhor. pelo que ainda hoje podemos ouvir a exortação de São Paulo às igrejas: “(. . Ele fala claramente de um ter e não ter o Espírito Santo. 22 Noutro Sermão ainda.. que é o Espírito Santo. Analogamente. acredite. isto é. e viva de Deus. XXVI. Aproxime-se. porque já não faz parte da unidade do vosso corpo. mas também que quem já O tenha peça-O para tê-lO mais abundantemente. para que amemos a unidade e receemos a separação. assim.. O corpo de Cristo não pode viver senão do espírito de Cristo. Quem quer viver. XXVII. Por exemplo. se sua mão ou qualquer outro membro for separado do seu corpo.. *exceto para converter-se.23 Agora bem. Se cortais um só que seja. Corpo de Cristo: Eu digo que o vosso espírito é a vossa alma. acerca do Espírito Santo na vida dos discípulos antes de Pentecostes. o qual não anima senão a Igreja. Comentário ao Evangelho de São João: Médico e Alimento. que é a Igreja. 13. nenhum fiel pode continuar a ser vivificado pelo Espírito. O cristão nada deve recear tanto como ser separado do corpo de Cristo. se for cortado do Corpo de Cristo. 19). 6. mas não O ter como se deve.. afirma o Doutor de Hipona: 22 23 AGOSTINHO.) não entristeçais o Espírito Santo de Deus (. é importante que não só quem não O tenha peça-O para recebê-lo. tem onde viva. se não é seu membro. abundantemente. Ibidem. Podese ter o Espírito Santo. viva para Deus. O meu corpo viverá do vosso espírito? O meu corpo vive do meu espírito. e o vosso corpo vive do vosso espírito.8 Autor: Sávio Laet de Barros Campos Espírito de Cristo? Permanecei no corpo de Cristo. A bem da verdade. o Santo Doutor fala de cada membro em particular. 30).) Una-se ao corpo. Por isso. separado do Corpo de Cristo. ainda mais repletos do Espírito de Cristo. Por isso. seca. Da mesma forma que o corpo não pode viver sem a alma.)” (I Ts 5. e tem donde viva. Disse-vos isto.

E não é em vão que é prometido também ao que já o tem.html >. O Espírito é. isto é. não devemos nos despreocupar de pedir o Espírito Santo para a nossa santificação. Aos seus. Pensemos. LXXIV. 25 . a boa organização da Igreja?”26. 26 BÁSILIO MAGNO.9 Autor: Sávio Laet de Barros Campos Tinham e não tinham. que a Igreja como Corpo de Cristo é um mistério pneumático.) fomos todos batizados num só Espírito para ser um só corpo (. também a Igreja tem o seu princípio de vida: o Espírito Santo... Ao que não o tem. um corpo vivo e coeso e não um mero agregado de homens. assim a 24 AGOSTINHO. porque é o Espírito Santo quem faz a Igreja. numa medida mais restrita. deve provir do Espírito. dizia São Basílio: “E não constitui obra do Espírito. assim como na vida corporal o corpo não é movido senão pela alma pela qual vive.) Portanto.. Comentário ao Evangelho de São João: A Ceia do Senhor. De fato.corpusthomisticum. não há Igreja. Pauli ad Galatas lectura. 5. Op. Como um corpo sem alma não é mais um corpo. para que nos tornemos mais Igreja. 2. Santo Tomás expressa isso dum modo maravilhoso. Cit.. de resto.. 7. Sim. Com efeito. pois. para que estejamos mais estreitamente unidos a Cristo. e ao que o tem.24 Assim sendo. a alma da Igreja. Disponível em: < http://www. Super Epistolam B.org/cgl. 13). é o Espírito que nos torna cristãos. Acesso em: 02/12/2013. sem o Espírito Santo. (. criando em nós o hábito da caridade. é prometido para que o tenha. isto é. mas. Num texto pouco conhecido do grande público.25 Isto não quer dizer. O Espírito é a vida da Igreja. o Santo Doutor faz sugestiva analogia. lectio. que nos torna igreja e nos faz Corpo de Cristo. o Espírito Santo é prometido ao que não o tem. TOMÁS DE AQUINO. Tinham. 16. assim na vida espiritual todo movimento deve ser do Espírito Santo. de maneira evidente e sem contradição. Ora. É o Espírito Santo que torna a Igreja um Corpo. como todo corpo vivo é dotado dum princípio de vida que o anima. 40. Para ele. em absoluto. É Ele quem realiza aquela união vital que faz com que a Igreja se torne uma só pessoa mística com Cristo. faz com que a nossa vontade seja capaz de agir conforme a vontade de Deus. é prometido para que o tenha mais abundantemente. agora. como se Ele próprio agisse em nós como em robôs. Como um corpo sem alma é morto. diz-nos São Paulo: “(. todo ato de cada fiel deve ser feito sob a moção do Espírito. cap. que o Espírito Santo tire a liberdade de nossos atos. (A tradução é nossa).. assim a Igreja sem o Espírito Santo seria morta. Não o tinham na medida em que haviam de ter. aquele que havia de lhes ser dado numa medida maior. consagrada pela Tradição: De fato. mas sim um cadáver.)” (I Cor 12.

