You are on page 1of 43

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM

QUÍMICA GERAL II -Roteiro de aulas práticasCURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA
1º SEMESTRE DE 2012 1ª edição

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

_______________________________________ PRÁTICAS DE QUÍMICA GERAL II

1ª Edição elaborado por:
Prof Me. Hygor Rodrigues de Oliveira

2012 _______________________________________

Química Geral Experimental II

ii

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

SUMÁRIO

Normas para apresentação de relatório...............................................................1 Noções Elementares de Segurança.....................................................................5 PRÁTICA 01: Perturbação do estado de equilíbrio..............................................7 PRÁTICA 02: Equilíbrio Químico..........................................................................9 PRÁTICA 03: Ácidos e Bases..............................................................................14 PRÁTICA 04: Determinação da constante de equilíbrio de ácidos e bases .......18 PRÁTICA 05: Reações de Oxidação-Redução....................................................20 PRÁTICA 06: Verificação experimental da equação de Nernst...........................25 PRÁTICA 07: Cinética Química............................................................................29 PRÁTICA 08: Determinação da entalpia de alguns processos............................34 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.....................................................................40

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Normas para apresentação de relatório de práticas de laboratório da disciplina de Química Geral Experimental e critérios de avaliação
Os relatórios das práticas de laboratório da disciplina Química Geral Experimental devem apresentar a seguinte estrutura básica:  Capa - Título;  Listas de figuras (opcional);  Listas de tabelas (opcional);  Introdução - Fundamentação teórica;  Objetivos  Procedimentos - Parte experimental;  Resultados e discussão;  Conclusão;  Referências bibliográficas.

Química Geral Experimental II

1

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Na capa deve conter o título da prática desenvolvida e as informações a cerca do discente. Além da data da confecção do relatório. Na introdução (fundamentação teórica) devem ser apresentados os conceitos teóricos (definições, equações) e hipóteses necessárias para o desenvolvimento do experimento. Os objetivos devem ser apresentados em tópicos ou em um texto único – são os mesmos descritos no roteiro ou pelo professor. É necessário descrever todos os materiais (reagentes, equipamentos, vidrarias, etc) utilizados na execução do experimento, a descrição seqüencial e detalhada do procedimento experimental e o esquema do aparato experimental. Deve-se ter cuidado na pessoa do verbo utilizado para descrever o roteiro experimental - O texto é dissertado na terceira pessoa do plural de forma impessoal. Além disso, às vezes, os materiais utilizados diferem dos descritos no roteiro (atenção!). Geralmente os resultados obtidos devem tentar convalidar a validade das suposições. Os resultados devem ser apresentados nas formas de tabelas e gráficos. O procedimento utilizado para efetuar os cálculos também deve ser apresentado. Quando o esquema de cálculos for repetitivo, deve ser ilustrado o roteiro de cálculos apenas para o primeiro dado apresentado na tabela. As unidades dimensionais devem ser padronizadas utilizando o sistema SI. A investigação da correlação entre variáveis deve ser feita por meio da análise estatística e também deve ser apresentada nos resultados. Na parte da discussão e conclusão deve-se discutir a qualidade dos resultados obtidos, possíveis fontes de erros e verificar se houve a validação das hipóteses. Sempre com bases teóricas você deve fazer um comentário crítico, comparativo e explicativo dos resultados obtidos. (gráficos, tabelas, cálculos, etc). Nas referências bibliográficas deve-se incluir toda a relação de material bibliográfico utilizado na confecção do relatório, ordenados em ordem alfabética de sobrenome.

Química Geral Experimental II

2

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Exemplos das normas de apresentação da bibliografia: a) Livros: SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) (iniciais ou por extenso). Título da obra: subtítulo. Edição. Local de publicação (Cidade), Editora, ano da publicação. Paginação. SKOOG, D. A.; LEARY, James J. Philadelphia, Saunders, 1992. 802 p. Principles of instrumental analysis. 4. ed.

b) Artigos: SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES),Prenome(s) (iniciais ou por extenso). Título do artigo: subtítulo. Título da publicação, Local de publicação (Cidade), volume, fascículo, paginação inicial e final do artigo, data de publicação. LIMA NETO, B. S.; BEZERRA, C. W. B.; POLASTRO, L. R.; CAMPOS, P.; NASCIMENTO, O. R.; FURUYA, S.M.B.; FRANCO, D.W. Cobre em aguardentes brasileiras: sua quantificação e controle. Química Nova, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 220223, 1994. Equações: Deverão ser numeradas em algarismos arábicos, escritas com o mesmo tipo e tamanho de letra. Exemplo:

Observação: O número da equação deve ser alinhado no lado direito do texto, enquanto que a equação deve ser alinhada no lado esquerdo do texto. Tabelas: Deverão ser centralizadas no texto, identificadas com algarismos arábicos, o título da tabela deve ser escrito em letra minúscula e a palavra tabela juntamente com o número que a identifica deve ser escrito em negrito e maiúscula. Exemplo:

Química Geral Experimental II

3

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Figuras: Deverão ser centralizadas no texto, identificadas com algarismos arábicos, o título da figura deve ser escrito em letra minúscula e a palavra figura juntamente com o número que a identifica deve ser escrito em negrito e maiúscula. O texto deve se referir à figura. Exemplo:

O relatório será avaliado de acordo com os seguintes critérios:  Pontualidade, disciplina em laboratório, iniciativa e o bom desempenho do aluno no trabalho de laboratório (20%);  Estética, organização do assunto abordado: introdução, desenvolvimento e conclusão (10%);  Conteúdo, considerando a atualidade e o domínio da literatura, precisão na abordagem do tema, exemplos apresentados, precisão na interpretação de dados, teor dos conceitos, conclusões emitidas e qualidade da informação fornecida (60%);  Linguagem apresentando clareza, coerência teórica e correção quanto à norma culta (10%). OBSERVAÇÃO: Relatórios idênticos terão as notas divididas pelo quantitativo dos mesmos.

