Introdução

• ATUADORES
Mecanismos cuja função é transformar energia
de pressão de fluidos em energia mecânica, ou seja,
aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma
máquina, levando-a a realizar um determinado
trabalho.

Classificação
Os atuadores que utilizam fluido sob pressão
podem ser classificados segundo dois critérios
diferentes:
Quanto ao tipo de fluido empregado, podem ser:
- Hidráulicos: quando utilizam óleo sob pressão.
- Pneumáticos: quando utilizam ar comprimido;

• Rotativos: quando o movimento realizado é giratório (ou de rotação).Classificação Quanto ao movimento que realizam. . podem ser: • Lineares: quando o movimento realizado é linear (ou de translação).

Cilindros não rotativos ou lineares • São responsáveis por transformarem trabalho hidráulico ou pneumático em deslocamento mecânico linear. tirantes ou solda. prendedores. • Um cilindro consiste de uma camisa de cilindro. • Os cabeçotes são presos ao cilindro por meio de roscas. de um pistão móvel e de uma haste ligada ao pistão. .

.Cilindros não rotativos ou lineares • Conforme a haste se move para dentro ou para fora. ela é guiada por embuchamentos removíveis chamados de guarnições. • O lado oposto sem haste é o lado traseiro. • O lado para o qual a haste opera é chamado de lado dianteiro ou "cabeça do cilindro".

Cilindros não rotativos ou lineares Os principais tipos de cilindros lineares são: • • • • • • • • Cilindros de ação simples Cilindro com retorno com mola de simples ação Cilindro tipo martelo de simples ação Cilindro de dupla ação Cilindro de haste dupla Cilindro telescópico ou de múltiplo estágio Cilindro duplex contínuo ou cilindro Tandem Cilindro duplex .

• Cilindro com retorno com mola de simples ação: um cilindro no qual uma mola recua o conjunto do pistão. .Cilindros não rotativos ou lineares • Cilindros de ação simples: um cilindro no qual a pressão de fluido é aplicada em somente uma direção para mover o pistão.

• Cilindro de dupla ação .Cilindros não rotativos ou lineares • Cilindro tipo martelo de simples ação . . onde a força aplicada pode ser ajustada tanto no avanço quanto no retorno.um cilindro no qual o elemento móvel tem a mesma área da haste do pistão.Um cilindro no qual a pressão do fluido é aplicada ao elemento móvel em qualquer uma das direções.

. onde a força aplicada pode ser ajustada tanto no avanço quanto no retorno.Um cilindro com um pistão simples e uma haste ligada a cada lado.Cilindros não rotativos ou lineares • Cilindro de haste dupla . em que enquanto um lado avança o outro esta em retorno.

Cilindros não rotativos ou lineares • Cilindro telescópico ou de múltiplo estágio – um cilindro com arranjo multitubular da haste. muito utilizado em operações que exijam elevação de cargas a grandes alturas. que provê um curso longo com uma camisa curta na retração. muito utilizado em máquinas de construção civil. com ajuste da força no avanço e no retorno e com uma área pequena de cilindro. .

. mas o seu curso não é.Cilindros não rotativos ou lineares • Cilindro duplex contínuo ou cilindro Tandem consiste de dois ou mais cilindros montados em linha com pistões interligados por uma haste comum. Neste tipo de cilindro a força pode ser considerada praticamente o dobro do que teríamos em um cilindro comum. As guarnições são montadas entre os cilindros para permitir a ação dupla de operação de cada cilindro. Um cilindro Tandem fornece uma força resultante maior quando o diâmetro do pistão é limitado.

As guarnições são montadas entre os cilindros para permitir dupla ação de cada cilindro. Os cilindros duplex dão uma capacidade de três posições. .Cilindros não rotativos ou lineares • Cilindro duplex .consiste de dois cilindros montados em linha e com hastes múltiplas (uma para cada cilindro).

Cilindros não rotativos ou lineares .

Cilindros não rotativos ou lineares .

