You are on page 1of 45

Logística Tributária

PROF. ALESSANDRO DE LIMA DIAS

O que é tributo?
De acordo com o CTN, art. 3º - é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada.

Espécies Tributárias
CF, arts. 145, 148, 149 e 149-A – Cinco espécies: I) Impostos; II) Taxas; III) Contribuições de melhoria; IV) Empréstimos compulsórios; V) Contribuições:

a) Contribuições Sociais ;
b) Contribuições Corporativas ; c) CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico); d) CIP (Câmara Interbancária de Pagamentos);

Competência Tributária
Definição Compreende a competência legislativa plena, ressalvadas as limitações na Constituição Federal. (CTN, art. 6º)

Executar + Prerrogativas processuais (art. § 2º) . Fiscalizar. § 1º) Revogabilidade desta atribuição (art. 7º. conferida por uma pessoa jurídica de direito público a outra. 7º. Atribuição das funções: Arrecadar.Competência Tributária Indelegabilidade Atos ou decisões administrativas em matéria tributária.

aos Estados. é vedado à União.Limitações do Poder de Tributar De acordo com o art. ao Distrito Federal e aos Municípios instituir sobre: (Imunidades) .150 Código Tributário Nacional CTN.

Limitações do Poder de Tributar Imunidade Tributária É a limitação imposta pela Constituição à instituição de tributos sobre determinados objetos ou a serem suportados por determinados sujeitos. .

VI. que veda a instituição de impostos sobre livros. "d". . jornais. periódicos e o papel destinado a sua impressão.Limitações do Poder de Tributar Imunidade Objetiva Por exemplo art.150. da Constituição.

.Limitações do Poder de Tributar Imunidade Subjetiva Por exemplo art.150. "b". que veda a instituição de impostos sobre templos de qualquer culto. VI. da Constituição.

a isenção não é extensiva.Limitações do Poder de Tributar Isenção Segundo Art. II . o prazo de sua duração.aos tributos instituídos posteriormente à sua concessão. sendo caso. 177. De acordo com art. é sempre decorrente de lei que especifique as condições e requisitos exigidos para a sua concessão. salvo disposição de lei em contrário: I . . os tributos a que se aplica e. Parágrafo único. ainda quando prevista em contrato. A isenção pode ser restrita a determinada região do território da entidade tributante. em função de condições a ela peculiares. 176.às taxas e às contribuições de melhoria. A isenção.

são situações não abordadas no fato gerador.Outras imunidades: art. art. ADCT. 5º. 195. 149. 150. § 2º. § 7º – contribuições de seguridade social. art. . 85 (EC 37/2002) – CPMF sobre determinadas operações etc. VI: somente impostos .Art. na hipótese normativa de um determinado tributo. . art. I – contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico na exportação (EC 33/2001).Limitações do Poder de Tributar Não-Incidência Geralmente. XXXIV – taxas. não poderão ser alcançadas pela incidência da imposição.

.Extensiva às autarquias e fundações públicas nesse caso exige-se vinculação às finalidades essenciais.Limitações do Poder de Tributar Não-Incidência Recíproca (150. VI. “a”) .

§ 4º).Limitações do Poder de Tributar Não-Incidência Religiosa (150. “b”) .Alcança a entidade religiosa como um todo. 150. . .Patrimônio. . rendas.Subjetiva. VI. não só o templo físico. serviços vinculados às finalidades essenciais da entidade (art.

Não abrange sindicatos patronais.Limitações do Poder de Tributar Não-Incidência Partidos Políticos e Sindicato dos Trabalhadores (150. .Subjetiva. serviços vinculados às finalidades essenciais das entidades (art. . “c”) .Patrimônio. § 4º). 150. . rendas. VI.

Definição de entidade sem fins de lucro: exigência de LC (art. § 4º). 14 – Requisitos: . art. “c”) .Atualmente CTN.Limitações do Poder de Tributar Não-Incidência Instituições de Educação e Assistência Social sem fins Lucrativos (art.Subjetiva. . 146. . . rendas. 150. serviços vinculados às finalidades essenciais das entidades (art.Patrimônio. II). VI. 150.

a qualquer título (redação dada pela LC 104/2001).: O STF firmou o entendimento de que entidades de previdência privada. Obs. os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais. quando recebem contribuições de seus futuros beneficiários (e não apenas da instituição patrocinadora). c) manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão. da CF/88.Limitações do Poder de Tributar Não-Incidência Instituições de Educação e Assistência Social sem fins Lucrativos (art. não são imunes. no País. VI. 150. VI. . 150. não podendo ser enquadradas no art. “c”. “c”) a) não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas. b) aplicarem integralmente.

