You are on page 1of 15

SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA REFLEXIVA

Ana Maria de Vasconcelos – 1992/12

Professora da UFRJ

Em que momento histórico houve tanto conhecimento, tanta informação produzida sobre os
setores populares nos seus diferentes seguimentos? Quantos artigos, quantas teses, quantas pesquisas,
terminadas, em andamento... Quantas denúncias, quantas declarações de amor, de compromisso com a
população, nos seus diferentes estratos e minorias, abandonados, desnutridos, doentes, favelados,
desabrigados, sem terra, homens, mulheres, homossexuais,...

Quantos profissionais/intelectuais que detêm (ou deveriam deter na medida em que se propõem
conhecer algo, tendo em vista a prestação de um serviço) interdisciplinarmente esses conhecimentos
e/ou que têm condição de produzir um entendimento da totalidade da realidade em seu movimento, estão
cotidianamente em contato com essa população, ocupando postos que só eles podem ocupar? E assim
temos, nas suas diferentes especialidades, os sociólogos, antropólogos, médicos, nutricionistas,
engenheiros, veterinários, agrônomos, advogados, psicólogos e muitos outros além dos assistentes
sociais, que entendo como privilegiados na proximidade deste encontro (contato?) cotidiano com a
população. Uma realidade nada desprezível na medida em que uma categoria pequena como a dos
assistentes sociais, conta com 70 mil profissionais inscritos nos Conselhos Regionais, mais ou menos 50
mil destes inseridos no mercado de trabalho, segundo dados do CFAS.

No obstante esse quadro, me parece que a maioria da nossa população não tem acesso a esses
conhecimentos, na mesma proporção do que é produzido a seu respeito, e ainda que tenha contato com
essas produções não me parece em condições de utilizá-las enquanto instrumento para pensar e agir
sobre a realidade, na busca de sua transformação.

Os assistentes sociais na sua prática profissional se deparam com uma população desinformada a
respeito dos seus direitos sociais, a respeito do que os técnicos produzem e sabem sobre ela, dos
recursos que pode utilizar, das informações que os técnicos produzem e detêm sobre o movimento das
instituições (suas rotinas, seus recursos, suas contradições, sua correlação de forças), o que também
contribui para que os usuários sejam utilizados pelas instituições e não as utilizem enquanto um direito.

Um exemplo atual sobre isso pode ser dado a partir do quadro sobre a AIDS. Nos últimos 10 anos
muito foi produzido de informação sobre o vírus e sua ação no corpo humano. Muita propaganda e
trabalhos em vários níveis têm sido realizados com diferentes grupos populacionais, mas os serviços de
saúde têm chegado à conclusão de que muito pouco tem sido absorvido e processado por esses grupos,
com possibilidade de se utilizar desses conhecimentos enquanto instrumentos para poderem, neste caso,
salvarem suas vidas.

Ainda que muito e sempre se tenha a produzir sobre a realidade e seu movimento me parece que
se a maioria da população pudesse utilizar dos conhecimentos e informações produzidos, sobre ela, em
nome dela e para ela, necessários nas suas lutas, a correlação de formas poderia estar diferente hoje em
dia para a maioria da população brasileira.

Pergunta-se então: que tipo de contato é esse, que os profissionais/intelectuais mantêm com estes
grupos populares e tão pouco esteja sendo absorvido por eles? Estou me referindo a profissionais que
tenham também a socialização da informação como uma das condições de uma prática que contribua na
construção de uma sociedade democrática, tendo como base a igualdade econômica e social.

E como pensar em uma sociedade dessa natureza, sem pensar em cidadania, em direitos sociais?
E como pensar em cidadão sem informação? Assim, para que uma prática profissional possa contribuir
na construção de uma sociedade democrática faz-se necessário ser uma prática politizante, que veicule a
informação, uma prática onde o profissional, o que é diferente de fazer a organização ou organizar o
povo.
É nesse sentido que a socialização da informação implica numa competência teórica, política,
ética e técnico-operativa. Ainda que não possamos enfocá-las separadamente, o que nos interessa neste
momento é a tentativa de discutir a questão técnico-operativa, em um dos seus aspectos.

É desta questão que trata este pequeno artigo que entendo ser de interesse não só dos
assistentes sociais, que no cotidiano de sua prática profissional estão permanentemente em contato com
a população, mas de todo profissional que entende que na utilização dos serviços que presta à
população, a socialização da informação e a consequente absorção e utilização dela, pelos sujeitos
envolvidos (técnicos/população), como determinantes deste processo.

O assistente social que busca contribuir, com sua ação profissional, na construção de uma nova
sociedade, que favoreça a igualdade e a redistribuição, uma sociedade democrática, ao articular sua
prática aos interesses, desejos e necessidades dos usuários de seus serviços, depara-se com sérias
questões e dificuldades. A simples, mas difícil, definição dos objetivos, a partir de uma “competente”
análise da realidade, não é suficiente para que se tenha assegurada uma ação profissional na direção
pretendida. A prática é ato, movimento e como tal necessita ser pensada, analisada, revista,
reencaminhada. Este voltar-se permanente sobre a prática vai contribuir para uma ação pensada,
refletida, avaliada quanto aos seus conhecimentos, metas, mostrando como está se realizado este
caminhar.

Uma prática, voltada para a criação/reprodução de relações solidárias, horizontais, democráticas,


não se encontra na forma acabada. É o produto de relações sociais entre sujeitos diferentes, uma relação
que tem como princípio a aceitação e o respeito às diferenças. Ser solidário não significa ser igual.
Significa ter e partilhar interesses e responsabilidades recíprocas. É neste sentido, e por ser diferente,
que o assistente social ao ocupar o lugar do profissional (lugar que é seu por direito, nas instituições
públicas, privadas, nos movimentos sociais, na medida em que passa por uma formação prévia), tem a
responsabilidade e o dever de trazer para esse espaço o complemento, o diferente, o novo, o
desconhecido, a informação inacessível, o saber, o conhecimento impossível de ser produzido pela
população, exatamente pela inserção que tem na realidade social.

Na medida em que nós assistentes sociais também somos resultado (por mais que possamos e
queiramos nos questionar e nos reorientar) de um processo de socialização que não escolhemos, uma
socialização sob base autoritária, quando fomos ensinados a obedecer e a mandar dependendo da
necessidade do sistema vigente, buscar e realizar uma prática sob referências contrárias a estas, não
depende simplesmente do nosso desejo, da necessidade que visualizemos de tal prática. Assim,
referenciar o papel do profissional a uma prática que procure fortalecer a população usuária do Serviço
Social, como sujeitos políticos coletivos, ultrapassando “um discurso de mera denúncia, para a
elaboração de propostas competentes e eficazes para melhorar a qualidade dos serviços prestados e
criar mecanismos que propiciem a crescente participação da população no controle desses serviços” (1),
vai demandar investimento constante e permanente quanto ao CONTEÚDO e principalmente FORMA
deste processo.