Química Geral Experimental II

4

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Noções elementares de segurança
1.0) Normas de segurança. A ocorrência de acidentes em laboratório, infelizmente, não é tão rara quanto possa parecer. Com a finalidade de diminuir a freqüência e a gravidade desses eventos, tornase absolutamente imprescindível que durante os trabalhos realizados em laboratório se observe uma série de normas de segurança: 1.1) Siga rigorosamente as instruções específicas do professor. 1.2) Localize os extintores de incêndio e familiarize-se com o seu uso. 1.3) Certifique-se do bom funcionamento dos chuveiros de emergência. 1.4) Não fume no laboratório. 1.5) Use o guarda-pó apropriado. 1.6) Nunca deixe frascos contendo solventes inflamáveis próximos à chama. 1.7) Evite contato de qualquer substância com a pele. Seja particularmente

cuidadoso quando manusear substâncias corrosivas, como ácidos e bases concentrados. 1.8) Todos os experimentos que envolvem a liberação de gases e/ou vapores tóxicos devem ser realizadas na capela. 1.9) Sempre que proceder à diluição de um ácido concentrado, adicione-o

lentamente, sob agitação sobre a água, e não o contrário. 1.10) Ao aquecer um tubo de ensaio contendo qualquer substância, não volte a extremidade aberta do mesmo para si ou para uma pessoa próxima. 1.11) Não jogue nenhum material sólido na pia. 1.12) Sempre que possível, trabalhe com óculos de proteção. 1.13) Ao introduzir tubos de vidro em rolhas, umedeça-os convenientemente e enrole a peça de vidro numa toalha para proteger as mãos. 1.14) Quando for testar um produto químico pelo odor, não coloque o frasco sob o nariz. Desloque com a mão para sua direção os vapores que se desprendem do frasco. 1.15) Dedique especial atenção a qualquer operação que necessite

aquecimento prolongado ou que desenvolva grande quantidade de energia. 1.16) Ao se retirar do laboratório, verifique se não há torneiras (água ou gás) abertas. Desligue todos os aparelhos, deixe todo o equipamento limpo e lave as mãos.

Química Geral Experimental II

5

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

2.0) Acidentes mais comuns em laboratório e primeiros socorros. 2.1) Queimaduras. 2.1.1) Queimaduras causadas por calor seco (chama e objetos aquecidos). No caso de queimaduras leves, aplicar pomada de picrato de butezina. No caso de queimaduras graves, elas devem ser cobertas com gaze esterilizada, umedecida, com solução aquosa de bicarbonato de sódio a 5 % (m/v). 2.1.2) Queimaduras por ácidos. Lavar imediatamente o local com água em

abundância, durante cerca de 20 minutos. Em seguida lavar com solução saturada de bicarbonato de sódio e novamente com água. 2.1.3) Queimaduras por álcalis. Lavar a região atingida imediatamente com

bastante água, durante cinco minutos. Tratar com solução de ácido acético a 1 % (m/v) e novamente tratar com água. 2.2) Ácido nos olhos. Nos laboratórios, existem lavadores de olhos acoplados aos chuveiros de emergência. A lavagem deve ser feita por 15 minutos, após o que se aplica solução de bicarbonato de sódio a 1 % (m/v). 2.3) Álcalis nos olhos. Proceder como no item anterior, apenas substituindo a solução de bicarbonato por uma solução de ácido bórico a 1 % (m/v). 2.4) Intoxicações por gases. Remover a vítima para um ambiente arejado,

deixando-a descansar. 2.5) Ingestão de substâncias tóxicas. Administrar uma colher de sopa “antídoto universal”, que é constituído de duas partes de carvão ativo, uma de óxido de magnésio e uma de ácido tânico.

Química Geral Experimental II

6

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

PRÁITCA 01: PERTURBAÇÃO DO ESTADO DE EQUILÍBRIO
1) OBJETIVOS 1.1) Avaliar de modo qualitativo efeitos da variação da pressão e da temperatura em um sistema químico em equilíbrio. 1.2) Perceber a constância das propriedades macroscópicas de um sistema em equilíbrio. 1.3) Reconhecer a invertibilidade das reações em um sistema em equilíbrio. 1.4) Entender argumentos que explicam a natureza dinâmica de um equilíbrio. 1.5) Verificar o deslocamento de um equilíbrio pela variação de alguma propriedade do sistema. 1.6) Prever em que sentido o equilíbrio é deslocado quando o sistema é sujeito a uma dada perturbação.

2) MATERIAL UTIILIZADO 2.1) 01 seringa de 60 mL. 2.2) 02 seringas de 20 mL. 2.3) Kitassato 250 mL. 2.4) Banho de gelo. 2.5) Água fervente.

3) SOLUÇÕES E REAGENTES

3.1) Cobre (raspas ou fio elétrico). 3.2) Ácido nítrico concentrado.

Química Geral Experimental II

7

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

4) PROCEDIMENTO

4.1) preparo do dióxido de nitrogênio

Trabalhe na capela. Coloque raspas de cobre ou fios elétricos de cobre cortados em pedaços em frasco kitassato ou Erlenmeyer e goteje ácido nítrico concentrado. Espere que o dióxido de nitrogênio inicialmente produzido desloque todo o ar do sistema.

4.2) Efeito da pressão sobre o dióxido de nitrogênio

Recolha uma amostra do gás, puxando o êmbolo da seringa de 60 cm3. Quando preencher um volume de cerca de 50 cm3, feche a pinça. Empurre o êmbolo para dentro da seringa e mantenha o gás sobre compressão e descompressão várias vezes. Use um fundo branco para observar melhor.

4.3) Efeito da temperatura sobre o dióxido de nitrogênio

Prepare três béqueres, respectivamente com banhos de gelo e água, água à temperatura ambiente e água fervente. Coloque uma seringa com dióxido de nitrogênio em cada um dos banhos. Troque as ampolas dos banhos de gelo fundente e de água fervente entre si. Deixe que todas as ampolas voltem à temperatura ambiente. Anote todas as observações.

5) QUESTIONÁRIO

5.1) Preveja o efeito do aumento da pressão e da temperatura sobre um sistema químico qualquer. 5.2) Repita o item 5.1 para o sistema químico envolvido neste experimento. 5.3) Explique todas as etapas (4.1, 4.2 e 4.3) deste experimento.

Química Geral Experimental II

8

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

PRÁITCA 02: EQUILÍBRIO QUÍMICO
1.0) INTRODUÇÃO

Henri Louis Le Chatelier, cientista francês, enunciou o princípio do deslocamento de equilíbrios químicos: “Quando uma força atua sobre um sistema em equilíbrio químico, este se desloca no sentido de anular a força aplicada”. Esse é o “princípio da fuga entre a força”, de Le Chatelier. A concentração, a pressão e a temperatura são as “forças” que atuam sobre os equilíbrios químicos. Aumentando-se a concentração de um dos componentes do equilíbrio, ele se desloca no sentido de consumir o reagente adicionado. Diminuindo-se a concentração de um dos componentes do equilíbrio, ele se desloca para repor o componente retirado.

