You are on page 1of 3

Súmula 611-STJ

Márcio André Lopes Cavalcante

DIREITO ADMINISTRATIVO

PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
Possibilidade de instauração de PAD com base em denúncia anônima

Súmula 611-STJ: Desde que devidamente motivada e com amparo em investigação ou
sindicância, é permitida a instauração de processo administrativo disciplinar com base em
denúncia anônima, em face do poder-dever de autotutela imposto à Administração.
STJ. 1ª Seção. Aprovada em 09/05/2018, DJe 14/05/2018.

O que é a chamada "denúncia anônima"?
Denúncia anônima ocorre quando alguém, sem se identificar, relata para as autoridades que determinada
pessoa praticou uma infração, um ilícito.
Essa “denúncia anônima” pode relatar a ocorrência de crimes e/ou de infrações administrativas.
Ex1: uma pessoa liga para a polícia e avisa que em determinado local está ocorrendo o comércio ilegal de
drogas (denúncia anônima de um crime).
Ex2: uma pessoa envia mensagem para a ouvidoria do órgão público, sem se identificar, relatando que o
servidor João não trata os usuários do serviço com urbanidade e gentileza (trata-se de uma denúncia
anônima envolvendo a prática de uma infração administrativa).
Ex3: um indivíduo envia mensagem para a corregedoria do Fisco, sem se identificar, narrando um episódio
no qual o Fiscal exigiu vantagem ilícita para não fazer o lançamento tributário (neste caso, teremos uma
denúncia anônima revelando uma infração administrativa que também configura crime).

É possível instaurar processo administrativo disciplinar com base em “denúncia anônima”?
SIM, mas a jurisprudência afirma que, antes, a autoridade deverá realizar uma investigação preliminar ou
sindicância para averiguar o conteúdo e confirmar se a “denúncia anônima” possui um mínimo de
plausibilidade.

Anonimato x Princípios da administração pública
A Constituição Federal assegura a livre manifestação do pensamento, mas proíbe o anonimato (art. 5º,
IV). Por essa razão, algumas pessoas defendiam a ideia de que a denúncia anônima seria proibida.
Os Tribunais Superiores, contudo, não concordaram com essa tese. Isso porque existem outros valores
constitucionais que devem ser ponderados, ou seja, devem também ser levados em consideração, não se
podendo ter essa regra do art. 5º, IV, como absoluta.
O art. 37, caput, da CF/88 determina que a Administração Pública deverá obedecer aos princípios da
legalidade, da impessoalidade e da moralidade. Dessa forma, tais princípios exigem que o administrador
público, ao ser informado de uma possível infração administrativa, tome providências.
Essas providências devem ser adotadas porque a Administração Pública está submetida ao poder-dever
da autotutela.
A autotutela obriga que o administrador público corrija, mesmo de ofício, atos ilegais que estejam sendo
praticados no âmbito da administração pública.
Logo, mesmo a informação tendo chegado sem identificação do remetente, o administrador público não
pode ser omisso e ignorá-la, sob pena de ele (administrador) ser responsabilizado nas esferas civil (art. 37,

