You are on page 1of 5

POR QUE O JUÍZO?

II Ts. 1.-3-12
OBJETIVO: Apresentar a realidade do juízo de Deus como manifestação da justiça de
Deus retribuindo a cada um segundo as suas obras.
INTRODUÇÃO: Justiças e injustiças vemos noticiadas como resultados de nossos
tribunais brasileiros.
Nos entristecemos quando vemos que a justiça não foi feita e pessoas ficaram
prejudicadas.
Nos alegramos quando vemos ajustiça penalizando culpados que têm causado, mortes,
dor e perdas à indivíduos ou à nação.
CONTEXTO: Paulo escreve esta carta aos Tessalonicenses complementando assuntos
que tratara na primeira carta, sendo uma das fortes ênfases de Paulo à esta Igreja, a
doutrina das últimas coisas, pertinentes à volta do nosso Senhor Jesus Cristo.
Nesta perícope1, Paulo destaca pelo menos três temas: a) o crescente desenvolvimento
dos crentes da Tessalô0nica; b) as tribulações que os cristãos enfrentavam devido a fé
em Cristo; c) o reto juízo de Deus na manifestação da vinda de Cristo.
TRANSIÇÃO: Não negligenciando o todo da perícope, mas me atinando em especial
sobre a terceira parte, quero vos falar sobre o tema: POR QUE O JUÍZO?
I – O JUÍZO DE DEUS ALCANÇARÁ A TODOS.
1. A doutrina de um juízo de Deus espalha-se por toda a literatura bíblica, desde a
história de Noé, Sodoma e Gomorra, Egito e tantos outros fatos que ilustram o
juízo de Deus.
2. De um modo mais restrito a Escritura nos fala de um juízo que Deus executará no
limiar da história, encerrando assim esta ordem, onde o pecado paz parte da vida
humana, e iniciando a existência de dois mundos distintos:
2.1 – Um mundo sem a presença e os efeitos do pecado.
2.2 – Um mundo onde o pecado continuará a existir.
3. Ambos os mundos serão eternos em existência e natureza, de tal forma que no
primeiro o pecado jamais conseguirá se alojar; e no segundo o pecado jamais
deixará de existir.
4. No primeiro mundo seus habitantes viverão eternamente em santidade e
perfeição, o que lhes permitirá uma vida de alegrias e perfeições sem fim.
4.1 – Ap. 21. 4 ‘Ele enxugará todas as lágrimas dos olhos deles, e não haverá
mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor. Tudo isso passou para
sempre’.
1

Perícope é um termo grego que significa cortar ao redor que é usado pelos estudiosos para se referir as unidades de sentido curto de
textos da Bíblia que são geralmente maiores do que as divisões dos próprios versículos. Um perícope é normalmente o equivalente a
uma divisão de parágrafo da Bíblia Sagrada.

O que denomino de juízo de redenção se estabelece no seguinte parâmetro: 2. e uma vez pago. pois Ele está usando os sofrimentos de vocês a fim de preparálos para o Seu reino enquanto ao mesmo tempo está preparando o julgamento e o castigo para aqueles que estão afligindo vocês’. acrescido o fato de que além do próprio pecado lhes trazer sofrimento.3 – O preço seria pagar o salário do pecado (Rm.6 – É isso que Cristo faz em lugar do pecador: Ele. demonstrando a sua justiça. é preciso pagar o devido preço de resgate. e tendo-os como frontais aos olhos.5 – Só Deus poderia sofrer toda a punição da ira divina e o inferno e voltar à vida. 2. sendo Deus.5.1 – Para que alguém seja salvo da ira de Deus. demonstrou a sua justiça. 2. o indivíduo estaria quites e merecedor da salvação. devido a pecaminosa latente e patente do indivíduo. 7. cumprindo-se assim uma certa máxima teológica: ‘O pecado é punição ao pecado’. a fim de ser justo e justificador daquele que tem fé em Jesus’. quanto nos perseguidores.1 – As Escrituras nos ensinam que Deus retribuirá o esforço e a obediência de seu povo. O Juízo de Deus sobre os salvos tem dois aspectos que não se pode perder de vista. II – O JUÍZO DE DEUS SOBRE OS SALVOS. sofre a morte e o inferno que caberiam ao pecador. se a pena é de morte eterna? 2. 2.26 ‘Sendo justificados gratuitamente por sua graça. 1.1 – II Ts. . pelo seu sangue.2 – Juízo de Remuneração.. Deus o ofereceu como sacrifício para propiciação mediante a fé.2 – O preço do pecado é a morte eterna. Neste texto aos tessalonicenses. são-nos de grande consolo e ânimo. 2.1 – Juízo de Redenção. pagando o seu resgate. 1.7 – Rm. experimentarão também a ira do eterno e bendito Deus. 2. No segundo mundo viverão eternamente em degenerações e corrupções sem fim. 6. apresentando aqui dois grupos distintos: Tanto salvos quanto não salvos serão julgados. que já estavam sofrendo as perseguições por causa do Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.4 – Mas como pagar. 3. 2. por meio da redenção que há em Cristo Jesus.23). 1. 3.5-6 ‘Isto é apenas um exemplo do modo justo e correto como Deus faz as coisas. O que denomino de juízo de remuneração se dá da seguinte forma: 3. 7. no presente. 6.. Paulo lhes esclarece que o reto juízo de Deus será executado tanto nos perseguidos. o apóstolo Paulo lhes escreve para trazer consolo em meio a tais sofrimentos. onde o pecado será qual câncer a lhes provocar os mais terríveis sofrimentos. 1. mas.