No equilíbrio: FeCl3(aq) + 3NH4SCN(aq)

Fe(SCN)3(aq) + 3NH4Cl (aq), o Fe(SCN)3

é um sal solúvel de cor vermelha característica. É fácil concluir que, deslocando-se o equilíbrio para a direita, ocorrerá uma intensificação na cor vermelha. Outro equilíbrio, bastante interessante para observações experimentais, é aquele entre cromatos (soluções amarelas) e dicromatos (soluções alaranjadas), em solução aquosa. Dissolvendo certa quantidade de dicromato de potássio em água, ocorrerá a dissociação do sal:

K2Cr2O7(s) + H2O(l)
O ânion Cr2O72 – e a água entram em equilíbrio:

2 K+(aq) + Cr2O72 –(aq)

Cr2O72 –(aq) + H2O(l)

2 CrO42 –(aq) + 2 H+(aq)

Química Geral Experimental II

9

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Deslocando-se o equilíbrio para a formação de produtos, o meio se tornará amarelo, deslocando-o para a formação de reagentes, este se tornará alaranjado.

2.0) MATERIAL UTILIZADO

2.1) Tubos de ensaio. 2.2) Proveta de 50,00 ml. 2.3) Pipetas graduadas de 10,00 ml. 2.4) Espátula. 2.5) Papel de filtro. 3.0) Soluções e reagentes 3.1) Cloreto de amônio. 3.2) Cloreto cobaltoso hexahidratado 3.3) Solução de cromato de potássio a 1,0 % (m/v). 3.4) Solução de dicromato de potássio a 0,5 % (m/v). 3.5) Solução de ácido clorídrico 1,00 mol L-1. 3.6) Solução de hidróxido de sódio 1,00 mol L-1 3.7) Solução de solução de cloreto férrico 5,0 x 10-2 mol L-1 3.8) Solução de amarelo de alizarina a 0,1 % (m/v). 3.9) Solução de solução de tiocianato de amônio 5,0 x 10-3 mol L-1. 3.10) Cloreto de sódio. 3.11) Solução de nitrato de prata 0,10 mol L-1. 3.12) Hidróxido de amônio. 3.13) Solução de ácido nítrico 1:1 (v/v). 3.14) Sulfato de cobre pentahidratado.

Química Geral Experimental II

10

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

4.0) PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

4.1) Equilíbrio ferro-tiocianato. 4.1.1) Em proveta de 50 ml, adicionar 1,0 mL de solução de cloreto férrico 0,05 mol L -1, 1,0 mL de solução de tiocianato de amônio 5,0 x 10 -3 mol L-1 e 38 mL de água destilada. Agitar e observar. 4.1.2) Numerar quatro tubos de ensaio: 1, 2, 3 e 4. Colocar, em cada tubo, 10 ml da solução na proveta. 4.1.3) Ao tubo 1, adicionar 2 ml de solução de cloreto férrico 0,05 mol L-1.Agitar,

observar e comparar com a coloração do tubo 4. 4.1.4) Ao tubo 2, adicionar cerca de 0,10 g de tiocianato de amônio sólido. Agitar, observar e comparar com a coloração do tubo 4. 4.1.5) Ao tubo 3, adicionar cerca de 0,10 g de cloreto de amônio sólido. Agitar, observar e comparar com a coloração do tubo 4.

4.2) Equilíbrio cromato-dicromato. 4.2.1) Numerar quatro tubos de ensaio: 1, 2, 3 e 4. Nos tubos 1 e 2, colocar solução de cromato de potássio a 1,0 % (m/v) até 1/3 do volume. Aos tubos 3 e 4, adicionar quantidade semelhante de solução de dicromato de potássio a 0,5 % (m/v). 4.2.2) Ao tubo 1, adicionar cerca de 3,00 ml de solução de ácido clorídrico 1,0 mol L -1 e agitar. Comparar com a coloração do tubo 2. 4.2.3) Ao tubo 3, adicionar cerca de 3,00 ml de solução de hidróxido de sódio 1,0 mol L-1. Comparar com a coloração do tubo 4.

4.3) Equilíbrio dos íons cobalto (II). 4.3.1) Aquecer cerca de 0,50 g de cloreto cobaltoso hexahidratado cristalino em um tubo de ensaio. Observar. Acrescentar 2,00 mL de água ao tubo. Mergulhar a ponta de um palito em solução e escrever sobre um papel de filtro. Aquecer o papel em uma chama fraca. A seguir, expire ar pela boca sobre o papel. Analisar as observações.

Química Geral Experimental II

11

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

4.4) Equilíbrio de íons complexos. 4.5.1) Em um tubo de ensaio, acrescentar cerca de 0,20 g de cloreto de sódio e 2,00 mL de água. Acrescentar cerca de 2,00 mL de solução de nitrato de prata 0,10 mol L -1. Retirar o líquido sobrenadante e juntar ao sólido, hidróxido de amônio em excesso. Adicionar, então, solução de ácido nítrico 1:1 (v/v) até obter uma solução ácida. Analisar cuidadosamente o resultado.

4.5.2)

Em um tubo de ensaio, acrescentar cerca de 0,20 g de sulfato de cobre

pentahidratado e 2,00 mL de água. Acrescentar cerca de 2,00 mL de solução de hidróxido de sódio 1,0 mol L-1. Retirar o líquido sobrenadante e juntar ao sólido, hidróxido de amônio em excesso. Adicionar, então, solução de hidróxido de sódio 1,0 mol L -1. Observar.

5.0) Questionário
5.1) Escreva as equações químicas e explique todas as etapas do experimento “Equilíbrio químico”. 5.2) Alguns vegetais, como brócolis, escarola, vagens, etc., quando cozidos, perdem parcialmente a sua coloração verde. A causa da perda de cor deve-se à seguinte reação:

C55H72O5N4Mg (aq) + 2 H+(aq) Verde

C55H74O5N4(aq) + Mg2+(aq) Incolor

Com base na equação dada, o que seria mais adequado adicionar ao vegetal, durante o cozimento, para não ocorrer uma mudança de cor? Explique. 5.3) A metilamina (CH3-NH2) é responsável pelo conhecido “cheiro de peixe”. O equilíbrio dessa amina é:

CH3-NH2(aq) + H2O (l) Cheiro de peixe

CH3-NH3+ (aq) + OH –(aq) Sem cheiro

Química Geral Experimental II

12

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Baseado na equação acima, o que pode ser adicionado para minimizar o forte cheiro de peixe? Explique.

5.4) De acordo com o equilíbrio abaixo, explique por que o flúor presente em águas potáveis e cremes dentais fortalece o esmalte dos dentes.

3 Ca3(PO4)2 . Ca(OH)2(s)+ 2 NaF(aq)

3 Ca3(PO4)2 . CaF2(s) + 2 NaOH (aq)

Química Geral Experimental II

13

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

PRÁITCA 03: ÁCIDOS E BASES.
1.0) INTRODUÇÃO. A água pura apresenta uma condutividade elétrica definida, ainda que baixa, como consequência de sua habilidade em sofrer auto-dissociação:

H2O

H+(aq) + OH−(aq)

A condição de equilíbrio desta dissociação pode ser escrita como:

[H+] [OH-] / [H2O]

= K’

Como a concentração de moléculas de água é essencialmente constante:

[H+] [OH-] = K’ [H2O] = Kw
Kw = constante de dissociação para água. Kw = 1.0 x 10-14, a 25°C.