Nessa perspectiva procuraremos, ao longo deste trabalho, encaminhar uma reflexão sobre temas
que consideramos fundamentais para a realização de uma prática desta natureza, que esteja articulada
aos interesses e necessidades da população usuária do Serviço Social: uma prática de caráter
educativo/reflexivo/crítico que envolve dois sujeitos: usuários e assistentes sociais.

A reflexão, que desenvolvo a seguir, é fruto de estudos permanentes e de 20 anos de prática


como assistente sócia e 14 como docente. Quero ressaltar que, desde minha formação como assistente
social, tenho me questionado sobre as consequências e os destinos da minha prática profissional, e a
participação da professora e assistente social Maria Alice Correia, foi de fundamental importância neste
processo. Utilizo como referência para esta reflexão os 16 “passos”(2) que a referida autora adotou no
emprego da “técnica de discussão reflexiva com grupos”, embora discorde da utilização que faz dos
mesmos no seu livro.
Em agradecimento a participação de Maria Alice no meu crescimento profissional, e à nossa
amizade, dedico-lhe este trabalho.

Procuro, ainda, explicitar e analisar, com mais profundidade e clareza, a metodologia que utilizei
na prática que desenvolvi numa instituição pública de saúde e que analisei em trabalho publicado pela
Cortez em 1985 - A Intenção Ação no Trabalho Social.

TEMA 1

A primeira aproximação entre assistente social e população usuária, independente de onde se dê


(plantão de uma unidade de saúde, de uma empresa, em uma associação de moradores, etc.), é
determinante na direção que se queira dar ao projeto do Serviço Social e a prática profissional e nas
consequências desta ação para os usuários.

Tanto para o assistente social quanto para o usuário faz-se necessário a elucidação de várias
questões.

Para o Serviço Social questões como:

- quem é esse usuário?

- qual a demanda que traz?

- por que busca o Serviço Social com esta demanda?

- com que expectativas traz esta demanda?

- que visão traz do Serviço Social?

- qual o projeto que o assistente social traz a partir do lugar que ocupa?

- o usuário aceita e está disponível para a proposta que o Serviço Social lhe faz?

- o serviço tem condições de atender a sua demanda? Até que ponto?

Para o usuário questões como:

- qual (quais) a proposta que o serviço tem a partir da demanda que é colocada?

- quais os recurso que o serviço lhe oferece?

- quais são os objetivos do serviço nas propostas que faz?

- quais os limites do Serviço Social?

- quais seus direitos?

Trabalhadas estas e outras questões, assistente social/usuário, enquanto sujeitos envolvidos no


processo, estarão em condições de pensarem e definirem, juntos, ações e formas de encaminhamento.

O usuário, para exercer seu papel de sujeito nesta relação necessária para a viabilização da
assistência enquanto direito, necessita ter clareza do que ele vai viver, do que é proposto a ele, necessita
estar disponível, informado, consciente, só assim estará em condições de decidir, de também definir
caminhos.

Nesse processo, o usuário será chamado a questionar, avaliar, correlacionar, analisar, interpretar,
investigar seu cotidiano – suas experiências vividas e presentes –, assumindo papel de explorador. Papel
este que é assumido habitualmente pelo assistente social, não somente quando encaminha sua prática,
baseada em “estudo, diagnóstico, tratamento e avaliação” mas, também, quando a encaminha em “nome”
do conhecimento, da teoria que orienta a sua ação, independente do que a população possa estar
colocando como interesses.

Observemos o seguinte fragmento de prática:

Assistente social (AS), que se intitula como “progressista”, atendendo uma mulher (usuário – U)
em um plantão de uma instituição pública de saúde. A usuária chega e senta-se.

AS – A senhora está buscando um serviço nessa instituição e eu quero lhe dizer que a senhora tem
direito a este serviço, que a instituição oferece porque etc, etc, etc...

Depois que o AS faz um discurso longo sobre cidadania.

U – Eu concordo com o que a senhora falou, mas agora será que eu poderia falar do meu problema?

Nesse caso, me parece que o assistente social utiliza de seu saber para “fazer” a cabeça da
usuária e não como um instrumento para leitura da realidade, partindo da solicitação feita ao serviço.

Parto da concepção que o usuário, a partir do seu esquema referencial, tem condições de iniciar
um processo de exploração e colocação de alternativas para seu próprio cotidiano, em função do que ele
pensa, sente, a partir do manuseio de indagação e de novas informações. Informações que lhe sirvam de
instrumento e recurso para reflexão, e não aulas de análise de realidade e/ou análises prontas que são,
normalmente, repassadas aos usuários pelo assistente social, em nome de uma nova proposta de prática
que atenda aos interesses da população.

O usuário participa na definição da direção e do encaminhamento do processo, tendo respeitada a


demanda que traz para o serviço, ainda que, utilizando seu esquema referencial, o assistente social
possa criar condições para que ele possa repensar e/ou reencaminhar suas demandas e o entendimento
que tenha sobre elas.

No processo de demonstrar, recriar, recuperar, desmistificar, negar seu esquema referencial, o


usuário vai articulando, num processo de socialização de informações entre usuário/usuário e
usuário/profissional, um novo esquema referencial, sob novas bases.

Utilizando seu esquema referencial o assistente social poderá captar o movimento dos usuários
nas suas particularidades, nas suas singularidades, captar o novo, o inimaginável que ele traz, estar
aberto para captar a novidade. A referência a nível do geral não desvenda, de imediato, o particular
(usuário), e esse desvendar é sempre relativo. O “mundo” do usuário, seu cotidiano, o próprio usuário é
um permanente conhecido/desconhecido.

Em uma reunião ou entrevista ou qualquer tipo de contato, que são os espaços normalmente
criados pelo Serviço Social para entrar em contato com os usuários, o assistente social facilita, apoia,
sendo aquele que além de articular as informações que a própria ou as próprias pessoas trazem,
possibilita a procura de suas interrelações, sinalizando as contradições, buscando analogias.

É nesse sentido que é possível ao usuário perceber que o assistente social não tem condições de
oferecer nem doações nem soluções prontas para as demandas que traz. Isso acontece mesmo quando
o assistente social está trabalhando na viabilização das políticas sociais, na prestação de assistência
concreta (material para construção de casa, remédios, cadeira de rodas, etc, etc, etc.), na medida em que
o usuário passe a perceber, através de um processo crítico de reflexão, de desvendamento dos caminhos
e do caráter dessa “ajuda”, a possibilidade de recebê-la, enquanto um direito e não enquanto um
favor/doação do assistente social e/ou da instituição à qual está vinculado.

É com esta qualidade de inserção neste processo que o usuário tem condições de participar
enquanto sujeito.

