Centro de Ensino Ney Braga, 1º ano do Ensino Médio

Professora: Marlete Batista
Aluno(a):_____________________________________
Língua Portuguesa: Leitura e Interpretação de Texto
É comum encontrarmos alunos se
queixando de que não sabem interpretar
textos. Muitos têm aversão a exercícios
nessa categoria. Acham monótono, e às
vezes dizem: cada um tem o seu próprio
entendimento do texto ou cada um
interpreta à sua maneira.
No texto literário, essa ideia tem algum
fundamento, tendo em vista a linguagem
conotativa, os símbolos criados. Mas em
texto não-literário isso é um equívoco.
Diante desse problema, seguem algumas
dicas para você analisar, compreender e
interpretar com mais proficiência.
1 . Crie o hábito da leitura e o gosto por ela.
Quando passamos a gostar de algo,
compreendemos melhor seu
funcionamento. Nesse caso, as palavras
tornam-se familiares. Não se deixe levar
pela falsa impressão de que ler não faz
diferença. Também não se intimide caso
alguém diga que você lê porcaria. Leia tudo
que tenha vontade, pois com o tempo você
se tornará mais seleto e perceberá que
algumas leituras foram superficiais e, às
vezes, até ridículas. Porém elas foram o
ponto de partida e o estímulo para se
chegar a uma leitura mais refinada. Existe
tempo para tudo em nossas vidas. Não
fique chateado com comentários
desagradáveis.
2. Seja curioso, investigue as palavras que
circulam em seu meio.
3.- Aumente seu vocabulário e sua cultura.
Além da leitura, um bom exercício para
ampliar o léxico é fazer palavras cruzadas.
4 . Faça exercícios de sinônimos e
antônimos.
5. Leia verdadeiramente. Somos um País
de poucas leituras.
6 . Leia algumas vezes o texto, pois a
primeira impressão pode ser falsa. É
preciso paciência para ler outras vezes.
Antes de responder as questões, retorne
ao texto para sanar as dúvidas.

Leia o texto no mínimo duas vezes. Na
primeira leitura, atenha-se ao conteúdo; na
segunda, veja como o texto está articulado,
desenvolvido.
7 . Atenção ao que se pede. Às vezes a
interpretação está voltada a uma linha do
texto e por isso você deve voltar ao
parágrafo para localizar o que se afirma.
Outras vezes, a questão está voltada à
ideia geral do texto.
8. Observe as relações interparágrafos. Um
parágrafo geralmente mantém com outro
uma relação de continuação, conclusão ou
falsa oposição. Identifique muito bem essas
relações.
9. Sublinhe, em cada parágrafo, o tópico
frasal, ou seja, a ideia mais importante.
10. Leia com muito cuidado os enunciados
das questões, sem pressa, para entender
bem a pergunta.
11. Grife palavras como “correto” ou
“incorreto”, evitando, assim, uma confusão
na hora da resposta.
12. Não dê muito valor ao que o autor quis
dizer, mas sim ao que ele disse, expressou
no texto.
13. Identifique os personagens principais e
secundários e centre-se nas características
físicas e psicológicas deles.
14. Se o foco do enunciado for o tema ou a
ideia principal, leia com atenção a
introdução e/ou a conclusão.
15. Se o enunciado focar o item
argumentação, concentre-se no
desenvolvimento.
16. Olhe com especial atenção os
pronomes relativos, pronomes pessoais,
pronomes demonstrativos, etc., chamados
vocábulos relatores, porque remetem a
outros vocábulos do texto.
17. Fique atento a leituras de textos de
todas as áreas do conhecimento, porque