Sempre que a concentração do íon hidrogênio se iguala à concentração do íon hidróxido, como na água pura, dizemos que a solução é neutra. Um ácido é uma substância que torna a concentração do H+ maior que a concentração do OH-, reciprocamente, uma base torna a concentração do OH- maior que a concentração do H+. O termo pH é muito empregado no nosso dia a dia: rótulos de garrafas de água mineral dizem que esta água tem, geralmente, pH = 5.5. Os rótulos de xampus avisam que o pH alcalino é ideal para lavar cabelos. Este termo foi inventado pelo bioquímico Sören Sörensen em 1909 para indicar a concentração de íons H +, [H+], e a letra p (minúscula) significa menos logaritmo de.

pH= - log [H+]

Química Geral Experimental II

14

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

2.0) MATERIAL UTILIZADO. 2.1) Tubos de ensaio. 2.2) Peneira. 2.3) Repolho roxo. 2.4) 02 Provetas de 10 mL. 2.5) Conta-gotas. 2.6) Béquer de 500 mL. 2.7) Lamparina ou bico de Bunsen.

3.0) SOLUÇÕES E REAGENTES. 3.1) Solução de ácido clorídrico (HCl) 0,10 mol L-1. 3.2) Solução de hidróxido de sódio (NaOH) 0,10 mol L-1. 3.3) Detergente (amoníaco). 3.4) Vinagre branco. 3.5) Leite. 3.6) Mistura de água e sabão. 3.7) Suco de limão. 3.8) Clara de ovo. 3.9) Coca-cola.

4.0) PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL. 4.1) Preparo do extrato do repolho roxo: Cortar o repolho em pedaços pequenos e colocar no béquer com água. Ferver até que a água seja reduzida à metade do volume inicial. Com o auxílio da peneira, filtrar a solução obtida.

4.2) Preparo da escala padrão: Preparar nos tubos de ensaio as soluções indicadas na tabela 1. Rotular os tubos com os valores de pH aproximados, de acordo com a tabela.

Química Geral Experimental II

15

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Tabela 1: Preparo da escala padrão Valor do pH (aproximado) 1 3 5,00 ml de HCl 0,10 mol L-1+ 5,00 ml de extrato de repolho 5,00 ml de água dest. + 5 gotas de vinagre + 5,00 ml de extrato de repolho 5 6 9 5,00 ml de álcool + 5,00 ml de extrato de repolho 5,00 ml de água dest. + 5,00 ml de extrato de repolho 5,00 ml de água dest. + 1 gota de detergente + 5,00 ml de extrato de repolho 11 5,00 ml de água dest. + 5 gotas de detergente + 5,00 ml de extrato de repolho 12 5,00 ml de solução de NaOH 0,10 mol L-1+ 5,00 ml de extrato de repolho Procedimento

4.3) Testando o pH de diferentes materiais: Colocar em cada tubo de ensaio de 5 mL de água destilada e 5 mL de extrato de repolho roxo. Acrescente a cada um cinco gotas do material a ser testado. Materiais testados: leite, mistura de água e sabão, suco de limão, clara de ovo e Coca-cola. Compare a cor obtida com a escala padrão.

4.4) Em um frasco de Erlenmeyer, colocar 20,00 mL de solução diluída de hidróxido de sódio e algumas gotas de extrato de repolho roxo; deixar passar, lentamente, uma corrente de gás carbônico. Observar.

Química Geral Experimental II

16

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

5.0) QUESTIONÁRIO. 5.1) Quais dos materiais testados são ácidos? Entre esses, quais são os mais ácidos? 5.2) Quais são básicos? Quais são mais básicos? 5.3) Certo material confere cor lilás ao repolho roxo. Em que faixa de pH esse material se encontra? 5.4) Explique o que ocorreu no experimento do item 4.5. Mostre reações. 5.5) Os ácidos e bases são duas importantes classes de compostos químicos e foram definidos de várias maneiras. Defina ácido e base segundo as definições de Arrhenius, Brönsted-Lowry e Lewis. 5.6) Defina: hidrólise, produto iônico da água e indicador.

Química Geral Experimental II

17

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

PRÁITCA 04: DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE EQUILÍBRIO DE ÁCIDOS E BASES
1.0) INTRODUÇÃO

Quando se tem em uma solução um ácido fraco qualquer se observa o seguinte sistema em equilíbrio:

HA(aq) + H2O(l)
este sistema é dada por:

H3O+(aq) + A‾(aq)

“A” representa o ânion de um ácido fraco qualquer. A condição de equilíbrio associada a

Ka = [H3O+][A-] / [HA]
Ka é a constante de dissociação do ácido acético. No equilíbrio, tem-se:

HÁ(aq) + H2O(l)
(1 – α)C

H3O+(aq) + A-(aq)
αC αC

Onde α é o grau de dissociação do ácido e C é a concentração inicial do ácido. Portanto, no equilíbrio, tem-se as seguintes concentrações:

[H3O+] = [A-] = αC [HÁ] = (1 – α)C
Substituindo estas duas expressões na equação da constante de equilíbrio temos:

Ka = αC αC / (1 – α)C = α2C2/ (1 – α)C Ka = α2C / (1 – α)

Química Geral Experimental II

18

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Portanto, para determinar a constante de dissociação de um ácido fraco deve-se determinar o valor do grau de dissociação em uma solução de concentração conhecida. Para determinar o grau de dissociação, mede-se o pH da solução. Este por sua vez dá o valor da concentração de H3O+ que permite calcular o valor de α. Este mesmo raciocínio pode ser desenvolvido para as bases fracas, chegando-se às mesmas equações. Apenas deve-se prestar atenção para o fato de que [OH-] = αC e que o pH, portanto deve ser transformado em pOH para que se possa proceder aos cálculos.

2.0) OBJETIVO Determinar a constante Ka do ácido acético e a constante Kb da amônia.

3.0) MATERIAL UTILIZADO

3.1) 06 Balões volumétricos de 100 mL 3.2) 06 Béqueres de 100 mL 3.3) Medidor de pH

4.0) SOLUÇÕES E REAGENTES

4.1) Solução comercial de ácido acético 4.2) Solução comercial de amônia.