. produção.Abrange: a) importação. lista telefônica. IE. b) papel fotográfico. anúncios veiculados no corpo do jornal ou revista etc. IPI.Objetiva.Limitações do Poder de Tributar Não-Incidência Cultural (150. ICMS). “d”) . circulação (II. . VI.

agendas. . encartes publicitários separados do jornal ou revista etc.Não abrange: a) impostos sobre a renda das empresas que comercializam os bens imunes. VI. CD-Rom) ou outros que não papel (fitas cassete. “d”) . c) tinta. b) publicações em meio eletrônico (disquetes. máquinas. fita de vídeo).Limitações do Poder de Tributar Não-Incidência Cultural (150. insumos diferentes do papel. d) calendários.

O que é Taxa? É um tributo contraprestacional de serviços públicos ou de benefícios feitos. ou seja. postos à disposição ou custeados pelo Estado. o contribuinte. . em favor de quem paga. É cobrada pela prestação de serviços públicos e da polícia. O valor da taxa é calculado com base no custo do serviço prestado pelo Estado em favor do contribuinte.

As taxas podem ser: de iluminação pública. as pessoas de Direito Público não podem interferir na competência umas das outras. de limpeza pública. . 77) . pelo Distrito Federal. de fiscalização e funcionamento e etc. Podendo variar de localidade para localidade. e pelos os Municípios.O que é Taxa? De acordo com o Código Tributário Nacional (CTN Art. Por exemplo. de extinção de incêndio. a União não poderá cobrar taxas que são de competência de um Município. Ou seja. pelos Estados.As taxas podem ser cobradas pela União. no âmbito de suas respectivas atribuições.

quando possam ser destacados em unidades autônomas de intervenção. II . sendo de utilização compulsória. por parte de cada um dos seus usuários. III .79 . 77 (taxas) consideram-se: I . separadamente. . quando. quando suscetíveis de utilização.Divisíveis.Utilizados pelo contribuinte: a) efetivamente. quando por ele usufruídos a qualquer título. sejam postos à sua disposição mediante atividade administrativa em efetivo funcionamento. de utilidade ou de necessidade públicas.O que é Taxa? CTN – Art.Específicos. b) potencialmente.Os serviços públicos a que se refere o art.

. portaria. 150. I) Somente a lei pode (regra geral lei ordinária): a) Instituir tributo: sem exceção b) Majorar tributo: com exceções: Afasta: decreto.Princípios Constitucionais 1 – Princípio da Legalidade (art. instrução normativa etc. a menos que exigida LC Obs.: A iniciativa das leis tributárias não é privativa do Presidente da República. Não afasta: lei delegada e MP.

§ 4º. “b”) c) ICMS incidente em etapa única sobre combustíveis e lubrificantes definidos em lei complementar: definição. § 4º.Exceções ao Princípio da Legalidade Somente alteração de alíquotas. redução e restabelecimento por meio de convênios de ICMS (art. b) CIDE-combustíveis: redução e restabelecimento (art. . IV. 155. I. “c”). 177. IOF. IPI: majoração ou redução. IE.Princípios Constitucionais 1.1 . para: a) II. nos termos da lei.

sexo.Alguns critérios admitidos: c) Porte da empresa: Microempresas e EPP (art. II). I) . 150. d) Grau de desenvolvimento sócio-econômico regional (art. 3º. IV) . (art. b) Status pessoal: raça. progressividade do IR). 150. idade etc. Enunciação: tratamento jurídico igual para os que se encontram em situação equivalente (Ex. 179). cor. II) Comando para o legislador e o aplicador da lei. 151. Alguns critérios não admitidos para desigualamento: a) Ocupação profissional ou denominação dos rendimentos (art.Princípios Constitucionais 2 – Princípio da Isonomia (art. origem.

III.CTN proíbe retroatividade em geral. “a”) A lei não atinge fato gerador (FG) de tributos terminados antes de sua vigência CF somente se refere a instituição ou majoração (garantia mínima) .Princípios Constitucionais 3– Princípio da Irretroatividade (art. . 150. salvo as hipóteses do art. 106.

mas. Diferente de anualidade = autorização orçamentária anual EC 32/2001: medidas provisórias podem instituir ou aumentar tributos. Não é regra de vigência. “b”) Garantia da não-surpresa Publicação da lei no exercício anterior à cobrança do tributo. III.Princípios Constitucionais 4 – Princípio da Anterioridade (art. 150. no caso dos impostos. .Instituição ou majoração de tributos. . devem ter sido convertidas em lei até 31 de dezembro do ano de sua publicação para produzirem efeitos no ano seguinte.

