UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS TOLEDO

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: Extração da Cafeína

TOLEDO - PARANÁ 2008

Cristiano Diel TOLEDO – PARANÁ 2008 . Prof.Franciele Kátia Roberta Thanara RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: Extração da Cafeína Relatório entregue como requisito parcial da avaliação da unidade curricular Química Orgânica II do curso superior de Tecnologia em Processos Químicos da UTFPR-Campus Toledo.

....................................................9 ..................................... COMENTÁRIOS E DISCUSSÕES..................................................................................................................................................5 2...SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO .............................................................................................................................................................................................................................8 5 REFERÊNCIAS.......................................................5 3 RESULTADOS...................................1 OBJETIVO GERAL.............1 REAGENTES ..........................4 2 MATERIAL E MÉTODOS...................................2 MATERIAIS...........................5 2...............5 2................................................................................6 4 CONCLUSÃO......................................................3 métodos...................................................................3 1...............................................................

principalmente). Refrigerantes do tipo cola contém 14-25 mg de cafeína/100ml. Deste modo pode-se observar que uma simples xícara de chá tem múltiplos efeitos sobre quem a toma.7-trimetil-1H-purina-2.3 1 INTRODUÇÃO A cafeína (3. Um grande número de plantas contém cafeína. Utiliza-se clorofórmio devido a sua polaridade e densidade. . a cafeína é um constituinte natural de nozes de cola e sementes de cacau. Uma xícara de chá contém aproximadamente 25mg de cafeína. A razão disto é que o café é usualmente fervido em sua preparação. A cafeína é um alcalóide que pode ser extraída de misturas que a contenham por um solvente orgânico após acidificar o meio. que constitui aproximadamente 5% do peso das folhas de chá. a maioria dos chás contém 3-5% em peso. sem gosto. cuja estrutura é similar à da cafeína. O conteúdo de cafeína de folhas de chás depende da variedade e da região de ocorrência. o que lhe confere a propriedade de extrair substancias pouco polares de soluções aquosas formando um sistema bifásico que muitas vezes pode emulsionar (em temperaturas elevadas e/ou após agitação vigorosa do sistema. enquanto que uma barra de chocolate pesando 20g contém 15mg de cafeína. ele estimula a ação muscular e relaxa a artéria coronária. A ação biológica da cafeína inclui estimulação cardíaca e respiratória. Algumas preparações estimulantes e analgésicas contêm cafeína como ingrediente ativo. Além de ser constituinte de folhas de chá e grãos de café. a sua utilização como estimulante é anterior à invenção da escrita. Por outro lado. O chá contém traços de alcalóide teofilina.7-diidro-1. Grãos de café contêm aproximadamente 2% de cafeína em peso.5 vezes mais cafeína que uma correspondente xícara de chá.3. Dessa forma obtém-se na fase orgânica o alcalóide protonado.6-diona) pura é uma substância branca. As origens de chá e café se perdem nas lendas. folhas de chá são simplesmente escaldadas com água quente por alguns minutos. além de ser comercializado como um pó extremamente fino. uma xícara de café contém aproximadamente 3. bem como efeito diurético.

4 1. .1 OBJETIVO GERAL Extração da cafeína do chá mate.

Diclorometano.0g de chá preto e 7. Proveta de 100mL. CaCO3.0g de carbonato Utilizou-se os seguintes reagentes para o experimento: 2. Resfriou-se a solução utilizando banho de gelo até atingir a temperatura de 10-15ºC. . Placa de aquecimento.3 de cálcio (CaCO3).1 MATERIAL E MÉTODOS REAGENTES • • • • • Chá mate. Transferiu-se o extrato concentrado para um béquer de 10 mL (limpo e previamente pesado) e evaporou-se o restante do solvente em placa de aquecimento até a secura. Aqueceu-se a mistura até a fervura e realizou-se a extração por um período de 20 minutos com agitação ocasional. Juntou-se os 3 extratos orgânicos e transferir para o balão de 100 mL do sistema de destilação simples. MATERIAIS • • • • • • • • • Balança de precisão. Tolueno. Erlenmeyer de 250mL. Filtrou-se a mistura a quente utilizando um sistema a vácuo. MÉTODOS Colocou-se 100mL de água destilada. Sistema de destilação simples (com balão de fundo redondo e 100mL). Béquer de 10mL. Termômetro. Transferiu-se a solução para um funil de separação e extraiu-se a cafeína com 3 porções de 20 ml de diclorometano (CH2Cl2) (extração múltipla com agitação suave para evitar a formação de emulsão). Funil de separação.5 2 2. Éter. Destilou-se o solvente até que se obtenha um volume de 5 a 7 mL no balão. 15.2 Utilizou-se os seguintes materiais para o experimento: 2. em um erlenmeyer de 250mL. Pesou-se o resíduo da cafeína bruta. Sistema de filtração à vácuo.