A busca de explicação, de estabelecimento de regras, de limites trespassa todo o processo, o que


abre espaço para dirimir dúvidas, recolocar caminhos, redefinir regras,...
TEMA 2

Perguntas formuladas a partir do material comunicado pelos usuários.

Perguntas exploratórias, sem sugestões, sem julgamento, sem interpretações, que facilitem a
investigação, a análise, o desenvolvimento dos problemas que envolvem as questões dirigidas ao Serviço
Social. Parece-me que, nesse momento inicial, é necessário priorizar o material comunicado pelo usuário,
em vez de dar prioridade ao material que a análise da realidade produz.

Isso se torna necessário na medida em que, sem um trabalho inicial das questões que ele próprio
coloca e que o afligem, o usuário não tem condições de estar aberto a outro tipo de indagações mais
profundas, que vêm das indagações e do material trazido pelo profissional. Isso não significa “responder”
às questões dos usuários primeiro para depois partir para uma análise mais profunda, significa sim partir
das questões dos usuários primeiro para depois iniciar uma análise mais profunda; significa partir das
questões dos usuários buscando as suas múltiplas determinações, partindo das possibilidades dos
usuários mas sem permanecer nelas, criando condições para que elas se transformem.

É nesse sentido que entendemos que o assistente social não “puxa as pessoas para a frente”. Ele
cria espaços, possibilidades e condições para que elas se voltem sobre as questões que colocam
(questões de qualquer natureza, que envolvam seu cotidiano), se debrucem sobre elas, no sentido de
desvendá-las, através da possibilidade que têm de dar unidade às informações que já detém, articuladas
com novas informações que possam vir pelos seus iguais e/ou pelo profissional.

TEMA 3

Devolução das pesquisas que são dirigidas ao assistente social.

Questões se colocam diante desta afirmativa. Por que não responder prontamente o que é
perguntado ao assistente social? Por que devolver as perguntas? O assistente social não vai responder a
nenhuma pergunta? Como devolver perguntas?

Devolver perguntas possibilita que os usuários, num primeiro momento, tentem se colocar diante
da dúvida, do obstáculo, articulando o conhecimento e a informação que já detêm. A forma do assistente
social perguntar, redistribuir as perguntas é que vai criar condições de articulação do esquema referencial
(ou seja tudo aquilo que se tenha acumulado no processo de socialização, primário e secundário) na
busca de desvelamento das questões que permeiam o processo.

A pergunta que possibilita a reflexão caracteriza-se por ser aberta, se possível indireta e não trazer
embutida a resposta. A pergunta dupla também é um tipo de pergunta que traz embutida a resposta ao
oferecer duas alternativas. Outra forma que constrange e dificulta a reflexão é a colocação de várias
perguntas ao mesmo tempo.

Responder a perguntas de imediato não estimula a busca de respostas que os usuários são
capazes de articular, mas que nem sempre são chamados a dar. Por outro lado, por mais que não queira,
na medida em que o assistente social, naquele processo, representa a autoridade, (entre outras coisas,
pela posição que ocupa diante do usuário, por, na maioria das vezes, representar a instituição, e pelo
lugar que ocupa na sociedade a partir de sua formação profissional), se ele responde de pronto às
questões que lhe são dirigidas, a resposta passa a ser “a verdade”, mesmo que não tenha significado
para quem a receba, e não seja aceita e/ou utilizada.

Isso dificulta qualquer tentativa de resgatar o conteúdo que as pessoas detenham para poderem
pensar, explicar, refletir, conhecer seu cotidiano, suas próprias demandas. A resposta do assistente
social, quando vem como uma coisa a mais, acumulada a outras contribuições que sempre aparecem
nesse processo, ela vem com menos força, não como “a verdade”, vem como uma outra contribuição
entre muitas que certamente aparecem, e assim passível de ser questionada, absorvida ou não. Nesse
sentido, fica diluída a inserção do assistente social enquanto autoridade, ele passa a ser mais um a
contribuir no processo, o que reforça a possibilidade de relações solidárias, horizontais.
TEMA 4

Repetição de comunicações, para o grupo ou a pessoa ouvir o que disse.

Repetir uma comunicação tal qual foi dita possibilita a pessoa perguntar até que ponto concorda
com o que afirmou, até que ponto tem consciência do que afirma. A nossa fala, na fala de outra pessoa,
pode nos mostrar um significado até então não percebido. Nesse sentido cria a possibilidade de
questionamento, afirmação ou negação do que foi dito, possibilidade de reconhecimento do meu discurso
como um discurso meu ou um discurso do outro, o qual eu não entendo mas reproduzo sem, no entanto,
ele representar meus interesses, minhas necessidades, meus desejos.

Uma prática reiterativa, repetitiva, nos leva a reproduzir afirmações, valores, desejos que não são
nossos, mas que reproduzimos acriticamente. Repete um discurso que não é próprio, um discurso de
outro, que não se tem desvelado, não tem significado diante dos seus valores, dos seus interesses, dos
seus desejos, das suas necessidades. Assim, quando se ouve seu próprio discurso repetido por outra
pessoa, tem-se a possibilidade de se voltar numa atitude investigadora, exploradora sobre ele.

Isso se dá de formas diferentes numa entrevista e numa reunião. Na reunião, quando o assistente
social utiliza deste recurso, o processo é muito mais rico e facilitador. Quando o assistente social repete
uma afirmação para que o usuário possa ouvir o que disse, se ele discorda, o grupo funciona como
memória e, imediatamente, alguém afirma que foi isso mesmo que foi dito. Assim, a memória do grupo
funciona possibilitando à pessoa se colocar diante de sua afirmação; perguntar-se até que ponto ela não
está repetindo acriticamente, alguma coisa que destoa do que ela pensa.

Na entrevista fica mais difícil a utilização desse recurso porque, se o assistente social sinaliza
repetindo uma afirmação, o entrevistado negando, fica a palavra de um contra a do outro, criando a
possibilidade da pessoa entrar na defesa de seu discurso, reencaminhando-o, o que não deixa de
possibilitar o estar repensando afirmações.

TEMA 5

Sumarização de diversas situações, questões, levantadas pelo usuário numa entrevista, ou pelos
usuários numa reunião, no sentido de encaminhar e facilitar uma análise sobre as mesmas.

Trabalhamos com uma população sofrida, desgastada, angustiada, que busca permanentemente
um ouvido atento para suas lamentações, seus sofrimentos. Isso é, também, resultado de uma política
que prioriza número, em detrimento de uma atenção de qualidade.

