You are on page 1of 64

A Origem da Vida

Milton S. da Costa
Universidade de Coimbra, Portugal

14 de Março 2009
IEC, Mamarrosa
‫( בּרֵאשׁית‬Génesis 1)
Deus disse: «Faça-se a luz.» E a luz foi feita.
Deus viu que a luz era boa e separou a luz das trevas.
Deus chamou dia à luz, e às trevas, noite. Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a
manhã: foi o primeiro dia.
Deus disse: «Haja um firmamento entre as águas, para as manter separadas umas das
outras.» E assim aconteceu.
Deus fez o firmamento e separou as águas que estavam sob o firmamento das que
estavam por cima do firmamento.
Deus chamou céus ao firmamento. Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a manhã: foi o
segundo dia.
Deus disse: «Reúnam-se as águas que estão debaixo dos céus, num único lugar, a fim
de aparecer a terra seca.» E assim aconteceu.

Deus disse: «Que as águas sejam povoadas de inúmeros seres vivos, e que por cima
da terra voem aves, sob o firmamento dos céus.»
Deus criou, segundo as suas espécies, os monstros marinhos e todos os seres vivos
que se movem nas águas, e todas as aves aladas, segundo as suas espécies. E Deus
viu que isto era bom. as aves.
Depois, Deus disse: «Façamos o ser humano à nossa imagem, à nossa semelhança,
para que domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais
domésticos e sobre todos os répteis que rastejam pela terra.»
Deus criou o ser humano à sua imagem, criou-o à imagem de Deus; Ele os criou
homem e mulher. Abençoando-os, Deus disse-lhes: «Crescei e multiplicai-vos, enchei e
dominai a terra.
“Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso”

117 “Ele é o Originador dos céus e
da terra e, quando decreta algo,
basta-Lhe dizer: "Seja!" e ele é.”

“164 “Na criação dos céus e da
terra; na alteração do dia e da
noite; nos navios que singram o
mar para o benefício do homem;
na água que Deus envia do céu,
com a qual vivifica a terra, depois
de haver sido árida e onde
disseminou toda a espécie animal;
na mudança dos ventos; nas
nuvens submetidas entre o céus e
a terra, (nisso tudo) há sinais para
os sensatos.”
E fez-se arte!
James Ussher, Bispo de Armagh (1581-1656)

James Ussher foi Arcebispo Anglicano de Armach e Primaz da
Irlanda.
Escreveu “Annales veteris testamenti, a prima mundi origine
deducti”.
Usou os Testamentos para calcular a criação do mundo e chegou a
uma data de 23 de Outubro, 4004 anos A.C. A data de 23 de
Outubro deve-se ao começo do Ano Novo Judeu, por volta do
Equinoxo do Outono a um Domingo “dies Dominicus”.

O ano de 4004 deve-se ao facto
de Mateus datar o nascimento
de Jesus durante o reinado de
Herodes, o Grande (morreu em
4 A.C.). Já Lucas diz ter sido
durante o senso de Quirinius
(governador romano da Síria (a
partir do ano 4)

Issac Newton (c. 4000 A.C.)
Johannes Kepler (3992 A.C.)
Qual era a origem das formas de animais e plantas em rochas?

bin Sina (Aviccena) dizia que havia locais onde as rochas produziam vapores
que pertificavam os seres vivos instantaneamente (c.1027).
O Diluvio Mundial

A história do Diluvio aparece em
Génesis 6-9 e no Alcorão (Suras 11-
71).

A versão original vem do “Épico de
Gilgamesh” que data de cerca de 2000
antes anos da Era Comum (E.C.=A.C).
Noé = Utnapishtim

Muitos fundamentalistas cristãos
interpretam literalmente esta história.
Ainda hoje!

Monte Ararat
Estes não sobreviveram o Dilúvio (Génesis 5-9)
Estes também não sobreviveram (Génesis 5-9)
“Satanás engana as pessoas para obter as suas almas”
E fez-se o Sistema Solar!
E fez-se a Terra !
E fez-se a Lua !
Cometa Lulin
E fez-se Água!

