You are on page 1of 148

DEPEC – Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

PETRÓLEO E DERIVADOS
AGOSTO DE 2016

O DEPEC – BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções.
Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser
tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de
natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são
assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas
informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

1

PRODUTOS

2

 Em latim, óleo de pedra: petro=pedra + oleum=óleo;

 O petróleo é uma substância oleosa, inflamável, menos densa que a água, com
cheiro característico e com cor variando do negro ao castanho-escuro;

 Dentre outras teorias, acredita-se que os hidrocarbonetos são originados da
decomposição de material orgânico;

 As reservas foram formadas entre 2 a 500 milhões de anos;

 Curiosidade: o petróleo em sua forma natural foi utilizado na construção das
pirâmides, conservação de múmias e na pavimentação do Império Inca;

 Há mais de 170 tipos de óleo cru segundo Energy Intelligence Group. O óleo
encontrado no Brasil é conhecido como Marlim.

3

.  O óleo leve e “sweet” é mais fácil para processar e é utilizado para derivados mais valiosos.  Tipos de petróleo:  Petróleo pesado: mais utilizado para o refino de óleo combustível e asfalto – petróleo brasileiro.  Petróleo leve: mais utilizado para o refino de nafta. óleo diesel. como gasolina e nafta. O petróleo é classificado quanto a: Quantidade de sulfato – o óleo “sweet” possui menos sulfato em detrimento do óleo “suor”. que possui mais sulfato. GLP. gasolina A e gasolina de aviação. Densidade do óleo – o óleo “leve” possui menor densidade do que o óleo “pesado”.  A mistura entre os óleos pesado e leve ou o óleo “médio” é utilizada para a produção de lubrificantes e querosene iluminante.

5% Estados Unidos 138.3 milhões de barris MERCADO INTERNO (82%) IMPORTADO (18%) 8.MERCADO DE PETRÓLEO NO BRASIL – 2013 28.3% Índia DE BARRIS 670 milhões de barris PRODUZIDOS CONSUMO INTERNO DE ÓLEO CRU 555 milhões de barris 148.8% Arábia Saudita FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .3% Nigéria 18.7% China 755 MILHÕES 17.5%) 22.0%% Argélia 53.9 milhões de barris EXPORTADO (22.

MERCADO DE DERIVADOS NO BRASIL – 2013 18.2% Holanda 13.7% Índia FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .2% Argélia 13.7% Antilhas Holandesas 126 MILHÕES DE 12.6% Cingapura M³ PRODUZIDOS 145 milhões de m³ CONSUMO INTERNO 115 milhões de m³ 30.3% EUA 8.6 milhões de m³ MERCADO INTERNO (79%) IMPORTADO (21%) 32.8 milhões de m³ EXPORTADO (11%) 12.

• O Brasil está entre poucos países que dominam todo o ciclo de perfuração submarina em águas profundas e ultraprofundas (abaixo de 2 mil metros) • Cerca de 72% do óleo processado nas refinarias brasileiras é nacional (petróleo pesado) 7 .

FORMAÇÃO DE PREÇOS DE PETRÓLEO 8 .

9 . CONTUDO.  BRENT.  DUBAI. SÃO 3 OS TIPOS MAIS USADOS COMO BENCHMARK NA FORMAÇÃO DE PREÇOS:  WTI.EXISTEM MAIS DE 170 VARIEDADES DE PETRÓLEO.

Europa e Brent leve ICE Europa África leve .EUA Dubai m édio Dubai Ásia .PRINCIPAIS TIPOS DE PETRÓLEO PARA A FORMAÇÃO DE PREÇOS Bolsa .m elhor Oeste do WTI NYMEX Am éricas qualidade Texas . Local da Tipos Classificação Benchm ark principal produção Mar do Norte .

 Mais comercializado no mercado futuro – em 2008 foram mais de 134 milhões de contratos na NYMEX (segundo mais comercializado é o Brent com mais de 68 milhões de contratos na ICE).  Benchmark para os Estados Unidos – maior consumidor (1/4 do consumo mundial).  Mercado transparente – dados do DOE. .POR QUE O WTI É O MAIS CONHECIDO?  Óleo de melhor qualidade – referência na qualidade.

PROCESSO PRODUTIVO 12 .

MERCADO DE PETRÓLEO NO BRASIL EXPLORAÇÃO UPSTREAM PERFURAÇÃO PRODUÇÃO PRODUÇÃO E REFINO DE PETRÓLEO REFINO DE PETRÓLEO DOWNSTREAM TRANSPORTE .

Após os testes de formação e perfuração de poços de delimitação.  PERFURAÇÃO: inicia-se o processo de perfuração de um poço pioneiro para constatar o nível de acumulação. é possível verificar a viabilidade para fins comerciais. Só então é feito o mapeamento do reservatório. . UPSTREAM  EXPLORAÇÃO: realização de testes sísmicos para verificar a existência de rochas reservatórias ricas na acumulação de hidrocarbonetos.

 Outra forma de retirar o petróleo dos reservatórios é através da recuperação secundária (injeção de água ou gás ou técnicas mais avançadas)  No mar.UPSTREAM  PRODUÇÃO: o petróleo pode vir a superfície espontaneamente (impelido pela pressão interna) em poços surgentes. O petróleo extraído é levado para o parque de armazenamento. mas utilizam equipamentos especiais (plataformas e navios-sonda). é necessária a utilização de um conjunto de válvulas (árvore de natal) para controlar o petróleo extraído. onde fica estocado para ser utilizado no refino. as empresas seguem o mesmo critérios. Neste caso.  Quando a pressão fica reduzida são usados mecanismos para bombear o óleo para a superfície através do aumento da pressão nos poços (elevação artificial). .

a ancoragem é feita através de estruturas tubulares (maior estabilidade).  PLATAFORMAS MÓVEIS:  Auto-eleváveis: plataformas com 3 ou mais pernas posicionadas em lâmidas d’água entre 5 e 130 metros. transporte é feito por rebocadores ou propulsão própria. Plataforma de pernas atirantadas: unidades flutuantes.TIPOS DE PLATAFORMAS  PLATAFORMAS FIXAS:  lâmidas d’água de até 200 metros.  completamente estáveis – estacas são postas no solo marinho. podem ter sistema de ancoragem (cabos fixos no fundo do mar) ou de posicionamento dinâmico (ligados ao fundo do mar somente pelos equipamentos de perfuração). .  Semi-submergíveis: unidades flutuantes.

os equipamentos mais modernos possuem sistema de posicionamento dinâmico. . possui maiores vantagens do que outros tipos (capacidade de estocagem. Storage and Offloading: navios com capacidade de processar e armazenar petróleo e transferir para um navio aliviador (petroleiro que transporta o petróleo até terra).  FPSO – Floating.TIPOS DE PLATAFORMAS  NAVIOS-SONDA: poços em águas profundas. Production. poços de qualquer profundidade e sem necessidade de barcos de apoio).

desidratação. derivados e produtos químicos) dos navios para a terra e vice-versa. craqueamento. derivados e produtos químicos. polimerização. .  Navios petroleiros: transportam petróleo. entre outros.DOWNSTREAM  REFINO: Consiste em separar as frações de hidrocarbonetos e processá-los para obter seus derivados. São diversos os processos para obtenção de derivados – destilação.  TRANSPORTE:  Oleodutos: transportam petróleo por via de dutos subterrâneos.  Terminais marítimos: são instalações portuárias para a transferência de carga (petróleo. Um determinado processo é empregado de acordo com o produto que a refinaria deseja obter. hidrogenação.

SAZONALIDADE 19 .

NÃO HÁ SAZONALIDADE NA PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E NA PRODUÇÃO DE DERIVADOS. A SAZONALIDADE DEPENDE DO NÚMERO DE DIAS DE CADA MÊS. 20 .

3% 12.22% 12.21% 11.38% 12.94% 11.2% 13.2000-2009 SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO DE PETRÓLEO – 2000-2014 13. Part % da produção de petróleo .53% 12.00% 12.31% 12.5% 10.0% 11.1% 10.4% 11.9% 12.8% 10.24% 12.6% 12.08% 12.47% 12.7% 11.58% 12.29% 12.2% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .

83% 9.4% 10.4% 9.2% 10.2% 9.0% 9.13% 10.89% 9.23% 10.80% 9.28% 10.10% 10. Part % na produção de derivados .6% 9.0% 8.8% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .19% 10.30% 9.8% 9.19% 10.2008 SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO DE DERIVADOS – 2000-2014 10.96% 9.84% 9.