5.0) PROCEDIMENTO 5.1) A partir da solução comercial de ácido acético (100% m/m, densidade = 1,05 g mL -1) prepare 100 mL de solução 0,025 mol L-1, 100mL de solução 0,10 mol L-1 e 100 mL de solução 0,50 mol L-1.Coloque cada uma destas soluções em béqueres de 50mL e meça o pH anotando na Tabela 2.

Química Geral Experimental II

19

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

5.2) A partir da solução comercial de amônia (28% m/m, densidade = 0,910 g mL-1) prepare 100 mL de uma solução 0,025mol L-1, 100mL de uma solução 0,10mol L-1 e 100 mL de uma solução 0,50 mol L-1. Coloque cada uma destas soluções em béqueres de 50mL e meça o pH anotando na Tabela 3.

Tabela 2: Valores de Ka do ácido acético Concentração (mol L-1) 0,025 0,10 0,50 pH α Ka

Tabela 3: Valores de Kb da amônia Concentração (mol L-1) 0,025 0,10 0,50 pH pOH α Kb

6.0) QUESTIONÁRIO

6.1) Qual o valor do Ka do ácido acético? Mostre os seus cálculos. 6.2) Qual o valor do Kb da amônia? Mostre os seus cálculos. 6.3) A constante de dissociação do HCN é 4,8 x 10 -10. Para uma solução 0,102 mol L-1. Calcule o grau de dissociação α. Qual é o pH desta solução? 6.4) A constante de dissociação do ácido fórmico, HCOOH, é 1,8 x 10 -1. Para uma solução do ácido, preparada dissolvendo-se 1,0 mol em 1,0 litro de solução, calcule as concentrações de HCOOH, H3O+, COOH e OH-. 6.5) A amônia produz o íon hidroxila de acordo com a equação abaixo. Utilizando a constante Kb determinada na prática, Calcule as concentrações de NH4 +, NH3, H3O+ e OH-.

Química Geral Experimental II

20

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

PRÁITCA 05: REAÇÕES DE OXIDAÇÃO-REDUÇÃO
1.0) OBJETIVOS 1.1) Interpretar o potencial de eletrodo. 1.2) Reconhecer que a deposição eletrolítica de um metal é uma reação química. 1.3) Colocar os metais e o hidrogênio na seqüência dos seus potenciais de eletrodo.

2.0) MATERIAL UTILIZADO 2.1) Tubos de ensaio. 2.2) Estante para tubos de ensaio. 3.0) Soluções e reagentes 3.1) Raspas de magnésio. 3.2) Raspas de zinco. 3.3) Raspas de cobre. 3.4) Lâmina de cobre 3.5) Lâmina de zinco 3.6) Lâmina de chumbo 3.7) Sulfato de magnésio 0,10 mol L-1. 3.8) Sulfato de zinco 0,10 mol L-1. 3.9) Ácido clorídrico 0,10 mol L-1. 3.10) Iodeto de potássio 0,10 mol L-1. 3.11) Brometo de sódio 0,10 mol L-1. 3.12) Cloreto de sódio 0,10 mol L-1. 3.13) Solução de cloro. 3.14) Solução de bromo. 3.15) Solução de iodo. 3.16) Clorofórmio. 3.17) Soluções A, B, C e D, fornecidas pelo professor.

Química Geral Experimental II

21

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

4.0) PROCEDIMENTO

4.1) Poder redutor dos metais

Coloque em cada tubo de ensaio raspas do metal indicado na segunda coluna da Tabela 4 e a solução dos cátions da terceira coluna. Anote as observações em cada caso.

Tabela 4: Reações de metais com íons em solução Tubo 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Metal Mg Mg Mg Mg Zn Zn Zn Zn Cu Cu Cu Cu Cátion Mg2+ Zn2+ Cu2+ H+ Mg2+ Zn2+ Cu2+ H+ Mg2+ Zn2+ Cu2+ H+ Observações

4.2) Poder oxidante dos halogênios.

Verificar as cores dos halogênios dissolvidos em clorofórmio. Para isso adicione algumas gotas de solução dos halogênios, separadamente, em tubos de ensaio contendo clorofórmio. Coloque em cada tubo de ensaio a solução do halogênio da segunda coluna da Tabela 5 e a solução do haleto da terceira coluna. Adicione um pequeno volume (1,0 mL) de clorofórmio em cada tubo de ensaio. Agite. Anote as observações em cada caso.
Química Geral Experimental II

22

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Tabela 5: Reações de halogênios com haletos Tubo 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Halogênio Cl2 Cl2 Cl2 Br2 Br2 Br2 I2 I2 I2 Ânion ClBrIClBrIClBrIObservações

(*) Junte algumas gotas de ácido forte qualquer.

4.3) Identificação de cátions.

Limpar, com bombril ou lixa, as lâminas metálicas de cobre, zinco e chumbo até que fiquem brilhantes. Em seguida, limpar com toalha de papel. Adicionar uma gota de cada uma das soluções A, B, C e D às três lâminas e observar o que acontece. O aparecimento de uma mancha na lâmina indica reação. Como as reações nem sempre são instantâneas, esperar uns três minutos para chegar a uma conclusão definitiva. Na tabela 6, escreva "+", se ocorreu reação, e "-", em caso contrário.

Tabela 6: Reações para identificação de cátions Solução A B C D
Química Geral Experimental II

Lâmina de Cobre

Lâmina de Zinco

Lâmina de Chumbo

23

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

5.0) QUESTIONÁRIO. 5.1) Explique os experimentos dos itens 4.1 e 4.2 e discuta os resultados obtidos. 5.2) Calcule Eº para todos os sistemas do item 4.3 do experimento. Siga o exemplo:

Essa reação ocorre; logo, na tabela, corresponde a um quadrinho com "+".

5.3) Correlacione todos os resultados do item anterior com a tabela obtida no experimento, identificando os cátions das soluções A, B, C e D.

5.4)

Suponha

que

você

precisa

identificar

os

cátions

de

quatro

soluções

desconhecidas. SabeFse que esses cátions são Mg+2, Cd+2, Pb+2 e Au+3. Baseando-se no experimento do item 4.3, como você procederia, sendo que dispõe de lâminas de alumínio, níquel e cobre? Esquematize as reações e valores de potenciais.

Química Geral Experimental II

24

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

PRÁITCA 06: VERIFICAÇÃO EXPERIMENTAL DA EQUAÇÃO DE NERNST
1.0) OBJETIVOS

1.1) Montar células eletroquímicas e determinar a diferença de potencial para cada uma delas. 1.2) Compreender a variação da força eletromotriz de uma pilha (célula galvânica) com a variação das concentrações dos íons que fazem parte dos eletrodos da pilha. 1.3) Verificar a equação de Nernst.