. § 4º. IOF. 155.1 . b) Contribuições seg. § 1º). I).Exceções à anterioridade: a) II. IPI. § 4º. “c” (Convênios de ICMS). 148. § 6º) É anterioridade nonagesimal: efeitos 90 dias após publicação da lei que institua ou modifique. IE. art. “b”. 195. c) Exceções introduzidas pela EC 33/2001: art. IEG (art. I. social (art. empréstimos compulsórios excepcionais (art. 150.Princípios Constitucionais 4. quando não há alteração substancial na conversão. IV. Medidas provisórias: contam-se os 90 dias a partir da publicação. 177.

150. IV) Princípio de razoabilidade da carga tributária considerada como um todo. . não em função de cada tributo isoladamente.Princípios Constitucionais 5 – Princípio do Não-Confisco (art.

ICMS interestadual: não ofende o princípio. V) Veda criação de tributo cujo fato gerador seja a transposição da divisa estadual ou municipal. 150. .Princípios Constitucionais 6 – Princípio da Liberdade de Tráfego (art. Pedágio: cobrança em função da conservação de vias pelo Poder Público.

151. I) Vedação à União. Decorrente do princípio da isonomia e do princípio federativo. Ressalva incentivos fiscais a regiões menos desenvolvidas: critério constitucional expresso de desigualamento da situação dos contribuintes.Princípios Constitucionais 7 – Princípio da Uniformidade Geográfica (art. .

Não é regra de imunidade: a) tributação dos juros pagos pelas pessoas políticas por seus títulos públicos não pode ser superior à sofrida pelos juros pagos pelos títulos federais. b) tributação isonômica dos rendimentos pagos aos servidores públicos civis (mera reafirmação da isonomia do art. II) Regra dirigida à União. 150. 151. .Princípios Constitucionais 8 – Princípio da Isonomia dos Títulos da Renda Pública da Pessoa Política e da Tributação dos Rendimentos dos seus Servidores (art. II).

III) Regra dirigida à União . II). Ambas as exceções são efetivadas por LC federal (nacional). 151.Princípios Constitucionais 9 – Princípio da Vedação às Isenções Heterônimas (art. “e”) e ISS na exportação de serviços (art. 156. 155. § 2º. .Corolário do princípio da competência è isenção autonômica = só pode isentar quem pode tributar Duas exceções na CF/88: ICMS na exportação de não-industrializados (art. § 3º. XII.

Princípios Constitucionais 10 – Princípio da Não-Discriminação Tributária (art. Corolário do Princípio da Isonomia . DF e municípios. 152) Aplicação da Uniformidade Geográfica no âmbito dos estados.

145. b) progressividade X proporcionalidade.Princípios Constitucionais 11 – Princípio da Capacidade Contributiva (art. § 1º) CF só menciona expressamente os impostos Imposto pessoal X imposto real . .Técnicas: a) deduções.

150. . Não abrange a moratória. ICMS: incentivos previstos em Convênios (CONFAZ).Princípios Constitucionais 12 – Exigência de Lei Específica para Concessão de Incentivos Fiscais (art. § 6º) Lei ordinária específica: sobre o tributo ou sobre o incentivo.

bebidas. não taxas. combustíveis. 150. Restituição caso não ocorra o fato gerador presumido (STF agrave. § 7º) Introduzido pela EC 3/93.Princípios Constitucionais 13 – Substituição Tributária Para Frente/ FG Presumido (art. Cadeias com grande dispersão na ponta: ex. Somente impostos e contribuições.. . nem CM. não há restituição se a BC efetiva for menor do que a presumida).

Tipos de Impostos IMPOSTO – De acordo com o Art. imposto é o tributo cuja a obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica. 16 do Código Tributário Nacional – CTN. . relativa ao contribuinte.

Os principais são: IR – Imposto de Renda : tributo pago ao Estado a partir de um cálculo feito em cima das remunerações (salários.Tipos de Impostos FEDERAIS No caso dos impostos federais. somente a União tem competência para instituí-los.) Há dois tipos de IR: o IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física) e IRPJ (Imposto de Renda de Pessoa Jurídica). juros. dividendos e aluguéis. lucros. .