CUSTOS DE
PRODUÇÃO
23

OS MAIORES CUSTOS PARA A EXTRAÇÃO DE
PETRÓLEO ESTÃO LIGADOS TANTO À
CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE
SERVIÇOS COMO A PESSOAL EMPREGADO

NO CASO DE REFINO, OS MAIORES CUSTOS
ESTÃO LIGADOS À MATÉRIA-PRIMA E À
CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE
SERVIÇO

24

Estrutura de custos - Extração de petróleo e gás natural - 2007
ESTRUTURA DE CUSTO PARA O SEGMENTO DE EXTRAÇÃO DE
PETRÓLEO E GÁS NATURAL

Outras despesas
25% Depreciação
Aluguéis e 41%
arrendamentos
3%

Gastos de pessoal
11%
Despesas não- Serviços industriais
operacionais prestados por terceiros
3% e de manutenção
17%

FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO BRADESCO

materiais auxiliares e componentes Outras despesas 24% 29% Gastos de pessoal 9% Depreciação 19% Serviços industriais prestados por terceiros Custo das mercadorias e de manutenção adquiridas para 10% revenda 9% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO BRADESCO . Estrutura de custos .Refino .2007 ESTRUTURA DE CUSTO PARA O SEGMENTO DE REFINO DE PETRÓLEO Matérias-primas.

FORNECEDORES 27 .

CERCA DE 18% DO CONSUMO APARENTE DE PETRÓLEO NO BRASIL É IMPORTADO A ÁFRICA É O PRINCIPAL FORNECEDOR DESSE PETRÓLEO E RESPONDE POR 71. QUE RESPONDE SOZINHA POR 53.3% DAS IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS 28 .4% DAS IMPORTAÇÕES O DESTAQUE FICA COM A NIGÉRIA.

2009 NO CONSUMO APARENTE – 2014 Importações 18% Produção doméstica 82% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .PARTICIPAÇÃO % DASPart IMPORTAÇÕES DEaparente % das importaçõe s no consumo PETRÓLEO .

2013 subprodutos América do Norte Américas Central e 0.8% África 71.0% do Sul Ásia-Pacífico 2.4% Oriente Médio 23.4% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .0% 2.ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE PETRÓLEO POR BLOCOS ECONÔMICOS .

2013 Outros 9.5% Nigéria Argélia 53.0% Arábia Saudita 18.0% Guiné Equatorial 5.3% Iraque 5. Importação de petróleo ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE PETRÓLEO POR PAÍS .3% 8.8% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .

CERCA DE 21% DOS DERIVADOS CONSUMIDOS NO BRASIL É IMPORTADO A AMÉRICA DO NORTE É O PRINCIPAL FORNECEDOR DE DERIVADOS. COM DESTAQUE PARA OS EUA O BRASIL IMPORTA NOTADAMENTE ÓLEO DIESEL E NAFTA. QUE JUNTOS REPRESENTAM 52% DAS IMPORTAÇÕES 32 .

2009 NO CONSUMO APARENTE – 2014 Importações 21% Produção doméstica 79% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .PARTICIPAÇÃO % Part DAS IMPORTAÇÕES % das DEaparente importações no consumo DERIVADOS .

ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE DERIVADOS POR BLOCOS ECONÔMICOS – 2013 Importações de derivados por região Oriente Médio 6.3% Américas Central e do Sul 21.6% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .0% América do Norte 38.9% Europa e ex-União Soviética 12.2% Ásia-Pacífico 21.

2013 Outros 26.1% Emirados Árabes Unidos 1.3% 1.3% Índia Venezuela 13.1% Estados Unidos Rússia 32.Importações de derivados por região PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE DERIVADOS .0% Argentina 5.7% 8.2% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .0% Argélia 8.5% Holanda 4.

0% GLP Óleo Diesel 12. Importações de derivados por produto .0% Coque 12.9% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .2014 Querosene de Aviação 4.200 PRINCIPAIS DERIVADOS IMPORTADOS (QUANTUM) .7% Gasolina A 7.3% 36.8% Outros 5.3% Nafta 21.

0% 0.1% 17.2% 0.144 68.3% 0.371 9. IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE PETRÓLEO E DE DERIVADOS DE PETRÓLEO – ENERGÉTICOS E NÃO ENERGÉTICOS – 2015 Em mil m³ Coeficiente Coeficiente Produtos Produção Part.685 17.9% Parafina 137 0.8% 6.2% 4.9% Asfalto 2.7% 8 0.0% Querosene Luminante 7 0.1% 11.7% 39.0% 0.8% 1.1% 4.8% 180.8% 100.726 25.339 13.0% 41.591 37.0% 13.973 26.854 208.0% 4.1% 0.3% 1.6% Nafta 4.0% FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .8% 2.1% 2.3% 8.426 7.0% 11. % Part.0% 0.9% 71.3% Não Energéticos 15.6% Energéticos 103.958 24.4% Energéticos 103.0% 25.5% 2.8% Não Energéticos 15.5% 30.0% 223.1% 355 2.4% 27.0% 44.7% 14.015 13.609 29.6% 2.9% Óleo Lubrificante 640 4.184 100.6% 27.0% 14.327 100.0% 100.7% 0.5% 650 5.9% 0.2% 0.9% 12.1% 23 0.0% 0.6% 13.2% 0 0. % Part.868 Outros 364 0.0% 44.3% 640 48.1% 0.2% 12. % Part. % Exportação Part.0% 19.331 9.2% 9.3% 6 0.3% 81 0.0% 11. % de Imp de Exp Petróleo 835.191 22.9% 3.2% Combustível para aeronaves 72 0.0% 0.3% Outros 2.4% 139 10.2% 2.458 48.511 100.1% 32.184 43.3% 3.8% 34.1% 0.3% QAV 5.0% 610 5.050 87.8% Óleo Diesel 49.050 100.3% 8.470 17.1% 0.1% 10.331 100.4% 2.0% 21.0% 3 Combustível para navios 3.6% 5.7% 231.0% 6.0% 14.004 62.3% 94 7.449 100.475 100.4% 0.327 56.2% 14 1.6% 0.3% 12.657 5. % Importação Part.7% 9.399 100.5% 10 0.959 32. PRODUÇÃO.0% 11.4% 1.400 27.2% 0.9% 7.1% 0.5% 4.6% 12.1% 0.4% 3.2% 6.2% Gasolina A 25.2% 13.0% 8.3% 1.1% 0.1% 11.940 48.5% 4.7% Solvente 354 2.5% 60.3% Coque 4.5% 54.1% 1.4% 22.3% 518 4.1% 25 0.0% GLP 7.2% 0.4% 19.4% Óleo Combustível 14.6% 12.7% 443 33.5% 1.7% Total 118.3% 3.6% 11.7% 2.399 13.144 90.322 23.

REGIONALIZAÇÃO 38 .

O RIO DE JANEIRO DETÉM 80% DAS RESERVAS PROVADAS DE PETRÓLEO NO BRASIL E PRODUZ CERCA DE 69% DO PETRÓLEO EXTRAÍDO (BACIA DE CAMPOS) 94% DAS RESERVAS ESTÃO NO MAR E 6% EM TERRA. 91% DA PRODUÇÃO É PROVENIENTE DE CAMPOS MARÍTIMOS.5%). O REFINO. SEGUIDO PELA BAHIA (14. POR SUA VEZ É CONCENTRADO NOS ESTADOS DE SÃO PAULO (43.4%) E PELO RIO DE JANEIRO (12.0%) 39 .

Santa Catarina.2013 TOTAL 15.9% R. Ceará. G. Alagoas.0% Sergipe 1. Reservas de Petróleo por Região RESERVAS DE PETRÓLEO POR ESTADO .7% Espírito Santo 8. Paraná e São Paulo FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .049 milhões barris Rio de Janeiro 79.6% Bahia 2.8% Outros 4.9% (1) Outros estados com reservas provadas de petróleo: Amazonas. Norte 2.

Ceará. Santa Catarina.6% 16. Alagoas.2014 R.1% Bahia 2.8% (1) Outros estados com reservas provadas de petróleo: Amazonas.7% 68.9% Outros Rio de Janeiro 8.0% Sergipe 1. Paraná e São Paulo FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO . Norte Espírito Santo 2. G. Produção de Petróleo por Região PRODUÇÃO DE PETRÓLEO POR ESTADO .

4% São Paulo 43.8% 2.200 PRODUÇÃO DE DERIVADOS POR ESTADO . Produção de derivados por estado .5% FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .0% Minas Gerais 7.2014 Paraná Rio de Janeiro 10.7% Bahia Rio Grande do Sul Amazonas 14.0% Ceará 0.1% 12.4% 9.

PLAYERS MUNDIAIS 43 .

4%. DEMANDA  Consumo concentrado nos países da Ásia Pacífico.  Como essas regiões não são autossuficientes em petróleo. com participação de 33.  As refinarias também estão concentradas nesses países (importam óleo cru e produzem derivados).  As exportações de óleo do Oriente Médio representaram 34. 25. . devido à localização das reservas de petróleo.7% respectivamente.7% da produção mundial de petróleo.9% das reservas provadas mundiais e 32. OFERTA  Mercado bastante concentrado.  Oriente Médio detém 47.9% das exportações mundiais. as importações também são relevantes.5% e 20. América do Norte e Europa/Eurásia.

5 1.687.6 África 7.9 Central 19.8 Ásia Pacífico 2.3 FONTE: BP ELABORAÇÃO: BRADESCO .1 Reservas Oriente Médio Mundiais América do Sul e 47.7% 130.5% 42.5% 329.6 Europa e Eurásia 8.RESERVAS PROVADAS MUNDIAIS DE PETRÓLEO – 2013 Em bilhões de barris América do Norte 13.8% 147.9% 808.6% 229.