( ) nenhuma das alternativas dadas 5. Os antigos moradores da terra foram. me torno possuidora de uma delas. Conclui-se o seguinte com respeito à loja: a. ( ) a compra deveu-se ao desejo da compradora “A velhinha tinha uma pequena loja. a velhinha não negociava com dólares (e pensar que um dia eu tive dólares!): então. sua loja não era nem rica. E eis que. 2003. ( ) a segunda blusa serviria para uso próprio O DESEJO c. os índios. eventualmente. os negros. de volta. Rio de Janeiro. Dificilmente se acomodavam.” Leia o texto para responder à questão 1: (Cecília Meireles. na pesca. tanto os índios quanto aos negros. prestimosos colaboradores da indústria extrativa. Conclui-se o seguinte com respeito à compra: b. b. ( ) o dólar era moeda corrente em Florença d. na Europa. ( ) todas as alternativas anteriores e. Isso acontece em muitas lojas. ( ) a loja era humilde d. Eu desejava mais uma blusa: quem viaja está sempre pensando em alegrias que. Conclui-se o seguinte com respeito à moeda: a. ( ) a primeira blusa seria um presente Leia o texto para responder às questões de 2-6.algumas perguntas extrapolam o que está escrito. Mas a velhinha vendia umas blusas tão lindas e originais que mulher nenhuma poderia ficar insensível a seus encantos. 1973) Pode dizer-se que a presença do negro representou sempre fator obrigatório no desenvolvimento dos latifúndios coloniais. ao trabalho acurado e metódico que exige a exploração dos canaviais. Conclui-se o seguinte em relação ao lugar: 1. ( ) era uma loja de roupas. 4. nem elegante. c. Renato. ( ) todas as alternativas anteriores e. os portugueses. a. A formosa Florença tornava-se uma cidade de prata. Mas a loja ia fechar. pode dar aos amigos. ( ) nenhuma das alternativas dadas 3. Sua tendência espontânea era para as atividades menos sedentárias e que pudessem exercer-se sem regularidade forçada e sem vigilância e fiscalização de estranhos. numa rua de Florença. ( ) nenhuma das alternativas dadas e. b. c. porém. in Raízes) Assinale a única alternativa correta nas questões abaixo: 2. 2 edição. Rio de Janeiro : Impetus. d. c. Infere-se do texto que os antigos moradores da terra eram: a. Veja um exemplo disso: manhã seguinte apareceria com as minhas liras. em determinados ofícios mecânicos e na criação do gado. ( ) Florença é uma cidade bem iluminada. Começava a escurecer. (Sérgio Buarque de Holanda. Interpretação de textos.) a. Exteriormente. José Olympio. ( ) Florença fica na Europa. na caça. e prometi que na d. ( ) todas as alternativas anteriores d. (Aquino. Seleta em prosa e verso. nem artística. ( ) ninguém comerciava com dólares em Florença b. ( ) não havia empregados. separei a segunda blusa. a miscigenação de portugueses e índios. ( ) nenhuma das alternativas dadas . ( ) a narradora andava com liras e dólares c. b. ( ) todas as alternativas anteriores e. de repente. ( ) Florença fica na Itália. e.

150. 2004. das pontas de suas asas.) c. ( ) a viagem aconteceu há poucos dias atrás do registro feito pela narradora visão e poder avistar outros aviões do mesmo grupo. e. conta uma história curiosa e divertida sobre pássaros. podem se ajudar mutuamente durante longos percursos.a necessidade de ter um bom campo de visão. A primeira consiste na economia de energia que ela proporciona. b. podem obter melhor controle visual do deslocamento. e. o objetivo de economizar energia. a preferência por voos longos.Bandos de aves e aviões militares de caça têm em comum: d. são beneficiadas pelo deslocamento do ar causado pelas aves da frente. Isso facilitaria todos os aspectos do voo. Essas duas explicações não são excludentes. e. principalmente.11 : c. esta característica de voo é observada com mais frequência nos gansos. justamente para ter um melhor campo de d. Essa é a primeira explicação para o voo em "V". O texto tem como tema um aspecto particular da vida de algumas aves: a. o objetivo de não ficarem isolados. Mas é claro que isso não acontece. pois em qualquer posição dentro do "V" uma ave só teria em seu campo de visão outra ave. set. voam nesse mesmo tipo de formação. 9. as aves poupariam energia. é vantajoso para as aves voar atrás da ave dianteira ou da ponta de sua asa. Conclui-se o seguinte com respeito à data da viagem: a.Segundo o texto. Atrás do corpo da ave e. d. Segundo os especialistas. d. a resistência do ar é menor e. Por que algumas aves voam em bando formando um V? Elas parecem ter ensaiado. Há duas explicações para a escolha dessa formação de voo pelas aves. Rio de Janeiro. por exemplo. portanto. a constante substituição do líder nesse tipo de bando. E a segunda? O que diz? Ela sustenta que esse tipo de voo proporcionaria aos integrantes do bando um melhor controle visual do deslocamento. . o modo de voar. ( ) qualquer uma das alternativas anteriores a. É bem possível que seja uma combinação das duas o que torna o voo em "V" favorável para algumas aves. Jorge Bruno. b. 8. porque estariam se beneficiando do deslocamento de ar causado pelas outras aves. ( ) a viagem aconteceu há muito tempo atrás do registro feito pela narradora 7. Ciência Hoje das Crianças. c. a. pelicanos. ( ) nenhuma das alternativas dadas b. se acostumaram a voar assim. defende uma ideia sobre uma questão científica. noticia uma descoberta científica ultrapassada sobre o voo das aves. e. Por que algumas aves.explica os movimentos das aves com base em informações científicas. biguás e grous. e não várias.. 10.. as aves poupam energia voando em “V” porque. Ou seja: ao voarem desta forma. n. Isso explicaria. a economia de energia. mostra uma hipótese de que voar em V pode ser melhor para os aviões. Leia o texto para responder às questões de 7. têm o instinto de sempre seguir o líder do bando em seu itinerário. até.6. já observou em filme ou desenho animado aquele bando de aves voando em "V". ( ) a viagem aconteceu há poucas semanas atrás do registro feito pela narradora (NACINOVIC. b. se esforçariam menos. a substituição permanente do líder. Quem nunca viu ao vivo. Pode-se afirmar que o texto a. c. b. Os aviões militares de caça.

