You are on page 1of 14

UNIJUI – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

DETEC – Departamento de Tecnologia


EGE – Curso de Engenharia Elétrica

RELATÓRIO SOBRE ENSAIOS DE


TRANSFORMADORES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS E
TRANSFORMADORES

ENSAIOS EM CURTO, A VAZIO, E TESTES


DE POLARIDADE

Aluno: Jacson Weich Lemos


Prof. Nelson Clodoaldo de Jesus
ENSAIOS DE TRANSFORMADORES
1.0 - TRANSFORMADOR MONOFÁSICO

O transformador monofásico constitui a forma mais simples que conhecemos de


transformação de energia, sendo ela normalmente valores de tensão tanto para valores
mais altos como para valores mais baixos, dependendo do esquema de ligação o mesmo.
Um transformador monofásico elementar baseia-se no principio de indução magnética
para realizar a transformação entre os níveis de energia.

1.1 - ENSAIO A VAZIO

O ensaio a vazio de um transformador caracteriza-se pelo fato da aplicação do valor


nominal de tensão em um dos lados do mesmo, sendo que o outro lado mantém-se em
“aberto”, ou seja sem carga conectada. Normalmente opta-se pela aplicação da tensão
nominal do lado da baixa tensão por razões de praticidade, pois sempre é mais cômodo
ou de melhor acesso tensões em níveis menores.
O ensaio descrito a seguir foi realizado no laboratório de eletrotécnica da UNIJUI,
com transformadores trifásicos conectados como monofásicos.

Fig 1 – Esquema de ligação ensaio a vazio trafo monofásico

Dados do transformador:

Potência nominal: 1320VA


Tensão nominal: 380/220V
Freqüência nominal: 60Hz

Relação de transformação de placa:

UTS = 380V
UTI = 380V
R.T. = 1

Valores obtido nos ensaio:

P1 = 39W P2 = -7W
I01 = 0,09A I02 = 0,07A I03 = 0,09A
VIN = 380V VOUT = 392V
Tamb = 25ºC
0,09 + 0,07 + 0,09
IN IO IO% Io = = 0,08A
3
2A 0,08 4% Po3φ = 39 − 7 = 32 W
Po1φ = 32 = 10,7 W
3
VFN = 380 = 220 V
Fator de potência a vazio: cos ϕ = 0,61 3
Po 10,7
Ângulo = 52,56º cos ϕ = = = 0,61
VFN * I o 220 * 0,08

Determinação dos parâmetros do ramo magnetizante:

I p = I o * cos ϕo = 0,08 * 0,61 = 0,0485 A


I q = I o * sin ϕo = 0,08 * 0,794 = 0,064 A
220
Zm = = 2,75 kΩ
0,08
220
R mp = = 4,54 kΩ
0,0485
220
X mp = = 3,44 kΩ
0,064
10 ,7
R ms = =1,67 kΩ
0,08 2
X ms = 2,75 2 −1,67 2 = 2,18 kΩ

1.2 -ENSAIO EM CURTO CIRCUITO

Consiste da aplicação da tensão em um dos lados do transformador (normalmente


TS), até que seja atingido o valor da corrente nominal do lado onde esta sendo efetuado
o ensaio. Esta corrente não deve ultrapassar a 10% da corrente nominal do lado
ensaiado.
Fig 2 - Esquema de ligação ensaio em curto trafo monofásico

Dados retirados do transformador:

P1 = 9W P2 = 24W
ICC1 = 1,32A ICC2 = 1,96A ICC3 = 2,10A
VIN = 10V
Tamb = 25ºC

Pcc = 9 + 24 = 33W
1320
IN = = 2A
220
I CC = 2A
33
R% = *100 = 2,5%
1320
10
Z% = * 100 = 4,54%
220
X % = 4,54 2 − 2,5 2 = 3,79%
Pad = 0,2 *10,7 = 2,14 W
PJN = 33 − 2,14 = 30,86 W
Obs: Note que Icc = Iccn, logo não é necessário a correção de valores.