Assim, nos deparamos frequentemente com histórias intermináveis em qualquer dos espaços que
criamos de contato com a população. Tal fato, comumente, gera pânico nos profissionais que não sabem
o que fazer com tanto material, por onde começar. Frequentemente, o usuário ao ser atendido fala meia
hora, uma hora sem parar, chora, reclama, lamenta e, na impossibilidade de fazer algo, o assistente
social termina a entrevista ou reunião. Ledo engano se pensamos que não fizemos nada. Essa prática
serviu para aliviar tensões, por um determinado tempo e, dependendo da relação estabelecida, funciona
como apoio. No contar sua história, no chorar, no reclamar, acaba-se fazendo uma catarse, o que
contribui para aliviar tensões, nada mais.

Não discordamos de trabalhar com alívio de tensão. A característica da nossa população usuária
nos mostra a necessidade de utilizarmos este recurso. Discordamos é de termos no alívio de tensão,
objetivo único de nossa prática profissional. As pessoas saem desse processo mais aliviadas do peso de
seu sofrimento, mas sem nada de novo que lhe sirva de instrumento, de alternativas para a situação que
vivem. É como ouvirmos de assistentes sociais:

- “Fiz uma reunião/entrevista excelente. As pessoas falaram sem parar. Disseram tudo que
queiram, eu não precisei fazer nada, dizer nada em nenhum momento”.
Parece-me que se o assistente social pretende utilizar o espaço profissional para que os usuários
usufruam dele como um espaço de crítica, investigativo, reflexivo, na busca de respostas às demandas
que apresentam, permanecer no relato das histórias cotidianas, não serve a este processo. Menos ainda
um assistente social que só sirva de ouvido, mesmo que seja um ouvido atento de qualidade, pois,
queiramos ou não, nos diferenciamos do ouvido da “comadre”, do amigo; somos um ouvido profissional,
um ouvido de autoridade, culturalmente importante. Entendo que a população com a qual trabalhamos,
no seu sofrimento, necessita desse espaço também como um ouvido atento, profissional, de qualidade.
Mas, enquanto este ouvir resulta apenas em alívio de tensões, pouco contribui para a pessoa enquanto
instrumento para suas lutas. O papel de simples ouvinte não é uma resposta de qualidade às demandas
que a população coloca para o serviço.

Calado ou falante, o assistente social tem uma presença muito forte junto a população e não é por
ficar calado que ele vai deixar de dominar, de controlar.

É dele a responsabilidade, a atribuição, mesmo que seja num primeiro momento, de possibilitar e
criar mecanismos para que as pessoas se voltem sobre suas demandas, muitas vezes presentes em
histórias intermináveis, na busca de conhecimento, percepção, compreensão, interpretação
(diagnósticos?) cada vez mais corretos das situações que vivem.

É neste sentido que o seu papel, neste processo, não se resume ao de expectador, mas ao de um
membro participante, com responsabilidades e funções a desempenhar. Responsabilidade de subsidiar
esta reflexão com o novo que ela vai demandar, responsabilidade de buscar, junto, a unidade das
informações e demandas que as pessoas estão trazendo desarticuladamente, possibilitando sua
articulação num todo coerente. Responsabilidade de apresentar propostas viáveis, para que os usuários
saibam por que retornar ao serviço, que expectativas alimentar, o que esperar.

Os estudos e pesquisas sobre os grupos populares de uma forma genérica são fundamentais, mas
não suficientes à prática profissional. Na prática do assistente social o conhecimento do grupo atendido,
na sua particularidade social, é indispensável na medida em que ele é o único, irrepetível, ainda que o
indivíduo seja simultaneamente ser particular e ser genérico.

O que caracteriza este espaço, não é somente a elaboração de um conhecimento profissional


sobre o cotidiano da população usuária, mas é, também, a possibilidade dela utilizá-lo enquanto
instrumento na sua sobrevivência (acesso cada vez mais significativo aos recursos existentes) e nas suas
lutas. A cotidianidade para si e não em si.

Acontece comumente o assistente social ouvir a população e no final dizer:

AS – Se você achar necessário nós estamos à disposição para lhe atender novamente. É só nos
procurar.

Esta atitude mostra que o assistente social coloca na mão do usuário a responsabilidade, não só
de compreender aquela realidade, mas o que dela é possível de ser trabalhado pelo Serviço Social. Não
é do usuário a responsabilidade de discernir o que o serviço faz, qual a sua proposta, seu projeto, seus
recursos, seus limites.

É o assistente social, depois de ouvir a demanda exposta pelo usuário, que tem condições de
apresentar o que o serviço tem a oferecer. Deixar para o usuário a responsabilidade de decidir se retorna
ao serviço, ou não é como colocar na sua mão a definição do nosso papel e das nossas funções. Uma
coisa é obrigar o usuário a voltar através de subterfúgios, outra é ele ter clareza do que pode usufruir ao
retornar. Assim vejamos:

AS – Para você receber a ajuda que temos a oferecer você tem que participar das reuniões que
fazemos no serviço.

Tal atitude obriga a pessoa a participar de um processo sem saber por que e, mesmo que o
entenda, não é obrigado a se submeter a ele. Observamos que sempre que entendem a proposta do
serviço os usuários retornam, ainda que, num primeiro momento, não tenham possibilidade de fazê-lo por
diferentes motivos. Quando eles se sentem esclarecidos e bem informados sobre as rotinas, os serviços,
a procura do Serviço Social se dá a partir da demanda que têm ou possam vir a ter para o serviço, e
menos por encaminhamentos ou por falta de alternativas a outros serviços, o que leva determinados
grupos a ficarem presos na malha institucional, círculo vicioso das instituições, sem terem suas
demandas atendidas.

Por exemplo: a inserção institucional confere ao assistente social a possibilidade de acesso ao


movimento das instituições, suas rotinas, seus recursos, sua correlação de forças, etc. A população, pelo
próprio lugar que ocupa na relação com as instituições – usuária – não tem acesso a este movimento,
principalmente porque não está cotidianamente na instituição. Cabe ao assistente social (mas não só a
ele), na medida em que tem um contato privilegiado com os usuários e com a própria instituição,
socializar estas informações. Por mais que os usuários tenham clareza da necessidade do acesso a
estas informações, pelo próprio Serviço Social, eles não o terão como um recurso a ser utilizado nas suas
lutas.

Mas como socializar informações se nos deparamos com histórias intermináveis? Uma das
alternativas é, em determinado momento, o assistente social interromper o processo e resgatar, na ou
nas histórias, questões, recolocando-as para que a pessoa ou as pessoas possam começar a se
perguntar sobre elas, dependendo do seu interesse, das suas prioridades. Faz-se necessário o assistente
social tentar sempre recolocar todas as questões que aparecem, atento para não recolocar as que
considera “mais importantes”, a partir de sua leitura de realidade, de seus valores, de seus interesses, ou
de sua facilidade para estar problematizando esta ou aquela questão. A tentativa, neste resgate, é
colocar para a pessoa ou as pessoas o que aparece naquela(s) história(s); a escolha das questões que
irão merecer um aprofundamento dependerá dos próprios interessados, ao decidirem por onde iniciar. As
outras questões aparecerão nas suas inter-relações com a inicial.