Súmula 611-STJ – Márcio André Lopes Cavalcante | 1

Durante essa investigação prévia. uma investigação prévia para examinar se essa denúncia anônima não é completamente infundada. na sindicância que foi aberta para apurar a denúncia anônima. Ex: chega à Administração Pública a denúncia anônima de que Pedro. não se deve instaurar imediatamente (diretamente) o processo administrativo disciplinar. 7. Como explica Ivan Barbosa Rigolin. Lei nº 8.112/90: Art.” (Comentários ao Regime Único dos Servidores Públicos Civis. convocando-se todas as pessoas. da CF/88). É uma espécie de investigação prévia. o administrador deverá realizar uma sindicância. Lei nº 8. 319 do CP. constata- se que Pedro atuou realmente como fiscal no pedido de alvará da empresa X e que ele não exigiu alguns documentos que seriam obrigatórios. 350). fiscal do Município. p. A autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata. constatando-se a existência de indícios de que houve a prática de uma infração administrativa grave. por precaução e prudência. No caso da União. Estados/DF e Municípios). instaurar processo administrativo disciplinar. teria recebido vantagem indevida para a emissão de alvará de funcionamento da empresa X. XV. 320 do CP). Nessa hipótese. contudo. é importante ressaltar que existe previsão expressa na Lei nº 8. devidamente motivada e com amparo em investigação ou sindicância Por outro lado. 2012. administrativa (art.retardar ou deixar de praticar. São Paulo: Saraiva. ou seja. expondo essas razões. suponhamos que.429/92 . a sindicância será arquivada e não será instaurado processo administrativo disciplinar. Súmula 611-STJ – Márcio André Lopes Cavalcante | 2 . Antes disso. Quando se instaura um ou o outro? • Sindicância: quando o administrador percebe que há a necessidade de que alguns fatos sejam esclarecidos antes. deverá a autoridade administrativa.proceder de forma desidiosa) e também por ato de improbidade (art. ou seja. Instauração do PAD. ed. ou seja. de forma devidamente motivada. no caso de denúncia anônima. 117. Denúncia anônima exige prévia sindicância ou investigação prévia O STJ afirmou que. 11.§ 6º.112/90 Isso que foi explicado acima vale para todas as esferas da administração pública (União.112/90 . ato de ofício). mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar. Neste caso. indevidamente. bem como invocando-se todos os meios de provas necessários à boa condução do trabalho e à elucidação do fato apontado. a Lei nº 8. O administrador público deverá instaurar para confirmar minimamente a procedência dos fatos. II. 143. quando ainda não há muitos elementos para se instaurar diretamente o processo. Logo. assegurada ao acusado ampla defesa. A informação que chegou foi apenas esta.112/90 prevê dois instrumentos para a apuração das infrações administrativas praticadas pelos servidores públicos federais: a) a sindicância e b) o processo administrativo disciplinar. condescendência criminosa – art. penal (prevaricação – art. existem situações que são tão graves e evidentes “que nem mesmo é preciso a sindicância para apontar a necessidade de processo disciplinar. • PAD: deve ser instaurado quando a existência do fato está plenamente caracterizada e a autoria é conhecida. Desse modo. Lei nº 8. deve ser logo de início instaurado aquele processo. constata-se que Pedro nunca atuou neste processo.

no art. (.112/90. Procedimento em caso de denúncia anônima: Assim. afasta esse argumento e afirma que: (.. Conquanto a Lei n. contudo. julgado em 06/08/2013. As denúncias sobre irregularidades serão objeto de apuração. Min.) STJ. 144. uma vez que a Administração dispõe do poder-dever de autotutela.. mesmo com o art.112/90 O art.112/1990.) 3.112/90 prevê o seguinte: Art. 8. AgRg no REsp 1126789/RS. Para a instauração do PAD exige-se ato devidamente motivado. 144 da Lei nº 8. a denúncia será arquivada. preveja a formulação por escrito. o procedimento em caso de denúncia anônima na Administração Pública deverá ser o seguinte: 1) Iniciar uma sindicância ou uma investigação preliminar (obs: a investigação preliminar na Administração Pública federal é chamada de sindicância. devendo ser colhidos outros elementos que a comprovem. 6ª Turma. não há expressa determinação legal para que denúncias anônimas sejam ignoradas e simplesmente arquivadas. 144 da Lei nº 8. Quando o fato narrado não configurar evidente infração disciplinar ou ilícito penal. Súmula 611-STJ – Márcio André Lopes Cavalcante | 3 . O STJ.. Rel. Esse art.Cuidado com a redação do art. 144 da Lei nº 8. desde que contenham a identificação e o endereço do denunciante e sejam formuladas por escrito.. Parágrafo único. mas em outros entes pode não ter esse nome). Og Fernandes. 144. confirmada a autenticidade. admite-se a denúncia anônima. com identificação e endereço do denunciante. 3) Instauração de processo disciplinar: quando for constatada a existência de indícios de que houve a prática de uma infração administrativa. por falta de objeto. 2) Arquivamento: quando na sindicância ou investigação ficar demonstrado que a denúncia anônima é completamente infundada e que não há qualquer indício da prática de infração administrativa. Em suma. CGU Vale ressaltar que a CGU possui um enunciado administrativo semelhante ao entendimento do STJ: Enunciado nº 3-CGU: A delação anônima é apta a deflagrar apuração preliminar no âmbito da Administração Pública. 144 era muito utilizado como tese de defesa para tentar invalidar os processos administrativos iniciados com base em denúncia anônima.