VIII. Santo Agostinho é claríssimo: O que a alma é para o corpo humano. A alma que vivifica este corpo é o Espírito Santo (Anima quae hoc corpus vivificat. Trad. para o português. São Paulo: Edições Loyola. vicejar e pungir. 735. est spiritus sanctus).Marie Roguet et al. no Corpo Místico de Cristo. p. que vivifica e une invisivelmente a Igreja (qui invisibiliter Ecclesiam vivificat et unit). seria uma igreja cadavérica. Trad. 28 TOMÁS DE AQUINO. o amor (Rm 5. Sermón 267. há uma espécie de casamento. como não há propriamente corpo humano sem alma. Exposição Sobre o Credo. Madrid. 5). Pio de Luis. Aimom.. 73. Assim também a Igreja Católica é um só corpo com muitos membros.) o amante e o que é amado fazem um 27 AGOSTINHO. E o amor nos une. 10.29 Sim.28 A propósito.27 Santo Tomás não é menos claro: Observamos que em cada homem há uma só alma e um só corpo.. Suma Teológica.10 Autor: Sávio Laet de Barros Campos igreja. senão uma certa vida que enlaça dois seres (. o Espírito é para o Corpo de Cristo. quod agit anima in omnibus membris unius corporis). (A tradução. hoc est Spiritus Sanctus corpori Christi. o Espírito Santo faz as vezes do coração: Assim o Espírito Santo. Biblioteca de Autores Cristianos. no qual dois se tornam um. In: Obras Completas de Sant Agustin: Sermones (4º) (184. o Espírito Santo é o coração da Igreja. 1983. que é a Igreja (Quod autem est anima corpori hominis. 2001. 1. p. Como a edição é bilíngue. Com efeito.. São Paulo: Loyola. Volvemos a uma passagem já citada do Bispo de Hipona: “O que é.. . O Espírito Santo faz em toda a Igreja o que a alma faz em todos os membros de um só corpo (hoc agit Spiritus Sanctus in tota Ecclesia. é comparado ao coração (cordi comparatur Spiritus Sanctus)”. quod est Ecclesia). preferimos ir direto ao original latino). sem o Espírito Santo. 1997. o amor. III. portanto. Na verdade. Querendo expressar que é o Espírito quem torna a Igreja um corpo vivo. 4ª ed. 30 AGOSTINHO. ad 3.)”?30 Noutra passagem da mesma obra. que a faz palpitar. sem que cada qual deixe de ser o que é. em todo amor. 29 TOMÁS DE AQUINO. Mas o Espírito derrama em nossos corações a caridade. 14. 8. é nossa. A Trindade.272 B). melhor seria dizer: não há Igreja sem o Espírito. 4. o Doutor Comum vai mais longe. mas muitos membros. afirma que. se há amor. ratifica: “(.