8% América do Norte 13.5% África Oriente Médio 7.RESERVAS MUNDIAIS DE PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO – 2013 Ásia Pacífico 2.6% América Central e do Sul 19.5% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .7% 47.9% Europa e Eurásia 8.

329. Rússia.3 100 42.Fonte: BP . EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DAS RESERVAS MUNDIAIS DE Evolução da composição das reservas de petróleo por bloco econômico . Uzbequistão) e outros países (Estônia.5 África Ásia Pacífico 700 600 500 Euroásia: formada por CEI (Armênia. 400 Quirguistão. Letônia. Turcomenistão).em milhões de barris PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO Milhões barris 900 Oriente Médio América Central e do Sul 800 América do Norte Europa e Eurásia 808. Geórgia. Azerbaijão.6 200 147.1 0 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 1988 1989 2000 2001 2012 2013 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO . Ucrânia. Tajiquistão. Lituânia. Bielorrússia.6 300 229. Moldávia.8 130. Cazaquistão.

645 Ásia Pacífico Produção: 8.232 Saldo: -6.775 Saldo: +518 África Produção: 9.466 Consumo: 30.470 Saldo: -22.227 Consumo: 23.293 Consumo: 6.292 Consumo: 18. PRODUÇÃO E CONSUMO DE PETRÓLEO – 2013 Em mil barris/dia Saldo: -1.818 FONTE: BP ELABORAÇÃO: BRADESCO 48 .826 Produção: 17.832 Produção: 7.442 Consumo: 3.624 Saldo: +5.418 América do Norte Euroásia Produção: 16.526 e Central Saldo: +19.238 Oriente Médio Produção: 28.358 América do Sul Consumo: 8.

4% Ásia Pacífico 9.7% do Sul 8.4% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .5% África Europa e Euroásia 10.9% América do Norte 19.2% 19.PRODUÇÃO DE PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO – 2013 Oriente Médio América Central e 32.

000 20.000 17.293 5.226 16.358 África América Central e do Su l Ásia Pacífico 25.818 8.000 10.000 8.232 7. EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA PRODUÇÃO MUNDIAL DE Composição da produção de petróleo .em mil barris/dia PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO 30.826 15.fonte: BP .000 0 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1980 1982 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2007 2009 2011 2012 2013 1979 1981 1983 2006 2008 2010 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .000 Mil barris/dia Oriente Médio Euro pa e Eu roásia América do Norte 28.

4% 7.3% Europa e Euroásia América do Norte 20.7% 25.2% Oriente Médio 9.5% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .9% América Central e Ásia Pacífico do Sul 33.CONSUMO DE PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO – 2013 África 3.

fonte: BP .EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DO CONSUMO MUNDIAL DE Composição do consumo de petróleo .292 20.000 10.000 8.em mil barris/dia PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO Mil barris/dia 30.526 6.000 3.624 0 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .645 15.000 23.775 5.000 Ásia Pacífico América do Norte Europa e Euroásia 30.000 18.470 Oriente Médio África América Central e do Sul 25.

9% Europa 4. EXPORTAÇÕES MUNDIAIS DE PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO – 2013 Outros 0.5% 12.7% Ásia Pacífico 11.6% CEI África 15.3% Oriente Médio América Central e 34.9% do Sul 6.0% América do Norte 14.2% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .

5%) China (14. . EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO DO ORIENTE MÉDIO – 2013 Outros Ásia (28%) EUA (11%) Europa (11.5%) Outros (4.9% das exportações mundiais.3%) FONTE: BP * As exportações de petróleo do Oriente Médio representam ELABORAÇÃO: BRADESCO 34.7%) ORIENTE MÉDIO Japão (18%) Índia (12.

Moldávia. Rússia.2%) (1) CEI: Armênia. Quirguistão. Ucrânia.5% ELABORAÇÃO: BRADESCO das exportações mundiais .4%) China (14%) Outros (12. Tajiquistão. Turcomenistão FONTE: BP * As exportações de petróleo da CEI + Outros representam 15.EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO DA CEI E OUTROS – 2013 CEI + Outros EUA (6. Azerbaijão. Bielorrússia. Cazaquistão. Uzbequistão Outros: Estônia. Lituânia.4%) Europa (67. Letônia. Geórgia.

EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO DA ÁFRICA – 2013 EUA (16. FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .5%) exportações mundiais.5%) Europa (40%) China (18%) Outros Ásia (16%) ÁFRICA * As exportações de petróleo da África representam 12% das Outros (9.

EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO DA AMÉRICA DO NORTE – 2013 AMÉRICA DO NORTE Europa (12%) América do Norte (66%) América Central e do sul (13.5%) * As exportações de petróleo da América do Norte representam 14. Outros (8.5%) FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .2% das exportações mundiais.

000 3.439 15.000 10. EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS DE Composição das importações de petróleo .660 6.480 5.707 0 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2008 2009 2010 2011 2012 2013 1986 1993 2000 2007 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .000 19.881 6.000 8.000 Oriente Médio CEI África América do Norte Ásia Pacífico América Central e do Su l 20.632 7.em mil barris/dia PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO Mil barris/dia 25.fonte: BP .

000 4.em mil barris/dia PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO 30. EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DAS IMPORTAÇÕES MUNDIAIS DE Composição das importações de petróleo .000 Mil barris/dia 28.530 0 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .000 9.000 12.713 Estados Unidos Europa Japão Outros 25.000 20.637 10.792 5.fonte: BP .000 15.

7%) 92. mundial: 3.531 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .389 (22.284 (33%) Oriente Médio América do Sul e 8.5%) Europa e Eurásia 23.4%) África Cap.822 (9.887 (25.2%) Ásia 31.3%) Central 6.CAPACIDADE DE REFINO DE PETRÓLEO – 2013 Mil barris/dia América do Norte 21.517 (3.029 (6.

5% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .4% Ásia Pacífico 33.2% 22.3% Europa e Euroásia América do Norte 25.7% 6.0% Oriente Médio 9.CAPACIDADE DE REFINO DE PETRÓLEO POR BLOCO ECONÔMICO – 2013 América Central e África do Sul 3.

000 35.000 Ásia P acífico Europa e Euroásia 45.000 3.517 0 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1975 1976 1977 1978 1980 1981 1982 1983 1985 1986 1987 1988 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2009 2010 2011 2012 1974 1979 1984 1989 2008 2013 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .em mil barris/dia DE PETRÓELO POR BLOCO ECONÔMICO 50.000 15.822 6.389 20.029 5.000 31. EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CAPACIDADE MUNDIAL DE REFINO Composição da capacidade de refino de petróleo .000 10.887 21.000 25.fonte: BP .284 30.000 América do Norte Oriente Médio América Cent ral e do Sul África 40.000 8.000 23.

Grécia. França. Turquia. Luxemburgo. Suécia. México. APESAR DE TEREM PERDIDO PARTICIPAÇÃO AO LONGO DOS ÚLTIMOS 40 ANOS. NOS ANOS 80. . Espanha. Austrália. Polônia. Estados Unidos. (1) Áustria. Eslováquia. RESPONDEM POR 50. República Tcheca. Noruega.3% DA CAPACIDADE MUNDIAL DE REFINO. Islândia. Alemanha. Coréia do Sul. Japão. OS PAÍSES EMERGENTES SÃO OS QUE MAIS GANHARAM ESPAÇO NESSE PERÍODO.OS PAÍSES DA OCDE(1).8% DO CONSUMO MUNDIAL DE PETRÓLEO E DETEM QUASE 48. Nova Zelândia. A PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES DESENVOLVIDOS ERA DE QUASE 70% NO CONSUMO E DE CERCA DE 60% NA CAPACIDADE DE REFINO. Portugal. Irlanda. Suíça. Holanda. Reino Unido. Hungria. Finlândia. Canadá. Dinamarca. Bélgica. Itália.

Suécia.000 Mil barris/dia OCDE Não OCDE 50.em mil barris/dia EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DO CONSUMO MUNDIAL DE PETRÓLEO – OCDE E NÃO OCDE 60. França. Coréia do Sul. Suíça. Islândia.773 45. 0 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1999 2000 2001 2002 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 2012 2013 1974 1986 1998 2003 2010 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO . Holanda. Composição do consumo de petróleo .fonte: BP . Irlanda. Polônia. México. Eslováquia. Grécia. 10. Nova Zelândia. Estados Unidos. Austrália.000 OCDE .000 30. Reino Unido.000 Noruega. Turquia.000 20. Bélgica. Dinamarca. Finlândia.Áustria.000 45. Canadá. Japão.558 40. Luxemburgo. Espanha. Alemanha. Portugal. Hungria. Itália. República Tcheca.