2.0) MATERIAL UTILIZADO

2.1) Béqueres. 2.2) Balões volumétricos de 100 mL. 2.3) Vaso poroso. 2.4) Voltímetro. 2.5) Fios condutores. 2.6) Tubo em U. 2.7) Esponja de aço ou lixa.

3.0) SOLUÇÕES E REAGENTES

3.1) Solução saturada de cloreto de potássio. 3.2) Solução de sulfato de cobre 1,0 mol L-1. 3.3) Solução de sulfato de zinco 1,0 mol L-1. 3.4) Solução de sulfato de sódio 1,0 mol L-1. 3.4) Lâmina de zinco metálico. 3.5) Lâmina de cobre metálico.

Química Geral Experimental II

25

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

4.0) PROCEDIMENTO 4.1) Meça 0,1; 1,0 e 10,0 mL de solução 1,0 mol L -1de sulfato de zinco e dilua em balões volumétricos de 100 mL, completando o volume com solução 0,5 mol L -1 de sulfato de sódio. 4.2) Meça com uma pipeta, 0,1, 1,0 e 10,0 mL de solução 1,0 mol L -1de sulfato de cobre e dilua em balões volumétricos de 100 mL, completando o volume com solução 0,5 mol L 1

de sulfato de sódio.

4.3) Numere três béqueres de 1 a 3 e coloque em cada um deles uma das soluções de sulfato zinco preparadas. Numere três béqueres de 4 a 6 e coloque em cada um deles uma das soluções de sulfato de cobre preparadas. 4.4) Prepare a ponte salina enchendo um tubo de vidro em U com solução 1,0 mol L -1 de sulfato de sódio e tampando as extremidades do tubo com algodão embebido nessa solução. Cuidado para que não se formem bolhas no interior do tubo.

4.5) Lixe muito bem e lave as placas de cobre e zinco. 4.6) Monte células eletroquímicas conforme a Figura 1. Meça as tensões elétricas das pilhas construídas em função das concentrações de Zn 2+ e de Cu2+, segundo os dados da Tabela 7. Ao passar de uma medida para outra, lixe novamente, muito bem, as placas de cobre e zinco e troque os algodões da ponte salina. Tabela 7 – Combinação das soluções de ZnSO4 e de CuSO4 para a construção das várias pilhas. Solução ZnSO4 CuSO4 ∆ Eº 1 4 1 5 1 6 2 4 Combinação 2 5 2 6 3 4 3 5 3 6

Química Geral Experimental II

26

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Figura 1: Pilha com ponte salina.

4.7) Utilizando somente as soluções nos béqueres 3 e 6, monte uma célula eletroquímica conforme a Figura 2. Determine com um voltímetro a diferença de potencial elétrico entre as semiFcélulas. Faça as anotações necessárias.

Figura 2: Pilha com separação porosa.
Química Geral Experimental II

27

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

5.0) QUESTIONÁRIO. 5.1) Escreva as semi–reações de cada um dos eletrodos e a reação da pilha de Daniell. 5.2) Observando as semi–reações, indique qual eletrodo é o ânodo e qual é o cátodo. Justifique. 5.3) Consulte uma tabela e anote os valores dos potenciais padrão de redução para as seguintes semi–equações:

Cu2+(aq) + 2eZn2+ (aq) + 2e-

Cuº(s) Znº(s)

Eº= _______V

Eº= _______V

Com base nestes dados, calcule a diferença de potenciais elétricos da célula eletroquímica.

5.4) Compare o valor calculado da diferença de potenciais da célula com os valores observados experimentalmente. Calcule o erro percentual das medidas e justifique. 5.5) Qual a finalidade do material poroso e da ponte salina nas células eletroquímicas? 5.7) Relacione a diferença de potencial elétrico de uma célula eletroquímica com a espontaneidade da reação. Por que, na pilha do experimento, a redução do zinco e a oxidação do cobre não ocorrem espontaneamente? O que seria preciso para que esses processos ocorram? 5.8) Construa um gráfico de log [Zn2+]/[Cu2+] versus ∆Eº, utilizando os dados da Tabela 1. Verifique a validade da Equação de Nernst.

Química Geral Experimental II

28

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

PRÁITCA 07: CINÉTICA QUÍMICA
1.0) INTRODUÇÃO

A lei da ação das massas (lei de Guldberg e Waage), para uma reação genérica: aA + bB + cC → mM + nN + oO estabelece que v = K[A]a[B]b[C]c v = velocidade da reação K = constante, específica para cada reação [ ] = concentração (em mol L-1) dos reagentes.

A equação de Guldberg e Waage mostra que um aumento na concentração de qualquer um dos reagentes provoca um aumento na velocidade da reação. Na reação:

H2SO4 + Na2S2O3 → Na2SO4 + H2O + SO2 + S
O enxofre formado é insolúvel em água, provocando uma turvação que permite observar quando a reação ocorre. Assim, pode-se medir o tempo de duração da reação. Mantendo fixa a concentração de ácido e adicionando água à solução de tiossulfato de sódio, verifica-se como a diminuição da concentração de um dos reagentes influi na velocidade da reação. Dadas as variáveis: ∆n = número de mols que reagiram: CV ∆t = tempo (em segundos) de duração da reação

V = ∆n / ∆t

Química Geral Experimental II

29

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

As partículas dos constituintes de uma solução estão em constante movimento. Por isso, essas partículas dispõem de uma energia cinética. E, que depende de sua massa e de sua velocidade v:

E = (½) mv2
O aquecimento da solução promove o fornecimento de energia às partículas que a constituem. Esse aumento de energia irá provocar um aumento em sua velocidade. Com velocidade maior, o tempo que as moléculas reagentes levarão para se encontrar e reagir diminuirá. Desse modo, aumentará a velocidade da reação. Em outras palavras, um aumento da temperatura provoca um aumento na velocidade das reações.

2.0) MATERIAL UTILIZADO 2.1) Tubos de ensaio 2.2) Proveta 2.3) Buretas 2.4) Cronômetro 2.5) Conta-gotas

3.0) SOLUÇÕES E REAGENTES 3.1) Comprimido anti-ácido 3.2) Solução de ácido clorídrico 1,0 mol L-1 3.3) Magnésio metálico 3.4) Água oxigenada 3.5) Iodeto de potássio 3.6) Nitrato de chumbo 3.7) Água gelada 3.8) Solução de ácido sulfúrico 0,3 mol L-1 3.9) Solução de tiossulfato de sódio 0,3 mol L-1

Química Geral Experimental II

30

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

4.0) PROCEDIMENTO

4.1) Fatores que alteram a velocidade de uma reação l.

4.1.1) Em dois tubos de ensaio distintos, colocar 2,0 mL de água destilada. Dividir um comprimido de antiácido em quatro partes iguais. Colocar uma parte do comprimido no tubo 1 e anotar o tempo de reação (efervescência).