para serem uma só carne.33 Percebamos que a Igreja nasce de Cristo totalmente despojado.) Adão dorme para se formar Eva. os primeiros cristãos “(. na Primeira Epístola aos Coríntios. Comentário ao Evangelho de São João: O Verbo de Deus. como indissolúvel é a união de Cristo e a Igreja. tornou-se uma só carne com ele (Gn 2. 44) e eram “(. 2ª ed. que o matrimônio é um sacramento indissolúvel.) aquele que se une ao Senhor. VIII. o seu lado é aberto pela lança.. que. 34). ao falar do matrimônio. É grande este mistério: refiro-me à relação entre Cristo e sua Igreja.. e serão ambos uma só carne. o Apóstolo explica aos de Éfeso: “Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe e se ligará à sua mulher. AGOSTINHO. Trad. São Paulo afirma: “(. Eva é formada do lado de Adão. unindo-se a Adão. a Igreja surge justamente deste enlace vital e amoroso de Cristo com os seus. Foi do lado de Cristo que dormia.) unânimes (. Ibidem.) o último Adão (. 2. havia de nascer do lado de Cristo que dormia.)” (At 2.” (Ef 5. mas sem que um deixe de ser Deus e outro deixe de ser criatura. iluminada pelo Espírito Santo.. 46) 31 Idem. o Apóstolo fala de Cristo como sendo “(. Santo Agostinho propõe a analogia com meridiana clareza: Cristo uniu-se à Igreja. que manaram os sacramentos da Igreja.. concluiu. depois da morte de Cristo. De fato.. IX.. por sua comunhão com Cristo. aquela união que acontece entre Cristo e a Igreja. Cristo morre para se formar a Igreja. 24). do seu lado aberto pela lança.. Ibidem. nasce da água regeneradora do Batismo e da Eucaristia. símbolos dos sacramentos. A Tradição.. ao refletir que Eva fora feita a partir da costela de Adão adormecido (Gn 2. 21-22) e que. De fato. (. A Igreja nasce de Cristo e nasce sacramental. fazendo deles uma só pessoa mística. IX..11 Autor: Sávio Laet de Barros Campos só”31. 33 Idem. a qual nasceu do lado aberto de Cristo adormecido na Cruz. brotando daí os sacramentos com que é formada a Igreja. constitui com ele um só espírito” (Co 6. a nova Eva não poderia ser outra senão a Igreja. 31-32).32 A Igreja havia de sair de Cristo enquanto dormia na cruz. este enlace de amor estende-se aos membros entre si do Corpo de Cristo. José Augusto Rodrigues Amado. 2. é precisamente por realizar. Coimbra: Gráfica de Coimbra.. sendo Cristo o “novo Adão”. 17). do lado aberto de Cristo. 32 . Ora. 45). Assim.)” (At 2.. a Igreja nasce quando...)” (I Cor 15..) punham tudo em comum (. de algum modo. jorram sangue e água (Jo 19. E. 1954.. XV. enquanto este dormia.. A Igreja nasce dum coração aberto! Mas não é só com o Senhor que nos enlaçamos. Esta imagem é reforçada quando. 10.