É este movimento que diferencia nossa prática junto aos usuários de uma prática meramente
burocrática, uma conversa entre amigos, entre “comadres”. Assim, no momento em que o assistente
social sumariza, faz um apanhado e recoloca para os usuários, eles irão se voltar sobre esse material,
numa atitude interrogativa, investigativa, desveladora. Isso inclui estar buscando as relações entre o que
está sendo discutido com o que apareceu na reunião ou na entrevista, estar sinalizando as contradições,
as inter-relações, a complementaridade entre as questões. Ainda que o assistente social, no início do
processo, assuma esse papel, sozinho, a longo prazo as pessoas começam a funcionar também como
memória e como inteligência no processo e a puxar estas relações.

Com este encaminhamento o assistente social permite ao grupo ou a pessoa estar estabelecendo
as suas prioridades, e ainda cria condições para o resgate do material que aparece na entrevista ou na
reunião. É nesse sentido que podemos afirmar que o assistente social não “empurra as pessoas para
frente, nem as puxa pelas mãos”, mas possibilita que elas se voltem sobre seu cotidiano numa atitude
investigativa, analítica.

A viabilização de uma prática com esse caráter necessita de um super-homem? Entendemos que
não. Porém, esta qualidade de inserção junto aos grupos populares deixa clara a necessidade de uma
formação teórica, ética, política e técnica que nos dê condições de ocupação dos espaços profissionais, a
partir de projetos, eliminando o assistencialismo e a burocracia. Somente a formação não dá condições
de caminhar nesta direção. Uma prática dessa natureza demanda um exercício contínuo, constante, uma
ação pensada, refletida, analisada, avaliada permanentemente, que nos aponte até que ponto estamos
caminhando na direção dos objetivos propostos. A preparação para este processo é fundamental, mas o
exercício é que nos vai permitir a aquisição de habilidades para exercer o papel de memória e
inteligência, sem dominar, controlar, dirigir.

Nas situações em que o assistente social tem como os usuários um único contato (por exemplo
numa reunião de sala de espera, numa entrevista de plantão), é que este papel é exercido com maior
intensidade. O profissional funcionando como eixo aglutinador e articulador.
Quando o contato com os usuários é sistemático, contínuo, num processo que demanda várias
entrevistas ou várias reuniões, as próprias pessoas vão adquirindo habilidade para fazer relações entre
as questões, resgatar relações com o que já foi discutido, apontar contradições, trazer para discussão
questões que passaram despercebidas ao profissional.

Faz-se necessário apontar que este processo, nessa intensidade, não tem condições de ser
encaminhado em qualquer circunstância da prática profissional. Em determinados espaços, o limite para
a ação profissional não ultrapassa o apoio, o alívio de tensão, a orientação. É necessário avaliar as
condições que existem para se encaminhar um processo desta natureza. O que podemos, em
determinados espaços, é no máximo apontar para os recursos que o usuário pode recorrer em outro
momento. Estamos falando de práticas junto a CTI, com pessoas em momentos de grandes perdas
(entes queridos, desabamentos), com doenças graves, terminais, etc.

TEMA 6 E TEMA 7

Uso de analogia entre diferentes situações com sinalização dos pontos de semelhança entre duas
coisas diferentes e destas com outras, semelhança de funções entre duas situações, dentro de suas
respectivas totalidades.

Divisão ou decomposição de uma questão em partes no sentido de facilitar a reflexão.

Parece-nos suficiente apontar a possibilidade da utilização destes dois recursos, tendo em vista
trabalhar a complexidade do material produzido através da ação profissional.

A ocupação dos espaços profissionais nos remete, entre outras, a duas questões neste caso:

- estratégias utilizadas pelos assistentes sociais na criação de canais de comunicação entre


Serviço Social/usuários (plantão, grupos de sala de espera, visitas, conjunto de entrevistas, grupos de
reflexão);

- a quantidade e a complexidade do material que é produzido através destes contatos.

Tornar os espaços profissionais espaços de reflexão para os usuários, inclui lidar com o material
produzido nesses contatos, de forma reflexiva. Isso impõe ao assistente social o uso de recursos que
possibilitem o desvendamento do processo e de seu conteúdo. Entendo que isto se dê não só a partir do
conhecimento que o assistente social detém, mas da possibilidade que o profissional desenvolve para
lidar com este material enquanto um instrumento para a reflexão, o que faz do assistente social um
recurso vivo.

Para que os usuários possam utilizar dos recursos enquanto direitos sociais, não basta que
tenham tempo de colocar suas demandas e tenham estas demandas atendidas. Faz-se necessário que
eles tenham a compreensão de como a atenção à demanda que apresentam, pode significar um
instrumento de controle, de dominação. E, para isso, não basta a solução do problema apresentado, mas
é necessário se trabalhar a demanda em relação às dúvidas, à ansiedade que o usuário traz em relação
a ela. Isso significa reverter o espaço em benefício do usuário.

O espaço profissional é privilegiado para se trabalhar a nível de apoio, alívio de tensão, mas isto
colocado como um fim em si mesmo reproduz a dominação, serve simplesmente de amortecedor para as
crises que o usuário geralmente traz para o serviço.

Penso que apoiar, aliviar tensões não passa por “deixar” o usuário contar histórias intermináveis.
Através de suas histórias ficam explícitos toda sua tristeza, sofrimentos, mas, principalmente, a
complexidade das questões que permeiam essas histórias.

É a quantidade e a complexidade das questões que permeiam o cotidiano da população, e que


chegam ao Serviço Social através dos desabafos, choros, risos, que exigem competência para serem
desvendadas.
TEMA 8

Socialização de informações pelo assistente social.

Até o momento estamos sinalizando formas de se trabalhar, prioritariamente, com conteúdos dos
usuários, num movimento de criação de condições para que eles se voltem sobre suas próprias questões,
na busca de seu desvendamento. Nesta perspectiva, o prioritário não é que o assistente social acumule
informações, dados, para elaborar um diagnóstico sobre a situação vivida pelo usuário, para propor
alternativas de ação, numa relação entre um sujeito que pensa e um objeto a ser modificado. A busca de
desvelamento das questões colocadas nesse processo de assistência envolve o usuário não como um
objeto, mas enquanto sujeito interessado, e é nessa medida que ele passa a ter possibilidade de
manusear os instrumentos de indagação, de descoberta, de desvendamento do real.