1.3 - PERGUNTAS E QUESTÕES

a) Os objetivos de se relizar o ensaio a vazio de um transformador são a


determinação da porcentagem de corrente a qual é perdida em função de sua
própria magnetização e resistência de seus condutores, também chamada de Io
%, esta por sua vez deve manter-se no máximo com 5% da corrente nominal do
transformador, e também a determinação dos valores do ramo magnetizante do
mesmo;

b) Ip = 0,0485A e Iq = 0,064ª;
c) O Io% é de 4% estando dentro da normalidade;

d) Porque a freqüência é diretamente proporcional as perdas, sendo assim, as


perdas a vazio e perdas no núcleo aumentam juntamente com o aumento da
freqüência;

e) Os objetivos de se realizar o ensaio em curto circuito de um transformador seja


ele monofásico ou trifásico, é a determinação dos parâmetros percentuais R%, X
%, e Z%, os quais nos dão uma noção das perdas no cobre, perdas e por
magnetização, além de levar em conta a temperatura ambiente pois alterando-se
a temperatura ambiente de onde trabalha um transformador este possuirá mais
perdas por efeito joule ou seja aumentará o R%, e consecutivamente seu Z%.

f) Vcc% = 4,54% estando dentro da norma da ABNT, a qual diz que deverá estar
até 10%.
2.0 - POLARIDADE DE TRANSFORMADOR MONOFÁSICO

Trata-se da aplicação de tensão nos enrolamentos do transformador para


obtenção do sentido de enrolamento do mesmo.

METODOS:

-Método do golpe indutivo com corrente contínua

Consiste na aplicação de tensão continua nos enrolamentos primários de um


tranformador qualquer para que seja obtida o sentido das bobinas do secundário sendo
que devem ser aplicados pulsos para se obter uma certa indução, e no caso do
multímetro indicar tensões no mesmo sentido este possui polaridade aditivas e no caso
de sentidos opostos polaridade subtrativa.

Para o ensaio obtivemos uma polaridade subtrativa

Fig – Esquema de ligação método do golpe indutivo por CC

-Método de corrente alternada

Consiste da aplicação de tensão alternada no primário de dois transformadores


e estes porém por sua vez conectados com seus enrolamentos secundários em série com
um multímetro, o qual medirá primeiramente a tensão aplicada e logo em seguida a
tensão aplicada em serie com a tensão induzida, obedecendo os seguintes critérios:

V1 > V2 ⇒ polaridade subtrativa


V1 < V2 ⇒ polaridade aditiva

Fig – Esquema de ligação para método da corrente alternada


Voltímetro na posição 1 = 60V
Voltímetro na posição 2 = 35V
B2 > B 1

Obtivemos então polaridade subtrativa.

-Método do transformador padrão

Ao ligar um transformador padrão para fazer o ensaio obtivemos um tensão de


0V, então, como o transformador padrão era subtrativo, obtivemos o mesmo resultado.

2.1 – PERGUNTAS

a) Obtivemos uma polaridade subtrativa, em ambos os ensaios.


b)
c) Uma padronização em transformadores é de estrema importância pois só assim
podemos utilizar de artifícios com bancos de transformadores, transformadores
em paralelo, e etc.

d) Principalmente nas situações citadas no item anterior, quando devemos liga-lo


em banco de transformadores, ou simplesmente em paralelo com outro.

e) A limitação está na relação de espiras, ou seja, na relação de transformação, que


deve ser a mesma em ambos.

f) Lenz descobriu que ao variar a corrente ela induz corrente em outro


enrolamento, ou seja, a corrente induzida é quem determina a polaridade, ou seja
o sentido da corrente determina a polaridade do enrolamento.

g) São dois fatores, o sentido do enrolamento ou o modo de ligarmos os terminais


do transformador.
3.0 - TRANSFORMADOR TRIFASICO

3.1 - ENSAIO A VAZIO

Fig 3 – Esquema de ligação ensaio a vazio trafo trifásico

Dados do transformador:

S N = 75 KVA
U TS = 22 KV
U TI = 380 / 220 V
Conexão = ∆ − Υ
I N1 = 1,974 A
I N 2 = 197 ,4A

Dados do ensaio:

U (V) f (Hz) W1 W2 Po
3380/220 60 883 -445 438

Io1 (A) Io2 (A) Io3 (A) Io (A) Io%


2,81 2,20 2,60 2,54 1,29%

Esboco da Io
Parâmetros do ramo magnetizante

Z m = 220 = 86 ,6Ω
2,54
cos ϕo = 146 =,2612
220 * 2,54
ϕo = 74 ,85
I p = 2,54 * cos( 74 ,85 ) = 0,664 A
I q = 2,54 * sin( 74 ,85 ) = 2,45 A
220
R mp = = 331 ,3Ω
0,664
220
X mp = = 89 ,8Ω
2,45
146
R ms = = 22 ,63 Ω
2,54 2
X ms = 86 ,6 2 − 22 ,63 2 = 83 ,6Ω
3.2 - ENSAIO EM CURTO CIRCUITO

Fig 4 – Esquema de ligação ensaio em curto circuito trafos trifásicos

Dados do ensaio:

VCC = 436 V
I CC = 0,8 A
P1 = 334 W
P2 = 11W

PCC = 345 W
I N = 1,974 A
CORRIGIR :
1,974 
VCCN = 436 *   = 1076 V
 0,8 
2
1,974 
PCCN = 345 *   = 2100 W
 0,8 
2100
cos ϕcc = = 0,988
1,974 * 1076
ϕcc = 8,93

1076
Z% = * 100 = 4,89%
220
2100
R% = * 100 = 2,8%
75k
X% = 4,89 2 − 2,8 2 = 4%

Para temperatura 75º


234 ,5 + 75
Kθ = = 1,19
234 ,5 + 25
R % 75 º = 2,8 * 1,19 = 3,33 %
X % 75 º = 4%
Z% 75 º = 3,33 2 + 4 2 = 5,2%

PCCN = 2100 W
Pad = 0,2 * 438 = 87 ,6 W
PJN = 2100 − 87 ,6 = 2012 ,4 W

1076
VCC % = * 100 = 4,89 %
22 K
PERGUNTAS E QUESTÕES

a) O que vem a ser corrente transitória de magnetização (“INRUSH”). De que


fatores depende seu valor inicial?

É uma grande corrente de magnetização observada quando o transformador é


conectado a rede. Seu efeito é causa momentaneamente uma grande queda de tensão e
até provocar a atuação de relés instantâneos. Seu valor inicial depende do ponto do ciclo
de tensão no qual a chave para energização é fechada e depende também das condições
magnéticas do núcleo incluindo nestas a intensidade e polaridade do fluxo residual.

b) Porque a corrente em uma das fases, no ensaio a vazio, apresenta valor


diferente das outras duas fases?

A diferença é observada na fase central do transformador que possui uma relutância


desta é menor.

c) Verificar se a corrente a vazio do trafo ensaiado está de acordo com as normas.

I0% = 1,29% estando dentro da norma, considerando que a norma estabelece a I0

d) Explique a forma de onda da corrente não senoidal da corrente Io.

A forma de onda da corrente em um trafo a vazio torna-se nõ senoidal pelo fato de que
esta alimenta uma carga altamente indutiva, o que provoca muitas componentes
harmônicas, as quais distorcem a onda.

e) Verificar se o valor de Vcc está compatível com a norma ABNT.

Vcc = 10% VN
VN =23,1 kV
VccN = 10% (23,1K)
VccN = 2310 V
Vcc = 436 V
Não está compatível.
f) Traçar a curva Vcc x Icc e comentar seu aspecto.

Vcc(V) x Icc(A)
Icc(A)

1
0,8
0,6
0,4
0,2
0
50 100 200 300 400 454

Vcc(V)

g) Em que casos o transformador deve ter elevado valor de Z%?

Em caso de limitar o curto circuito.

i) Calcule a regulação a 750C, com o transformador operando a plena carga sob fp =


0,85 indutivo.

Reg% = R%75 . fc . cosφ +X% . fc . senφ


fc=1
cos-10,85 = 31,78o
Reg% = 1,77 . 1 . cos31,78 + 3,67 . 1 . sen31,78
Reg% =3,43%

j) Calcule o rendimento a temperatura ambiente, a plena carga com fp = 1.

η = (fc . SN . cosφ ) / (fc . SN . cosφ + fc2 . PjN+1,2 . Po)


PjN = PccN - 0,2 . Po
PjN = 1108 - 0,2 . 304
PjN = 1047,2

η = [(1 . 75 k . 1) / (1 . 75 k . 1 + 12 . 1047,2 + 1,2 . 304)] . 100


η = 98,15%

k) Calcule o rendimento a 750C, a plena carga com fator de potência fp = 0,9 indutivo.

η = (fc . SN . cosφ ) / (fc . SN . cosφ + fc2 . PjN+1,2 . Po)


KØ = 234,5 +75 / 234,5 + 19
KØ = 1,22
PccN = 1,22 . 1108
PccN =1351,8 W

PjN = 1351,8 - 0,2 . 304


PjN = 1290,9 W

η = [(1 . 75K . 0,9) / (1 . 75 k . 0,9 + 12 . 1290,9 + 1,2 . 304)] . 100


η = 97,60%

l) Qual o máximo rendimento para uma carga com fp = 1, θ ref = 750C.

FP = 1 θ ref = 75o C η =?
KØ = 234,5 +75 / 234,5 + 19
KØ = 1,22

PjN =1,22 . 1108


PjN = 1351,8 W

FC = (1,2 . Po / PjN)1\2
FC = (1,2 . 304 / 1351,8)1/2
FC = 0,27

η = [(0,27 . 75 k . 1) / (0,27 . 75 k . 1 + 0.272 . 1351,8 + 1,2 . 304)] . 100


η = 97,75%