Quem é o ladrão? Quem tira aquilo que é de outro. mas livremente acontecia: o que é meu é seu também. não reveste quem está nu merecerá outro nome? O pão que tu reténs pertence ao faminto. Qual riqueza prefeririam? O Reino dos Céus ou os bens temporais? (Mt 13. 24)? Perguntava à assembleia: quem são vocês? Aqueles que. Com efeito. 32). tu que fazes tua a propriedade que recebeste para administrar? Quem espolia alguém que está vestido é tido como ladrão. Homilia do Evangelho Segundo Lucas. por um enlace de amor.” (At 4. o santo Bispo desejava que os seus descobrissem onde estava o coração deles. Não és avaro? Não és ladrão.34 São João Crisóstomo.) pois onde está teu tesouro aí estará também teu coração” (Mt 6. ou aqueles que preferem ficar com as pérolas deste mundo.. ou odiará a um e amará o outro. mas espontaneamente é um meu que passa a ser seu também. não deixava de dizer ao seu rebanho: Por que tu és rico e aquele é pobre? Certamente para que tu pudesses receber a recompensa da bondade da fiel administração e aquele pudesse conseguir o magnífico prêmio da paciência. Isso é ser Igreja e isso provém da caridade. (. São Paulo: Paulus. . podendo fazê-lo.. por um enlace de amor. Bispo de Constantinopla no século IV e início do V. São Basílio. vendem todos os demais bens. 45-46) Na verdade. a verdadeira pérola. Não deixa de ser meu.. 32). 44) Quem são vocês? O negociante que vende todas as pérolas finas para ficar com o Reino. mas é seu também. ou se 34 BASÍLIO MAGNO. Trad. ou aqueles que preferem ficar com tudo. antes. Não havia paupérrimos entre eles: “Não havia entre eles necessitado algum” (At 4. reconhecendo na riqueza um bem e na pobreza também. e quem. 7. 34).) Quem é o avarento? Aquele que não se contenta com aquilo que lhe é suficiente. exortava os seus a se decidirem. no século IV. o poder. encontrando o tesouro do Reino num campo somente. Despojado de “ideologias”. “Ninguém considerava exclusivamente seu o que possuía. Monjas Beneditinas. os sapatos que apodrecem em tua casa pertencem ao descalço. o dinheiro que tens enterrado é do necessitado. Estava o coração daquela assembleia em Deus ou no Dinheiro? Aos dois não pode servir! Diz o próprio Senhor: “Ninguém pode servir a dois senhores. a saber. Portanto. não é um meu que deixa de ser meu e passa a ser seu. Iranildo B. dom de Deus. as honras? (Mt 13. mas tudo entre eles era comum. a fama. E não se tratava dum “comunismo”. “A multidão dos que haviam crido era um só coração e uma só alma” (At 4. 21). o manto que guardas no armário é de quem está nu. Lopes. Rev. Bispo de Cesaréia. “(. mas não com o Reino? (Mt 13. o dinheiro.12 Autor: Sávio Laet de Barros Campos em tudo quanto faziam. porque não havia um martelo ou uma foice abolindo a “propriedade privada”.. 1999.

em ambas as vidas usufruiremos de grande opulência. Pois se as conservarmos na terra.). etc. Não podeis servir a Deus e ao Dinheiro. a saber. “(. a doença. ou somos liberais. isto é. “(. Afirma Crisóstomo: Menosprezemos [prezemos menos]. se acumularmos.. 20)... contanto que não as guardemos aqui na terra. assim como quando entramos num país temos que fazer a conversão do nosso dinheiro para a moeda daquele país. 33).” (Mt 6.. a ferrugem.. dissemine para acumular. por assim dizer. para o Céu. Só Ele nos promete o 35 JOÃO CRISÓSTOMO. se optarmos pela usura. Iranildo Bezerra Lopes.) que ajunta tesouros para si mesmo. cultivemos o campo celeste. são. 40). 142. devem converter-se em boas obras para com os irmãos.. desprezemo-las para consegui-las.. Do contrário. a fim de colhermos com abundância e conseguirmos os bens eternos. dá a Deus! É como se a ajuda que déssemos ao necessitado fosse uma de espécie de “transferência” dos nossos bens a Deus. Quem. Trad.)” (Lc 12.)” (Mt 6. dom de Deus. daquele “(.. As riquezas. as riquezas terrenas devem ser convertidas em riquezas celestes. “tesouros válidos” no Céu! Só desta forma as riquezas poderão santificar-nos para o Céu: “Fazei bolsas que não fiquem velhas. um tesouro inesgotável nos céus (. (. Aliás. analogamente. Gaste para coligir. devem ser como que transportadas.. Mosteiro de Maria Mãe do Cristo.) onde a traça e o caruncho corroem e onde os ladrões arrombam e roubam (. Homilias sobre a Carta aos Romanos. Para o Santo Bispo. só nos restará a sorte do insensato.. De sorte que só as obras feitas com este amor. que a caridade é amor sobrenatural. E é impressionante como ele usa uma imagem muito simples: aquele que empresta ao pobre.13 Autor: Sávio Laet de Barros Campos apegará ao primeiro e desprezará o segundo. podemos confiar os nossos bens. pelas boas obras de caridade. quer enriquecer. que. as riquezas para não sermos desamparados por Cristo.35 O Bispo de Constantinopla está certo de que. a mim o fizestes” (Mt 25. portanto. p. dom de Deus. e não é rico para Deus” (Lc 12.. nem o caruncho corroem e os ladrões não arrombam nem roubam (. São Paulo: Paulus. empobreça a fim de se tornar rico.. Nosso Senhor mesmo no-lo afirma: “Cada vez que o fizestes a um desses meus irmãos mais pequeninos. *Claro está. (Os colchetes são nossos). ou algo ou alguém vai dilapidar as nossas “riquezas temporais”: as traças. 19). portanto..) Semeemos também nós. *pela graça. pela graça e amor aos homens (. 20). .)” (Mt 6. e as obras de caridade são as obras feitas por amor a Deus e aos irmãos. para usar uma figura familiar a nós. as riquezas são um bem. portanto. 2010. São João Crisóstomo pensava.) onde nem a traça.. 7ª Homilia. os herdeiros. certamente as perderemos na terra e no céu. Rev.. para que sejam um bem. Deus é o único a quem.. com segurança. Se as distribuirmos liberalmente. 24).