Dinamarca. França. Coréia do Sul. Reino 15. Noruega.000 30. Turquia. Hungria. Austrália.em mil barris/dia EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CAPACIDADE MUNDIAL DE REFINO DE PETRÓLEO – OCDE E NÃO OCDE 55. Finlândia. 20. Bélgica.000 35. Suíça. Espanha. Portugal. Polônia.000 44. Holanda.000 Alemanha.000 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1976 1977 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1999 2000 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2012 2013 1965 1975 1978 1988 1998 2001 2011 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .704 40. Islândia.000 25.fonte: BP . México. Nova Zelândia. Canadá. Eslováquia. Luxemburgo.000 50. Grécia. Japão.Áustria.225 Mil barris/dia 45.000 OCDE . Irlanda. Suécia.000 OCDE Não OCDE 50. Itália. Composição da capacidade de refino de petróleo . República Tcheca.000 Unido. 10. Estados Unidos.

1% DA PRODUÇÃO MUNDIAL EM 2013. PARTICIPAÇÃO QUE SE MANTEVE AO LONGO DOS ÚLTIMOS 40 ANOS. OS PAÍSES FORMADORES DA OPEP – ORGANIZAÇÃO DOS PAÍSES EXPORTADORES DE PETRÓLEO (1) SÃO OS PRINCIPAIS PRODUTORES DE PETRÓLEO. Líbia. ESSES PAÍSES RESPONDERAM POR 72. Equador (dez/07). Emirados Árabes Unidos. Nigéria e Venezuela. Kuwait.6% DAS RESERVAS PROVADAS E 47. 66 . Iraque. Irã. (1) Países formadores da OPEP: Angola (jan/07). JUNTOS. Argélia. Arábia Saudita. Catar.

200 Mil barris/dia 1. EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DAS RESERVAS MUNDIAIS DE Evolução da composição das reservas de petróleo por bloco econômico .em milhões de barris PETRÓLEO – OPEP.214 1.000 800 600 400 342 200 132 0 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2010 2011 2012 2013 1987 1998 2009 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .400 1. NÃO-OPEP E CEI OPEP Não-OPEP CEI 1.Fonte: BP .

549 13.829 36.000 13.fonte: BP .000 Mil barris/dia 29.863 11.858 0 1965 1966 1967 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1977 1978 1979 1980 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 2012 2013 1968 1976 1981 1989 2002 2010 FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .062 35.339 4.000 7.000 20. EVOLUÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA PRODUÇÃO MUNDIAL DE Composição da produção de petróleo .em mil barris/dia PETRÓLEO – OPEP.000 5.000 29.266 25. NÃO-OPEP E CEI 40.414 10.932 30.279 36.922 15.000 OPEP Não-Op ep CEI 36.000 12.

DEVIDO AO CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO DE PETRÓLEO DE PAÍSES NÃO-OPEP E AO NÃO CUMPRIMENTO DAS QUOTAS PELOS PAÍSES PARTICIPANTES. AS DECISÕES SOBRE A PRODUÇÃO PODEM AFETAR SIGNIFICATIVAMENTE AS COTAÇÕES INTERNACIONAIS. . ENTRETANTO. A OPEP ESTABELECE QUOTAS* DE PRODUÇÃO A SEUS MEMBROS CONSIDERANDO O EQUILÍBRIO ENTRE OFERTA E DEMANDA DE PETRÓLEO COM O OBJETIVO DE INFLUENCIAR OS PREÇOS MUNDIAIS DO ÓLEO. A EFICÁCIA DA OPEP É TEMA DE DISCUSSÃO * As quotas são estabelecidas para o grupo de países conhecido como OPEP 11. Esse grupo não inclui o Iraque. DEVIDO AO SEU PODER DE MERCADO.

70 .3% DA PRODUÇÃO MUNDIAL E RESPONDE POR 3. ALÉM DE POSSUIR UM DOS MAIORES PARQUES FABRIS DE REFINO DE ÓLEO. POSSUI 2.3% DO CONSUMO DE PETRÓLEO.O BRASIL OCUPA LUGAR DE DESTAQUE NO CENÁRIO MUNDIAL.

0% Arábia Saudita 16.2013 Venezuela 18.7% Cazaquistão 1.5% Azerbaijão 0.1% Brasil 0.6% Outros 3.0% 12.9% Rússia 5.1% Emirados Árabes Unidos 5.2% Estados Unidos 2.5% China 1.0% Kuwait 6.2% Líbia 2.9% Angola 0.0% Canada 10.4% 0.9% Nigéria 2.0% 24.Fonte: BP RESERVAS MUNDIAIS DE PETRÓLEO POR PAÍS .7% México 0.0% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .0% 18.4% Iraque 9.5% Irã 9.8% Argélia 0.0% 6.7% Noruega 0. Reservas de petróleo por país .8% Catar 1.

672 1.093 94.2% 11º mil barris/dia Consumo .6 1.331 3.6% - barris/dia FONTE: BP e ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .973 91.RESUMO DA COLOCAÇÃO DO BRASIL NAS ESTATÍSTICAS MUNDIAIS .mil 2.mil barris/dia 2.672 0.114 86.929 2.754 2.2013 Brasil Mundo Brasil/Mundo no ranking Reservas provadas - 15.2013 Part % Colocação Estatísticas .4% 13º barris/dia Exportações .0% - barris/dia Capacidade de refino - 2.mil 549 55.688 0.3% 7º Importações .mil 312 55.9% 15º milhões barris Produção .

5% Catar 2.7% Outros 12.9% China 5.8% Brasil 2.1% Nigéria 2.4% Venezuela 3.0% 0.0% 15.2% Reino Unido 1. Produção de petróleo por país .0% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .4% Noruega 2.9% Líbia 1.7% México 3.7% Irã 4.8% Estados Unidos 11.2% Angola 2.0% 12.1% Argélia 1.2013 Arábia Saudita 13.8% Rússia 12.0% 9.2008 .2% Emirados Árabes Unidos 4.7% Iraque 3.0% 6.3% Kuwait 3.1% Cazaquistão 2.Fonte: BP PRODUÇÃO MUNDIAL DE PETRÓLEO POR PAÍS .0% Canada 4.0% 3.

2% Outros 17.5% China 12.7% Alemanha 2.8% Canada 2.3% Irã 2.2% Rússia 3.3% Coréia do Sul 2.7% Itália 1.0% 6.1% Índia 4.3% França 1.7% Arábia Saudita 3.0% 0.0% 18.7% México 2.0% 24.5% Espanha 1.4% Holanda 1.2008 . Consumo de petróleo por país .0% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .3% Cingapura 1.2013 Estados Unidos 21.1% Japão 5.4% Tailândia 1.0% 12.Fonte: BP CONSUMO MUNDIAL DE PETRÓLEO POR PAÍS .8% Reino Unido 1.5% Brasil 3.9% Indonésia 1.

0% 21.4% Outros 9.4% Arábia Saudita 2.4% 0.Fonte: BP CAPACIDADE MUNDIAL DE REFINO DE PETRÓLEO POR PAÍS .4% Coréia do Sul 3.2% Irã 2.2% Japão 4.7% Rússia 6.2% Brasil 2.5% Venezuela 1.1% Itália 2.7% França 1.0% 7.3% Alemanha 2.4% Holanda 1.0% Reino Unido 1.0% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .6% Índia 4.2013 Estados Unidos 18.8% México 1.3% Canada 2.7% Espanha 1.7% China 12.0% 14.6% Cingapura 1.4% Tailândia 1.2008 . Capacidade de refino de petróleo por país .

RANKING GLOBAL DE EMPRESAS DO SETOR DE PETRÓLEO – 2013 Rank ing .356 3º 6º ConocoPhillips 161.765 7º 101º Te s oro 39.193 8º 74º He s s 36.161 11º 285º We s te rn Re fining 10.446 10º 170º HollyFrontie r 20.175 4º 24º Vale ro Ene rgy 137.666 2º 3º Che vron 220.991 6º 61º Sunoco 45.029 FONTE: FORTUNE GLOBAL 500 ELABORAÇÃO BRADESCO . Rank ing . Faturam e nto Em pre s as Se tor Ge ral US$ m ilhõe s 1º 2º Exxon Mobil 407.758 5º 31º Marathon Oil 93.086 12º 477º CVR Ene rgy 5.694 9ª 98º Murphy Oil 31.

PLAYERS NACIONAIS 77 .

mesmo que a estatal detenha participação minoritária. A Petrobras é uma empresa de capital misto na qual a União detém 32. A previsão é de que esse número passe para cerca de 15% nos próximos cinco anos. Contudo. a Petrobras continua sendo a principal empresa na extração de petróleo no Brasil. 78 . BG Group. Entre as empresas que formam as concessionárias autorizadas estão grandes players mundiais como a Shell.2% do capital social. Atualmente. O atual sistema de exploração de petróleo no Brasil é o de concessão. São 51 os grupos que adquiriram áreas de exploração em território brasileiro. devido a fatores de infraestrutura (antes da privatização). os grupos estrangeiros participam com 8. Chevron e Galp Energia.4% da produção. Vale lembrar que grande parte dos blocos licitados foi adquirida juntamente com a Petrobras.

das quais as maiores são:  1.8% Statoil  1.6% da produção nacional de petróleo. A Petrobras detém 91.4% restantes distribuidos entre 46 empresas.2% Sinochem Petróleo 79 . sendo os 8.7% Shell  1.

com 98% da capacidade de processamento nacional de petróleo. As outras 4 refinarias são de capital privado:  Manguinhos (RJ)  Riograndense (RS)  Univen – (SP)  DAX OIL (BA) O principal motivo para a concentração no processamento de óleo é o fato das refinarias da Petrobras não praticarem necessariamente os preços de mercado.No refino. como gasolina. A empresa controla 12 de 16 refinarias instaladas no país. 80 . uma vez que a empresa tenta não repassar a volatilidade das cotações internacionais do petróleo para os preços de alguns derivados. a Petrobras também é líder absoluta.

