Memorial Descritivo e de Cálculo do Sistema Predial de

Água Fria
Objetivo: Escola internato
Tipo: Instalação de água fria
Local do Projeto: Avenida "E" esquina com rua 4; q-25; conj. res. meu orgulho Manaus/AM
Proprietário: Fabio Leandro, Rafaela Teles e Samantha Coelho
Contratante: Jacqueline Rocha

1. OBJETIVO
O presente memorial é parte integrante do projeto de instalações
sanitárias e tem como objetivo descrever o sistema de água fria e a
memória de cálculo do sistema, da obra de construção da Área
Habitacional AH-1. O mesmo deve ser lido em conjunto com as plantas
gráficas.
2. DESCRIÇÃO DOS AMBIENTES SANITÁRIOS
A área habitacional é formada por 9 blocos com dois pavimentos cada. A
quantidade de apartamentos por bloco é variada. Cada apartamento tem
como ambiente sanitário:
- um banheiro com 1 chuveiro, 1 vaso sanitário e 1 lavatório;
- uma cozinha com 1 pia de uma cuba;
- uma área de serviço com 1 tanque;
3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS
a) Todas as tubulações da instalação de água fria estão dimensionadas para
funcionar como condutos forçados, definindo-se, para cada trecho, os
parâmetros hidráulicos do escoamento;
b) Na determinação das vazões máximas para o dimensionamento dos diversos
trechos da rede de água fria durante o seu uso normal, será adotada a vazão
de consumo máximo possível, conforme memorial e cálculo;
c) As ligações das tubulações aos reservatórios serão feitas por meio de
flanges;
d) As tubulações deverão ter suas extremidades vedadas com plugs a serem
removidos na ligação final dos aparelhos sanitários;

g) As tubulações que porventura tenham que atravessar peças em concreto deverão ser feitas em orifício que permita seu transpasse com folga. i) Não será admitido. 4. os memoriais e as especificações técnicas. Esta possui registro que será aberto somente quando da limpeza do reservatório. O acesso até o mesmo para manutenção e limpeza se fará por meio de escada tipo marinheiro. locada conforme projeto gráfico.50 metros do piso acabado e será . DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE ÁGUA FRIA 4. Esta tubulação está conectada à tubulação de limpeza e. caso haja.e) Deverá ser assegurada a utilização de tubos e conexões do mesmo fabricante. Portanto. Não será permitida a utilização de tubos de um fabricante e conexões de outro ou vice-versa. Todos os desvios se farão por meio de conexões. portanto.1 Alimentação de água potável A alimentação de água potável da edificação se dará por meio e ligação com a rede da concessionária. j) Todo este projeto está baseado na NBR 5626/98 da ABNT e deve ser executado conforme as plantas gráficas.2 Reservatório Os reservatórios serão pré-fabricados em fibra de vidro com volume útil de 750L. para sua posterior instalação. toda água excedente. f) As tubulações aéreas serão sempre fixadas na estrutura da cobertura por meio de braçadeiras ou suportes metálicos com acabamento galvanizado. h) Todos os tubos e conexões serão em PVC soldável. A limpeza se fará por meio de tubulação de limpeza instalada na parte inferior do reservatório. terá sua extremidade de ligação com o reservatório locada a 3cm acima da entrada de água. responsável pela instalação do hidrômetro e sua caixa de proteção. conforme padrão da Manaus Ambiental. Cada apartamento terá um reservatório individual. A limpeza do mesmo deverá ser feita uma vez ao ano. ou ladrão. quando da concretagem. Cada apartamento terá ligação independente com seu respectivo hidrômetro. ficando a construtora. será conduzida por esta tubulação até 0. A tubulação de extravasão. O controle da entrada de água no reservatório se dará por meio de bóia flutuante a fim de evitar o transbordamento e desperdício e água potável. o aquecimento de tubos. deverá ser colocado um pedaço de tubo de diâmetro imediatamente superior ao que deverá atravessar a peça. em hipótese alguma. 4. a medição será individualizada. Os hidrômetros encontram-se na área externa do pavimento térreo de cada bloco.