É mister dizermos isso. p. ou o ladrão. para que não o arrebate o fraudulento. Sem estarmos nEle. a morte.36 Observemos que a peleja entre Deus e o Dinheiro dá-se em nosso próprio coração! É aí onde tudo se decide. Cit. não o conservas com segurança. (Os colchetes e o asterisco são nossos). nela somos enxertados pelo Batismo (Rm 6). nossa Cabeça. Tem. através dos pobres. 18]). nós. nem ter compaixão. além disso. Na verdade. E há mais. todo bem praticado em Cristo pelos séculos. vale dizer. a fim de não nos esquecermos de que a fonte de todos os nossos méritos é Cristo. . porquanto formamos um só Corpo místico. diz ele [i. quando dizemos da nossa comunhão uns com os outros. A caridade causa uma circulação de vida entre os membros de Cristo. 18). Op. De modo que não só a paixão e os méritos da vida de Nosso Senhor. Sendo assim. Está claro que a condição de estarmos inseridos nesta circulação de vida é estarmos em Cristo. 5).14 Autor: Sávio Laet de Barros Campos cêntuplo e a vida eterna (Mc 10. Ora. reservar-te-ei tudo cuidadosamente e em tempo oportuno restituí-lo-ei com muitos juros. os Seus ramos. nada podeis fazer” (Jo 15. Ela é a Videira. sobretudo. Agora bem. Enquanto o retiveres. Deus]. Não o aceito para tirálo. à sua disposição. ou o diabo. une o passado ao presente. mas para aumentá-lo e guardá-lo com garantia e reservá-lo para aquele tempo em que não haverá quem possa emprestar. quem participa do Corpo de Cristo pela caridade. Ela irriga o Corpo de Cristo como o sangue o nosso corpo. espiritualmente. pois “Que possuis que não tenhas recebido?” (I Co 4.é. ou por fim. estar em Cristo é estar na Igreja de Cristo (“Ecclesiam mea”= “A minha Igreja) [Mt 16. o Santo Bispo ainda diz: Dá ao pobre. a caridade une o Céu e a terra. nada podemos fazer: “sem mim.. Assim. Sobre o tesouro. Santo Tomás comenta belamente acerca da comunhão dos santos: 36 Idem. O amor nos une. Aliás. 137. Mas a comunhão dos santos não se encerra apenas nos bens temporais. A caridade distribui de forma proporcional: os méritos da Igreja triunfante são comunicados à militante. *o transmitires a mim. naquele Corpo que tem Cristo por Cabeça (Cl 1. porém. tem a seu proveito todo o bem praticado no mundo inteiro sob a graça de Cristo. se. 30) se deixarmos tudo. mas também os méritos uns dos outros – participação nos méritos de Cristo. não nos referimos apenas aos que vivem em nosso tempo e espaço. o enlace da caridade faz com que os méritos dos santos de todos os tempos sejam postos em nosso benefício. 7) – são comunicados uns aos outros.