2014 Mil m³ REPLAN 24.572 REFAP 11.534 RLAM 17.000 14.404 126. 7.413 REMAN 2.532 LUBNOR 495 Manguinhos 157 UNIVEN 0 .691 REPAR 12.000 21.000 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .5 milhões m³ REGAP 9. Produção de derivados por refinaria PRODUÇÃO DE DERIVADOS POR REFINARIA .555 RECAP 3.843 REVAP 15.522 REDUC 14.357 TOTAL RPBC 10.

FONTE: PETROBRAS . A EMPRESA ENCONTRA PETRÓLEO EM MAIS DE 40 DELES. O ÍNDICE MOSTRA QUE A CADA 100 POÇOS PERFURADOS.A PETROBRAS POSSUI ÍNDICE DE SUCESSO DE DESCOBERTA DE MAIS DE 40%. ENQUANTO O ÍNDICE MÉDIO MUNDIAL FICA EM TORNO DE 20%.

CONSUMIDORES 83 .

3%).5%). 84 . OS PRINCIPAIS PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS SÃO ESTADOS UNIDOS (28. CHINA (22.6% DA PRODUÇÃO NACIONAL DE ÓLEO BRUTO É EXPORTADA.7%) E ÍNDIA (17.CERCA DE 26.

5% Mercado interno 77.5% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .PART % DAS EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO NA PRODUÇÃO NACIONAL Part % das Exportações na produção nacional .2009 – 2014 Exportações 22.

0% América do Norte 31.2% 40.2013 Américas Central e do Sul 13.portação de petróleo por região DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO POR BLOCOS ECONÔMICOS .9% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .9% Europa Ásia-Pacífico 14.

DESTINO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE PETRÓLEO POR PAÍS –
Exportação de petróleo por país

2013
Espanha Peru
2,3% 0,9%
Outros
Holanda 9,4%
4,1%
Portugal
3,9% Estados Unidos
28,5%
Chile
4,8%

Santa Lúcia
6,2%

China
Índia 22,7%
17,3%

FONTE: ANP/SECEX
ELABORAÇÃO BRADESCO

NO CASO DE DERIVADOS, AS EXPORTAÇÕES
RESPONDEM POR 11% DA PRODUÇÃO NACIONAL,
CONCENTRADA NAS VENDAS DE ÓLEO COMBUSTÍVEL
E COMBUSTÍVEL PARA EMBARCAÇÕES E AERONAVES
(JUNTOS RESPONDEM POR QUASE 90%).

OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA CONTINUAM SENDO OS
PRINCIPAIS PARCEIROS DO PAÍS NAS EXPORTAÇÕES
DE DERIVADOS

88

PART % DAS EXPORTAÇÕES DE DERIVADOS NA PRODUÇÃO
DOMÉSTICA – 2014

Exportações
11,0%

Mercado interno
89,0%

FONTE: ANP/SECEX
ELABORAÇÃO BRADESCO

2% 0.4% 20.0% Destinos não Europa e Ex-União identificados Soviética 42.3% (1) Inclui óleo combustível.6% Ásia-Pacífico 9. óleo diesel e lubrificantes comercializados para navios estrangeiros em trânsito.DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE DERIVADOS POR BLOCOS ECONÔMICOS – 2013 Exportações de derivados por região África América do Norte Oriente Médio 0.8% 5. Inclui QAV e lubrificantes comercializados para aeronaves estrangeiras em trânsito. FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .6% Américas Central e do Sul 21.

Além de destinos não especificados.2013 Holanda 18.2% Antilhas Holandesas 12.3% Paraguai 1. Inclui QAV e lubrificantes comercializados para aeronaves estrangeiras em trânsito.3% Argentina 2.6% 43.4% Uruguai 3.4% (1) Inclui óleo combustível. óleo diesel e lubrificantes comercializados para navios estrangeiros em trânsito.4% 0.7% Cingapura Outros (1) 12. Exportações de derivados por produto DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE DERIVADOS POR PAÍS .3% Estados Unidos Nigéria 3. FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .

3% 2.4% FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .5% Outros Óleo Diesel 10.1% Combustíveis para aeronaves 22. Exportações de derivados por produto PRINCIPAIS DERIVADOS EXPORTADOS .0% Combustíveis para navios 24.2014 Gasolina A 2.8% Óleo Combustível 38.

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA DO SETOR 93 .

94 . SETOR CONSIDERADO ESTRATÉGICO PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO POR SER A PRINCIPAL FONTE DE ENERGIA NO MUNDO E NO BRASIL.

2013 Energias Renováveis 1.9% Energia nuclear 4.CONSUMO GLOBAL DE ENERGIA POR TIPO DE ENERGIA .7% Petróleo 33.5% Energia hídrica 6.9% Gás Natural 23.9% FONTE: BP ELABORAÇÃO BRADESCO .1% Carvão 29.

3% Petróleo e Derivados 39.3% Derivados 5.1% Dados mais recentes de acordo com a fonte.6% Lenha e Carvão Vegetal 8.2% 1.MATRIZ ENERGÉTICA NO BRASIL – 2013 MATRIZ ENERGÉTICA BRASIL Outras Renováveis Urânio e Derivados Carvão Mineral e 4.3% Gás Natural 12.8% Hidráulica e Eletricidade Derivados da Cana 12. FONTE: MME ELABORAÇÃO BRADESCO .5% de Açúcar 16.

RESPONDENDO POR 11.2% DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS 97 .O SETOR DE PETRÓLEO E DERIVADOS É O 3º MAIOR EXPORTADOR DO BRASIL.

PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS .0% 1.2% Produtos Siderúrgicos e Complexo Carnes Material de Transporte Metalúrgicos 7.6% Açúcar e Etanol 6.0% Papel e Celulose 3.5% 9.2014 Suco de Laranja Fumo e Cigarros 1.1% Madeira e Materiais Manufaturas Elétricos e 1.8% Calçados e Couro 1.7% Café Complexo Soja 2.9% 14.1% Petróleo e Derivados 11.9% Outros 9.2% Máquinas e Instrumentos 3.7% FONTE: SECEX ELABORAÇÃO: BRADESCO .0% Eletrônicos 1.1% 6.9% Minérios Metalúrgicos 12.4% Produtos Químicos 6.

FATORES DE RISCO 99 .

 Risco geopolítico  Risco cambial  Setor intensivo em capital  Alto custo com descobrimento de petróleo – a Petrobras tem um índice de descobrimento mais alto do que a média mundial  “Controle” de preços de derivados do governo através da Petrobras 100 .

PRÉ-SAL 101 .

5% das reservas mundiais (hoje possui 0. Campos e Espírito Santo. o Brasil passou a ser visto como uma das mais promissoras fontes de óleo cru nos próximos anos.  Estimativas da Petrobras indicam reserva entre 40 e 70 bilhões de barris de petróleo na camada pré-sal.  Por isso. Confirmada reservas de 40 bilhões de barris. localizadas nas Bacias de Santos.9%). 102 . PRÉ-SAL  Reservatório de petróleo e gás natural localizada abaixo da camada de sal (cerca de 2 km de espessura). entre 5 km e 7 km abaixo do nível do mar. o Brasil passaria a deter aproximadamente 3.

6% Líbia 10º 3.2% 15º 1.1% 4º 9.8% 11º 2.1% Angola 16º 0.9% Nigéria 11º 2.7% Cazaquistão 13º 1.8% 16º 0.0% Kuw ait 6º 6.9% Rússia 8º 6.6% 13º 1.2% 3º 10.2% Estados Unidos 12º 2.0% 8º 5.4% 10º 2.RANKING MUNDIAL DE RESERVAS PROVADAS DE PETRÓLEO E ESTIMATIVA COM PRÉ-SAL – 2013 Com Pré-sal* Efetivo Países Colocação Part % em Colocação Part % em 2013 2013 Venezuela 1º 19.1% 2º 16.5% Irã 4º 10.6% 14º 0.5% Brasil 9º 3.7% 5º 9.9% 12º 1.0% Canada 3º 11.8% * Pré-sal: considera reservas adicionais de 40 bilhões de boe no Brasil.1% Em irados Árabes Unidos 7º 6.2% 1º 18.5% 6º 6. FONTE: BP E PETROBRAS ELABORAÇÃO BRADESCO . enquanto o resto do mundo permanece com a mesma quantidade de reservas provadas em 2009.9% China 15º 1.4% Iraque 5º 9.3% 7º 5.8% Catar 14º 1.1% 9º 2.0% Arábia Saudita 2º 17.