2. Neste texto Paulo sinaliza que Deus trará um tempo de descanso aos que foram convertidos ao Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. descendo do céu em fogo ardente.3 – Explicitamente Paulo afirma que pessoas estarão fora da salvação do último dia. 3.. 4.7 ‘E. como o afrouxamento de um fio esticado.’. 2. 2. pois não é esta a base da salvação de qualquer pessoa.4 – Cada salvo no último dia receberá galardões.4 – O juízo de rejeição se estabelece num único fato. 4. o Senhor Jesus: ‘Quem nele crê não é condenado.3.6-7 ‘Deus retribuirá a cada um conforme o seu procedimento.2 – Juízo de Retribuição. honra e imortalidade’. 1. portanto eu quero dizer a vocês que estão sofrendo: Deus lhes dará alívio juntamente conosco quando o Senhor Jesus aparecer subitamente. que são recompensas pela obediência e santidade de seus filhos. declarado na sentença do próprio Juíz. 6. 2. III – O JUÍZO DE DEUS SOBRE OS PERDIDOS.2 – Enquanto o juízo de redenção é de graça e pela graça. e foram reprovados. embora não seja este o enfoque principal do texto.5 – II Co.. 3. ou critério de avaliação de Deus. entra para o gozo de teu Senhor. 1. 5. mas quem . 2. com seus poderosos anjos’.. 4. diante dele. O Juízo de Deus sobre os perdidos tem dois aspectos que precisam ser considerados à luz das Escrituras.2 – A palavra grega anesin (descanso. 1. mas também declara que estes tais passaram pelo juízo. buscam glória.2 – A rejeição de alguém à vida eterna reside no simples fato de ser um pecador que não se quebrantou diante do convite da graça de Deus mediante o Evangelho de Cristo Jesus.. O que denomino de juízo de rejeição se estabelece no seguinte parâmetro: 2. alívio) significa ‘liberdade de restrições e tensões’. 1.1 – Juízo de Rejeição. Cada um de nós receberá o que merecer pelas coisas boas ou más que tiver feito neste corpo terreno’. 3. pois a não salvação de qualquer pessoa não se limita às suas obras. o juízo de retribuição é concernente às obras de cada um. boas ou más.10 (BV) ‘Porque todos nós teremos de comparecer diante de Cristo para sermos julgados e termos as nossas vidas desnudadas.1 – O juízo de Deus neste caso não visa mensurar deméritos que desqualifiquem o indivíduo à salvação.3 – Rm. Ele dará vida eterna aos que. 5.1 – II Ts. persistindo em fazer o bem. O juízo de Deus aos salvos destina-se a remunerá-los com o descanso da casa paterna: ‘. O juízo de Deus neste caso não visa mensurar merecimentos que qualifiquem o indivíduo à salvação. mas tão somente o amor e presente gracioso de Deus em Cristo Jesus.