É neste contexto que entra o tema em pauta: o novo (a informação, o conhecimento) que o
assistente social traz. Mas esse novo não se coloca como “a verdade absoluta, acabada” na medida em
que ele vem acumular com o que já foi possível se desvendar a partir do que a própria população já
detinha. Na medida em que o assistente social cria possibilidades das pessoas se colocarem nesse
processo, articulando as informações, o conhecimento que possuem sobre o que estão se perguntando,
(seja pela sua experiência de vida, seja por acesso a informações de diferentes formas), o conhecimento
que o AS traz vai se acumular ao que já foi possível ser produzido, a partir dos recursos das próprias
pessoas ou do grupo.

Os usuários, já tendo esgotadas todas as condições de se perguntarem e buscarem no seu


próprio referencial, material para análise, vão estabelecer uma relação com esse novo de forma
complementar: o novo que o AS traz vem acumular, vem contribuir, acrescentar, completar. Assim, esse
novo não vem como verdade, como o certo a seguir, a aprender. Só assim esse conhecimento passa a
ser utilizado como instrumento de reflexão, e não como um material a ser acumulado e aprendido para
ser reproduzido ou, como na maioria das vezes, esquecido porque não processado.

Numa entrevista ou reunião, se o assistente social responde de pronto a uma questão o que
acontece? Como a inserção do AS neste processo é de uma autoridade, mesmo que não queira ou não
concorde, como já assinalamos, o que fala passa a ser a verdade, o que merece respeito. Como
consequência, esse novo que entra no processo impossibilita a reflexão porque, depois que o assistente
social disse “a verdade”, nada mais precisa ser dito.

O AS, pelo lugar que ocupa, detém um poder. Exercê-lo sobre as pessoas com as quais trabalha,
vai depender dos seus objetivos e da sua inserção junto aos usuários. Uma resposta do AS, que
antecede um processo de reflexão, expressa dominação, controle. Assim, quando a contribuição do AS
vem como acréscimo, complementando, acumulando com o que já foi produzido, ela não domina as
pessoas, ainda que esta contribuição possa ter mudado o rumo e a qualidade da reflexão.

Penso que é nessa medida que o assistente social possibilita o exercício de relações solidárias,
horizontais entre sujeitos diferentes. Essa contribuição vai se dar na medida da sua capacidade mas
também da sua obrigação. O AS não é obrigado a saber tudo, nem seria capaz. Mas é de sua obrigação
ser responsável por determinado tipo de conteúdo que só ele (ou outro profissional que ocupe lugar
semelhante) tem condições de acumular para este processo. Isso porque esse novo vem não só através
do conhecimento que detém e do instrumental que utiliza para desvendar e captar o movimento da
realidade, ou do que adquire (ou deveria) através da sua formação profissional, mas, também, do
conhecimento e informações que detém por usa inserção privilegiada no movimento das instituições,
captando suas rotinas, seus recursos, sua correlação de forças.

Assim, não é só a dinâmica que cria por um lado, nem o conhecimento que detém e/ou produz,
por outro, que possibilita a reflexão, mas a articulação permanente entre a dinâmica e o conhecimento.

A discussão e os contatos com assistentes sociais tem me mostrado que nossa formação não em
dado conta de um esquema referencial, que possibilite o exercício do papel do assistente social tal qual
explicitado. Um profissional que através do conhecimento que deveria deter, teria condições de criar, de
reforçar esperanças. Sem uma formação necessária e de qualidade, temos encontrado profissionais tão
desesperados e confusos como os próprios usuários, o que dificulta até um fazer profissional que
possibilite aos usuários a utilização dos parcos recursos oferecidos pelas políticas sociais vigentes. Isso
causa mais problemas para os usuários impregnados com valores, demandas, interesses, desejos,
necessidades que não os seus. Para desesperar mais, e/ou fazer com que os usuários aceitem a culpa
pela situação em que vivem, penso ser melhor procurar outro emprego ou fazer crochê.

A este respeito temos, então, dois problemas a enfrentar: um que se refere à formação profissional
e outro à forma de relação estabelecida entre população usuária e assistentes sociais na prestação da
assistência, na medida em que o novo, também pode vir para dominar, calar a boca, impedir que se
pense.

Os usuários, no seu processo de socialização, primário e secundário, acumulam informações,


dados, constroem um esquema referencial rico, mas que não lhe serve de instrumento de indagação, na
medida em que está desarticulado, segmentado, departamentalizado. Este é o esquema que lhe permite
se adaptar à realidade instituída, reproduzindo-se enquanto dominando. Não estamos discutindo, aqui, se
esse esquema faz as pessoas melhores ou piores, boas ou más, se ele dá conta de responder à
necessidade de indagação de desvendamento da realidade. Ele existe e, articulado em si mesmo e a
outros tipos e qualidade de conhecimentos, é que vai poder servir de instrumento de indagação e de
análise. Esse envolver não significa somente informar.

TEMA 9

Sinalização das contradições

Na sinalização das contradições o AS tem duas questões a observar: as contradições que


aparecem nas colocações de um mesmo usuário, numa entrevista ou numa reunião, e as contradições
que aparecem entre as falas de vários usuários numa reunião. A sinalização das contradições através do
confronto de posições contrárias possibilita a explicitação das diferenças, a afirmação ou negação de
posições.

Assim é que, com a continuidade e aprofundamento deste processo, podemos estabelecer a


relação do particular com o geral, num processo de indução de onde podemos, a partir de observações
particulares, dados singulares ou de proposições de menor generalidade, chegar a proposições mais
gerais.

A segunda questão diz respeito ao papel do assistente social em sinalizar/trabalhar as


contradições presentes no movimento da realidade social – particular geral: contradições dialéticas
histórias (ou temporais) e contradições dialéticas estruturais (ou sistêmicas).

TEMA 10

O pensamento, a manifestação da pessoa ou do grupo, explicitados através de suas histórias de


vida, das demandas apresentadas ao serviço, precisa estar claras, inteligíveis por todos envolvidos no
processo.

O assistente social pode facilitar isto ao solicitar a uma pessoa na entrevista, ou a uma pessoa do
grupo, ou ao grupo como um todo, quando volta-se para ele como um todo, na busca de informações
mais claras e precisas, para que explicite mais claramente seu pensamento, suas manifestações.

Existem diferenças na busca de esclarecimentos. O AS ao se dirigir a um participante em uma


reunião, ou a um usuário numa entrevista, está solicitando a ele esclarecimentos sobre sua própria fala
ou solicitando, através dele, esclarecimentos a respeito do que o grupo está manifestando coletivamente.
A qualidade desta explicação, deste esclarecimento é diferente da explicitação, pelo assistente social,
deste material, o que também faz parte do processo. Na exposição do próprio usuário, os
esclarecimentos estão relacionados à possibilidade de expressão/compreensão das pessoas que
compõem o grupo, aos seus valores, interesses, necessidades, etc. No discurso do assistente social,
mesmo que ele não queira, estas questões já vêm carregadas de seus valores, das suas análises, da sua
forma particular de ler e entender este material, na sua linguagem... As duas formas são utilizadas e
importantes; quero marcar a diferença entre elas para o processo.

