You are on page 1of 75

FÍSICA GERAL

MOVIMENTO RETILÍNEO
MOVIMENTO
O mundo, e tudo que nele existe está em
movimento. Mesmo objetos aparentemente
imóveis, como um edifício, estão em movimento.
Muitas vezes queremos comparar movimentos.
A classificação e a comparação dos movimentos
são, com freqüência, difíceis. Desta forma, o
que, exatamente, medir, e como comparar?
Para isso, temos que primeiramente examinar
as propriedades gerais do movimento, que é
restrito de três formas:
1-MOVIMENTO É, UNICAMENTE, RETILÍNEO.
A direção pode ser vertical, horizontal, ou
inclinada, mas deve ser retilínea.

VERTICAL HORIZONTAL
2-A CAUSA DO
MOVIMENTO (capítulo 5).
Aqui, estudaremos, apenas, ACELERADO
o movimento em si mesmo.
O móvel está acelerado,
desacelerado, parado, ou
sua velocidade muda de
DESACELERADO
sentido; e, se o movimento
varia, como a variação
depende do tempo? PARADO
O móvel, ou é PARTICULA (objeto
puntiforme), ou é um CORPO QUE SE MOVE
COMO UMA PARTÍCULA (todos os pontos se
deslocam na mesma direção e com mesma
velocidade). Um bloco deslizando para baixo
num escorregador reto de playground pode ser
tratado como partícula; entretanto, um carrossel
em rotação não pode, porque pontos diferentes
da sua borda movem-se em direções diferentes.
POSIÇÃO E DESLOCAMENTO
Localizar um objeto- determinar sua posição
relativa a um ponto de referência, em geral, a
origem (ou ponto zero) de um eixo, como o
eixo x.
Positivo-o eixo é crescente na escala
numérica.
Sentido Negativo- o eixo é decrescente na
escala numérica
Quando uma partícula está em:
x=5 m – significa que a partícula está a 5 m da
origem, no sentido POSITIVO.
x=-5m – significa que a partícula estaria
igualmente afastada da origem, mas no
sentido NEGATIVO.

-6 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4
5 6
Deslocamento ∆x – variação de uma posição
x1 para outra posição x2.
∆ - símbolo que representa a variação de uma
grandeza, significa que o valor inicial da
grandeza deve ser subtraído do valor final.
Valor de Deslocamento:

Positivo – deslocamento no sentido positivo.


Negativo – deslocamento no sentido contrário.
Grandeza Vetorial –possui módulo, direção e
sentido. (cap3).Onde módulo seria a distância
entre a posição inicial e final, e o sentido, num
dado eixo, da posição inicial e final, que é
representado por um sinal + ou - .
Velocidade média e velocidade
escalar média
O posicionamento de um móvel é descrito por
um gráfico da posição x em função do tempo.
O gráfico mostra um tatu em repouso no ponto
x=-2m. Podemos observar que durante 7
segundos o tatu permaneceu na posição x=-2
m.
A figura ao lado mostra o tatu se
movendo. Na figura (a) ele sai em
t=0 s da posição x=-5 m, passa
por x=0 m em t= 3 s e na posição
x=2m em t=4s. A figura (b) mostra
o movimento real do tatu em linha
reta.
A figura (a) é bem mais abstrata
do que a (b), mas ela mais rica
em informação. Podemos notar
que a velocidade não
permaneceu a mesma.
Para sabermos o quão rápido o tatu se move,
calculamos a velocidade média.
VELOCIDADE MÉDIA - é razão do
deslocamento ∆x,
ocorrido durante um
intervalo de tempo ∆t, por
esse intervalo de tempo.
No gráfico x versus t , é
a inclinação da reta que
une dois pontos da curva
x(t): um ponto
corresponde a x2 e t2 , e o
outro a x1 e t1.
A velocidade média é uma
grandeza vetorial , desta
forma, ela possui módulo,
direção e sentido. O seu
módulo é valor absoluto da
inclinação da reta.
Quando
>0 -a inclinação da reta é para cima da
esquerda para a direita.
<0 -a inclinação da reta é para baixo da
esquerda para direita x