Reparo e Manutenção • Procedimentos vão desde a simples troca dos componentes até o polimento das hastes e o brunimento das camisas. entre outros cuidados. .

• Identificar essa necessidade é uma tarefa atribuída aos operadores e profissionais de manutenção. . precisam passar por intervenções de acordo com as horas trabalhadas pelo equipamento. camisa. que devem ficar atentos à perda de força do equipamento ou às avarias aparentes nos componentes externos dos cilindros hidráulicos. olhais e vedações internas. Como seus componentes estão sujeitos a desgaste.Reparo e Manutenção • Os atuadores hidráulicos/pneumáticos são formados por haste.

já que quanto mais lisa for a superfície. • Solução: polimento. tornando a superfície totalmente brilhosa e lisa. menor será a aderência de partículas externas. nesse caso. O brilho. quando ela se encontra com a aparência fosca. • A necessidade de polimento da haste também pode ser identificada visualmente. .Reparo e Manutenção da Haste 1º Caso • Defeito: ocorrência de pequenas deformações superficiais. é sinônimo de estanqueidade. cujo ingresso no interior do sistema poderá levar à contaminação do óleo hidráulico.

• Deve ser realizada antes do polimento. quando identificada a perda de espessura da haste. também para restabelecer seu diâmetro original. .Reparo e Manutenção da Haste 2º Caso • Defeito: desgaste do cromado. • Solução: cromagem por eletroposição (processo gera muito resíduo devido a lavagem antes da cromagem). na maioria das vezes. O cromo é aplicado para aumentar a dureza da superfície da haste e.

Reparo e Manutenção da Haste 3º Caso • Defeito: rachaduras e desgaste excessivo. Em seguida. • Esse é um serviço tradicional de usinagem. é feita a solda no novo componente e avalia-se a qualidade da soldagem. no qual se corta o olhal do cilindro para a substituição da haste. • Solução: troca do componente. .

Sempre que o olhal for substituído. Caso contrário. . de forma a se evitar o atrito de metal com metal. a bucha também deverá ser. ela é instalada a determinada pressão e não poderá ser novamente submetida a essa operação após sua remoção.Reparo e Manutenção dos olhais e buchas • Os olhais e suas buchas também são componentes de desgaste. Sempre que essa folga exceder os limites estabelecidos. Olhal • Deve-se atentar à folga existente entre o olhal e a bucha. Estes precisam ficar protegidos por graxa que atenda às especificações do fabricante de cada equipamento. recomenda-se a troca da bucha. o olhal também será danificado e precisará ser substituído. pois quando nova. • A troca de olhais exige o corte da haste eBucha troca-se o olhal.

• A necessidade de substituição desses componentes só pode ser descoberta quando o cilindro é aberto para a realização de algum outro procedimento de recuperação ou se o operador observar uma perda de força do componente. ocasionando uma diminuição da força e velocidade do atuador que irá resultar em perda de eficiência do equipamento. . bem como as vedações entre o pistão e cilindro também sofrem desgaste com o tempo de utilização do equipamento.Reparo e Manutenção das Vedações Internas • As vedações internas entre a haste e a camisa do cilindro. o que pode comprometer a estanqueidade do sistema ao permitir a passagem de óleo/ar.

dando uma aparência uniforme ao metal.Reparo e Manutenção do Cilindro • O invólucro do cilindro. Em atuadores pneumáticos é realizado o polimento para que haja a vedação. Apesar de sua espessura imperceptível. criando uma película protetora para a camisa. necessário para que a película de óleo se forme adequadamente dentro da camisa. também necessita de cuidados específicos. •. • Em cilindros hidráulicos. . Consiste numa espécie de lixamento mais grosso. conhecido como camisa. o procedimento mais usual é o brunimento. Envolve duas etapas distintas: 1. essas rugas formadas na segunda etapa irão proporcionar repositórios para o acúmulo de óleo hidráulico. 2. que permanecerá com rugas mais grossas em sua superfície. deixando essas rugas quase imperceptíveis e a superfície do metal totalmente lisa. É um lixamento fino.