A DESCOBERTA DE ÓLEO LEVE REDUZIRÁ ENTÃO A NECESSIDADE DE IMPORTAÇÃO DESSE TIPO DE ÓLEO PARA A PRODUÇÃO DE GASOLINA E OUTROS COMBUSTÍVEIS.O ÓLEO EXTRAÍDO DAS RESERVAS ENCONTRADAS DE PRÉ-SAL SÃO CLASSIFICADOS ENTRE MÉDIO E LEVE. QUE POSSUEM MELHOR QUALIDADE DO QUE O PETRÓLEO JÁ PRODUZIDO NO BRASIL (PESADO). 104 .

ALCANÇANDO A 6ª COLOCAÇÃO NO RANKING DE PRODUÇÃO MUNDIAL – ATUALMENTE OCUPA A 13ª COLOCAÇÃO.A PROJEÇÃO DA PETROBRAS PARA A PRODUÇÃO DE PETRÓLEO DO PRÉ-SAL É ATINGIR 2 MILHÕES DE BPD EM 2020. O BRASIL PODERÁ RESPONDER POR 4. MANTENDO ESTÁVEL A PRODUÇÃO DOS OUTROS PAÍSES. 105 .8% DA PRODUÇÃO MUNDIAL.

3% 7º 4.7% Ve ne zue la 12º 3.4% 8º 3.2% China 5º 4.8 milhões de bpd no Brasil.9% 15º 1.8% Bras il 6º 4.0% Canada 7º 4.7% Iraque 11º 3.2% 4º 4. enquanto o resto do mundo permanece com produção estável FONTE: BP E PETROBRAS ELABORAÇÃO BRADESCO .3% M é xico 9º 3.9% * Pré-sal: considera produção adicional de 1.7% Em irados Árabe s Unidos 8º 4.7% 13º 2.7% 9º 3.2% Argé lia 15º 1.1% Nigé ria 13º 2.7% 2º 12.7% Rús s ia 2º 12.7% 10º 3.5% Norue ga 14º 2.9% 5º 5.6% 1º 13.RANKING MUNDIAL DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E ESTIMATIVA COM PRÉ-SAL – 2013 Com Pré -s al* Efe tivo País e s Colocação Part % e m Colocação Part % e m 2013 2013 Arábia Saudita 1º 13.1% 11º 3.7% 6º 4.7% 12º 2.2% 14º 2.4% Kuw ait 10º 3.9% Irã 4º 4.8% Es tados Unidos 3º 11.8% 3º 11.

5 3.93 2.06 2.5 0.37 2.5 4.23 2.75 1.35 3.50 2.5 1.5 2.0 2.48 1.20 4.10 2.72 1.milhões bpd Milhões barris por dia 4.94 1.0 1.0 0.78 3.0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 FONTE: PETROBRAS ELABORAÇÃO (*) PROJEÇÃO BRADESCO .05 2.63 1.81 1.0 3.10 2.50 1. PRODUÇÃO TOTAL DE PETRÓLEO produção .

A RECEITA TOTAL COM O ÓLEO CRU DO PRÉ-SAL É DE QUASE US$ 2 TRILHÕES NESSE PERÍODO. COM PRODUÇÃO DE 2 MILHÕES DE BPD E O PREÇO DE PETRÓLEO ATINGINDO US$ 145 O BARRIL EM 2020. 108 .

000 147.739 101.000 65.892 100.197 300.9 TRILHÃO 500.000 TOTAL US$ 1.885 400.117 35.011 - 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 FONTE: PETROBRAS ELABORAÇÃO (*) PROJEÇÃO BRADESCO .209 3.000 629.000 332.000 464.pré-sal US$ Bilhões 700.798 600. ESTIMATIVA DE RECEITA OPERACIONAL DE ÓLEO CRU DA CAMADA PRÉ-SAL Receita operacional .580 200.000 227.869 13.

DEVERÁ FICAR COM ALGO EM TORNO DE 40% DAS RECEITAS TOTAIS. PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS. 110 . ATRAVÉS DE ROYALTIES. IMPOSTO DE RENDA E CONSTRIBIUÇÃO SOCIAL. O GOVERNO. O EQUIVALENTE A US$ 408 BILHÕES.

349 1.848 60000.264 4.0 100.959 21.390 180000.0 US$ 408 BILHÕES 137. ESTIMATIVA DE RECEITAS DO GOVERNO COM O ÓLEO CRU DA CAMADA PRÉ-SAL Receitas do governo com pré-sal 200000.067 20000.0 70.433 100000.0 120000.0 80000.0 32.0 TOTAL 160000.845 40000.0 47.198 - 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 FONTE: PETROBRAS ELABORAÇÃO (*) PROJEÇÃO BRADESCO .0 11.546 140000.0US$ Bilhões 183.

112 . SOMENTE A PETROBRAS INVESTIRÁ US$ 111.4 BILHÕES NO PRÉ-SAL ENTRE 2009 E 2020. OS INVESTIMENTOS TOTAIS DO PRÉ-SAL DEVERÃO SOMAR US$ 160 BILHÕES ATÉ 2020.7% SERÁ DESTINADO À BACIA DE SANTOS. SENDO QUE 88.

286 9.281 5.000 1.714 19.099 14.190 10.786 13.480 7.225 0 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 FONTE: PETROBRAS ELABORAÇÃO (*) PROJEÇÃO BRADESCO .786 12.694 18.225 8.US$ milhões 17.324 7.000 6.742 6.810 Petrobras .524 13.143 4.476 14.810 14.929 5.286 6.000 Parceiras .286 8.056 7.908 15.524 2.265 Total do pré-sal .286 10.225 11.857 3.967 5.US$ milhões 19. ESTIMATIVA DA CURVADE PRODUÇÃO DE INVESTIMENTOS PETRÓLEO PARA DA PRETROBRAS APARCEIRAS E DAS PRODUÇÃO DE NO PRÉ -SAL - PETRÓLEO NA ÁREA DO PRÉ-SAL MILHÕES BPD US$ bilhões 21.786 11.US$ milhões 18.

00 Investimento produção .04 .44 2.49 10.694 2.milhões bpd 19. - 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 FONTE: PETROBRAS ELABORAÇÃO (*) PROJEÇÃO BRADESCO .000 18.00 15.000 0.225 0.50 0.24 0.714 19.78 5.281 13.50 10.50 20.000 1.810 1.476 2.INVESTIMENTOS US$ milhões e milhões bpd PARA O PETRÓLEO NA ÁREA DO PRÉ-SAL US$ bilhões Milhões bpd 25. ESTIMATIVA DAdaCURVA Evolução produção eDE PRODUÇÃO dos investimentos para o E préDE -sal .000 7.58 5.324 1.pré-sal .000 3.10 0.00 0.265 14.967 15.40 0.

15 0.78 0.10 1.07 1.38 2.23 0.0 1.24 0.04 0.0 0.70 1.91 0.5 2.10 0.58 0.0 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026 2027 2028 2029 2030 2031 2032 2033 2034 2035 2036 2037 2038 2039 2040 2041 2042 2043 2044 2045 2046 2047 FONTE: PETROBRAS ELABORAÇÃO (*) PROJEÇÃO BRADESCO .26 1.milhões bpd 3.58 2.5 0.77 2.44 0.66 0.5 1.pré-sal .44 2.72 2.ESTIMATIVA DA CURVA DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO DO PRÉ-SAL produção .85 1.49 1.69 2.40 0.21 2.06 2.47 1.64 2.63 2.93 1.0 Milhões bpd 2.48 2.

0 1.2 Não Pré-Sal 4.0 1.5 1.1 2.PRODUÇÃO DE PETRÓLEO PRODUÇÃO DE PETRÓLEO .2 1.6 0.8 - 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 FONTE: PETROBRAS ELABORAÇÃO (*) PROJEÇÃO BRADESCO * Projeção .MILHÕES BPD Milhões barris por dia 5.8 1.5 1.9 1.0 0.0 2.1 2.4 0.2 2.5 1.9 1.4 2.1 1.1 2.8 1.8 1.1 0.8 1.9 0.1 2.9 2.0 Pré-Sal 4.PRÉ-SAL E NÃO PRÉ-SAL .0 3.8 0.0 2.7 1.9 3.8 1.7 1.5 2.4 1.6 1.1 2.7 1.8 3.4 2.

NOVO MARCO REGULATÓRIO 117 .

REGIME DA EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO NO BRASIL ÁREAS JÁ Regime de concessão LICITADAS (Lei do Petróleo de 1997) (CONCEDIDAS) Cessão Onerosa Petrobras (até 5 bilhões boe) PRÉ-SAL E (Capitalização) ÁREAS Contratação direta ESTRATÉGICAS Regime de partilha da Petrobras de produção Licitação (Petrobras tem 30% garantido) Regime de concessão OUTRAS ÁREAS (Lei do Petróleo de 1997) .