Este tipo de ação, na entrevista ou na reunião, se dá tanto quando a pessoa está confusa nas
suas colocações, emaranhada numa série de dados, quanto quando para ela parece claro, porém o
mesmo não ocorre para as outras pessoas, ou para o AS, que não entendem as afirmações, o ponto de
vista colocado. Este recurso facilita o aparecimento das questões de forma mais clara, coerente.

TEMA 11

Momentos de silêncio que permeiam o processo.

As solicitações do assistente social ao entrevistado, ou aos membros de um grupo, na busca de


esclarecimentos, de uma melhor explicitação do pensamento, construindo espaços de reflexão, análise,
não significa romper silêncios que, muitas vezes, permeiam a entrevista e a reunião.

O silêncio não é para ser rompido, mas para ser trabalhado e entendido no processo. Antes de
pensar em romper o silêncio, o AS tem como tarefa utilizar do próprio silêncio na busca de entendimento
do movimento da entrevista ou da reunião.

Questões que se colocam para o As neste momento: como surgiu o silêncio? É a explicitação de
que o assunto se esgotou? É resultado de uma pergunta fechada, sem resposta, uma pergunta que
denota julgamento? Pode estar o silêncio explicitando um momento de emoção? Qual a possível
contribuição do assistente social na construção daquele silêncio: uma pergunta fora de propósito, que não
foi entendida, um julgamento de uma pessoa ou do grupo, uma interpretação, forçando alguém a falar,
um comentário, uma cobrança?

Quando o assistente social faz uma cobrança, um julgamento, as pessoas sentem-se acuadas,
amedrontadas e se calam. Isso também acontece, muitas vezes, quando o assistente social assume a
defesa das instituições. Cria-se uma situação constrangedora e o assistente social, muitas vezes, tem
como encaminhamento apontar a pessoa que vai continuar falando.

Por exemplo: Numa unidade de saúde o assistente social realiza um trabalho de reuniões
sistemáticas com familiares de pacientes de uma enfermaria. Discute-se a questão da internação e dos
programas desenvolvidos pela unidade:

Usuária 1 – Aqui é ideal porque posso ficar com meu doente apesar de alguns problemas. O
hospital é carente, não tem lugar para dormis devido à falta de camas e muitas vezes temos de
ficar na enfermaria sentadas.

Usuária 2 – A noite fico sempre atenta, pois é só uma enfermeira para tanto doente e a gente tem
de ajudar.

AS – Apesar de poucos recursos e algumas dificuldades, o hospital tem procurado dispensar um


bom atendimento à clientela.

Silêncio...

AS – Você, paciente 3, conte para nós sua experiência de estar acompanhando seu doente.

Usuária 3 – (sorri desconcertada). É como estar internada. Foi muito bom e se a mãe gosta do
filho deve deixar a casa de lado e ficar com ele.

A questão a ser discutida estava relacionada ao projeto das unidades de saúde em instituir o leito
conjunto, não só tendo como princípio a necessidade da família junto ao doente, mas, principalmente,
para substituir a mão-de-obra gratuita dos familiares; o papel do acompanhante enquanto direito e não
como dever, obrigação. O assistente social quando assume a defesa da instituição gera o silêncio. E aí
acumula equívocos, na medida em que não entende o silêncio e obriga uma pessoa a falar a qual o faz
constrangida, absorvendo a questão como dever.

A partir da análise do que está acontecendo, o assistente social, respeitando o silêncio, aguarda
que a/as pessoa/as tenham condições para retornar a reflexão ou cria alternativas que contribuam para
que o retorno se dê.

Quando o silêncio explicita emoção, reflexão, ou que o assunto se esgotou, o assistente social
utiliza-o para resgatar as questões que permearam a entrevista ou a reunião, repensando no
encaminhamento dado, as questões que passaram despercebidas... Utilizar o momento de reflexão
também para si.

Sob pena de me estender muito nesse tema, gostaria, ainda, de colocar duas questões.

A primeira diz respeito ao aparecimento do silêncio no início do processo. Sem clareza dos temas
trabalhados no início deste texto, o/os usuário/os não falam e o assistente social tem que “arrancar as
coisas das pessoas a força”. Isso se dá na medida em que os usuários não sabem o que vai acontecer
com eles, o que estão fazendo ali, etc. Não importa onde seja realizado seu trabalho, numa unidade de
saúde, numa associação de moradores; sem clareza do que está acontecendo, as pessoas não se
sentem seguras para se envolverem no processo.

A outra questão está mais ligada ao trabalho com reuniões, ao processo de apresentação que
geralmente os assistente sociais “obrigam” os grupos viverem, frequentemente através de dinâmicas de
grupo. Dependendo de como são encaminhadas, as apresentações constrangem porque forçam uma
situação sem sentido para as pessoas que a realizam. Resultado, falam o mínimo necessário e depois
entram em silêncio profundo. Parece-me que o processo de apresentação tem sentido quando os
usuários entendem sua necessidade e aceitam. É comum entre os assistentes sociais o início de uma
reunião como se segue:

AS – como não nos conhecemos, queria que cada um falasse seu nome e um pouco de si para
que pudéssemos começar.

Como, se até ali ninguém sabe o que é que vai começar? Por que falar? O que falar? Qual a
importância do que vai ser falado para o que vai começar? Na sua apresentação, ou na apresentação de
sua proposta, o assistente social deve deixar claro para os participantes o seu papel e o papel a ser
exercido por eles, no caso não como ouvintes, mas como participantes ativos. Isso facilita o início do
processo que não é fácil para nenhum dos dois lados. Num processo onde o controle não está posto
como referência para o profissional, os dois lados envolvidos se apresentam inseguros, com questões a
responder, ansiedade.

Nesse sentido, faz-se necessário, ao longo do processo, mostrar o que está sentindo frente ao
movimento da reunião ou da entrevista. Isso não quer dizer julgar nem interpretar comportamentos. Há
momentos em que o assistente social tem como recurso sinalizar o que está sentindo frente a
determinados movimentos, mas a própria entonação da voz pode dar um caráter de julgamento, de
interpretação, de cobrança, de censura. Isso se dá, por exemplo, com a necessidade de estar sinalizando
que para um grupo funcionar é necessário que cada um fale de uma vez e a consequência de conversas
paralelas para o grupo. Assim vejamos formas diferenciadas do AS sinalizar aos participantes.

Numa reunião, dois participantes conversam paralelamente enquanto alguém fala. Algumas
alternativas para o assistente social:

AS – Vocês parecem que não está interessados no que está sendo discutido...

AS – Vocês gostariam de colocar alguma coisa em relação ao que está sendo discutido?