4.1.2) Com o auxílio do bastão de vidro, triturar outra parte do comprimido e colocar em um pedaço de papel dobrado. No tubo 2,0, colocar o comprimido triturado e anotar o tempo de reação.

4.1.3) Em um terceiro tubo de ensaio, colocar 2,0 mL de água gelada e adicionar parte do comprimido. Anotar o tempo de reação.

4.2) Fatores que alteram a velocidade de uma reação II.

4.2.1) Em um tubo de ensaio, colocar 1,0 mL de água destilada e 5,0 mL de solução de ácido clorídrico 1,0 mol L-1. Em outro tubo, colocar 1,0 mL de solução de ácido clorídrico 1,0 mol L-1 e 5,0 mL de água destilada. Adicionar, simultaneamente, cerca de 1,0 g de Mg em cada tubo e observar em qual delas há maio produção de gás. Explique.

4.3) Fatores que alteram a velocidade de uma reação III.

4.3.1) Em dois tubos de ensaio distintos, colocar 2,0 mL de água oxigenada, H2O2 e observar se há formação de bolhas de gás. Em seguida, adicionar ao tubo 1, cerca de 0,50g de iodeto de potássio e observar. Colocar 4 gotas da solução do tubo 1 no tubo 2 e diluir com 5,0 mL de água. Adicionar ao tubo 2, cerca de 0,5g de Pb(NO 3)2 e observar se ocorre reação.

Química Geral Experimental II

31

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

4.4.2) Em quatro tubos de ensaio distintos, colocar 4,0 mL de solução de ácido sulfúrico 0,3 mol L-1. Numerar outros quatros tubos de ensaio: 1, 2, 3 e 4.

4.4.3) Utilizando as buretas, colocar, nos tubos numerados, a solução de tiossulfato de sódio 0,3 mol L-1 e água, de acordo com a tabela 8.

Tabela 8: Dados para determinação da velocidade de uma reação Tubo Volume (mL) Solução de tiossulfat o de sódio Água Total Concentraçã o de tiossulfato na mistura (mol L-1) CV = C’V’ 1 2 3 4 6 4 3 2 0 2 3 4 6 6 6 6 Numero de mols de tiossulfato de sódio que reagiram ∆n = C’V’ Tempo da reação (s) Velocidad e V= ∆n/∆t (mol s-1)

4.4.4) Adicionar 4,0 mL de solução de ácido sulfúrico 0,3 mol L -1 no tubo 1 e acionar um cronômetro imediatamente. Observar atentamente o tubo 1, e assim que aparecer uma turvação, parar o cronômetro e anotar o tempo. Colocar na tabela o tempo da reação correspondente ao tubo 1. Descartar o conteúdo 1 imediatamente, para evitar que o mesmo fique manchado.

4.4.5) Repetir o item 4.4.4 para os tubos 2, 3 e 4.

Química Geral Experimental II

32

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

5. QUESTIONÁRIO 5.1) Compare os intervalos de tempo das reações nos tubos de ensaio dos experimentos 4.1.1, 4.1.2 e 4.1.3. 5.2) Explique os resultados encontrados nos experimentos 4.2.1 e 4.3.1. 5.3) Construa o gráfico: concentração x velocidade e uma os pontos por uma curva (evite uma linha quebrada). 5.4) Que substância permitiu medir o tempo de reação no experimento 4.4? Escreva a equação química correspondente. 5.5) Por que um aumento na concentração de um ou de todos os reagentes aumenta a velocidade da reação? 5.6) Quais conclusões podem ser tiradas dessa aula?

Química Geral Experimental II

33

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

PRÁITCA 08: DETERMINAÇÃO DA ENTALPIA DE ALGUNS PROCESSOS
1.0) INTRODUÇÃO Entalpia de dissolução ou calor de dissolução é a variação de entalpia (∆H) que ocorre na dissolução de 1,0 mol de uma substância em uma quantidade de determinado solvente, tal que um novo acréscimo desse solvente não produza efeito térmico considerável. Entalpia de combustão é a variação de entalpia (∆H) que ocorre na reação de 1,0 mol de uma substância com oxigênio. O etanol (álcool etílico) pode ser visto como um substituto da gasolina e de outros derivados de petróleo. Na reação de combustão de um mol de etanol, podemos ter energia liberada:

C2H5OH(l) + 3 O2 (g)

2 CO2(g) + 3 H2O(g) + ENERGIA

Entalpia de neutralização ou calor de neutralização é a variação de entalpia (∆H) que ocorre na reação de 1,0 mol de um ácido com 1,0 mol de uma base, ambos em soluções aquosas diluídas a 25°C e 1 atm.

H+(aq)+ OH-(aq)
Por exemplo:

H2O(l)

HCl (aq) + NaOH(aq)

NaCl(aq) + H2O(l)

Escrevendo essa reação na forma iônica:

H+(aq) + Cl-(aq) + Na+(aq) + OH-(aq) H+(aq)+ OH-(aq)

Na+(aq) + Cl-(aq) + H2O(l)

H2O(l)

Química Geral Experimental II

34

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

2.0) MATERIAL UTILIZADO

2.1) Béqueres de 100 e 600 mL 2.2) Balança com sensibilidade para 0,01 g. 2.3) Lã de vidro. 2.4) Proveta de 100 mL. 2.5) Papel poroso. 2.6) Tripé. 2.7) Tela de amianto. 2.8) Vidro de relógio. 2.9) Termômetro até 100ºC.

3.0) SOLUÇÕES E REAGENTES 3.1) Solução 0,5 mol L-1 de hidróxido de sódio, NaOH 3.2) Solução 0,5 mol L-1 de ácido clorídrico, HCl 3.3) Hidróxido de sódio em lentilhas.

4.0) PROCEDIMENTO

4.1) Entalpia de dissolução do hidróxido de sódio

Pese um béquer de 100 mL e anote sua massa: m 1=.............g. Utilizando o béquer do passo anterior e um béquer de 600 ml, monte a aparelhagem da figura 1. Meça 80 mL de água em uma proveta de 100 mL e transfira para o béquer de 100 mL. Como a densidade da água á 1,00 g mL -1, estão contidos, no béquer, 80 g desse líquido. Meça a temperatura da água: t1=.............ºC.