ESQUEMA DO REGIME DE PARTILHA DE PRODUÇÃO
CONSÓRCIO VENCEDOR
DA LICITAÇÃO TERÁ A
ÓLEO EXTRAÍDO PROPOSTA MAIS VANTAJOSA
SEGUNDO O CRITÉRIO DA
OFERTA DE MAIOR EXCEDENTE
Óleo extraído
EMPRESAS EM ÓLEO (ÓLEO LUCRO)
PARA A UNIÃO.
menos óleo ÓLEO
custo. LUCRO A UNIÃO NÃO ASSUMIRÁ OS
UNIÃO RISCOS DE EXPLORAÇÃO E
PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS
NATURAL, CABENDO AO
CONTRATADO O RISCO
DA ATIVIDADE.
Parcela do
AS RECEITAS GOVERNAMENTAIS
óleo ÓLEO DO REGIME DE PARTILHA
destinada à CUSTO VIRÃO DOS ROYALTIES, DO
remuneração BÔNUS DE ASSINATURA (VALOR
FIXO ESTABELECIDO NO
dos custos e CONTRATO DE PARTILHA) E DA
investimentos. COMERCIALIZAÇÃO DO ÓLEO.

A PETROBRAS SERÁ OPERADORA ÚNICA DOS BLOCOS
LICITADOS, COM PARTICIPAÇÃO GARANTIDA DE 30% NOS
CONSÓRCIOS FORMADOS PARA A LICITAÇÃO (OPERADOR
É A EMPRESA RESPONSÁVEL PELA TECNOLOGIA,
PESSOAL E RECURSOS MATERIAIS EMPREGADOS NA
EXPLORAÇÃO).
A EMPRESA PODERÁ AINDA PARTICIPAR DOS LEILÕES OU
SER CONTRATADA DIRETAMENTE PELA UNIÃO, TANTO
PARA A EXPLORAÇÃO DE ÓLEO E GÁS COMO PARA A
COMERCIALIZAÇÃO DA PARCELA DE ÓLEO E GÁS
DESTINADOS À UNIÃO.
120

A MUDANÇA DE REGIME DE EXPLORAÇÃO
DO PETRÓLEO É DEFENDIDA PELO GOVERNO
COM BASE NAS EXPERIÊNCIAS
INTERNACIONAIS. OS MAIORES
PRODUTORES E DETENTORES DE RESERVAS
DO MUNDO POSSUEM MODELO DE PARTILHA
DA PRODUÇÃO.
121

RANKING DOS MAIORES PRODUTORES E DETENTORES DE RESERVAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Petróleo Gás Natural Reservas Produção Reservas Produção 1º Arábia Saudita Arábia Saudita Rússia Rússia 2º Irã Rússia Irã EUA 3º Iraque EUA Qatar Canadá 4º Kwait Irã Turcomenistão Irã 5º Venezuela China Arábia Saudita Noruega 6º Emirados Árabes Canadá EUA Argélia 7º Rússia México Emirados Árabes Arábia Saudita 8º Líbia Emirados Árabes Nigéria Qatar 9º Casaquistão Kwait Venezuela China 10º Nigéria Venezuela Argélia Indonésia FONTE: BNDES ELABORAÇÃO: BRADESCO .

REGIME ADOTADO (1) EM PAÍSES SELECIONADOS . Regime Secundário: Utilizado em menor escala ou em casos específicos. FONTE: BNDES ELABORAÇÃO: BRADESCO .2008 Partilha de Partilha de Concessão Joint Venture produção seviços EUA Principal Emirados Árabes Principal Noruega Principal Angola Secundário Principal Secundário Indonésia Principal Secundário México Principal Arábia Saudita Secundário Principal Venezuela Principal Rússia Principal Secundário Nigéria Secundário Principal Secundário Secundário (1) Regime Principal: utilização significativa no país.

CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS 124 .

800 1.454 1.496 1.722 1.200 600 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO .748 1.100 2.400 Mil barris por dia 2.633 1.477 1.019 1.293 1. PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PETRÓLEO EM MIL BARRIS/DIA 2.945 1.056 2.195 2.231 1.054 2.812 1.

5% 2.0% 2.0% 8.0% 10.0% 7.5% 0.0% 4.9% 2.3% 10.8% -2.5% 11.0% 12.0% -1.0% -1.5% -4.0% -2. TAXA DE VARIAÇÃO % DA PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PETRÓLEO Taxa de Variação da Produção de Petróleo Fonte: ANP 14.3% 6.9% 12.0% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO .0% 5.3% 4.5% 5.0% 1.

acum 12m out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 888 jan/16 abr/16 DE PETRÓLEO – ACUMULADO 12 MESES jul/16 889 FONTE: ANP . 540 630 720 810 900 990 jul/07 642 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 659 out/08 EM MILHÕES BARRIS jan/09 abr/09 689 jul/09 Milhões de barris/ano out/09 jan/10 abr/10 FONTE: ANP 721 jul/10 PRODUÇÃO BRASILEIRA out/10 jan/11 abr/11 ELABORAÇÃO BRADESCO jul/11 out/11 jan/12 778 abr/12 jul/12 741 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 731 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 749 PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PETRÓLEO .

4% -3.2% 5. PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PETRÓLEO – VAR % NO ACUMULADO 12 PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PETRÓLEO .7% 6.3% -1.0% 1.3% 2.1% 13.0% -6.3% -1.9% 3.0% 7.0% abr/08 abr/09 abr/10 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 abr/15 abr/16 out/07 out/08 out/09 out/10 out/11 out/12 out/13 out/14 out/15 jul/07 jul/08 jul/09 jul/10 jul/11 jul/12 jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .0% 1.var % acum 12m FONTE: ANP MESES 17.1% 2.8% 3.4% 5.0% 1.1% -7.0% 14.0%3.9% 5.0% 9.1% 2.

PRODUÇÃO BRASILEIRA DEProdução milhões barris PETRÓLEOde Petróleo EM MILHÕES DE BARRIS/ANO– Fonte: ANP ACUMULADO 12 MESES Milhões de barris/ano 850 823 800 768 750 754 750 735 712 700 663 650 638 629 596 600 546 541 550 531 500 472 450 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .

8% -2.0% 4.0% 7.9% 2.0% -1.9% 12.0% 8.0% -2.0% 10.5% -4.3% 6.3% 4.0% 2.0% 1.0% 12.5% 2.0% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .3% 10.0% 5.5% 0.0% -1.5% 11.5% 5. Taxa de Variação da Produção de Petróleo Fonte: ANP VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PETRÓLEO – ACUMULADO 12 MESES 14.

QUANTUM EXPORTADO E IMPORTADO DE PETRÓLEO M il Barris Importação e Exportação de Pe tróleo M X Fonte : ANP Milhões de barris 240 Importações Exportações 230 210 221 201 201 180 192 189 173 150 160 158 152 154 145 148 148 144 139 138 139 142 135 120 128 132134 124 121 114 90 100 86 88 84 60 30 40 7 0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 FONTE: ANP/SECEX ELABORAÇÃO BRADESCO .

QUANTUM EXPORTADO MILHÕES BARRIS E IMPORTADO IMPORTAÇÕES DE PETRÓLEO E EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO NO BRASIL – ACUMULADO 12 FONTE: ANP/SECEX MESES Milhões de barris 320 Importações Exportações 270 275 230 234 220 225 191 208 190 170 161 150 147 125 146 120 117 123 116 106 111 70 out/07 abr/08 out/08 abr/09 out/09 abr/10 out/10 abr/11 abr/12 out/12 abr/13 out/13 abr/14 out/14 abr/15 out/15 abr/16 out/11 jul/07 jul/08 jul/09 jul/10 jul/11 jul/12 jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .

905 120.000 126.735 105.427 95.000 95.ANP .000 97.841 105.328 115.460 100.541 106.000 117.000 93.496 110.000 103.000 106.439 105.000 2000 2001 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2002 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .mil m³ PRODUÇÃO BRASILEIRA DE DERIVADOS DE PETRÓLEO 130.000 123.440 101.061 90. Produção de derivados de petróleo .468 Mil m³ 125.790 100.008 95.000 111.

1% 2.2% 5.0% 4.7% 4.0% 6.0% 1.ANP .3% -1.3% 1.4% 4.5% 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .0% 0.0% 3.0% -2.0% 5.0% 0.6% 1.0% 2.7% 5.0% -0.3% 0.mil m³ 7.0% -2. TAXA DE VARIAÇÃO % DA PRODUÇÃO BRASILEIRA DE DERIVADOS DE PETRÓLEO Taxa de variação % da produção de derivados de petróleo .6% 5.2% 2.0% 1.0% -3.