AS – Parece-me que num grupo grande fica difícil de todos participarem. Podemos discutir formas
que possibilitem todos terem seu momento. O que acham?
TEMA 12

A participação coloca-se de forma diferente para quem está numa entrevista ou numa reunião.

Numa entrevista por mais amedrontada, insegura, assustada que posso estar uma pessoa, para
ela está posto que se ela não fala, mesmo que seja um mínimo, a entrevista não acontece, ainda que a
experiência nos mostre que não é só em reuniões que o assistente social tende a dar uma de professor,
aconselhador. Na entrevista isto também acontece.

Mesmo na entrevista a pessoa vai mostrar se está ou não disponível para participar. Acontece
com frequência o AS “obrigar” a pessoa a uma entrevista, na medida em que ela não sabe o que está
fazendo ali. Assim ela participa a contragosto, o que pode levá-la a nunca mais querer utilizar aquele
recurso. Se notamos esta dificuldade, entendo que cabe ao AS deixar o mais claro possível que recurso é
aquele, que a pessoa pode fazer uso. Notamos, ainda, que quando a pessoa entende, mas não se acha
disponível naquele momento, ela volta a procurar o serviço, numa outra ocasião.

Esta é uma questão muito presente nos encaminhamentos tanto em instituições de saúde quanto
de assistência social. As pessoas são encaminhadas para trabalhar questões que lhe dizem respeito,
mas quem encaminha não se dá ao trabalho de explicar o porquê do encaminhamento. Muitas vezes, se
o usuário não é encaminhado por escrito, quando chega ao serviço, faz-se necessário uma bateria de
perguntas para se saber o porque do encaminhamento. Dependendo da forma de encaminhamento, este
momento propicia aos dois lados o atendimento da questão.

Entender o motivo do encaminhamento, para o próprio assistente social, evita que os usuários
sejam jogados de um lado para o outro, sem saberem o porquê e a possível necessidade.

Já na reunião, a questão do falar ou não falar não está tão clara para os participantes. Num
processo que envolve mais de três pessoas, a participação pode se dar, principalmente, através de
outras formas que não a palavra: ações, gestos... Nem sempre estar calado numa reunião significa não
participação, mas isso incomoda, principalmente, o coordenador do processo. Incomoda tanto as pessoas
que não falam quanto as pessoas que falam demais. O assistente social tem de estar atento a esse
movimento, para criar condições tanto para que os muito falantes se voltem sobre o que estão
explicitando, quanto aproveitando as oportunidades em que os calados mostram vontade de falar.

Isso acontece, por exemplo, quando uma pessoa está falando e outra, que nunca falou nada, faz
um movimento, um comentário solto... O AS registra e puxa esta questão no momento oportuno.

Exemplo:

Numa reunião, um participante fala e outro faz um movimento para comentar. Assim que o
participante faz uma pausa:

AS – Você U., parece que queria dizer alguma coisa quando X falava? Quer nos dizer agora?

Isto é diferente de em determinado momento, após um silêncio, o AS dizer:

AS – Você U., até agora não disso nada. Fale alguma coisa para nós.

Isso é terrivelmente desencorajador e constrangedor.

O AS no exercício de entrevistar ou de coordenar reuniões vai adquirindo habilidades que vão lhe
facilitar estar atento a quase tudo o que ocorre nesses processos, seja em relação aos conteúdos que
aparecem, tendo em vista a reflexão, seja em relação ao movimento da pessoa ou das pessoas, onde
tudo é importante ser registrado e trabalhado: o movimento do corpo, o sorrir, a emoção para alguns em
determinado assunto, o bocejar, as conversas paralelas, o cochilar, a vergonha, etc.
Quanto ao cochilar, é interessante notar que a maioria dos assistentes sociais ou jogam para si a
responsabilidade do cochilo do outro, ou julgam a pessoa que cochilou, alegando falta de interesse e falta
de vontade para lutar. Para si, colocam a questão de não serem capazes de realizar uma reunião
interessante para que as pessoas permaneçam acordadas, de não estarem agradando...

Penso que escapa a estes assistentes sociais as condições de vida dos usuários dos nossos
serviços: dormem mal, quando não dormem na condução, alimentam-se mal, trabalham em péssimas
condições, a maioria carrega algum tipo de distúrbio, físico, psicológico, etc., etc., e quando se encontram
em condições favoráveis, uma cadeira para se sentar, não resistem a um cochilo. Isso não quer dizer que
não produzamos reuniões que facilitem o cochilo, com explanações e aconselhamentos intermináveis,
verdadeiras aulas de como se dar bem na vida. Na medida em que a situação incomoda, não só ao AS,
mas aos membros do grupo e, principalmente, a pessoa quando se surpreende flagrada cochilando,
parece-me que não cabe negar o cochilo. Mas, intervenções como a que se segue, penso serem
desastrosas:

Alguém numa reunião deixa despencar a cabeça. Risos na sala, a pessoa desperta.

AS – Parece que a reunião não está interessando ao senhor, não é?

Esta ação, mesclada de interpretação e julgamento, é punitiva para a pessoa. Essa não dorme
mais, ali naquele momento, mas provavelmente não volta mais a esse espaço. Não seria diferente dizer:

AS – O senhor está bem? Aconteceu alguma coisa?

Tenho notado que com este encaminhamento a pessoa tem chance até de dizer que está só com
sono mesmo, mas, na maioria das vezes, aparecem histórias de dormir pouco, problemas naquela noite,
cochilar numa condução, etc. A título de ilustração, certa vez, após a reunião, ouvi as explicações de uma
mulher sobre seu cochilo, foi armada uma cama com cadeiras para que ela pudesse cochilar. Houve
casos de oferecimento de ombros ao cochilador e não foi por isso a reunião ficou menos interessante
para o restante das pessoas e para a própria pessoa, em outro momento mais oportuno.

Colocadas estas questões, restaria, ainda, trabalhar outras tantas que dizem respeito a utilização
da entrevista e da reunião como instrumentos na prática do AS.

Ainda que muitos estudos elaborados sobre entrevista e reunião, nas suas diferentes formas,
contribuam para a utilização desses instrumentos pelo Serviço Social, uma prática que não queira ter
como fim uma ação disciplinadora, controladora dos usuários, que atenue sequelas produzidas pelo
sistema, tem que colocar em questão o tipo de entrevista e de reunião que precisamos.

Penso que o tipo de entrevista que ser ao investigador, ao psicanalista, a um serviço de seleção e
treinamento de pessoal não é o mesmo que serve ao assistente social que busca articular sua prática aos
interesses da população usuária dos seus serviços, possibilitando espaços para o exercício de relações
solidárias, que os fortaleçam enquanto cidadãos. A reunião e a entrevista, pensados nesta direção, serão
trabalhadas na continuidade deste artigo.