Lembrando: 2 x

A INCLINAÇÃO DA RETA x -x 2 1

1 x
É A TANGENTE DA RETA.
t1 t2 t

t2 -t1
No caso do tatu temos:
EXEMPLO
Um motorista dirige um veículo numa rodovia
retilínea a 70 km/h. Após rodar 8,0 km, o veículo
pára por falta de gasolina. O motorista caminha
2km adiante, até o posto de abastecimento mais
próximo em 27 min. Qual a velocidade média
do motorista desde do instante da partida do
veículo até chegar ao posto? Obtenha a
resposta numérica e graficamente.
Resolução
Primeiro, vamos calcular o tempo que o motorista
gasto no primeiro trajeto:

O tempo gasto no segundo trajeto foi de


27min=0,450h
Assim, o tempo total gasto foi de:
Desta forma, a velocidade média do trajeto total
feito pelo motorista é:
x(t)(m)

Para obter a resposta carro


Posto de
gasolina
parou 12
graficamente, primeiramente 10

traçamos o trajeto realizado 08


06
∆x=10 km
de carro e depois o trajeto 04
02

feito a pé. 10 20 30 40 t(min)


t
∆t=33,84 mim= 0,564 h
Exemplo
Admitamos que o motorista tenha levado 35 min
para carregar o combustível do posto ao carro
Qual a velocidade média do motorista, do
instante que ele iniciou a viagem até chegar ao
carro com o combustível?
Resolução
Vale salientar que o deslocamento é a diferença
entre o ponto final e o ponto inicial. Neste caso o
ponto final coincide com o ponto onde o carro
parou.
Desta forma,
∆x=8,0-0=8,0 km
E o tempo gasto no primeiro trajeto (como o
carro)
Tempo gasto no segundo trajeto (ida ao posto
de gasolina).
Tempo gasto no terceiro trajeto (retorno para o
carro).
Tempo total:

Assim,
VELOCIDADE ESCALAR MÉDIA
É uma forma diferente de descrever a
“rapidez”de uma partícula. Enquanto a
velocidade média é função do deslocamento da
partícula, a velocidade escalar média é função
da distância total percorrida independente do
sentido.

Obs: Em alguns casos


Exemplo
Calcule a velocidade escalar média do exemplo
anterior.
∆x= ∆x1+ ∆x2+ ∆x3= 8,0km+2,0km+2,0km=12 km
∆t=∆t1+∆t2+∆t3 = 0,114 h+0,450h+0,583h=1,15h
VELOCIDADE INSTANTANEA E VELOCIDADE
ESCALAR
A velocidade instantânea, (ou simplesmente
velocidade) é a velocidade, em um instante qualquer,
que é igual a velocidade média, quando o intervalo de
tempo ∆t tende a zero. A medida que ∆t diminui, a
velocidade média tende a um valor limite, que é a
velocidade naquele instante.

Sendo a velocidade um vetor, tem direção e um


sentido.
A velocidade escalar é o módulo da
velocidade, isto é, velocidade escalar é a
velocidade sem qualquer indicação de direção e
sentido. Por exemplo, uma velocidade de +5m/s
e outra de -5m/s estão associadas a mesma
velocidade escalar de 5 m/s.
Obs: A velocidade escalar e a velocidade
escalar média podem ser completamente
diferentes .
Exemplo
A figura ao lado mostra
o gráfico x(t) do
movimento de um
elevador, que, a partir
do repouso, desloca-se
para cima (que
arbitramos ser o
sentido positivo) e
pára. Trace o gráfico
de v(t) em função do
tempo.
Podemos observar que
nos ponto a e d a
velocidade é nula, pois
a inclinação é zero.
Nestes pontos o
elevador está parado.
No intervalo bc, o
elevador se move com
velocidade constante, e
a inclinação de x(t) é:

O sinal + indica que o deslocamento é no sentido


positivo de x.
A figura ao lado mostra o
gráfico de x(t) e de v(t).
Dado o gráfico v(t), podemos
obter o gráfico x(t)
correspondente. Entretanto,
não podemos saber os valores
de x a cada instante
(precisamos de mais
informação). Podemos obter a
variação de x em qualquer
intervalo, basta calcular a área
sob a curva, no gráfico v(t),
para aquele intervalo.
Por exemplo,
calculando a variação
de x para o intervalo
entre 3 e 8 s, temos:

A área é positiva,
porque a curva v(t) está
acima do eixo t.
Exemplo
A posição de uma partícula que se move ao
longo do eixo x é dada por:

Qual a velocidade em t = 3,5s? A velocidade é


constante ou está continuamente variando?
Em t=3,5 s ,a
partícula se move no
sentido decrescente
de x (note que o sinal
é -) com a velocidade
escalar de 68m/s.
Como a velocidade
depende de t,
podemos afirma que
a mesma varia
continuamente.
ACELERAÇÃO
ACELERAÇÃO MÉDIA
A aceleração média de uma partícula é a
variação da velocidade em um intervalo de
tempo ∆t.
ACELERAÇÃO INSTANTÂNEA(aceleração).
A aceleração instantânea é a aceleração média
quando o intervalo de tempo ∆t tende a zero, ou
seja é a aceleração de uma partícula em um
determinado instante, ou ainda, é taxa de variação
da velocidade naquele instante.

Conforme a equação acima a aceleração em


qualquer ponto é a inclinação (derivada)da curva
v(t), nesse ponto.
A unidade usual de aceleração é metro por
segundo por segundo m/(s.s) ou m/s2.
A aceleração é uma grandeza vetorial e como
tal, possui módulo, direção e sentido.
O sinal algébrico representa o sentido num dado
eixo.
Num parque de diversões, as
maiores sensações são causadas
pelos brinquedos que nos
submetem a variações súbitas de
velocidade.
EXERCICIO
a)Quando Kitty O’Neil
estabeleceu o recorde para a
maior velocidade e o menor
tempo decorrido para um
dragter, ela alcançou a marca
de 631,7 km/h em 3,72 s. Qual
foi a sua aceleração média?
b) Qual foi a aceleração de Eli Beeding Jr. quando a
marca de 117 km/h, em 0,04 s, num carro foguete?
OBS:
Velocidade e aceleração
- Mesmo sinal – a velocidade escalar do móvel
está aumentando.
-Sinais diferentes – a velocidade escalar do
móvel está diminuindo.
Exercício
A posição de uma
partícula é dada por:

Onde as unidades dos coeficientes são m, m/s e


m/s2 respectivamente, e o eixo x está mostrado
na figura ao lado.
a) Obtenha a equação da velocidade v(t) e da
aceleração a(t).
b) Em que instante v=0?
c) Descreva o movimento da partícula para t≥0.
Resolução
a) b)
c) Em t=0
ACELERAÇÃO CONSTANTE: UM CASO
ESPECIAL
Em muitos tipos de movimento, a aceleração é
constante ou praticamente constante.
Exemplo: Podemos acelerar ou desacelerar um
carro de forma aproximadamente constante.
Esses casos são tão freqüentes que, que um
conjunto especial de equações foi definido para
tratá-lo.
Lembrando: essas equações são válidas
apenas para aceleração constante (ou
situações nas quais podemos considerá-las
constantes).
Quando a aceleração é constante, a
aceleração média e a aceleração instantânea
são iguais, assim:
A equação
se reduz a para t=0.
Derivando a equação da velocidade temos:

Fazendo t0 =0 na equação
Na equação
é a posição da partícula em e é a
velocidade média entre e posterior.
Traçando a curva utilizando a equação
obtemos uma reta. Assim, a velocidade média em
qualquer intervalo de tempo, (por exemplo, entre
t=0 e t) é a média entre a velocidade no inicio do
intervalo (= ) e a velocidade no final do intervalo
(= ). Então para o intervalo t=0 até t, a velocidade
média é:
Substituindo em

Substituindo em
Fazendo t=0,

temos x=x0

Nos problemas relacionados à aceleração constante,


cinco variáveis, x-x0 , v, t, a e v0 tem grande
possibilidade de estar presente. Às vezes, uma delas
não faz parte do problema, nem como um dado nem
como incógnita.
Da equação e da
podemos obter:
Substituindo (2) em (1), temos:
Esta equação é muito utilizada em problemas
que você não tem t.
Substituindo (2) em (1), temos:

Esta equação é muito utilizada em problemas


que você não tem a.
Substituindo (2) em (1),
temos:

