You are on page 1of 2

CONCEITOS: ACESSIBILIDADE, MOBILIDADE REDUZIDA E DESENHO UNIVERSAL

OS conceitos do desenho universal, as definições de pessoa com mobili- dade reduzida
e as implicações dessa mobilidade reduzida nos espaços construídos, bem como na inclusão
da acessibilidade, são demonstrados de forma teórica e com apresentação de slides com fo
tos exemplificativas.
• ANÁLISE DAS DIFICULDADES DO SER HUMANO
Nessa parte do curso, são feitas as relações com a prática vivencial, quando o aluno sen
tiu algumas das dificuldades de utilização.
As fotos dos próprios alunos na simulação de deficiências, nos momen- tos em que eles se
deparavam com as dificuldades encontradas, são utiliza- das pelo docente.
• ANÁLISE DAS BARREIRAS ARQUITETONICAS
Demonstração de projetos e fotos de locais onde os espaços construídos transformam-se em
obstáculos não só à mobilidade de pessoas com defi- ciência, mas também a pessoas empurrand
o carrinho de bebê (guias altas nas travessias de pedestres), idosos e pedestres e
m geral (buracos ou obras nas calçadas, que obrigam os pedestres a utilizar o leit
o carroçável) e outros..
Os alunos realizam pesquisa com pessoas com deficiência.
• ANÁLISE DAS EDIFICAÇOES E ESPAÇOS
Avaliação dos ambientes construídos e da utilização por diferentes
de usuários. Para tanto, os alunos verificam passo a passo a utilização - edificações por
cadeirantes, idosos, pessoas com deficiência visual e ou
• APLICAÇÃO DE CONCEITOS PARA TORNAR UM LUGAR ACESSNEL
Após análise desenvolvida no módulo anterior, o aluno deverá apr =-"- tar as soluções, basea
das nos conceitos apresentados e normas técnicas - acessibilidade, para solução dos pr
oblemas detectados nos ambi construídos.
• ACESSIBILIDADE DO DESIGN, CRITÉRIOS A SEREM ADOTADOS NOS PROJETOS Partindo do pres
suposto de que a acessibilidade deve ser integrada ◊ todos os níveis de projeto, tor
na-se necessário capacitar o aluno paIe. ◊ também o mobiliário seja livre de barreiras d
e acessibilidade.
1m DESENHO UNIVERSAL
Por meio de pesquisa em normas de acessibilidade, catálogos técnicos -◊ produtos e mob
iliários, os alunos são instigados a propor soluções para . culdades como: balcões altos p
ara recepção, que impossibilitam o al- cance visual e manual de um anão ou pessoa em c
adeira de rodas; mesas com pés inadequados, muito baixas ou muito altas, que não per
mitem a roximação de uma cadeira de rodas; torneiras com o volante do tipo bola, em
vez de cruzeta ou alavanca, que dificulta uma pessoa idosa, com artrite ou tetra
plégica de manuseá-Ia; e outras tantas dificuldades encontradas por oas com deficiênci
a na utilização do mobiliário.
• ACESSIBILIDADE URBANISTICA: ASPECTOS VIÁRIOS, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBAN
OS
Análise das dificuldades urbanas e pesquisas de cidades que adotam so- luções prevendo
a utilização por todos os usuários, tais como: rampas nas travessias de pedestres; pi
sos táteis de alerta para pessoas com deficiência visual; calçada com faixa livre contín

• ACESSO AO TRANSPORTE E TERMINAIS Nesse módulo o aluno analisa os meios de transporte existentes e que tipo de usuário pode utilizá-los com conforto e segurança. • TRABALHO PRÁTICO Trabalho em grupo de quatro pessoas. sem obstáculos.20 m.ua mínima de 1. • LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS EXISTENTES Apresentação da legislação e das normas técnicas existentes para que os alunos possam dese nvolver seus projetos. • ANÁLISE E DISCUSSÃO SOBRE AS PROPOSTAS APRESENTADAS OS grupos apresentam seus projetos aos demais alunos sob a supervisão e análise do d ocente. etc. Demonstração de exemplos de vários tipos de transporte acessíveis. em que os alunos escolhem um tema que estej am desenvolvendo na sua vida profissional ou acadêmica e aplicam os conceitos e pa drões de acessibilidade apreendidos. • HISTÓRICO DO ENSINO DE ACESSIBIUDADE NO BRASIL .