Resumo: O Legado da Ditadura para a Educação Brasileira – Luís Antônio Cunha.

Artigo

Neste artigo cunha analisa o legado da ditadura para a educação. Ou seja, as características
atuais ou rumos tomados pela educação brasileira depois da redemocratização. Essa analise é
baseada em dois vetores: a simbiose Estado-Capital e a regeneração moral do indivíduo e da
sociedade.

O Primeiro vetor investiga os subsídios dados pelo Estado para que a iniciativa privada
oferecesse serviços educacionais para os mais variados setores da população, em especial os
mais pobres, além de leis e decretos que favoreciam grupos do mercado da educação. Cunha
mostra que tanto nos governos FHC quanto nos Governos Lula e Dilma, essa simbiose se fez e
se faz presente, tendendo no futuro a aumentar.

O segundo Vetor analisa o enfoque dado pela ditadura à inserção no currículo escolar de
disciplinas que promulguem uma regeneração moral da sociedade e do indivíduo. Essa
concepção se origina da influência positivista que ainda existia em setores do exército, além
das concepções cristãs de regeneração moral difundida pela igreja católica. A disciplina inserida
no currículo de todos os níveis, chamada Educação Moral e Cívica tinha o papel de solidificar as
noções de Cidadania, amor à Pátria, defesa Nacional e valores morais e preservação dos
costumes cristãos contra o comunismo ateu.