THOMAS KUHN

1922 - 1996

FUNCIONAMENTO DA
CIÊNCIA
Ciência Normal
(actividade do cientista
dentro dos limites do
paradigma vigente)

ANOMALIAS
(casos
problemáticos)

REVOLUÇÃO
CIENTÍFICA (Novo
Paradigma)

Ciência Normal

ANOMALIAS

Paradigma 1
Crise

(Período de
acumulação de
anomalias)

Ciência extraordinária

Paradigma 2
Crise

Ciência extraordinária (período de crise que
antecede a revolução)

Paradigma:

 Procedimentos

técnicos: 1. regras
Visão do mundo
 para
aplicar
a teoria àteóricos
realidade; 2.
Leis
e pressupostos
 regras
para Filosóficos
usar
instrumentos
Princípios
 científicos
regras para avaliar
Hábitos ede3.
Trabalho;

explicações científicas.

Paradigma
EXEMPLO: O PARADIGMA COPERNICANO
 Muda-se
de paradigma
(visãoTESE
do
QUE
SE
CENTRA
NA
HELIOCÊNTRICA
SUBSTITUIU
O
mundo e forma de
fazer ciência)
PARADIGMA
PTOLOMAICO QUE SE
quando
este
oferece
mais
CENTRA NA TESE GEOCÊNTRICA.
respostas que o anterior.

Paradigma ptolomaico VS paradigma
copernicano

ANOMALIAS E CRISE
A ciência normal nem sempre é bem sucedida:
há enigmas que ficam por resolver e que
resistem

às

tentativas

de

resolução

(anomalia).

A

acumulação

de

anomalias

abala

confiança no paradigma, gerando uma crise.

a

A incomensurabilidade
dos paradigmas
 A razão de tal impossibilidade
 Impossibilidade
de
comparar
radica no facto dos paradigmas
objectivamente dois paradigmas de
serem demasiado diferentes entre
modo a concluir que um é superior
si. Uma mudança de paradigma
ao outro.
significa uma mudança de visão
do mundo.

A incomensurabilidade
dos paradigmas

PARADIGMA

COMUNIDADE CIENTÍFICA

 POUCO
ABERTA
À
INOVAÇÃO;
 OS
SEUS
MEMBROS
RESISTEM À MUDANÇA;
 NÃO É DIRIGIDA PELO
IDEAL DE VERDADE.

Ciência normal e extraordinária
Com a acumulação de anomalias que

Chama-se ciência normal ao período de
vão
no
decorrer
da
tempo surgindo
que a comunidade
cientifica
investigação
um período
de crise
trabalha
a dá-se
partir
do
paradigma
e(impreciso)
de polémica
em que se ensaiam e
vigente;
confrotam soluções novas para os novos
 Objectivo: Desenvolver o paradigma;
problemas que ameaçam o paradigma,
Dupla tarefa: 1. solucionar pequenas
a este período chama-se ciência
ambiguidades teóricas; e 2. investigar
extraordinária.
fenómenos ainda não explicados.

Ciência Extraordinária:
Momento em que
indispensável
ao
os fundamentos
surgimento
de estabelecido
uma Revolução
do
paradigma
são
Científica;
questionados.

Revolução Científica

 Período em que um novo
 Autêntica
ruptura,
os
paradigma
(nova pois
forma
paradigmas
em confronto
de interpretar
o mundo)
sãoéincomensuráveis.
adoptado (aceite) pela
comunidade científica;

Revolução Científica
As Revoluções Científicas
são raras dado que os
cientistas
resistem
a
abandonar o paradigma
vigente.

Ciência e Verdade
A ciência não Os
paradigmas
são
Uma mudança
de paradigma
incomensuráveis
(diferentes,
é um
(revolução científica)
não
não
superiores);
significa
que o paradigma
processo de
estabelecido
esteja
mais
aproximação
próximo da verdade ou nos
à verdade.

uma
imagem
objectiva da realidade.

mais

Ciência e Verdade
 Há

Não há desenvolvimento
progresso científico científico
pois
(mudanças):
1. Contínuo
no período
nenhum
paradigma
é melhor
do que da
Ciência Normal; 2. Descontínuo no
outro;
período
da
Revolução
Científica
(mudança de paradigma).

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?

ELIMINAÇÃO DA
OBJECTIVIDADE COMO
PROPRIEDADE
FUNDAMENTAL DA CIÊNCIA

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?
 Existência de critérios que tornam
possível avaliar objectivamente as
teorias:

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?

1.
teorias as
de
2. Precisão:
Consistência:
acordo
a observação
e a
teoriascom não
devem
ser
experiência;
incoerentes
nem
incompatíveis com outras
teorias aceites;

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?

3.
4.
Abrangência:
Simplicidade:
as
as
teorias
teorias devem ir
unificar
além
os
do fenómenos;
observado;

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?
Se uma teoria não apresentar estas
características, poderá ser considerada
irracional.
No entanto, apesar
de estes critérios
darem
alguma
objectividade
à
Ciência,
o
seu
alcance é limitado.

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?
Conclusão:
A ciência não é objectiva – apesar de
existirem critérios objectivos de escolha
entre teorias e paradigmas, as escolhas
não são completamente objectivas.

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?

Factores subjectivos responsáveis por
uma Ciência não objectiva:
o prestígio;

 a ideologia;
 ointeresses
modo deeinterpretar
gostos pessoais;
os
critérios em questão.

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?

Em suma, Kuhn afirma
que os cientistas estão
dependentes
de
condições sociais e são
ninfluenciados
por
valores,
crenças
e
normas
aceites
pela
comunidade científica.

KUHN: A CIÊNCIA É OBJECTIVA?

A comunidade científica trabalha com
base num paradigma e evita colocar
em questão esse paradigma, ou seja, o
ideal de objectividade não é um
objectivo a atingir.

CIÊNCIA E VERDADE

depende
 Não
mas
dos unicamente
acordos
do
rigor metodológico
intersubjectivos
entree
da
objectividade
da
cientistas
quanto às
experiência
científica; e
teorias,
métodos
técnicas dominantes.

Crítica de Kuhn a Popper
A ciência não progride em
direcção à verdade;
A Ciência não é um
conhecimento
objectivo
pois não nos dá uma
imagem cada vez mais
objectiva
e
livre
de
preconceitos
da
REALIDADE.

QUESTÕES?