Tipos de Impostos FEDERAIS IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados: tributo pago a todo produto industrializado. Seguro. IOF – Imposto sobre Operações Financeiras (Crédito. derivados de petróleo. periódicos e o papel destinado à sua impressão. sem levar em consideração beneficiamentos. . II – os produtos industrializados destinados ao exterior. tais como plantações. Câmbio.544 de 2002 (RIPI/2002). ou relativas a Títulos e Valores Imobiliários): tributo pago pelos envolvidos nas operações. parcial ou incompleta de industrialização. São imunes ao IPI: I – os livros. mesmo que este esteja em fase intermediária. com base de cálculo diferenciada para cada uma delas. A base de cálculo é apenas em cima da terra em si. III – o ouro. jornais. quando definido em lei como ativo financeiro ou instrumento cambial. ITR – Imposto sobre Territorial Rural: tributo pago por proprietário de terras fora do perímetro urbano. O IPI é regulamentado pelo Decreto 4. IV – a energia elétrica. combustíveis e minerais do País.

ou serviços. periódicos e o papel destinado a sua impressão. jornais. operações e prestações que destinem ao exterior mercadorias. física ou jurídica. que realize operações com intuito comercial e prestação de serviços. inclusive produtos primários e produtos industrializados semi-elaborados. Os principais são: ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços: tributo pago por qualquer pessoa.Tipos de Impostos ESTADUAIS Os impostos Estaduais são de competência dos Estados e do Distrito Federal. . Casos que o ICMS não é cobrado: operações com livros.

de serviço de qualquer natureza definido em lei complementar como sujeito ao imposto sobre serviços. pelo próprio autor da saída. de competência dos Municípios. operações relativas a mercadorias que tenham sido ou que se destinem a ser utilizadas na prestação. comercial ou de outra espécie. . quando definido em lei como ativo financeiro ou instrumento cambial. ressalvadas as hipóteses previstas na mesma lei complementar. operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de propriedade de estabelecimento industrial.Tipos de Impostos ESTADUAIS operações interestaduais relativas a energia elétrica e petróleo. inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados. quando destinados à industrialização ou à comercialização. operações com ouro.

Tipos de Impostos ESTADUAIS operações decorrentes de alienação fiduciária em garantia. operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de bens móveis salvados de sinistro para companhias seguradoras. inclusive a operação efetuada pelo credor em decorrência do inadimplemento do devedor. não compreendida a venda do bem arrendado ao arrendatário. operações de arrendamento mercantil. Equipara-se às operações de que trata o item II a saída de mercadoria realizada com o fim específico de exportação para o exterior. destinada a: .

embarcações. . aeronaves. estado de conservação e quilometragem e sua base de cálculo é em cima do valor de mercado. etc). IPVA – Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores : tributo pago anualmente pelos proprietários de automotores (automóveis. inclusive tradings ou outro estabelecimento da mesma empresa. O imposto varia de acordo com o Estado. o modelo do automotor. motocicletas. b) armazém alfandegado ou entreposto aduaneiro.Tipos de Impostos ESTADUAIS a) empresa comercial exportadora.

.Tipos de Impostos MUNICIPAIS Os principais impostos municipais são: IPTU – Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana: tributo pago anualmente por pessoas física ou jurídicas. por meio de critérios estabelecidos em lei municipal e da aplicação de alíquotas diferenciadas. O cálculo do tributo é baseado no valor de mercado dos imóveis. proprietários de imóveis em áreas urbanas.

Tem a legislação própria de cada município. genericamente. ou fato gerador in abstrato. excluindo-se a sucessão (causa mortis). a transmissão.Tipos de Impostos MUNICIPAIS ITBI – Imposto sobre Transmissão Inter Vivos de Bens e Imóveis: sua hipótese de incidência. O ITBI não incide sobre a transmissão dos bens ou direitos: I – quando efetuada para sua incorporação ao patrimônio de pessoa jurídica em pagamento de capital nela subscrito. ISS – Impostos sobre Serviços: tributo pago sobre a mão-de-obra utilizada para a execução dos serviços. por ato oneroso. II – quando decorrente da incorporação ou da fusão de uma pessoa jurídica por outra ou com outra. é. A base de cálculo varia conforme o município. . Considera-se que mão-de-obra é tudo que sobrar após o desconto dos valores referentes as notas fiscais de compra de materiais. de bens imóveis.