2 e k2=1. tendo sido adotados 750L. respectivamente. 0. 5. portanto. 5.5. onde estão os pontos e consumo e cada aparelho. A vazão média geral da área residencial.0m/s. as vazões máximas diária e horária são. a vazão requerida para abastecimento do reservatório é de 0. uma vez que o consumo na madrugada é baixíssimo. 4.55L/s e 0. Portanto. Para as vazões máximas diárias e horárias. é dada por: 176hab x 150 L/hab/dia / (16h x 3600s) = 0.descarregada em uma caixa ligada à rede predial de drenagem e águas pluviais. para dar margem de segurança. A tubulação de entrada. de onde iniciam-se os ramais que conduzem a água até os sub-ramais. MEMORIAL DE CÁLCULO 5. A pressão requerida para abastecimento do reservatório é de 7. com um consume per capita de 150L/hab/dia.1 Consumo e reservação Para o cálculo do volume do reservatório consideraram-se moradores por apartamento. A tabela abaixo mostra os diâmetros mínimos em função da vazão e da velocidade. para uma velocidade máxima de 3.2 Vazão e diâmetro de entrada Na estimativa da vazão de entrada dividiu-se o consumo diário pelas horas do dia. 5. é estimada em 20mm. considerando-se o consumo das 6h da manhã até as 22h. para aviso de que a bóia não está funcionando e precisa ser trocada.0069L/s. foram utilizados os coeficientes k1=1.68L/s. conforme NP125 da Manaus Ambiental. tendo sido adotado 25mm.3 Distribuição A distribuição de água potável até o apartamento alimentado se dará por meio de coluna única.c. Portanto.458L/s. o que resulta em um volume de 600L por reservatório.30 m. conforme recomendação da referida NBR 5626/98. .a após o cavalete de medição.3 Dimensionamento dos ramais e colunas A determinação dos diâmetros foi considerada para que a velocidade não excedesse a 3m/s.

em litros por segundo. das peças e do diâmetro adotado. Os cálculos das perdas de carga foram feitos a partir das vazões. 5.4 Determinação das pressões Para determinação das pressões nos pontos de consumo são necessários o conhecimento das alturas dos pontos em relação ao barrilete de saída o reservatório.1 da referida Norma. No cálculo da vazão provável utilizou-se a fórmula: onde: Q é a vazão estimada na seção considerada. ΣP é a soma dos pesos relativos de todas as peças de utilização alimentadas pela tubulação considerada. conforme a tabela A. e das perdas de carga em cada trecho de tubulação. Utilizou-se a fórmula da norma NBR 5626:1998 para .Para a determinação dos diâmetros considerou-se como vazão de projeto a máxima provável em cada trecho de acordo com as vazões de cada aparelho alimentado. A tabela abaixo mostra a determinação dos diâmetros de cada trecho do apartamento. determinados no projeto gráfico.

A fórmula utilizada para a perda de carga unitária foi: J = 8. Este ponto é o do chuveiro do apartamento superior por apresentar menor diferença de nível entre este ponto e a saída do reservatório. A perda de carga total foi calculada multiplicando a perda de carga unitária pelo comprimento do trecho considerado.75 x d . verificando se a tubulação adotada atende o sistema.a.a. foi calculada subtraindo a perda de carga total da pressão disponível a montante.69 x 105 x Q1. Segundo a NBR 5626/98.c. A tabela abaixo mostra os cálculos da pressão no ponto de consumo mais desfavorável. a pressão pode ser menor que 0.5 m. e em nenhum trecho.0 m.4.determinação das perdas de cargas unitárias (J m/m).c. para chuveiros a pressão dinâmica mínima é de 1.75 Onde: J – perda de carga unitária em m/m Q – vazão em L/s d – diâmetro interno do tubo em mm No cálculo da perda de carga localizada. A pressão a jusante. foram usados os diâmetros equivalentes da tabela abaixo. A tabela abaixo mostra os cálculos para verificação das pressões neste chuveiro. .

a. portanto.02 m. .Pressão disponível no chuveiro do pavimento superior de 1.c. atendendo à Norma.