Cometa Hale-Bopp

Cometa 73P
O impacto de Shoemaker-Levy “9” em Júpiter
Existem muitas crateras na Terra

Meteor Crater, Arizona, USA
METEORITO, 25-50 m diâmetro;
IMPACTO, 50.000 de anos
CRATERA, 1300 m diãmetro,
230 m profundidade

Cratera de Manicouagan -
Canadá
Diâmetro - 100 km,
Idade - 214 milhões de anos
As crateras da Lua
Conversa com a terra e ela te responderá,
e com os peixes do mar e eles te darão lições. (Job 12:8)

Meia-vida de elementos usados para medir rochas.

235
U 207
Pb = 0.704 Banos
238
U 206
Pb = 4.468 Banos
40
K 40
Ar = 1.251 Banos
14
C 12
C = 5568 Kanos
B, mil milhões; K, mil

100 Átomo inicial (parental)
Proporção do elemento

Átomo final
parental na amostra

80

60

40

20

0
0 2 3 4 5 7 8
Unidades de tempo (1 unidade=1 meia-vida)
As eras geológicas da Terra
As rochas mais antigas!

Há mais de quatro mil milhões de anos!

As rochas mais antigas da Terra foram
encontradas em 2008 em Hudson Bay
Canada com 4,28 mil milhões de anos. São
rochas igneas (vulcanicas), não podem ter
fosseis.
Os fósseis mais antigos

O Apex Chert na Austrália tem uma
idade de cerca de 3.5 mil milhões
de anos. É uma das formações
fossilíferas mais antigas que se
conhecem.

Os fósseis não são carapaças de
belemnites, trilobites ou amonites.
Os fósseis são bactérias. E só podem ser
observados ao microscópio.
Colónias de bactérias fotossintéticas (estromatólitos)

Gunflint Formation, Hamerline pool,
Canada Austrália

Presente
1,6 mil milhões de anos
Os animais mais antigos (600 milhões de anos)

Estes animais da fauna de
Ediacara, Australia não parecem
ter alguma relação filogenética
com animais existentes
Os primeiros três mil milhões de anos

Aumento de oxigénio na atmosfera

Formação de Oxigénio
Oxidação de minerais

? Os primeiros organismos celulares
Panspermia; mas onde apereceu a primeira célula?
A origem da vida teve
lugar num ambiente
morno.

A origem da vida teve
lugar num extremamente
quente.
Um lugar ao calor!
Um lugar ao calor!
Cometas e meteoritos atacavam constantemente
Ou entraste tu até às origens do mar,
ou passeaste no mais profundo abismo? (Job 38:16)

A mais de 3000 metros de profundidade.
Temperatura da água da emergência
é + de 250ºC. E não está a ferver.
Nascentes geotermais submarinas
Os organismos mais simples

As bactérias mais simples são conhecidas como micoplasmas.
Possuem cerca de 600 genes. Têm pouca capacidade para sintetizar aquilo que
precisam. E por isso têm de viver com seres que lhes fornecem quase tudo.

A bactéria conhecida por
Escherichia coli, que vive no
nosso intestino, sintetiza tudo
aquilo que precisa para viver.
Tem mais de 5000 genes

Nós (os macacos, os peixes e os
ratos) temos uns 25.000 genes.
Mas como se chega ao organismo mais simples?

Como se pode misturar AND, ARN, proteínas, lípidos e membranas
para fazer uma célula. Há muitas teorias, mas nenhuma explica o que
aconteceu há quase quatro mil milhões de anos? Não sei…

Lípidos e
ADN
membranas
ARN

proteina
As primeiras células
O que será um “nanóbio”?

Estas formas enigmáticas foram
encontradas em arenitos a uma
profundidade de 3.400 metros e
com uma temperatura de 150 ºC.
São muito mais pequeno que a
mais pequena bactéria
conhecida.
Podem ter ADN.
O mistério persiste; o que é isto?