. O que também de bom fizeram todos os Santos. que exortava os seus: “Amai a Cristo. pp. pela caridade comunica-se aos que aqui vivem. pois nele também sois amados por mim” 38. XIII. 82 e 83. Por isso.. Comentário ao Evangelho de João: O Verbo de Deus.15 Autor: Sávio Laet de Barros Campos Devemos saber que não apenas a paixão de Cristo nos é comunicada. 17. AGOSTINHO. e amai-me nele. o mérito de Cristo que se comunica a todos..). Por meio dessa comunicação conseguimos dois efeitos: primeiro.37 Santo Agostinho prezava tanto este comungar da mesma seiva que é Cristo. 37 38 TOMÁS DE AQUINO. depois. quem vive na caridade participa de todo bem que se faz no mundo. mas também o mérito da sua vida. porque todos são um (. o bem de um se comunica ao outro. Exposição Sobre o Credo.

1952. São Paulo: Paulus. Dalbosco. Iranildo Bezerra Lopes. Trad. Tratado Sobre o Espírito Santo. 2ª ed. _____. _____. Dalbosco. Nair de Assis Oliveira. Contra as Heresias. Lope Cilleruelo. Trad. 1999. IV. Coimbra: Gráfica de Coimbra. In: Obras de San Agustin Tomo XI: Cartas (2. IRENEU DE LIÃO. II. Trad. Carta 185. H.16 Autor: Sávio Laet de Barros Campos BIBLIOGRAFIA AGOSTINHO. v. Comentário ao Evangelho de São João: Médico e Alimento. Coimbra: Gráfica de Coimbra. 1954.º). Monjas Beneditinas. Trad. Trad. 1983. Madrid. I. Comentário aos Salmos. Madrid. Trad. 1953. 1995. 2ª ed. v. São Paulo: Paulus. _____. Rio de Janeiro: Editora Vozes. Rev. Frederico Vier. São Paulo: Paulus. 2010. JOÃO CRISÓSTOMO. Lopes. José Augusto Rodrigues Amado. _____. 2ª ed. 2ª ed. Trad. Monjas Beneditinas. In: Obras Completas de Sant Agustin: Sermones (4º) (184. Coimbra: Gráfica de Coimbra. v. _____. _____. Rev. 2ª ed. I. Biblioteca de Autores Cristianos. A Trindade. 1954. José Augusto Amado. Monjas Beneditinas. Trad.272 B). Honório Dalbosco. Rev. Lopes. Comentário ao Evangelho de São João: A Ceia do Senhor. Homilia do Evangelho Segundo Lucas. Trad. Rev. Trad. 2ª ed. Sermón 267. Trad. 1999. v. Biblioteca de Autores Cristianos. Homilias sobre a Carta aos Romanos. Comentário ao Evangelho de João: O Verbo de Deus. . São Paulo: Paulus. 2004. Trad. Lourenço Costa. 2005. H. CIRILO DE JERUSALÉM. BÁSILIO MAGNO. Rev. Catequeses Mistagógicas. São Paulo: Paulus. José Augusto Rodrigues Amado. 1995. Iranildo B. _____. Mosteiro de Maria Mãe do Cristo. Iranildo B. Pio de Luis. Rev. São Paulo: Paulus.

Acesso em: 02/12/2013. Primeiro Livro a Autólico. São Paulo: Loyola. Trad. _____. Suma Teológica. 2001. 2004. Aimom. TEÓFILO DE ANTIOQUIA. Odilão Moura. Pauli ad Galatas lectura. Orlando Reis. Rev. < . São Paulo: Edições Loyola.Marie Roguet et al. 1997.corpusthomisticum. Exposição sobre o Credo. 1995. Trad. Contra Celso. em: _____. 4ª ed. Disponível http://www. Trad.17 Autor: Sávio Laet de Barros Campos ORÍGENES. Ivo Storniolo e Euclides M. Honório Dalbosco.org/cgl. TOMÁS DE AQUINO. 2ª ed.html >. São Paulo: Paulus. São Paulo: Paulus. Super Epistolam B. Trad. Balancin.

��������������������������������������������������������������������������� ��������������������������������������������������������������������������������� ����������������������������������������������������� .