3. mas separação eterna da presença. d) O que temos nas Escrituras não é ‘aniquilamento’. 3. 3.1 – O juízo de retribuição não se limita apenas em não estarem eternamente na nova terra prometida pelo Senhor aos que nele crêem.8-9 (BV) ‘Trazendo o julgamento sobre aqueles que não querem conhecer a Deus.9 (ARA) ‘banidos da face do Senhor’. a) O rico estava no inferno.9). d) O rico tinha consciência da sua condição.9 (NVI) ‘Eles sofrerão a pena de destruição eterna. O que denomino de juízo de retribuição se dá da seguinte forma: 3. trata-se da separação para longe da fonte de bênçãos. Eles serão castigados num inferno perene. 2. mas ‘perdição eterna’. expulsos para sempre da face do Senhor. a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder’.2 – A asseveração paulina é contundente e enfática neste texto. a) II Ts. e) Não há aqui qualquer indício de aniquilamento. e significa o estrago de algo.5 – II Ts.não crê já está condenado.4 – Ilustra-se aqui com a narrativa de Jesus Cristo sobre o rico e Lázaro. Haverá tribulação e angústia para todo ser humano que pratica o mal: primeiro para o judeu. .6-7 ‘Mas haverá ira e indignação para os que são egoístas. 3. por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus’ (Jo. c) ‘Destruição eterna’ não é aniquilamento. N. para não verem jamais a glória de seu poder’. f) II Ts. 3. no original grego é olethros. 1. depois para o grego’. a fim de que não possa exercer suas funções ou propósitos originalmente tencionados.6 – Rm. para não verem jamais a glória de seu poder’. de experimentarem o furor da ira de Deus. b) Na ARA a tradução traz ‘tomando vingança’ demonstra a atividade de Deus em aplicar o juízo como vingador que é sobre o pecado e a obediência humana. 1. 1. 1. b) O termo destruição. expulsos para sempre da face do Senhor. b) O rico estava em tormentos. e que se recusam a aceitar o seu plano de salvá-los por meio de nosso Senhor Jesus Cristo’. c) Fica claro quem são as pessoas objeto da vingança de Deus: ‘aqueles que não querem conhecer a Deus. e apesar disto.18). e que se recusam a aceitar o seu plano de salvá-los por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. vaticinando o juízo de Deus de forma ativa contra os réprobos. c) O rico estava separado de Deus.9 (BV) ‘Eles serão castigados num inferno perene. mas também. 3. que rejeitam a verdade e seguem a injustiça.3 – Paulo também descreve a natureza do castigo envolvido nesta retribuição: a) II Ts. Champlin). ficando o individuo privado daquela gloria de seu poder que enriquece aos homens a um ponto como agora não pode nem sequer ser imaginado (R. das bênçãos e da face de Deus. e) Implica na separação eterna de Deus ‘longe da face do Senhor’ (1. 3.

1 – II Ts. então responderá por si e para si mesmo assumindo os riscos inevitáveis da justiça divina. 5. reporta à anúncios anteriores pelo próprio Senhor Jesus (Mc.15).8ss. Lc.31 (NVI) ‘Pois estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça. inclusive vocês que creram em nosso testemunho’. Haverá um Juízo. 8.6 – Em breve estes céus se abrirão para que entre o Rei da Glória.2 – Lucas registra as palavras de Paulo em Atenas quando afirma que Deus já marcou esse dia em seu calendário: a) At. 5. 18.38.31). Is. Não procrastine! Não espere Deus te julgar e dar o que você merece! Vá à Cristo agora e receba de graça o que você não merece.4 – ‘Com os anjos do seu poder’ (verso 7). por meio do homem que designou. 66.5 – ‘Como labareda de fogo’ (verso 8). o justo pagamento conforme o que sua rejeição de Cristo merece. E deu provas disso a todos. 1. 17. 5. refere-se à sua manifestação em glória (1Co.4. no qual Deus retribuirá a cada um dos reprovados. reflete a linguagem teofânica do Velho Testamento (Sl. 5. Mt.3 – ‘Quando se manifestar o Senhor Jesus do céu’ (verso 7). Este é o juízo retribuitivo. bem como o que cada uma de suas obras merece.10 (NVI) ‘Isso acontecerá no dia em que ele vier para ser glorificado em seus santos e admirado em todos os que creram. 17. 25. 5. que oferece perdão e graça na salvação em Cristo. CONCLUSÃO: Quando o ser humano não responde ao Seu Criador. 5. Paulo deixa claro quando isso se dará: 5. ressuscitando-o dentre os mortos’. .7.30). 1.