Os exemplos citados pelo jornalista: Considerada a despesa geral da Câmara. R$ 3. Por exemplo: a. é cobiçada por todas as aves do bando. gastos gerais do Governo. indicam dados pouco precisos e irresponsáveis. e. acobertam problemas do Governo. o termo rubricas.. e. é a mais importante do grupo. Comparados a outras ”rubricas”. É o caso do que a mesma União despende com a saúde de cada brasileiro – apenas R$ 0.c. os números beiram o delírio.16. b. c. e. investimentos no setor oficial. a semelhança entre elas e os aviões. Ou R$ 1. a loucura é ainda maior. 13. atendem a seu interesse jornalístico. c. desigual. O termo ”gastos públicos” se refere exclusivamente a: e. b. os números beiram o delírio. E. e. 6/11/01) 12. e.700. 14.Considerando o sentido geral do texto. escrito entre aspas. comparados com a educação. despesas com a educação pública. traz somente informações sobre as casas do Congresso. pois o custo individual diário pula para R$ 71. esconde a verdade da maioria da população. até. d.36 por dia. estranho. diariamente. (Ricardo Boechat. b. 16.” Com base no texto.. E o anual. injusto. c. a. incoerente.”. c. autoriza os gastos governamentais. os gastos citados são humilhantes. O Orçamento da União é um documento que: c. 15. só é consultado nos momentos críticos. acreditem. QUE PAÍS… Dissecando os gastos públicos no Brasil. a. b. b. a constante substituição do líder nesse tipo de bando. d. d. d. . conclui-se que o líder é substituído constantemente porque essa posição. um economista descobriu barbaridades no Orçamento da União deste ano. c. d. mostram que os gastos com a classe política são desnecessários. demonstram que o país não dispõe de recursos suficientes para as despesas. tem valor irônico. com a educação. é só para líderes. voam assim por serem parecidas. “Isso explicaria.20. pagamentos governamentais. cada deputado federal custa ao país. consome muito mais energia. Leia o texto para responder ás questões de 12. Entre os senadores. 11. o delírio refere-se aos gastos ínfimos com saúde e educação. a. autoritário b. d. o comentário correto sobre o significado dos elementos desse segmento do texto é: a. proporciona melhor controle visual. o adjetivo que substitui de forma INADEQUADA os pontos das reticências do título do texto é: a. as outras rubricas referidas no texto são a educação e a saúde. para R$ 26 milhões. mostra a movimentação financeira do Governo. o formato das asas. d. JB.900. humilhantes R$ 0.3 milhão por ano.”Comparados a outras ‘rubricas’. salários da classe política.

e. . os números referem-se à grande quantidade de deputados e senadores.