Fátima 90 anos: Celebramos a Misericórdia do Senhor!

Igreja da Santíssima Trindade Ao longo deste ano decorreram várias iniciativas integradas na comemoração dos 90 anos das aparições em Fátima. Como marca fica a inauguração da nova Igreja da Santíssima Trindade no fundo do recinto. Trata-se de um espaço que projecta Fátima para a sua verdadeira dimensão religiosa, a dimensão universal. A unidade com todos os que visitam aquele espaço nem sempre foi bem conseguida, quer pelo excessivo comercio naquele espaço, ao qual o Santuário é alheio, mas sobretudo dentro das possibilidades financeiras do mesmo, todo aquele espaço se foi apetrechando de equipamentos que se destinaram tão somente ao acolhimento dos peregrinos, estacionamentos, zonas verdes, espaços para a higiene, entre outros. As orientações actuais da Igreja apontam para que cada espaço litúrgico seja dotado das condições necessárias ao bem-estar daqueles que a ele recorrem. Quem conhece a mensagem do reitor do Santuário Luciano Guerra na entrega das chaves da nova igreja, verifica que sempre foi esta a orientação principal de todos os projectos para Fátima, nomeadamente a construção do novo espaço litúrgico. Portanto este espaço deve ser sempre voltado para quem chega, sempre voltado para o acolhimento, a pensar naqueles que vêm de fora e não só para os portugueses. Fátima é um espaço de comunhão, de universalidade, será, com a nova igreja, um altar global. Parabéns a todos os que pensaram assim, pois nem sempre nos dedicamos aos projectos pensando nos outros, mas mais em no que é melhor para nós! Tantas foram as vozes contra, mas a obra está pronta! È uma obra cheia de simbologias e curiosidades. Para quem não conhece a primeira pedra foi oferecida pelo Papa João Paulo II e trata-se de um pequeno fragmento retirado do túmulo de S. Pedro, é portanto o selo de ligação estreita com a Santa Sé. Esta pedra está colocada na base do altar da nova igreja, num nicho criado para esse efeito. Para quem já viu, trata-se de um espaço com um formato simples, que aproveita ao máximo todo a sua utilidade, por se tratar de um círculo (125 m de diâmetro), bem como toda a luz natural. O autor do projecto é uma firma grega Matitiki – Alexandros N Tombazis and Ass. Architects, Ltd. e foi executada pela firma portuguesa Somague, no qual trabalharam directamente cerca de 3000 pessoas ao longo de 3 anos. FOTO Todo o conjunto é dominado pela chamada Cruz-Alta que é também nova. Da autoria de Robert Schad da Alemanha, tem mais de 30 metros de altura e aponta Cristo como senhor e único caminho para cada cristão. FOTO No exterior encontramos uma nova estátua, que retrata o Papa João Paulo II, cujo autor é Czeslaw Dzwigaj da Polónia; bem como as que já se encontravam naquele espaço, anteriormente dominado pelo Pórtico do Jubileu: o Papa Pio XII, o Papa Paulo VI e o bispo D. José Alves C. Silva, figuras todas elas ligadas à mensagem e ao carisma de Fátima na cultura religiosa nacional e internacional. Com acesso pelo exterior, os peregrinos podem recorrer às Capelas da Reconciliação e aos WC’s, que são subterrâneos. Para o subsolo existem 2 entradas dando acesso a uma capela com 600 lugares e outras 2 com 120 lugares cada, para grupos estrangeiros e portugueses. Existem também, contíguos aquele espaço, 64 gabinetes para celebrar a reconciliação. A igreja é já considerada a quarta maior do mundo, com capacidade para 9000 lugares, ou grupos de 3000 fiéis, pois possui divisórias próprias para esse efeito. Tem 13 portas de acesso a todo o perímetro, que curiosamente as pessoas já associam aos dias 13 das aparições. Simbolizam a unidade entre o Mestre e o Colégio Apostólico (12 apóstolos).

A porta principal em bronze e madeira foi executada por dois artistas o português Pedro Calapez e o canadiano Kerry Joe Kelly, simbolizando os 20 mistérios do rosário, em 10 painéis de cada lado. A escultura da entrada é da autoria de Maria Loizidou de Chipre. O painel de azulejos é de Siza Vieira, conhecido arquitecto português, retratando S. Pedro e S. Paulo. No interior poderemos ver um painel que preenche todo o fundo do presbitério da autoria de Atelier Ezio Aleti do Pontificio Instituto Orientale di Roma, sob a orientação do Pe. Marko Ivan Rupnik da Eslovénia e integra elementos da iconografia da igreja oriental ou ortodoxa. No centro do painel está um crucifixo da artista irlandesa Catherine Green; na lateral, uma imagem de Nossa Senhora em mármore branco de Carrara, da autoria de Benedetto Pietrogrande da Itália. FOTO Trata-se de uma obra grandiosa, apenas pensada para o bem-estar das pessoas que se vai acrescentando, num local digno onde estas se encontrem com Deus, de uma forma tranquila e o mais personalizada possível. Deus fala-nos das formas mais diversas e cabe a cada um estar atento! A obra foi quase toda suportada financeiramente pelas verbas provenientes do Santuário, bem como alguns financiamentos. O estado apenas contribuiu na parte das acessibilidades, nomeadamente na reconversão da estrada que passava no fundo do recinto e que passará a ser um túnel subterrâneo. Isto irá proporcionar que os peregrinos possam usufruir de todo o espaço do recinto ate ao Centro Paulo VI, cujo acesso era anteriormente feito por um túnel para peões. O Legado Pontifício Cardeal Tarcisio Bertone presidiu às cerimónias de dedicação da Igreja da Santíssima Trindade nos dias 12, 13 e 14 de Outubro, em representação do Vaticano. Esperemos que esta obra nos faça entender que Fátima não é nossa, mas é de todos; local de encontro muito pessoal, mas também global. Paulino Marques