Química Geral Experimental II

35

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Figura 3: Montagem para determinação da entalpia de um processo

Pese um vidro de relógio: m2=.............g. Ponha quatro lentilhas de hidróxido de sódio no vidro de relógio e pese o conjunto: m 3=.........g. Faça essa operação rapidamente, porque o hidróxido de sódio é altamente hidroscópico, isto é, absorve umidade do ar em pouquíssimo tempo. Então a massa de hidróxido que foi pesada é: m 4= m3 - m2 m4= ...........g. Imediatamente, transfira as lentilhas de NaOH para a água do béquer. Lentamente, agite a água com o próprio termômetro até dissolver todo o sólido. Essa operação deve ser feita com muito cuidado porque o termômetro poderá quebrar-se, caso bata contra as paredes do béquer. Enquanto agita, observe a temperatura e anote seu valor máximo, obtido até a dissolução do hidróxido: t2 = ...........ºC. Calcule a diferença de temperatura em conseqüência da dissolução do NaOH: ∆t = t2 – t1∆t = .........ºC. Devolva o conteúdo do béquer para o professor. 4.2) Entalpia de neutralização

Utilize a aparelhagem da figura 1, com os béqueres lavados e secos. Coloque na proveta exatamente 50 mL da solução 0,5 mol L-1 de ácido clorídrico e transfira para o béquer.
Química Geral Experimental II

36

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

Meça a temperatura dessa solução: t1 =..............ºC. Lave a proveta (deixe escorrer bem a água do seu interior). Em seguida ponha exatamente 50 mL de solução 0,5 mol L -1 de hidróxido de sódio. Ainda na proveta, meça a temperatura do hidróxido, que deve ser a mesma do ácido, pois ambas as soluções estão à temperatura ambiente. Adicione a solução de NaOH sobre a solução de HCl que está no béquer da aparelhagem. Agite cuidadosamente a mistura com o termômetro, evitando batê-lo contra as paredes do béquer. Anote a temperatura máxima atingida: t 2= ...........ºC. Calcule a diferença de temperatura: ∆t = t2 - t1 =..........ºC. 5.0) QUESTIONÁRIO

5.1) Utilizando as equações abaixo, obtenha a quantidade de calor liberada na dissolução do hidróxido de sódio: Na+(aq) + OH-(aq) ∆H = F ..............Kcal mol-1

NaOH(aq) + H2O(l)

Q = m c ∆t

QNaOH = QH2O + Qv

QNaOH = mH2Oc H2O∆t + mvcv∆t

QNaOH= ∆t(mH2OcH2O+mvcv) Onde: Q = quantidade de calor cedida ou recebida por um material; m = massa desse material que cede ou recebe calor Q; c = calor específico desse material; ∆t = diferença de temperatura provocada pelo calor Q (ou seja, a diferença entre a temperatura inicial e a temperatura final); QNaOH= Calor liberado na dissolução do hidróxido de sódio;

Química Geral Experimental II

37

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

QH2O = Calor absorvido pela água; QV= Calor absorvido pelo vidro do béquer; CH2O = Calor específico da água 1,00 cal g-1 ºC-1; Cv= calor específico do vidro = 0,22 cal g-1 ºC-1; mv= massa do vidro = massa do béquer = ..........g. 5.2) Calcular a quantidade de calor produzida na reação entre o HCl e o NaOH:

HCl(aq)+ NaOH(aq)

NaCl (aq)+ H2O(l) + Qr

Faça as seguintes considerações:

Parte do calor produzido na reação foi absorvida pelo NaOH formado, mas, para simplificar os cálculos, não leve em conta essa absorção de calor pelo NaOH O volume de 100 mL após a reação deve ser considerado como sendo constituído somente de água, e não de uma solução de NaCl; temos 100 mL de água, volume que eqüivale a mH2O = 100g.

Qr= calor produzido na reação entre HCl e o NaOH QH2O= calor absorvido pela água Qv= calor absorvido pelo vidro do béquer CH2O= calor específico da água = 1,00 cal/gºC Cv= calor específico do vidro = 0,22 cal /gºC mH2O= massa da água = 100g mv= massa do vidro = massa do béquer = ............g ∆t = .................ºC (passo 7)

QNaOH= QH2O+ Qv QNaOH= mH2OcH2O∆t + mvcv∆t

Química Geral Experimental II

38

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

QNaOH= ∆t(mH2OcH2O+mvcv)

5.3) Por que a entalpia de neutralização é sempre a mesma para a reação de ácidos fortes com bases fortes? 5.4) Por que, quando se utilizam ácidos e/ou bases fracos, neste experimento, o ∆H não é igual a -13,8 kcal mol-1? 5.5) Escreva a equação termoquímica da dissolução do NaOH. 5.6) Qual a finalidade da lã de vidro utilizada na aparelhagem? 5.7) Por que as pesagens de hidróxido de sódio devem ser feitas rapidamente? 5.8) Escreva a equação termoquímica da reação entre HCl e o NaOH. 5.9) Cite algumas causas de erro experimental nos dois experimentos.

Química Geral Experimental II

39

INSTITUTO FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL– IFMS CAMPUS COXIM DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL II

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- GIESBRECHT, E. e outros, Experiências Básicos. Ed. Moderna LTDA, 1a edição, 1982. 2- LEE, J.D, Química Inorgânica não tão concisa, Ed. Edgard Blucher, 5a edição, 1999, São Paulo. 3- BARROS, H. C., Química Inorgânica. Uma introdução, 1a edição, 1995, Belo Horizonte. 4-VOGEL, A., Análise Química Qualitativa, Ed. LTC, 5a edição, 1992, Rio de Janeiro. 5- INSTITUTO ADOLFO LUTZ (Brasil). Livro de normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. São Paulo. IMESP, 1981. 6- MAHAM, B. H; MYERS, R. J. Química, um curso Universitário. 5ª ed. São Paulo: Edgard Bluch, 1993. 7- BRADY, J. E; HUMISTON, G. E. Química Geral. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1990. Volumes I e II. 8- D’CONNOR, R. Introdução à Química. São Paulo: Harper & Row, 1977. 9- D’CONNOR, R. Fundamentos de Química. São Paulo: Harper & Row, 1977. 10- QUAGLIANO, J. V; VALLARINO, L. M. Química. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1979. 11- VOGEL, A. Análise Inorgânica Quantitativa. Ed. LTC, 5a edição, 1992, Rio de Janeiro. 12- RUSSEL, J. B. Química Geral. São Paulo: Mc Graw Hill, 1994. Volumes I e II. 13- SIENKO, M. J.; PLANE, R. A. Química, Ed. Nacional, 1967, Rio de Janeiro. 14- ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 15- BROWN,T. L.; LEMEY Jr, H. E.; BURTEN, B.E.; BURDGE, J. R. Química: a ciência central. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 16- KOTZ, J. C., TREICHEL Jr., P., Química e Reações Químicas, v1 e 2, Trad. da 4ª ed. Inglesa, Editora LTC: Rio de Janeiro,1999.
Química Geral Experimental II

de

Química.

Técnicas

e

conceitos

40