103 97.000 122.145 114.540 112. PRODUÇÃO BRASILEIRA DE Produção DERIVADOS Nacional de Derivados .000 92.496 107.143 107.000 105.DE ANP -PETRÓLEO milhões m³ .000 121.000 115.963 102.000 jul/07 jul/08 jul/09 jul/10 jul/11 jul/12 jul/13 jul/15 jul/16 jul/14 out/07 out/08 out/09 out/10 out/11 out/12 out/13 out/14 out/15 abr/08 abr/09 abr/10 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 abr/15 abr/16 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .468 127.252 117.ACUMULADO 12 MESES Milhões m³ 126.000 103.306 107.000 110.

00% -6.8% 0.5% 6.8% -4.mil m³ ACUMULADO 12 MESES 8. PRODUÇÃO BRASILEIRA DE DERIVADOS DE PETRÓLEO – VAR % DO Produção Nacional de Derivados .0% 4.00% 1.6% 1.00% 5.0% -8.9% 3.6% -6.00% 3.5% 3.3% 2.6% 6.ANP .00% -2.2% 4.00% jul/07 jul/09 jul/10 jul/11 jul/12 jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 jul/08 out/07 out/08 out/09 out/10 out/11 out/12 out/13 out/14 out/15 abr/08 abr/09 abr/10 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 abr/15 abr/16 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .6% 3.00% -3.9% 4.00% 6.00% -2.

00 96.2 84.em % Em % 120.00 20.4 87.3 91.00 100.2 86.00 40.3 98.5 86.8 89.9 90.0 89.2 92.6 90.1 89.00 - 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO . UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE REFINO Utilziação da capacidade das refinarias .1 83.1 91.00 78.4 60.9 91.7 80.

8 13.3 17.9 16.ANP .0 15.8 27.3 28.7 15.7 10.0 16.9 11 6 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .7 14.5 13.9 14.1 11.8 16.5 13.4 27.9 16 15.8 15.6 17.8 16.7 27.0 15.0 16.milhões m³ Milhões m³ 36 Importação Exportação 31 30.2 26 21 18.2 14. QUANTUM EXPORTADO E IMPORTADO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO Exportações e importações de derivados de petróleo .0 15.6 13.

CONSUMO APARENTE DE PETRÓLEO Barril mil Consumo aparente de Petróleo Fonte: ANP Mil barris/ano 800 779 750 744 700 664 669 668 653 650 645 643 629 635 626 600 586 584 584 550 500 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .

Barril mil Consumo aparente de Petróleo Fonte: ANP CONSUMO APARENTE DE DERIVADOS Mil barris/ano 900 850 832 836 807 798 800 758 750 700 675 675 654 650 630 629 609 606 608 600 586 550 500 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .

9 13.9 9.513.000 mai/08 mai/09 mai/10 mai/11 mai/12 mai/13 mai/14 mai/15 mai/16 mar/08 mar/09 mar/10 mar/11 mar/12 mar/13 mar/14 mar/15 mar/16 jul/07 jul/08 jul/09 jul/10 jul/11 jul/12 jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 nov/07 nov/08 nov/09 nov/10 nov/11 nov/12 nov/13 nov/14 nov/15 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 set/07 set/08 set/09 set/10 set/11 set/12 set/13 set/14 set/15 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .680.6 25.000 27.000 14.2 13.4 Importação 30.9 15.1 14.199.624.0 17.8 14.259.mil m³ ACUMULADO 12 MESES Milhões m³ 33.418.7 31.202.177.081.280.000 11.032. QUANTUM EXPORTADO E IMPORTADO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO – Exportação e importação de derivados .2 29.000 Expo rtação 32.0 28.1 18.ANP .000 18.9 27.185.315.000 21.239.

562 1.852 1.867 2.0 2.500.418 2.188 1.0 0.896 3.072 Exportações 2.701 2.697 2.000.341 2.0 1.725 2.929 2.744 2. EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO DE PETRÓLEO E DERIVADOS US$ BILHÕES Fonte: ANP Importação e Exportação de Pe tróleo US$ bilhões 3.184 2.000.500.0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .0 Importações 3.548 1.000.050 2.500.0 2.0 1.0 500.

0% 2009 2010 2011 2012 2013 2014 FONTE: ANP ELABORAÇÃO BRADESCO .0% -10.0% 0.8% 10.0% 27.0% -1. VAR % DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DE PETRÓLEO E DERIVADOS Taxa de v ariação de Importação e Exportação de Pe tróleo Fonte : ANP 70.9% -30.3% 0.0% Importações Exportações 49.0% 24.9% 50.5% -50.6% 30.0% 41.0% -4.0% -24.1% 30.3% -20.0% 6.

000.500.0 2.0 mai/09 mai/10 mai/11 mai/12 mai/13 mai/14 mai/15 mai/16 fev/11 fev/13 fev/15 ago/09 nov/09 fev/10 ago/10 nov/10 ago/11 nov/11 fev/12 ago/12 nov/12 ago/13 nov/13 fev/14 ago/14 nov/14 ago/15 nov/15 fev/16 ago/16 FONTE: SECEX ELABORAÇÃO: BRADESCO .542 1.244 2.844 1.0 2.500.112 3.0 1.000.500.705 1.694 2.900 2. EXPORTAÇÃO US$ E IMPORTAÇÃO IMPORTAÇÕES DE E EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO E DERIVADOS PETRÓLEO NO BRASIL .0 Importações Exportações 3.acum 12m –FONTE: SECEX ACUMULADO EM 12 MESES US$ bilhões 3.000.0 1.

8% 30% 31.7% -27.1% -6.IMPORTAÇÕES E EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO NODE PETRÓLEO BRASIL .acum 12m EFONTE: SECEX DERIVADOS – ACUMULADO EM 12 MESES 70% Importação Exportação 50% 41.9% -15.1% 30.8% -10% -2.6% -30% -50% mai/09 mai/10 mai/11 mai/12 mai/13 mai/14 mai/15 mai/16 ago/09 nov/09 ago/10 nov/10 ago/11 nov/11 ago/12 nov/12 ago/13 nov/13 ago/14 nov/14 ago/15 nov/15 ago/16 fev/10 fev/11 fev/13 fev/14 fev/15 fev/16 fev/12 FONTE: SECEX ELABORAÇÃO: BRADESCO .8% -23.US$ VAR % DAS EXPORTAÇÕES Var % E IMPORTAÇÕES .5% 10% 7.5% 1.1% -17.5% 16.4% -5.0% -1.

3 15/08/15 38.5 08/09/16 PETRÓLEO: EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DO WTI X BRENT (1º FUTURO) 47.5 18/03/15 43.7 21/06/14 114.6 23/03/14 98.1 13/11/15 13/12/15 46. 100 120 20 80 40 60 23/12/13 22/01/14 92.7 11/05/16 52.7 26.6 26.9 49.2 12/01/16 11/02/16 34.8 17/05/15 16/06/15 57.4 50.3 21/02/14 EM US$/b 110.8 .0 22/04/14 110.2 18/11/14 86.5 16/02/15 BRADESCO 62.2 WTI 12/03/16 41.7 16/07/15 63.5 BRENT 11/04/16 35.2 53.8 21/07/14 20/08/14 93.5 10/06/16 10/07/16 09/08/16 39.7 19/09/14 19/10/14 74.1 18/12/14 ELABORAÇÃO: 146 FONTE: BLOOMBERG 17/01/15 44.0 22/05/14 99.2 14/09/15 14/10/15 54.9 17/04/15 67.

1 04/12/14 01/01/15 46. 125 105 25 45 85 65 05/12/13 02/01/14 30/01/14 27/02/14 EM US$/b 110.8 .0 19/06/14 115.1 17/07/14 14/08/14 107.8 21/05/15 62.6 FONTE: BLOOMBERG 29/01/15 62.6 27/03/14 24/04/14 22/05/14 110.7 11/09/14 BRENT (1º FUTURO) 09/10/14 06/11/14 86.1 18/06/15 16/07/15 13/08/15 10/09/15 08/10/15 05/11/15 03/12/15 31/12/15 28/01/16 25/02/16 24/03/16 21/04/16 19/05/16 16/06/16 14/07/16 PETRÓLEO: EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DE PETRÓLEO TIPO 11/08/16 08/09/16 49.4 23/04/15 67.5 26/02/15 ELABORAÇÃO: BRADESCO 26/03/15 53.

economiaemdia.br Equipe Técnica Octavio de Barros . Moraes / Fabio Rafael Otheguy Fernandes / Mariana Silva de Freitas / Rafael Martins Murrer .com.Diretor de Pesquisas e Estudos Econômicos Fernando Honorato Barbosa – Superintendente Executivo Economistas: Ana Maria Bonomi Barufi / Andréa Bastos Damico / Ariana Stephanie Zerbinatti / Constantin Jancso / Daniela Cunha de Lima / Ellen Regina Steter / Estevão Augusto Oller Scripilliti / Fabiana D’Atri / Igor Velecico / Leandro Câmara Negrão / Marcio Aldred Gregory / Myriã Tatiany Neves Bast / Priscila Pacheco Trigo / Regina Helena Couto Silva / Thomas Henrique Schreurs Pires Estagiários: Bruno Sanchez Honório / Carlos Henrique Gomes de Brito / Christian Frederico M. DEPEC-BRADESCO www.