Os “tentáculos” de Haloplasma
capsulatum têm um diâmetro
semelhante, mas contêm AND.
Selecção Natural

Alfred Russel Wallace

Charles Darwin
Neo-darwinismo

George G. Simpson

Ernst Mayer
Stephen J. Gould
O Relógio da Vida

O ARN 16S ribossomal existe em todos
os seres vivos. Tem cerca de 1500
componentes (nucleótidos) cuja
sequência muda progressivamente.
Assim podemos medir as alterações na
sequência e deduzir a filogenia
(evolução) dos organismos em relação
uns aos outros. Programas estatísticos
dizem-nos as distâncias evolutivas entre
os organismos.
A Árvore da Vida

Eukarya Bacteria

Archaea
As mitocondrias são bactérias
Uma célular eucariótica vista por microscopia electrónica (uma
levedura) que é igual ás nossas células

mitocondria

ADN da mitocondria
Os cloroplastos são bactérias

A fotossíntese ocorre nos
cloroplastos.
Os cloroplastos (como as
mitocondrias) são bactérias e os
dividem e formam novos
organitos.

Como é que isto pode acontecer?
A endossimbiose de bactérias

Teoria endosimbiótica para
a origem das mitocondrias
proposta por Lynn Margulis
Riftia pachyptila
Pluma de
H2S guelras
O2 Sistema
CO2
circulatório
HSHbO2

H2 S
O2

Bactéria
ATP
Células do trofossoma com NAD(P)H
CO2
bactérias endossimbióticas

Compostos
orgânicos
reduzidos

Tecidos
animais
Exemplos de extremófilos

TEMPERATURA
Psicrófilos crescem a temperaturas muito baixas
Termófilos crescem a temperaturas muito altas

pH
Acidófilos habitam ambientes muito ácidos
Alkaliphiles habitam em ambientes muito alcalinos

Actividade de água
Osmófilos habitam ambientes com muito sal ou açucar
Halophiles habitam ambientes com muito sal

PRESSÃO HIDROSTÁTICA
Piesófilos crescem melhor em ambientes com pressões hidrostáticas
muito elevedas.

RADIAÇÕES (SECURA)
Resistentes a radiações gama organismos que sibrevivem (e crescem)
doses elevadíssimas de radiações ultravioletas, gama e secura extrema
Extremófilos na Árvore da Vida

EUKARYA Animais
Fungos
PROTEOBACTERIA (Debaryomyces)
Algas
Hydrogenophilus (Dunaliella)
Colwelia ARCHAEA
Halomonas
Sulfolobus
Thiobacillus
Polaromonas Aeropyrum Hyperthermus

GRAM-POSITIVE
BACTERIA Alicyclobacillus
Bacillus Hipertermófilos
CYTOPHAGALES Clostridium Pyrobaculum Termófilos
Rhodothermus Rubrobacter
Halófilos
Polaribacter Pyrodictium
Thermus pH Extremos
Deinococcus
CYANOBACTERIA Psicro-/Piezófilos
Synechococcus Thermotoga
Resistentes a radiações
Pyrococcus
Methanothermus
Dyctioglomus
Archaeoglobus

Methanopyrus Halococcus
Aquifex
Thermoplasma
Picrophilus Natronococcus
Porque é que estudamos extremófilos?

Extremófilos são exemplos de quatro mil milhões de anos de evolução

Extremófilos produzem enzimas e produtos importantes para a indústria e a saúde

Extremófilos ajudam-nos a perceber vida noutros planetas

Jornalistas perguntaram a George Mallory em 1924 porque é que queria escalar on
Monte Everest, a resposta foi “Porque está lá”
Termófilos
Temperaturas óptimas para a multiplicação
de algumas bactérias e arqueões
120

Pyrolobus fumarii
Methanopyrus kandleri
Pyrococcus furiosus 100
Thermococcus celer
Thermotoga maritima
Acidianus infernus 80
Thermus aquaticus
Rhodothermus marinus
(ºC)
Meiothermus ruber 60
Meiothermus chliarophilus
Deinococcus murrayi

40
Escherichia coli

Deinococcus grandis
Vibrio marimus
20
Micrococcus cryophilus

Polaromonas vacuolata
0
Temperatura Óptima para a Actividade de uma Enzima de Três Organismos

T. thermophilus
O.G.T.- 70ºC
100
Actividade Relativa (%)

D. ethenogenes P. horikoshii
80 T.O.C. 30ºC O.G.T.- 98ºC

60

40

20

0
0 20 40 60 80 100 120

Temperatura (ºC)

T.O.C., Temperatura óptima de crescimento
As enzimas de termófilos são termo-estáveis