Esta equação é muito utilizada em problemas


que você não tem v0.
Exercício
Avistando um carro da polícia, você freia o seu
carro, reduzindo a velocidade de 75 km/h para 45
km/h, num espaço de 88m.
a) Qual é a aceleração, considerando-a constante?
b) Qual é o intervalo de tempo?
c) Se continuar diminuindo a velocidade do carro,
com a aceleração calculada em (a), em quanto
tempo ele parará, a partir do 75 km/h.
d) Que distância seria percorrida no item (c)?
e) Num outro exemplo, suponha que a velocidade
inicial é diferente, a aceleração é a mesma
calculada em (a) e o carro consegue parar após 200
m. Qual o tempo total da frenagem?
Resolução
Dados a)
v0 = 75 km/h
v=45 km/h
x-x0 =88m
x-x0 =0,088km

b)
c)

d)
e)
Noções de cálculo
A Integral Definida y=f(t) no intervalo [a,b], da reta
que se escreve

é definida como sendo o valor do limite da Soma à


Direita

ou da Soma à Esquerda
Noções de Cálculo
As Somas

são denominadas Soma de Riemann da função f.


A função f é denominada integrando, e os valores a e b
denominam-se limites de integração. Nem sempre os
limites das Somas de Riemann existem. No caso de sua
existência, as funções denominam-se integráveis.
Para y=f(t) positiva em [a,b], o valor da Integral
Definida

Representa a medida da área abaixo da curva do


gráfico de y=f(t), acima do eixo t, entre t=a e t=b.
Assim,

representa uma soma de áreas entre a curva do gráfico de


y=f(t) e o eixo t, em que as áreas acima são computada
positivamente, e as áreas abaixo são computadas
negativamente.
Integrais

PRIMITIVA OU INTEGRAL
FUNÇÃO
INDEFINIDA

f(x)=c, c CONSTANTE REAL

f(x)=xr , r número real qualquer


Aceleração constante: outro
aspecto
Vimos que

que pode ser representada como

Se fizermos a integral indefinida (ou antiderivada) de


ambos os membros teremos:
Que é reduzida a

Onde C é uma constante de integração. Como a é


constante, podemos retirá-la do sinal de integração.
Então,
Para calcularmos C, fazemos t=0, o instante para o
qual v=v0 .

Substituindo na equação acima, temos:


Vimos também que

Calculando a integral indefinida de ambos os


membros temos:

Como
Para calcularmos C, fazemos t=0, o instante para o
qual x=x0.

Assim,
Aceleração em queda livre
Ao arremessar um objeto para cima
ou para baixo e pudesse eliminar o
efeito do ar sobre o movimento,
observaria que o objeto sofre uma
aceleração constante para baixo,
conhecida como aceleração em
queda livre, cujo módulo é
representado pela letra g. O valor
desta aceleração não depende das
características do objeto, como
massa, densidade e forma; ela é a A maça e a pena em
queda livre no vácuo
mesma para todos os objetos. (caem ao mesmo tempo )
O valor de g varia com
*Latitude;
*Longitude;
*Altitude.
No nível do mar e em latitudes médias o valor de g=9,8 m/s2 .
As equações vista para aceleração constante também se aplicam à
queda livre nas proximidade da superfície da Terra (objeto que
descrevem uma trajetória vertical, para cima ou para baixo),
contanto com que os efeitos do ar possam ser desprezados.
OBS: No caso de queda livre o movimento é ao longo no eixo y na
vertical, com sentido positivo apontando para cima. A aceleração
em queda livre é negativa.
Exemplo
Um trabalhador deixa cair uma chave inglesa do alto
de um edifício no poço do elevador.
a)Onde estava a chave inglesa 1,5 s após a queda?
b)Com que velocidade a chave inglesa está caindo em
t=1,5s
Resolução
a)

b)
Exemplo
Em 1939, Joe Sprinz, do San Francisco Baseball
Club, tentou quebrar o recorde de agarrar uma
bola de beisebol, lançada do ponto mais alto. O
recorde anterior pertencia a um jogador de
Cleveland Indians, que pegou uma bola lançada
do alto de um edifício de 210m de altura. Sprinz
se utilizou de um dirigível a 240 m de altura.
Admitamos que a bola cai da altura de 240m, e
que a resistência do ar, sobre a bola, é
desprezível.
a) Calcule o tempo de queda.
b) Qual a velocidade da bola, pouco antes de
ser agarrada?
Resolução

a)

b)