You are on page 1of 3

Como Organizar uma Assembléia

:
A assembléia como mecanismo de deliberação de democracia direta propicia um amplo
espaço de participação, onde todos têm o direito de fala. Como tal, em um movimento onde
queremos uma discussão clara, é necessário acordos definidos para o seu funcionamento.
A assembléia deve ser um espaço dinâmico para deliberações, não podendo se prolongar
demais, gerando assim um esvaziamento por conta de sua duração excessivamente longa.
Quando houver um número muito grande de pessoas, se torna ainda mais necessário que a
assembléia tenha um teto de duração onde os participantes se esforcem para segui-lo para
ampliar o espaço de fala para todos. É importante também que façam inscrições de pessoas que
desejam falar e cronometragem destas falas (geralmente em 3 minutos, variando de acordo a
necessidade).
É importante também zelar por um tempo de fala equânime para todos/as de modo a
não interromper as falas dos membros e expor as argumentações em termos políticos de modo
a não dar margem a ataques pessoais.
Definição de pauta e eleição de mesário.
Para que o processo de decisão seja democrático é necessário que se defina antes da
assembléia acontecer as pautas a serem discutidas. Assim como deve ser eleito previamente o/a
mesário/a que irá coordenar o processo de inscrição de falas.
Estes são pontos essenciais principalmente tratando-se de uma assembléia de delegações
onde núcleos levam suas posições, é necessário que estes núcleos tenham tempo prévio para
amadurecer o debate.
Também é necessária a definição de um/uma relator/a para registrar a assembléia e de
um/a cronometrista para contar o tempo de fala garantindo a fala de todos.
O processo de deliberação:
A democracia direta pressupõe uma ampla participação e debate das bases estudantis
para tomar uma decisão coletiva, ou seja, da maioria dos estudantes. Neste sentido o voto é um
instrumento efetivo da democracia direta, na medida em que as divergências devem ser
observadas: quando não se chega a um consenso, vota-se e acata-se a opinião da maioria
(maioria simples, mais de 50%) de modo a registrar a da minoria em ata para futura avaliação
(no caso da reavaliação de tática ou estratégia).
Vale ressaltar que sempre a pauta deliberada tem validade para todos/as de modo a
constituir a unidade na ação do movimento. É necessário saber respeitar a decisão da maioria e
seguir as deliberações com responsabilidade coletiva. (Cada um deve ser responsável pelo
acordo coletivo).
Ao fim da Assembléia Geral, as deliberações devem ser lidas a todos para que não aja
confusões e desentendimentos futuros.
(trecho da cartilha de Grêmio da RECC, disponível em:
http://avanterecc.files.wordpress.com/2012/11/cartilha-gremios1.pdf )

