You are on page 1of 2

23/04/2008

Proposta técnica de uso e aproveitamento energético de resíduos não perigosos da indústria têxtil é aprovada
Projeto foi apresentado pela Câmara Ambiental do Setor da Indústria Têxtil e aprovado pela CETESB A Diretoria da CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental aprovou proposta técnica encaminhada pela Câmara Ambiental da Indústria Têxtil, que dispõe sobre a viabilidade do uso e aproveitamento energético de alguns resíduos não perigosos da indústrial têxtil, como combustível nas caldeiras das empresas do setor. O estudo “Procedimento para Utilização de Resíduos não Perigosos da Indústria Têxtil em Caldeiras, no Estado de São Paulo”, publicado no Diário Oficial do Estado no último dia 26/03, disciplina, otimiza e viabiliza, de forma ambientalmente sustentável, o uso e o aproveitamento energético de alguns resíduos da indústria têxtil, como combustível nas caldeiras destas empresas, estabelecendo premissas, limites de emissão e critérios de desempenho, de modo a minimizar os impactos ao meio ambiente. Os resíduos em questão deverão ser devidamente segregados na origem, como os lodos dos sistemas de tratamento biológico de águas residuárias, os resíduos do beneficiamento do algodão (piolho, caroço de algodão etc) e os resíduos de fios e tecidos provenientes da tecelagem e acabamento da própria indústria, que não forem contaminados com solventes. O resíduo a ser utilizado como substituto de combustível, para fins de aproveitamento de energia, deve ter poder calorífico inferior, na base seca, acima de 2.775 Kcal/Kg (5.000 Btu/lb), isto é, ter poder calorífico passível de ser utilizado como combustível. O aproveitamento térmico de resíduos é aplicável a caldeiras cuja operação é realizada acima da temperatura mínima de 750°C, sendo que a alimentação do resíduo somente poderá ser realizada quando a temperatura na fornalha da caldeira for superior a esta. Além da substituição energética, que agrega valor aos resíduos e minimiza seu lançamento ao ambiente, também se verificam outros ganhos ambientais, como a adequação de caldeiras, com condições mínimas necessárias para sua operação e melhoria das emissões de material particulado das atuais caldeiras instaladas. São classificados com resíduos não perigosos da indústria têxtil aqueles que não se enquadram na classificação de Resíduos Classe I – Perigosos, nos termos da Norma NBR 10.004/2004. A proposta técnica foi desenvolvida pelo Grupo de Trabalho de Resíduos, coordenado pelo eng. Luiz Furquim da Silva, representante da Santista Têxtil na Câmara Ambiental, e que tem como demais membros representantes do Setor Produtivo e do Sistema de Meio

Imprima esta página

Os testes realizados em caldeira subsidiaram os dados técnicos do trabalho

file:///C|/Users/Al/Desktop/noticentro/2008/04/23_camaras.htm[28/12/2010 16:31:35]

representante do Sinditêxtil e secretariada pelo eng. submetida à apreciação e análise dos Setores de Avaliação de Tecnologia do Ar. gerente da Divisão de Coordenação de Câmaras Ambientais da CETESB. Texto Rose Ferreira Fotografia Divisão de Coordenação de Câmaras Ambientais file:///C|/Users/Al/Desktop/noticentro/2008/04/23_camaras. A Câmara Ambiental do Setor da Indústria Têxtil é atualmente presidida pelo eng. na forma de normas técnicas. com caráter consultivo. e de Planejamento de Ações de Controle. inúmeros produtos têm sido gerados. da Companhia. Ruído e Vibrações. eventos e treinamentos. Como resultado dessa interação. tendo como meta promover a melhoria da qualidade ambiental por meio da interação permanente entre o poder público e os setores produtivos e de infra-estrutura do Estado. Conforme Zoraide Senden Carnicel. os quais têm contribuído significativamente para o aperfeiçoamento das ações de licenciamento e controle da poluição. a proposta foi. de Resíduos Sólidos Industriais. As Câmaras Ambientais foram criadas pela CETESB na década de 90. anteriormente. Jorge Luiz Silva Rocco. procedimentos.Ambiente.htm[28/12/2010 16:31:35] . da Agência Ambiental de Americana. Rafael Cerrone Neto.