seu ponto de fusão seria 80. aproximando-se dos 100%. Destilação fracionada: . Podemos dizer então que os reagentes testados têm em geral. significando que o Naftaleno utilizado na prática tinha uma pureza muito próxima de 100%. o Metanol obteve uma média de 63. Não se pode esquecer de citar que tanto nos valores de pureza quanto nas médias encontradas. 82. pudemos observar os seguintes resultados (Tabela1. Grupo 01 02 03 04 05 Ponto de Fusão (°C) Naftaleno Ácido Benzóico 121 120 122 121 85 83 83 80 82 - Ponto de Ebulição (°C) Metanol Etanol 63 62 65 64 79 79 78 79 75 - Comparando os valores encontrados pelos grupos. é. pois se ele fosse totalmente puro. Levando-se em consideração o que acaba de ser comparado. pode-se observar que as temperaturas foram.5°C. sendo que foi encontrada uma média de 78°C. Depois de realizadas os experimentos de Determinação dos pontos de fusão e o ponto de ebulição. as temperaturas foram consideras a pressão ambiente (1atm).): Tabela 1. No etanol. em média. pode-se dizer que a temperatura. com 100% de pureza considera-se 78. – Resultados dos pontos de fusão e ebulição encontrados pelos grupos participantes da aula prática.6 3 RESULTADOS.3°C. COMENTÁRIOS E DISCUSSÕES Determinação dos pontos de fusão e ebulição: A prática de determinação dos pontos de fusão e de ebulição.6°C. (comparando-se apenas as temperaturas encontradas entre os próprios reagentes) próximas. temos uma média de 121°C. um grau de pureza muito elevado. não havendo uma diferença considerável entre as mesmas. Já tratando-se dos pontos de ebulição testados. sendo que no seu estado de pureza considera-se 64°C. em geral. no ponto de fusão do Naftaleno. sendo que em seu estado puro está temperatura seria 122°C.5°C. Fazendo a mesma comparação entre os valores encontrados para o ácido benzóico..

Nesse balão está a mistura homogênea. Ao final do processo. Ao ser aquecida. ao encostar nas bolinhas da coluna de fracionamento. Durante esse processo pudemos observar as temperaturas de ebulição dos dois líquidos da mistura. a primeira substância vai condensar. que é aquecido por uma chama. que será envolvido externamente por água fria. Na boca do balão está presa uma coluna de fracionamento. que tem o ponto de ebulição em torno de 78. até encontrar o condensador. A primeira a condensar foi a acetona. não haverá separação nenhuma. No topo da coluna de fracionamento está um termômetro. então se as duas substâncias tiverem o ponte de ebulição próximo. e a outra substância continuará subindo. O aparato de destilação fracionada é constituído por um balão de vidro com fundo plano. um pouco acima do maior ponto de ebulição. No caso do etanol. será possível separar as duas substâncias sem muita dificuldade. e o balão de vidro terá o líquido menos volátil. Devido ao fato de que na destilação simples não é colocado no sistema a coluna de fracionamento. que tem um ponto de ebulição muito próximo.7 A destilação fracionada é utilizada quando se quer separar dois líquidos miscíveis (mistura homogênea). o béquer conterá o líquido mais volátil. voltando para o balão. com bolinhas de vidro no seu fundo. caso as duas substâncias tivessem pontos de ebulição mais afastados. Sendo assim. e na lateral. e logo em seguida. O condensador é feito por um tubo interior. . Ao final do condensador está um béquer onde é coletado o produto da destilação. No balão de vidro é colocada a mistura. apenas uma transferência de um recipiente para o outro. Poderia ter sido efetuado o processo de destilação simples.5°C.3°C. é em torno de 56. O termômetro serve para manter uma temperatura constante. a outra substância vai evaporar também. as duas irão evaporar e condensar juntas. Porém. a substância de menor ponto de ebulição irá evaporar primeiro. há uma saída para um condensador. pois sua temperatura de ebulição. ou seja. a condensação irá demorar um pouco mais pra ocorrer.

. Não é uma síntese do que foi feito (isso já está no sumário) e também não é a repetição da discussão.. são apresentados os fatos extraídos do experimento. apontando-se possíveis explicações e fontes de erro experimental.8 4 CONCLUSÃO (Neste ítem deverá ser feita uma avaliação global do experimento realizado.) Após a realização dos experimentos pode-se concluir que. comentando-se sobre as adaptações ou não..

Informações encontradas no site: http://www. Informações encontradas no site: http://www.. Holler. 2.04. 8ª ed. D. 4. A. Acessado em 18. West. R. 3.04.br/qmcweb/exemplar22.ufsc.html.9 5 REFERÊNCIAS 1. J.br/content/ABAAAASGUAD/extracao-cafeina. M. São Paulo: Thomson. 2006.. Skoog.com. F. Acessado em 18. Fundamentos de Química Analítica. .ebah. S. D..2011.2011.qmc. Crouch.