mas isso é melhor implementado por uma espécie de programa de "aprendizes" do que pelo método do "ou nada ou afoga". ser rejeitado naquilo que se faz bem não encoraja ninguém a desenvolver habilidades. As mulheres têm sido punidas por serem competentes por toda história humana. Distribuição da autoridade entre tantas pessoas quanto possa ser razoavelmente possível. Na maior parte dos casos. O "sistema de sorteio" é uma dessas idéias que emergiram do movimento. por meios democráticos. prejudica. Escolher pessoas para uma posição porque elas são queridas pelo grupo ou lhes dar um trabalho pesado porque não são queridas. Rotação de tarefas entre as pessoas. 5. a longo prazo. elas assumem um compromisso que não pode ser facilmente ignorado. Ter uma responsabilidade maior do que se agüenta pode ser desmoralizante. Algumas técnicas tradicionais mostrar-se-ão úteis. mas é o grupo quem tem a última palavra sobre a forma como o poder é exercido. Isto não significa que devemos ir ao outro extremo e cegamente imitar as formas tradicionais de organização. Mas nós também não devemos cegamente rejeitá-las. as pessoas não têm tempo para aprender seu trabalho direito e adquirir o sentimento do trabalho bem feito. Isso impede o monopólio do poder e exige daqueles em posições de autoridade que consultem muitas outras pessoas no exercício de seu poder. Enquanto entramos nesse processo de tentativa e erro. 3. Inversamente. Alocação de tarefas segundo critérios racionais. existem alguns princípios que podemos ter em mente que são essenciais para a estruturação democrática e que são também politicamente eficazes: 1. Exigência de que aqueles a quem a autoridade foi delegada sejam responsáveis frente aqueles que os escolheram. preferencialmente após manifestarem um interesse ou vontade de fazê-la. 2. Inversamente. Delegação. passam a ser vistas como sua "propriedade" e não são facilmente substituídas ou controladas pelo grupo. interesse e responsabilidade têm de ser as principais preocupações nessa seleção. Se as pessoas são escolhidas para uma tarefa. de autoridade específica a indivíduos específicos para tarefas específicas. outras nos darão idéias sobre o que devemos fazer para obter certos fins com custos mínimos para as pessoas no movimento. devemos aceitar a idéia de que não há nada de inerentemente ruim na estrutura em si mesma — apenas no seu uso excessivo. Outras idéias para a estruturação são necessárias. o grupo e a pessoa. formalmente ou informalmente. nós teremos que experimentar com formas diferentes de estruturação e desenvolver uma variedade de técnicas para usar em situações variadas. Habilidade. O movimento não precisa repetir esse processo. Mas antes que procedamos na experimentação inteligente. ainda que imperfeitas. Também oferece a muitas pessoas a oportunidade de ter responsabilidade por tarefas específicas e dessa forma aprender habilidades específicas.Princípios da estruturação democrática A partir do momento em que o movimento não se prende mais tenazmente à ideologia da "ausência de estrutura" ele estará livre para desenvolver aquelas formas de organização que melhor se adequam ao seu funcionamento saudável. As pessoas devem ter a oportunidade de aprender habilidades que não possuem. Indivíduos podem exercer o poder. Responsabilidades que são mantidas durante muito tempo por uma mesma pessoa. Essa é a forma pela qual o grupo tem controle sobre as pessoas em posições de autoridade. 4. Deixar pessoas assumirem trabalhos ou tarefas por omissão ou negligência significa apenas que eles não serão feitos de forma segura. se a rotatividade das tarefas é muito freqüente. Ele não é aplicável a todas situações mas é útil em algumas. .

nodo50. Um membro que mantenha um monopólio sobre um recurso necessário (por exemplo. aberto e temporário. ela está envolvida num processo de formação de opinião sem a participação do grupo. Quanto mais se sabe como as coisas funcionam. Quando esses princípios são aplicados. O acesso à informação aumenta o poder. E as habilidades e informações dos membros só estarão igualmente distribuídos quando os membros quiserem ensinar o que sabem para os outros. eles asseguram que quaisquer estruturas que sejam desenvolvidas serão controladas pelo grupo e assumirão responsabilidades frente a ele.htm ) . porque as decisões definitivas serão feitas pelo grupo como um todo.6. Quando uma rede informal dissemina novas idéias e informações entre si. Informação é poder. Acesso igualitário aos recursos necessários ao grupo.org/insurgentes/textos/autonomia/21tirania. disponível em: http://www. sem passar pelo grupo. O grupo terá assim o poder de determinar quem deve exercer a autoridade dentro dele. flexível. Isto nem sempre é possível. Habilidades e informação também são recursos. Eles não estarão numa posição que facilita a institucionalização do seu poder. O grupo de pessoas em posição de autoridade será difuso. (trecho do texto “A tirania das Organizações sem estrutura”. uma gráfica ou um laboratório de revelação do marido) pode influenciar indevidamente o uso daquele recurso. Difusão de informação a todos com a maior freqüência possível. mais politicamente eficaz se é. 7. mas deve se lutar para consegui-lo.