Thermus thermophilus
sinthase de trehalose 6-fosfato Enzimas de Pyrococcus envolvidas
6 na síntese de manosilglicerato
A 5
activity)

ln (relative activity)
5
ln (relative activity

4
80ºC
4 98ºC
3
3 90ºC 2

2 100ºC 1

1 0
0 40 80 120 160 0 20 40 60 80 100
Time (min)
Time (min)
Temperatura óptima de crescimento 70-75ºC Temperatura óptima de crescimento 95-100ºC
pH
Gama de pHs para crescimento de bactérias

Picrophilus
Esherichia Bacillus Clostridium
torridus Thiobacillus Alicyclobacillus alkalophilus paradoxus
coli
acidophilus acidocaldarius
Growth rate

0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 12.0 14.0
pH
Resistência extrema a radiações UV- e ionizantes

Locais com radiação extrema não existem naturalmente na
biosfera. Têm cerca de 60 anos.

Que pressão ecológica podia dar origem a bactérias
extremamente resistentes a radiações?

Secura extrema causa os mesmos efeitos que radiações em
células.
Gamma-Radiation Resistance of Deinococcus and Rubrobacter spp.

100

10-1
Fracção sobrevivente

10-2 Rubrobacter radiotolerans

10-3

10-4 Deinococcus radiodurans

Esherichia coli
-5
10
Rubrobacter xylanophilus
10-6
0 4 8 12 16 20 24 28
Dose (kGy)
Deinococcus e Rubrobacter spp. sobreviem secura extrema

De um grama de solo do Deserto do Arizona, irradiado com raios gama, isolámos:

100 Deinococcus hohokamensis
NA
Deinococcus navajoensis
10 RM
PCA Deinococcus hopiensis
1 Deinococcus apachensis
Deinococcus maricopensis
% survival

0.1
Deinococcus pimensis
0.01
Deinococcus yavapaiensis
0.001
Deinococcus papagoensis
Deinococcus sonorensis
0.0001
0 5 10 15 20 25 30 35

Radiation exposure (kGy)
O que faz um microgarganismo sobreviver a radiações e secura?

10 1

10 0

10 -1

10 -2

10 -3
Surviving Fraction

10 1
-4
10

10 0
10 -5
0 2 4 6 8 10 12 14 16
10 -1
Gamma (kGy)

10 -2

10 -3
Surviving Fraction

Effect of Gamma-radiation and desiccation on the 10 -4
survival of strains () D. radiodurans, () D. claudioa,
() D. radiomolis, (), and () D. alpinitundrae .
10 -5
0 10 20 30 40

Desiccation (Days)
Truepera radiovictrix

Isolado de uma nascente termal de
água fresca com um pH neutro.

Truepera radiovictrix é extremamente
resistente a radiações

Temp. óptima de cresc.: 50ºC
pH óptimo: 8.5 to 9.5
Salinidade óptima: 1.0 % NaCl
Ambientes com sal

Salinas com micróbios vermelhos

O Mar Morto
pH Range for Growth of Some Bacteria and Archaea

Haloterant
Non-halotolerant

Slight halophile Moderate halophile
Growth rate

Extreme halophile

NaCl
Saturated
As salmoiras do fundo do Mar Vermelho
Haloplasma contractile

Shaban Deep is an abyssal salt brine
in the Red Sea.

Haloplasma contractile was isolated
from the brine/sediment interface at a
depth of 1447 meters.

The organism represents a new class-
level lineage within the Bacteria.

Antunes et al., 2008, J. Bacteriol.
Adaptação ósmotica em micróbios

A decrease in the water
activity of the environment
(increase in the osmotic
pressure) results in
cytoplasmic water loss.
The turgor pressure
becomes negative

The accumulation of an intracellular
solute restores the turgor pressure and
the cell volume. The solute (osmolyte)
must be compatible with cell function.
Solutos compatíveis de Hiper/termófilos

CH2OH OH
O CH2 OH
1 1 OH O
HO OH
HO OH O CH2OH OH
O HO

O CH 2OH
OH
Trehalose Mannosylglycerate
COOH
CH 2 OH
O
HO

HO
OH
CH 2OH
O
Di-myo-inositol-phosphate
Glucosylglycerate COOH
OH OH
HO O OH OH
HO P OH
O O
HO OH
OH OH
Estamos a matar aquilo que era tão bonito